– A Atividade Física e o Câncer: nada de cama, mas sim de… CORRIDA!

Qual o melhor tratamento oncológico que existe hoje?

Difícil um médico dizer com exatidão. Para um leigo, quase impossível. Mas algo que pode ajudar é a prática esportiva. E olha só que recomendação bacana dos especialistas, abaixo:

Texto extraído de: https://abrilsaude.files.wordpress.com/2018/05/exercicio-cancer.jpg

OS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA QUEM LUTA CONTRA O CÂNCER

Além de ajudar a evitar tumores, o exercício é importante durante o tratamento – por vários motivos. Veja as últimas recomendações dos especialistas

Por Theo Ruprecht

Antes da quinta sessão de quimioterapia, a médica da fisioterapeuta Roberta Peres, diagnosticada com câncer de mama aos 27 anos, avisou que trocaria os remédios. É um protocolo comum, que pode reduzir a intensidade de efeitos colaterais. “Mas ela me disse que, entre outros sintomas, eu talvez tivesse dores parecidas com as de um treino forte na academia”, lembra. Após a químio, Roberta definiu seu sofrimento de outro jeito: “Eram como facadas. No dia seguinte, falei que não iria aguentar e meu marido sugeriu caminharmos no parque para eu me distrair. Foi delicioso”.

O desconforto não sumiu, porém diminuiu a ponto de ela repetir a dose na próxima manhã e até trotar um pouco. “Tive câncer, fiz químio… e corri careca”, arremata Roberta, hoje com 29 anos e um perfil no Instagram que estimula outros pacientes a tomarem as rédeas da vida diante da doença. Ao longo das 11 sessões quimioterápicas seguintes (uma por semana), ela continuou dando suas passadas com o aval da doutora e notou ganhos em ânimo, autoestima, força…

“Está evidente que a atividade física ameniza consequências da doença e da terapia”, afirma o oncologista Auro Del Giglio, do Hospital do Coração, em São Paulo. Durante uma palestra que dará no Ganepão, um dos maiores congressos científicos do Brasil, o especialista vai destacar o papel da movimentação contra a fadiga gerada pelo tratamento. “Não há drogas adequadas para enfrentar essa reação adversa. Apenas os exercícios funcionam mesmo”, explica. Soa esquisito dizer que “gastar energia vai gerar energia”, mas é nesse sentido que as evidências científicas andam.

Uma revisão internacional de 34 estudos reuniu dados de 4 366 indivíduos com tumores. Seu resultado é categórico: não importa o tipo da doença, tirar o corpo da cama combate a indisposição. “Eu me poupava nos dias de quimioterapia, porque ficava sonolenta. Só que nos outros já voltava a me exercitar”, conta Roberta. Ela admite que os primeiros passos exigem esforço extra, contudo a sensação de esgotamento se dissipa com o suor.
“Na verdade, a atividade física libera neurotransmissores que trazem prazer e bem-estar”, explica José Cesar Rosa Neto, doutor em fisiologia e professor do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. A malhação ainda freia a degeneração muscular, uma repercussão comum após o diagnóstico que atrapalha tarefas cotidianas e intensifica a canseira.

Não por menos, o brasileiro Daniel Galvão, codiretor do Instituto de Pesquisa em Medicina do Exercício da Universidade Edith Cowan, na Austrália, concentrou-se no potencial de treinos supervisionados com práticas aeróbicas e de flexibilidade e força em 57 homens com câncer de próstata avançado – a doença havia invadido os ossos. Mesmo nesse cenário grave, os participantes expressaram uma melhora nas funções físicas sem desenvolver complicações.

“O estudo tem um enorme impacto, porque indivíduos com metástases ósseas até então eram excluídos de programas de exercício”, raciocina Galvão. Está aí um erro comum: imaginar que o câncer pede cama.

MAIS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA CONTRA O CÂNCER

Sono: a sensação de relaxamento após o esforço físico facilita o adormecer e melhora a qualidade do sono.
Disposição: sacudir a poeira é uma das principais maneiras de afastar a fadiga típica da quimioterapia.
Peso: ao contrário do que se pensa, vítimas do câncer podem engordar. E o exercício queima calorias.
Dor: os incômodos são aplacados com as substâncias analgésicas liberadas pelo esporte.

Como o exercício ajuda o tratamento em si

Resistir aos solavancos do tratamento é primordial para finalizá-lo. E aqui a malhação ofereceria vantagens. “Embora faltem pesquisas, o bom senso sugere que, se essa prática atenua reações adversas, ajudaria a pessoa a aguentar a estratégia desenhada pelo médico“, reflete Del Giglio.

Um indício de que o argumento bate com a realidade vem de um trabalho da Universidade de Alberta, no Canadá. Divulgado em 2007, ele reuniu 242 mulheres com câncer de mama submetidas à químio. Resultado: 78% das que foram orientadas a fazer musculação seguiram o plano original do doutor sem grandes intercorrências, ante 66% das que ficaram paradas.

Tais dados justificariam a menor taxa de mortalidade associada aos enfermos que suam a camisa após o diagnóstico. Em um levantamento de 2015 publicado no British Journal of Sports Medicine, os mais ativos apresentavam um risco 22% menor de morrer por causa do tumor.

Só considere que, talvez, dados como esse decorram do fato de que os sujeitos com cânceres mais agressivos se mexem menos – não seria o esporte que afasta a doença, e sim o contrário. “De qualquer forma, também existe a teoria de que os exercícios gastam parte da energia que abasteceria o tumor”, explica Sandro Fernandes da Silva, educador físico da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais. Fora isso, em experiências no laboratório, o esforço físico estimula o suicídio de células cancerosas e faz o sistema imune reconhecê-las melhor.

A atividade física ainda rechaça transtornos que abreviam a longevidade do pessoal que venceu o câncer. Exemplo: vários dos fármacos empregados lesam o coração. “Quem recebeu quimioterapia na infância às vezes desenvolve insuficiência cardíaca já aos 30 ou 40 anos”, revela Rosa Neto. “Mas o treinamento parece remodelar o órgão e manter seu funcionamento”, completa.

Na Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, pesquisadores recrutaram 100 voluntárias que haviam se tratado recentemente contra o câncer nos seios e colocaram metade para realizar exercícios. Depois de quatro meses, eles perceberam que a turma do agito exibiu quedas em colesterol, pressão e outros marcadores da síndrome metabólica. “Sobreviventes do tumor de mama com essa condição têm maiores índices de mortalidade. Logo, erradicá-la aumentaria a sobrevida”, diz a fisiologista Christina Dieli-Conwright, autora da investigação.

A dificuldade é sair do sedentarismo em um momento tão complicado – até porque o câncer impõe restrições. “No nosso trabalho, um grande desafio foi a falta de confiança das mulheres em movimentar os braços”, recorda-se Christina. Ora, não raro a cirurgia contra o tumor de mama abala as estruturas dos membros superiores.

Roberta, que passou por quatro operações antes de ver sua doença sumir dos radares, é prova disso: “Meu alongamento foi para as cucuias. Aí eu comecei a fazer pilates e ioga, que me ajudaram a recuperar a flexibilidade”. Claro que cada caso demanda cuidados específicos, que exigem supervisão. “Mas todos, ao se exercitarem, deixam de viver só em função do tratamento”, dá o recado. Tem virtude melhor do que essa?

Os exercícios físicos na prática

“As recomendações para pacientes com câncer estão sendo revistas”, adianta o pesquisador Daniel Galvão. Hoje, as diretrizes gerais se assemelham às voltadas ao restante da população – ou seja, pedem para incluir modalidades aeróbicas, musculação e alongamentos por ao menos 150 minutos na semana.

No entanto, há particularidades de acordo com o tipo de tumor, o estágio da doença e as características da pessoa. “Durante o tratamento, devemos focar na segurança, cobrar supervisão e reforçar que não é a hora de apertar o passo”, ressalta o oncologista Antonio Carlos Buzaid, da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Veja, a seguir, táticas para se manter ativo em meio à luta contra o câncer:

O calendário: veja como se sente após uma sessão do tratamento e se exercite nos dias em que os sintomas abrandarem.
A expectativa: concentre-se mais nos benefícios da atividade contra o tumor e menos – bem menos – no desempenho.
Os cuidados: se a doença se espalha para o fêmur, por exemplo, é bom não sobrecarregar a perna. Respeite as limitações impostas pelo médico.
A supervisão: o ideal é programar os treinos junto a educadores físicos e outros profissionais com experiência em oncologia.

Anúncios

– A cultura da Vaidade na Tragédia da EE Prof Raul Brasil

Depois de alguns dias, cada vez mais que se fala sobre as conclusões do atentado à escola Estadual de Suzano, mais se percebe o “mundo à parte” que existe na sociedade.

Conversas no submundo da Internet, fóruns virtuais que beiram à fixação de acontecimentos reais e ode à violência como “fim de Justiça”.

Justiça de quê?

Nessas mentes doentias de atiradores desajustados à sociedade, qualquer coisa é motivo de intimidação e revolta. Claro que são cabeças perturbadas e que se confortam com outros “promotores de justiça virtuais”. No fundo, se fazem de excluídos e querem a inclusão social – e essa se faz de forma trágica para chamar a atenção e ser notado.

E é esse o ponto que quero chegar: a cada passo da investigação, se vê que a motivação era a promoção pessoal! Chamar a atenção como o estúpido acontecimento de Columbine (EUA) ocorrido tempos atrás; ser notado como “poderoso” modificador social e, por mais macabro que seja, ser aplaudido e louvado por aqueles que se identificam “com o confrade”, como relatado em um dos textos descobertos nas investigações.

O pior é: imaginar que toda essa vaidade pessoal simplesmente cega o indivíduo de todo o sofrimento alheio, perda e prejuízo social / emocional dos outros (sem contar que o “retorno” do reconhecimento desejado não é recebido em vida, justamente pois o término é o suicídio).

Difícil aceitar sem emoção. Mais difícil é entender.

Resultado de imagem para Raul Brasil

– Os Novos Mundiais da FIFA e o Catar para 2022!

Novidades e Curiosidades para o futebol: Gianni Infantino, o presidente da FIFA (que insiste em chamar a entidade de “Nova FIFA”), quer um Mundial de Clubes com 24 equipes e a Copa do Mundo com 48 seleções (se possível, já para 2022). Isso Jean foi debatido nos últimos dias. Mas duas coisas importantes sobre o Mundial de Clubes:

– A UEFA não vai topar nem 12 e nem 8 clubes. Não é vantajoso nem lucrativo desvalorizar suas equipes contra times mais fracos em datas adicionais. Duvido que vingará.

– Deixou-se no ar que “agora será Mundial de Clubes de verdade”. Os outros (os da FIFA e os não organizados pela FIFA) não eram? Eu sempre disse que a Toyota Cup era Intercontinental e que o World Club FIFA era uma “Copa das Confederações de Clubes”. Ambos não eram mundiais “pra valer”, mas eram o que se tinha e que se deveria considerar. Até mesmo a Copa 51 do Palmeiras e a Copa Rio 52 do Fluminense deveriam ser reconhecidos como títulos mundiais. O que não pode é desmerecer TODOS os outros sumariamente. O futebol, afinal, existia antes da FIFA e da “Nova FIFA”.

Várias coisas importantes sobre o Mundial de Seleções:

– A reunião da FIFA aconteceu justamente na semana em que se descobriu que houve corrupção de quase 4 bilhões de reais para o Catar “comprar a sua escolha”.

– Não se sabe se conseguirá aumentar o número de sedes do Mundial (estuda-se acrescentar Omã e Kwait), mas a única coisa garantida é que, ao menos, 32 países estarão no Catar.

– Esse texto, abaixo, publicado na Revista Superinteressante, é extremamente curioso e informativo: algumas coisas que devem ser evitadas durante o Mundial de 2022.

COMO IR PARA A COPA DO MUNDO DO CATAR

Por Marcelo Testoni

  1. Por lei, é proibido fazer gestos obscenos (mostrar o dedo do meio dá até cadeia) ou mesmo beijar na boca em público. Na rua, carícias também não são recomendáveis – se alguém se incomodar com abraços e afagos pode até chamar a polícia.
  2. Fotografar mulheres locais sem autorização, nem pensar. Muito menos cumprimentá-las com as mãos – só acenando mesmo.
  3. Em praias públicas e próximas às cidades, traje de banho é vetado – biquíni ou sunga, só se você se hospedar num resort internacional. Também é proibido usar shorts acima do joelho e roupas curtas, decotadas, com os ombros ou a barriga de fora.
  4. Bebidas alcoólicas em público são proibidas.
  5. Uma refeição, em média, custa S$ 70.00

bomba.jpg

– E deu cana para Temer! Quem pode criticar a Lava Jato?

Não me canso de escrever: a Operação Lava-Jato foi uma das coisas mais corretas que pôde acontecer na história do nosso país, desde a Independência do mesmo.

Políticos corruptos que se faziam como demagogos populares, como Lula e Maluf, estão encarcerados. Um sem-número de pessoas ligadas ao antigo PMDB, PT, PP e outras siglas, idem. Poucos ainda do PSDB, mas aos que estão sob vigia, tenho certeza que na primeira oportunidade serão pegos também . Uma pena que os ex-senadores Aécio Neves (PSDB) e Gleise Hofmann (PT), para não serem também detidos, de maneira ridícula resolveram concorrer a deputados para garantir o maldito foro privilegiado.

Michel Temer, que não poderia (por que não conseguiria) se ele eleger a nada, foi preso nessa histórica quinta-feira (juntamente com Moreira Franco, Cel Lima e outros comparsas).

O juiz Marcelo Bretas, em seu mandado de prisão, escreveu que:

“MICHEL TEMER é o líder da organização criminosa a que me referi [apelidado de ‘Quadrilhão do MDB’], e o principal responsável pelos atos de corrupção aqui descritos”.

Dessa forma, temos, dos três últimos presidente eleitos, dois na cadeia e um que sofreu impeachment (Lula, Temer e Dilma, respectivamente).

Fica a dúvida: Michel Temer terá as mesmas regalia que o criminoso Luís Inácio Lula da Silva tem em Curitiba? Afinal, são dois ex-chefes do Executivo.

Por coerência, àqueles que desqualificam a Lava-Jato agora terão que gritar TEMER LIVRE e argumentar que ele é “preso político”. Ou aí não vale?

Não importa o partido ou a ideologia: político corrupto tem que ser preso! Vale para Lula, Temer, Aécio, Bolsonaro, FHC, ou quem venha a pisar na bola.

D2MNSN9XgAAARpj

– Sorrisos entre Girassóis

📸 Uma das minhas favoritas fotos no #tbt de hoje: um clique entre os girassóis, em 2014. Veja só os sorrisos estampado em nossos rostos. Obrigado, meu Deus!

🌻 #natureza #família #girassol #paisagem #fotografia #photography #FotografiaÉnossoHobby

– A superação de quem tem Síndrome de Down e os universitários especiais!

Hoje é Dia internacional da Síndrome de Down. E sabe que os downs são pessoas especiais mesmo? Claro, pois veja cada coisa maravilhosa que eles são capazes!

Extraído de: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/03/1868259-inclusao-leva-downs-a-universidade-e-forma-de-chefe-de-cozinha-a-professor.shtml

INCLUSÃO LEVA DOWNS A UNIVERSIDADE E FORMA DE CHEFE DE COZINHA A PROFESSOR

Por JAIRO MARQUES

Ao menos 44 pessoas com síndrome de Down passaram ou estão em bancos de universidades brasileiras desde 2005 –quando se tem registro do primeiro ingresso.

O levantamento e monitoramento dos estudantes é do Movimento Down, ONG mais atuante no país em defesa dos direitos do grupo social.

Segundo a organização, o número, o mais relevante da América Latina, mostra o efeito da educação inclusiva no Brasil e revela mudança de postura diante do entendimento da pessoa com down.

As carreiras mais escolhidas pelo grupo são educação física, gastronomia e pedagogia. O montante ainda é pequeno em relação aos universitários ingressantes em geral 2,9 milhões, de acordo com censo de 2015, do MEC. Há uma concentração maior de estudantes no Estado de São Paulo, mas existem alunos em instituições de ensino superior públicas e privadas de norte a sul do país.

Não há oficialmente nenhuma diretriz específica para atendimento do aluno com down no ensino superior. Cada instituição recebe e dá condições de estudo a esse público por iniciativa própria. Também não há no país
uma contagem oficial dessas pessoas –estima-se em cerca de 270 mil, com base na prevalência de nascimento.

A pedagoga Maria Teresa Eglér Mantoan, professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas e coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diferença avalia que “a possibilidade de todos estarem na escola é possibilidade de todos chegarem à universidade”.

“Pessoas com síndrome de Down, como qualquer pessoa, estudando em uma escola para todos, inclusiva, têm chances de chegar à universidade e isso é um privilégio. É dever das universidades oferecerem serviços educacionais especializados de apoio a esses alunos e para quaisquer que precisem de atenção diferenciada no ensino superior. Não necessariamente a pessoa vai precisar acionar o serviço, mas é fundamental oferecê-lo”, afirma a pedagoga.

Pedro Brandão, 22, formou-se neste ano em gastronomia, pelo Centro Universitário Senac. Ele já está empregado, em uma das unidades do bar Pirajá, de São Paulo, e avalia que apoio familiar é fundamental para conseguir chegar ao ensino superior.

“Meu pai e minha mãe me deram segurança, apoio e amor. Eles foram minha inspiração para ser chefe de cozinha”, diz ele, que desde o ano passado ajuda na preparação de alimentos e demais serviços da cozinha do bar.

Daniela Montesano, coordenadora do serviço de acessibilidade e apoio psicopedagógico do Senac, explica que Pedro “não foi café com leite” durante o curso.

“Trabalhamos com o potencial do aluno e não com sua deficiência. As necessidades do Pedro foram repassadas aos professores do curso e, durante as aulas práticas, ele teve um acompanhamento de um mediador. Não se muda o currículo ou as disciplinas, mas, sim, trabalha-se e cobra-se o essencial. Nada é diferenciado, apenas atende-se a uma demanda específica”, afirma.

Para Patrícia Almeida, cofundadora do Movimento Down, o acesso ao ensino superior “é importante porque mostra a famílias e professores que as pessoas com síndrome de Down podem aprender”. “Antes isso era inimaginável, porque todos achavam que eram ineducáveis, então não valia a pena investir e buscar maneiras de ensinar”, afirma.

Segundo ela, o movimento nas universidades é reflexo da inclusão escolar. “Nenhum destes universitários [da lista de 44] passou por escola especial. A inclusão escolar não é apenas um direito, mas é também melhor para todos. Não quer dizer que todos vão para a universidade, até porque nem todo mundo vai”, diz.

Nesta terça-feira (21) celebra-se o Dia Internacional da Síndrome de Down. Estão programadas cerca de 160 atrações pelo país.

bomba.jpg