– O Salário de Neymar no PSG.

Após a sua renovação contratual até 2025, o jogador Neymar vai ganhar R$ 16.000.000,00 mensais do Paris Saint-Germain.

O que você compraria com 16 milhões entrando na sua conta todo mês? Se comprar um carro de luxo, uma mansão ou uma viagem de “volta ao mundo”, ainda sobra muito dinheiro (lembrando: e a cada 30 dias entrará mais)!

Multiplique pelo número de meses ou anos. O resultado será um montante incrível.

Se preferir, divida pelo TEMPO: ele receberá R$ 533.333,33 por dia. Ou R$ 22.200,00 por hora. Ou ainda: R$ 370,00 por minuto.

Neymar é gênio! Se não for na bola, com certeza é nas finanças.

– E se você investisse 1000 dólares na…

INVESTIMENTOAlgumas empresas eram apostas e se valorizaram demais. Outras, eram tradicionais e dava para comprar ações com segurança. Mas e quantas outras fizeram o investidor perder dinheiro?

As mais rentáveis na década, no gráfico:

– #NeyDay: PSG x Manchester City. França x Inglaterra? Ou Catar x EAU? Ou ainda: Emir x Emir?

Hoje, mais do que um jogaço de bola muito aguardado, teremos neste chamado “#NeyDay” dois endinheirados em campos.

Você sabe quem são os donos desses times, e tem ideia da fortuna absurda que possuem? Na teoria, são de “fundos do Oriente Médio“, mas não é bem assim.

  • O PSG é do emir Tamim bin Hamad al Thani, um príncipe catariano que criou uma holding de 1,35 tri de reais.
    (Para saber os detalhes e a história, clique aqui: https://wp.me/p4RTuC-nID).
  • O Manchester City é do emir Mansour bin Zayed Al-Nahyan, o prefeito de Abu Dabhi, com a fortuna pessoal de US$ 41 bi, tendo a riqueza da família real a que pertence beirando 1 tri.
    (Para saber os detalhes e a história, clique aqui: https://wp.me/p4RTuC-lGW).

Sabe o mais curioso? O emir do Catar (PSG) e o emir dos Emirados Árabes Unidos (MCity) se odeiam, e por conta disso, a relação dos dois países este rompida há anos. Não há relação diplomática como citado nos links acima.

Portanto, PSG x City não é um “França contra a Inglaterra”, mas um “Catar contra EAU”!

Sportbuzz · PSG x Manchester City: Saiba onde assistir e prováveis  escalações

– Alguns clubes de futebol profissionais serão somente mercadores de jovens?

Não há problema algum se um clube de futebol direcionar seu trabalho para a formação de jovens atletas e vendê-los como futuros profissionais a outros. Isso é normal, é mercado, negócio, business.

O problema é: quando isso passa a ser o motivo de sobrevivência dos grandes clubes históricos do Brasil, tornando a base como principal receita financeira ao elenco profissional! Ou seja: a categoria principal “não se paga ,e é refém da venda de talentos.

Disserto em: https://youtu.be/AYY2rkMOuP4

– Calma, pessoal da Superliga…

Leio as notícias do rompimento de grandes clubes europeus com a UEFA e a FIFA, criando uma “Superliga”, nos moldes da NBA.

Se vingar, faz parte do capitalismo. E cá entre nós: entre todos os envolvidos, não há mocinhosMas nos lembremos: nenhuma entidade é “dona do esporte”, outras podem surgir paralelamente. Até penso ser salutar, desde que existam condições financeiras e esportivas respeitadas e regradas. Grandes sempre existirão, idem a pequenos.

Porém, para uma competição que se deseja jogar em 2024, formada por Florentino Perez como cabeça, não parece mais uma “chantagem por anseios políticos contra a UEFA” do que propriamente um movimento rebelde?

Eu acho que não teremos essa competição. Mas, em todo caso, são 12 os clubes anunciados até agora (serão 15 permanecentes e 5 transitórios):

  • Milan
  • Arsenal
  • Atlético de Madrid
  • Chelsea
  • Barcelona
  • Inter Milão
  • Juventus
  • Liverpool
  • Manchester City
  • Manchester United
  • Real Madrid
  • Tottenham

– Competência financeira versus competência administrativa no futebol:

Esse quadro publicado pela TNT Sports é claríssimo: de que adianta o dinheiro, se você não geri-lo bem? De que adianta a força financeira, se a competência na execução é falha?

No esporte, especialmente no futebol, isso é uma verdade incontestável. Abaixo:

– As dificuldades financeiras da Universidade Metodista.

Que pena… a crise financeira atingiu empresas tradicionais de todos os setores. E na Educação, quem passa por dificuldades é a Universidade Metodista!

Compartilho sobre as dívidas de ½ bilhão de reais do grupo, abaixo,

em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2021/04/10/controladora-da-universidade-metodista-se-prepara-para-recuperacao-judicial

CONTROLADORA DA UNIVERSIDADE METODISTA SE PREPARA PARA A RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Com dívidas de cerca de R$ 500 milhões e enfrentando dificuldades financeiras desde 2015, o grupo viu sua situação econômica se deteriorar em meio à pandemia

Tradicional companhia no ensino superior e básico, a centenária Educação Metodista está perto de fazer seu pedido de recuperação judicial.

Com dívidas de cerca de R$ 500 milhões e enfrentando dificuldades financeiras desde 2015, o grupo viu sua situação econômica se deteriorar em meio à pandemia de Covid-19. Para conseguir preparar seu plano de recuperação, a controladora da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo (SP), protocolou uma medida cautelar na Justiça nesta sexta-feira (9).

Esse movimento tenta garantir que os efeitos da recuperação judicial sejam antecipados – algo que a empresa vê como fundamental para ter fôlego para atravessar esse período. O pedido de recuperação já está sendo elaborado e a expectativa é de que seja protocolado em até 30 dias.

O grupo Educação Metodista abriu sua primeira escola em 1881, no Rio Grande do Sul. Atualmente, administra 11 colégios e seis instituições de ensino superior, nos Estados do Rio Grande do Sul, de São Paulo e Minas Gerais. A instituição emprega cerca de 3 mil funcionários, sendo 1,2 mil docentes. O grupo atende atualmente 19 mil alunos da educação básica ao ensino superior.

As dificuldades financeiras tiveram origem nas mudanças nas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) em 2015, disse o diretor de operações estratégicas da Educação Metodista, Aser Gonçalves Junior, ao Estadão.

Na época, o grupo tinha uma base de 51 mil alunos – volume que encolheu 60% desde então. “A mudança do Fies afetou todo o mercado educacional. Houve também a recessão no Brasil e a entrada de novos players, que realizaram uma consolidação do mercado, acirrando ainda mais a competição, com preços agressivos”, comenta o executivo do Grupo Metodista.

A educação universitária no Brasil havia recebido uma forte injeção de ânimo com a chegada do Fies, que aumentou o número de alunos no ensino superior em todo o País.

Em 2015, contudo, as regras foram alteradas, com a alegação de que o programa se tornaria mais sustentável ao longo do tempo. Dentre as diversas mudanças estavam juros maiores, prazo menor para se quitar a dívida e o fim do financiamento de 100% do curso.

Efeitos da covid

Gonçalves Junior explica que a situação financeira do negócio se agravou ainda mais com a chegada da pandemia, que levou a uma perda adicional de alunos e, consequentemente, de receitas.

“Ficamos em uma situação inviável de nos recuperarmos sem ter um artifício legal. A recuperação judicial será a melhor ferramenta para ter um processo mais organizado, proteger os credores, resolver as pendências que temos e ficamos protegidos para conseguirmos restabelecer nosso fluxo de caixa”, diz o executivo.

No começo do ano, a companhia contratou o escritório Galdino & Coelho Advogados, que está elaborando o pedido de recuperação judicial, e a consultoria Alvarez & Marsal, que vai ficar à frente da reestruturação do grupo.

O executivo conta que, devido à grande perda de alunos, foi necessário um enxugamento no quadro de funcionários. Ao todo foram 1,3 mil funcionários desligados. Agora, segundo ele, esse processo chegou ao fim.

O processo de reequilíbrio financeiro passará também por uma reorganização dos cursos de graduação, com atenção para a rentabilidade. Após um mapeamento, alguns cursos já saíram da grade, ao passo que outros, mais rentáveis, como o de direito, odontologia e administração, foram reforçados.

Para ganhar tempo, o grupo Metodista também venderá ativos não operacionais, essencialmente imóveis. “Temos ativos suficientes para nos dar um fôlego. São terrenos, imóveis, ativos que deixaram de ser operacionais”, afirma o diretor de operações estratégicas da Educação Metodista.

Comunicação e Informação: Metodista se destaca como melhor universidade  privada da área | Guia do Estudante

– A vaquinha solidária do Corinthians para pagar as contas. O que você pensa sobre isso?

Dias atrás, falamos sobre as dívidas e pendengas financeiras absurdas do Corinthians, e que não fogem muito do retrato da má gestão de Botafogo, São Paulo ou Santos, entre tantos outros. (vide aqui: https://wp.me/p4RTuC-tZC). E agora, leio que o Timão quer fazer uma “vaquinha virtual solidária” entre os torcedores, a fim de amortizar seu saldo negativo.

Trocando em miúdos: a diretoria gastou demais, está sem dinheiro e pede ajuda de doações dos torcedores para pagar as contas!

Dias atrás, falamos de algo parecido com a equipe paraense da Tuna Luso, que pediu a seus simpatizes o envio de pix em seu CNPJ, já que com a crise financeira estava com muitos problemas em seu caixa (reveja aqui: https://wp.me/p4RTuC-tLk). Mas… o Corinthians?

Um clube de torcida nacional, com milhões de torcedores (que podem ser consumidores), precisa chegar a tal ponto? Não seria, talvez, por ventura, quem sabe… (estou escolhendo as palavras), meio que… humilhante?

Seus rivais Palmeiras, Flamengo e Grêmio estão dando demonstrações de equilíbrio / sobra financeira (se preferir: dinheiro no cofre), e o Alvinegro tomando tal atitude?

Insisto: clubes de médio / pequeno porte, ou de torcida regional ou ainda novatos, há de se entender a dificuldade de recursos. Mas com apelo popular tão grande quanto ao Corinthians, não é algo irreal?

Não sei como funciona a lei para permitir tais doações, mas se for concretizado o desejo, corroboro a opinião do jornalista Ricardo Perrone, do UOL, que sugeriu condições para isso. Abaixo, o texto dele: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/colunas/perrone/2021/04/05/sete-exigencias-que-a-fiel-deveria-fazer-em-caso-de-vaquinha-por-dividas.htm

SETE EXIGÊNCIAS QUE A FIEL DEVERIA FAZER EM CASO DE VAQUINHA POR DÍVIDAS

Na última quinta (1°), membros da Gaviões da Fiel discutiram com a diretoria do Corinthians a possibilidade de criação de uma vaquinha para torcedores ajudarem a pagar dívida do clube, entre outros assuntos. Na opinião deste blogueiro, não será justo se a Fiel for convocada para ajudar a cobrir o estrago feito pela incompetência de seguidas administrações. A dívida é de R$ 956,9 milhões, sem contar o débito pela construção do estádio.

A torcida não foi ouvida antes de o clube contratar Luan, Araos, Ramiro, Davó, Everaldo, Richard, Jonathan Cafu e Sornoza, entre outros. Assim, não faz sentido ela ajudar a pagar a conta.

Porém, se o projeto sair do papel, os eventuais doadores deveriam exigir contrapartidas, já quem ninguém coloca dinheiro no clube sem uma compensação e/ou garantia. Abaixo sugestões do blog de pedidos que os torcedores deveriam fazer para abraçar uma eventual campanha de doação.

1 – Documento assinado pela diretoria no qual ela se compromete a usar o dinheiro apenas para pagar dívidas. Os débitos a serem quitados devem ser detalhados. Em caso de não pagamento, as quantias devem ser devolvidas.

2 – Prestação de contas publicada no site do Corinthians.

3 – Antes de a doação ser feita, o Conselho Deliberativo deve aprovar alteração estatutária que dê direito a voto ao sócio-torcedor.

4 – Inclusão no estatuto, antes de as doações começarem, de artigo que proíba o clube de pegar empréstimos com empresários. O descumprimento daria motivo para abertura de processo de impeachment.

5 – Criação de artigo no estatuto definindo que todas as contratações de funcionários do clube devem ser feitas por processo seletivo criado por empresa especializada. Não poderão se candidatar às vagas parentes e pessoas que tenham ou já tiveram relação profissional com diretores, conselheiros, funcionários e patrocinadores do Corinthians.

6 – Mudança no estatuto que defina que apenas diretores profissionais contratados por processo seletivo possam atuar nas categorias de base. Conselheiros e sócios ficariam proibidos até de frequentar o departamento e de integrar as delegações em viagens.

7 – Novo artigo no estatuto que torne inelegível no clube por período a ser definido todos os integrantes de uma diretoria que aumente a dívida do Corinthians, a menos que o alvinegro seja ressarcido por eles. Esses dirigentes também perderiam direito a voto no conselho e para presidente, além de não poderem ocupar nenhum cargo enquanto durar a punição.

A seguir, os valores bilionários recebidos pelos clubes de futebol, divulgados pela Pluri Consultoria, compreendendo o período anterior ao da pandemia:

– De onde vem tanto dinheiro para bancar as loucuras do Grêmio?

Escrevo por pura ignorância: sei que o Grêmio-RS vende muito bem seus jogadores e o “cofre está cheio”. Mas a contratação de Rafinha (que não é nada barata) e a oferta ESPANTOSA por Borré são de se assustar!

Cerca de R$ 34 milhões em luvas, além de um salário mensal próximo de R$ 1 milhão, por um contrato de 5 anos: essa foi a oferta gremista ao jogador colombiano que atua no River Plate (fonte: ESPN Argentina, em: https://www.espn.com.br/futebol/artigo/_/id/8395083/premier-league-apos-ouvir-gallardo-e-esperar-europa-borre-entra-na-mira-do-brighton-que-fara-proposta-diz-site).

E se Borré aceitar e não der certo? Como sustentar tudo isso com um contrato tão longo e caro? Aliás, respeitosamente, o atacante é um jogador muito bom; mas craque, não. Quanto valeriam Careca ou Evair hoje, se comparados a ele?

Agora, diz-se que o Brighton, da Inglaterra, entrou na negociação pelo atleta. Aguardemos, mas ainda persistindo com a dúvida: há um mecenas como ocorre no Atlético Mineiro ou simplesmente é dinheiro da própria gestão?

Grêmio prepara bolada astronômica para ter Rafael Borré; veja valores

– E no que foi gasto (e quem gastou) o dinheiro da Timemania do Paulista FC?

Ontem, na Rádio Difusora, o jornalista Adilson Freddo fez uma excelente entrevista com Rodrigo Alves, presidente do Paulista FC, que não fugiu das perguntas e foi muito esclarecedor.

Abaixo, há o link disponibilizado pelo site Esporte Jundiaí com o áudio na íntegra para quem queira ouvir. Mas duas coisas me chamaram a atenção:

  1. Respondendo ao questionamento do Robinson Berró Machado sobre a dívida do Galo, levei um susto: está em torno dos R$ 50 milhões! Com as minguadas receitas que são possíveis estando na 4a divisão, há de ser mágico para fazer futebol.
  2. Eu pude perguntar ao Rodrigo sobre existir ou não uma auditoria em andamento, relembrando as queixas de possíveis desvios de dinheiro de outras gestões, e um dado passado por ele me impressionou: existe a Timemania, um jogo das Loterias da Caixa onde, quando o apostador escolhe o “Time do Coração”, o clube ganha uma participação. Este dinheiro fica na Caixa Econômica Federal (que é um banco público), a fim de pagar impostos à União (essa medida surgiu naquele primeiro Reffis do Governo Federal para ajudar os times endividados). E o Paulista tinha R$ 1.000.000,00 de saldo – sendo parte para pagamento do FGTS, outra parte bloqueada pela Justiça e cerca de R$ 250 mil… transferido para contas de particulares!

Ôpa! Isso é grave. E na minha pergunta, havia a questão também de existir ou não a possibilidade de processo judicial para reaver valores / punir saídas indevidase há. Por questões da própria Auditoria e Justiça, o presidente não pode revelar os nomes dos favorecidos (o que é normal).

Fico cá pensando com meus botões: que “Caixa Preta Maluca e Sinistra” é a vida financeira do Galo, não?

A entrevista, em: https://www.youtube.com/watch?v=KpEwQ-7XOvk&t=19s

– Parabéns, MEIs!

Encerramos hoje mais uma turma do Curso “Descomplique – Gestão”, promovido pelo Sebrae / IBS Américas e Governo do Estado de SP (hoje, na cidade de Bragança Paulista).

Falamos de Empreendedorismo, Novos Negócios, Marketing, Finanças e Formalização.

Sempre (mas sempre mesmo) como professor, a maior satisfação é: ver os olhos dos alunos brilhando. Não há preço que pague isso!

Que Deus ajude esses corajosos empreendedores em busca de seus sonhos.

– O salário de Messi no Barcelona.

Um salário de mais de 11 milhões de euros por mês (Hoje, quase 70 milhões de reais mensais)! É isso que Lionel Messi ganha no Barcelona – e um dos motivos para o time catalão estar em dificuldades financeiras.

Quem aguenta pagar tal soma?

Abaixo, extraído de: https://www.dn.pt/desporto/555-milhoes-de-euros-o-contrado-de-messi-que-arruina-o-barcelona-13298146.html

555 MILHÕES DE EUROS: O CONTRATO DE MESSI QUE ARRUÍNA O BARCELONA

O jornal espanhol ‘El Mundo’ revela o valor do contrato do argentino com o clube catalão, que termina no final de junho.

O contrato que une o jogador argentino Lionel Messi ao FC Barcelona desde 2017 tem um valor total de 555 237 619 euros, revela o jornal espanhol El Mundo na edição deste domingo.

“O contrato faraónico de Messi que arruína o Barça”, escreve o jornal, dizendo que só por ter assinado o acordo, em novembro de 2017, o argentino ganhou 115 225 000 euros, garantindo ainda 138 milhões de euros brutos por temporada. A sua “fidelidade” rendia mais 77 929 955 euros.

Segundo o jornal, o avançado já recebeu 92% do valor do contrato, apesar de a equipa não ter ido longe na Liga dos Campeões. O contrato é válido até 30 de junho e a partir daí o jogador é livre.

Segundo o jornal, os mais de 500 milhões representam metade da dívida do clube.

– Quem quer comprar bicicletas ou patinetes motorizados da Yellow?

A febre das bicicletas e patinetes da Yellow passou. Pudera, a empresa, que não conseguia ter lucro e tinha muitos custos com manutenção e equipamentos avariados / roubados, faliu.

E para onde foram as bikes?

Olhe só:

Em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2021/01/28/onde-foram-parar-as-bicicletas-da-yellow-leiloes-vendem-bikes-por-r-380

ONDE FORAM PARAR AS BICICLETAS DA YELLOW

Bastava caminhar um pouco pelos grandes centros, especialmente em São Paulo, para esbarrar com uma bicicleta amarela da Yellow. Ao custo de R$ 1, era possível andar por 15 minutos pela cidade, facilitando pequenos deslocamentos, como aqueles entre a residência até uma estação do metrô, por exemplo.

O cenário mudou completamente mesmo antes da pandemia. Em janeiro do ano passado, a empresa, por problemas financeiros, paralisou as suas operações e retirou as suas bicicletas das ruas. Mais tarde, viria o pedido de recuperação judicial da Grin, que foi a empresa resultante da fusão entre Yellow com a Grow, no começo de 2019.

Porém, algumas delas estão reaparecendo – mesmo que aos poucos. Diversos sites de leilão começam a vender as bicicletas por valores até que considerados módicos perto de bicicletas convencionais. O site de leilões Freitas Leiloeiro, por exemplo, tem o lance mínimo de R$ 380 por unidade. O leilão acontece até o dia 25 de fevereiro.

Logo, diversas bicicletarias estão aproveitando a oportunidade. A Cia Bike, localizada no bairro da Santa Cecília, já comprou mais de 350 bicicletas da Yellow por R$ 350 cada uma em leilões. Victor Hugo Duran, dono da Cia Bike, conseguiu vender as mesmas bicicletas por R$ 550. E, agora, só possui mais 100 à disposição.

“É uma bicicleta forte e que funciona para passeios leves. É uma ótima pedida para levar para a praia, por exemplo”, diz ele.

Mas quem está vendendo essas bicicletas? Como a Yellow entrou em recuperação judicial, qualquer venda feita por ela deveria destinar o dinheiro para o pagamento das dívidas.

Segundo Paulo Campana, advogado do escritório Veirano, que está tocando a recuperação judicial da startup, que chegou a receber mais de US$ 150 milhões em investimentos, as vendas não estão sendo feitas por ela. A Caloi, fabricante das bicicletas, que está tocando as vendas. Procurada, a Caloi não quis comentar.

A Caloi, aliás, é a maior credora na recuperação judicial da Grow. Dos R$ 38 milhões devidos a diversos fornecedores e também trabalhadores, a Caloi tem a receber R$ 15 milhões da Grin.

No total, segundo o plano de recuperação judicial, a empresa tem R$ 3,7 milhões em ativos a ser vendidos – entre bicicletas e patinetes.

Durante o processo de retirada das bicicletas, diversas foram destruídas por causa do mau estado. E vídeos pipocaram nas redes sociais.

Futuro da Grin

De acordo com Campana, a empresa não vai parar as operações – para tranquilizar credores que ainda têm dinheiro a receber. A ideia é, após a pandemia passar, retornar apenas com os patinetes, que seriam mais rentáveis do que as bicicletas. Então, se quiser uma bicicleta da Yellow, é melhor aproveitar o leilão.

Porém, sob a ótica dos negócios, o patinete também precisa se provar como rentável. A Uber, por exemplo, desistiu da empreitada em julho de 2020, menos de cinco meses depois de entrar nesse mercado.

Explica-se: além do custo alto de adquirir tantos produtos, o preço de manutenção também é caro. Quem mora em grandes metrópoles deve lembrar de bicicletas e patinetes jogados na rua, muitos deles bem avariados por mau uso.

Para quem não lembra, a Yellow, que foi fundada por Eduardo Musa, Ariel Lambrecht e Renato Freitas, antigos fundadores do aplicativo 99 em agosto de 2018. Cinco meses depois, anunciaram a fusão com a mexicana Grin, que tinha a especialidade em patinetes.

A expectativa era que logo a empresa se tornasse um unicórnio (startup avaliada em US$ 1 bilhão). Mas uma série de problemas financeiros e de gestão, como brigas entre os acionistas, causou a derrocada da companhia.

Bicicleta dá lucro?

Um modelo que, até agora, tem se mostrado resiliente é o da startup Tembici. A companhia que surgiu como um projeto patrocinado pelo banco Itaú, ganhou pernas e pedalou sozinha (com o perdão do trocadilho). Hoje, atua em cinco cidades diferentes no Brasil, além de Buenos Aires, na Argentina, e Santiago, no Chile.

O modelo dela é diferente da Yellow. Em vez de deixar a bicicleta em qualquer canto, o usuário é obrigado a estacioná-la em uma estação após o uso. Menos conveniente para o cliente, mas mais rentável para a empresa: existem menos avarias, em média, em suas bicicletas. Outro detalhe importante é que a empresa sempre tem patrocinadores em suas estações e bicicletas, aumentando os ganhos.

Em junho desse ano, a empresa levantou R$ 270 milhões em uma rodada de investimentos. O dinheiro está sendo utilizado na expansão e na criação de novos negócios – como uma linha de bicicletas convencionais e elétricas para entregadores do aplicativo iFood, além da expansão das versões movidas à eletricidade para usuários convencionais.

Segundo Tomás Martins, CEO da Tembici, os negócios vão bem e, inclusive, novos aportes devem aparecer por aí.

Patinete Yellow

Bicicleta e patinetes da Grin: Só um deles deve voltar às ruas / Foto: Divulgação/Grin

– Como evitar o aumento do Diesel?

De Outubro a Dezembro, seguindo a equiparação de preços da Petrobrás estabelecida na gestão Temer, o Diesel já subiu 20,2%. Nesta semana, novo reajuste de 4,4% nas refinarias (a Gasolina, em 2021, já teve aumento de 13,4%).

A verdade é: com a alta dos preços dos alimentos, mais um aumento no frete é prejudicial à Economia (pois ele é repassado integralmente à comida). Desatrelar os reajustes com o parâmetro estrangeiro faz com que a estatal possa ter prejuízos. Assim… como resolver esse problema com os caminhoneiros, que ameaçam entrar em greve?

Mais sobre o aumento em: https://www.correiobraziliense.com.br/economia/2021/01/4902683-petrobras-anuncia-reajuste-de-5–na-gasolina-e-de-44–no-diesel.html

Petrobras confirma mais um aumento nos preços da gasolina e do diesel – MA10