– Percentuais de produtos Chineses no Mundo!

Puxa, consegui anotar os números mas não a referência bibliográfica. Assim mesmo, compartilho uma interessante matéria sobre o quanto a China produz: (obviamente, antes da pandemia)

25% dos cigarros do mundo;

40% das camisas do planeta;

50% de macarrão instantâneo;

55% dos computadores;

65% dos pares de calçados;

80% das câmeras digitais;

85% das bicicletas.

Muito significante, não? A força econômica desse país, com mão-de-obra baratíssima, assusta!

Resultado de imagem para china

– Coisas que você não sabia sobre o dólar americano!

Puxa, essa interessante reportagem sobre o dólar foi feita pelo Portal IG, mas perdi o link referencial. Mesmo assim, vale a leitura:

O DOLAR NÃO É DE PAPEL

O dinheiro americano não é feito de papel. O “papel-moeda” usado nos Estados Unidos é composto por 75% de algodão e 25% de linho, com pequenas fibras sintéticas azuis e vermelhas entrelaçadas. Antes da Primeira Guerra Mundial, essas fibras eram de seda

Cabeça pequena

Nas casas de câmbio do Brasil, as notas de dólar impressas antes de 1996 são chamadas de “cabeça pequena”, e os compradores pagam menos por elas, alegando que está saindo de circulação. Nos Estados Unidos, todas as cédulas são válidas, independentemente da data de impressão.

1 dólar

A nota de 1 dólar é a mais conhecida e manuseada do planeta.

George Washington

A figura que aparece na nota de 1 dólar é a imagem do presidente George Washington, que governou entre 1789 e 1797 (mas isso você já sabia).

Bureau of Engraving and Pinting

É assim que se chama a casa da moeda americana, que produz 37 milhões de cédulas por dia. 95% dessas novas cédulas produzidas são para substituir cédulas em circulação.

Mais sobre 1 dólar

45% das notas impressas diariamente na “Bureau of Engraving and Pinting” são de 1 dólar

Origami

Uma nota de dólar pode ser dobrada cerca de 4 mil vezes antes que se deteriore.

A maior

A nota de 100 dólares é a nota de maior valor do dinheiro americano em circulação desde 1969.

T Ford

O carro que aparece estampado no verso da cédula de 10 dólares foi uma criação do designer da nota, apesar de muitas pessoas acreditarem ser o modelo “T” da montadora Ford.

Hora certa

Os ponteiros do relógio da torre do Independence Hall, impressa no verso da nota de 100 dólares, marcam aproximadamente 4h10.

Ah, as mulheres…

Martha Washington é a única mulher que aparece em uma cédula do dinheiro americano. O rosto da esposa do Presidente George Washington está estampado na cédula de 1 dólar Certificado de Prata de 1886 e de 1891, e no verso da nota de 1 dólar Certificado de Prata de 1896

Estátua da Liberdade

A moeda de 25 centavos, ou “cents”, como é chamado lá, que tinha a imagem da Estátua da Liberdade sentada, circulou entre 1866 e 1891. Sua tiragem foi de 10.833 peças.

Um dólar furado

A nota de 1 dólar dura em média 1 ano e cinco meses. Já a de 100 dólares pode durar até nove anos, por ser pouco manuseada.

Resultado de imagem para DOLAR

– Brasil será pioneiro na nova função de pagamentos do WhatsApp

Anote aí: clientes do Banco do Brasil, Sicredi e Nubank terão a oportunidade de pagar as contas pelo WhatsApp!

Entenda: https://www.cnnbrasil.com.br/business/2020/06/15/com-funcao-de-pagamentos-whatsapp-deve-se-tornar-super-app-como-wechat

COM FUNÇÃO PAGAMENTO, WHATSAPP DEVE SE TORNAR SUPER APP COMO WECHAT

Responsáveis por uma base de mais de 120 milhões de usuários ativos no WhatsApp, os brasileiros serão os primeiros a pagarem contas e receberem transferências pelo aplicativo. A nova ferramenta, anunciada nesta segunda (15), deixa a empresa, controlada pelo Facebook, um passo mais próxima de se tornar o ‘super app’ do ocidente — nos moldes em que Alibaba e WeChat operam há anos na China.

Na primeira fase da implementação, a plataforma vai disponibilizar o uso da ferramenta para usuários que tenham conta no Banco do Brasil, Nubank e Sicredi ou cartão de débito das bandeiras Visa e MasterCard. De acordo com a assessoria do WhatsApp, a empresa deve incluir outras instituições financeiras futuramente. 

O aplicativo vai funcionar como um intermediário, contando ainda com a Cielo para o processamento dos pagamentos. As transferências não têm custo para o usuário, mas as empresas que quiserem disponibilizar o serviço pagam uma taxa de 3,99% — tanto para pequenos negócios quanto para as gigantes. As transações são limitadas a 20 por dia, com valor máximo de R$ 1 mil por operação e de R$ 5 mil por mês.

Com a medida, o Facebook está mais próximo de se transformar num “ecossistema”, como descrevem especialistas. A operação, nesses casos, consiste em fidelizar os usuários (ou clientes) e, ao perceber as demandas, oferecer diversos serviços nos mais variados segmentos — neste caso, mídia, entretenimento e produtos financeiros. 

“Essas empresas dominam o que a gente chama de ‘jornada do cliente’. Você cria um relacionamento com o usuário e depois leva isso para uma transação. O Facebook já ganhava dinheiro com propaganda, mas agora atinge um novo patamar. É um divisor de águas”, avalia Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo e inovação no Insper.

Há anos, o modelo é dominante na Ásia. Entre as companhias que lideram esse modelo de operação no mundo estão Alibaba e Tencent, controladora do WeChat, na China. Para se ter uma ideia da fatia de mercado que as duas gigantes ocupam, o Alibaba já é o maior provedor de nuvem do continente asiático e o terceiro maior do mundo, de acordo com uma pesquisa da Gartner.

Para o consultor e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo Alberto Serrentino, ainda falta bastante para o WhatsApp atingir o mesmo status. “Quando olhamos os ecossistemas chineses, vemos que eles ‘desbancarizaram’ tudo: o app cobra, recebe, faz a gestão, faz tudo. O que o WhatsApp está fazendo agora no Brasil está mais parecido com o Apple Pay, que funciona como um intermediário.” 

O WhatsApp, entretanto, garante que não é esse o plano. Por meio de sua assessoria, a empresa diz que, apesar da nova ferramenta, a principal preocupação permanece sendo o serviço de chat. “Não é o objetivo [virar um ‘super app’]. O WhatsApp está focado em oferecer às pessoas um espaço de conversa simples, valioso e que as ajude no seu dia a dia, e os pagamentos são parte disso.”

WhatsApp

– Planejamos novas receitas em nossa vida profissional?

Buscamos uma fonte de renda alternativa, independente de nossos empregos?
É isso que essa matéria discute: sobre novos recursos financeiros, independente da demissão do emprego ou se é desejo de incremento.

Muito bom! Compartilho, extraído de: http://www1.folha.uol.com.br/sobretudo/carreiras/2017/07/1897575-profissional-deve-desenhar-seu-plano-b-no-auge-diz-administrador.shtml

PROFISSIONAL DEVE DESENHAR SEU PLANO B NO AUGE

Por Carolina Muniz

O que fazer logo depois de ser demitido: descansar ou agir rápido? Vale a pena investir o dinheiro da rescisão em um novo negócio? No recém-lançado “Emprego 2.0 – Como Conquistar, Manter e Crescer na Carreira”, o administrador e palestrante Marcelo Simonato, 39, dá um passo a passo de como conquistar uma nova vaga -desde a formulação do currículo até a chegada à empresa. Em entrevista, ele fala sobre como planejar a carreira em tempos de instabilidade.

RAIO-X

Idade 39 anos
Atuação Diretor financeiro da consultoria Everis, palestrante e mentor
Formação Administração de empresas e comércio exterior pela Universidade Paulista; MBA em finanças empresariais pele FGV; e MBA em gestão empresarial pela Lassale University, na Filadélfia (EUA)
Obra “Emprego 2.0 – Como Conquistar, Manter e Crescer na Carreira” (editora Preparando Recursos, 127 págs., R$ 30)*

Folha – Qual é o maior erro que os profissionais costumam cometer ao serem demitidos?
Marcelo Simonato – Um grande equívoco é aproveitar a demissão para tirar um tempo de descanso como recompensa por tantos anos de trabalho. Quando a pessoa sai da empresa, carrega por um curto espaço de tempo o sobrenome da organização, um cartão de visitas que pode abrir portas. Se tirar férias durante esse período, esse sobrenome pode acabar esfriando. Então, assim que a demissão acontece, o primeiro passo é comunicá-la a colegas, clientes e fornecedores. Não é preciso ter vergonha por estar desempregado. Em boa parte dos casos, é exatamente por uma indicação desses contatos que surgem novas oportunidades de trabalho.

Como deve ser a rotina do profissional que está em busca de de uma recolocação?
Ele deve encarar a procura por emprego como um novo projeto na carreira, que requer planejamento e disciplina como qualquer outro. Não estou dizendo que ele tem de ficar 12 horas em frente ao computador. Aliás, isso não é eficaz e gera ainda mais estresse. O mais interessante é ter uma rotina bem definida de trabalho, de cerca de três horas pela manhã e outras três à tarde. No tempo livre, é importante se exercitar e ficar com a família. Afinal, de nada adianta encontrar vagas, mas não estar bem emocionalmente na hora das entrevistas.

Quanto tempo vale procurar antes de aceitar uma posição abaixo das expectativas?
Primeiro, é preciso entender se a nomenclatura do cargo que o profissional ocupava anteriormente é compatível com a realidade atual do mercado. Em alguns casos, a pessoa descobre que era gerente na empresa em que trabalhava, mas hoje já se exige mais dessa posição. Aí, ela tem duas alternativas: ou procura emprego para um cargo inferior ou busca se qualificar para preencher essas lacunas. Se o indivíduo tem reservas financeiras, pode continuar batalhando. Se não, é preciso deixar o ego de lado.

Quando perguntado sobre pretensão salarial, o candidato está com receio de fazer exigências? Como negociar?
Sim, muitos estão aceitando qualquer coisa. O profissional não pode derrubar o valor do seu salário logo de cara. Precisa valorizar sua experiência dentro do que a empresa está buscando. Ele pode dizer que imagina receber um valor próximo ao que ganhava na ocupação anterior, mas está aberto a uma proposta da empresa. Provavelmente, o entrevistador vai dizer que o mercado não está pagando tudo isso. Aí, começa a negociação. Nesse momento, ele não pode focar apenas no salário, mas deve usar também os benefícios para chegar em um acordo mais vantajoso.

Como planejar a carreira para se sentir mais seguro diante das incertezas?
É comum a pessoa ficar desempregada e querer montar um negócio. Ela nunca foi empresária e tenta fazer isso com o último recurso que lhe resta. O que acontece, normalmente, é que a empresa quebra alguns anos depois. Por isso, o indicado é começar uma atividade paralela quando ainda se está na ativa, mesmo no auge da carreira. Escolha uma ocupação que tenha prazer em fazer nas horas livres sem se preocupar em transformar isso na sua fonte principal de renda. Numa situação de desemprego, você já terá um plano B desenvolvido.

bomba.jpg
Por Marcelo Justo / Folhapress

– Há muito tempo, as agências bancárias da Rangel eram diferentes…

Puxa, vi que a tradicional agência “0032” do Unibanco fechou na Rua Rangel Pestana, em Jundiaí. Foi lá que tive minha primeira conta-corrente! Era um ótimo banco, mas ficou péssimo depois que o Itau assumiu o controle. Aliás, ali virou dois bancos: Itau e Personalitte.

Mas repare como era aquela rua nos anos 80/90: você tinha o Unibanco (virou Itau e fechou), tinha o BFB que virou Sudameris, encostado com o Banco Real (que virou Abn Amro Bank e depois Santander), vizinho do Banco Geral do Comércio (que virou Santander também) separado pela Rua Padroeira do Noroeste (que virou… Santander). Todos esses, em frente ao Banespa (comprado pelo Santander). Do outro lado da rua, tínhamos o Econômico, que quebrou e virou BBVA (e depois Bradesco), do lado da principal agência Bradesco, bem encostada com o Bamerindus, que virou HSBC e acabou se tornando… Bradesco!

Na Rua do Rosário, próximo da Catedral, o mesmo fenômeno: o Banco Bandeirante virou Unibanco e depois Itau, o BCN virou Bradesco e o Bamerindus… o da li, sumiu!

E para dizer que não lembramos: na Rua Barão de Jundiaí, o Comind, Auxiliar, Meridional, Nacional, Poupança Haspa e Finasa!

Quantos bancos, dos inúmeros que tínhamos, sobreviverão?

Dez bancos que não existem mais | VEJA SÃO PAULO

– Descubra se você foi vítima do golpe do auxílio emergencial, assim como Neymar:

Golpistas aproveitam demais das falhas tecnológicas nos momentos em que algo novo é implantado. Um desses casos é: o Auxílio Emergencial da Caixa Econômica Federal.

No dia 07 de Abril, quando o sistema entrou no ar, estelionatários se valeram disso e, por roubo de dados, fizeram pedidos de ajuda com nome e documentos de várias pessoas. Um desses casos foi o de Neymar, que pediu o auxílio de R$ 600,00 (ou melhor: os bandidos usando os documentos dele fizeram o pedido) e que foi aprovado em 15/04/2020, conforme divulgado pela Dataprev.

Para descobrir se você tem um pedido em aberto ou já liberado, clique no site oficial do Auxílio Emergencial. Está em: https://auxilio.caixa.gov.br/#/inicio.

Neymar tem nome registrado em auxilio emergencial; estafe nega ...

– A queda do dólar e alta das bolsas..

Quem estava assustado com o dólar na casa dos R$ 6,00 e comprou a moeda, deve estar chorando: cada vez mais o valor está caindo, abaixo de R$ 5,00 (e a bolsa fazendo o movimento contrário: subindo)!

Mas saiba: isso tem acontecido desde a semana passada, por diversos fatores. A explicação, abaixo:

Extraído de: https://economia.uol.com.br/cotacoes/noticias/redacao/2020/06/05/dolar-bolsa-mercado.htm

POR QUE O DÓLAR DESPENCOU E A BOLSA DISPAROU?

O dólar comercial acumulou queda de 6,6% nesta semana, emendando a terceira semana seguida de desvalorização e fechando abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde 26 de março. A Bolsa subiu 8,28% na semana. O que explica esses resultados, semanas após a Bolsa despencar e o dólar bater recorde atrás de recorde, chegando a beirar R$ 6?

De acordo com especialistas, o otimismo com a reabertura gradual da economia em vários países e a injeção de dinheiro nos mercados são os principais fatores que explicam a queda do dólar e a valorização da Bolsa. Além disso, eles avaliam que o cenário político interno foi mais calmo nesta semana, com a aproximação entre o governo e deputados de partidos do Centrão.

Os mercados têm sido impulsionados pelo otimismo em relação a uma retomada da atividade nas principais economias, como Alemanha, França e Reino Unido, devido a relaxamentos graduais das restrições contra o coronavírus.

Segundo analistas da Easynvest, mesmo que os problemas ainda não estejam resolvidos e que haja risco de uma segunda onda de contágio, há expectativa de que o pior da crise econômica do coronavírus já tenha passado.

Os dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos em maio, divulgados hoje, também reforçam essa avaliação positiva. O relatório mostrou que a taxa de desemprego na maior economia do mundo teve uma queda inesperada em maio, passando de 14,7% em abril para 13,3%. As expectativas de analistas ouvidos pela agência de notícias Reuters eram de que a taxa subisse para 19,8%.

BCs injetaram muito dinheiro no mercado

Ao mesmo tempo, continuam no radar dos investidores as medidas de estímulo adotadas por diversos países.

Analistas do Bradesco destacam, por exemplo, a ampliação do programa de estímulos feito pelo Banco Central Europeu para enfrentar a crise do coronavírus, para um total de 1,35 trilhão de euros (R$ 7,57 trilhões).

O governo alemão também aprovou um pacote de 130 bilhões de euros (R$ 729 bilhões) em gastos públicos, e há a expectativa de pacotes adicionais de estímulo nos EUA, que podem chegar a US$ 1 trilhão (R$ 4,97 trilhões).

Medidas como essas aumentam a liquidez global, ou seja, aumentam o volume de dinheiro disponível para investidores. Parte desses dólares acaba vindo para o Brasil. Com mais dólares aqui, a cotação da moeda tende a cair.

Com ações baratas, Bolsa atrai capital externo

Além disso, como as taxas de juros no mundo todo estão em níveis muito baixos, ativos mais arriscados, que podem render mais, atraem esse capital, como o mercado de ações.

“Com dinheiro em abundância em um cenário de juros baixos no mundo todo, digamos que o dinheiro parado ‘queima’ na mão”, afirmou Matheus Soares, da Rico Investimentos.

Ações de empresas brasileiras acabam sendo favorecidas. Como a Bolsa brasileira caiu muito ao longo da crise, chegando a acumular desvalorização de 45% no ano, a percepção é de que as ações agora estão baratas.

“O mundo não para de colocar dinheiro no sistema. Fundos de investimento dedicados a mercados emergentes, caso do Brasil, voltaram a captar. Depois de o dinheiro ter ido para as Bolsas norte-americanas, depois para as europeias, chegou agora a vez das Bolsa dos emergentes”, afirmou Roberto Motta, responsável pela mesa institucional de futuros da Genial Investimentos.

E a crise política no Brasil?

No Brasil, apesar de o número de infectados e de vítimas fatais do coronavírus não parar de subir, os investidores também estão otimistas em relação à retomada da economia, com planos de reabertura das atividades em algumas cidades.

Em relação ao cenário político, analistas avaliam que a semana foi mais calma. “Tivemos uma semana de mar de almirante”, afirmou Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais. “Não aconteceu nada surpreendente. O presidente Jair Bolsonaro até pediu para os apoiadores dele não irem às manifestações”.

Denilson Alencastro, economista-chefe da Geral Asset, destacou a aproximação do governo com deputados de partidos do Centrão. Nas últimas semanas, o governo ofereceu cargos a esse grupo, visando obter apoio a projetos de seu interesse na Câmara. “Tivemos uma guinada nas últimas semanas, porque estávamos num cenário em que o governo estava com problemas, houve saída de ministros, confusão política. Agora, o governo começou a ficar mais próximo do Centrão”, disse.

Para Motta, “o governo ter apoio do Centrão é fundamental para o Brasil retomar as reformas que o país precisa. Sem falar que também diminui bastante o risco de impeachment, que assustou o mercado”, afirmou.

Tito Gusmão, CEO da Warren Gestão de Patrimônio, também destacou o risco menor de impeachment. “Não que o mercado goste ou não de Bolsonaro, mas um processo de impeachment seria algo demorado, tenso e que traria muita volatilidade”, disse.

Os desdobramentos políticos, porém, continuam sendo vistos como motivo de cautela, com expectativa de manifestações nas ruas no fim de semana.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a chamar os manifestantes de grupos pró-democracia contrários ao seu governo de “marginais” e “terroristas” nesta sexta-feira, e pediu que as forças de segurança do país atuem contra as manifestações marcadas para domingo se os grupos “extrapolarem” os limites.

Dólar acumula alta de 24% no ano

Apesar das quedas recentes, o dólar acumula alta de 24,29% em 2020, afetado por um cenário de incertezas políticas, juros baixos e fortes impactos econômicos causados pela pandemia de coronavírus.

Para os mercados, ainda é difícil dizer se o real deve manter a recuperação das últimas semanas. Riscos negativos, como a possibilidade de uma segunda onda de infecções por covid-19 e incertezas políticas, permanecem no horizonte.

A Bolsa acumula queda de 18,17% no ano.

*Com Reuters

Por que estes gestores estão apostando na queda do dólar

– A maldosa carga tributária no Brasil

Veja se não é complicado produzir neste país, com tantos impostos enchendo os cofres do Governo, onerando empresas e prejudicando consumidores (figura abaixo).

Quando nosso dinheiro voltará, de verdade, em serviços para a população? E quando alguém terá o bom senso de repensar todo o nosso sistema tributário?

– Os brasileiros da classe A e B que pediam auxílio do Governo. A troco de quê?

Por quê quem é rico pede ajuda emergencial de R$ 600,00 do Governo?

Simplesmente porque (segundo uma pesquisa no link de Valor Econômico, citado a seguir) se dizem pagadores de impostos e que a crise chegou a todos. Veja que curioso, abaixo:

Obs: dos pedidos feitos pelas classes A e B, 69% foram atendidos.

Extraído de: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/06/03/um-terco-da-classe-a-e-b-pediu-auxilio-emergencial.ghtml

UM TERÇO DA CLASSE “A” E “B” PEDIU AUXÍLIO EMERGENCIAL

Dos pedidos de benefício da alta renda, 69% foram atendidos

Por Bruno Villas Bôas

Um terço das famílias das classes A e B solicitou o auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal nos últimos meses – e 69% foram aprovadas para receber o benefício. Isso significa que 3,89 milhões de famílias mais ricas têm algum integrante recebendo a ajuda criada para apoiar trabalhadores pobres na pandemia.

A conclusão é de uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva e obtida pelo Valor, que ouviu 2.006 pessoas de 72 cidades de todo o país, no período de 20 a 25 de maio, uma amostra considerada representativa da população nacional. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O auxílio emergencial é pago pela União para apoiar trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI) e desempregados (que não recebem seguro-desemprego). Para ser aprovado, é preciso ter uma renda per capita de até R$ 522,50 mensais ou renda familiar de até R$ 3.135 (três salários mínimos).

Para burlar as regras do programa e obter o benefício, integrantes dessas famílias de classes mais altas estão omitindo a renda familiar no cadastro no site da Caixa Econômica Federal. São esposas de empresários, jovens de famílias de classe média e servidores aposentados, mostram denúncias feitas nas últimas semanas.

Renato Meirelles, fundador e presidente do Instituto Locomotiva, realizou pesquisas qualitativas com integrantes dessas famílias de maior renda (mais de R$ 1.780 por pessoa por mês) que solicitaram o auxílio emergencial. Segundo ele, esses indivíduos não se consideram fraudadores do programa por diferentes motivos.

“O argumento, em geral, é algo do tipo: ‘Sempre paguei impostos e nunca tive nada em troca do governo’. Ou ainda que ‘a crise está difícil para todo mundo’. São pessoas que realmente acham que têm o direito ao benefício por esses fatores. Não existe um sentimento de que estão cometendo fraude”, diz Meirelles.

Solicitar e receber o auxílio emergencial com a declaração de informações falsas podem tipificar os crimes de falsidade ideológica e estelionato. Para o crime de falsidade ideológica, por exemplo, a pena varia de um a cinco anos de reclusão. Meirelles afirma, porém, que a percepção de impunidade também é grande.

A pesquisa do Instituto Locomotiva mostra que as famílias das classes A e B também sofrem, claro, com a forte recessão econômica, provocada pelas medidas de enfrentamento da pandemia. Segundo a pesquisa, 55% das famílias das classes A e B relataram redução da renda por causa da crise econômica.

A sondagem mostra ainda que 36% dessas famílias de maior rendimento tiveram algum integrante com negócio fechado ou sem funcionar. Outros 18% relatam perda de emprego de alguém da família. E mais 8% tiveram que pegar dinheiro emprestado para enfrentar o pior período da pandemia.

Diferentemente das famílias mais pobres, porém, apenas 2% das classes A e B relataram falta de dinheiro para comprar alimentos e somente 3% falta de recursos para itens de higiene. Das famílias das classes A e B, 20% deixaram de pagar alguma conta por causa da pandemia.

“A crise econômica atinge a todas as classes econômicas. Mas a questão é o que deve ser priorizado do recurso público. É um momento para oferecer apoio para a parcela da população mais vulnerável, mas o poder público mostrou muita dificuldade para fazer o dinheiro chegar a quem precisa”, diz Meirelles.

Dados da Caixa Econômica Federal mostram que foram beneficiadas até aqui 57,9 milhões de pessoas, com valores creditados de R$ 74,6 bilhões (incluindo a primeira e a segunda parcela).

Desse total, 19,2 milhões de pessoas estão no Bolsa Família e 10,5 milhões no Cadastro Único do governo federal.

Diante da maior recessão econômica da história republicana, a prorrogação do auxílio emergencial parece inevitável. Sua extensão, porém, é uma boa oportunidades para fechar brechas do programa, diz Gil Castello Branco, fundador e diretor-executivo da ONG Contas Abertas, que fiscaliza gastos realizados pelo setor público.

Segundo ele, o problema é que o governo federal tem diferentes bancos de dados e dificuldade para cruzá-los. É o caso de dados do Imposto de Renda da Receita Federal, de doações de campanhas eleitorais, de aposentados e pensionistas, de militares. Seria uma “colcha de retalhos”.

“Os sistemas do governo aparentemente não conversam. O governo precisa resolver uma coisas simples, que é o cruzamento com diversos bancos de dados. Como o auxílio era uma emergência, o governo correu para pagar e depois foi verificar quem realmente tinha que receber”, diz Castello Branco.

Ele lembra que o governo descobriu que um doador de mais de R$ 10 mil das últimas eleições recebeu a ajuda emergencial. “Enquanto no mundo debate-se a inteligência artificial em diversos processos de automação, no Brasil ainda estamos tentando cruzar cadastros”, afirma Castello Branco.

No fim de maio, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, informou que o órgão apura pelo menos 160 mil possíveis irregularidades no pagamento do auxílio emergencial. Entre eles, 17 mil sócios de empresas.

Apesar das dificuldades de colocar o programa de pé, o benefício vem sendo elogiado por especialistas como uma ferramenta acertada para amortecer o aumento da pobreza durante a pandemia. Somente no trimestre móvel até abril deste ano, 4,9 milhões de pessoas perderam suas ocupações no país.

Segundo projeções do Banco Mundial, mais 5,7 milhões de brasileiros poderiam entrar para a pobreza extrema (renda per capita de US$ 1,90 por dia) somente neste ano sem as medidas adotadas pelo governo federal, incluindo a flexibilização da jornada de trabalho nas empresas.

Procurado, o Ministério da Cidadania, responsável pelo auxílio emergencial, informou, por meio de nota, que os cidadãos que burlarem a legislação precisarão ressarcir os cofres públicos dos valores recebidos, além das sanções civis e penais. E que as ilegalidades são informadas para a Polícia Federal.

arte03esp-102-ajuda-a12

– E como sobreviverão as empresas aéreas?

Com a crise global do Novo Coronavírus, os aviões praticamente estão todos no solo. Como as cias aéreas conseguirão sobreviver?

Pense no custo de uma empresa de aviação e como é complicada a situação: imagine as receitas de um vôo para os EUA (quanto custa uma passagem e o número de passageiros) frente o custo para levantar vôo (salários da tripulação e encargos, manutenção das aeronaves, tarifas internacionais, combustível e, logicamente, pense no investimento de uma aquisição de cada Airbus ou Boeing).

A conta não fecha. Tem que voar muito, e sempre com lotação máxima. A frequência de vôos precisa ser grande. E com os espaços aéreos fechados…

Não sobrarão muitas empresas aéreas rentáveis, a tendência é que quebrem – exceto as que têm grande aporte de petrodólares ou as estatais.

Aguardemos!

Onde estão as milhares de aeronaves paradas por causa da pandemia ...

– Disney assume a, pasmem, endividada Fox Sports

Eu gosto demais das transmissões esportivas da Fox Sports, e sempre imaginei que o custo de uma jornada fosse bem alto (afinal, eles estão na maioria das vezes in loco). Com Libertadores e outras competições, pensei que o retorno desses grandes investimentos era certeiro. Agora, me surpreendo que um dos motivos (segundo o UOL) do CADE aprovar a fusão ESPN (que é da Disney) e Fox Sports foi a dívida da emissora.

Extraído de: https://www.uol.com.br/esporte/ultimas-noticias/2020/06/01/disney-assume-fox-sports-com-deficit-milionario-de-r-120-milhoes-veja.htm

DISNEY ASSUME FOX SPORTS COM DEFICIT MILIONÁRIO DE R$ 120 MILHÕES

Aprovada no início deste mês de maio, a fusão entre ESPN e Fox Sports teve um grande e determinante fator para acontecer: o tamanho do déficit financeiro acumulado pela gestão do canal esportivo nos últimos anos. A partir de 2016, com a renovação por altos valores e compra de muitos direitos de transmissão, a emissora começou a fechar no vermelho. Entre 2016 e 2019, o prejuízo acumulado foi de R$ 120 milhões.

O UOL Esporte obteve acesso aos números do balanço financeiro dos últimos anos. Fundado em 2012, o Fox Sports teve bom desempenho financeiro até 2015. A partir de 2016, o canal começou a fechar no vermelho. O próprio Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) reconheceu isso ao aprovar a Disney a assumir o Fox Sports.

O maior déficit foi em 2018, quando, ao transmitir a Copa do Mundo de 2018, não conseguiu fechar todos os pacotes de patrocínio da cobertura na Rússia. Isto fez, inclusive, a Fox demitir seu vice-presidente comercial Arnaldo Rosa em meio ao Mundial por não atingir as metas previstas.

Em 2019, os custos só aumentaram. Comprando o melhor pacote de direitos de transmissão da Libertadores da América na TV por assinatura, a ponto de assegurar a final da competição continental com exclusividade, além da chegada da Copa do Nordeste e da Liga Europa, o Fox Sports gastou R$ 314 milhões com pagamentos para as competições.

Já os gastos com operações, como pagamento de profissionais, gastos com viagens e coberturas, investimento em tecnologia e modernização, entre outros, somaram R$ 88 milhões. Ou seja, em 2019, o Fox Sports acumulou um custo de cerca de R$ 401 milhões, valor bem alto para um canal de televisão por assinatura.

Com uma base de assinantes na casa dos 10 milhões, recebendo um valor de R$ 2,50 por cada assinatura das operadoras no ano passado (50% de tudo o que era repassado por assinante aos canais Fox), o Fox Sports conseguiu colocar em caixa R$ 300 milhões no ano passado com essa arrecadação. O grande problema foi a baixa vendagem publicitária: apenas R$ 50 milhões em 2019.

Ou seja, a arrecadação de orçamento no Fox Sports ficou na casa dos R$ 350 milhões, o que fez somente a emissora ter um prejuízo de R$ 51 milhões, o maior entre 2016 e 2019. Nos outros três anos, o déficit somado foi na casa de R$ 69 milhões. Com isso, a Disney pegou o Fox Sports deficitário em R$ 120 milhões.

A reportagem apurou que, ao tomarem nota do déficit alto do Fox Sports e da impossibilidade de lucro no médio prazo, empresas que estudaram a compra, como a Simba Content e a Mediapro, acabaram desistindo. A própria Disney se impressionou com o tamanho do rombo financeiro do Fox Sports, assim que seus executivos ficaram a par da situação.

A interpretação é que houve má gerência do Fox Sports nos últimos anos. Mesmo com o valor acentuado, a Disney já imaginava que o déficit era grande e se preparou para assumir o valor. Os planos do conglomerado previstos para o Esporte no Brasil da Disney não mudaram. Pelo contrário.

A empresa negocia renovações de vínculo de competições consideradas vitais, como o Campeonato Espanhol de Futebol e um novo vínculo de um pacote de 90 jogos por temporada da NFL, a liga de futebol americano.

Procurada oficialmente para falar sobre a dívida do Fox Sports pelo UOL Esporte, a Disney preferiu não comentar o assunto.

Veja detalhadamente o déficit financeiro do Fox Sports

Custos com direitos de transmissão 2019: R$ 314 milhões/ano

Base de assinantes: 10 milhões

Receita com assinantes em 2019: R$ 300 milhões/ano

Receitas com publicidade: R$ 50 milhões em 2019

Gastos com operação (gastos de pessoal, modernização etc): R$ 87 milhões/ano

Porcentagem de audiência do Fox Sports nos canais Fox em 2019: 26%

Valor recebido por assinante: R$ 2,50

Valor proporcional ao que recebia com todos canais Fox: 50%

Custo anual: R$ 401 milhões

Receita anual: R$ 350 milhões

Déficit em 2019 de R$ 51 milhões

Prejuízo entre 2016 e 2018: R$ 69 milhões

Média prejuízo/ano entre 2016 e 2019: R$ 30 milhões

Dívida acumulada: R$ 120 milhões

Divulgação

– Como identificar notas falsas?

Na região de Jundiaí, constantes golpes com notas falsas têm sido tentados; alguns frustrados, outros com sucesso.

É difícil identificar uma boa falsificação. Vez ou outra ouvimos notícias de que até mesmo em caixas eletrônicos pessoas recebem notas falsas. Mas vão algumas dicas:

(Extraído de http://www.acescp.com.br/ace2012/index.php/scpc/2012-03-21-22-23-24/76-dicas-sobre-como-reconhecer-notas-falsas.html)

DICAS PARA EVITAR NOTAS FALSAS

Quando você receber uma cédula veja sempre os principais elementos de segurança: a marca d’água, a imagem latente e o registro coincidente.
Cerca de 60% das cédulas falsas não possuem marca d’água. O fato do papel ser aparentemente verdadeiro, porém, não garante que a cédula seja autêntica. 15% das falsificações do Real são obtidas a partir da lavagem de cédulas de menor valor. As demais cédulas falsificadas (aproximadamente 25% do total) utilizam papel parecido, mas não autêntico, com marcas de água diferentes e vários outros detalhes alterados em relação as cédulas verdadeiras.

1. Observe a marca d’água. Cerca de 60% das cédulas falsas retidas pelo Banco Central não apresentam marca d’água.

Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara à esquerda, as figuras que representam a República ou a Bandeira Nacional, em tons que variam do claro ao escuro.

As cédulas de R$50,00 e R$100,00 apresentam como marca d’água apenas a figura da República.

As cédulas de R$1,00, R$5,00 e R$10,00 podem apresentar como marca d’água a figura da República ou a Bandeira Nacional.

A cédula de R$2,00 apresenta como marca d’água apenas a figura da tartaruga marinha com o número 2.

A cédula de R$20,00 apresenta como marca d’água apenas a figura do mico-leão-dourado com o número 20.

2. Sinta com os dedos o papel e a impressão.

O papel legítimo é menos liso que o papel comum.
A impressão apresenta relevo na figura da República (efígie), onde está escrito “BANCO CENTRAL DO BRASIL” e nos números do valor da cédula.

3. Observe a estrela do símbolo das Armas Nacionais nos dois lados da cédula.

Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao mesmo desenho do outro lado.

4. Observe as micro impressões.

Com o auxílio de uma lente, pequenas letras “B” e “C” poderão ser lidas na faixa clara entre a figura da República (efígie) e o registro coincidente (Armas Nacionais) e no interior dos números que representam o valor.

5. Observe a imagem latente.

Observando o lado da cédula que contém a numeração, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras “B” e “C”.

6 . Linhas multidirecionais.

As notas de real também contam com linhas retas, paralelas, extremamente finas e bastante próximas entre si, dando a idéia de que houve uma impressão contínua no local. Apesar de estarem em toda a extensão da cédula, as linhas podem ser vistas mais facilmente na área da marca d’água.

7 . Fibras coloridas.

Ao longo de toda a cédula, podem ser vistos pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, em ambos os lados.

8 . Fio de segurança.

Um fio vertical, de cor escura, está embutido no papel da cédula. Ele pode ser facilmente visto contra a luz. Está presente em todas as cédulas, menos nas de R$ 1 e R$ 5, que apresentam, como marca d’água, a figura da Bandeira Nacional.

9 . Fibras sensíveis à luz ultravioleta.

São pequenos fios espalhados no papel, que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula.

10 . Microchancelas.

São as duas assinaturas – uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil. Sem as assinaturas as cédulas não têm valor legal.

11. Sempre que possível, compare a cédula suspeita com outra que se tenha certeza ser verdadeira.

Resultado de imagem para nota de 3,00

 

– A conta não vai fechar mesmo…

Os clubes de futebol arrecadam um valor X por ano. Na temporada, gastam 3, 4, 5 vezes X. A conta não fechará nunca! E a maioria faz isso, “empurrando com a barriga”, esperando refinanciamento e outras coisas. Até quando?

Claro que, devido a pandemia, a coisa piorou para todos. Mas quando é que as autoridades públicas investigarão de verdade as instituições esportivas e começarão a puni-las?

Eu canso de ficar sem dinheiro pagando imposto, me desdobrando para manter minhas contas em ordem, e, ao mesmo tempo, ver tanto benefício às instituições esportivas. Especialmente a anistia e a vista grossa feitas por quem deveria cobrar o cumprimento das obrigações.

Dívida de cinco postulantes ao acesso na Série B equivale a 66% do ...

 

– Obrigado por nada, Collor!

Depois de 30 anos de confisco da Caderneta de Poupança pelo então presidente Collor (Zélia Cardoso de Melo, a ministra da Economia, havido falado no Jornal Nacional momentos antes que todas as suas reservas estariam na Poupança e que era um investimento seguro), eis que o agora senador pediu desculpas, dizendo que era algo necessário.

Cá entre nós: depois de toda a corrupção cometida, vê-lo como Senador da República é algo inimaginável para mim. É como se Lula se candidatasse e fosse eleito.

Que país é ese que dá vez e voz para tantos corruptos?

Collor pede perdão pelo confisco do saldo de cadernetas de ...

– As mensalidades das Universidades em tempos de Novo Coronavírus!

Todos têm problemas nesta época pandêmica. Se por um lado algumas despesas caem, por outro, novas contas surgem. É assim para pessoas jurídicas e também para as físicas.

‪No caso específico das universidades, ficará o imbróglio: alunos não conseguem pagar e faculdades não conseguem abrir mão dos valores…‬

‪Difícil resolver!‬

‪Na imagem, o exemplo:‬