– Não tome Kratom, se te oferecerem!

Um extrato oferecido em chá ou em cápsulas, de uma planta parecida com café, dita estimulante e ao mesmo tempo com alto poder analgésico, o Kratom, tem feito mortos nos EUA, onde virou moda.

Se você não ouviu falar disso ainda, compartilho:

Extraído de: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2019/04/17/o-que-e-kratom-a-planta-que-ja-matou-mais-de-90-pessoas-nos-eua.htm

O QUE É KRATOM, A PLANTA QUE JÁ MATOU MAIS DE 90 PESSOAS NOS EUA

Este suplemento natural tem sido usado há milhares de anos no sudeste da Ásia, especialmente na Tailândia. Seus efeitos em doses baixas podem ser positivos, mas em altas doses são potencialmente mortais, alertam as autoridades americanas.

O kratom é uma planta da família do café, mas que exige muito mais cuidado do que o parente cheio de cafeína. Os problemas que ela está causando nos Estados Unidos levaram autoridades a lançar um alerta sobre seu uso.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país publicou na semana passada os resultados um estudo que mostra que, só em julho de 2016 e dezembro de 2017, esta planta, comercializada na forma de suplemento natural, causou a morte de 91 pessoas.

Além disso, a substância foi encontrada, junto a outras drogas, no corpo de 61 pessoas mortas por overdose.

Embora esses casos representem uma parte mínima do total de mortes por overdose de drogas nos Estados Unidos (1%), a preocupação das autoridades vem pelo aumento de situações como essas.

O Centro examinou mais de 27 mil casos de overdose em 27 Estados americanos.

Em aproximadamente 80% das mortes por kratom ou naquelas em que o suplemento aparecia, o falecido tinha um histórico de abuso de substâncias e em aproxidamente 90% delas não recebiam tratamento médico para dor com supervisão médica (a planta também tem propriedades analgésicas).

Em 2016, Russ Baer, porta-voz da agência federal antidrogas dos EUA (DEA, na sigla em inglês), em conversa com a BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, reconheceu apenas dois casos de morte por overdose de kratom nos Estados Unidos.

Este extrato de planta, que é vendido sem receita médica em qualquer fitoterapeuta, contém mitragyna, um ingrediente ativo com efeitos estimulantes.

Em doses baixas, pode funcionar como uma xícara de café bem forte que ajuda você a ficar acordado e ter mais energia.

Em altas doses, no entanto, seus efeitos são mais semelhantes aos de qualquer opioide, como a morfina.

Além disso, disse a agência americana, existem estudos que indicam que é uma substância com potencial de desenvolver dependência.

Sob esses argumentos, a DEA equiparou kratom a LSD, heroína, maconha ou ecstasy, em 2016.

Cada vez mais popular

Mas sua popularidade continuou a crescer e seus defensores alegam que as autoridades não têm dados científicos confiáveis para justificar o alerta.

É o que diz a Associação Americana de Kratom.

“Numerosos estudos em animais mostraram que o kratom tem toxicidade muito baixa”, explicou Charles M. Haddow, membro da associação e responsável por suas relações públicas em um comunicado.

Nesses estudos, ele acrescentou, mesmo “doses extremamente altas (doses que quando ajustadas para consumo humano seriam difíceis de serem consumidas) não causam morte ou efeitos tóxicos significativos”.

Desintoxicação

Essa chamada de atenção por parte das autoridades ocorre em um momento em que os Estados Unidos enfrentam uma emergência de saúde pública devido ao uso de opioides – uma epidemia que já deixou mais mortes do que a guerra do Vietnã e do Afeganistão juntas.

Neste contexto, o kratom é visto como uma substância que ajuda a gerenciar a desintoxicação de opioides, como o OxyContin e o Percocet.

Suas propriedades de aliviar a dor atenuam os efeitos da síndrome de abstinência.

Mas a FDA continua preocupada com o uso deste suplemento como uma alternativa aos analgésicos.

“Nem kratom nem seus compostos mostraram serem seguros e eficazes para qualquer finalidade, e não devem ser usados para tratar qualquer condição ou doença”, disse.

Muitas pessoas também usam essa substância para abandonar a dependência de heroína, álcool e até do tabaco, de acordo com um estudo do Transnational Institute, localizado na Holanda.

Quais são seus efeitos?

O kratom é uma planta decídua (que, numa certa estação do ano, perde suas folhas) usada há milhares de anos no sudeste da Ásia, especialmente na Tailândia.

Suas folhas são consumidas como chá ou trituradas e misturadas com água, embora também existam cápsulas.

Um estudo do Transnational Institute afirma que o kratom pode causar efeitos positivos, como euforia, relaxamento, sociabilidade, aumento de energia e alívio da dor.

Entre os efeitos negativos estão náuseas, dores de estômago, calafrios e suores, tontura e instabilidade, vômitos e coceira.

“(A planta) começou a ser usada nos Estados Unidos nos últimos 20 anos e nos últimos cinco, seu uso aumentou”, disse Susan Ash, da Associação Americana de Kratom para a BBC Mundo em 2016.

A associação acredita que entre três e cinco milhões de pessoas nos EUA consumam a planta como uma alternativa às drogas convencionais.

Resultado de imagem para Kratom

Anúncios

– Universidades se preocupam com os Transtornos Mentais dos Estudantes

Pressão da sociedade, insensibilidade dos docentes e despreparo dos alunos: alguns problemas que estão fazendo as universidades se preocuparem com a saúde mental dos estudantes.

Sobre esse sério problema, extraído de: http://uol.com/bbkh78

TRANSTORNOS MENTAIS ENTRE JOVENS PREOCUPAM UNIVERSIDADES

A euforia sentida por Evair Canella, 25, ao entrar em Medicina na Universidade de São Paulo (USP) se transformou em angústia e tristeza. Ao encarar a pressão por boas notas, a extenuante carga horária de aulas, as dificuldades financeiras para se manter no curso e os comentários preconceituosos por ser gay, ele foi definhando. “Tinha muitas responsabilidades, com muitas horas de estudo.” Em maio, no 4.º ano do curso, foi internado no Instituto de Psiquiatria da USP, com depressão grave. Ficou lá durante um mês e segue com antidepressivos e acompanhamento psicológico.

Situação parecida viveu a estudante de Engenharia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bárbara (nome fictício), de 21 anos, que trancou a matrícula após desenvolver um quadro de ansiedade e depressão que a levou à automutilação e a uma tentativa de suicídio no fim de 2016. Ela passou por tratamento, mudou de cidade e de faculdade, e retomou em agosto os estudos.

Relatos como esses se tornaram cada vez mais frequentes e mobilizam universidades e movimentos estudantis a estruturar grupos de prevenção e combate aos transtornos mentais. As ações, para oferecer ajuda ou prevenir problemas como depressão e suicídio, incluem a criação de núcleos de atendimento mental, palestras e até o acompanhamento de páginas dos alunos nas redes sociais.

Dados obtidos pelo Estado por meio da Lei de Acesso à Informação dão uma ideia da gravidade do problema. Apenas na UFSCar, foram 22 tentativas de suicídio nos últimos cinco anos. Nas universidades federais de São Paulo (Unifesp) e do ABC (UFABC), cinco estudantes concretizaram o ato no mesmo período. Mapeamento feito pela UFABC mostrou que 11% de seus alunos que trancaram a matrícula em 2016 o fizeram por problemas psicológicos.

A falta de compreensão de parte dos docentes é uma das principais queixas. “Alguns parecem ter orgulho em pressionar, reprovar”, conta Bárbara.

O psicólogo André Luís Masieiro, do Departamento de Atenção à Saúde da UFSCar, diz que a busca por auxílio psicológico está frequentemente ligada à exigência constante que se faz dos jovens. “Sem dúvidas há um aumento do fenômeno da depressão em universitários. A ameaça do desemprego e do fracasso profissional são fatores desencadeantes de depressão.”

A UFSCar informou ainda que, entre outras iniciativas, distribuiu cartilha de práticas de acolhimento em saúde mental para docentes e funcionários que recebem alunos em situação de sofrimento psicológico.

Para combater o problema, instituições tentam, aos poucos, se aproximar dos alunos. Na Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, são estratégias a indicação de professor mentor para quem teve mudança repentina no rendimento acadêmico e a participação de grupos estudantis nas redes sociais.

Na Federal de Minas Gerais (UFMG), foram criados neste ano dois núcleos de saúde mental, após dois suicídios entre alunos. Até então, só a Medicina tinha atendimento do tipo. “Se um fato já aconteceu, é sinal de que falhamos no processo”, diz a vice-reitora Sandra Almeida.

Já a Federal da Bahia (UFBA) criou, também em 2017, programa para prevenir e ajudar alunos, principalmente os de baixa renda. “Os cotistas sofreram rejeição, até mesmo de alguns professores”, diz o psicanalista e assessor da UFBA Marcelo Veras.

MOBILIZAÇÃO

Alunos também têm criado grupos para auxiliar colegas e sensibilizar as instituições. A principal iniciativa do tipo foi a Frente Universitária de Saúde Mental, criada em abril por alunos de instituições públicas e privadas de São Paulo.

O movimento surgiu após tentativas de suicídio na Medicina da USP. “Eram muitos alunos com esgotamento, sem acompanhamento adequado, e percebemos que isso não era particularidade da Medicina”, conta a aluna do curso Karen Maria Terra, de 23 anos, da Frente. Eles organizaram, em junho, uma semana de palestras para abordar questões sobre a saúde mental. A página do grupo no Facebook tem 27 mil seguidores.

Alunos da Veterinária da USP também criaram uma página no Facebook para desabafar. “Com o tempo, começaram a aparecer relatos de problemas de saúde e, este ano, o que mais tem é depressão e ansiedade”, diz Bianca Cestaro, 30.

bomba.jpg

– Empreender ou ser Escravo?

Trabalhar demais pode fazer mal. Mas, muitas vezes, o trabalho excessivo não é por necessidade financeira, mas por prazer! E aí cai-se em uma doença típica e não tratada costumeiramente: o vício do trabalho.

Trabalhar não é bom? Claro que é! Só que se virar um vício descontrolado, é ruim.

Dizem (e aí é história) que Henry Ford era viciado em trabalho, ou, como preferir, um workaholic. Ele, no começo da sua carreira empresarial, chegou a quebrar empresas, mas o gosto pelo trabalho fez vingar a Ford Co. É atribuída a ele a frase de que “feriados só atrapalham e trabalhar faz bem”. Se a frase é de autoria duvidosa, um dos seus maiores princípios era comprovadamente real: o de afirmar que quanto mais se trabalhar, melhor será para todos: o patrão fica contente, o empregado recebe mais, o consumidor ganha opções e o governo arrecada impostos. Isso é verdade.

O problema é: e quando se perde o controle do excesso de trabalho? Qualquer vício traz prazer momentâneo, mas e os limites?

Todos nós temos limites. E podemos perder o entendimento de quais são os nossos.

Compartilho belo texto sobre workaholics, extraído da Revista Incorporativa, para melhor entendimento desse assunto,

Extraído de: http://www.incorporativa.com.br/mostranews.php?id=1463

EMPREENDEDOR OU ESCRAVO?

por Christian Barbosa

“O dia que eu for dono do meu próprio negócio, terei mais tempo para mim”. Quem já não ouviu ou disse essa frase alguma vez na vida? Talvez você tenha sido uma dessas muitas pessoas que falavam isso com freqüência. Infelizmente, essa afirmação é uma das coisas mais irreais que vejo quando falamos de administração do tempo para empreendedores.

O empreendedor “padrão” é aquela pessoa que tem uma tendência a ser workaholic, deixar de lado as coisas importantes na sua vida em função do crescimento da empresa, está sempre pensando em inovações, mais resultados etc. A maioria dos empreendedores que conheço vira escravos do próprio negócio, pois não consegue separar a vida pessoal da vida empresarial. Eu fui assim durante muitos anos e o pior é que nem percebia o quanto me afundava no meu próprio estresse. Hoje vejo o quanto isso me fez mal e por isso recomendo algumas dicas para reverter esse quadro:

1. Pare e pense qual caminho sua vida está seguindo – Se você cuida tanto da empresa e se dedica pouco para você e para suas atividades importantes, pode perceber que focou seu tempo em tarefas erradas e, às vezes, isso acontece tarde demais. Conheço muitas histórias de empreendedores que cresceram com a empresa, mas destruíram suas vidas e depois passaram a questionar se realmente o esforço de tentar fazer com que a empresa prosperasse, esquecendo-se da vida pessoal, valeu a pena. Equilibrar sua vida profissional com a pessoal é muito importante para ter um futuro com maior sentido e sem arrependimentos

2. Delegue o máximo que puder. Você não é onipresente! – O empreendedor precisa ter a consciência de que outras pessoas também podem realizar o trabalho que ele faz, pois ninguém é insubstituível. Isso não tira sua responsabilidade, mas o liberta para focar em outras atividades mais importantes. Se não for possível delegar algo a alguém, o crescimento da empresa estará diretamente ligado ao tempo do empreendedor, que pode ser bem limitado. Obviamente, ele não delegará definição de metas ou estratégias, mas o operacional deve ser, ao máximo, passado à equipe

3. Aprenda técnicas de gerenciamento do tempo e redução de estresse – Chega um certo momento em que estamos tão assolados de urgências e atividades circunstanciais que precisamos de ajuda externa para conseguir enxergar uma solução. Recomendo que procure um treinamento que o ajude a incorporar novas técnicas de administração do tempo e redução de estresse no seu dia-a-dia. Elas funcionam e podem ajudar a sair dessa fase negativa

4. Coloque momentos importantes para você mesmo em sua agenda semanal – Não deixe que os seus dias sejam compostos inteiramente por urgências e circunstâncias, comece a colocar pequenos momentos para você em sua agenda como, por exemplo, um almoço em família, sair um pouco mais cedo para ir ao cinema, buscar seus filhos na escola, praticar um esporte ou algum outro hobby. Além de ser importante para você e para suas relações sociais, atividades prazerosas como essas renovam suas energias e dão mais disposição para agüentar a pressão do dia-a-dia

5. Aprenda com suas urgências – A maioria das questões urgentes da sua rotina ou da sua equipe poderia ser evitada! Na próxima vez que algo urgente acontecer, pare e pense como pode evitar que esse problema se repita. Em geral, com antecipação de atividades e planejamento você conseguirá reduzi-las com sucesso

6. Domingos são para atividades pessoais – Sua família e sua vida precisam de você. Sempre que possível, evite ao máximo utilizar seu domingo para trabalhar. Desligue seu notebook, seu celular e esqueça a empresa. Faça passeios com a família, aproveite seu tempo com as pessoas importantes de sua vida. Recomendo que no final do dia você planeje a semana, de modo a priorizar atividades importantes para seus dias e prevenir eventuais urgências

7. Escolha uma ferramenta para gerenciar o seu tempo – Para que sua organização e planejamento sejam feitos da melhor maneira, você precisa ter uma agenda eficiente, um celular, um palm top ou então um site na Internet que o ajude a priorizar seus dias, planejar suas metas, agendar reuniões etc. Cada pessoa tem uma preferência por um tipo de “organizador” diferente. Seja no computador ou no papel, encontre qual forma é melhor para você e coloque em prática.

Por último, mas tão importante quanto qualquer uma das dicas citadas acima, é que você já agende suas férias. Se a empresa não vive sem você por pelo menos 10 dias, é melhor você repensar toda a estrutura e organização do seu empreendimento.

* Christian Barbosa – Um dos maiores especialistas em gerenciamento do tempo e produtividade pessoal e empresarial. Autor dos livros A Tríade do Tempo – A Evolução da Produtividade Pessoal, pela Editora Campus, e Você, Dona do Seu Tempo, pela Editora Gente. Sócio da Triad – empresa especializada em produtividade que presta consultoria, treinamento e oferece produtos diferenciados. Facilitador do programa de empreendedores do Sebrae/ONU – Empretec. Sua metodologia e teorias sobre produtividade ganharam destaque e importância nacional e internacional devido inovações e soluções diferenciadas. http://www.triadedotempo.com.br e http://www.maistempo.com.br

Resultado de imagem para empreendedor

– A cada cinco chamadas ao SAMU, uma é trote!

Número impressionante: mais de 20% dos chamados ao SAMU são trotes (média do Brasil)!

Já imaginou tal número? O que faz um sujeito incomodar socorristas médicos e enfermeiros, a troco de nada? Pensem o que isso atrapalha a sociedade e como retarda o socorro aos doentes.

Fico refletindo: o cara não tem sensibilidade?

Resultado de imagem para ambulancia

– Deveríamos comer insetos?

Pelo jeito… sim!

A Revista Superinteressante trouxe uma extensa matéria sobre o quão saudável são mosquitos, borboletas e besouros!

Extraído de: http://super.abril.com.br/alimentacao/voce-deve-comecar-comer-insetos-730304.shtml?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super

POR QUE VOCÊ DEVE COMEÇAR A COMER INSETOS

O nojo que você sente é relativo

Insetos podem, sim, ser bons substitutos para bois, porcos e frangos. No “pasto”, eles ajudariam a economizar água e custariam menos, além de serem mais nutritivos do que outras carnes. Tudo muito legal se não fosse um detalhe: imagine como seria mastigar uma larva. Sentir a textura do bicho e o jeito que ele explode dentro da sua boca. Ruim? Saiba que o nojo que você sente é natural, mas pode ser domesticado. Tanto que existem provas de gente capaz de comer insetos espalhadas pelo mundo todo. Dos índios brasileiros, que adoram formigas, aos glutões japoneses, viciados em gafanhotos, passando por povos do México e aborígenes da Austrália. Você também pode dizer que a questão não está só na cabeça, mas no próprio bicho: eles são sujos. Bom, nem sempre.

INSETOS ESTÃO CHEIOS DE ENERGIA

Adicione um fator importante à limpeza: eles são ricos em proteína. E costumam carregar mais deste nutriente do que outros bichos. Compare: enquanto a carne de boi é composta por apenas 28% de proteína, o corpo de moscas e mosquitos chega a quase 59%, e libélulas têm 58% (veja mais no gráfico abaixo). “Eles também são ricos em vitaminas, principalmente a B, e minerais, como ferro e cálcio”, enumera Marcel Dicke, professor de entomologia da Universidade de Wageningen, na Holanda. Para terminar, possuem ácidos graxos essenciais, um tipo de gordura também encontrada em peixes, que ajuda nosso corpo a metabolizar energia.

QUANTIDADE DE PROTEÍNA

Moscas têm quase o dobro de proteínas que bois. Veja a quantidade de nutrientes de outros insetos.

Moscas e mosquitos – 59%

Libélulas – 58%

Percevejos – 55%

Cigarras e cigarrinhas – 51%

Besouros – 50%

Formigas E abelhas – 47%

Borboletas e mariposas – 45%

Baratas e grilos – 44%

Boi – 28%

Porco – 25%

Frango – 23%

bomba.jpg

– O DNA e a Depressão

Muito interessante: a Holiste, empresa da área de saúde, publicou uma matéria a partir da reportagem da Revista Superinteressante intitulada: DNA, a nova arma contra a depressão. 

Para quem se preocupa com o chamado “mal do século” (o trio formado por depressão, ansiedade e pânico), vale a pena a leitura da questão de se realizar mapeamento genético para atacar essas crises / doenças.

Extraído de: https://www.holiste.com.br/depressao-teste-genetico/

DNA E A DEPRESSÃO

A Revista Super Interessante abordou o uso do Teste Genético como aliado no tratamento da depressão.   Na matéria, a jornalista Pâmela Carbonari explicou o funcionamento do teste genético e relatou sua experiência com a depressão e com os tratamentos medicamentosos.

“O que mais temia não era a ajuda profissional, mas o troca-troca de remédios típico de quem começa tratamentos, e a convivência com efeitos colaterais que cada um pode dar no início do tratamento – ansiedade, tontura, dor de cabeça, náusea…”, explica Pâmela Carbonari.

O “troca-troca” que a jornalista se refere se dá pelo fato de que, a despeito de todo cuidado e perícia do psiquiatra, não é incomum que o paciente não responda de forma eficaz à primeira prescrição do tratamento medicamentoso, ou apresente efeitos colaterais indesejados, já que cada remédio interage com o organismo de uma forma.

“Os testes genéticos surgem como uma alternativa para determinar quais antidepressivos funcionam melhor no seu corpo.  A grosso modo, são testes que fazem uma leitura do seu DNA para detectar se ele é mais amigo deste ou daquele remédio”, resume a jornalista.

O psiquiatra Guido May – do laboratório GnTech, parceiro da Holiste – comenta sobre o teste farmacogenético na matéria.

“É raro encontrar alguém que metabolize normalmente todos medicamentos utilizados para o sistema nervoso central.  Mas, mesmo com esse manual de instruções na mão, a avaliação de um médico segue sendo fundamental.   O teste genético é uma ferramenta, uma informação a mais para ajudar, em conjunto com histórico de tratamentos prévios, ambiente, fase da vida”.

ESTUDOS E RESULTADOS

Um levantamento realizado nos Estados Unidos pela organização de saúde Mayo Clinic, mostrou que quem fez o exame genético teve uma resposta 70% melhor à medicação se comparada àqueles que usaram o antidepressivo sem ter realizado o teste.

“Existem estudos norte-americanos que demonstram que as pessoas que fazem o tratamento guiado com o teste farmacogenético faltam 75% menos ao trabalho do que o paciente que faz o tratamento pela via tradicional, gasta 60% menos com saúde e demanda 67% menos dos planos de saúde” – afirma Guido May.

Já o estudo realizado em publicado em 1167 pacientes com transtorno depressivo maior – que apresentaram resistência ao tratamento e não tiveram resposta a pelo menos um medicamento – identificou uma probabilidade 30% maior de resposta do paciente ao tratamento e 50% maior de alcançar a remissão quando a seleção da medicação foi guiada pelo teste genético.   O estudo foi publicado no American Psychiatric Association (APA), em maio de 2018.

“Atualmente, a prescrição por tentativa e erro de antidepressivos é um fator que contribui para o insucesso do tratamento e aumenta os custos.  A farmacongenômica combinatória pode melhorara os resultados identificando medicamentos que, por razões genéticas, serão menos eficazes, podem levar a mais eventos adversos e que podem existir a troca”, explicou o Dr. John Greden, pesquisador principal do estudo.

TESTE FARMACOGENÉTICO GNTECH

A Holiste realiza o teste em parceria com a GnTech, laboratório catarinense de genética e bioinformática, que realiza exames de alta qualidade e precisão, provenientes do sequenciamento do genoma humano.

O teste da GnTech oferece uma avaliação de como as medicações atuarão no sistema nervoso central do paciente, no tratamento de transtornos como depressão, ansiedade, déficit de atenção e psicoses.

O exame é realizado de forma simples, com a coleta de uma amostra da saliva do paciente. O material é enviado para o laboratório que analisa 26 genes para determinar como o organismo daquele indivíduo reage aos 79 remédios mais usados para o Sistema Nervoso Central – antidepressivos, ansiolíticos, antipsicóticos, analgésicos, opioides, psicoestimulantes, estabilizantes de humor e anticonvulcionantes.

O laudo gerado auxilia o trabalho do psiquiatra, como um “mapa” que demonstra como os genes determinam a absorção, distribuição e metabolização dos remédios e de que forma acontece a recaptação de neurotransmissores.

“O teste farmacogenético apresenta-se como uma alternativa para auxiliar a escolha do melhor tratamento, respeitando as especificidades genéticas daquela pessoa.  Podemos definir se é necessário aumentar ou reduzir a dosagem da medicação, ou buscar uma outra alternativa que se adapte melhor ao tipo de metabolismo do paciente, possibilitando uma melhor adesão ao tratamento e uma maior qualidade de vida”, explica a psiquiatra da Holiste Fabiana Nery.

bomba.jpg

– Os Recursos da Indústria do cigarro para a saúde

Hoje ouvi uma óbvia declaração de um ilustre deputado, proferida em 2007 (cujo nome NÃO FOI IDENTIFICADO, UMA PENA), que assusta por tamanho cinismo. Ele declarou que o cigarro, apesar dos malefícios à saúde, é uma importante e INDISPENSÁVEL receita de impostos.

Cadê a novidade?

Nobre deputado, todos nós sabemos que a receita dos impostos do cigarro equivalerão a recursos insuficientes ao Ministério da Saúde, que os destinará a PARTE dos pacientes afetados por câncer de pulmão, causados, obviamente, pelo cigarro.

Portanto, excelentíssimo, essa fonte de recursos é dispensável, pois esse círculo vicioso , se formos rigorosos na apuração fiscal, não trará sobras ou perdas significativas financeiras. Porém, certamente, haverá perdas humanas; estas, incalculáveis.

A propósito, àqueles que alegam que a indústria do fumo gera cerca de 300 mil empregos diretos nos estados do Sul, que tal se aliar a novos discursos antitabagistas e procurar outras formas de pensar em novas lavoura e receitas sustentáveis?

 

– Programa “Acolha um Quarto, Conforte Vidas” é uma esperança para o Hospital São Vicente!

Quando a iniciativa é boa, deve ser elogiada e servir de modelo. Todos sabem por exemplo, das dificuldades de manutenção do Hospital de Caridade São Vicente, em Jundiaí. Se é difícil manter um bom atendimento, quiçá ter dinheiro para as reformas estruturais.

O fato é que empresas estabelecidas na cidade reformarão leitos do hospital. O “pool” de organizações se dividirá em ajudar parte-a-parte na melhora da instituição de saúde. Elas devem ser louvadas por tal ação de responsabilidade social!

Ufa, enfim uma boa notícia para o jundiaiense.

Extraído de: https://jundiai.sp.gov.br/noticias/2019/03/29/acolha-um-quarto-conforte-vidas-vai-revitalizar-72-quartos-do-sao-vicente/

“ACOLHA UM QUARTO, CONFORTE VIDAS” REVITALIZARÁ 72 LEITOS DO SÃO VICENTE 

Lançado nesta sexta-feira (29), no Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), o projeto “Acolha um Quarto, Conforte Vidas” tem a proposta de transformar 72 quartos do Hospital São Vicente (HSV) em espaços mais acolhedores, modernos e humanizados para os pacientes. A iniciativa foi apresentada pelo prefeito Luiz Fernando Machado e pelo superintendente do HSV, Matheus Gomes, juntamente com o bispo diocesano da Diocese de Jundiaí, Dom Vicente Costa e Sociedade de São Vicente de Paulo, para uma plateia de empresários interessados em colaborar com a revitalização do único equipamento hospitalar de alta complexidade e referência em cardiologia, neurologia, ortopedia e oncologia da região de Jundiaí.

“Temos um hospital que conta com a melhor equipe técnica disponível. Quem atende aqui, atende nos hospitais particulares de São Paulo, como Sírio Libanês e Albert Einstein. É papel da prefeitura mobilizar a sociedade para uma parceria direcionada à melhoria do equipamento, que é centenário e referência para toda uma região em alta complexidade. É com grande satisfação que percebemos a mobilização da iniciativa privada interessada em contribuir para a construção de espaços mais acolhedores para quem precisa do hospital”, ressaltou o prefeito.

A intenção do projeto, articulado pelo HSV e Rede Jundiaí de Cooperação, em parceria com segmentos da sociedade, é modernizar os quartos e respectivos banheiros do HSV, estabelecendo uma padronização por meio da troca de portas, pisos, azulejos, revestimentos, pintura, cortinas, itens para banheiro, iluminação, mobiliário, ar-condicionado e kit leito (cama elétrica, régua multifuncional, poltrona de acompanhante, divisória e bandeja de refeição), além de pequenas intervenções. Os projetos arquitetônicos foram as primeiras doações recebidas pela iniciativa e elaborados por 10 arquitetas de Jundiaí do grupo ‘Um Tijolo por Dia’, que acompanhará os trabalhos. Paula Cereser, uma das arquitetas envolvidas, afirma que o trabalho é detalhado. “O hospital tem muitos modelos de quartos diferentes. Conseguimos adequar um projeto bonito, com custo acessível e digno para o atendimento de excelência”, argumentou.

A revitalização dos ambientes será colocada em prática a partir da adoção de quartos ou compra de cotas por pessoas físicas, grupos e empresas. As doações serão feitas diretamente numa conta do HSV vinculada ao projeto e haverá prestação de contas das mesmas. Todas as informações podem ser consultadas no Regulamento no site: http://www.hsvicente.org.br. A revitalização se dará de maneira gradual, respeitando as Normas Regulamentadoras do Ministério da Saúde. As entregas ocorrerão conforme o término das obras, com duração de 12 meses.

Diferentes setores do hospital receberão as intervenções. Serão eles: Clínica Feminina (13 quartos), Clínica Masculina (14 quartos), Clínica Cirúrgica 1 (15 quartos), Clínica Cirúrgica 2 (5 quartos), Clínica Ortopedia (9 quartos), Clínica Mista (9 quartos) e Pronto-Socorro Adulto (7 quartos). Cada modelo de quarto tem um custo estipulado para a reforma, variando de R$ 36,5 mil até R$ 409,5 mil, conforme a quantidade de leitos existentes em cada. Além da adoção dos quartos completos, é possível doar por meio de cotas de R$ 25 mil (cota Pulmão) e R$ 50 (cota Coração) para pessoas jurídicas e R$ 3 mil para pessoas físicas (cota Anjo)

Parceiros
O caráter social do projeto já tem a adesão de parceiros doadores, como a Roca Metais e Louças, representada por Maria Lúcia Besson, que doou todos os pisos e revestimentos para os 72 banheiros além dos metais e louças para 36 banheiros. “É um projeto para o bem de toda a população. Nesta hora não existe concorrência no mercado. Por isso, conversamos com a Deca e eles também doarão outros 36 banheiros (metais e louças)”, comentou. Além desta empresa, a Duratex também se comprometeu em doar painéis em MDF e a Astra doará acessórios para 72 banheiros

Logo após a apresentação ao empresariado, Guilherme Rodrigues da Cunha, diretor de Ação Social do Tauste Supermercados, anunciou a doação do custo para a reforma de três quartos completos. Ainda não instalada na cidade, mas com terreno adquirido e interesse na localização, a empresa Evasola também se comprometeu a doar o valor referente à reforma e adequação de um quarto.

Dados
No ano passado, a Prefeitura de Jundiaí aportou R$ 160 milhões ao HSV a partir dos convênios firmados. O custo total do complexo foi de R$ 200 milhões para o atendimento de 23 mil pessoas por mês, realização de 7 mil cirurgias/ano e manutenção do corpo técnico formado por 246 médicos e 1,7 mil funcionários. “O São Vicente é mais que o hospital de referência para atendimento em alta complexidade para toda a região de Saúde de Jundiaí. Guarda a história centenária de uma população sem deixar de lado a inovação, com índices cada vez mais expressivos na qualidade no atendimento – 85% de satisfação entre os usuários – e resolutividade – mais resolutivo de todo o Estado (95%). A melhoria na estrutura garantirá maior conforto para os atendidos”, comentou Matheus Gomes.

Assessoria de Imprensa
Fotos: Fotógrafos PMJ

– Dia do Padroeiro dos Doentes Incuráveis e Portadores de HIV: São Luís Scrosoppi

Hoje é dia do padroeiro dos doentes incuráveis, dos portadores do vírus HIV e dos caridosos: São Luís Scrosoppi.

Com a busca incessante de ajuda incondicional aos pobres, sempre buscando promover a Caridade, tornou-se Santo por João Paulo II, após milagrosa e inexplicável cura de um devoto sulafricano. Abaixo, extraído de iTerço:

SÃO LUÍS SCROSOPPI

Luís nasceu em 4 de agosto de 1804, em Udine, cidade do Friuli, no Norte da Itália. Foi o último dos filhos de Antônia e Domingos Scrosoppi, cristãos fervorosos que educaram os filhos dentro dos preceitos da fé e na caridade. Aos doze anos, Luís ingressou no seminário diocesano de Udine, e, em 1827, foi ordenado sacerdote.
A região do Friuli, a partir de 1800, mergulhou na miséria em conseqüência das guerras e epidemias, o que serviu ao padre Luís de estímulo para cuidar dos necessitados. Dedicou-se, com outros sacerdotes e um grupo de jovens professoras, à acolhida e à educação das “derelitas”, as mais sozinhas e abandonadas jovens de Udine e dos arredores. A elas ele disponibilizou todos os seus bens, suas energias e seu afeto, sem economizar nada de si. Quando foi preciso, ele não hesitou em pedir esmolas. A sua vida foi, de fato, uma expressão palpável da grande confiança na Providência Divina.
Com essas senhoras, chamadas de “professoras”, hábeis no trabalho de costura e de bordado, que estavam aptas à alfabetização, dispostas a colocarem suas vidas nas mãos do Senhor para servi-lo e optando por uma vida de pobreza, padre Luís Scrosoppi fundou a Congregação das Irmãs da Providência. Mas notou que necessitava de algo mais para dar continuidade a essa obra. Por isso, aos quarenta e dois anos de idade, em 1846, tornou-se um “filho de são Felipe” e, através do santo, aprendeu a mansidão e a doçura, qualidades que lhe deram mais idoneidade na função de fundador e pai da nova família religiosa.
Todas as obras feitas por padre Luís refletiram sua opção pelos mais pobres e necessitados. Ele profetizou certa vez: “Doze casas abrirei antes da minha morte”, e sua profecia concretizou-se. Foram, realmente, doze casas abertas às jovens abandonadas, aos doentes pobres e aos anciãos que não tinham família. Porém Luís não se dedicava apenas às suas obras de caridade. Ele também oferecia seu apoio espiritual e econômico a outras iniciativas sociais de Udine, realizadas por leigos de boa vontade. Era dele, também, a missão de sustentar todas as atividades da Igreja, em particular as destinadas aos jovens do seminário de Udine.
Depois de 1850, a Itália unificou-se, num clima anticlerical, e os fatos políticos representaram um período difícil para Udine e toda a região do Friuli. Uma das conseqüências foi o decreto de supressão da “Casa das Derelitas” e da Congregação dos Padres do Oratório, de Udine. Após uma verdadeira batalha, conseguiu salvar as “Casas”, mas não conseguiu impedir a supressão da Congregação do Oratório.
Já no fim da vida, padre Luís transferiu a direção de suas obras às irmãs, que aceitaram a missão com serenidade e esperança. Quando sentiu chegar o fim, dirigiu suas últimas palavras às irmãs, animando-as para os revezes que surgiriam, lembrando-as: “… Caridade! Eis o espírito da vossa família religiosa: salvar as almas e salvá-las com a caridade”. Morreu no dia 3 de abril de 1884. Toda a população de Udine e das cidades vizinhas foram vê-lo pela última vez e pedir-lhe ajuda do paraíso celeste.
No terceiro milênio, as irmãs da Providência continuam a obra do fundador nos seguintes países: Romênia, Moldávia, Togo, Índia, Bolívia, Brasil, África do Sul, Uruguai e Argentina.
Padre Luís Scrosoppi foi proclamado santo pelo papa João Paulo II em 2001. Nessa solenidade estava presente um jovem sul-africano que foi curado, em 1996, da Aids. Por esse motivo, esse mesmo pontífice declarou São Luis Scrosoppi padroeiro dos portadores do vírus da Aids e de todos os doentes incuráveis. O jovem sul-africano que se curou desse vírus entrou no Oratório de São Felipe Néri, tomando o nome de Luís.

bomba.jpg

– Sonhar é Preciso!

Nesses tempos turbulentos, muita gente têm dificuldade para dormir. E isso é perigoso, pois novos estudos mostram que além de descansar no sono, é necessário sonhar!

Os motivos para isso?

Abaixo, extraído de: https://istoe.com.br/por-que-e-preciso-sonhar/

POR QUE É PRECISO SONHAR

Pesquisa mostra que estamos sonhando pouco. Isso pode levar a graves problemas de saúde, entre eles dificuldade de memória e obesidade

Por Cilene Pereira

Um artigo científico publicado na semana passada no jornal da Academia de Ciências de Nova York acendeu um alerta em um campo da vida humana que parecia imune às circunstâncias históricas. De acordo com o trabalho, a sociedade vive uma epidemia silenciosa de perda dos sonhos. Estamos deixando de sonhar. Quem assina o estudo – uma revisão de pesquisas a respeito do assunto – é Rubin Naiman, especialista em sono e sonhos da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos.

O grande problema disso é que, a exemplo do sono, sonhar promove benefícios diretos à saúde mental e física. É também por meio dos sonhos que traumas podem ser tratados, fobias amenizadas e memórias consolidadas. “Se não sonhamos, não digerimos nossas experiências. É como uma indigestão psicológica”, disse Naiman à ISTOÉ. O ato está associado ainda à regulação de processos metabólicos importantes que, se não ocorrerem da forma esperada, podem levar à obesidade e diabetes.

RELAXAMENTO TOTAL
A falta de tempo para sonhar é resultado do crescimento das dificuldades que o homem moderno apresenta para dormir. A insônia é hoje um dos principais problemas de saúde pública mundial. No Brasil, estima-se que 36% da população sofram de insônia. Sem dormir, obviamente é impossível sonhar. Mas, mesmo dormindo, porém com qualidade ruim, também não se sonha. Para que os sonhos aconteçam, o sono precisa atingir o estado REM (rapid eyes moviment, em inglês), o mais profundo de todos os estágios. “Nesses momentos, o cérebro está em relaxamento total”, explica Naiman. “E consegue processar o que registrou durante o dia, tentando atenuar as emoções negativas e consolidando as memórias.”

A patente importância dos sonhos e, ao mesmo tempo, a constatação de que eles estão rareando, obrigam os cientistas a buscarem meios de estimulá-los. Os primeiros, mais óbvios, objetivam induzir o sono com mais facilidade. Nessa seara, destacam-se a ênfase na adoção de hábitos como os de manter os horários de se deitar e o uso de substâncias que auxiliam. Entre elas, estão a melatonina (hormônio que participa do ciclo circadiano) e suplementos com l-triptofano, aminoácido precursor da serotonina. O composto ajuda no tratamento da insônia.

Outra estratégia é a indução aos chamados sonhos lúcidos. Nesse caso, o indivíduo tem consciência de que está sonhando e é capaz de interferir em seu conteúdo. O recurso vem sendo estudado porque, aplicado corretamente, ajuda a apagar ou a atenuar sentimentos ruins relacionados às memórias, contribui no tratamento de traumas, fobias e para a melhora da performance esportiva por atletas. Nos sonhos, eles “treinam” força, equilíbrio e coordenação, entre outras habilidades. Segundo os resultados vistos até agora, há impacto positivo real no desempenho esportivo de cada um deles.

Na semana passada, o pesquisador australiano Denholm Aspy, da Universidade de Adelaide, anunciou ter testado com sucesso um novo método para permitir a ocorrência de sonhos lúcidos. Consiste na combinação de três recursos, entre eles um pelo qual a pessoa acorda depois de cinco horas e repete a si mesma que adormecerá, terá um sonho lúcido e se lembrará de seu roteiro. “Estamos perto de uma maneira bastante efetiva de indução dos sonhos lúcidos”, disse Aspy à ISTOÉ. “Eles poderão ser usados para beneficiar muita gente.”

bomba.jpg

– Aquilo que alguns estudantes gostariam de ouvir sobre bebidas. Sabe o quê é?

As desculpas podem deixar de ter sentido por parte dos beberrões. É que nos EUA uma universidade realizou uma pesquisa cujo resultado diz: Estudante que bebe é mais feliz!

E aí? Ficou feliz?

Extraído de: http://t.co/ZTSbZr1ToQ

ESTUDANTES QUE BEBEM SÃO MAIS FELIZES

Reclame, proteste, chore ou comemore, mas assuma: dentro da nossa vida social as bebidas alcoólicas quase sempre são convidadas de honra. E é durante a faculdade, quando a maioria já passou dos 18 anos, que acontecem as maiores extravagâncias – afinal, ter um porre e ir pra aula de ressaca é bem diferente de encarar uma reunião ‘séria’ com a cabeça latejando e o estômago girando que nem liquidificador. Mas, claro, sempre existem as exceções, aquele pessoal que quase nunca tem histórias pra contar bebe. Só que eles se sentem menos felizes do que os beberrões. Quem diz é a ciência.

Lá pelos Estados Unidos, pesquisadores de sociologia da Universidade Colgate entrevistaram 925 jovens universitários, para saber sobre os hábitos etílicos deles. E, entre os participantes, quem bebia bastante (mais de 4 drinks por festa para as mulheres, ou mais de 5 drinks para os homens) se sentia mais feliz que os abstêmios, principalmente com a vida social.

Dá para adivinhar fácil o motivo, né? Segundo a pesquisa, a bebedeira está associada a status. Quem não bebe é careta, chato; beber é cool. Aí quem participa das festas regadas à cerveja barata e vodka de garrafa plástica (ui..) paga de bacana entre a galera. É o que diz a pesquisa. (Tá, mas o álcool também deixa qualquer um mais sociável, aí fica bem fácil fazer amigos – mas é só passar um pouquinho do limite para você ficar marrento e insuportável)

E você, o que acha: quem bebe é realmente mais feliz?

Resultado de imagem para Bebidas embriagar

– Abacaxi Vermelho? É coisa boa e de brasileiro!

Não é fruto de experiências transgênicas, mas da inteligência da ciência usada na natureza: vem aí o abacaxi vermelho, com sabor de tutti-frutti e casca comestível!

Extraído de: http://saude.abril.com.br/alimentacao/vem-ai-o-abacaxi-vermelho/

VEM AÍ O ABACAXI VERMELHO

Essa fruta, carregada de substâncias benéficas, é resultado de muitos anos de trabalho com melhoramento genético – mas não é transgênica. Confira:

Por Thaís Manarini

Não, a fruta não é transgênica – longe disso. Para chegar a essa cor, o biólogo Pedro Nahoum, da Botânica Pop, no Rio de Janeiro, cruzou várias espécies de abacaxi por duas décadas. Foi daí que surgiram Cesar e David, as variedades vermelhas.

“O tom vem da presença de antocianina, a mesma substância que está na uva”, explica. Ela tem uma baita ação antioxidante. Mas de que adianta ofertar antocianina nessa parte se as pessoas costumam descartá-la? Bom, escuta essa: “Mais lisa e macia, a casca desses abacaxis pode ser consumida”, conta Nahoum. Isso também permite o aproveitamento da bromelina, enzima que facilita a digestão e é detectada sobretudo na camada externa do alimento. E não é que assim dá pra comer o fruto em gomos?

CARACTERÍSTICAS DO ABACAXI VERMELHO

O abacaxi vermelho deve chegar ao mercado no final de 2017. Veja suas características:

  • Possui antocianina
  • Tem aroma de tutti-frutti
  • Pode ser cultivada sem agrotóxicos
  • Dá para degustar a casca, que tem uma enzima importante

bomba.jpg

– O sangue da eterna juventude está sendo comprado por milionários?

E se alguém dissesse que a verdadeira fonte da juventude é o sangue dos próprios jovens?

Na Califórnia, milionários imitam o Papa Inocêncio VIII, que achava que o sangue de moços ajudariam os velhos a ter mais energia, fazendo transfusões.

Compartilho, extraído de: https://veja.abril.com.br/revista-veja/sangue-bom-e-sangue-novo/

SANGUE BOM É SANGUE NOVO

Americanos acima dos 35 anos pagam 8 000 dólares para receber transfusão sanguínea de jovens. É mais um capítulo da busca pela juventude eterna

Por Giulia Vidale

No século XV, revelam os livros de história, o papa Inocêncio VIII, muito debilitado, teria recebido sangue de três meninos de 10 anos de idade para ter sua vitalidade restaurada. A transfusão foi oral. O caso teve um desfecho trágico: todos os envolvidos morreram alguns dias depois do procedimento. O pontífice acatou a drástica solução sob influência do Deuteronômio, livro do Antigo Testamento, segundo o qual “sangue é vida”. A rigor, a ideia do líquido vermelho como algo rejuvenescedor nunca abandonou o imaginário da humanidade.

Cortemos para 2018, no coração do Vale do Silício, o reduto californiano das mentes mais cartesianas do planeta. Ali, quarentões, cinquentões e sessentões milionários estão recorrendo a uma startup de biotecnologia para fazer como o Papa Inocêncio: receber sangue de jovens por meio de transfusão com o objetivo de recuperar a sensação de juventude.

O procedimento é oferecido por uma clínica privada que investiga os efeitos do plasma de jovens no combate às doenças do envelhecimento. Atrai homens e mulheres (continua no link da Revista, acima).

bomba.jpg
Na ficção – A ideia inspirou episódio da popular série Silicon Valley, no capítulo The Blood Boy (//Divulgação)

– A Atividade Física e o Câncer: nada de cama, mas sim de… CORRIDA!

Qual o melhor tratamento oncológico que existe hoje?

Difícil um médico dizer com exatidão. Para um leigo, quase impossível. Mas algo que pode ajudar é a prática esportiva. E olha só que recomendação bacana dos especialistas, abaixo:

Texto extraído de: https://abrilsaude.files.wordpress.com/2018/05/exercicio-cancer.jpg

OS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA QUEM LUTA CONTRA O CÂNCER

Além de ajudar a evitar tumores, o exercício é importante durante o tratamento – por vários motivos. Veja as últimas recomendações dos especialistas

Por Theo Ruprecht

Antes da quinta sessão de quimioterapia, a médica da fisioterapeuta Roberta Peres, diagnosticada com câncer de mama aos 27 anos, avisou que trocaria os remédios. É um protocolo comum, que pode reduzir a intensidade de efeitos colaterais. “Mas ela me disse que, entre outros sintomas, eu talvez tivesse dores parecidas com as de um treino forte na academia”, lembra. Após a químio, Roberta definiu seu sofrimento de outro jeito: “Eram como facadas. No dia seguinte, falei que não iria aguentar e meu marido sugeriu caminharmos no parque para eu me distrair. Foi delicioso”.

O desconforto não sumiu, porém diminuiu a ponto de ela repetir a dose na próxima manhã e até trotar um pouco. “Tive câncer, fiz químio… e corri careca”, arremata Roberta, hoje com 29 anos e um perfil no Instagram que estimula outros pacientes a tomarem as rédeas da vida diante da doença. Ao longo das 11 sessões quimioterápicas seguintes (uma por semana), ela continuou dando suas passadas com o aval da doutora e notou ganhos em ânimo, autoestima, força…

“Está evidente que a atividade física ameniza consequências da doença e da terapia”, afirma o oncologista Auro Del Giglio, do Hospital do Coração, em São Paulo. Durante uma palestra que dará no Ganepão, um dos maiores congressos científicos do Brasil, o especialista vai destacar o papel da movimentação contra a fadiga gerada pelo tratamento. “Não há drogas adequadas para enfrentar essa reação adversa. Apenas os exercícios funcionam mesmo”, explica. Soa esquisito dizer que “gastar energia vai gerar energia”, mas é nesse sentido que as evidências científicas andam.

Uma revisão internacional de 34 estudos reuniu dados de 4 366 indivíduos com tumores. Seu resultado é categórico: não importa o tipo da doença, tirar o corpo da cama combate a indisposição. “Eu me poupava nos dias de quimioterapia, porque ficava sonolenta. Só que nos outros já voltava a me exercitar”, conta Roberta. Ela admite que os primeiros passos exigem esforço extra, contudo a sensação de esgotamento se dissipa com o suor.
“Na verdade, a atividade física libera neurotransmissores que trazem prazer e bem-estar”, explica José Cesar Rosa Neto, doutor em fisiologia e professor do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. A malhação ainda freia a degeneração muscular, uma repercussão comum após o diagnóstico que atrapalha tarefas cotidianas e intensifica a canseira.

Não por menos, o brasileiro Daniel Galvão, codiretor do Instituto de Pesquisa em Medicina do Exercício da Universidade Edith Cowan, na Austrália, concentrou-se no potencial de treinos supervisionados com práticas aeróbicas e de flexibilidade e força em 57 homens com câncer de próstata avançado – a doença havia invadido os ossos. Mesmo nesse cenário grave, os participantes expressaram uma melhora nas funções físicas sem desenvolver complicações.

“O estudo tem um enorme impacto, porque indivíduos com metástases ósseas até então eram excluídos de programas de exercício”, raciocina Galvão. Está aí um erro comum: imaginar que o câncer pede cama.

MAIS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA CONTRA O CÂNCER

Sono: a sensação de relaxamento após o esforço físico facilita o adormecer e melhora a qualidade do sono.
Disposição: sacudir a poeira é uma das principais maneiras de afastar a fadiga típica da quimioterapia.
Peso: ao contrário do que se pensa, vítimas do câncer podem engordar. E o exercício queima calorias.
Dor: os incômodos são aplacados com as substâncias analgésicas liberadas pelo esporte.

Como o exercício ajuda o tratamento em si

Resistir aos solavancos do tratamento é primordial para finalizá-lo. E aqui a malhação ofereceria vantagens. “Embora faltem pesquisas, o bom senso sugere que, se essa prática atenua reações adversas, ajudaria a pessoa a aguentar a estratégia desenhada pelo médico“, reflete Del Giglio.

Um indício de que o argumento bate com a realidade vem de um trabalho da Universidade de Alberta, no Canadá. Divulgado em 2007, ele reuniu 242 mulheres com câncer de mama submetidas à químio. Resultado: 78% das que foram orientadas a fazer musculação seguiram o plano original do doutor sem grandes intercorrências, ante 66% das que ficaram paradas.

Tais dados justificariam a menor taxa de mortalidade associada aos enfermos que suam a camisa após o diagnóstico. Em um levantamento de 2015 publicado no British Journal of Sports Medicine, os mais ativos apresentavam um risco 22% menor de morrer por causa do tumor.

Só considere que, talvez, dados como esse decorram do fato de que os sujeitos com cânceres mais agressivos se mexem menos – não seria o esporte que afasta a doença, e sim o contrário. “De qualquer forma, também existe a teoria de que os exercícios gastam parte da energia que abasteceria o tumor”, explica Sandro Fernandes da Silva, educador físico da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais. Fora isso, em experiências no laboratório, o esforço físico estimula o suicídio de células cancerosas e faz o sistema imune reconhecê-las melhor.

A atividade física ainda rechaça transtornos que abreviam a longevidade do pessoal que venceu o câncer. Exemplo: vários dos fármacos empregados lesam o coração. “Quem recebeu quimioterapia na infância às vezes desenvolve insuficiência cardíaca já aos 30 ou 40 anos”, revela Rosa Neto. “Mas o treinamento parece remodelar o órgão e manter seu funcionamento”, completa.

Na Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, pesquisadores recrutaram 100 voluntárias que haviam se tratado recentemente contra o câncer nos seios e colocaram metade para realizar exercícios. Depois de quatro meses, eles perceberam que a turma do agito exibiu quedas em colesterol, pressão e outros marcadores da síndrome metabólica. “Sobreviventes do tumor de mama com essa condição têm maiores índices de mortalidade. Logo, erradicá-la aumentaria a sobrevida”, diz a fisiologista Christina Dieli-Conwright, autora da investigação.

A dificuldade é sair do sedentarismo em um momento tão complicado – até porque o câncer impõe restrições. “No nosso trabalho, um grande desafio foi a falta de confiança das mulheres em movimentar os braços”, recorda-se Christina. Ora, não raro a cirurgia contra o tumor de mama abala as estruturas dos membros superiores.

Roberta, que passou por quatro operações antes de ver sua doença sumir dos radares, é prova disso: “Meu alongamento foi para as cucuias. Aí eu comecei a fazer pilates e ioga, que me ajudaram a recuperar a flexibilidade”. Claro que cada caso demanda cuidados específicos, que exigem supervisão. “Mas todos, ao se exercitarem, deixam de viver só em função do tratamento”, dá o recado. Tem virtude melhor do que essa?

Os exercícios físicos na prática

“As recomendações para pacientes com câncer estão sendo revistas”, adianta o pesquisador Daniel Galvão. Hoje, as diretrizes gerais se assemelham às voltadas ao restante da população – ou seja, pedem para incluir modalidades aeróbicas, musculação e alongamentos por ao menos 150 minutos na semana.

No entanto, há particularidades de acordo com o tipo de tumor, o estágio da doença e as características da pessoa. “Durante o tratamento, devemos focar na segurança, cobrar supervisão e reforçar que não é a hora de apertar o passo”, ressalta o oncologista Antonio Carlos Buzaid, da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Veja, a seguir, táticas para se manter ativo em meio à luta contra o câncer:

O calendário: veja como se sente após uma sessão do tratamento e se exercite nos dias em que os sintomas abrandarem.
A expectativa: concentre-se mais nos benefícios da atividade contra o tumor e menos – bem menos – no desempenho.
Os cuidados: se a doença se espalha para o fêmur, por exemplo, é bom não sobrecarregar a perna. Respeite as limitações impostas pelo médico.
A supervisão: o ideal é programar os treinos junto a educadores físicos e outros profissionais com experiência em oncologia.