– O calendário de Abertura na Suíça me confunde: disputa com contato físico proibida e prostituição liberada?

E não é Fake News: qual a diferença de serviço de prostituição ser liberado em 6 de junho pelo Governo da Suíça, e a prática do boxe, por exemplo, ser proibido?

Ambos envolvem contato físico. Não entendi o critério de liberação de um e proibição de outro. Veja no quadro:

– O que explica os baixos índices de Coronavírus na Índia?

A Índia tem, em números aproximados:
1,3 bi de habitantes, 149 mil casos de Covid e 4.300 mortos.

O Brasil tem, também em números próximos:
210 mi de habitantes, 294 mil casos de Covid e 24.600 mortos.

Qual o segredo?

Nas palavras do cônsul geral honorário da Índia no Rio de Janeiro, Leonardo Ananda:

A alimentação diferente (com muita imunidade), muitos hospitais sobre trilhos, lockdown, população rural grande (afastada da cidade, apesar dos centros urbanos povoadíssimos), cloroquina na prevenção e muitos outros fatores, como, por exemplo, a Índia ser a ‘farmácia do mundo’ e produzir respiradores e EPIs internamente (…) além das práticas milenares como Yoga e medicina helvética”.

O vídeo da fala em: https://www.youtube.com/watch?v=sJj3xNhWZNs

Porém, tudo isso traz ainda muito dúvida (em especial à exatidão dos números). Segundo a BBC (https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52454928):

“Muitos profissionais de saúde pública dizem que as medidas rígidas de isolamento social decretadas pelo governo, que duraram mais de um mês, poderiam ter mantido infecções e mortes sob controle. A revista científica Lancet diz que “o bloqueio já está tendo o efeito desejado de achatar a curva epidêmica”.

Outros acreditam que a população predominantemente jovem da Índia está ajudando a manter baixas as mortes — os idosos têm um risco elevado de morte pela infecção. Outros citam a possibilidade da presença de uma cepa menos virulenta do vírus na Índia, e a de que seu clima quente estivesse diminuindo o contágio. Ambas as alegações não são sustentadas por nenhuma evidência. De fato, os médicos que tratam pacientes críticos com covid-19 disseram à BBC que o contágio é tão virulento na Índia quanto em qualquer outra parte do mundo.

Então, a Índia é uma exceção quando se trata de novas fatalidades por coronavírus?

“Para ser totalmente franco, não sei e o mundo não sabe a resposta”, disse recentemente o médico e oncologista indiano-americano Siddhartha Mukherjee à jornalista Barkha Dutt. “É um mistério, eu diria, e parte do mistério é que não estamos testando o suficiente. Se testássemos mais, saberíamos a resposta.”

A reportagem, cita ainda que: Contar mortes sempre foi uma ciência inexata na Índia.”

Afinal, o que acontece com a Índia, vizinha da China, tendo esses números?

india-corona

Um policial orientando a população, vestido com um “vírus” para conscientizar.

 

– Guardiola sobre a volta do futebol e o respeito aos profissionais de saúde.

Pep Guardiola, o vitorioso treinador de futebol (que é espanhol e trabalha na Inglaterra), está vivendo a Pandemia bem antes que nós no Brasil. E, mesmo apaixonado por seu ofício, foi questionado sobre a volta das atividades esportivas profissionais em meio à crise do Covid-19. Disse ele:

“Acho que todos os torcedores ao redor do mundo estão impacientes e querem o regresso do futebol. Nós também queremos, mas atualmente a prioridade está em outro lugar. Portanto, fiquem seguros, tenham cuidado, porque quando for possível nós regressamos (…) Se o Governo exige a utilização da máscara, ficar em casa e preservar a distância social, então todos o devem fazer, porque muita, muita gente trabalha na saúde e está arriscando a sua vida para salvar a nossa. É incrível o que eles têm feito e devemos seguir as regras. Não podemos falhar”.

Por quê pessoas inteligentes e sensatas como ele  tem o mesmo discurso sobre a volta do Futebol? E, incoerentemente, no RJ, se quer voltar antes do que nesses lugares cuja pandemia começou meses atrás?

Incompreensível.

Mãe de Pep Guardiola morre vítima do coronavírus, aos 82 anos ...

Lembrando: a mãe de Guardiola faleceu vítima do Novo Coronavírus aos 82 anos.

– Os Sovaquitos de Portugal

Antes da parada da pandemia de Covid-19, a cidade de Lisboa estava fazendo uma campanha bem-humorada para combater o mau cheiro das axilas no metrô público!

Veja só que iniciativa diferente (e bacana):

Extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/11/campanha-sovaquitos-usa-bom-humor-para-incentivar-higiene-de-usuarios-do-metro-de-lisboa.shtml

CAMPANHA “SOVAQUITOS” USA BOM HUMOR PARA INCENTIVAR HIGUENE DE USUÁRIOS DO METRÔ DE LISBOA

Por Giuliana Miranda

Uma série de animações engraçadinhas, protagonizada por quatro sovacos coloridos e rebolativos, é a nova estratégia publicitária para conscientizar a população sobre a importância dos hábitos de higiene no transporte público de Lisboa.

Com cerca de 160 milhões de passageiros por ano, o metrô da capital portuguesa é muitas vezes criticado por um certo cheirinho persistente entre os usuários —especialmente nos meses mais frios.

A ação, batizada sugestivamente de “Os Sovaquitos”, usa o bom humor como estratégia para chamar a atenção para o impacto do mau cheiro nas axilas durante as viagens.

Com o slogan “por viagens mais agradáveis, cuide dos seus Sovaquitos”, o material publicitário apresenta os bonecos e convida os usuários a visitarem o perfil dos sovacos numa rede social.

Feita pela agência portuguesa Lola Normajean, a campanha tem três brasileiros na ficha técnica.

“Aqui ainda é um problema muito delicado falar que as pessoas estão cheirando mal. Em alguns lugares do mundo, não é, mas em Portugal, assim como no Brasil, esta ainda é uma questão”, avalia o publicitário Sérgio Lobo, diretor de criação. “As nossas culturas ainda tornam isso um pouco mais indelicado.”

Brasileiro radicado em Portugal há pouco mais de dois anos, Sérgio diz que a irreverência foi a aposta para driblar o tabu em torno do tema. “Nós buscamos uma forma de falar isso de um jeito mais delicado, que não agredisse ninguém”, completa.

Apesar de focar os usuários do metrô de Lisboa, a campanha não foi encomendada pela companhia metroviária.

O trabalho é resultado de um desafio feito pela empresa MOP (Multimedia Outdoors de Portugal) para que agências do país criassem propostas inovadoras para outdoors, uma das plataformas mais antigas de publicidade.

Lançada há menos de duas semanas, a campanha tem repercutido entre os usuários, e muitos usam as redes sociais para pedir que a iniciativa educacional seja estendida a outras cidades e aos demais meios de transportes.

“Já temos quatro empresas interessadas em se associar à marca dos Sovaquitos e ajudar a espalhar a mensagem. Há desde marca de higiene pessoal até clínica de tratamento para doenças que causem excesso de suor e mau cheiro”, diz Rodrigo Silva Gomes, CEO da Lola Normajean.

De passagem pelo metrô de Lisboa, a turista paulistana Flávia Dutra, 42, aprovou a iniciativa.

“Acho ótimo. Deviam inclusive levar para outros países da Europa, onde nesta época fria tem muita gente que parece fugir do banho”, diverte-se. “Passei antes por Paris e Londres e foi uma das primeiras coisas que notei.”

Já o estudante de engenharia João Campos, 19, que usa o metrô de Lisboa diariamente, diz que não vê tanta necessidade em enfatizar o uso de desodorantes.

“Não acho ruim, mas creio que há problemas mais urgentes na cidade, como a demora excessiva e a superlotação dos transportes”, diz.

Os personagens da campanha Sovaquitos, criada para orientar usuários do metrô de Lisboa

– Quem quer comprar um pedaço da Lua?

Quer uma rocha lunar? 

É só pagar 2,5 milhões de dólares e você leva uma pedra da Lua, caída no Saara, pesando 13,5 kg.

Pensando aqui com meus botões… por quê eu pagaria tanto por tal artefato?

Abaixo, extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/2020/05/01/um-pedaco-da-lua-com-13-5-kg-esta-a-venda-por-r-13-7-milhoes

UM PEDAÇO DA LUA COM 13,5 KG ESTÁ À VENDA POR 13,7 MILHÕES DE REAIS

Um pedaço da Lua, maior que as rochas trazidas à Terra pelos astronautas do programa Apollo, será colocado à venda pela famosa casa de leilões Christie’s.

O meteorito lunar, conhecido como NWA 12691, caiu no nosso planeta durante uma chuva de meteoros. Ele foi encontrado há dois anos no deserto do Saara, segundo comunicado à imprensa da casa de leilões.

O preço pedido gira em torno de US$ 2,5 milhões (R$ 13,7 milhões, na cotação de 30 de abril de 2020). A venda é privada, e não um leilão. Então, qualquer um com a soma “astronômica” poderá comprá-la imediatamente.

A rocha lunar pesa cerca de 13,5 quilos, e é o quinto maior pedaço da Lua presente na Terra, segundo o comunicado.

“Não há nem um punhado de meteoritos lunares maiores. Nada trazido de volta pelas missões Apollo é tão grande”, disse por e-mail à CNN James Hyslop, chefe de ciências e história natural da Christie’s. “É realmente uma oportunidade incrível para adquirir um espécime de classe mundial da Lua.”

Segundo a casa de leilões, a rocha provavelmente saiu do nosso satélite natural após uma colisão com um asteroide ou um cometa. Ela então teve de viajar mais de 300 mil quilômetros através do espaço antes de chegar ao planeta. Cerca de outros 30 meteoritos caíram junto desta rocha no noroeste da África.

Meteoritos lunares são muito raros, e a Christie’s diz que, pelo que se sabe até agora, há somente 650 quilos dessas rochas na Terra.

“É uma ordem de magnitude maior que qualquer outro meteorito lunar que vendemos”, disse Hyslop. “Todos os exemplos anteriores poderiam caber na sua mão, mas isso é 10 vezes maior.”

A critério de comparação, astronautas da Apollo 16 trouxeram em 1972 uma rocha apelidada de “Grande Muley”. Ela pesava 11,7 quilos.

Meteorito lunar NWA 12691, que será vendido por casa de leilões. Foto: Christie’s Images

– Pandemia da Gripe Espanhola versus Pandemia de Covid-19

Depois de 100 anos aproximadamente, a humanidade revive o que é co-existir com uma pandemia.

Mas como foi em 1919, com a Gripe Espanhola?

Veja que legal, abaixo, extraído do Facebook de Alexandre Versignassi, diretor de redação da Revista Superinteressante:

PANDEMIA

Ela é o melhor farol que temos. A Gripe Espanhola, de 100 anos atrás, durou um ano e meio, e foi especialmente mortal num período mais curto, de seis meses.

Seu índice de letalidade era inferior a 1%. Calcula-se, porém, que 70% da população mundial tenha pegado, e que o número de mortos ficou entre 20 milhões e 50 milhões (se hoje subnotificação é um problema, imagina lá atrás).

Seja como for, ela deixou lições importantes. Num mundo não só “sem internet”, mas sem sequer rádio, o uso de máscaras se tornou universal. E as cidades que mais quarenteneram foram as que tiveram menos vítimas – o que mata a “tese” do “E daí? Se todo mundo vai pegar mesmo, vamos fazer churrasco”.

A (linda) imagem abaixo, feita na Califórnia da época, me chegou via Sergio Figueiredo.

O cartaz que a moça exibe diz “Use máscara, ou vá para a cadeia”. Não sei se é um protesto, ou só o registro de um momento que o pessoal da foto entendia (acertadamente) ter dimensão histórica. Fico com a segunda interpretação – até porque posar para uma foto, em 1918/1919, não era algo banal. Valia como posar para um quadro.

Outra beleza da imagem é a sensação de indo e vindo infinito que ela passa. A de que a vida, e a história, andam em ciclos, e que é importante revisitar o ciclo passado para entender melhor o presente.

O jornalista Alexandre Carvalho faz essa revisita em uma reportagem memorável sobre a Gripe Espanhola na Super deste mês (link nos comentários). Vale por um filme.

Outro ponto que faz valer uma revisita: ela nos dá uma noção mais clara do poder de resiliência da humanidade.

Os anos 20, que seguiram-se à Gripe Espanhola, foram um dos mais produtivos até hoje – na tecnologia (rádio), na indústria (massificação do automóvel), nos serviços (as primeiras cias aéreas são dessa época – KLM, Qantas e Avianca, da Colômbia, seguem ativas desde lá), nas artes (Fitzgerald, Semana de 22…). Porque tudo passa. Tudo, sempre, passará.

96703666_10158460307399835_5795603266922348544_n

– Você usa a inteligência que tem?

Sabia que se não usamos a capacidade máxima dos neurônios, em determinado momento, eles costumam se acomodar / atrofiar? Isso é científico. 

Por isso, gostei desse ditado:

“A inteligência é como o ferro: por falta de uso, enferruja.”

(Eugene Ionescu)

Alguém duvida?

The inside of Homer Simpson's head! | Desenhos De animes | Imagens ...

– O Vício do Consumismo

Bela e inteligente. Eis a declaração da atriz Fernanda Vasconcelos sobre o mundo consumista e a sede dos jovens em ter bens materialistas para a satisfação pessoal:

Quanto mais jovens alienados e consumistas se formarem, mais adultos doentes teremos no futuro. Esse ‘querer ser’ através do consumo é quase comparável à dependência química”.

Disse tudo. Comprar/gastar pode ser um vício, como o das drogas!

Consumismo: impactos para o bolso e para o planeta | O Debateimgres.jpg

– Quem é a sucessora do ditador da Coréia do Norte, caso ele pereça?

Ninguém sabe o que acontece na Coreia do Norte, por ser um país fechado e avesso à democracia. E como toda a informação é controlada, as especulações sobre o ditador Kim Jong Un, que estaria sumido por conta de problemas de saúde, aumentam.

A questão é: se ele morrer, quem assume?

Extraído de: https://exame.abril.com.br/mundo/quem-e-a-irma-que-suceder-kim-jong-un-na-coreia-do-norte/

COREIA DO NORTE: QUEM É A IRMÃ QUE PODE SUCEDER KIM JONG-UN

Kim Yo Jong, com pouco mais de 30 anos e educada na Suíça, é a mais cotada em meio a notícias desencontradas sobre a morte do líder da Coreia do Norte

As notícias sobre uma possível morte de Kim Jong-Un, o líder da Coreia do Norte, são tudo, menos conclusivas.

É até natural que assim seja, num dos países mais fechados do planeta. Até agora não se sabe sequer se a Coreia do Norte tem casos confirmados do novo coronavírus — o país diz que não. Mas uma probabilidade ganha força entre analistas internacionais. Se Kim estiver mesmo fora de combate, sua provável sucessora deve ser sua irmã, Kim Yo Jong, com pouco mais de 30 anos de idade.

No início da semana passada, um veículo de imprensa da Coreia do Sul noticiou que Kim estaria se recuperando de uma cirurgia no coração, feita no dia 12 de abril. Dias depois, ele não apareceu em uma das mais importantes celebrações do país: o aniversário do fundador do regime, e avô de Kim, Kim Il-Sung, em 15 de abril. De lá pra cá, os rumores só fizeram crescer.

Neste domingo, a agência Reuters noticiou que um trem possivelmente de propriedade do regime foi visto perto de um resort norte-coreano.

Quem é Kim Yo Jong?

Educada na Suíça, nos últimos anos Kim Yo Jong ganhou peso político ao participar ao lado do irmão de encontros com o presidente americano, Donald Trump, e com o chinês Xi Jinping, além de ter representado o país na abertura das Olimpíadas de Inverno, na Coreia do Sul, em 2018. Ela foi a primeira integrante da família que comanda a Coreia do Norte a visitar Seul.

A grande dúvida do momento é se o parentesco vai ser capaz de superar o machismo do país. “Cidadãos comuns poderiam resistir a uma liderança feminina”, disse Yoo Ho-yeol, professor de estudos norte-coreanos na Korea University, à agência Bloomberg.

Uma solução de fora da família, porém, tende a ser ainda mais revolucionária. Os Kim governam a Coreia do Norte desde a fundação do país, logo após Estados Unidos e União Soviética dividirem a província da Coreia em duas, após a Segunda Guerra. O Sul, como se sabe, floresceu para se tornar uma das economias mais desenvolvidas do planeta. E o Norte ficou para trás.

Kim Jong-Un assumiu o país com a morte do pai, em 2011, quando tinha menos de 30 anos de idade, segundo estimativas. De lá para cá, ganhou alguma legitimidade internacional com bem orquestrados teste de mísseis balísticos, aproximando-se, por exemplo, de Donald Trump. Internamente, consolidou o poder eliminando a iminência parda do regime, seu tio Jang Song Thaek, além de ser o principal suspeito de matar o meio-irmão Kim Jong Nam, numa cinematográfica emboscada com um produto químico num aeroporto na Malásia.

Há outros homens na linha de sucessão, como outro irmão mais jovem, Kim Jong Chol, e um sobrinho, Kim Han Sol, mas os dois não têm títulos políticos e nunca foram vistos envolvidos nas grandes questões nacionais. Kim Jong-Un tem três filhos, mas todos eles jovens demais para assumir o poder. E há outra possibilidade, apontada pela Bloomberg: o único filho vivo do fundador do país, Kim Il Sung, que retornou ao país ano passado após 40 anos de serviços no exterior.

Segundo relatório da consultoria política Eurasia, a irmã é de fato a mais provável sucessora — isso, claro, se Kim estiver mesmo morto. Segundo a Eurasia, a China tende a liderar uma necessária cooperação internacional para estabilizar o regime em caso de troca de comando. A Eurasia destaca que Pyongyang costuma ser ágil em eliminar especulações sobre seu líder, o que pode indicar que algo sério está de fato acontecendo.

Para a consultoria, uma possível transição tende a afetar a segurança e a geopolítica da Ásia por anos. Se o regime colapsar, diz a Eurasia, outros países podem intervir de alguma forma para evitar uma catástrofe humanitária e social. seria um cenário que pode ter, de um lado, China e Rússia e, de outro, Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos.

“Sempre há também a possibilidade de que um colapso na Coreia do Norte leve a China a se mover para controlar o país como um estado satélite e/ou que a Coreia do Sul busque uma reunificação”, diz a Eurasia.

Seria uma tremenda bagunça, como reconhece a consultoria. Caso venha a ser a escolhida, Kim Yo Jong assumiria um dos trabalhos mais difíceis do planeta.

Kim Yo Jong, irmã de Kim Jong Un: líder norte-coreano desapareceu dos olhos do público em abril

 

– Teremos que rever conceitos sobre Produção e Globalização quando tudo passar!

Depois de tanta complicação no dia-a-dia por conta do Covid_19, algumas observações sobre o processo de globalização precisam ser discutidas.

Coisas “tão bobas” (aparentemente) deixaram de ser produzidas e foram para a China. Por exemplo: 95% das máscaras de proteção consumidas pelos EUA eram chinesas. Aproveitava-se a mão de obra barata e as condições paupérrimas de lá para produzir (lembremo-nos: a China se parece muito com o Brasil em alguns lugarejos, com metrópoles modernas contrastando com longínquas regiões paupérrimas – o moderno versus o arcaico).

É necessário terceirizar tudo? Salvaguardar a produção local não se faz necessário, em seus diversos itens?

E se a indústria nacional resolvesse fabricar uma gama maior de mercadorias? Mais empregos, certamente, ocorrerão. 

Por fim, ficará a questão: sobretaxar a importação, mesmo no mundo tão liberal, não é uma necessária medida protecionista?

Globalização: o que é, origem, efeitos, pontos positivos e ...

– Entendendo a Nova Frugalidade

A Nova Frugalidade chegará ao nosso país, ou já está repercutindo, inconscientemente, em nossas vidas?

Nos EUA, um fenômeno econômico-social aconteceu: as pessoas deixaram de ir a shoppings, teatros ou de gastar em produtos não-essenciais, devido a crise econômica. O abandono de consumidores de certas áreas econômicas foi chamado de Nova Frugalidade, e como todo modismo global, em breve repercutirá no Brasil.

Entenda o que é essa tal de “Nova Frugalidade”, extraído de: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0942/marketing/reverso-fortuna-466551.html

O REVERSO DA FORTUNA

por Daniel Hessel

Em apenas oito meses, a crise financeira americana provocou estragos sem paralelo na história recente dos Estados Unidos. Além de fulminar o mercado de crédito, o índice Dow Jones e a cidade de Detroit, os raios mortíferos provenientes da tempestade econômica atingiram também um dos pilares do american way of life: o consumismo desenfreado e livre de culpas que movimenta mais de dois terços da economia do país. Endividada, assustada pelo fantasma do desemprego e acusada de estar entre os culpados por boa parte da crise com sua gastança desmedida, a classe média americana virou as costas para shopping centers, lojas de grifes, restaurantes estrelados e até mesmo shows e peças de teatro. Hoje, em plena ressaca moral de décadas de consumismo, tornou-se popular a doutrina da nova frugalidade (new frugality), marcada por um estilo de vida austero, em que economizar cada dólar é a regra. O último relatório da divisão de análise econômica do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, divulgado no dia 14 de abril, mostra o impacto dessa mudança. Entre março de 2008 e março de 2009, as vendas do varejo diminuíram 9,5%, a primeira queda em quase duas décadas. Ao mesmo tempo, os índices de poupança, que eram próximos de zero em agosto, estão em patamares equivalentes aos de dez anos atrás. Para os economistas, os dois índices combinados indicam que os americanos estão receosos do que vem pela frente. Pesquisas de opinião mostram que a tendência é uma redução nos gastos ainda mais aguda. Segundo um levantamento do instituto Lightspeed Research, do grupo britânico WPP, 70% dos americanos pretendem mudar seus hábitos de consumo nos próximos meses e apenas 45% dos entrevistados acreditam em uma rápida retomada econômica.

No campo oposto estão os que defendem que as mudanças vieram para ficar. O principal argumento desse grupo é que nunca antes houve um aperto no crédito como o provocado pela atual crise e que o estrangulamento nas finanças domésticas das famílias foi tamanho que deixará sequelas na maneira como os americanos encaram o consumo. “Nossas pesquisas apontam que os consumidores buscam mais segurança. E, para eles, gastar menos e manter dinheiro no banco é uma forma de alcançar essa segurança perdida”, diz Michael Silverstein, especialista em tendências de consumo do Boston Consulting Group.

Seja temporária, seja definitiva, a nova frugalidade tem assumido diversas facetas – algumas quase caricatas de tão radicais. De maneira geral, a redução de gastos com combustíveis e bens duráveis, como móveis e eletroeletrônicos, foi prioridade no processo de reajuste (veja quadro acima). Em menor escala, os americanos cortaram as despesas com roupas, acessórios, brinquedos, livros, CDs e DVDs. Ao mesmo tempo, as vendas de alimentos, bebidas e produtos de higiene pessoal e beleza aumentaram. Em meio à frieza generalizante das estatísticas há nuances curiosas, como o crescimento abrupto do mercado para produtos do tipo faça-você-mesmo (do it yourself, ou DIY). Tome-se o exemplo das tinturas para cabelo para uso doméstico, cujas vendas cresceram 27% desde o início da crise – um sinal de que as americanas trocaram os salões de cabeleireiro pela pia do banheiro. Da mesma forma, as famílias estão deixando de pagar por serviços como limpeza doméstica e manutenção de jardins e casas – o que tem sustentado a boa performance dos fabricantes de produtos de limpeza e de varejistas especializados em bricolagem, como a rede Home Depot. O outro lado da moeda é que o setor de serviços domésticos, que sustenta cerca de 18 milhões de americanos, se prepara para tempos ainda mais difíceis.

Num cenário de aperto financeiro, há empresas que são naturalmente favorecidas. É o caso do Wal-Mart, do McDonald’s e da loja online Amazon, reconhecidos por estratégias agressivas de descontos e preços competitivos. Da mesma forma, grandes fabricantes de produtos de consumo para higiene e beleza, como Procter&Gamble e Johnson&Johnson, têm se beneficiado da tendência de o consumidor se permitir pequenas indulgências – um dos raros luxos admitidos pela nova frugalidade. Outras têm se demonstrado irremediavelmente comprometidas com o antigo modelo de consumo supérfluo e precisam de reparos urgentes na estratégia de marketing. Enquadram-se nessa categoria a rede de cafés Starbucks, as grifes internacionais de artigos de luxo e as lojas de departamentos. No caso das marcas de luxo, os especialistas em tendências já deram até um nome ao tipo de reação que elas passaram a despertar no americano médio. Trata-se do populismo vingativo (vengeful populism), em que as marcas são identificadas com o estilo de vida arrogante e perdulário de banqueiros de investimento e altos executivos, acusados de levar o país à ruína. “Essas marcas precisarão resolver esse conflito sob o risco de estar definitivamente associadas a um estilo de vida que as pessoas passaram a desprezar”, diz Thomas O’Guinn, professor de marketing da Universidade de Wisconsin-Madison.

Para sobreviver em meio à crise, os marqueteiros das empresas têm buscado inspiração nos remotos anos 30, período da Grande Depressão americana. A rede de lojas de departamentos Sears ressuscitou um modelo de vendas dirigido a clientes endividados e sem crédito na praça. Trata-se do layaway, sistema em que o cliente escolhe um produto, faz um pequeno depósito e a loja reserva a mercadoria por determinado período (em média 90 dias). A ideia é que o cliente vá pagando o produto em parcelas, conforme for recebendo o dinheiro. Vencido o prazo, ele quita o saldo remanescente. “As redes que não mantiverem uma forte política de descontos e promoções ou não apostarem em soluções criativas como o layaway não conseguirão atrair os consumidores”, diz Kathy Grannis, porta-voz da Federação Nacional do Varejo nos Estados Unidos. Quem não se adaptar à nova frugalidade, seja ela duradoura ou efêmera, corre o risco de ter o mesmo fim dos dinossauros.

bomba.jpg

– Quais são os caminhos que te movem na vida, influenciando seu comportamento?

O renomado professor e consultor Stephen Kanitz, em seu blog, tratou de um tema de difícil resposta, devido à percepção particular de quem é indagado: o que move / influência a sua vida?

Muitas vezes, os valores familiares são o mote da nossa conduta. Outras, o ambiente em que estamos inseridos ou até mesmo a nossa carga genética.

Quando tal questão é feita para nós, podemos dar respostas com vieses, não retratando a realidade – e isso não acontece por maldade, mas pelas influências que recebemos.

Enfim: já percebeu que podemos estar vivendo (ou ver pessoas que vivem) realidades alternativas, falsas ou ilusórias? Há aqueles (até nós mesmos) que vivem “num mundo a parte”?

O texto de Kanitz fala do comportamento do indivíduo, de gestão e administração, de valores e outras coisas importantes. Embora ele esteja carregado de uma alta carga de críticas à ideologia de Esquerda (não sou de Direita tampouco de Esquerda, sou sensato nesse mundo de “extremados e extremistas”), citando até mesmo alguns notórios políticos do país, vale a pena a leitura para entender a necessidade de compreensão das relações humanas – da demagogia à realidade.

Extraído de: https://paper.li/StephenKanitz/stephen-kanitz#/

QUAIS SÃO AS PREMISSAS QUE TE GUIAM NA VIDA?

Se você não sabe como o mundo funciona, você nunca saberá como se inserir no mundo que te cerca.

Você será um desajustado social, um alienado, como são tantas pessoas como Eduardo Suplicy, Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias.

Esse é o maior problema de ser de Esquerda.

Eles vivem brigando com um mundo que sequer entendem.

A maioria nem conhece um contador, um administrador, um empreendedor, um operador logístico, para lhes explicar a dificuldade no Brasil de se produzir bens e serviços para os outros.

Vivem cercado de artistas, sociólogos, ativistas políticos, e funcionários públicos. Não tem a menor noção como a mamãe consegue colocar todo dia um prato de comida.

Pior, devido à endoutrinação escolar eles, como você, correm o risco de só descobrirem como o mundo funciona no fim da vida, quando aí já é tarde.

É por isso que tantos esquerdistas entram em depressão na velhice.

Morrem amargurados e fracassados.

Só descobrem que estavam totalmente errados quando velhos, vide as lamúrias de esquerdistas arrependidos, que são muitos.

De fato, não é fácil descobrir como o mundo funciona.

Quando você é jovem, é jovem demais para ter certeza de algo tão profundo assim.

Por isso pais, especialmente avós, são tão importantes.

Mas infelizmente no Brasil, a Esquerda ensina nossos jovens a duvidarem da família, do chefe imediato, de quem produz, das empresas que promovem a cooperação humana, da comunidade que solidariza com seus vizinhos, da força criativa do indivíduo, da compaixão humana.

Faz com que acreditem somente em Karl Marx, o parasita da fortuna do próprio pai, dele e do pai do Engels.
2EDB6F4D-4C60-4313-B62D-9C677708052B

– Os 15 países que ainda não tem registros do Novo Coronavírus em seus territórios:

As informações são da Revista Superinteressante: até 10/04 (e isso não mudou) tínhamos quinze nações que não observaram casos de Covid-19!

Parece incrível isso estar acontecendo nesses lugares, mas na maioria são ditaduras que sonegam informações ou micro-ilhas longínquas, que o próprio geo-isolamento explica tal fato.

Abaixo, extraído de: https://super.abril.com.br/sociedade/quais-paises-ainda-nao-tem-casos-de-coronavirus/

QUAIS PAÍSES AINDA NÃO TÊM CASOS DE CORONAVÍRUS?

Há três meses, era possível contar nos dedos os países infectados pelo coronavírus. Hoje, é difícil pensar em um único território que não tenha ao menos um caso reportado da doença. Mas eles existem. Qual será a receita para um país passar imune por uma pandemia?

Na verdade, não tem segredo. Os pouquíssimos locais que ainda não reportaram a Covid-19 se encaixam em um de três casos: ou são governados por regimes ditatoriais, ou possuem poucos recursos ou, ainda, são ilhas extremamente afastadas, com uma população minúscula.

Até o dia 10 de abril, o monitoramento da Universidade Johns Hopkins registrava casos de coronavírus em 185 países. Os países que ainda não registraram casos são Samoa, Lesoto, Coreia do Norte, Turcomenistão, Tajiquistão, Nauru, Tuvalu, Palau, Micronésia, Tonga, Vanuatu, Comores, Kiribati, Ilhas Marshall e Ilhas Salomão. Alguns outros territórios (que não são considerados países) como Antártida e Ilhas Christmas também ainda não tiveram registro de casos.

Ditaduras

Você já deve ter em mente o maior exemplo do primeiro caso: Coreia do Norte. O país governado pelo ditador Kim Jong-un está colado na China e afirma não ter reportado nenhum caso da doença. Isso não significa, contudo, que o vírus não tenha chegado por lá – ele provavelmente está circulando no país, mas os dados não estão sendo divulgados (ou mesmo contabilizados pelo governo).

Um caso ainda mais extremo é o do Turcomenistão, um dos regimes mais fechados do mundo. O ditador Gurbanguly Berdimuhamedow proibiu o uso das palavras “coronavírus” e “Covid-19” no país. Elas não podem aparecer em notícias e nem mesmo em uma conversa comum entre as pessoas – sob risco de prisão.

O país fica ao lado do Irã, que já contabiliza 66 mil casos e 4 mil mortes. É o mesmo caso da Coreia do Norte. Em um ranking de liberdade de imprensa feito pela ONG Repórteres Sem Fronteiras, o Turcomenistão fica em último lugar. Até onde se sabe, a vida lá não mudou em nada: os bares estão abertos, as aglomerações continuam acontecendo e ninguém anda de máscara.

Outro exemplo é o Tajiquistão. Por lá, tem rolado até campeonato de futebol, mas com as arquibancadas vazias. O país é considerado uma república, mas o presidente Emomali Rakhmov não sai do posto desde 1994, o que levanta críticas sobre manipulação de eleições.

No Tajiquistão, as pessoas que chegam de outros países são testadas e colocadas em quarentena. A hipótese é que o vírus também já esteja no país, mas ainda não foi detectado pelas autoridades. É possível que o primeiro caso apareça em breve.

Falta de recursos

Não tem como notificar casos de coronavírus sem testes. Países que estão passando por guerras não possuem recursos para fazer uma campanha de testagem e ter uma dimensão real do problema no território. A Síria, que passa por uma guerra civil desde 2011, só reportou 15 casos de coronavírus até agora.

O Iêmen registrou o primeiro caso de coronavírus no país no dia 10 de abril. Ele está em guerra desde 2015, o que dificulta o monitoramento da doença. Lesoto é um país da África que ainda não registrou casos, o que pode estar relacionado à falta de kits de teste. Já Comores, que também ainda não registrou casos, é formado um conjunto de ilhas que ficam entre o continente africano e Madagascar.

Ilhas

Aqui estão os lugares em que o vírus talvez realmente ainda não tenha chegado. Algumas ilhas do Pacífico, como Kiribati, Ilhas Marshall, Ilhas Salomão, Nauru, Tuvalu, Palau, Micronésia, Tonga, Vanuatu e Samoa não registram nenhum caso. Mesmo sem o vírus ter chegado por lá, os países já adotam medidas de prevenção e isolamento, como o fechamento de escolas.

No entanto, a principal medida adotada para conter a chegada do coronavírus foi a restrição de turistas. Elas são aquelas ilhas paradisíacas que te deixam com vontade de viajar quando aparecem no feed do Facebook. Muitas delas recebem visitantes todos os anos, mas tiveram que abrir mão do turismo para evitar a disseminação do vírus, o que poderia causar um colapso no sistema de saúde.

Sem muitas pessoas, a chances do vírus chegar lá é menor. A população de cada um desses países não passa de um milhão de habitantes. Além disso, as ilhas estão em uma região bem isolada do Oceano Pacífico. Kiribati, por exemplo, está em cima da linha internacional de data – a 6 mil quilômetros da Austrália e 10 mil quilômetros da América do Sul. E você achando que está muito isolado.

A Antártica é o único continente que ainda não possui casos. Ela não tem uma população fixa, e sim um rodízio de poucos pesquisadores que se instalam temporariamente no local para fazer estudos.

(MR.Cole_Photographer/Getty Images)

– Os 10 mandamentos da Felicidade segundo o Papa Francisco!

Já faz algum tempo que Francisco, o Papa Argentino (ou o “humilde servo do Fim do Mundo”, como ele se intitula), tem trazido uma espiritualidade mais viva e exemplos dignos do Cristianismo.

Entretanto, um tema que suplanta a crença pessoal de cada um e que dá caráter ecumênico à causa vem sendo tratado: a Felicidade!

Não é que o Pontífice, certamente inspirado à luz do Espírito Santo, divulgou meses atrás os “10 Mandamentos para a busca da Felicidade”?

Particularmente, eu, que tenho tomado certos cuidados no dia-a-dia devido ao excesso de trabalho e assustado com a quantidade de jovens amigos com problemas de saúde devido ao “overworking”, adorei! Tenho procurado buscar a qualidade de vida em coisas simples; sendo assim, compartilho.

Extraído com adaptações de:

http://www.megacuriosos.com.br/personalidades/4515-10-segredos-para-a-felicidade-segundo-papa-francisco.htm

10 MANDAMENTOS DA FELICIDADE

O Papa Francisco listou 10 segredos para se chegar à felicidade com a consciência tranquila e desfrutando das coisas boas da vida. São eles:

01 – VIVA E DEIXE VIVER – “Siga em frente e deixe que os outros façam o mesmo”.

02 – DAR O MELHOR DE SI PARA OS OUTROS – “Se você guarda tudo para si mesmo, você corre o risco de ser egocêntrico. E água parada torna-se podre”.

03 – PROSSEGUIR COM CALMA – O Papa diz que, em sua juventude, ele era “um córrego cheio de pedras que eram levadas consigo”. Como adulto, tornou-se “um rio com grande fluxo”, sempre correndo. E, na velhice, ele ainda estava em movimento, mas lentamente, como uma piscina.

04 – UM SENTIDO SAUDÁVEL DE LAZER – “Os prazeres da arte, literatura e jogos com as crianças foram perdidos com o passar do tempo”, disse o Papa Francisco. “O consumismo nos trouxe ansiedade e stress, fazendo com que as pessoas percam a cultura saudável do lazer. Seu tempo é engolido, por isso as pessoas não podem e não querem compartilhá-lo com ninguém. Mesmo que muitos pais trabalhem longas horas, eles devem reservar um tempo para brincar com seus filhos. As famílias também devem desligar a TV quando se sentam para comer, porque, mesmo que a televisão seja útil, é preciso comunicar-se um com o outro durante as refeições”

05 – DOMINGOS SÃO SAGRADOS – “Os trabalhadores devem ter folga aos domingos porque domingo é para a família”, explicou ele. Existem casos extremos nos quais as pessoas não conseguem tirar o dia para si mesmo e para a família, mas, se a pessoa consegue isso, é preciso fazê-lo. Portanto, aproveite os domingos. Tire-os para se divertir, passear no parque, ficar com a família, meditar ou até mesmo resguardar-se. Você se sentirá bem, sua saúde melhorará consideravelmente e, dessa forma, sua semana começará muito melhor e, com certeza, tende a ser assim até o próximo domingo.

06 – DÊ OPORTUNIDADES E CONVIVA COM OS JOVENS – “Precisamos ser criativos com os jovens. Se eles não têm oportunidades para entrar no mundo das drogas, com certeza não serão vulneráveis ao suicídio”, disse o Papa. “Dar comida não é suficiente. Dignidade é dada a você quando você pode levar para casa alimentos comprados pelo próprio trabalho”

07 – RESPEITAR E CUIDAR DA NATUREZA – “A degradação ambiental é um dos maiores desafios que temos”, disse o Papa. “Eu acho que é uma questão que nós não estamos nos perguntando: a humanidade não está cometendo suicídio com este uso indiscriminado e tirânico da natureza?”.

08 – PARE DE SER NEGATIVO – “A necessidade de falar mal sobre os outros indica baixa autoestima. Isso significa: eu me sinto tão baixo que, em vez de me levantar, eu tenho que derrubar os outros”, disse Papa Francisco. “Deixando de lado as coisas negativas, rapidamente você se torna saudável”.

09 – DIGA NÃO AO PROSELITISMO – “Nós podemos inspirar as outras pessoas através de testemunhos, de modo que se cresça juntos na comunicação. Mas o pior de tudo é o proselitismo religioso, o que parasita: ‘Eu estou falando com você a fim de persuadi-lo’. Não. Cada pessoa tem o seu diálogo, sua própria identidade”, explicou Papa Francisco. “A igreja cresce por atração, não proselitismo

10 – TRABALHAR PELA PAZ – “Estamos vivendo em uma época de muitas guerras e o apelo à paz deve ser gritado. Paz, às vezes, dá a impressão de ser tranquila, mas nunca é calma, a paz é sempre proativa e dinâmica”, disse o Papa. Cada um de nós deve dar tudo de si, fazendo tudo o que for possível para que a paz reine sempre e em todo lugar. Todo mundo pode fazer um pouco para que a paz aconteça, seja no mundo exterior e até mesmo no seu interior.”

bomba.jpg

– Política, Coronavírus e Paixão

O mundo anda “pilhado”. Tudo o que você escreve, soa (mesmo que você não tenha dito de tal forma) com tom político e as pessoas interpretam do jeito que querem (às vezes, até no sentido “correto”, da maneira que foi realmente falada / escrita).

Ontem mostrei minha preocupação com o número elevado de mortes do Novo Coronavírus no Brasil, demonstrando medo com a agressividade e força do contágio da Covid-19 e a necessidade de medidas preventivasNão falei nada de Política, mas o tema veio em questão: “esquerdista, comunista, blablablá”.

Ora, detesto rótulos bipolares e não sou de Esquerda ou de Direita – se fosse para dar um título: de Centro. Gosto da ponderação, do bom senso e do não-extremismo. Procuro agir por ciência, coerência e consciência. Por defender que “quem possa ficar em casa, que de fato fique”, muitos acabaram criticando. Se tiver que trabalhar, trabalhe. Se puder ser Home Office, muito melhor. Simples. Mas aí vem o pessoal que consegue direcionar isso em discurso ideológico de Esquerda (Repito: não sou Esquerdista; mas… e se fosse? Mudaria alguma coisa? A dignidade das pessoas se altera se vota no Ciro, no Alckmin, no Haddad ou em outro qualquer de motivação política diferente que seja?).

Longe desse fanatismo (bem longe), trouxe uma matéria da Rádio Jovem Pan, publicada em seu site, sobre as novas covas do Cemitério da Vila Formosa, construídas para exclusivos enterros de vítimas da SARS-COV-2. Também fui detonado: não importa mostrar que era matéria de 6a feira e que as obras seriam iniciadas no sábado... sem ter ao menos trabalho de ler as matérias, lá vem o pessoal dizendo que é Fake News, matéria de 15 dias “sensacionalista do Washington Post”(confundem a matéria do trabalho rotineiro já dito pelo prefeito paulistano Bruno Covas com a outra reportagem atual). Não adianta nem em insistir no pedido de leitura do texto e da data, não se prefere isso.

Por quê tanto desdém? Pela enésima vez: falamos sobre a gravidade dos males do Covid-19, e aí vem o pessoal dizendo que a culpa é da “Globolixo” (não gosto de termos como Bozo, Luladrão ou outros, tenho Educação e respeito as pessoas – o que não me impede de fazer críticas).

É somente fanatismo ou ignorância? As mortes no Amazonas (veja o colapso do sistema de saúde na cidade de Manaus) é fantasia? E em Fortaleza? Estão morrendo “de mentirinha”?

Aí vem o pessoal que diz que “se morre muito mais de outras doenças do que de Covid-19…” Ora, que falácia! Pegue os números oficiais, não montagens de interessados. Também ouviremos: “teremos mais falidos do que falecidos”… ah, que frase nojenta. A vida não tem valor? E eu, que não defendi lockdown, passo a ser criticado por que “não quero que as empresas trabalhem”. Onde escrevi isso? Quem puder ficar em casa, fique. Quem tiver que trabalhar, trabalhe. Mas previna-se, a situação é anormal.

Têm-se ainda a turma do Dória, do Witzel, do Lula e do Bolsonaro… Todos candidatos à Presidência da República em 2022 ou 2026, fazendo seus discursos e cometendo atos para defesa das suas plataformas políticas. Também esses militantes assumidos (quando fanatizados) gostam de escrever um monte de coisas.

E a questão era (de novo, para que fique claro): só falamos da tristeza da morte das pessoas e a agressividade do Novo Coronavírus.

Como podem, alguns, interpretarem com tanto viés? Tá chato escrever para quem não respeita opinião ou faz questão de só ver um único lado – politizando na marra uma questão que não tinha nada a ver.

Dólar abre sob efeito de coronavírus e política | Remessa Online