– A menina e a cachorrinha

‪Quando as crianças e os animais estão em perfeita harmonia!‬

‪Vejam só o sorriso inocente e puro da nossa bebê quando faz carinho na nossa cadelinha.‬

‪❤️🐶🧡👼🏻💛‬
#baby #dog #amor #criança #pet #pureza #inocência #fofura ‬

Em: https://youtu.be/OtFWUj1CYTA

Anúncios

– Conhece Baby Fusion, a Maternidade Ativa na sua melhor forma?

Que tal começar o ano com um método inovador de dança com os bebês nos carregadores slings?

Esse é o Baby Fusion, que beneficia mamãe e bebê de forma leve e divertida usando a dança, música e movimentos com consciência corporal fundamentais para um pós-parto saudável e feliz.

Os bebês vivenciam musicalização, melhoram aspectos neuro-psicomotores, além do carinho e aconchego que ele recebe da mãe em todos os momentos, fortalecendo assim o vínculo entre ambos.

Além de prevenir a depressão pós-parto (sabemos que o puerpério é um momento delicado da mulher), é também uma oportunidade de resgatar a auto-estima, trocar experiências com outras mães e se sentir bem de corpo e alma.

Mamães e bebês a partir de 2 meses, venham desfrutar desse momento único e especial. Agende sua aula experimental toda quarta e sexta às 15:30h no Bairro Medeiros (Jundiaí). E eu recomendo! A Professora Priscila Porcari (que é minha irmã) é uma excelente profissional e atende pelo telefone 9.7028.1467.

Abaixo:

13335734-a3d5-4b0b-94d3-4f26b2ad0126

– Acabou bem o que durante o ano foi ruim: a vida em 2018!

A última postagem de 2018 é um desabafo e um agradecimento. E ambos vão para a… VIDA! Nunca pensei que seria tão difícil o ano que se encerra, mas foi! E se encerrou “diferente”.

Profissionalmente, meu ano foi péssimo! A situação politico-econômica do país foi trágica e me arrebentou. Como diriam os antigos, “salvei a firma” e nada mais. E devo agradecer a essa “façanha” particular graças à educação dada pelos meus pais, aos meus estudos / conhecimentos de trabalho e a ajuda de Deus.

Pessoalmente, idem. A saúde foi um problema muito sério ao longo do ano e que, bem ou mal, está sendo contornada. Mesmo em alguns momentos tudo parecendo sucumbir, o controle é retomado.

Espiritualmente, me senti como Jó (sim, o personagem bíblico da canção popular dos “escravos que jogavam caxangá” e que foi pivô de uma narrativa do demônio e de Iaveh), embora eu não tenha sido expurgado a tal ponto. Minha sorte é que Ele sabe até onde conseguimos carregar o peso do nosso fardo. Nunca é maior do que o suportável!

Dessa forma, há pouco comentei aqui em casa: dois anos trágicos da minha vida a esquecer: 1997 (por inúmeros motivos de desgosto) e 2018. Não tenho vergonha em dizer: QUE ACABE LOGO!

Porém, nos últimos 45 dias, um “revertério positivo”: consegui viajar com a minha família (e devia isso a ela) e curti com maior intensidade as pessoas que amo. Precisava desse espairecer, de sem pudor me divertir, de… viver, simplesmente.

No último dia de 2018, uma grata surpresa: resolvemos fazer um passeio no Parque Aquático Wet’n Wild, que estava vazio por conta da data ser 31 de dezembro. Praticamente, piscinas só pra nós! E lá, nesses quase 3 minutos registrados de alegria com as filhas e esposa maravilhosas, penso: o que vale a nossa vida, se não os momentos como esses?

Compartilho a saideira feliz do terrível ano que foi. Isso me fez bem, pois arejou a mente e a alma.

Feliz 2019 – QUE HÁ DE SER MELHOR.

Vídeo em: https://youtu.be/AcMY6gx2kZY

– Desestressar no Parque Botânico! Cliques de relax.

Uma das paisagens mais legais de Jundiaí: o Parque Botânico Eloy Chaves, onde a natureza esbanja beleza!

Dê uma olhada na vista desde o hibisco até as margens da “prainha do lago”:

O ganso fez até pose, veja só!

Diversão, enfim, é o que conta. E o carinho da minha caçulinha também!

Até mais, amigos. E bom domingo!

– Banheiro Família e trocador Unissex, por favor!

Já escrevi algumas vezes: pai de menina pequena sofre ao sair de casa para ir a shoppings ou eventos diversos.

Quando minha filha mais velha era uma bebezinha, sempre tive que ser bem seletivo quando saía sozinho com ela: afinal, poucos estabelecimentos possuem os “banheiros famílias” e trocadores “unissex”. Digo isso pois uma mãe pode levar seu filhinho ou filhinha para um banheiro feminino em caso de urgência. E quando é o pai que precisa levar sua filha ao banheiro? Vai no Masculino? Esquece… Pior quando os trocadores de fralda são dentro do Feminino… como o coitado do papai faz?

Compartilho um relato do UOL de quem padeceu do mesmo problema,

Extraído de: http://trib.al/fXeRqiI

FALTA DE TROCADOR DE FRALDAS OBRIGA PAI A USAR BANHEIRO FEMININO

O que faz um pai quando sai sozinho com o seu bebê e se depara com a seguinte situação: o filho com a fralda com cocô vazando até as costas e o trocador exclusivamente no banheiro feminino? Se está de carro, muitos trocam no banco do veículo, outros juntam algumas cadeiras e há aqueles que se viram e trocam em qualquer cantinho – até no chão se preciso for. Sim, é terrível, nada confortável e apropriado.

Tem pai que quando enfrentou essa dificuldade não hesitou e invadiu o banheiro feminino para trocar a fralda do bebê. O ilustrador Rodrigo Bueno, 36, diz que isso já aconteceu várias vezes. Pai das gêmeas Iolanda e Margarida, 2 anos, conta que agora está mais fácil pois as meninas estão maiores, mas que não hesitou em usar o trocador no banheiro das mulheres.

“A reação delas era de me apoiar, algumas ofereciam ajuda. Sempre entenderam a minha situação de pai”, comenta Rodrigo, que usa as charges para contar a sua rotina com as meninas. O ilustrador, que fez a charge especialmente para o blog Mães de Peito,  lançará um livro contando as suas aventuras com a sua duplinha. Rodrigo, assim como muitos pais de hoje em dia, trabalha em casa e fica a maior parte do tempo com as gêmeas já que é a mulher quem trabalha fora.

Rodrigo comenta que divide seu tempo para trabalhar e os cuidados com as meninas. “Uma vez um amigo brincou que virei babá das crianças, falei que não. Que tinha virado pai. Esses preconceitos nunca me atingiram. A grande maioria admira como resolvemos as coisas aqui em casa”, afirma.

Assim como Rodrigo, a nova geração de pais é bem diferente da dos nossos pais ou avós.  Os cuidados com os filhos para não serem terceirizados precisam ser compartilhados, ou seja, pai também dá banho, troca fralda, brinca, prepara ou pelo menos serve o almoço ou o jantar da garotada. As partes mais difíceis como educar, impor as regras e limites também fica a cargo dos dois em casa.

Ao sair de casa, no entanto, a sociedade machista em que vivemos parece ainda não estar pronta para os pais que dividem os cuidados dos filhos. Como não? Basta ir a um restaurante, padaria ou em qualquer loja de departamento e procurar o fraldário. Normalmente, ele está instalado no banheiro feminino.

Para tentar conscientizar os estabelecimentos, a Bepantol Baby, marca de pomadas de assaduras, criou a campanha Papai Manda Bem e vai doar mil trocadores para os estabelecimentos que tiverem espaço para instalar o trocador no banheiro masculino ou em um espaço unissex. O objetivo é incentivar a participação dos pais nos cuidados com as crianças. As empresas interessadas em ganhar o trocador devem se cadastrar no site da empresa.

Além da falta de fraldários, são poucos os banheiros familiares onde o pai ou a mãe pode acompanhar seu filho pequeno. Quem é pai de menina, por exemplo, sabe como é desagradável ter que levá-la no banheiro masculino ou vice-versa. Então, shoppings, padarias, estabelecimentos comerciais em geral pensem em oferecer esses espaço, com privadinhas menores,  para seus clientes pois faz toda a diferença. O que mais se nota é pais que procuram locais que são baby friendly para passear com seus filhos.

Resultado de imagem para fraldario em shopping

– Uma doce lembrança…

Que coisa maravilhosa: 3 fotos da década de 70, envolvendo casamentos de pessoas queridas!

1.Minha mãe (a “Cida da Nória”), pronta para entrar na Igreja (16 de fevereiro de 1974): 

2.Nessa outra foto, meu pai (Milton “Lili” Porcari) e minha mãe casando. À esquerda da foto, como padrinhos paternos, tio Adalberto e tia Neuza. À direita, como padrinhos maternos, meu padrinho de Batismo Milton “Barroca” de Oliveira e a Minha Madrinha Clotilde. 

3.E nessa última foto, no casamento da tia Neuza e tio Adalberto (casal ao centro), tio Nelson e tia Malvina + meu pai Milton e minha mãe Cida.

Recordar é viver! Só gente bonita, honesta e boníssima!!! E, neste dia 07 de dezembro, seria aniversário da minha mãe. Ô saudade…

– Motivando e Inspirando o Domingo em 7 Cliques e Muitas Hasthags!

Olá Amigos!

Quem cedo madruga, Deus ajuda. E, assim, minha rotina matutina começou neste domingão: fazendo atividades físicas, curtindo o hobby da fotografia, meditando nas coisas do Alto e contemplando a natureza.

Compartilho 7 momentos do “acordar de hoje”:

1. 👊🏻 Bom dia!
Tudo pronto para suar mais uma vez em busca de #saúde.
Vamos correr a fim de produzir e curtir a tão necessária #endorfina?
🏃🏻 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #corrida #sport #esporte #running

2. 🙏🏻 Correndo e Meditando numa verdade incontestável: perdoar 70 vezes 7, segundo #Cristo no #Evangelho!
#Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #JesusCristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

3. 🌺 Fim de #cooper (parte 1)!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza das #flores.
🏁 #corrida #treino #flor #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento (#NoFilter).

4. 🌼 Fim de #cooper (parte 2)! #Flores do nosso #jardim, para alegrar e embelezar nosso dia! #Jardinagem é nosso #hobby.
🏁 #corrida #treino #flor #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento (#NoFilter).

5. 🌅 Desperte, #Jundiaí.
Que a jornada diária possa valer a pena. Olha só o infinito sendo riscado pela invenção do homem!
🍃 #sol #sun #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia

6. ☀️ Apesar do tempo nublado, por 2 ou 3 minutos o #sol resolveu dar seu “Bom Dia, #Domingo”.
Não se empolgue muito, pois o #céu já voltou a estar carrancudo!
☀️ #natureza #inspiração #amanhecer #morning #fotografia #paisagem #sun #landscapes

7. 💙💜 E para curtir o restante do dia (com bastante tempo e sem pressa), meu sobrinho e minha filhota são a dica! Olha o que me avisaram: “Realizamos projetos juntos! O primo desenvolve a ideia e a prima aprimora no papel. Trabalhamos a troco de macarrão, pizza e guloseimas. Também enviamos sorrisos e expressões carinhosas de bebês!”
💙💜 #Filha #Sobrinho #Crianças #Amor #Família #Carinho

Que tenhamos um ótimo dia de descanso ou de trabalho!

– Mais Filhos, mais Felicidade!

Pesquisa mostra: Mais filhos trazem mais felicidade!

Extraído de Revista Época, Ed 26/09, pg 86-87

MAIS FILHOS TRAZEM MAIS FELICIDADE?

Dois pesquisadores encontraram uma raridade estatística: índices de bem-estar que crescem junto com o número de crianças numa sociedade.

Por Daniella Cornachione

A relação tradicional entre a qualidade de vida de um país e o número de filhos em suas famílias é bem conhecida: em geral, vivem melhor as sociedades que têm menos crianças. A média de filhos por mulher cai conforme avança o desenvolvimento econômico de uma nação. Nessas sociedades, cidadãos mais bem educados levam em conta as responsabilidades e os custos de criar cada filho. As mulheres se preocupam mais com a carreira, decidem com autonomia, têm acesso difundido à informação e a métodos contraceptivos. Os empregos migram para as cidades, e os filhos deixam de ser vistos como mão de obra necessária, como ocorre com as famílias pobres no campo. Por isso, as maiores taxas de fecundidade do mundo estão em países paupérrimos na África, como Níger e Congo. Mas um estudo feito em uma das melhores escolas de negócios do mundo, a espanhola Iese, parece finalmente ter encontrado o papel dos bebês como geradores de felicidade.

A pesquisa foi organizada pelo engenheiro Franz Heukamp, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e pelo matemático Miguel Ariño, da Universidade de Barcelona. O objetivo era encontrar as características não econômicas de cada país que pudessem explicar o fato de as pessoas se dizerem mais ou menos satisfeitas com a vida. Ariño e Heukamp cruzaram dois grupos de informações. O primeiro é de questionários sobre bem-estar subjetivo, combinados com características pessoais como estado civil, idade e gênero. Os dados são da Pesquisa Mundial de Valores, do Unicef, de 1981 a 2004, com informações de 100 mil pessoas de 64 países. O segundo grupo inclui indicadores sociais e econômicos, entre eles natalidade, inflação e PIB.

Eles perceberam que, entre sociedades com o mesmo nível de desenvolvimento econômico, o bem-estar tende a ser maior naquelas com menor nível de corrupção e naquelas em que a religião mais difundida não é o islamismo (atualmente associado, em muitos países pobres, à falta de liberdade política e religiosa). E encontraram também uma tendência, entre países desenvolvidos, de haver maior nível de satisfação onde há taxas de fecundidade superiores. Dinamarqueses e holandeses se dizem mais felizes do que alemães e japoneses, que desfrutam os mesmos confortos materiais. “Baixas taxas de natalidade sempre estiveram associadas a alto nível de desenvolvimento. Mas também podem significar egoísmo em uma sociedade, e isso afeta o bem-estar”, afirma Ariño.

A conclusão de que maior natalidade traz maiores chances de bem-estar deve ser vista com cuidado, já que outras variáveis não contempladas no estudo poderiam influir no resultado. Mas incluir a natalidade como fator de bem-estar coletivo é uma abordagem nova e promissora para a economia da felicidade, um campo que mistura psicologia e economia. Seu precursor é John Helliwell, professor da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá. O palpite dele para explicar a conclusão do estudo é que quando um país sofre privações de alguma ordem, mesmo que seja desenvolvido, a sensação de bem-estar subjetiva cai e acelera a redução da taxa de natalidade. “As conclusões desse tipo de estudo não encontram, necessariamente, uma relação de causalidade direta. Nosso desafio é entender o que causa o quê”, afirma o economista Alois Stutzer, coautor do livro Economics & hapiness (Economia & felicidade). “Quando o filho nasce, mesmo que não tenha sido planejado, as pessoas tendem a racionalizar como algo bom. Já ter menos filhos do que se gostaria pode causar a sensação de infelicidade”, diz o demógrafo do IBGE José Eustáquio Alves.

Nas últimas décadas, a fecundidade caiu tanto na Europa que se tornou um problema. Em muitos países, como França, Holanda, Dinamarca e Reino Unido, existem políticas de incentivo à natalidade. O governo oferece benefícios à família e à criança, às vezes até a idade adulta. Mesmo assim, os casais europeus, na média, têm bem menos de dois filhos, um fenômeno que os demógrafos chamam de fecundidade indesejada por falta, quando a mulher tem menos filhos do que gostaria. A demografia diz que a “taxa de reposição” de uma população tem de ser, em média, de 2,1 filhos por mulher, para que não desapareça em algumas centenas de anos. Também há prejuízo econômico em ter mais idosos aposentados do que jovens trabalhando.

Há alguns sinais de reação a essa tendência. As taxas de fecundidade de alguns países estão estabilizadas ou cresceram. Um deles é a Dinamarca, que pertence ao grupo de países mais felizes, de acordo com o estudo. “Até 1985, cada dinamarquesa tinha durante a vida, em média, 1,4 filho. O número foi para 1,8 em 2010”, afirma o demógrafo Ralph Hakkert, consultor da ONU. “Na Suécia, a taxa de fecundidade era de 1,5 entre 1995 e 2000 e foi para 1,9 em 2010. É uma evolução importante.” A explicação pode estar na mudança do estilo de vida das europeias, segundo Hakkert. Nos anos 1980, elas estavam em plena disputa por espaço no mercado de trabalho. Como os países nórdicos avançaram rapidamente em oferecer oportunidades iguais, mais mulheres podem voltar a pensar em ser mãe e manter a vida profissional. Ainda não se pode dizer que seja uma tendência global, mas trata-se de uma mudança promissora – e bem simpática.

Resultado de imagem para Filhos

– Uma 6a feira bela e feliz (em 3 cliques)!

Olá amigos, hoje “tirei o dia” para descanso. Dei-me o luxo de recuperar a saúde. Postagens com reflexões, só amanhã!

Logo cedo, compartilho meu belo amanhecer. Veja que clique na divisa de Jundiaí com Itupeva:

Quando o dia clareou, a vista para a Serra do Japi, no trecho da Serra da Ermida, nos apresentou com sua inspiração. Aqui: 

Enfim, para o dia ser perfeito, passear com a filha caçula e a cachorrinha dela na Europa. Se tivesse legenda, a foto seria: “Felicidade”! Olhe só:

Que tenhamos uma ótima 6a feira para todos nós!

– Fotografar é um prazer!

Três cliques incríveis que me relaxaram dias atrás, e que servem para ilustrar o bom sábado que hoje há de ser! Abaixo:

1. Curtindo a natureza, contemplando a borboleta que resolveu fazer pose! Inspirou-se?

2. E as flores que embelezaram com tamanha perfeição e formato nossa página? Quem “bolou” as plantas, certamente foi o “Cara lá de Cima”! Clique 2:

3. Por fim, o sorriso da esposa querida e minhas filhas (as musicistas nota 1000) me trazem satisfação pessoal. Como é ótimo ter (e ser) família, não?

Fotografar é meu hobby! E que qual seja sua diversão, que a faça com muito prazer hoje!

– A Naprotecnologia: um método aceito pelo Catolicismo como opção à “fertilização in vitro”

Tenho muitos amigos que, quando casados, descobriram que não podem ter filhos. Uma das soluções mais simples foi o nobre e generoso método da adoção.

A Igreja Católica possui algumas restrições à reprodução artificial, e àqueles que não desejam ferir o preceito religioso, segue uma boa alternativa.

Extraído de:

https://padrepauloricardo.org/blog/fertilizacao-in-vitro-com-os-dias-contados?utm_campaign=informativo_out_2018_iii&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

FERTILIZAÇÃO “IN VITRO” COM OS DIAS CONTADOS!

Levando em conta a porcentagem de nascimentos entre casais que seguem os tratamentos, seu índice de êxito é o dobro em comparação à fecundação assistida; seu custo é onze vezes menor, apesar de ela ser realizada por poucos médicos em todo o mundo; ela foi boicotada pelos lobbies da proveta e tem sido ignorada pelos sistemas de saúde nacionais. A naprotecnologia nasceu nos Estados Unidos e chegou à Europa há alguns anos, mas segue enfrentando o preconceito de quem a considera uma abordagem confessional da medicina, condicionada por dogmas religiosos.

Nada mais longe da realidade. É verdade que as práticas da naprotecnologia conformam-se rigorosamente à bioética católica; todavia, está comprovado que sua abordagem do problema da esterilidade é científica e clinicamente mais rigorosa do que aquela praticada no âmbito da fecundação assistida. Até por isso ela é mais eficaz: as estatísticas o confirmam.

“A diferença entre a naprotecnologia e a fecundação in vitro consiste no fato de que na primeira a questão fundamental é o diagnóstico das causas de infertilidade”, explica Phill Boyle, ginecologista irlandês que ministra os cursos de formação em naprotecnologia para médicos de toda a Europa, em uma clínica da cidade de Galway. “O que se procura é uma explicação médica do por que um casal não consegue procriar, cuidando assim de eliminar o problema e ‘ajustar’ o mecanismo natural, devolvendo-lhe a harmonia.”

“No procedimento in vitro, ao contrário, o diagnóstico das causas não tem importância, os médicos querem simplesmente ‘ignorar o obstáculo’, levando a cabo uma fecundação artificial. Na naprotecnologia, o tratamento resolve o problema do casal, que depois pode ter outros filhos. Com o método in vitro, os cônjuges não se curam e seguem sendo um casal estéril, e para ter mais filhos deverão sempre confiar em um laboratório.”

“A naprotecnologia é a verdadeira fecundação assistida”, ironiza a ginecologista Raffaella Pingitore, a maior especialista de língua italiana no método, e que atua na clínica Moncucco, na cidade suíça de Lugano. “No sentido de que assistimos a concepção do início ao fim, ou seja, desde a fase de distinção dos marcadores de fertilidade na mulher até as intervenções farmacológicas e/ou cirúrgicas necessárias para permitir que o casal chegue de um modo natural à concepção.”

O nome do método deriva do inglês natural procreation technology, “tecnologia de procriação natural”. Mais que uma tecnologia, é um conjunto de técnicas diagnósticas e intervenções médicas que tem como objetivo discernir a causa da infertilidade e sua remoção específica.

Começa-se com as tabelas do modelo Creighton, que descrevem o estado dos biomarcadores da fecundidade durante todo o ciclo menstrual da mulher, e que se baseiam principalmente na observação do estado do muco cervical, feita pela própria mulher. O pilar que sustenta toda a naprotecnologia é a capacidade da mulher de se observar: ela é formada para isso na parte inicial do percurso. As tabelas corretamente preenchidas, com o estado do muco cervical dia após dia e os outros dados, são a base de todos os passos sucessivos. A partir disso já é possível diagnosticar carências hormonais, insuficiências lúteas e outros problemas passíveis de serem tratados com a receita dos hormônios que faltam.

Se a infertilidade persiste, prossegue-se com o exame detalhado do nível dos hormônios no sangue, a ecografia da ovulação e a laparoscopia avançada. Podem ser necessárias, então, intervenções de microcirurgia das trompas ou de laparoscopia avançada para remover as partes prejudicadas pela endometriose. O resultado final é uma porcentagem de nascidos vivos entre 50 e 60% do total dos casais que realizam os tratamentos durante no máximo dois anos (mas a maior parte concebe no primeiro ano), contra uma média de 20 a 30% entre os que recorrem aos ciclos da fecundação in vitro (em geral, seis ciclos).

“Uma das coisas que mais me escandaliza é a ampla negligência que existe no diagnóstico das causas de infertilidade”, explica Raffaella Pingitore. “Hoje, depois de poucos exames práticos, a mulher é encaminhada aos centros de fecundação assistida. Chegamos ao ponto de, há alguns anos, a ‘Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva’ (American Society for Reproductive Medicine) ter declarado a insuficiência lútea como inexistente, porque não podia ser ‘cientificamente’ diagnosticada. Nós temos condições de diagnosticá-la porque envolvemos a mulher e pedimos a ela que observe e descreva diariamente o estado de seu muco cervical. Esse procedimento nos permite diagnosticar a insuficiência lútea. Mas isso para muitos médicos é impensável: eles se limitam a colher uma amostra no 21.º dia do ciclo menstrual para medir o nível de progesterona. Mas só 20% das pacientes têm um ciclo perfeitamente regular, pelo que esse dado é quase sempre inútil para o diagnóstico.”

“Nos Estados Unidos, em Omaha, no estado de Nebraska, iam visitar o doutor Thomas Hilgers, o verdadeiro criador da naprotecnologia, mulheres às quais a endometriose havia sido descartada depois de uma laparoscopia. Mas, realizando-se uma laparoscopia mais avançada, descobria-se que em 90% dos casos a endometriose existia. Comigo aconteceu muitas vezes a mesma coisa. Uma laparoscopia avançada deveria ser uma prática padrão nos testes de esterilidade, mas, por se tratar de uma intervenção cirúrgica, a hostilidade é grande.”

Que o recurso indiscriminado à fecundação assistida esteja associado à negligência diagnóstica, é algo que se deduz também pelo elevado número de pacientes que recorrem com sucesso à naprotecnologia depois de ciclos fracassados de fecundação in vitro. O doutor Boyle afirma que nos últimos seis anos, no grupo de suas pacientes com menos de 37 anos que já haviam tentado dois ciclos de fecundação assistida, o percentual das que conceberam graças ao método de procriação natural é de 40%.

Raffaella Pingitore conta sua experiência pessoal:

“A paciente tinha 36 anos e desejava uma gravidez há oito anos; havia realizado no passado cinco ciclos de fecundação assistida sem êxito. Fiz com que ela registrasse a tabela dos marcadores de fertilidade, e notamos que havia uma fase satisfatória de muco fértil, mas os níveis hormonais estavam um pouco baixos, o que indicava uma ovulação um pouco defeituosa. Havia também sintomas de endometriose; realizei uma laparoscopia, encontrei a endometriose e coagulei os focos da doença no útero, nos ovários e nas trompas. Depois a submeti a uma terapia para que ela ficasse em menopausa durante seis meses: deste modo secavam-se bem todos os focos de endometriose que talvez ainda existissem; depois da terapia continuei com um fármaco, o Antaxone, com a dieta e com apoio da fase lútea com pequenas injeções de gonadotropina. Isso levou ao aumento dos hormônios, e no quarto mês de tratamento havia se alcançado um muco muito bom. No 17.º depois da ovulação realizamos o teste de gravidez, que resultou positivo.”

O cuidado do profissional eticamente motivado pode mais do que as técnicas artificiais. Prova-o a história da doutora Pingitore, e provam-no as estatísticas do doutor Boyle. Na Irlanda, ao longo de quatro anos, o ginecologista curou 1.072 casais que há mais de cinco anos lutavam para ter um filho. A idade média das mulheres era de 36 anos, e quase um terço delas já havia tentado ter um filho com a fecundação in vitro. Após seis meses de tratamento naprotecnológico, a eficácia do método foi de 15,9%. Após um ano, 35,5%. Após um ano e meio, 48,5% das pacientes havia ficado grávida. Se o tratamento durava dois anos, quase 65% das pacientes chegavam à gravidez.

Com uma base de pacientes muito menor, a doutora Pingitore, no biênio 2009-2011, obteve uma média de 47,3%. Nos Estados Unidos (país onde não existem leis limitando o número de embriões fecundados que podem ser transferidos para o útero), os índices de sucesso da fecundação assistida depois de seis ciclos são os seguintes: 30-35% para mulheres com idade inferior aos 35 anos; 25% para mulheres entre os 35 e os 37 anos; 15-20% para mulheres entre os 38 e os 40; 6-10% para mulheres com idade superior aos 40 anos.

Depois temos a questão (de modo algum secundária) dos custos, ainda que na Itália ela seja pouco discutida porque, à parte as pacientes com plano privado de saúde, as despesas da fecundação assistida correm a cargo do sistema público de saúde. Em tempos de austeridade econômica e de efeitos deletérios da dívida pública, no entanto, um olhar à relação de custo-benefício deveria valer também para nós. O fato é que, se comparamos os custos de dois anos de tratamento naprotecnológico com os de seis ciclos de fecundação assistida, a segunda custa onze vezes mais do que a primeira.

Um único ciclo de fecundação in vitro custa na Itália em torno de 3.750 euros, mais 1.000 euros de medicação, pelo que seis ciclos custariam 28.500 euros, aos quais se acrescentam outros 800 para o congelamento e a manutenção dos embriões, e 1.200 para a transferência dos mesmos, em um total de 30.500 (R$ 131.812, hoje). Por outro lado, ainda que se alargasse para dois anos o tratamento com a naprotecnologia, seus custos são modestos: 300 euros para o curso de formação nos métodos naturais, 800 para as consultas médicas e 1.500 para os medicamentos, em um total de apenas 2.600 euros. É provável que os parlamentos e os ministros da saúde europeus não sejam muito sensíveis aos temas bioéticos, mas eles dificilmente poderão fingir-se de surdos a pedidos para que se verifique a relação de custo-benefício entre os dois métodos.

“A naprotecnologia tem tudo para se difundir, ainda que seja só por um discurso ligado aos custos, nos quais vão incluídos também os efeitos colaterais da prática de fecundação assistida: não nos esqueçamos que as crianças que nascem com esta técnica têm mais probabilidade de malformações e problemas de saúde do que aquelas que nascem de forma natural”, recorda Raffaella Pingitore. “Em primeiro lugar, porém, é necessário vencer o lobby da procriação assistida. Trata-se de um lobby bilionário, que enriquece centenas de pessoas e que não deixará tão facilmente que se lhe coloque o bastão entre as rodas.”

bomba.jpg

– 6 cliques para a 6a feira:

1 – 👊🏻 Olá amigos!
Tudo pronto para o #cooper matutino costumeiro. Que tal correr a fim de produzir e curtir a tão necessária #endorfina?
🏃🏻 #Fui #RunningForHealth #run #cooper #corrida #sport #esporte #running

bomba.jpg

2 – 🙏🏻 Correndo e Meditando:
“Ó #NossaSenhora #Rainha da #Paz, rogai por nós. #Amém.”
#Fé #Santidade #Catolicismo #Jesus #Cristo #MãeDeDeus #Maria #NossaSenhora #PorUmMundoDePaz #Peace #Tolerância #Fraternidade

bomba.jpg

3 – 🌺 Fim de #cooper!
Suado, cansado e feliz, alongando e curtindo a beleza das #flores (como essa magnífica #rosa vermelha).
🏁 #corrida #treino #flor #flowers #pétalas #pétala #jardim #jardinagem #garden #flora #run #running #esporte #alongamento

bomba.jpg

4 – 🌼 Mais #flores do nosso #jardim, para alegrar e embelezar nossa 6a feira!
#Jardinagem é nosso #hobby. #Fotografia idem.
🌹 #flor #flowers #flower #pétalas #garden #natureza #nature #flora

bomba.jpg

5 – 🌅 Desperte, Jundiaí.
Com #cores ou com #céu bucólico, que a jornada diária possa valer a pena!
🍃 #sol #sun #sky #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia #Jundiaí #AmoJundiaí

bomba.jpg

6 – 💖 E com esses #sorrisos tão puros, tem como não acreditar que será um #bomdia de #vida?
😍 #PaiDeMeninas #Alegria #Felicidade #Sorriso #Crianças #Peppa #Família #Family

bomba.jpg

Uma sexta-feira abençoada para todos nós!