– O novo teto salarial dos atletas de futebol na China e a permissão do aumento do limite de estrangeiros nos clubes.

E entrou em vigor uma nova regulamentação no Campeonato Chinês, determinada pelo Governo Local.

Desde 1o de janeiro, as equipes podem aumentar o número de jogadores estrangeiros: será de 6 no elenco (ao invés de 3), sendo que 4 poderão ser titulares e 2 reservas em cada partida (ao contrário do México, que quer diminuir os estrangeiros para fomentar talentos locais, visando mais opções para a Seleção Mexicana).

Os salários serão regulados também: por ordem governamental, o máximo por temporada a um estrangeiro será (já convertido para reais) de R$ 13,5 milhões anuais, contra R$ 5,8 milhões de um chinês, que poderá ter a bonificação de 20% caso seja convocado para a Seleção da China.

Por fim, haverá um limite no orçamento anual dos times: será de 1,1 bilhão de yuans (US$ 160 milhões), sendo que o gasto com a folha de pagamento poderá atingir até 60% desse orçamento.

Novos tempos no futebol da China com essa mudança? Mas resta um “Calcanhar de Aquiles”: as constantes notícias de manipulação de resultados. O que será feito com a arbitragem chinesa?

Resultado de imagem para Futebol da China

– O número de bilionários no mundo e a incrível desigualdade

Às vésperas do Fórum Mundial de Economia que ocorre em Davos, na Suíça, uma ONG divulgou o número exato de bilionários no mundo: eles totalizam 2.153 pessoas, e possuem mais riqueza do que a soma de 60% da população mundial.

Um número tão alarmante quanto esse é que, segundo o jornalista brasileiro Jamil Chade em seu twitter, desses mesmos dados se observa que os 22 homens mais ricos do mundo possuem mais dinheiro do que a soma de TODAS as mulheres do continente africano.

E o que fazer? A culpa é da sociedade? Do capitalismo selvagem e do comunismo ditatorial? Repare que citei os extremos de regime, não as versões moderadas…

Abaixo, extraído de: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-01/bilionarios-do-mundo-tem-mais-riqueza-do-que-46-bilhoes-de-pessoas

BILIONÁRIOS DO MUNDO TÊM MAIS RIQUEZA DO QUE 4,6 BILHÕES DE PESSOAS

Por Fernando Fraga

Os 2.153 bilionários do mundo detêm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas, que correspondem a cerca de 60% da população mundial. Os dados constam do novo relatório da organização não governamental Oxfam, Tempo de Cuidar – O trabalho de cuidado mal remunerado e não pago e a crise global da desigualdade, lançado nesse domingo (19), às vésperas do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

O estudo aponta que a desigualdade global está em níveis recordes e o número de bilionários dobrou na última década. Segundo o levantamento, o 1% mais rico do mundo detém mais que o dobro da riqueza de 6,9 bilhões de pessoas.

O relatório chama a atenção para o fato de que essa grande desigualdade está baseada em boa medida em um sistema que não valoriza o trabalho de mulheres e meninas, principalmente das que estão na base da pirâmide econômica. De acordo com a organização, no mundo, os homens detêm 50% a mais de riqueza do que as mulheres.

“Além de chamar a atenção para essa desigualdade extrema que não está sendo solucionada, resolvemos dar visibilidade a um tema que não tem visibilidade e que contribuiu para esse acúmulo de riqueza, que é o fato de o cuidado não ser remunerado ou ser mal remunerado”, disse a diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia.

“Milhões de mulheres e meninas passam boa parte de suas vidas fazendo trabalho doméstico e de cuidado, sem remuneração e sem acesso a serviços públicos que possam ajudá-las nessas tarefas tão importantes”, completou.

Segundo cálculos da Oxfam, o valor monetário global do trabalho de cuidado não remunerado prestado por mulheres a partir dos 15 anos é de US$ 10,8 trilhões por ano, três vezes maior que o estimado para o setor de tecnologia do mundo.

Katia destacou a forte contribuição da questão de gênero na desigualdade mundial. “Se você juntar os 22 homens mais ricos do mundo, eles têm a mesma riqueza que todas as mulheres que vivem na África, que é em torno de 650 milhões”.

Segundo a Oxfam, as mulheres fazem mais de 75% de todo trabalho de cuidado não remunerado do mundo. Frequentemente, diz a organização, elas trabalham menos horas em seus empregos ou têm que abandoná-los por causa da carga horária com o cuidado de crianças, idosos e pessoas com doenças e deficiências físicas e mentais bem como o trabalho doméstico diário.

Alerta

A organização alerta que o problema deve se agravar na próxima década à medida que a população mundial aumenta e envelhece. Estima-se que 2,3 bilhões de pessoas, entre idosos e crianças, vão precisar de cuidado em 2030, um aumento de 200 milhões desde 2015.

De acordo com a pesquisa, no Brasil, em 2050, serão cerca de 77 milhões de pessoas que vão depender de cuidado, o que representa pouco mais de um terço da população estimada entre idosos e crianças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O mundo enfrenta uma crise de prestação de cuidados devido aos impactos do envelhecimento da população, a cortes em serviços públicos e sistemas de proteção social e aos efeitos das mudanças climáticas – ameaçando piorar a situação e aumentar o ônus que recai sobre trabalhadoras de cuidado”, diz o documento.

O relatório também aponta que governos vêm cobrando alíquotas fiscais baixas dos mais ricos e de grandes corporações, “abandonando a opção de levantar os recursos necessários para reduzir a pobreza e as desigualdades”.

De acordo com o estudo, se o 1% mais rico do mundo pagasse uma taxa extra de 0,5% sobre sua riqueza nos próximos 10 anos, seria possível criar 117 milhões de empregos em educação, saúde e de cuidado para idosos.

“Em vez de ampliar programas sociais e gastos para investir na prestação de cuidado e combater a desigualdade, os países estão aumentando a tributação de pessoas em situação de pobreza, reduzindo gastos públicos e privatizando a educação e a saúde, muitas vezes seguindo o conselho de instituições financeiras como o Fundo Monetário Internacional (FMI)”, diz o documento.

Recomendações

A Oxfam recomenda que os governos devam investir em sistemas nacionais de prestação de cuidados para solucionar a questão da responsabilidade desproporcional pelo trabalho de cuidado realizado por mulheres e meninas.

Outra recomendação é valorizar o cuidado em políticas e práticas empresariais. “As empresas devem reconhecer o valor do trabalho de cuidado e promover o bem-estar de trabalhadores e trabalhadoras. Além disso, devem apoiar a redistribuição do cuidado oferecendo benefícios e serviços como creches e vales-creche e garantir salários dignos para prestadores de cuidado”, afirma o documento.

PProtestos, Moscou, Eleições. REUTERS/Shamil Zhumatov

– Bill Gates queria que o Brasil acabesse com a Miséria do mundo?

Repost deste blog, de 2012, quando o Brasil estava forte (aparentemente, onde nem se desconfiava da corrupção que travaria o país)!

Ter grande repercussão na mídia e estar na moda pode trazer falsas impressões.

É sabido que o Brasil é manchete no exterior pelo desenvolvimento que vivemos e situação econômica favorável em relação aos parceiros europeus neste momento. Mas, às vezes, esquecem que temos inúmeros problemas  a resolver antes de sermos protagonistas mundiais.

O bilionário Bill Gates, da Microsoft, disse que:

O Brasil precisa deixar de gastar apenas dezenas de milhões de dólares em ajuda a outros países e passar a gastar centenas de milhões: isso não é uma enorme porcentagem do PIB brasileiro”.

Nós devemos ajudar os países pobres. E quem nos ajuda?

Falsa ilusão… Bill não sabe da corrupção existente, da alta carga dos impostos, das enchentes no Sudeste e estiagem no Sul, da miséria no Nordeste, dos sem-terra de Pinheirinho…

Ou sabe?

Discurso bonito, mas demagógico!

Imagem relacionada

– E o momento exato da surpresa de algo nunca imaginado?

Sempre me impressionou essa foto. Repost de 1 ano:

Já pensou o susto que os indígenas tiveram quando conheceram os artefatos portugueses em 1500 (arcaicos para nós hoje, comuns para as pessoas daqueles dias e inusitados para os silvícolas)?

Essa foto representa mais do que isso – quando pobres meninos de uma comunidade tribal do interior da África vêem um… iPad!

Extraído da publicação de Fotos de Fatos (@FotosDeFatos) no Twitter:

“O viajante inglês Louis Cole uma vez postou uma fotografia incomum no instagram, mostrando a reação dessas crianças de uma tribo africana vendo pela primeira vez um tablet. A fotografia logo viralizou na internet, em 2015”:

bomba.jpg

– O Irã e seus costumes dentro e fora do futebol, segundo Mazola.

Calma, não estamos falando do ítalo-brasileiro Altafini, mas de um Mazola mais recente, formado na base do SPFC (que deve ter recebido o apelido em homenagem ao jogador de futebol tão respeitado nos anos 30 e 40), e que hoje vive no… Irã!

Conheci o atacante quando ele jogava no Paulista FC, e ganhei simpatia por ele ao participar com o jornalista Guilherme Barros no programa esportivo semanal da TVE de Jundiaí. Mostrou-se simples, educado e bem estudado.

Veja que interessante: poucos dias antes do conflito Irã-EUA ter se agravado, Mazola falou ao UOL sobre como as mulheres sofrem por lá (sua esposa é proibida de andar de bicicleta), os horários restritos para que homens frequentem academias (ele não pode mostrar sua tatuagem), o comportamento que casais devem ter ao se encontrarem (a mulher de um amigo não pode nem olhar para o rosto de quem conversa com ele) e o fanatismo dos torcedores locais em estádios de 90.000 pessoas, sempre lotados (exclusivamente com homens).

Para entender melhor esse “mundo diferente” do “Planeta Futebol”, e até mesmo as diferenças culturais entre o povo persa e o ocidental, abaixo, extraído de: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2019/12/28/ex-sao-paulo-conta-que-no-ira-futebol-ainda-e-esporte-dos-homens.htm

EX-SÃO PAULO CONTA QUE NO IRÃ O FUTEBOL AINDA É ESPORTE DOS HOMENS

Por José Edgar de Matos

Engana-se quem celebra a liberação das mulheres nos jogos da seleção do Irã como uma regra. A medida é apenas paliativa e contrasta com a realidade do país persa, localizado na Ásia e conhecido por ser um dos mais restritivos ao comportamento feminino. Este machismo estrutural, enraizado na cultura local, é encarado pela brasileira Vanessa Silva, mulher de Mazola, ex-atacante do São Paulo e atualmente no Tractor.

O casal vive em Tabriz, cidade localizada no noroeste do Irã e com aspectos interioranos. O local apenas reflete a realidade de todo um país, no qual as mulheres ainda não possuem direito de assistirem a partidas de futebol. Vanessa, companheira assídua nos jogos no Japão, China e Coreia do Sul, agora só assiste aos jogos do marido pela televisão.

“É só no jogo da seleção, mas estão brigando para liberar para a liga. Acredito que seja difícil liberar, muito mais difícil, infelizmente. Aqui no estádio dá jogo de 90 mil e 100 mil pessoas, só homens”, relatou Mazola, em conversa com a reportagem do UOL Esporte na qual torce para a permissão do público feminino se estenda para o futebol de clubes.

A revolução de 1979 mudou as leis sobre o comportamento feminino no Irã. Sob a justificativa de afastar a influência ocidental, as mulheres foram privadas de, entre outras situações, comparecerem a jogos de futebol. Qualquer evento masculino passou a ser restrito aos homens. O vestuário, trabalho e até passeios de bicicleta acabaram proibidos para as cidadãs do país.

“Tomara que isso mude logo, mas acho que será difícil. Minha mulher era acostumada a ir ver os jogos no estádio. Aqui, só pela televisão e no hotel”, contou o jogador que passou por São Paulo, Paulista, Guarani, Figueirense, Ceará, CRB e São Bento no Brasil.

As diferenças culturais estão evidentes a todo tempo. Hoje, Mazola se diz adaptado ao futebol do Irã, mas vê a mulher sofrer. O casal vive em um hotel e criou laços com os funcionários. As amizades são restritas, e as mudanças comportamentais dos dois necessárias para respeitar a cultura iraniana.

“Para ela [Vanessa Silva] é muito mais difícil. É muita roupa, por exemplo, que tem que colocar quando você desce para almoçar ou jantar. É calça, é véu, tudo. Ela acabou se enturmando com o pessoal do hotel e com a esposa do peruano que joga com a gente [William Mimbela], isso ajuda. E a gente só fica no hotel porque somos casados também, tudo muito fechado”, disse.

“É diferente para mim não poder andar de bermuda, mostrar a tatuagem…é bem diferente de todos os países que passei. Na academia, por exemplo, as mulheres têm o horário das 9h às 16h; e a gente das 17h até as 23h. Fora que elas têm que cobrir todo o corpo, andar com véu. A cultura é muito diferente, as coisas são muito rígidas”, acrescenta Mazola, citando mais um choque cultural.

Cumprimentar outras mulheres? Nem pensar

Mazola relata que até os diálogos são restritos entre pessoas de sexo diferente. Há uma rotina e um dogma a serem respeitados. A tradição secular não se altera, mesmo com a globalização e o mundo de hoje. Ele não pode, por exemplo, cumprimentar outra mulher.

“O islã é muito respeitado. Acabou o treino e dá a hora da oração, religiosamente colocam o tapetinho e ajoelham. Você, como homem, não pode cumprimentar a mulher na mão, não pode tocar na mão dela. Se está com sua esposa ao lado, ela não deve olhar para o seu amigo. O diálogo é entre eu e ele, só”, relata.

“Nível do campeonato me surpreendeu”

O ex-jogador do São Paulo, apesar das restrições relatadas, especialmente sobre o comportamento das mulheres, aprova a ida para o Irã. A maior atração encontrada por Mazola está inclusive nas arquibancadas lotadas, mesmo sem a presença feminina e da esposa.

“Campeonato é bom; vim para cá e achei que era mediano, mas é bem bom sim. O time é como se fosse um Flamengo e tem uma torcida que nunca vi. Joguei contra eles e deu 100 mil pessoas. É como se jogar no Maracanã, sabe?”, relata.

“Você vê o estádio e pira! São jogos com 90 mil e 100 mil pessoas, o povo é fanático. Jogo em um clube meio de interior, mas a cidade é boa e o clube tem muito a crescer. A estrutura que encontro aqui é boa. Valeu a pena vir, é uma experiência estar em um país novo e conhecer a cultura iraniana”, diz o jogador.

Mazola é famoso nas ruas de Tabriz e agora possui uma visão completamente a da imaginada quando desembarcou. Embora a cultura restritiva à mulher seja de difícil adaptação, a visão sobre o islamismo mudou ao se conviver com pessoas com uma formação tão diferente.

“É só sair de casa. Se você solta um peido, todo mundo sabe [risos]. Todo mundo aqui é apaixonado pelo clube. Se sair, não vai ter paz. Sempre vem gente pedir foto, é muito bacana. Você derruba preconceito e vê que a cultura do islã não é tudo aquilo que pintam. É uma sociedade como a nossas e basta respeitarmos”, conclui.

mazola-mulher-e-amigos-do-hotel-1577406573464_v2_750x421

Mazola e a mulher Vanessa construíram amizade com os funcionários do hotel onde moram  (Imagem: Arquivo Pessoal).

– Quem cederá primeiro na pendenga entre EUA e Irã?

Como é complicada a situação envolvendo os americanos e iranianos, não?

Já falamos muitas coisas sobre os patrocínios do Irã ao terrorismo, a invasão da embaixada norte-americana e o ataque dos EUA contra o número 3 do governo de Teerã.

A ameaça de revide iraniano é clara. Resta saber: que tipo de ataque ocorrerá? Virtual? Militar? Contra uma base? Contra inocentes? Contra um político de mesma importância do que o assassinado?

Detesto tempos de guerra. A paz sempre é mais importante e num conflito como esses não tem razão ninguém, pois será sempre olho-por-olho, dente-por-dente, lamentavelmente.

Imagem relacionada

– O Revide dos EUA com a morte do Chefe da Guarda do Irã

Após a invasão promovida por uma milícia pró-iraniana à embaixada dos EUA no Iraque, os americanos revidaram com um ataque aéreo que matou a autoridade máxima da Guarda Iraniana (o Exército de lá), Qasem Soleimani, que estava no aeroporto de Bagdá.

Soleimani é o promotor das arruaças que visam distanciar o Iraque dos EUA e aproximar o país do Irã. Mas aqui o sentido das ações militares por parte dos americanos não é necessariamente de vingança militar, mas outros: política e financeira.

Financeira pois sabemos da importância econômica do petróleo (que já subiu de preço depois da confusão). Política pois há o pedido de impeachment do presidente Donald Trump, e sempre que os americanos passam por uma crise, promover uma guerra muda a sensibilidade do eleitor.

Aguardemos. São dois peso-pesados armamentistas brigando…

– A Globalização e o Pão

Alberto Fernandez, presidente da Argentina, resolveu tomar sérias medidas protecionistas em seu país. Uma delas impactará diretamente no dia-a-dia do brasileiro: a alta dos preços dos produtos agrícolas, em especial, do trigo!

Como o Brasil é o grande importador do produto, tão importante para a fabricação do pão, preparemos nossos bolsos…

Resultado de imagem para Pão

– Supercopa Sulamericana no lugar dos Estaduais? Que tal?

Primeiro a Conmebol houvera anunciado; depois, cancelado devido a falta de calendário do Brasil. Por fim, seria apenas fake?

A entidade que rege o futebol da América do Sul deseja (já divulgou isso publicamente) criar um torneio somente com os campeões da Libertadores. Essa Supercopa teria o inconveniente das datas escassas.

E se fosse real?

Sendo anual, poderia substituir os Campeonatos Estaduais. Dos 12 times grandes brasileiros, apenas Botafogo e Fluminense não a disputariam.

Já imaginaram ao invés de Flamengo x Bonsucesso no começo do ano, um Flamengo x Peñarol? Ao invés de Palmeiras x Linense, um Palmeiras x Boca Juniors?

Em tese, substituiríamos os sparirngs do Interior Paulista por Campeões Continentais. Uau! Mas também há de se ver o que fazer com os clubes pequenos…

O problema é: como formatar uma competição justa e ideal organizada pela Conmebol?

5de94ba4261b7.r_1575570354382.287-184-1646-1203

– As questões provocativas que emanam do Mundial de Clubes da FIFA. 

Esse texto é do Mundial de Clubes da FIFA de 2016, publicado aqui mesmo. Mas serve perfeitamente para esse ano de 2019.

Compartilho:

COPA DAS CONFEDERAÇÕES DE CLUBES?

Se o Kashima Antlers for vencedor do Mundial de Clubes da FIFA, que está acontecendo no Japão, será o legítimo Clube Campeão do Mundo em 2016. Mas indiscutivelmente não será o mais forte nem o melhor clube deste ano. 

Cá entre nós: o torneio é uma Copa das Confederações de Clubes, e em confronto único (mata-mata), tudo pode acontecer.

Claro, a ideia de uma verdadeira Copa seria utópica pois o calendário não permite; mas ao mesmo tempo, mais justa: um torneio mundial aos moldes da Copa do Mundo de Seleções, com fase de grupos e depois eliminatória. Aí sim teríamos uma verdadeira WorldCup de times, com Barcelona, Juventus, Manchester City, PSG, Benfica, Boca Juniors, Palmeiras, entre outros “grandões do planeta-bola”. 

Seria muito bacana a UEFA Champions League classificar (por exemplo) 5 equipes, a Libertadores 3, a Concacaf 2, e continentes com clubes menos expressivos (os da Ásia, África e Oceania), entrando em uma pré-fase. 

São ideias. Mas enquanto elas não se efetivam, esses torneios, como a Toyota Cup, Mundial da FIFA, Taça-Rio, que representam/representaram TORNEIOS INTERCONTINENTAIS, acabam/acabaram sendo considerados os Campeões do Mundo (mesmo que os vencedores, eventualmente, não representem verdadeiramente o Melhor do Mundo naquele ano de disputa). Ou alguém crê que a Grécia era a melhor Seleção da Europa quando tivemos a Eurocopa em Portugal? Só no futebol que nem sempre o melhor é o campeão.

Aliás, Raja Casablanca e Kashima Antlers, times anfitriões e aclimatados com as cidades-sedes, que vieram de fases anteriores, chegaram às finais. É o ônus dos demais adversários em aceitar tal molde de torneio. 

Para mim, reitero: se vencer o torneio, o Kashima Antlers será sim Campeão Mundial de Clubes 2016, mesmo que não seja o melhor time de futebol do planeta (em decorrência do torneio ser tão restritivo aos campeões continentais e do país-sede).

Imagine Messi ou Suárez sendo questionados e “trolados” pelo fato do simpático time japonês ser campeão mundial de 2016 e eles, tão famosos e paparicados, não ganhando nada (e nem disputando!).

Bobagem e paciência. Se respeite o vencedor.

Imagem relacionada

– Você acredita no discurso de Klopp sobre o Mengão?

À ESPN, o ótimo treinador alemão (e “boa praça”) Jurgen Klopp diz que não conhece muito a fundo o Flamengo e até tinha dúvida sobre o regulamento do Mundial de Clubes.

Cá entre nós: você acreditou nisso? Treinadores como ele estudam e gostam de futebol, sabem tudo dentro e fora do campo. Impossível ter um conhecimento tão raso como falado.

Abaixo, extraído de: https://www.espn.com.br/futebol/artigo/_/id/6390335/klopp-admite-que-nao-sabe-muito-do-flamengo-sei-que-ganharam-a-libertadores-conheco-jogadores

KLOPP ADMITE QUE NÃO SABE MUITO DO FLAMENGO: “SEI QUE GANHARAM A LIBERTADORES, CONHEÇO JOGADORES”.

Potencial adversário do Flamengo no Mundial de Clubes da Fifa deste ano, o técnico do Liverpool, Jurgen Klopp, admitiu que ainda não conhece muito sobre a equipe brasileira.

Em conversa exclusiva com a ESPN após a vitória por 5 a 2 no clássico contra o Everton, pela 15ª rodada na Premier League, o técnico alemão falou sobre o time do Rio de Janeiro.

“Eu sei que eles ganharam a Copa Libertadores, conheço alguns jogadores, mas é o mesmo conhecimento que tenho de um time que jogamos na Champions League pela primeira vez, uns 3, 4 dias antes”, afirmou Klopp.

O comandante dos Reds ainda mostrou desconhecer o regulamento do Mundial, questionando o repórter João Castelo-Branco se havia antes um jogo de semifinal no torneio.

“Mas, se formos jogar contra eles, temos que ganhar as semis, certo? Tem um jogo no meio e isso deve ser suficiente para nos prepararmos (…) Nesse momento seria uma vergonha saber mais de qualquer time brasileiro do que do Bournemouth (próximo adversário do Liverpool pela Premier League). Nós vamos estar preparados, mas não tenho certeza se vamos jogar contra eles”, finalizou.

O Liverpool ainda tem mais quatro partidas antes de embarcar para o Mundial de Clubes.

A estreia de Klopp e sua turma será no dia 18 de dezembro, em Doha, contra Monterrey-MEX ou o vencedor do confronto entre Al-Sadd-CAT e Hienghène Sport-NCL.

Resultado de imagem para Klopp

– Vamos ter quantos treinadores estrangeiros na Série A em 2020?

Eu gosto de intercâmbios e troca de conhecimentos. No caso do futebol, mais ainda!

Vejamos: se eu tenho um jogador nacional e um estrangeiro que possuem a mesma qualidade técnica, prefiro o brasileiro. Afinal, os “de fora” também estão custando caro e, se trago gente igual e ao mesmo custo, fecho as portas para revelações da base.

E quando falamos sobre treinadores? O processo é bem parecido, com a diferença de quê: os nossos, ultimamente, preferem o estilo defensivo e metodologias ultrapassadas. Assim, veremos além de Flamengo e Santos com treinadores estrangeiros, possivelmente Palmeiras, Internacional e outros.

Cá entre nós: abertura para gente que vem melhorar a qualidade dos nossos jogos é algo ótimo. Mas se for “seis por meia-dúzia”, não dá.

Resultado de imagem para Sampaoli

– O Manchester City está valendo quase 22 bilhões de reais. Como os brasileiros podem competir?

De fato, não dá mais para gerir os clubes de futebol brasileiro como até então têm sido feito. Viram a venda de ações do Manchester City, para os americanos do Silverlake?

Apenas 10% rendeu mais de 500 milhões de dólares! Multiplique por R$ 4,27 (a cotação de ontem) e verá que o City Football Group vale quase R$ 22 bilhões de reais!

Na hora de tentar negociar com um atleta, como uma equipe do Brasil pode competir em dinheiro com eles?

Nos apequenamos demais e eles cresceram exponencialmente. Simples. E lembrando: o City Group agora é dono de 8 times: Manchester City (Inglaterra), New York FC (EUA), Melbourne City (Austrália), Yokohama F. Marinos (Japão), Club Atletico Torque (Uruguai), Girona (Espanha), Sichuan Jiuniu (China) e Mumbai City FC (Índia).

Extraído do Linkedin da do Consultor Fernando Ferreira, da Pluri Consultoria:

MANCHESTER CITY VALE AGORA MAIS DE R$ 20 BILHÕES.

Ontem o City Football Group, dono do MANCHESTER CITY, anunciou a venda de 10% de suas ações para a firma de Private Equity Americana SILVERLAKE por US$ 505 Milhões, o que dá um valuation de US$ 5.05 Bilhões.

Significa que o grupo inglês vale agora incríveis R$ 21.5 BILHÕES e está com o caixa abarrotado para investir. Significa também que os grupos americanos seguem ampliando sua fatia no mercado do futebol, onde já são os maiores acionistas na Inglaterra, Itália e França.

Fica cada vez mais difícil competir no mercado com nosso modelo associativo, contra corporações gigantes do futebol como o City football group. Apesar de não disputarmos as mesmas competições, a briga se dá no mercado de transferência de atletas, e aí não temos chance. Entende a necessidade de mudança da Lei de clube empresa para assim atrair investidores para os clubes Brasileiros?

0-3

– Os 10 maiores clássicos mundiais, segundo a FourFourTwo. Concorda com a lista?

Qual o clássico de maior rivalidade de clubes no futebol brasileiro?

Fácil ou difícil responder?

No estado de São Paulo, alguns dirão que historicamente foi Corinthians x Palmeiras. No interior do estado, bingo: é Ponte Preta x Guarani.

E no Rio de Janeiro? Ainda é o Fla-Flu ou hoje Vasco da Gama x Flamengo?

Pois bem: há 5 anos, a conceituada revista Four Four Two, ícone do futebol, resolveu elencar os 10 maiores clássicos mundiais, levando em conta rivalidade, importância, tradição e qualidade. Abaixo, os eleitos:

1- Boca Juniors x River Plate (ARG)

2- Barcelona x Real Madrid (ESP)

3- Nacional x Peñarol (URU)

4- Liverpool x Manchester United (ING)

5- Celtic x Rangers (ESC)

6- Fenerbahçe x Galatasaray (TUR)

7- Grêmio x Internacional (BRA)

8- Lazio x Roma (ITA)

9- Borussia Dortmund x Schalke 04 (ALE)

10- Al-Ahly x Zamalek (EGI)

Teria muita curiosidade em saber qual a posição de Milan x Internazionale, Atlético Mineiro x Cruzeiro e até mesmo… Paysandu x Remo!

Brincadeiras a parte, você concorda com a lista? Deixe seu comentário:

Imagem relacionada

– O desespero dos imigrantes africanos: o caso do caminhão na Grécia!

Nesta semana, foram 41 pessoas em estado debilitado de saúde capturadas entrando ilegalmente no continente europeu, vindo do vizinho continente africano. Todos pobres, esperançosos de arranjar emprego e famintos.

Seria mais um caso triste entre os muitos que vemos de pessoas buscando se refugiarem se não fosse por um único motivo: estavam dentro de um caminhão frigorífico, em meio aos congelados, escondidos no frio!

Imagine o desespero evidente de quem se submete a aceitar ser mercadoria de tráfico humano para buscar algo melhor do que existe na sua terra! Coitados…

Resultado de imagem para grécia 41 refugiados