– Aprenderemos a conviver com esse vírus (mesmo na marra)?

A declaração há pouco do Diretor de Emergências da Organização Mundial da Saúde, Michael Ryan, foi direta (reproduzida pela BandNews):

“Pode ser que isso [o fim do coronavírus] nunca aconteça. Pode ser que nunca desapareça, que se torne endêmico, como outros vírus. O HIV nunca desapareceu. É muito difícil fazer uma previsão de quando a situação vai mudar; a grande esperança para eliminar a covid-19 está no desenvolvimento de uma vacina altamente eficaz. A OMS alerta que ainda há um longuíssimo caminho até o fim da pandemia”.

Viveremos no cuidado, na atenção e na prevenção. Assim, tenhamos todas as precauções para que a condição de “Pandemia” deixe de existir e o mal se minimize.

Coronavírus: Prefeitura anuncia medidas de prevenção na cidade ...

– Pandemia da Gripe Espanhola versus Pandemia de Covid-19

Depois de 100 anos aproximadamente, a humanidade revive o que é co-existir com uma pandemia.

Mas como foi em 1919, com a Gripe Espanhola?

Veja que legal, abaixo, extraído do Facebook de Alexandre Versignassi, diretor de redação da Revista Superinteressante:

PANDEMIA

Ela é o melhor farol que temos. A Gripe Espanhola, de 100 anos atrás, durou um ano e meio, e foi especialmente mortal num período mais curto, de seis meses.

Seu índice de letalidade era inferior a 1%. Calcula-se, porém, que 70% da população mundial tenha pegado, e que o número de mortos ficou entre 20 milhões e 50 milhões (se hoje subnotificação é um problema, imagina lá atrás).

Seja como for, ela deixou lições importantes. Num mundo não só “sem internet”, mas sem sequer rádio, o uso de máscaras se tornou universal. E as cidades que mais quarenteneram foram as que tiveram menos vítimas – o que mata a “tese” do “E daí? Se todo mundo vai pegar mesmo, vamos fazer churrasco”.

A (linda) imagem abaixo, feita na Califórnia da época, me chegou via Sergio Figueiredo.

O cartaz que a moça exibe diz “Use máscara, ou vá para a cadeia”. Não sei se é um protesto, ou só o registro de um momento que o pessoal da foto entendia (acertadamente) ter dimensão histórica. Fico com a segunda interpretação – até porque posar para uma foto, em 1918/1919, não era algo banal. Valia como posar para um quadro.

Outra beleza da imagem é a sensação de indo e vindo infinito que ela passa. A de que a vida, e a história, andam em ciclos, e que é importante revisitar o ciclo passado para entender melhor o presente.

O jornalista Alexandre Carvalho faz essa revisita em uma reportagem memorável sobre a Gripe Espanhola na Super deste mês (link nos comentários). Vale por um filme.

Outro ponto que faz valer uma revisita: ela nos dá uma noção mais clara do poder de resiliência da humanidade.

Os anos 20, que seguiram-se à Gripe Espanhola, foram um dos mais produtivos até hoje – na tecnologia (rádio), na indústria (massificação do automóvel), nos serviços (as primeiras cias aéreas são dessa época – KLM, Qantas e Avianca, da Colômbia, seguem ativas desde lá), nas artes (Fitzgerald, Semana de 22…). Porque tudo passa. Tudo, sempre, passará.

96703666_10158460307399835_5795603266922348544_n

– Vespas Mandarinas

Se eu já fico assustado com a Vespa Paulistinha e o Marimbondo Cavalo, imagine com essa “nova vespa” de 5 cm, que veio da Ásia e assusta os norteamericanos!

Veja só que loucura, em: https://exame.abril.com.br/ciencia/vespas-assassinas-sao-vistas-pela-primeira-vez-nos-estados-unidos/

VESPAS GIGANTES “ASSASSINAS” INVADEM OS EUA E CAUSAM TEMOR

De origem asiática, a vespa mandarina pode destruir colmeias de abelhas e suas picadas podem matar humanos

Por Rodrigo Loureiro

Cientistas americanos estão caçando vespas gigantes que chegaram pela primeira vez aos Estados Unidos. Chamadas de assassinas, elas podem matar uma pessoa que seja picada múltiplas vezes.

Com origem asiática e vistas pela pela primeira vez nos EUA, os insetos já haviam sido descobertos voando na América do Norte em agosto do ano passado, no Canadá, segundo reportado pela BBC. Não há registros da presença no Brasil.

Chamadas de assassinas por matarem entre 30 e 40 pessoas por ano no Japão, as vespas gigantes asiáticas ou vespas mandarinas medem mais de 5 cm e podem matar uma pessoa caso sejam provocadas. O ataque é tão forte que um apicultor vestido com traje de proteção contra abelhas e calça de moletom descreveu a dor como “tachinhas em brasa perfurassem a pele”.

Para fazer isso, as vespas contam com mandíbulas afiadas e pontiagudas. A arma natural é usada para decapitar abelhas. Uma única vespa zangão pode matar mais de 40 abelhas e a destruição de uma colmeia com mais de 30 mil insetos não leva mais do que algumas horas..

Além da preocupação com a saúde das pessoas, pesquisadores da Washington State University estão atentos ao risco do desaparecimento dos produtores naturais de mel dos Estados Unidos. Entre 1947 e 2017 o número de colmeias diminuiu de 6 milhões para 2,5 milhões e somente em outubro de 2018 mais de 40% delas foi dizimada pela chegada do inverno.

vespa

– Teremos que rever conceitos sobre Produção e Globalização quando tudo passar!

Depois de tanta complicação no dia-a-dia por conta do Covid_19, algumas observações sobre o processo de globalização precisam ser discutidas.

Coisas “tão bobas” (aparentemente) deixaram de ser produzidas e foram para a China. Por exemplo: 95% das máscaras de proteção consumidas pelos EUA eram chinesas. Aproveitava-se a mão de obra barata e as condições paupérrimas de lá para produzir (lembremo-nos: a China se parece muito com o Brasil em alguns lugarejos, com metrópoles modernas contrastando com longínquas regiões paupérrimas – o moderno versus o arcaico).

É necessário terceirizar tudo? Salvaguardar a produção local não se faz necessário, em seus diversos itens?

E se a indústria nacional resolvesse fabricar uma gama maior de mercadorias? Mais empregos, certamente, ocorrerão. 

Por fim, ficará a questão: sobretaxar a importação, mesmo no mundo tão liberal, não é uma necessária medida protecionista?

Globalização: o que é, origem, efeitos, pontos positivos e ...

– Entendendo a Nova Frugalidade

A Nova Frugalidade chegará ao nosso país, ou já está repercutindo, inconscientemente, em nossas vidas?

Nos EUA, um fenômeno econômico-social aconteceu: as pessoas deixaram de ir a shoppings, teatros ou de gastar em produtos não-essenciais, devido a crise econômica. O abandono de consumidores de certas áreas econômicas foi chamado de Nova Frugalidade, e como todo modismo global, em breve repercutirá no Brasil.

Entenda o que é essa tal de “Nova Frugalidade”, extraído de: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0942/marketing/reverso-fortuna-466551.html

O REVERSO DA FORTUNA

por Daniel Hessel

Em apenas oito meses, a crise financeira americana provocou estragos sem paralelo na história recente dos Estados Unidos. Além de fulminar o mercado de crédito, o índice Dow Jones e a cidade de Detroit, os raios mortíferos provenientes da tempestade econômica atingiram também um dos pilares do american way of life: o consumismo desenfreado e livre de culpas que movimenta mais de dois terços da economia do país. Endividada, assustada pelo fantasma do desemprego e acusada de estar entre os culpados por boa parte da crise com sua gastança desmedida, a classe média americana virou as costas para shopping centers, lojas de grifes, restaurantes estrelados e até mesmo shows e peças de teatro. Hoje, em plena ressaca moral de décadas de consumismo, tornou-se popular a doutrina da nova frugalidade (new frugality), marcada por um estilo de vida austero, em que economizar cada dólar é a regra. O último relatório da divisão de análise econômica do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, divulgado no dia 14 de abril, mostra o impacto dessa mudança. Entre março de 2008 e março de 2009, as vendas do varejo diminuíram 9,5%, a primeira queda em quase duas décadas. Ao mesmo tempo, os índices de poupança, que eram próximos de zero em agosto, estão em patamares equivalentes aos de dez anos atrás. Para os economistas, os dois índices combinados indicam que os americanos estão receosos do que vem pela frente. Pesquisas de opinião mostram que a tendência é uma redução nos gastos ainda mais aguda. Segundo um levantamento do instituto Lightspeed Research, do grupo britânico WPP, 70% dos americanos pretendem mudar seus hábitos de consumo nos próximos meses e apenas 45% dos entrevistados acreditam em uma rápida retomada econômica.

No campo oposto estão os que defendem que as mudanças vieram para ficar. O principal argumento desse grupo é que nunca antes houve um aperto no crédito como o provocado pela atual crise e que o estrangulamento nas finanças domésticas das famílias foi tamanho que deixará sequelas na maneira como os americanos encaram o consumo. “Nossas pesquisas apontam que os consumidores buscam mais segurança. E, para eles, gastar menos e manter dinheiro no banco é uma forma de alcançar essa segurança perdida”, diz Michael Silverstein, especialista em tendências de consumo do Boston Consulting Group.

Seja temporária, seja definitiva, a nova frugalidade tem assumido diversas facetas – algumas quase caricatas de tão radicais. De maneira geral, a redução de gastos com combustíveis e bens duráveis, como móveis e eletroeletrônicos, foi prioridade no processo de reajuste (veja quadro acima). Em menor escala, os americanos cortaram as despesas com roupas, acessórios, brinquedos, livros, CDs e DVDs. Ao mesmo tempo, as vendas de alimentos, bebidas e produtos de higiene pessoal e beleza aumentaram. Em meio à frieza generalizante das estatísticas há nuances curiosas, como o crescimento abrupto do mercado para produtos do tipo faça-você-mesmo (do it yourself, ou DIY). Tome-se o exemplo das tinturas para cabelo para uso doméstico, cujas vendas cresceram 27% desde o início da crise – um sinal de que as americanas trocaram os salões de cabeleireiro pela pia do banheiro. Da mesma forma, as famílias estão deixando de pagar por serviços como limpeza doméstica e manutenção de jardins e casas – o que tem sustentado a boa performance dos fabricantes de produtos de limpeza e de varejistas especializados em bricolagem, como a rede Home Depot. O outro lado da moeda é que o setor de serviços domésticos, que sustenta cerca de 18 milhões de americanos, se prepara para tempos ainda mais difíceis.

Num cenário de aperto financeiro, há empresas que são naturalmente favorecidas. É o caso do Wal-Mart, do McDonald’s e da loja online Amazon, reconhecidos por estratégias agressivas de descontos e preços competitivos. Da mesma forma, grandes fabricantes de produtos de consumo para higiene e beleza, como Procter&Gamble e Johnson&Johnson, têm se beneficiado da tendência de o consumidor se permitir pequenas indulgências – um dos raros luxos admitidos pela nova frugalidade. Outras têm se demonstrado irremediavelmente comprometidas com o antigo modelo de consumo supérfluo e precisam de reparos urgentes na estratégia de marketing. Enquadram-se nessa categoria a rede de cafés Starbucks, as grifes internacionais de artigos de luxo e as lojas de departamentos. No caso das marcas de luxo, os especialistas em tendências já deram até um nome ao tipo de reação que elas passaram a despertar no americano médio. Trata-se do populismo vingativo (vengeful populism), em que as marcas são identificadas com o estilo de vida arrogante e perdulário de banqueiros de investimento e altos executivos, acusados de levar o país à ruína. “Essas marcas precisarão resolver esse conflito sob o risco de estar definitivamente associadas a um estilo de vida que as pessoas passaram a desprezar”, diz Thomas O’Guinn, professor de marketing da Universidade de Wisconsin-Madison.

Para sobreviver em meio à crise, os marqueteiros das empresas têm buscado inspiração nos remotos anos 30, período da Grande Depressão americana. A rede de lojas de departamentos Sears ressuscitou um modelo de vendas dirigido a clientes endividados e sem crédito na praça. Trata-se do layaway, sistema em que o cliente escolhe um produto, faz um pequeno depósito e a loja reserva a mercadoria por determinado período (em média 90 dias). A ideia é que o cliente vá pagando o produto em parcelas, conforme for recebendo o dinheiro. Vencido o prazo, ele quita o saldo remanescente. “As redes que não mantiverem uma forte política de descontos e promoções ou não apostarem em soluções criativas como o layaway não conseguirão atrair os consumidores”, diz Kathy Grannis, porta-voz da Federação Nacional do Varejo nos Estados Unidos. Quem não se adaptar à nova frugalidade, seja ela duradoura ou efêmera, corre o risco de ter o mesmo fim dos dinossauros.

bomba.jpg

– Sportswashing? O príncipe da Arábia Saudita e a compra do Newcastle

Lavar dinheiro no esporte é chamado no Exterior de “Sportswashing”. Roman Abramovich, no Chelsea, foi acusado de fazer isso; outros bilionários asiáticos, idem. Agora, é a vez do príncipe Mohamed Bin Salman (através do Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita) ser acusado de tal prática ao oferecer mais de 1,5 bilhão de dólares pelo Newcastle.

Porém, há uma questão que vai além: a do péssismo relacionamento entre árabes e qataris, envolvidos no negócio.

Entenda, extraído de: https://maquinadoesporte.uol.com.br/artigo/venda-do-newcastle-pode-gerar-crise-entre-inglaterra-e-qatar_39992.html

VENDA DO NEWCASTLE PODE GERAR CRISE ENTRE INGLATERRA E CATAR

A venda do Newcastle a um fundo de investimentos pode gerar uma crise diplomática da Inglaterra, país de origem do clube, com o Qatar. Isso porque a BeIN Sports, de origem qatari e uma das principais emissoras esportivas da Europa, enviou uma carta à Premier League pedindo que a venda do Newcastle por £ 300 milhões seja proibida. O motivo? A compra será feita por um fundo ligado à Arábia Saudita.

A BeIN tem acusado o governo saudita de pirataria, ou seja, de captar o sinal de transmissão de seus eventos e exibi-lo ilegalmente dentro do país, ferindo direitos e causando prejuízo para a empresa. A cruzada contra os árabes teve aval de diversas entidades ligadas ao universo esportivo, inclusive a Fifa.

“O potencial adquirente do Newcastle causará enormes danos às receitas comerciais do próprio clube e da Premier League, com o legado do serviço ilegal continuando a causar impactos no futuro. Quando a temporada da Premier League recomeçar nos próximos meses, todo o conteúdo das emissoras da liga continuará disponível prontamente e ilegalmente por meio da funcionalidade dos decodificadores de streaming da BeoutQ, vendidos em quantidades significativas na Arábia Saudita e nos EUA, e também no Oriente Médio e no norte da África. Além disso, dado o efeito econômico enfraquecedor que o coronavírus está exercendo sobre a indústria do esporte, tudo isso acontece no momento em que os clubes de futebol precisam proteger ainda mais suas receitas de transmissão”, afirmou Yousef al-Obaidly, executivo-chefe da BeIN Sports, na carta enviada à Premier League.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a Premier League, juntamente com outros órgãos governamentais e detentores de direitos, já havia solicitado à operadora de satélite Arabsat que retirasse do ar a TV saudita BeoutQ por pirataria. A BeoutQ teria iniciado suas atividades de transmissão ilegal em 2017, ano em que a Arábia Saudita e o Qatar se envolveram em uma discussão política com diversas ramificações internacionais, inclusive o término das relações diplomáticas entre os dois países.

Nos bastidores, fontes que trabalham na negociação de compra e venda do Newcastle continuam confiantes de que não haverá problemas de última hora. Um dos motivos para o otimismo é que, apesar de preocupações semelhantes, a Premier League aprovou a venda de 100% do Sheffield United, que está nas mãos de capitais sauditas desde o ano passado.

O atual proprietário do Newcastle, o milionário inglês Mike Ashley, que está em isolamento social nos Estados Unidos, e a própria Premier League se recusaram a comentar o assunto com o The Guardian.

Newcastle, o novo 'super rico' do futebol? Quem são os possíveis ...

– Botafogo virará Tricampeão Mundial de Clubes?

Respeitosamente, eu pensei que era alguma brincadeira. Mas ao abrir (cuidadosamente) o link, vi que era uma matéria séria: o Botafogo-RJ pedirá à FIFA o reconhecimento de 3 títulos mundiais!

Segundo a ESPN Brasil em seu site:

“O Botafogo colocou, nesta quinta-feira, os títulos considerados mundiais de 1967, 1968 e 1970 no site oficial do clube. As conquistas da Pequena Taça do Mundo, triangular disputado em Caracas, na Venezuela, agora estão registrados no portal do Alvinegro.
De acordo com a Rádio Tupi, a mudança foi um pedido feito por Luis Felipe Carneiro de Miranda, Grande Benemérito e curador do centro de memória do Botafogo. O próximo passo será a confecção dos troféus, que na época não chegaram até o clube. O último passo seria uma tentativa de reivindicação dos títulos junto à FIFA.
Em 1967, o Alvinegro venceu a Pequena Taça do Mundo ao derrotar o Barcelona por 3 a 2 na final, com gols de Airton Beleza, Gerson e Paulo Cesar. No ano seguinte, o Fogão foi campeão ao derrotar a seleção argentina por 1 a 0. O tricampeonato veio em 1970, contra o Spartak de Moscou, em uma vitória por 2 a 1.”

As discussões sobre torneios que possam equivaler a títulos mundiais fazem sempre sentido. Afinal, a FIFA tem poder de cartório. As taças continentais, quando realizadas entre os campeões europeu e sul-americano, sempre foram “os mundiais da época” (e nunca organizadas pela FIFA). Se discordar disso, o Santos de Pelé não é bicampeão mundial?

Claro que o debate remonta a outras competições também, como as Taças-Rio de 1951 e 52 (vide sobre elas aqui: https://wp.me/p4RTuC-btP), mas igualar a outros torneios de nomes pomposos mas de prestígio questionável, é complicado.

– A apátrida Maha Mamo

Repost de 1 ano, mas bem atual:

Nós não temos a noção da dificuldade que é não ter uma nação. Ser apátrida, para quem é, torna-se um trauma gigantesco!

Ser “uma sombra”, “não existir” e outros termos assim são comuns a essa gente. E são quase de 10 milhões no mundo!

Maha Mamo, uma moça filha de sírios que nasceu no Líbano, foi a primeira apátrida a conseguir se naturalizar brasileira. E o caso é curioso: pelo fato do pai ser cristão e a mãe muçulmana, o casamento interreligioso não é aceito na Síria. No Líbano, onde nasceua nacionalidade não é aceita pela “terra onde nasce”, mas somente pelo “ventre” (assim, não poderia ser libanesa). Mas com o problema religioso, não poderia ser natural da Síria pois, em tese, sua mãe é solteira e isso não é permitido por lá. 

O interessante é: um apátrida não pode nada, pois não tem documento! Como matricular um filho inexistente? Ou ter carteira de trabalho? Incrível as dificuldades que eles passam e não imaginamos porque em geral nunca sentimos ou sentiremos isso. 

E veja só: até um refugiado tem vários benefícios que um apátrida não tem, pois o refugiado “existe”, é uma pessoa que foge por algum motivo de sobrevivência. O apátrida, também em tese, nada disso ocorre. 

Mais informações sobre tudo isso, compartilho em: http://www.acnur.org .

Resultado de imagem para Apátrida

– Cirque Du Soleil pode falir!

A crise mundial pela quebra das economias em decorrência do Novo Coronavírus é inevitável, apesar dos esforços coletivos e individuais. O pequeno empreendedor sofre, assim como grandes corporações.

Agora, imagine o pessoal circense, que sufoco deve estar vivendo! E não só o pequeno circo, mas a indústria que gira em torno dele.

Veja só o que está passando o famosíssimo Cirque Du Soleil, quase “quebrando” com uma dívida próxima de 1 bilhão de dólares (acumulada desde a pandemia e agravada com as não-apresentações):

Extraído de: https://pleno.news/mundo/cirque-du-soleil-pode-falir-por-falta-de-apresentacoes.html

CIRQUE DU SOLEIL PODE FALIR POR FALTA DE APRESENTAÇÕES

por Ana Luiza Menezes

Segundo a agência Reuters, a empresa Cirque du Soleil Entertainment Group, responsável pelo Cirque du Soleil, cogita a possibilidade de pedir falência devido ao cancelamento dos shows. Apresentações estão suspensas por causa do coronavírus.

Além da pandemia, a companhia teria uma dívida de 900 milhões de dólares (cerca de R$ 4,5 bilhões) e acordos já têm sido negociados com credores.

Em Montreal, no Canadá, funcionários do Cirque du Soleil tiveram que ser demitidos temporariamente.

Até o momento, pelo menos 4,6 mil funcionários, cerca de 95% da força de trabalho da companhia, já foram dispensados.

– Não se pode morar (nem morrer) na rua!

Viram as imagens de Las Vegas (EUA), onde um grande estacionamento foi demarcado com retângulos a fim de que os moradores de rua possam dormir “seguros” e não contrair o Novo Coronavírus?

Puxa… me chocou. O que acontecerá ao mundo?

Assistir cenas como essa, ver os caixões empilhados no Equador ou o desespero de espanhóis e italianos, traz uma grande tristeza.

Há pouco, no noticiário noturno, tanto o presidente americano Donald Trump pediu para pessoas ficarem em casa quanto Boris Johnson, primeiro-ministro inglês, que acrescentou “ficar em casa é salvar vidas”.

Não existe muita saída: é uma bola de neve, que arrasa economias, destrói sonhos e, principalmente, mata!

Ouvir os relatos de quem morre pela insuficiência respiratória causados pelo Covid-19 dá medo. É ser sufocado e nada poder fazer.

1585714047846.jpg

– Novo Coronavírus está assustando com sua violência! Mais letal do que os chineses falaram?

As 8 nações onde o Novo Coronavírus mais matou ontem, 4a feira, com seus respectivos números de mortos foram:

1041 nos EUA
923 na Espanha
727 na Itália
563 no Reino Unido
509 na França
156 na Alemanha
134 na Holanda
123 na Bélgica

Diante desses dados (repare: de UM único dia), como explicar os boletins chineses de que o perigo maior era para os idosos, sendo que hoje se percebe que pessoas saudáveis também não estão “tão imunes” como se acreditava? Quer dizer que no país mais populoso do mundo, que tanto demorou a notificar a OMS, morreu “pouca gente pelo eficiência de suas ações”, ou diante da ditadura que existe por lá, as informações oficiais do Governo mascararam os números reais de mortos?

Se nas Democracias as informações já são duvidosas (especialmente do número de infectados, já que não são todas as pessoas que conseguem fazer o teste – ao contrário, é a minoria), imagine onde não existe Liberdade de Expressão e a única fonte de informação é o próprio Governo de Pequim? A lógica, o bom senso e a inteligência levam a crer que morreram muito mais pessoas do que o número divulgado pelo Partido Comunista Chinês.

A verdade é: a Pandemia é maior do que se imaginava, e agora que o caos está chegando ao mundo mais “real” das coisas (sem a censura das informações, vide o médico chinês que tentou avisar logo no início do perigo do Covid 19 e foi detido – tendo morrido há pouco tempo pelo próprio vírus), devemos ter ideia do pavor que essa praga descontrolada realmente é.

Não sejamos ingênuos em acreditar que “tudo foi feito com presteza e a China controlou o Novo Coronavírus”. Se fosse assim, como entender a necessidade de SEGUNDA QUARENTENA como tem ocorrido por lá?

Que Deus nos ajude, especialmente quando os número explodirem aqui no Brasil. Não tenhamos politização da causa nem uso eleitoreiro, mas decisões corretas e racionais para salvar vidas. E, por fim, não ouçamos o discurso insensível de que “vai matar umas 5000 ou 7000 pessoas e por isso não pode quebrar a economia” (vide em: https://wp.me/p4RTuC-pcb). Com pesar, morrerão muito mais.

Extraído de: https://veja.abril.com.br/mundo/coronavirus-china-subnotificou-casos-e-mortes-diz-inteligencia-dos-eua/

CHINA SUBNOTIFICOU CASOS E MORTES, DIZ INTELIGÊNCIA DOS EUA

A China ocultou a extensão do surto de coronavírus, subnotificando o total de casos e mortes causadas pela doença, segundo um relatório elaborado pela inteligência americana, revelou uma reportagem da agência Bloomberg nesta quarta-feira, 1. Esta não é a primeira vez que os Estados Unidos acusam Pequim de mascarar os dados sobre a pandemia.

O documento com as conclusões sobre as alterações nos números foi entregue à Casa Branca na semana passada. Segundo funcionários da inteligência americana que falaram à Bloomberg sob condição de anonimato, ele conclui que a China publicou dados incompletos sobre mortes e contágios pela Covid-19 intencionalmente.

O surto de coronavírus começou na China em dezembro passado e hoje o país tem 82.361 casos e 3.316 mortes. Desde a descoberta da doença, o vírus já se espalhou por todo o mundo e atualmente os Estados Unidos são o país com maior número de infectados – 203.608 casos e 4.476 mortes.

Desde que os casos de coronavírus começaram a se multiplicar, Washington e Pequim se envolveram em uma nova disputa, com troca de acusações constantes.

Nesta terça-feira 31, a imunologista que assessora a Casa Branca, Deborah Birx, disse ainda que os dados equivocados divulgados pela China passaram a impressão para os demais países de que o problema era menor do que realmente é, e por isso nações como Itália e Espanha não se prepararam de forma suficiente para o surto.

Por sua vez, várias autoridades chinesas divulgaram teorias sobre uma suposta conspiração e até apontaram que o coronavírus foi levado para a China pelos militares americanos. Um porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, chegou a sugerir no Twitter que o “paciente zero” da pandemia pode ter vindo dos Estados Unidos. A informação se espalhou pelas redes sociais locais.

Passageiro tem a sua temperatura verificada na entrada de uma estação de metrô, em Pequim, na China Mark Schiefelbein/AP

– O Prefeito de Milão admite: nosso erro foi pedir para as pessoas continuarem a rotina, sem entender a virulência do Novo Coronavírus

Milão admite: pedir para as pessoas não ficarem em casa foi o grande erro, motivando a disseminação do Coronavírus e as milhares de mortes na cidade.

As palavras são do próprio prefeito, Giuseppe Sala. Abaixo:

(Extraído de: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2020/03/26/interna_mundo,840540/erramos-um-mes-apos-campanha-para-nao-parar-milao-tem-4-4-mil-mort.shtml)

“ERRAMOS”: UM MÊS APÓS CAMPANHA PARA NÃO PARAR, MILÃO TEM 4,4 MIL MORTOS

Prefeito de Milão admite que campanha #MilãoNãoPara foi um erro: “Ninguém ainda havia entendido a virulência do vírus”

Por Luiz Henrique Campos*/Estado de Minas

O prefeito de Milão, Giuseppe Sala, reconheceu, nesta quinta-feira (26/3), que errou ao apoiar a campanha “Milão não para”, que, lançada há exatamente um mês, estimulou os moradores da cidade a continuar as atividades econômicas e sociais, mesmo com a pandemia do novo coronavírus.

No início da divulgação da hashtag na internet, em 26 de fevereiro, a Lombardia, região setentrional da Itália, tinha 258 pessoas infectadas pelo vírus, e o país inteiro contabilizava 12 mortes.

Hoje, Milão é a província da Itália mais atingida pela Covid-19, registrando 32.346 casos de pessoas contaminadas e 4.474 óbitos, de acordo com balanço da Defesa Civil divulgado nesta quinta-feira, 26 de março. Em termos quantitativos, a cidade abriga 40,1% da população italiana acometida pela doença, representando 54,4% das mortes no país.

“Muitos se referem àquele vídeo que circulava com o título #MilãoNãoPara. Eram 27 de fevereiro, o vídeo estava explodindo nas redes, e todos o divulgaram, inclusive eu. Certo ou errado? Provavelmente errado”, reconheceu Giuseppe Sala, em entrevista a uma emissora italiana. “Ninguém ainda havia entendido a virulência do vírus, e aquele era o espírito. Trabalho sete dias por semana para fazer minha parte, e aceito as críticas”, afirmou.

Catedral de Milão é reaberta apesar da ameaça do novo coronavírus ...

– Em prece, todos juntos com o Papa Francisco suplicando a Deus pelos que sofrem com o Coronavírus!

Tomar todas as providências sanitárias, prevenir-se, manter-se em resguardo e… REZAR!

Hoje, às 8h00 (horário de Brasília), não nos esqueçamos de um jeito uníssono levar a Deus nossas orações!

Abaixo:

– O desenho que representa o atual momento de Quarentena e reflexões comerciais / sociais trazidas pelo Novo Coronavírus.

Não é perfeita tal representação: enclausurados em meio ao vasto mundo, mas por necessidade momentânea? Nesta imensidão do nosso planeta, protegendo-nos em nossa casa da pandemia do Novo Coronavírus.

Eu sei que a Economia desandará. Todos nós temos ciência da recessão vindoura (afinal, quem agüenta tanto tempo paralisado…). Mais do que nunca, como PME, sempre senti as dificuldades do dia-a-dia dos negócios, especialmente em manter salários em dia e impostos pagos – dificultado agora por estar sem receitas.

Mas o que fazer?

Sair do isolamento e continuar a rotina normalmente, e assim tornarmo-nos agentes retransmissores de Covid_19, mesmo sendo adultos assintomáticos? Não é justo, é egoísmo mundano e desprezo aos mais idosos e enfermos de doenças respiratórias.

Os Governos (Federal, Estadual e Municipal) precisam resguardar as empresas, diminuindo impostos e abonando taxas (um exemplo: a renovação anual do Alvará – que aqui em Jundiaí, no primeiro ano da gestão atual, através do Secretário de Finanças, o sr Parimoschi, elevou às alturas sem dó nem piedade com uma canetadaestamos em ano eleitoral, não nos esqueçamos dessa MALDADE). Salvaguardar o Comércio e a Indústria é o mínimo para não gerar desemprego.

Outro ponto difícil é o consumo responsável: ter apenas o necessário é pensar no outro, para que não falte ao próximo. Mas como proceder com isso?

Por fim: a união de forças, a não partidarização, a não politização da crise e a ação solidária são necessárias nesse momento. Claro, sem esquecer a posterior as razões nas quais se tem / teve tanta dificuldade com a Saúde Pública do Brasil (ah se os nossos governantes das ideologias mais diferentes fossem mais honestos e responsáveis… causa e consequência foram debatidas nesse texto difícil para redação e de compreensão perfeita de menos ideologizados e fanatizados em: https://wp.me/p4RTuC-pa4).

Colaboremos. Os sacrifícios são de todos e a coletividade precisa ser mais forte. Vejam na Itália, menor que nosso país em território e população, mas mais desenvolvido economicamente: quase 800 mortos SOMENTE no sábado. Some-se aos outros dias, aos outros países e principalmente: os não-contabilizados (as pessoas que não foram diagnosticadas de Covid-19, que são inúmeras, e que não entram nessa conta).

Não menospreze o mal, pois a arrogância do ato pode sucumbir aos esforços coletivos contra o inimigo invisível. O bem deve prevalecer – com paciência, resiliência e mansidão (ainda que seja difícil). E, sem tom eleitoreiro nesse momento mas relembrando a história: não caia no conto de que “é só uma marolinha ou uma gripezinha”

Resistamos. E aproveitemos o tempo em nossos lares com as pessoas que amamos, a fim de que tudo seja mais rápido.

ETReeNbWsAAoAUq

– Os Direitos da Água em seu Dia Mundial!

Sabia que durante a Eco-92 (eu me recordo de todo o esforço em realizar esse evento de discussão global do Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, em meio a onda de violência e sequestros que acontecia na época), criou-se o “Dia Mundial da Água” (em 22/03) e a carta com seus direitos?

Abaixo, extraído de: https://www.todamateria.com.br/dia-mundial-da-agua/

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DA ÁGUA

No dia 22 de março de 1992, na cidade do Rio de Janeiro, onde decorria uma Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento e Ambiente, a ONU divulgou um importante documento que destaca a importância da conservação da água.

A consciência ambiental é um dos temas relevantes apresentados na declaração. Além disso, ela aborda sobre a preservação e proteção dos recursos hídricos do planeta.

O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.” (Artigo 4 da “Declaração Universal dos Direitos da Água”)

A Declaração Universal dos Direitos da Água é dividida em dez artigos, os quais destacam:

  • Art. 1º: A água faz parte do patrimônio do planeta.
  • Art. 2º: A água é a seiva do nosso planeta, ou seja, é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano.
  • Art. 3º: Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados.
  • Art. 4º: O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos.
  • Art. 5º: A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores.
  • Art. 6º: A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.
  • Art. 7º: A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada.
  • Art. 8º: A utilização da água implica no respeito à lei.
  • Art. 9º: A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.
  • Art. 10º: O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Resultado de imagem para DIA MUNDIA DA ´AGUA