– O novo golpe no WhatsApp que não é por vírus!

Infelizmente, há pessoas que usam a inteligência para o mal. Vejam esse caso: golpistas conseguem roubar a sua conta do WhatsApp sem que você instale vírus sem saber!

Extraído de: https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2019/10/22/entenda-o-golpe-que-rouba-conta-de-whatsapp-sem-usar-virus.htm

ENTENDA O GOLPE QUE ROUBA CONTA DO WHATSAPP SEM USAR VÍRUS

Marcos Lopes, 37, não estranhou quando recebeu uma mensagem em seu celular. Ele havia acabado de publicar um anúncio na OLX, plataforma de comércio online, para vender um relógio. O que aconteceu depois disso é que foi surreal: um WhatsApp clonado e R$ 500 a menos na conta de um amigo.

O especialista financeiro caiu em um golpe que têm crescido bastante ao longo de 2019: o roubo de contas de WhatsApp a partir de números de celular expostos em anúncios na internet. E após obter a posse da conta roubada, os criminosos fingem ser a vítima e pedem dinheiro para os contatos cadastrados.

“Quando coloquei o relógio para anunciar, deu questão de segundos e recebi um WhatsApp. A mensagem tinha uma foto da OLX [com o logo], bem redigida, dizendo que para ativar o meu anúncio eu teria que enviar um código de confirmação para eles”, lembrou Lopes.

Pouco tempo depois, o profissional recebeu um SMS com um número de seis dígitos. Não pensou duas vezes e compartilhou a informação com o responsável pela falsa mensagem. Mal sabia Lopes que o código na verdade era o número de autenticação exigido pelo WhatsApp para concluir a configuração do perfil em outro celular.

“Eu nem me liguei. A partir desse momento, minha conta bloqueou”, contou. Lopes recebeu uma mensagem informando que o seu número telefônico estava sendo usado em outro aparelho, e se deu conta de que o seu perfil havia sido roubado.

A conta só foi recuperada três horas depois, após o envio de um email para o suporte da empresa detalhando o acontecido.

Nesse meio tempo, cerca de 300 pessoas receberam mensagens falsas enviadas como se fossem de Lopes. Todas com pedidos de dinheiro emprestado. Uma delas foi tão convincente que um amigo da vítima transferiu R$ 500.

Uma situação parecida aconteceu com Hugo Matta, 30. Por sorte, ele desconfiou nos primeiros segundos. Era um sábado à noite, e do outro lado da linha uma voz tranquila dizia ser funcionário do Mercado Livre.

Matta estava vendendo o seu carro e havia anunciado realmente na plataforma de comércio online. Mas o fato de a ligação ter sido às 21h de um fim de semana levantou o alerta. A recusa em fornecer os dados resultou em uma série de xingamentos por parte do falso funcionário e um estresse desnecessário. Foi por pouco.

“Fiquei meio desnorteado, sem entender. Levei um susto. Comecei a ser xingado pelo cara. Até pensei em ligar para ele de volta, mas desisti”, contou Matta.

COMO O GOLPE FUNCIONA

Infelizmente, a tentativa de golpe não se restringe à OLX e ao Mercado Livre. Ela pode ocorrer em qualquer plataforma de compra online.

Quando um vendedor vai cadastrar um anúncio, ele precisa deixar geralmente um contato telefônico. Muitas vezes é o número do celular (e do WhatsApp) que acaba ficando disponível. É nessa hora que os criminosos começam a agir.

A tentativa de roubar contas de WhatsApp pode acontecer de duas formas: um primeiro contato do criminoso com a vítima por ligação telefônica, ou por mensagens diretas no WhatsApp.

Nos dois casos, um falso representante da empresa entra em contato com o vendedor e argumenta que alguns dados precisam ser atualizados para que o anúncio permaneça ativo. Ao final, é pedido para a vítima que ela informe naquele momento os dígitos de um código SMS de verificação que ela receberá em instantes.

Em posse do código SMS recebido, o criminoso consegue ativar ali na hora a conta do WhatsApp do vendedor em seu próprio aparelho. Ao fazer isso, automaticamente o usuário deixa de ter acesso às suas conversas.

Enquanto a vítima não recupera sua conta, o criminoso dispara mensagens para os contatos registrados pedindo dinheiro emprestado e se fazendo passar por ela.

Classificamos este golpe como engenharia social, pois usa uma falha no sistema e as emoções da vítima. A autenticação via SMS é algo massivamente disseminada no Brasil pelos bancos e a maioria das pessoas está acostumada. Isso facilita o golpe, pois a vítima não presta atenção na mensagem completa que informa que o código é a ativação do programa de mensagens. A vítima simplesmente reage à abordagem e acaba tendo sua conta roubada
Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky

Em resposta a Tilt, a OLX não comentou o caso de Lopes. Mas reforçou que a publicação de anúncios não está condicionada ao envio de qualquer informação pessoal por telefone, WhatsApp, SMS e redes sociais.

Atualmente, a empresa permite que apenas pessoas logadas na plataforma tenham acesso ao chat de negociação. Em breve, uma validação via telefone será exigida e o usuário só conseguirá visualizar o número de telefone dos vendedores se estiver com o seu perfil conectado ao sistema.

O Mercado Livre não retornou os pedidos de posicionamento.

Como se proteger

A maior característica desse golpe é induzir as pessoas a fornecerem os códigos de ativação do WhatsApp. Por isso, a recomendação dos especialistas é: jamais compartilhe esse dado.

Desconfie se:

  • Receber ligações e mensagens de pessoas em nome dos sites de comércio online (de bancos e outras empresas também)
  • Fique ainda mais em alerta se neste contato for pedido para você instalar algum programa em seu aparelho, exigirem pagamento e/ou informações pessoais (senhas, documentos pessoais);
  • O uso de gírias, frases informais demais e erros de ortografia, no caso de mensagens de textos, também indicam que algo está errado;
  • Para aumentar a proteção, ative a verificação em duas etapas do WhatsApp (aprenda a configurar aqui). Ela funciona como uma camada a mais de segurança. Mesmo que uma pessoa obtenha o código de verificação, ela vai precisar inserir também uma senha de seis dígitos criado por você. Ou seja, só sabendo essa informação para conseguir roubar o seu perfil.

Fontes consultadas: Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, e André Munhoz, country manager da Avast.

celular-smartphone-bateria-desespero-panico-mensagem-whatsapp-1542287220896_v2_900x506

Anúncios

– Crianças e Mundo Digital!

Fico impressionado como as crianças dominam bem os equipamentos eletrônicos e sabem se virar nas redes sociais. Temo apenas os golpistas e enganadores, mas, com a ajuda dos pais, isso se torna seguro.

Porém, leio artigo da neurocientista Susan Greenfield, estudiosa doutora que profetizou:

as crianças do futuro não conseguirão discernir caras, olhares, tom de voz, já que se dedicam ao relacionamento virtual do que o pessoal”.

Claro que isso é preocupante. Mas não é apocalíptico demais? Nada do que uma boa educação familiar não possa corrigir…

imgres.jpg

– O Design Sprint do Google

As startups já conhecem esse processo, mas vale compartilhar: o método Sprint, do Google!

Abaixo, extraído de Veja, ed 2654.

FÁBRICA DE SUCESSOS

Criado por funcionários da divisão de novos negócios do Google, o método Sprint consiste numa “linhagem de montagem” para empreender – tanto dentro de uma empresa como na vida pessoal. 

Por Jennifer Ann Thomas

“EU NÃO FALHEI. Apenas encontrei 10 000 maneiras que não vão funcionar e, assim descobri qual dará certo.” A frase, que se tornaria célebre, foi proferida pelo americano Thomas Edison (1847-1931) depois de testar milhares de protótipos para conseguir desenvolver a primeira lâmpada elétrica da história, em 1879. O mesmo espírito animou, em pleno século XXI, um novo método de invenção e empreendedorismo, elaborado no Vale do Silício, polo tecnológico onde surgiram empresas como Apple, Google e Facebook. Batizada de sprint, a técnica permite testar projetos – de startups, de grandes companhias ou mesmo relacionados a carreiras individuais – em apenas cinco dias, partindo de uma ideia e chegando a um teste prático.

Tudo isso sem demandar gastos de milhões de dólares para viabilizar um plano que, no fim do processo, poderia fracassar. O roteiro do Sprint serve de pontapé inicial para todo mundo: marcas que precisam resolver problemas pontuais, empresas estabelecidas que querem lançar novas empreitadas, pessoas infelizes no trabalho que planejam montar o próprio negócio ou mesmo aqueles que pretendem trocar de profissão.

Nessa última categoria, atualmente, os exemplos se multiplicam. Segundo uma pesquisa da rede social Linkedln, a nova geração tende a mudar de emprego ao menos quatro vezes até os 32 anos de idade. Adotar o Sprint para tomar decisões pode ajudar na redescoberta profissional.

Não por acaso, a nova metodologia surgiu dentro de uma companhia reconhecida pelo seus viéis inovador, o Google. Mais especificamente, em seu braço de novos negócios, o Ventures. O sprint começou a ser desenvolvido em 2003 pelo engenheiro americano Jake Knapp. Até 2012, foi testado, na prática, no lançamento de recursos de produtos-chave da empresa – como o navegador Chrome, o serviço de e-mail Gmail e o sistema de publicidade Adwords. A partir do sucesso de aplicação nos inventos da marca, o método se difundiu pelo Vale do Silício e por outros polos de tecnologia. Já foi adotado, por exemplo, por uma concorrente direta do Google, a Mozilla, dona do navegador Firefox. Em 2016, Knapp, ao lado de outros dois colegas do Google – os designers John Zeratsky e Braden Kowitz -, publicou um livro sobre o assunto, que chegou ás listas dos mais vendidos dos Estados Unidos. No mês passado, Sprint: o método Usado no Google para testar e Aplicar novas ideias em apenas cinco dias foi publicado no Brasil pela editora Intrínseca. O sucesso nas livrarias e lojas de e-books se deve sobretudo ao fato da obra servir de guia também a quem jamais pensou em empreender e, no entanto, por motivos diversos, encontra-se de repente em una encruzilhada profissional. No livro, Knapp conta como formulou a ideia do Sprint.

Naquele ano de 2003, ele viu nascer seu primeiro filho. O engenheiro notou então que a novidade familiar fizera com que se tornasse menos produtivo no trabalho.Para retornar seu ritmo, decidiu elaborar um roteiro simples, com o qual pudesse acelerar seus afazeres profissionais. Como empreender, por meio de Ventures, de um modo mais rápido? Assim surgiu a fórmula que permite avaliar, em uma semana útil. Ideias de negócios. Contudo, foram necessários quase dez anos para Knapp aperfeiçoar o procedimento. De início, por exemplo, ele acreditava que um Sprint poderia ser feito com um time de quarenta pessoas. Entretanto, as primeiras tentativas só renderam confusões. Após uma série de testes, chegou-se á conclusão de que a coisa só funcionava quando desenvolvida por equipes pequenas – de, no máximo, sete membros.

Nesse limite, o ideal seria contar com a seguinte composição de perfis: um indivíduo chamado de “o definidor”, que tomaria as decisões finais; e seis especialistas, das áreas de finanças, marketing, contato com o consumidor, tecnologia, logística e design. Isso, claro, considerando-se que o Sprint seria realizado dentro de uma empresa de grande porte, como o Google.O sistema revelou-se prático e  eficaz Disse Knapp: “O nosso método resolve um ponto básico, porém muito difícil de realizar no dia a dia, que é o teste de protótipos. Estudantes e startups, assim como grandes empresas, podem se beneficiar dele. Numa comparação, O Sprint seria como ter a chance única de bater alguns pênaltis contra o time adversário, no primeiro tempo de uma partida de futebol, e só depois apostar em quem ganharia o jogo”.

De acordo com índice Kauffman de Empreendedorismo, que analisa o ecossistema de novos negócios nos Estados Unidos, 310 em cada 100 000 adultos americanos abrem negócios, todos meses, desde 2016. Para financiar as empreitadas, cadas uma dessas startups consegue captar, em média, 1,3 milhão de dólares em investimentos. Além disso, elas gastam em torno de 500 000 dólares mensais para manter suas operações. No entanto, a maioria, nove em cada dez, falha nos primeiros vinte meses. A perda de dinheiro relacionada ao fracasso poderia, em teoria, ser evitada caso se aplicasse o Sprint no início desses projetos; assim, talvez se descobrisse que a empreitada já nasceria fadada a falir.

Em um país em crise, como o Brasil, essa certeza pode ser ainda mais determinante para aqueles que perdem o emprego e optam por se dedicar ao próprio negócio – situação de 44% dos que abriram empresas nacionais entre 2015 e 2016. O Sprint ainda desconstrói a representação romântica que se tem dos empreendedores do ramo da tecnologia. Antes, imaginava-se um jovem nerd numa garagem, sonhando com suas invenções – o script vivido por Steve Jobs (1955-2011), que nos anos 70, criou a Apple, ao lado de Steve Wozniak, literalmente na garagem de casa, e montou ali seus primeiros computadores sem plano de negócios na cabeça.

No século XXI, esqueça essa cena, de um garoto correndo grandes riscos em prol de um projeto visionário. Hoje, o vale do Silício funciona como propõe o Sprint: uma linha padronizada de montagem de ideias; algo mais parecido com o antigo fordismo do que com a imagem de uma mente genial querendo mudar o mundo a partir de uma sacada espetacular.

Informações via Revista Veja.

– Quando as Redes Sociais cansam!

Já reparou como tem gente que escreve de maneira violenta, arrogante ou odiosa nas redes sociais? Ou que publica uma vida inexistente de beleza e felicidade?

Pra quê?

Muitos ofendem o próximo com palavrões via Twitter, coisa que pessoalmente não fariam. Outros usam do Facebook para destilar veneno por X ou Y (na política isso acontece demais). No Instagram, um mundo de belas paisagens, sorrisos e outras coisas que encantam – quando, vez ou outra, surge um idiota ameaçando você de qualquer coisa que nunca se imaginou!

Novamente: pra quê?

Parece que nesse âmbito, as Redes Sociais tornaram-se a arquibancada do século XXI, onde se permite e se pode tudo! Pensa-se que é terra de ninguém, maltrata-se por qualquer coisa, se difama por bobagem e desrespeita-se a opinião alheia.

Uma derradeira vez: pra quê?

Por muitas vezes, as Redes Sociais se tornam Antissociais, nos levando a pensar: por quê estamos inseridos nelas?

E você: por quê está? Precisa mesmo delas?

Conheço muita gente que está fora e não sente necessidade de estar. Muitas vezes, penso: vale a pena abandoná-las… mas aí você repensa sobre os contatos que tem, as atividades profissionais que possam ser exercidas através delas e pela comodidade / diversão de estar nesse mundo virtual. E desiste de sair!

Enfim: use com moderação, sem deixar que se torne um vício. Não as faça como algo obrigatório, desconfie das publicações que ali existam e cuidado com suas postagens, pois, afinal, dependendo do teor, haters podem surgir. E aí você se cansará delas.

Resultado de imagem para Redes Antissociais

– Pitana e o bom uso do VAR em Grêmio 1×1 Flamengo

Apesar de ter prestígio na FIFA e apitado uma final de Copa do Mundo, sempre achei o argentino Nestor Pitana um árbitro comum tecnicamente, embora tenha boa presença em campo (e isso já é uma ótima qualidade). Mas gostaria de ressaltar o que ele fez na semi-final da Libertadores entre o Tricolor Gaúcho e o Mengão: usou muito bem o VAR!

No começo do jogo, em um lance de mão desproposital, não precisou de orientação do árbitro de vídeo e/ou de ouvir sugestão do VAR. Interpretou corretamente e não perdeu tempo indo ao monitor. Chamou a responsabilidade da interpretação para ele. Ótimo! Aqui no Brasil, em qualquer lance se faz uso do equipamento, vulgarizando o uso da ferramenta e atrapalhando a dinâmica da partida.

Em que pese eu entenda que Michel deveria ter sido expulso (ao invés de ter recebido o Cartão Amarelo), em todos os outros lances o VAR foi bem utilizado, anulando corretamente os gols.

É isso que o futebol precisa: uso CONSCIENTE do VAR e somente quando existir a necessidade. Nada em fazer do árbitro de vídeo ser o protagonista do jogo.

gremio-x-flamengo

– As voltas que o mundo da bola dá: o desenvolvimento do VAR.

Achei, por acaso, essa publicação de 5 anos atrás, onde o atual Diretor de Desenvolvimento do Árbitro de Vídeo da CBF fala sobre a “não ideal solução” do que viria a ser o VAR. Foi ao Sportv, e o link está em: https://wp.me/p4RTuC-1w.

Claro que qualquer um de nós pode mudar de opinião. A experiência / amadurecimento e o aprendizado mostram isso. Mas… não é um pouco irônico?

Quando foi dado esse “start” para que a ideia pífia se tornasse genial para ele? Quando mudou-se de cargo?

PROFISSIONALISMO E TECNOLOGIA REPUDIADOS PELO CHEFE DOS ÁRBITROS DA CBF

É de se lamentar a declaração do Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF Sérgio Correa da Silva à Sportv durante a semana, depois do infeliz episódio sobre a orientação equivocada de bola na mão, cuja “orelha foi puxada” pela FIFA.

Em tom de desabafo (e até mesmo de arrogância), falando sobre as condições dos árbitros do Brasil, criticou a Profissionalização, reclamando que se fossem profissionais,

não poderia mandar o sujeito que errar embora”.

Cômodo, não? Vejam alguns árbitros que há ANOS fazem lambanças folclóricas e ainda assim continuam nas escalas (e não são profissionais). Um árbitro profissional, que a grosso modo seria um membro FIFA, de elite e de excelência, caso errasse em um jogo importante, teria demissão sumária? Claro que não. Há alguns que apitam muito bem e nunca chegam a elite, sumindo aos poucos do quadro de árbitros. E há outros que começam a apitar no Maracanã e nunca se firmam, mas a bolinha é incansavelmente sorteada.

Pior é o discurso para a não utilização dos sistemas tecnológicos no futebol. Declarou Sérgio que:

“Vai acabar com a discussão e o futebol vai ficar muito chato. Vai tornar o futebol mais justo, mas vai perder a graça.”

Meu Deus! Se falamos cada vez mais em legitimar os resultados dentro de campo, e a tecnologia de ponta nos permite isso, por que rumar contra a maré?

Isso é um verdadeiro 7×1 do apito no futebol…

bomba.jpg

– Medicina do futuro? O gene CCR5 suprimido dará imunidade ao HIV?

Parece filme de ficção científica, mas não é: na China, editou-se um gene chamado CCR5 para que a criança nascesse imune ao vírus da Aids. Entretanto, é o mesmo gene que ajuda a regulação da memória, fato que pode / poderia trazer danos cerebrais. 

Na experiência (abaixo), nasceram duas meninas! Compartilho, extraído de: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2018/11/26/cientista-chines-alega-ter-criado-primeiros-bebes-geneticamente-editados.ghtml

CIENTISTA CHINÊS ALEGA TER CRIADO PRIMEIROS BEBÊS GENETICAMENTE EDITADOS

A pesquisa, no entanto, não foi publicada em jornais científicos. Alguns cientistas que revisaram os materiais dizem não ser possível afirmar que os genes foram editados. O objetivo era tornar os bebês imunes à infecção por HIV.

Um pesquisador chinês diz ter ajudado a criar os primeiros bebês geneticamente editados do mundo. São meninas gêmeas – Lulu e Nana – nascidas neste mês, cujo DNA ele afirma ter alterado com uma nova ferramenta capaz de reescrever o projeto da vida. A descoberta foi revelada à agência de notícias americana Associated Press (AP) com exclusividade.

Se for verdade, seria um profundo salto de ciência e ética.

O pesquisador, He Jiankui, de Shenzhen, disse que alterou os embriões para sete casais durante os tratamentos de fertilidade, com uma gravidez resultante até agora. Ele disse que seu objetivo não é curar ou prevenir uma doença hereditária, mas tentar dar uma característica que poucas pessoas têm naturalmente – uma capacidade de resistir a uma possível infecção futura pelo HIV, o vírus da Aids.

Ele disse que os pais envolvidos não quiseram ser identificados ou entrevistados, e não disse onde eles moram ou onde o trabalho foi feito. Segundo a AP, o cientista é especialista em física e não tem experiência com experimentos humanos.

Não há confirmação independente da reivindicação de He, e ela não foi publicada em um periódico, onde seria examinada por outros especialistas. Ele fez a revelação nesta segunda-feira (26) em Hong Kong a um dos organizadores de uma conferência internacional sobre edição de genes que deve começar na terça-feira e, mais cedo, em entrevistas exclusivas com a Associated Press.

“Sinto uma forte responsabilidade de não apenas fazer uma primeira [pesquisa], mas também torná-la um exemplo. A sociedade decidirá o que fazer a seguir”, disse ele à AP, em termos de permitir ou proibir essa ciência.

Alguns cientistas ficaram espantados ao ouvir a afirmação e condenaram-na com veemência. Muitos consideram que é muito perigoso tentar, e alguns denunciaram o relatório chinês como experimentação humana.

É “inconcebível… um experimento em seres humanos que não é moralmente ou eticamente defensável”, disse o Dr. Kiran Musunuru, especialista em edição de genes da Universidade da Pensilvânia e editor de uma revista de genética.

“Isso é prematuro demais”, disse o Dr. Eric Topol, diretor do Scripps Research Translational Institute, na Califórnia. “Estamos lidando com as instruções de operação de um ser humano. É um grande negócio”.

Nos últimos anos, cientistas descobriram uma maneira relativamente fácil de editar genes, os fios de DNA que governam o corpo. A ferramenta, chamada CRISPR-cas9, torna possível operar no DNA para fornecer um gene necessário ou desativar um que esteja causando problemas.

Só recentemente foi tentado em adultos para tratar doenças fatais, e as mudanças estão confinadas a essa pessoa. A edição de espermatozóides, óvulos ou embriões é diferente – as alterações podem ser herdadas. Nos EUA, não é permitido, exceto para pesquisas de laboratório. A China proíbe a clonagem humana, mas não especificamente a edição de genes.

Já George Church, geneticista da Universidade de Harvard, defendeu a edição de genes para o HIV, que ele chamou de “uma grande e crescente ameaça à saúde pública”.

“Acho que isso é justificável”, disse Church sobre esse objetivo.

Já o cientista americano Michael Deem, ex-orientador de He na Universidade Rice, em Houston, afirma ter participado do trabalho na China. Esse tipo de edição genética é proibido nos Estados Unidos, porque as mudanças no DNA podem passar para as futuras gerações e prejudicar outros genes. Deem detém o que chamou de “uma pequena participação” e está nos conselhos consultivos científicos de duas das empresas de He.

O pesquisador chinês estudou nas universidades Rice e Stanford nos EUA antes de retornar à sua terra natal para abrir um laboratório na Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China, em Shenzhen, onde ele também tem duas empresas de genética. Ele afirmou que praticava a modificação genética de ratos, macacos e embriões humanos no laboratório há vários anos e solicitou patentes sobre seus métodos.

He disse que escolheu a edição genética de embriões para o HIV porque essas infecções são um grande problema na China. Ele tentou desativar um gene chamado CCR5, que forma uma porta protéica que permite que o HIV, o vírus que causa a Aids, entre em uma célula.

No projeto, todos os homens tinham HIV, enquanto nenhuma das mulheres tinha sido infectada pelo vírus. Os pais tiveram suas infecções profundamente suprimidas por medicamentos contra o HIV. A edição genética não visava, no entanto, a evitar o pequeno risco de transmissão, de acordo com o cientista, pois existem maneiras simples de evitar que os pais infectem os filhos, sem envolver a alteração de genes.

Em vez disso, o apelo era oferecer aos casais afetados pelo HIV a chance de ter um filho que pudesse ser protegido de um destino semelhante.

Ele recrutou casais através de um grupo de defesa da AIDS baseado em Pequim chamado Baihualin. Seu líder, conhecido pelo pseudônimo “Bai Hua”, disse à AP que não é incomum que pessoas com HIV percam empregos ou tenham problemas para obter assistência médica se as infecções forem reveladas.

He descreveu o trabalho da seguinte forma:

A edição genética ocorreu durante a fertilização in vitro, ou fertilização em laboratório. Primeiro, o esperma foi “lavado” para separá-lo do sêmen, o fluido onde o HIV pode se esconder. Um único espermatozóide foi colocado em um único ovo para criar um embrião. Então, a ferramenta de edição genética foi adicionada.

Quando os embriões tinham três a cinco dias de idade, algumas células foram removidas e verificadas para edição.

Os casais puderam optar por usar embriões editados ou não para tentativas de gravidez. Ao todo, 16 dos 22 embriões foram editados, e 11 embriões foram usados ​​em seis tentativas de implante antes que a gravidez de gêmeos fosse alcançada, segundo He.

Testes sugerem que uma das gêmeas teve ambas as cópias do gene alteradas, enquanto a outra gêmea teve apenas um – sem evidência de danos a outros genes, disse o pesquisador chinês. As pessoas com uma cópia do gene ainda podem contrair o HIV, embora algumas pesquisas muito limitadas sugiram que sua saúde pode declinar mais lentamente depois disso.

Vários cientistas revisaram materiais que He forneceu à AP e disseram que os testes até agora são insuficientes para dizer que a edição funcionou ou para descartar o dano. Eles também notaram evidências de que a edição estava incompleta e que pelo menos um dos gêmeos parece ser uma colcha de retalhos de células com várias mudanças.

“É quase como não editar nada”, se apenas algumas células foram alteradas, porque a infecção pelo HIV ainda pode ocorrer, disse Church.

Church e Musunuru questionaram a decisão de permitir que um dos embriões fosse usado em uma tentativa de gravidez, porque os pesquisadores chineses disseram que sabiam de antemão que ambas as cópias do gene desejado não haviam sido alteradas.

“Naquela criança, quase não havia nada a ser ganho em termos de proteção contra o HIV e, no entanto, você está expondo essa criança a todos os riscos de segurança desconhecidos”, disse Musunuru.

O uso desse embrião sugere que a “ênfase principal dos pesquisadores foi em testar a edição, em vez de evitar esta doença”, disse Church.

Mesmo que a edição funcionasse perfeitamente, pessoas sem genes CCR5 normais enfrentam riscos mais altos de contrair certos vírus, como o Nilo Ocidental, e de morrer de gripe. Como existem muitas maneiras de prevenir a infecção pelo HIV, e é muito tratável se ocorrer, esses outros riscos médicos são uma preocupação, disse Musunuru.

Há também perguntas sobre a maneira como o cientista disse que procedeu. He fez o anúncio oficial de seu trabalho muito depois de ter dito que começou – em 8 de novembro, em um registro chinês de ensaios clínicos.

Não está claro, também, se os participantes entenderam completamente o propósito e os riscos e benefícios potenciais. Por exemplo, formulários de consentimento chamaram o projeto de um programa de “desenvolvimento de vacinas contra a Aids”.

O cientista da Rice, Deem, disse que ele estava na China quando os potenciais participantes deram seu consentimento e que ele “absolutamente” acha que eles foram capazes de entender os riscos. Ele afirma que trabalhou com He na pesquisa de vacinas em Rice e considera a edição de genes semelhante a uma vacina.

“Isso pode ser uma maneira leiga de descrevê-lo”, disse ele. Deem também é especialista em física e não tem experiência com experimentos em humanos.

O cientista chinês, He, disse que ele pessoalmente deixou claro os objetivos e disse aos participantes que a edição de genes de embriões nunca foi tentada antes e traz riscos. Ele disse que também forneceria cobertura de seguro para todas as crianças concebidas através do projeto e planejaria acompanhamento médico até as crianças terem 18 anos ou mais, se elas concordarem quando se tornarem maiores de idade.

Outras tentativas de gravidez estão suspensas até que a segurança desta seja analisada e os especialistas na área o analisem. Os participantes não foram, no entanto, avisados ​​com antecedência de que poderiam não ter a chance de tentar engravidar uma vez que o primeiro resultado tivesse sido alcançado, reconheceu He. O tratamento gratuito para fertilidade fazia parte do acordo que lhes foi oferecido.

He buscou e recebeu aprovação para seu projeto do Hospital de Mulheres e Crianças Shenzhen Harmonicare, que não é um dos quatro hospitais que He disse que forneceu embriões para suas pesquisas ou tentativas de gravidez.

Alguns funcionários em alguns dos outros hospitais foram mantidos no escuro sobre a natureza da pesquisa. He e Deem disseram que isso foi feito para impedir que a infecção pelo HIV de alguns participantes fosse divulgada.

“Achamos que isso é ético”, disse Lin Zhitong, um administrador da Harmonicare que lidera o painel de ética.

Todas as equipes médicas que lidaram com amostras possivelmente contaminadas com HIV estavam cientes, disse ele. Um embriologista no laboratório de He, Qin Jinzhou, confirmou à AP que fez lavagem de esperma e injetou a ferramenta de edição de genes em algumas tentativas de gravidez.

Os participantes do estudo não são especialistas em ética, disse He, mas “têm tanta autoridade quanto um sobre o que é correto e o que é errado, porque é a sua vida em risco”.

“Eu acredito que isso vai ajudar as famílias e seus filhos”, disse ele. Se causar efeitos colaterais indesejados ou prejudicar, “eu sentiria a mesma dor que eles e será minha responsabilidade”.

O cientista chinês scientist He Jiankui afirma ter ajudado a criar os primeiros bebês geneticamente modificados no mundo. — Foto: Mark Schiefelbein (AP)

– Os Drones que poderão fiscalizar as Rodovias. Realidade ou Fake?

É Fake News, mas poderia ser real com os avanços tecnológicos!

Bombou na Internet há dois anos o vídeo onde um drone consegue captar nas rodovias paulistas os motoristas que falam ao celular, dirigem com o braço para fora e cometem outras infrações. 

Muitos ficaram assustados. Mas, verdade ou mentira, independente o que seja, para o bom motorista nunca haverá problemas. Certo?

Assista abaixo: ​

– Estudantes Universitários têm grande queda de desempenho por culpa do celular em sala de aula, diz FGV

Não é um estudo qualquer feito por entidade duvidosa: a Fundação Getúlio Vargas fez um árduo trabalho para mensurar o quanto caem de rendimento os alunos que usam o telefone celular durante as aulas. E o resultado tem muito impacto negativo…

Abaixo, extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2018/09/uso-de-celular-em-sala-de-aula-dobra-efeito-negativo-nas-notas-aponta-estudo.shtml?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=twfolha

USO DE CELULAR EM SALA DE AULA DOBRA EFEITO NEGATIVO NAS NOTAS, APONTA ESTUDO

Pesquisa da FGV mediu impacto da utilização em excesso dos aparelhos

uso excessivo de telefones celulares tem prejudicado o desempenho acadêmico de estudantes universitários brasileiros sem que eles percebam, já que a maioria tende a subestimar o tempo que dedica, diariamente, a seus aparelhos.

Essas conclusões são de uma pesquisa feita com alunos da FGV (Fundação Getulio Vargas) de São Paulo e publicada recentemente pela “Computers & Education”, revista especializada britânica.

A piora na aprendizagem associada à utilização intensa de smartphones leva a uma queda significativa dos alunos em um ranking que a FGV elabora para classificá-los —considerando suas notas, mas também fatores como o grau de dificuldade das provas.

Cada cem minutos diários dedicados ao celular fazem com que um estudante recue 6,3 pontos na escala, que vai de 0 a 100. Segundo os pesquisadores Daniel Darghan Felisoni e Alexandra Strommer Godoi, isso pode ser suficiente para tirá-los da lista dos 5% melhores da turma, impedir que alcancem pontuação para cursar determinadas eletivas ou prejudicá-los em avaliação dos critérios para obtenção e manutenção de bolsa de estudos.

uso de smartphones no horário das aulas é ainda mais nocivo: faz com que a queda de desempenho quase dobre. Ou seja, se os cem minutos forem concentrados no período em que os alunos deveriam prestar atenção nas aulas ou em rotinas da universidade, o recuo no ranking vai para cerca de 12 pontos.

O problema é agravado pelo fato de que o tempo dedicado aos aparelhos é alto e bem maior do que a maioria estima. Em média, os participantes do estudo passaram quase quatro horas por dia (230 minutos) mexendo em seus celulares, 48,5% a mais do que eles disseram imaginar.

Entre os 43 alunos acompanhados, o que ficou mais tempo no celular gastou 6,5 horas diárias no aparelho, e a menor marca foi de 38 minutos.

O resultado surpreendeu Daniel, que estudava o tema para seu trabalho de conclusão da graduação na FGV, e Alexandra, professora que o orientava. “Eu mesma testei o tempo que passava no celular na época e foi o dobro do que imaginava”, diz Alexandra.

Para Daniel, a surpresa maior veio com a mensuração do impacto do celular sobre a aprendizagem dos alunos. A hipótese dele era que, acostumados desde cedo com a tecnologia, os jovens tinham capacidade de realizar tarefas concomitantes sem prejudicar sua capacidade cognitiva.

“Percebia que o uso do celular nos deixava momentaneamente ausentes, mas que o conteúdo perdido poderia ser recuperado em seguida com a volta da atenção”, diz Daniel.

Não foi o que ele e Alexandra descobriram ao analisar os resultados do experimento, que monitorou 43 alunos de administração de empresas por 14 dias consecutivos, em abril de 2016. O grupo aceitou instalar nos seus celulares aplicativos que medem o tempo gasto trocando mensagens, navegando em redes sociais, fazendo pesquisas e ligações.

Um desafio em pesquisas assim é garantir que o efeito que se busca mensurar seja consequência da hipótese levantada e não de outros fatores. Nesse caso, era preciso eliminar o risco de que as diferenças de desempenho fossem causadas por habilidades e conhecimentos acumulados pelos alunos anteriormente.

O impacto dessas aptidões foi, então, descontado com base nos resultados do vestibular e em um questionário utilizado internacionalmente sobre seu autocontrole (capacidade de se organizar, concentrar, realizar tarefas etc). A partir daí, eles estimaram o desempenho esperado dos alunos e os compararam com os resultados que eles, de fato, alcançaram.

Concluíram que o uso do celular é capaz de alterar a rota esperada. Sua utilização por cem minutos diários é suficiente para fazer com que um aluno ou aluna que tenha se classificado em 5º lugar no vestibular atinja na faculdade o desempenho esperado daquele que ficou em 100º.

“Essa queda na pontuação pode ter consequências graves para o estudante, afetando até sua vida profissional, já que as vagas para cursar determinadas disciplinas preparatórias para o mercado de trabalho são preenchidas conforme a posição no ranking da faculdade”, diz Daniel.

“O ideal seria repetir o experimento, expandindo-o para um grupo mais diverso, mas, estaticamente, nossos resultados se mostraram significativos”, afirma Alexandra.

PROIBIÇÃO EM ESCOLAS FRANCESAS DEU NOVO IMPULSO AO DEBATE

O debate sobre celulares na educação tem ganhado fôlego. Em julho, o governo da França proibiu a utilização dos telefones em escolas. No Reino Unido, algumas escolas tomaram a mesma decisão. 

No Brasil, não há uma regra única. Em 2017, o Governo do Estado de São Paulo liberou o uso dentro de sala de aula sob supervisão (leia abaixo).

“Acho importante que o tema seja discutido porque o que notamos é que o efeito da distração é inconsciente e significativo”, diz Alexandra.

Um trabalho recente feito por quatro pesquisadores de universidades norte-americanas e publicado por um periódico da Universidade de Chicago com 800 usuários de smartphones concluiu que a proximidade física do celular reduz tanto a memória quanto a fluidez de ideias, provocando uma espécie de drenagem de recursos do cérebro (“brain drain”, em inglês). 

Segundo os pesquisadores, mesmo quando os participantes conseguiam evitar mexer ou pensar nos seus celulares, a simples presença dos aparelhos diminuía sua atenção. 

Táticas como deixar o aparelho com a tela para baixo ou silenciar as notificações não foram suficientes. A única estratégia eficaz foi a separação física do celular. 

“Não tenho dúvida de que o celular atrapalha os estudos. Tenho notado piora na minha concentração, perda de memória e me sinto mais cansado”. O relato é de Renan Baleeiro Costa, 20, estudante de direito da USP. “Existe o lado positivo. Em um instante, tenho acesso a textos acadêmicos, leis. Mas, quando uso o celular em excesso, me sinto menos produtivo”, completa.

Outro estudo de acadêmicos turcos, recém-publicado na revista “Computers in Human Behavior”, apontou efeitos negativos sobre o desempenho escolar. No artigo, os autores concluem que a tecnologia pode ser positiva para a aprendizagem, mas ressaltam que os alunos não parecem estar usando os recursos disponíveis de forma benéfica à aprendizagem e que devem ser melhor orientados.

Resultado de imagem para telefone celular em sala de aula

– “Compensando” mesmo com VAR? Sobre Corinthians 2×1 Bahia.

Sejamos justos: o VAR veio para melhorar o futebol mundial, mas no Brasil é mal usado demais.

Na Arena Itaquera, em Corinthians 2×1 Bahia, tivemos péssima utilização do árbitro de vídeo Wagner Reway, corroborado pelo FIFA Dewson Freitas. O pênalti ao Bahia cometido por Ralf não foi marcado; logo após, em lance de Claysson que nada fez, veio a “marcação por compensação”. Em linguagem popular, significa quando se dá um pênalti que não foi para compensar o que não deu e foi.

Não creio que foi isso que aconteceu, acredito na incompetênciaComo errar em lances claros mesmo com a revisão no vídeo? E reforce-se: não é culpa do equipamento eletrônico, é de quem opera!

Uma pena, estão lutando pela desmoralização da tecnologia no futebol.

Resultado de imagem para Corinthians x Bahia

 

– Quem é o consumidor que vai gastar de verdade?

Quem é o consumidor que realmente vai gastar as riquezas da Economia Global? Os Boomers, a Geração X ou os Millenials?

Muito bacana o artigo que compartilho abaixo, extraído de: https://www.istoedinheiro.com.br/consumidor-conectado-exigente-e-ansioso/

CONSUMIDOR CONECTADO, EXIGENTE E ANSIOSO

por Cecília Andreucci

Altamente digitalizado, pressionado por uma montanha de informações, consumidor desconfia das organizações e da propaganda

Não há mais como falar de consumo sem falar de tecnologia – aliás poucas coisas hoje escapam desta proposição. Nós, brasileiros, somos os mais ávidos por novas tecnologias, inovação e por consumir toneladas de informação disponibilizadas na rede (mesmo ficando ansiosos com tudo isso). O uso de smartphones disparou e nos colocou como uma das nações mais digitalizadas. Somos prodígios nas redes sociais, mas nos preocupamos muito com a possibilidade de nossos dados serem hackeados. E há razões concretas para essa preocupação. Especialistas concordam que não é uma questão de “se” os sistemas de informação serão atacados, mas “quando” e em “qual” proporção. Ninguém está protegido.

Essas informações foram reforçadas pelo presidente global para consumo e varejo de uma grande consultoria internacional em evento recente. Ele apresentou o resultado de uma ampla pesquisa sobre as profundas mudanças nas motivações, atitudes e expectativas do consumidor nesse século, realizada em oito países, dentre eles o Brasil.

O resultado de cada país retrata, naturalmente, seu momento social, econômico e político, mas seguem muitas tendências globais, dentre elas o protagonismo da internet como fonte de informação, a preocupação crescente com a segurança de dados pessoais, a expectativa por qualidade e conveniência, e experiências mais intuitivas e personalizadas.

Outro aspecto pesquisado foi a confiança nas instituições, que atinge 47%. As menos confiáveis são organizações governamentais e as de propaganda – 37% e 26%, respectivamente. Essa última poderia também ser explicada por uma sociedade cada vez mais letrada na disciplina, que nunca desconfiou tanto da comunicação publicitária. Bancos e empresas de saúde gozam o mais alto nível de confiança, ainda que não seja tão alto assim (aproximadamente 60%). No Brasil, saímos fora da curva, abaixo da média, em instituições governamentais, energia e serviços de utilidade pública. Fácil de entender. E confiamos mais nas empresas de tecnologia que os demais países, talvez porque façamos muito uso delas.

E, resultado dos nossos últimos anos complicados, desenvolvemos uma cultura de barganha, passamos por um down trade, procurando produtos com melhor custo-benefício. Com isso, baixamos nosso padrão de consumo. Também reportamos o mais alto nível de preocupação com a aposentadoria (em termos financeiros). E vemos como principal indulgência na vida, a boa comida, o que é bastante frugal.

Outra perspectiva interessante da apresentação tratou da nova demografia etária do planeta e suas peculiaridades em termos de motivação, atenção, conexão, uso do tempo e gastos. Apesar de os Boomers (pessoas nascidas entre anos 40 e meados dos anos 60) terem acumulado muita riqueza, é a geração seguinte, a X, que deve herdá-la e gastá-la. Estima-se que um trilhão de dólares. Geralmente negligenciada pelas estratégias de marketing, é apelidada de geração-sanduíche ou geração-esquecida. A primeira a cuidar de seus pais e de seus filhos simultaneamente, sofre mais pressões por recursos e tempo. Apesar de terem nascidos antes da internet, são bastante digitalizados. Produtos e serviços devem refletir essa realidade.

Dentro da mesma casa que vive um “X”, há uma grande chance de viver um Millennial (nascido entre 1980 e 1999) e um “Z” (nascido depois de 2000). As nativas digitais cresceram na era da explosão das tecnologias de computação e de comunicação. Para a “Z” tudo ocorre, porém, numa dimensão e velocidade mais acentuadas. Se os Millennials queriam conhecer todas as possibilidades digitais, a geração “Z” chegou para fazer a curadoria, criar, projetar e mixar todas as mídias, conteúdos e experiências. Com baixíssima concentração, demandam que sejam seduzidos em segundos, ou outro estímulo vai atraí-los rapidamente.

Nessa casa hipotética, todos seguem se influenciando mutuamente, diariamente.

Não é fácil para a liderança das organizações capturar as necessidades destes grupos. Especialmente porque, como eu, muitos são da geração X, os imigrantes digitais. Para além das pesquisas e consultorias, que contribuem muito, aqueles que convivem de perto com as três outras gerações que habitam o planeta devem ter maior chance de sucesso.

(*) Cecília Andreucci é conselheira de administração, mercadologista e doutora em comunicação.

Consumidor conectado, exigente e ansioso

– O que acontece com o VAR no Brasil?

Publicado originalmente em 12/08/2019, mas serve para hoje:

O 7X1 DO VAR

Amigos… fico até constrangido em escrever, mas assistiram o SHOW (com letras maiúsculas mesmo) do uso do árbitro de vídeo na 1a rodada da Premier League?

Fiquei envergonhado ao constatar que lá o protocolo de “menor interferência e máximo acerto” está muito além do que as lambanças do Brasil (e olha que estamos falando da rodada inicial apenas). Cadê o discurso de adaptação, tempo para melhorar e aperfeiçoar, etc (que estamos ouvindo há tempos aqui)? Lá, o VAR, em caso de lance explícito irregular em pênalti, sugere que o árbitro reveja (ele não marca nada e nem interfere em lances interpretativos – que é o correto). No Brasileirão, o árbitro de vídeo despreza a decisão de campo, PROCURA achar algum pênalti e acaba influenciando diretamente na questão interpretativa.

A impressão é que o VAR à brasileira quer aparecer e apitar, se tornando mais importante do que o árbitro central. E que faz questão de “caçar” irregularidades. Sem contar que na Inglaterra o momento do VAR se tornou um espetáculo ao mostrar em telões os procedimentos, prometendo liberar, inclusive, o áudio!

Nada de parar o jogo e usar o VAR a qualquer instante, vulgarizando-o. Quem assistiu Palmeiras 2×2 Bahia entende bem essa situação… Aliás, recordando: na terra da Rainha, temos apenas 3 pessoas compondo o VAR. Aqui, chega-se a 9 dependendo do jogo (mas nunca menos de 5). Por quê Gaciba (chefe da arbitragem), Sérgio Correa da Silva (chefe do VAR) e Coronel Marinho (chefe de revelação dos novos talentos) são tão prestigiados por Caboclo (como eram por Del Nero, os dois últimos; idem por Teixeira)?

(convido aos amigos um complemento desse assunto em: https://wp.me/p55Mu0-2eh)

Premier League: VAR makes first major decision as Gabriel Jesus goal overturned

– Pessoas Eletrossensíveis e o Mundo da Tecnologia

Muito se tem falado e questionado sobre consequências ruins de ondas de celular ou equipamentos eletrônicos na saúde dos usuários. Mas sabia que se os estudos não comprovam ou desaprovam os resultados, há os que comprovadamente mostram pessoas eletrossensíveis?

Extraído de: http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/coluna/380180_OS+ELETROSSENSIVEIS

OS ELETROSSENSÍVEIS

Por Mônica Tarantino

As informacões que você lerá a seguir foram extraídas da matéria que eu escrevi para a edição de ISTO__É que circula esta semana. Mas fiquei tão impressionada com a condição dessas pessoas eletrossensíveis (EHS é a sigla em inglês para designá-los) aos efeitos das ondas eletromagnéticas emitidas por torres de transmissão elétrica, antenas de televisão, celulares e Wi-Fi que decidi retomar o assunto aqui no blog. Há diversas organizações voltadas para o reconhecimento dessa condição como uma doença e para garantir a criação de locais limpos de ondas eletromagnéticas, as chamadas zonas brancas, para abrigar quem se descobre atingido pela EHS. 

Em geral, as pessoas afetadas precisam deixar suas casas e recolher-se por um algum tempo em áreas preservadas de ondas eletromagnéticas para se “desintoxicarem” dos efeitos da exposição. Você pode imaginar professores de tecnologia da informação, neurologistas, sociólogos e crianças deixando as cidades para viver em cavernas ou em vilas e abrigos projetados para bloquear ondas eletromagnéticas? Pois eles são cada vez mais numerosos. Quando expostos a campos de radiação eletromagnética, apresentam sintomas como dores de cabeça e no corpo, fadiga, estresse, distúrbios do sono. Seja qual for a sua causa, os sintomas de EHS são reais e, por vezes, incapacitantes. 

No mundo, portadores de EHS se mobilizam para que a condição seja declarada uma doença. Na semana passada, muitos se reuniram em uma zona criada para  eles na região de Saint-Julien-En-Beuchene, nos Alpes franceses. É uma área livre de antenas de telefonia e distante de linhas de transmissão de energia elétrica. Até aparelhos eletrodomésticos são evitados e as pessoas deixam o celular na entrada. 

Sob um toldo protetor, membros dessa comunidade e líderes como Phillipe Tribaudeau, da ONG Une Terre pour Les EHS, fizeram um balanço das conquistas e desafios. Há 15 dias, a Comissão de Deficientes de Essonne, na França, concedeu, pela primeira vez, ajuda financeira permanente a um indivíduo com diagnóstico de eletro-hipersensibilidade. Antes, outros haviam obtido auxílio para comprar equipamentos de proteção, como medidores de ondas eletromagnéticas. Na prática, a vulnerabilidade de cada indivíduo com EHS é variável. Vai desde quem é gravemente afetado pela exposição, como Triauadou, que precisou se mudar para uma caverna, até uma alergia por causa da proximidade com computadores ou linhas de energia. 

A medicina considera o tema controverso. Há quem julgue o conjunto de dados suficiente para caracterizar a doença, enquanto outros especialistas acreditam que os sintomas se misturam aos de outras patologias, como a intoxicação por metais pesados. Entre os estudos em andamento, um deles está sendo realizado pelas autoridades de saúde francesas e tem resultados previstos para 2015. Mas há países que já tomaram medidas com base nas evidências científicas disponíveis. Na Suécia, a hipersensibilidade elétrica é reconhecida como um comprometimento funcional. “Existem cerca de 250 mil suecos com essa deficiência”, disse à ISTOÉ o cientista Olle Johansson, do Instituto Karolinska, em Estocolmo. “Essas pessoas merecem respeito e tratamento. Jamais discriminação”, diz. Lá, a associação para hipersensíveis recebe subsídio governamental. Na Espanha, Alemanha e EUA o problema é classificado como deficiência. No Brasil, pesquisas são feitas na Universidade Federal de Minas Gerais.

Na América Latina, um caso grave é o do psiquiatra e neurologista colombiano Carlos Sosa. “Fui diagnosticado em 2006 e precisei mudar radicalmente de vida”, disse à ISTOÉ. Aos 47 anos, vive sozinho nos arredores de Medellín em uma casa na qual possui algo que chama de gaiola de Faraday, para se proteger das ondas eletromagnéticas. Sosa suporta cerca de 20 minutos de conversa pelo telefone ou computador até que apareçam sintomas como dores de cabeça e náusea. Em 2006, saiu de sua casa porque percebeu que a origem do mal-estar intenso que sentia havia três anos era a proximidade com uma antena de micro-ondas/Internet e Wi-Fi (sem fios). “Precisei me mudar quando a cidade em que vivia foi inundada por cerca de quatro mil antenas”, contou.O agravamento dos sintomas o levou a parar de trabalhar, lançando-o em uma vida de dificuldades financeiras. Ele não tem ajuda alguma.“Mas os estudos provarão que essas ondas são tão perigosas para a saúde como o tabaco e o amianto”, acredita. Para o cientista sueco Johansson, as ondas eletromagnéticas não são inócuas como muitos defendem. “Precisamos investigar em profundidade os efeitos desse novo fenômeno que se expande tão rapidamente pelo mundo por meio de dispositivos móveis.”

e59c963-1-11.jpg

– Visite meu canal no YouTube!

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES, de Rafael Porcari, em vídeo?

Meu tradicional blog, numa simples versão em vlog. Conheça-o! É bem informal, feito sem muitos recursos, mas com muita coisa legal.

Ficarei grato com sua inscrição no canal e possível divulgação. 

Em: 

https://www.youtube.com/channel/UCRT3Ds8ExBZppf6iTwFTsuA

– Levamos outro 7×1 como na Copa do Mundo: agora, na versão “VAR”.

Amigos… fico até constrangido em escrever, mas assistiram o SHOW (com letras maiúsculas mesmo) do uso do árbitro de vídeo na 1a rodada da Premier League?

Fiquei envergonhado ao constatar que lá o protocolo de “menor interferência e máximo acerto” está muito além do que as lambanças do Brasil (e olha que estamos falando da rodada inicial apenas). Cadê o discurso de adaptação, tempo para melhorar e aperfeiçoar, etc (que estamos ouvindo há tempos aqui)? Lá, o VAR, em caso de lance explícito irregular em pênalti, sugere que o árbitro reveja (ele não marca nada e nem interfere em lances interpretativos – que é o correto). No Brasileirão, o árbitro de vídeo despreza a decisão de campo, PROCURA achar algum pênalti e acaba influenciando diretamente na questão interpretativa.

A impressão é que o VAR à brasileira quer aparecer e apitar, se tornando mais importante do que o árbitro central. E que faz questão de “caçar” irregularidades. Sem contar que na Inglaterra o momento do VAR se tornou um espetáculo ao mostrar em telões os procedimentos, prometendo liberar, inclusive, o áudio!

Nada de parar o jogo e usar o VAR a qualquer instante, vulgarizando-o. Quem assistiu Palmeiras 2×2 Bahia entende bem essa situação… Aliás, recordando: na terra da Rainha, temos apenas 3 pessoas compondo o VAR. Aqui, chega-se a 9 dependendo do jogo (mas nunca menos de 5).

Premier League: VAR makes first major decision as Gabriel Jesus goal overturned