– O vai e vem da conta e Luciano Hang no Twitter.

Se temos liberdade de expressão e democracia, nos é dado o direito de nos comunicarmos pelas Redes Sociais – e o dever de arcarmos com as consequências.

Digo isso pois dias atrás a contra do empresário Luciano Hang, dono da Havan, foi suspensa pelo Twitter. Ele compartilhou um vídeo do Dr José Augusto Nasser onde o médico dizia a barbaridade de que a vacina da Pfizer contra a Covid poderia desenvolver “câncer para as crianças.

Lógico, pais ficaram com medo. Mas é a opinião de um antivax, que despreza a Ciência e a maioria absoluta de outros médicos e estudos. O twitter considerou fake news e retirou a conta do ar.

Ora, eu penso que isso é censura! Se escreveu uma idiotice, as pessoas sensatas devem respirar fundo, avaliar a bobagem e desprezá-la. Mas a Rede Social chegar a esse ponto?

Eu sei que o twitter é privado e que isso é uma infração às suas regras. Ou seja: não gostou, não participa dela. Mas imagino que ao invés de apagar, deveria colocar um alerta de que há uma impressão de notícia sensacionalista, ou algo que o valha.

A verdade é: nestes tempos polêmicos, as pessoas se tornam irresponsáveis na divulgação de algumas coisas (e obviamente não deveriam). Mas me preocupa quem avalia “o que pode e o que não pode”, pois radicalismos ocorrem por vários lados.

Twitter suspende conta de Luciano Hang, dono da Havan | VEJA

Crédito da Imagem: Alan Santos/PR, extraído de: https://veja.abril.com.br/coluna/radar/twitter-suspende-conta-de-luciano-hang-dono-da-havan/

– Discordar com Educação, pode!

Li em alguma postagem do Facebook e achei sensacional:

“Conversar com gente inteligente é muito bom. Você pode pensar diferente, discordar e não correr o risco de ficar de mal ou virar inimigo”.

No entanto… não se vê isso nas Redes Sociais!

1*oZnCIMMlyuKk_8taJaoWtw

Imagem extraída de: https://www.wattpad.com/566305110-evolu%C3%A7%C3%A3o-empatia

– China proíbe tatuagens em jogadores de futebol.

Ditadura é ditadura! 

O que dizer da China, que novamente mostra sua falta de democracia e proíbe tatuagens em jogadores de futebol?

E há quem defenda esse regime totalitário…

Extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/china-proibe-que-jogadores-de-futebol-da-selecao-facam-tatuagem/?utm_source=social&utm_medium=twitter-feed&utm_campaign=internacional-cnn-brasil&utm_content=link

CHINA PROÍBE QUE JOGADORES DE FUTEBOL UTILIZEM TATUAGENS

O país ordenou àqueles que já possuem que removessem ou cobrissem o desenho para dar um “bom exemplo para a sociedade”

A China proibiu os jogadores de futebol que jogam na seleção nacional de fazerem tatuagens, de acordo com uma diretiva emitida pela Administração Geral do Esporte da China (GAS).

O país asiático ordenou que aqueles que já possuem tatuagens devem remover ou cobrir os desenhos para “dar um bom exemplo para a sociedade”.

A diretiva, intitulada “Sugestões para fortalecer a gestão de jogadores de futebol”, estabelece requisitos disciplinares para jogadores de seleções nacionais.

“Atletas da seleção nacional e da seleção sub-23 estão estritamente proibidos de fazer novas tatuagens”, diz a diretriz, emitida na terça-feira.

“Aqueles que têm tatuagens são aconselhados a removê-las por conta própria. Em casos de circunstâncias especiais, as tatuagens devem ser cobertas durante o treinamento e competição, após o consentimento da equipe.”

A diretriz ainda informa que as seleções de escalões sub-20 estão proibidas de recrutar novos atletas com tatuagens.

Segundo comunicado do GAS, as medidas “demonstram plenamente o espírito positivo dos jogadores de futebol chineses e são um bom exemplo para a sociedade”.

A diretriz aponta que as seleções devem organizar atividades que “fortaleçam a educação patriótica” dos atletas para “aumentar o senso de missão, responsabilidade e honra, e criar uma seleção nacional capaz de vencer e lutar bem com excelente estilo de jogo”.

Esta não é a primeira vez que a China tem como alvo as tatuagens. Em 2018, o regulador de mídia da China emitiu um decreto dizendo que a televisão chinesa “não deveria apresentar atores com tatuagens”, durante uma repressão à “cultura hip hop, subcultura e cultura imoral”.

As imagens com tatuagens deveriam ser desfocadas antes de serem exibidas na TV.

Zhong Zhi / Getty Images

– 30 anos do fim da União Soviética.

Há exatamente 30 anos, um monstrengo chamado União Soviética – felizmente – deixou de existir. Uma ditadura (não importa se foi comunista, capitalista, ou o que tivesse sido – a censura e a ausência de democracia é sempre algo condenável) que enganou muita gente e que ilude pessoas com uma história mentirosa até hoje.

Uma matéria interessante sobre o acontecido (eu me recordo muito bem desse dia) aqui: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/12/26/5-razoes-pelas-quais-a-uniao-sovietica-entrou-em-colapso-ha-30-anos.ghtml

5 RAZÕES PELAS QUAIS A URSS ENTROU EM COLAPSO

Em dezembro de 1991, o maior país do mundo — e o primeiro Estado comunista — oficialmente deixou de existir. E isso teve efeitos profundos sobre como a Rússia hoje enxerga a si mesma e interage com o resto do mundo.

Em 25 de dezembro de 1991, Mikhail Gorbachev renunciou formalmente ao cargo de presidente da União Soviética (URSS). No dia seguinte, em 26 de dezembro, o Parlamento do país — o Soviete Supremo — reconheceu formalmente a independência de 15 novos Estados, encerrando assim a existência da União Soviética.

Gorbachev havia chegado ao poder em 1985, aos 54 anos. Ele iniciou uma série de reformas para dar um novo fôlego ao país, que estava estagnado.

Muitos argumentam que essas reformas, conhecidas como Perestroika (reconstrução e reestruturação) e Glasnost (abertura e liberdade de expressão), provocaram o fim do bloco soviético. Outros dizem que não havia salvação para a União Soviética, dada sua estrutura rígida.

Neste texto, a BBC examina as razões subjacentes a um colapso que teve efeitos profundos sobre como a Rússia hoje enxerga a si mesma e interage com o resto do mundo.

Uma economia em colapso era o maior de todos os problemas da União Soviética. O país tinha uma economia planificada, ao contrário da economia de mercado da maioria dos outros países.

Na URSS, o estado decidia quanto iria produzir em cada setor (quantos carros ou pares de sapatos ou pães, por exemplo).

Também decidia o quanto desses produtos cada cidadão precisava, quanto tudo deveria custar e quanto deveria ser pago às pessoas.

A teoria era que esse sistema seria eficiente e justo, mas na realidade ele teve dificuldades para funcionar.

A oferta sempre ficou atrás da demanda, e o dinheiro não rendia na mão da população.

Muitas pessoas na União Soviética não eram exatamente pobres, mas simplesmente não conseguiam comprar itens básicos porque nunca havia dinheiro o suficiente.

Na União Soviética, as pessoas não falavam em comprar algo (kupit), mas em conseguir (dostat).

O que piorou a situação foram os gastos com a exploração espacial e a corrida armamentista entre a União Soviética e os Estados Unidos, que começou no final dos anos 1950.

A URSS foi o primeiro país do mundo a colocar um homem em órbita e possuía um arsenal de armas nucleares e mísseis balísticos altamente avançados, mas produzir tudo isso custou muito caro ao país.

A União Soviética dependia de seus recursos naturais, como petróleo e gás, para pagar por essa corrida, mas, no início da década de 1980, os preços do petróleo despencaram, atingindo duramente a economia já debilitada do bloco.

A política da Perestroika de Gorbachev introduziu alguns princípios de mercado, mas a gigantesca economia soviética era pesada demais para ser reformada rapidamente.

Os bens de consumo permaneceram escassos, e a inflação disparou.

Em 1990, as autoridades introduziram uma reforma monetária que eliminou as poupanças, por mais parcas que fossem, de milhões de pessoas.

A frustração com o governo cresceu.

Por que isso importa hoje?

A escassez de bens de consumo teve um efeito duradouro no pensamento da população depois da queda do bloco soviético.

Mesmo agora — uma geração depois —, o medo de ficar sem produtos básicos ainda persiste.

Esse é um temor poderoso que pode ser facilmente manipulado durante as campanhas eleitorais.

A política de Glasnost de Gorbachev visava permitir maior liberdade de expressão em um país que passou décadas sob um regime opressor, onde as pessoas tinham muito medo de dizer o que pensavam, fazer perguntas ou reclamar.

Gorbachev começou a abrir arquivos históricos que mostravam a verdadeira escala da repressão sob Joseph Stalin (líder soviético entre 1924 e 1953), que resultou na morte de milhões de pessoas.

Ele encorajou um debate sobre o futuro da União Soviética e suas estruturas de poder, sobre como elas deveriam ser reformadas para seguir em frente.

O político até contemplou a ideia de um sistema multipartidário, desafiando o domínio do Partido Comunista.

Em vez de apenas ajustar a ideia soviética, essas revelações levaram muitos na URSS a acreditar que o sistema governado pelo Partido Comunista — onde todos os funcionários do governo eram nomeados ou eleitos por meio de eleições não contestadas — era ineficaz, repressivo e aberto à corrupção.

O governo de Gorbachev tentou apressadamente introduzir alguns elementos de liberdade e justiça no processo eleitoral, mas era tarde demais.

Por que isso importa hoje?

O atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, percebeu desde cedo a importância da ideia de uma nação forte, especialmente para um governo que não é totalmente transparente e democrático.

Ele utilizou um ideário de várias épocas do passado russo e soviético para promover um sentimento nacional de reverência ao seu governo: a riqueza e o glamour da Rússia Imperial, o heroísmo e o sacrifício da vitória na Segunda Guerra Mundial sob Stalin e a calma estabilidade dos anos 1970. A era soviética é ecleticamente misturada para inspirar orgulho e patriotismo, deixando em segundo plano os numerosos problemas da Rússia atual.

A União Soviética era um estado multinacional, sucessor do Império Russo.

Consistia em 15 repúblicas, cada uma teoricamente igual em seus direitos como nações irmãs.

Na realidade, a Rússia era de longe a maior e mais poderosa, e a língua e a cultura russas dominavam muitas áreas.

A Glasnost revelou a extensão da repressão na época de Stálin — Foto: Getty Images.

A Glasnost revelou a extensão da repressão na época de Stálin — Foto: Getty Images.

– #tbt 2: o Vitimismo e o não-aceite de críticas.

Há 2 anos… mas atual:

É difícil conviver com quem não aceita críticas – e esse tem sido um problema da sociedade.

Desqualificar as pessoas, tergiversar e se dizer perseguido… De onde vem esse fenômeno anti-democrático e extremista?

Compartilho, em: https://youtu.be/itlU4PNzvdo.

– E aos poucos, os corruptos vão vencendo. E a culpa é de todos!

Depois de Lula ter o imbroglio do Triplex prescrito, de crimes dos Petroleiros serem relevados, de delatores e réus confessos como Vaccari e Palloci soltos, chegou a vez de Sérgio Cabral ter relaxamento com prisão domiciliar.

E não se culpe o STF exclusivamente ou outras instâncias da Justiça. Afinal, um dos críticos da Lava Jato tem sido o presidente Bolsonaro!

Do jeito que vai, Sérgio Moro vai ser considerado corrupto e Bolsonaro com Lula os símbolos da honestidade e democracia…

O que está acontecendo com esse país?

Informações da CNN, por Isabelle Rodrigues, em: https://www.cnnbrasil.com.br/politica/justica-concede-prisao-domiciliar-a-cabral-ex-governador-continuara-em-presidio/

Cabral tem 21 condenações, que somam 399 anos e 11 meses de prisão

Cabral tem 21 condenações, que somam 399 anos e 11 meses de prisão Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (30.nov.2010) (citação acima).

– Saiba discutir e respeite seu próximo.

Como se portar num debate? Com educação e ideias propositivas.

Cansa ver pessoas desqualificando o seu oponente com críticas à sua honra. O argumento em discussão fica esquecido pelo vício de alguém se achar acima do bem e do mal, impondo sua opinião como verdade. O país não precisa disso.

– Multipartidarismo sem pluralismo ideológico.

Gostei do que ouvi sobre o sem-número de partidos políticos no Brasil, dias atrás:

Temos 28 partidos políticos na Câmara dos deputados e não temos 28 correntes de opinião no Brasil”.

Frase do senador Aloysio Nunes, em entrevista a Danilo Gentile no SBT. Não dá para discordar. E em tempo: hoje, há muito mais partidos!

bomba.jpg

Imagem extraída de: http://www.botequimdahistoria.com.br/2018/

– O “Bolsoverso” versus o “Dilmaverso”: como conseguem? A China é luz?

Se reclamamos de atitudes e pronunciamentos irreais do mundo que vivemos, num universo paralelo como o de Bolsonaro (com tremendos equívocos no combate à pandemia, frases infelizes e outras coisas a se evitar), lembremos que Lula e Dilma navegam em outro igualmente não-real.

Não é que o Governo da China, uma ditadura que persegue quem é contrário aos seus propósitos, censura as pessoas e maltrata a democracia, foi chamado de “Luz para o Ocidente” pela ex-presidente Dilma?

Caramba… 

Extraído de: https://jovempan.com.br/programas/jornal-da-manha/china-representa-luz-contra-decadencia-ocidental-diz-dilma-rousseff.html

CHINA REPRESENTA “LUZ CONTRA DECADÊNCIA OCIDENTAL”, DIZ DILMA ROUSSEFF

por Fernando Martins

A ex-presidente da República Dilma Rousseff elogiou o modelo chinês de sociedade e afirmou que o país representa uma luz contra decadência ocidental. Os elogios foram feitos na última segunda-feira, 22, durante um debate virtual para o lançamento de um livro sobre a China. Dilma não escondeu a admiração pela maneira que o país é gerenciado. “E a China, eu acho que ela representa uma luz nessa situação de absoluta decadência, escuridão, que é atravessada pelas sociedades ocidentais”, afirmou.

A China possui regime de um partido único, sem democracia e com perseguição a muitas pessoas, mas nenhum desses pontos foi abrangido no debate. Dilma acrescentou que a área econômica chinesa merece elogios. “Não se pode deixar de admirar um país que sai do feudalismo, do colonialismo, do mais brutal controle colonialista, para se tornar a segunda economia do mundo e a primeira já em termos de paridade de poder de compra. Tudo indica que nessa década de 20 a 30 nós poderemos ver a China se transformar na maior economia do mundo”, comentou. A ex-presidente ainda disse que há preconceito e falsas informações sobre o Partido Comunista Chinês.

Ex-presidente Dilma Rousseff participou de debate online, no qual fez elogios à China. Reprodução: Facebook. Extraído de: https://jovempan.com.br/programas/jornal-da-manha/china-representa-luz-contra-decadencia-ocidental-diz-dilma-rousseff.html

– Na sociedade em geral, o não aceite de críticas leva muitas vezes à demagogia.

Vivemos tempos difíceis, onde as pessoas não aceitam críticas. E a primeira contestação delas é imputar a quem observa problemas e tece comentários, os mesmos termos do que ele, criticado, faz. Como, por exemplo, chamar alguém de “dono da verdade“. 

O erro é visto; a abordagem pontual é feita; a correção é mostrada; mas… surge o VITIMISMO! Ao invés do aceite humilde do conselho, vem o discurso demagogo de perseguição.

Vide as falas de extremistas políticos. A Direita Radical acusa o mundo de perseguir as “pessoas de bem” (auto-intitulando-se). A Esquerda Radical fala de ditadura contra os “marginalizados e sofredores” (se auto-rotulando). E a sensatez fica esquecida…

A verdade é: poucos aceitam críticas, preferem criar discursos demagógicos para agradar a parcela que lhes segue cegamente. E aqui é um problema não só da política, mas da sociedade em geral. Nos Clubes de Futebol (falamos disso em: https://wp.me/p4RTuC-rZA), nas Igrejas, nas Associações diversas…

Quando iremos ser mais pro-ativos, receptivos e respeitosos com o próximo, aceitando a opinião diferente sem justificar o injustificável? Ou evitando tergiversar dos assuntos (tirando o foco do erro, mudando discursos e enrolando o próximo)?

O grande defeito daqueles que não aceitam críticas é: desqualificar o crítico, mesmo que isso seja algo não possível, dependendo do tema.

Imagem extraída de: https://www.alingua.com.br/petrolina-macaco-que-nao-olha-o-rabo-e-o-cachorro-morto/

– A repressão em Cuba contra a democracia.

Novos protestos (ou tentativa de protestos) ocorreram por parte da população cubana contra o regime ditatorial de Havana. E novamente muita repressão, corte de Internet e intimidação.

Até quando as pessoas serão privadas de democracia, e o mundo se calará (não só em Cuba, mas em outros países independente de qual ideologia seja)?

Sobre as manifestações, uma matéria interessante em: https://jovempan.com.br/noticias/mundo/republicanos-denunciam-repressao-em-cuba-e-pedem-acoes-de-joe-biden.html

Cuba País Bandeira - Imagens grátis no Pixabay

Imagem extraída de: https://pixabay.com/pt/illustrations/cuba-pa%C3%ADs-bandeira-nacional-nação-1460633/

– E a Proclamação da República? Como foi?

Dando uma fuçada na Internet, achei o interessante blog do prof Bruno Viveiros, que conta detalhes do Golpe de Estado que levou o Brasil a trocar o Império Monárquico pela República Democrática.

Vale a pena dar uma visitada, em: http://proclamacaorepublicaportal.wordpress.com

PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA

Na metade do século XIX, a urbanização e as transformações econômicas que ocorreram provocaram mudanças na sociedade brasileira e com isso novas aspirações e interesses foram gerados. A nova elite cafeeira do Oeste Paulista exigia a abolição da escravatura e maior participação política, já que São Paulo era o estado que sustentava a maior parte da economia do país. As camadas médias urbanas também aderiram a essas reivindicações, pois desejavam chegar ao poder. Incapaz de atender às novas aspirações sociais e de se modernizar politicamente, o governo imperial entrou em crise e transformou-se em República em 1889.

Os republicanos insistiram para que Marechal Deodoro da Fonseca chefiasse o movimento revolucionário pela transformação do Brasil de monarquia em república. Depois de boatos sobre a pretensão de prisão de Deodoro da Fonseca e Benjamin Constant, os revolucionários resolveram antecipar o golpe de estado e, na madrugada do dia 15 de novembro, os revolucionários deram início ao movimento. Os revolucionários ocuparam o quartel-general do Rio de Janeiro, depois o Ministério da Guerra e no Paço Imperial. Floriano Peixoto recusou-se a obedecer às ordens de Visconde de Ouro Preto (primeiro-ministro), que o havia mandado atacar as tropas inimigas assim como fez na Guerra do Paraguai, dizendo assim: “Sim, mas lá (no Paraguai) tínhamos em frente inimigos e aqui somos todos brasileiros!”, e em seguida aderiu ao movimento dando voz de prisão a Visconde de Ouro Preto.

Na tarde de 15 de Novembro de 1889, solenemente na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, foi proclamada a República, sendo redigida nesta  noite a proclamação oficial da República dos Estados Unidos do Brasil, que saiu em todos os jornais no dia seguinte, informando ao povo da mudança do regime.

Dom Pedro II, que estava em Petrópolis, retornou ao Rio de Janeiro quando foi informado do golpe de estado e procurou anunciar um novo nome em substituição ao de Visconde de Ouro Preto. Porém, com o boato de que Dom Pedro escolheria Gaspar Silveira Martins, inimigo político de Deodoro da Fonseca, este aderiu definitivamente a causa republicana. Com isso, Dom Pedro II decidiu não oferecer resistência e, no dia seguinte, recebeu uma comunicação, dando ciência da proclamação da república e ordenando sua partida para a Europa. A família imperial brasileira retornou novamente ao Brasil somente na década de 20.

Assim sendo, a Proclamação da República Brasileira aconteceu em 15 de novembro de 1889, no Rio de Janeiro, onde foi instaurado o regime republicano, derrubando a monarquia de Dom Pedro II. Foi liderada pelo Marechal Deodoro da Fonseca que deu um golpe de estado. No mesmo dia, foi instituído um “governo provisório” republicano, onde Marechal Deodoro da Fonseca era o presidente e Floriano Peixoto o vice-presidente.

Que legal o belo Hino da República. Minha parte preferida: 

“Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós!
Das lutas na tempestade
Dá que ouçamos tua voz!z”.

Aqui: http://www.youtube.com/watch?v=v64YLLd-ueA

bomba.jpg

– Quando suas Preferências o tornam ignorante por culpa das Redes Sociais!

Publicado originalmente há 2 anos, mas com uma temática bem atual…

As redes sociais estão por trás do fanatismo de muitos. Em especial, os algoritmos do Facebook, onde você lê o que “só se quer”.

Pegue Haddad ou Bolsonaro na última Eleição Presidencial: se você tem preferência por um deles, as publicações que lhe aparecem são de louvor ao amado e demonização ao outro. Não existe bom senso!

Aliás, o Internauta centrado, que tem espírito crítico aguçado, é obrigado a receber publicações dos dois lados! E isso cansa.

Talvez o texto abaixo, publicado na Folha de São Paulo em 12 de Outubro passado (5 dias depois do 1º turno presidencial), diga muita coisa sobre essa bolha criada pelas Redes Sociais (e aqui a observação é precisa, independente da preferência política da autora do texto). 

Abaixo, extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/fernandatorres/2018/10/bolha.shtml

BOLHA

Por FERNANDA TORRES

WhatsApp, fake news e engajamento dos cultos evangélicos ganharam de lavada as eleições

No programa de David Letterman na Netflix, Barack Obama cita um teste realizado pela Casa Branca durante a Primavera Árabe, que pretendia avaliar o poder de direcionamento do algoritmo nas redes sociais. Internautas de direita, de esquerda e de centro digitaram a palavra Egito, a fim de descobrir o que cada segmento obteria como resposta.

Os conservadores foram direcionados para links relacionados ao terrorismo, ao jihad e à ameaça muçulmana. A busca dos progressistas resultou em notícias que festejavam o levante egípcio como um auspicioso despertar do mundo árabe. Já os de centro foram brindados com inofensivos sites turísticos, que anunciavam os “Best Places to Visit in Egypt”.

Vivemos isolados em bolhas de preferência, ignorando, por completo, a do vizinho.

Quem esteve presente na manifestação do #EleNão vivenciou uma multidão pacífica de senhoras, senhores, crianças e militantes feministas. Os que não foram às ruas viram versões distorcidas de meninas de peito de fora, enfiando crucifixos no meio das pernas, fumando maconha e clamando pela volta de Satanás.

A assombrosa alavancada de um candidato a governo do Rio de Janeiro, o ex-juiz Wilson Witzel —que, em dois dias, atingiu 39% de preferência nas urnas—, prova que os métodos de convencimento da velha política foram parar na lata de lixo da história.

O WhatsApp, as fake news e o engajamento dos cultos evangélicos ganharam de lavada as eleições de 2018.

Num vídeo gravado, Witzel se dirige à Polícia Militar, prometendo extinguir a Secretaria de Segurança Pública para eliminar a má influência dos políticos nos órgãos de policiamento investigativo e ostensivo.

A medida, acredito, receberá o apoio de uma massa de eleitores que associam a política ao crime. Um cidadão que, fora de sua bolha, levantar a voz em favor da secretaria de Segurança corre o risco de ser crucificado pela conivência com a corrupção.

A classe artística, cuja opinião vem sendo inoculada pelo simples teclar de dez letras: Lei Rouanet, tem enfrentado rejeição semelhante à da política.

No último debate presidenciável, na TV Globo, os candidatos presentes repetiram a retórica de acusações ao PT e ao PSDB, além das réplicas do Lula Livre. Indefesos diante da nova máquina eleitoral, eles pareciam falar do túnel do tempo do milênio passado.

Os grupos fechados do meu celular aplaudiram o discurso de Boulos contra a ditadura militar, mas a indignação morria ali, entre muros. A ditadura não está na pauta dos que cresceram na redemocratização com o celular em punho. A Lava Jato e a crise na segurança, sim.

O golpe de 1964 e o AI-5 são tão distantes da experiência histórica dos que têm menos de 40 anos quanto Juscelino, o tenentismo e a política do café com leite.

No colégio abastado do filho de um amigo meu, todos os garotos de 18 que votaram no partido Novo migrarão para o PSL, convencidos de que a aliança do livre mercado com a “sociedade de bem” armada trará benefícios para o país.

Nenhum deles se preocupa com uma possível ascensão de forças paramilitares —muito menos com a perseguição a grupos identitários. Tudo é visto como petismo travestido de mimimi humanitário para esconder os anos de roubalheira.

O que impressiona é perceber que, assim como na eleição de Donald Trump, os chamados progressistas, que deveriam estar atentos ao futuro das novas mídias, permaneceram fiéis aos mesmos instrumentos de divulgação de ideias do tempo da vovó menina.

Enquanto isso, a ultra direita vem agindo cirurgicamente, há bastante tempo, em dois campos aparentemente antagônicos e difíceis de serem vencidos agora: a inteligência artificial e a fé em Cristo, em voga desde o fim da Antiguidade.

Vai encarar?

bomba.jpg

Charge de Thiago Lucas

– O LinkedIn vai deixar a China.

E o LinkedIn vai fechar sua operação na China, lançando um site genérico sem postagens.

Motivo?

Exigências do Governo Chinês (as mesmas que foram feitas ao Facebook, Twitter e tantas outras Redes Sociais). Ou seja: aceitar censura e controle das autoridades locais contra qualquer coisa que possa ser crítica ao Partido Comunista.

Viver numa ditadura, seja de Esquerda ou de Direita, deve ser horroroso, não?

Sobre esse tema, em: https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2021/10/14/microsoft-vai-fechar-linkedin-na-china-e-criar-versao-sem-posts-de-usuarios.ghtml

– Roberto Jefferson e a Praga contra Xandão.

Já ouviu o termo de que quando uma pessoa quer o mal à outra, ela “roga praga”?

É o que Roberto Jefferson fez. Usando da Bíblia, tirando fora de contexto as palavras da Sagrada Escritura, “amaldiçoou Alexandre de Moraes”, o juiz que o mandou prender. Na “oração dele”, coisas que um cristão não deve desejar ao seu próximo (se referindo ao Juiz como “Xandão”).

Aliás, como pode um cara que confessou os crimes de corrupção, esteve ao lado de Lula (Mensalão e Petrolão) e hoje se relaciona com Bolsonaro, ser considerado “vítima da Justiça”? Vide, além de tudo isso, os vídeos de intolerância publicados.

É óbvio que Alexandre de Moraes é igualmente polêmico, com outros atos igualmente discutíveis, mas usar Deus para maldizer alguém… aí é dose…

O incrível é que tem gente que aplaude os dois lados. Como?

O vídeo pode ser assistido no link em: https://www.metropoles.com/colunas/guilherme-amado/jefferson-diz-que-reza-contra-alexandre-de-moraes-oro-em-desfavor-do-xandao?amp

Ops: o vídeo foi feito de dentro da cadeia.

– O plano de Educação Familiar do Governo Chinês.

Limitação de tempo de jogos pela Internet, fim do culto às celebridades da mídia, cuidados para a adoração de pessoas como se fosse “ópio espiritual”, aumento de tempo de recreação com atividades físicas e mais masculinização dos homens: eis alguns pontos da nova lei de Educação Familiar na China, que pode levar os pais à punição, caso os filhos não os cumpram.

Diante disso, uma questão, independente da lei: até onde um Governo pode ou deve regular a relação íntima de pai, mãe e filhos?

Abaixo, extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/china-elabora-lei-para-punir-pais-por-mau-comportamento-dos-filhos/

CHINA ELABORA LEI PARA PUNIR PAIS PRO MAU COMPORTAMENTO DOS FILHOS

O parlamento da China vai analisar uma legislação para punir os pais se seus filhos pequenos exibirem “comportamento muito ruim” ou cometerem crimes.

No projeto de lei de promoção da educação da família, os tutores serão repreendidos e obrigados a passar por programas de orientação de educação da família se os promotores encontrarem um comportamento considerado “muito ruim ou criminoso” nas crianças sob seus cuidados.

“Há muitas razões para os adolescentes se comportarem mal, e a falta de educação familiar inadequada é a principal causa”, disse Zang Tiewei, porta-voz da Comissão de Assuntos Legislativos do Congresso Nacional do Povo (NPC).

O projeto de lei de promoção da educação familiar, que será analisado do Comitê Permanente do NPC nesta semana, também pede aos pais que providenciem tempos para descanso, brincadeiras e exercícios para seus filhos.

Pequim tem conduzido a China com uma mão paternal mais assertiva neste ano, combatendo o vício dos jovens nos jogos online, que são considerados uma forma de “ópio espiritual”, até reprimir a adoração “cega” de celebridades da internet.

Nos últimos meses, o Ministério da Educação chinês limitou as horas de jogo para menores de idade, permitindo-lhes jogar online por uma hora apenas às sextas, sábados e domingos.

O país também proibiu aulas de reforço depois de aulas para matérias importantes durante o fim de semana e feriados. A decisão demonstra uma preocupação com a pesada carga acadêmica sobre as crianças do país.

A China tem pedido aos jovens para serem menos “femininos” e mais “masculinos”. Em uma das medidas adotadas pelo país, o Ministério da Educação instou as escolas a promoverem esportes presenciais, como o futebol.

– A China ameaça Taiwan novamente.

A ditadura chinesa não poupa seus alvos. Nesta semana, Xi Jinping declarou que anexará em breve Taiwan, a ilha que se recusa a seguir a cartilha comunista de Pequim e que há décadas ficou conhecida como “China Capitalista”.

Extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/taiwan-nao-se-curvara-perante-china-diz-presidente-do-pais/

TAIWAN NÃO SE CURVARÁ PERANTE A CHINA, DIZ O PRESIDENTE DO PAÍS

por Eick Cheung

Taiwan não cederá à pressão e ninguém pode forçá-lo a aceitar o caminho que a China traçou para a democracia autônoma, disse a presidente Tsai Ing-wen no domingo (10), enquanto a ilha celebrava seu Dia Nacional em meio ao aumento das tensões com Pequim.

Durante seu discurso diante do gabinete presidencial na capital Taipei, Tsai alertou que Taiwan enfrenta a “situação mais complexa” dos últimos 72 anos, desde o fim da guerra civil chinesa.

Seu discurso foi feito dias depois que a China lançou um número recorde de aviões de guerra em sua zona de defesa, em uma escalada significativa das tensões militares. O presidente chinês, Xi Jinping, no sábado, prometeu buscar o que Pequim chamou de “reunificação” com Taiwan por meios pacíficos.

“Aqueles que esquecem sua herança, traem sua pátria e buscam dividir o país não terão sucesso”, disse Xi. Ele também reiterou os apelos para que Taipei se unifique a Pequim sob um modelo de “um país, dois sistemas”, semelhante ao usado em Hong Kong — mas geralmente oposto a Taiwan.

Em resposta, Tsai disse no domingo que Taiwan espera “um alívio nas relações” e não “agirá precipitadamente”, mas enfatizou que “não deve haver absolutamente nenhuma ilusão de que o povo taiwanês se curvará à pressão”.

“Continuaremos a reforçar nossa defesa nacional e demonstrar a nossa determinação em nos defender para garantir que ninguém possa forçar Taiwan a seguir o caminho que a China nos traçou”, disse ela nas comemorações do Dia Nacional, que marcou 110 anos de uma revolução que acabou com a última dinastia imperial chinesa.

“Isso ocorre porque o caminho que a China quer não oferece um modo de vida livre e democrático para Taiwan, nem soberania para nossos 23 milhões de habitantes.”

Tsai acrescentou que a posição de Taiwan sobre as relações através do Estreito permanece inalterada.

“Manter o status quo é nossa posição e faremos o possível para evitar que ele seja alterado de forma desigual”, disse ela.

O Taiwan e a China continental são governadas separadamente desde o fim de uma guerra civil, há mais de sete décadas, na qual os nacionalistas derrotados fugiram para Taipei.

No entanto, Pequim vê Taiwan como uma parte inseparável de seu território — embora o Partido Comunista Chinês nunca tenha governado a ilha democrática.

Em seu discurso, Tsai apresentou Taiwan como estando na vanguarda da batalha entre a democracia e o autoritarismo, ecoando o tema das comemorações deste ano — “uma aliança democrática, fazendo amigos ao redor do mundo”.

“Neste momento, os países livres e democráticos foram alertados para a expansão do autoritarismo e Taiwan está na linha de frente da linha de defesa de outras democracias”, disse ela, após uma manhã de apresentações musicais e de dança.

A cerimônia, realizada fora do escritório presidencial em Taipei, contou com a presença de centenas de pessoas, incluindo membros do público e convidados estrangeiros — uma participação menor do que nos anos anteriores devido às preocupações da Covid-19.

No domingo, as principais estradas da capital taiwanesa estavam repletas de bandeiras nacionais. A comemoração também viu a maior bandeira nacional já feita ser erguida sobre a multidão por um helicóptero, já que o hino nacional foi executado no início da cerimônia.

Como parte das comemorações, o ministério da defesa nacional de Taiwan disse que exibiria quatro tipos de mísseis domésticos, incluindo o lançador múltiplo Thunderbolt 2000, Sky Sword II e Sky Bow III de médio alcance, bem como mísseis de cruzeiro Hsiung Feng II e III .

Durante o desfile, no entanto, o público não viu os mísseis reais quando os caminhões militares passaram pelo palco.

Tensões aumentadas

Pequim se recusou a descartar a força militar contra Taiwan, se necessário, e as tensões aumentaram nas últimas semanas depois que o Exército de Libertação do Povo Chinês enviou o maior número de aviões de guerra — incluindo caças e bombardeiros com capacidade nuclear — para a Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan (ADIZ) na semana passada.

As incursões não violaram o espaço aéreo soberano de Taiwan, que se estende por 12 milhas náuticas de sua costa. A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos define um ADIZ como “uma área designada do espaço aéreo” onde um país “requer a identificação imediata e positiva, localização e controle de tráfego aéreo” para proteger sua segurança nacional.

No fim de semana passado, o Departamento de Estado dos EUA emitiu um comunicado pedindo à China “que cesse a pressão militar, diplomática e econômica e a coerção contra Taiwan”.

“Os Estados Unidos estão muito preocupados com a atividade militar provocativa da República Popular da China perto de Taiwan, que é desestabilizadora, arrisca erros de cálculo e mina a paz e a estabilidade regionais”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price. “O compromisso dos Estados Unidos com Taiwan é sólido como uma rocha e contribui para a manutenção da paz e da estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e na região.”

O Ministério das Relações Exteriores da China posteriormente criticou os EUA por fazerem “comentários irresponsáveis”, acrescentando que os norte-americanos “minaram seriamente o Princípio de Uma China”.

Apesar da constante ameaça militar, analistas apontam que Taiwan tem expandido continuamente sua presença internacional nos últimos anos.

Na quinta-feira passada, Tsai deu as boas-vindas ao ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott e a um grupo de senadores franceses em Taipei, enquanto ela prometia aprofundar as colaborações com “democracias amantes da liberdade” em todo o mundo.

“É um ato de equilíbrio”, disse J. Michael Cole, pesquisador sênior do Global Institute Taiwan. “Taiwan tem, nos últimos anos, aproveitado a oportunidade de expandir seu espaço internacional, vimos isso com os Estados Unidos, mas cada vez mais outras democracias — grandes e pequenas — também estão dispostas a desafiar o que é justo. Há alguns anos havia linhas vermelhas inacessíveis definidas por Pequim.”

Por exemplo, a Lituânia anunciou em julho que permitiria a Taipei abrir um novo escritório de representação sob o nome de “Taiwan” — apesar de não ter relações diplomáticas formais com a ilha autônoma. Pequim se opôs fortemente à medida, e tanto a China quanto a Lituânia posteriormente chamaram de volta seus embaixadores em meio ao agravamento dos laços.

Desfile militar

O desfile militar no domingo é uma demonstração de força sem precedentes para marcar o Dia Nacional de Taiwan, com o objetivo de “mostrar a determinação, responsabilidades e obrigação do exército nacional em defender Taiwan”, disse o ministério da defesa nacional da ilha em um comunicado.

Na última quarta-feira, o ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, estimou que a China poderia ser capaz de montar uma invasão “em grande escala” até 2025 .

“No que diz respeito a preparar um ataque a Taiwan, eles atualmente têm capacidade. Mas [a China] tem que pagar o preço”, disse ele, acrescentando que o preço será menor nos próximos quatro anos.

Chang Yan-ting, ex-vice-comandante da Força Aérea de Taiwan, disse à CNN que acredita que a exibição de mísseis está ligada a uma recente proposta de aumentar os gastos com defesa da ilha.

O ministério da defesa propôs no mês passado um orçamento extra de US$ 8,7 bilhões nos próximos cinco anos para atualizar as armas — incluindo o desenvolvimento de novos mísseis.

Chang disse que o desfile de domingo provavelmente foi direcionado ao público doméstico para angariar apoio para o aumento dos gastos militares, acrescentando que o desenvolvimento de mísseis de longo alcance e móveis seria uma parte importante para Taiwan aumentar sua capacidade de guerra assimétrica.

“A melhor arma para elevar nossa capacidade de ataque de precisão é o desenvolvimento de mísseis”, disse ele, porque eles podem ser eficazes para mirar em aeroportos e portos caso um conflito militar aconteça.

“Não podemos controlar se o Partido Comunista Chinês tem ou não a capacidade de atacar Taiwan, mas podemos controlar e garantir que ele não tenha a motivação para fazer isso”, acrescentou Chang. “Precisamos ser capazes de nos defender contra a primeira onda de ataques — seja por meio mês, um mês ou dois meses, então podemos esperar pela ajuda do mundo internacional.”

– No Afeganistão, agora é proibido fazer a barba!

E o Talibã está proibindo que os homens limpem o rosto, cortando a barba. É mole?

O fim da liberdade do povo afegão voltou a ser uma realidade. Veja abaixo:

Extraído de: https://jovempan.com.br/noticias/mundo/taliba-proibe-que-saloes-cortem-barbas-de-homens-no-afeganistao.html

TALIBÃ PROÍBE QUE SALÕES CORTEM BARBAS DE HOMENS

Proibição feita para barbeiros na região de Helmande afirma que retirada dos pelos faciais é ‘infração à interpretação das leis islâmicas’

O Talibã, grupo fundamentalista que governa o Afeganistão desde o dia 15 de agosto, proibiu que cabeleireiros e barbeiros da província de Helmande, na região sul do país, raspassem as barbas de homens na região por “infração à interpretação das leis islâmicas”. A informação foi divulgada pela imprensa internacional nesta segunda-feira, 27, e teria sido imposta pela polícia religiosa do país. Segundo eles, avisos pregados nas paredes dos salões de beleza afirmam que “ninguém tem o direito de reclamar” e dizem que qualquer um que quebrar a regra sofrerá “punições”, que não foram detalhadas pelo governo. O aviso também teria sido colocado em algumas barbearias da capital, Cabul. A proibição da retirada de barbas e até mesmo de alguns estilos de cabelo no Afeganistão foram algumas das marcas do primeiro período no qual o Talibã governou o país, no fim da década de 1990. Segundo as interpretações extremas da lei islâmica, as barbas são uma forma dos homens ficarem mais próximos dos costumes de Maomé.

– As coisas proibidas pela Coreia do Norte!

O regime norte-coreano de Kim Jon-un é ditatorial ao extremo. Mas além de assustar o mundo com seu desejo doentio de explodir mísseis, é marcado pelas mais diversas proibições.

Olha só cada maluquice,

Extraído de: http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/05/21/conheca-13-coisas-que-voce-faz-todo-dia-e-sao-ilegais-na-coreia-do-norte.htm?cmpid=tw-uolnot

CONHEÇA 13 COISAS QUE VOCÊ FAZ TODO DIA E SÃO ILEGAIS NA COREIA DO NORTE:

A Coreia do Norte é um dos países mais isolados do mundo. Comandado desde 2011 por Kim Jong-un, o terceiro “líder supremo”, o país tem uma legislação rigorosa sobre atitudes consideradas simples e corriqueiras em países democráticos.

As atividades consideradas ilegais podem ser punidas com trabalhos forçados, prisão e pena de morte. Muitas das execuções são públicas. Os campos de detenção do país –muitas vezes com trabalhos forçados– são secretos, porém alguns desertores já relataram à ONU (Organização das Nações Unidas) os horrores do que ocorre por lá.

Veja abaixo 13 atividades simples que são consideradas ilegais no país liderado por Kim Jong-un:

1) DORMIR DURANTE UMA REUNIÃO: dormir enquanto o chefe fala? Nada disso. O ministro da Defesa da Coreia do Norte foi executado com um tiro de bateria antiaérea em frente a centenas de pessoas por ter mostrado deslealdade ao presidente. Segundo o serviço secreto sul-coreano, Hyon teria adormecido durante um evento com Kim Jong-un e não cumpriu ordens.

2) TER O MESMO NOME DO LÍDER DA NAÇÃO: chamar-se Luís Inácio, Dilma, Temer ou Jair aqui no Brasil é permitido, por lá ter o nome Kim não pode. A proibição foi emitida há mais de 3 anos –um ano antes de que o ditador assumisse o poder no lugar do pai, Kim Jong-il. O regime totalitário, caracterizado pelo extremo culto à personalidade dos líderes da dinastia Kim, exigiu que todos os cidadãos que se chamam “Kim Jong-un” mudem de nome “voluntariamente”, segundo o decreto, para destacar a personalidade única do “líder supremo”.

3) TER UMA BÍBLIA: em 2014, o americano Jeffrey Fowle, ficou preso por cinco meses na Coreia do Norte depois de deixar uma Bíblia no banheiro de um restaurante. Fowle, 56, foi preso por violar as regras de pregação religiosa do regime. Embora haja igrejas na Coreia do Norte, elas estão todas sob controle do Estado e o regime totalitário proíbe manifestações independentes de religiosidade.

4) TER UM PARENTE CRIMINOSO: segundo a lei norte-coreana, os familiares de alguém acusado por um crime são automaticamente considerados corresponsáveis. Como no conceito de Sippenhaft da Alemanha nazista, a argumentação é que em suas veias corre o sangue do criminoso.

5) ESCOLHER SUA PROFISSÃO: após concluir o estudo secundário e o serviço militar, com apenas 18 anos, Ahn Myeong Cheol, atualmente morando na Coreia do Sul, foi designado guarda de um campo de prisioneiros políticos, onde as regras eram extremamente rígidas.

6) USAR BIQUÍNI: as mulheres são proibidas de mostrar o umbigo no país de Kim Jong-un, mostrando o profundo conservadorismo que impregna esta sociedade comunista na qual a retidão moral é tão sagrada quanto a revolução.

7) ASSISTIR FILME OU OUVIR MÚSICA DE FORA DO PAÍS: na Coreia do Norte, assistir ou ouvir mídia estrangeira é considerado crime contra o Estado, passível de trabalhos forçados, prisão e até morte. A despeito disso, a popularidade dos filmes e programas de TV internacionais –contrabandeados para o país em pendrives e CDs e vendidos no mercado negro– não para de crescer. Existem níveis diferentes de punição. Se você for apanhado com um filme russo ou de Bollywood [Índia], é enviado para a prisão por três anos, mas, se o filme for sul-coreano ou americano, você é executado.

8) SORRIR, BEBER E FALAR ALTO EM DATAS ESPECÍFICAS: desde 1994, quando os norte-coreanos perderam seu primeiro líder, a cada 8 de julho está proibido sorrir, levantar a voz na rua, beber álcool ou dançar, embora ninguém cogite fazê-lo “porque todo o país está de luto”.

9) PORNOGRAFIA: pessoas são executadas publicamente por distribuir material pornográfico ou se prostituir. As execuções públicas são usadas como medida extrema do governo para suprimir as chamadas desordens públicas ou “formas aceleradas de capitalismo” no país.

10) DIRIGIR: só funcionários do governo têm permissão para ter um carro. É estimado que apenas uma a cada 100 pessoas no país tenha carro. As mulheres também são proibidas de dirigir, apesar de serem as guardas de trânsito.

11) LIGAR PARA FORA DO PAÍS: fazer uma ligação para alguém fora do Coreia do Norte pode levar à morte. Em 2007, um homem foi morto a tiros dentro de um estádio por fazer inúmeras chamadas internacionais.

12) DEIXAR O PAÍS: os norte-coreanos são proibidos de deixar o país sem permissão. Nem sequer passar um feriado na vizinha Coreia do Sul: certamente você será caçado.

13) ENTRAR NA INTERNET: Facebook? Mandar um inocente e-mail? Tuítar? Nada disso é possível no país de Kim Jong-un, que não tem internet livre, apenas um portal de propaganda estatal. Somente o governo, a elite, estrangeiros e jornalistas a trabalho têm acesso a conteúdo online, mas em uma rede com velocidade bem baixa.

– Penso igual sobre erros de Lula e de Bolsonaro:

Não tenho partido político, mas não é por isso que sou apolítico (sou apartidário). Não vejo um nome sequer com competência, credibilidade e honestidade para presidir o Brasil (infelizmente, estou sem candidato até agora para as próximas Eleições).

Comungo do mesmo pensamento abaixo, extraído do Twitter do consultor renomado Ricardo Amorim:

“Impressionante como a história se repete. A incapacidade da maioria dos lulistas de reconhecer os erros do Lula elegeu o Bolsonaro. Agora, a maioria dos bolsonaristas faz exatamente a mesma coisa. Parece até que estão se esforçando para eleger o Lula.”

E não é verdade? Todos são deuses imaculados para seus apaixonados eleitores (óbvio, não me refiro ao cara ponderado que escolheu um desses nomes e sabe separar os erros, mas ao fanático que se cega).

– De novo, Lula fala em “regular a mídia”. Isso não incomoda?

Me admiro em ver tanta gente acomodada, quieta, sem levantar um “A” sobre a enésima fala de Lula sobre “regular a mídia”.

Ora, que negócio é esse de controlar a imprensa? Com todos os “defeitos que tem” e “as groselhas que fala”, Bolsonaro não fala tal barbaridade. Ele ofende lamentavelmente os profissionais, ameaça tirar a concessão da Globo mas… já imaginaram se é ele quem diz tal idiotice?

E o que é regular a imprensa? É dizer o que o Governo quer, no melhor estilo chinês, norte-coreano ou cubano?

Isso é censura, e deve-se alertar desse risco e cobrar Lula de tais bobagens. Aliás, repararam que até as denúncias do Petrolão, Lula não falava disso. Quando a Revista Veja conseguiu mostrar os constantes desvios de dinheiro, veio o “lenga-lenga”. Com o impeachment de Dilma, os petistas começaram a chamar a Globo de “Globolixo” (igual ao que fazem os bolsonaristas quando as manchetes mostram erros do Governo atual).

Não deixe essa ideia macabra – de regular a mídia – prosperar. A não ser se você quiser uma ditadura de esquerda na imprensa

– Escola sem Partido: o que você pensa sobre isso?

De novo ele vem à tona? E você sabe a que se refere?

Muita gente polemizando (como sempre) sobre o Projeto de Lei Escola Sem Partido (como já aconteceu no ano passado e no anterior). Em tese, os professores não poderiam emitir opinião política no ensino.

  • Quem é contra, afirma ser censura e que está sendo cerceada a liberdade de expressão.
  • Quem é a favor, alega que se evite a “doutrinação partidária” em sala de aula.

Ambos tem certa razão. O ensino deve ser pleno e adequado. Devemos expor a realidade político-social em sala de aula sim, mas sem partidarismo. E aí é que eu prefiro a ideia de uma Escola sem Partido (apartidária), mas politizada (com espírito crítico independente).

Aqui um testemunho: já tive professores que eram verdadeiros cabos eleitorais. Não acho isso ético tampouco correto. É muito chato perceber que um lado só da situação é exposto. Isso seria “Escola COM Partido”.

Não vacilo em afirmar: o pluralismo de ideias é válido, sou contra doutrinadores. O que um professor fala é de extrema influência na formação do adolescente / jovem. Dessa forma, deve-se abordar todos os lados e incentivar o espírito crítico/analítico.

– “Se eu voltar, vai ter regulação dos meios de comunicação”, disse Lula.

Em 2018, Lula fez essa declaração acima (a de controlar “melhor” a imprensa, desejada com Franklin Martins, o Ministro das Comunicações da época). Fernando Haddad, quando candidato, abordou isso também. E o assunto volta à tona.

Ora, cercear a sagrada liberdade de expressão é algo temeroso. Para mim, é censura. Não gosta de uma emissora, então assista outra. Leu numa revista e não se simpatizou com o tom, busque outra.

Bem claro: pela Globo, o Brasil está um caos. Pela Record, viramos a Suíça! E o cara inteligente, vai filtrar essas abordagens e interpretar corretamente. Mas o que não pode, é: privilegiar um ou outro, ou ainda querer impor o que não pode reportar ou não.

Em tempo: Jair Bolsonaro, sem dizer isso, vive em briga com a imprensa. E aí se conclui: qualquer político gosta de elogios, mas na hora das críticas…

– A Vaidade dos 3 Poderes.

Em alguns momentos, a harmonia que deveria existir entre Legislativo, Executivo e Judiciário, parece ser uma grande utopia.

Veja só:

1- Alguns deputados (como os que foram presos), ameaçam com discursos indevidos (mas não praticáveis) as instituições democráticas. Estão errados, pois incentivam e fomentam saudosistas da ditadura.

2- O presidente, vira-e-mexe, ameaça com bobagens do tipo: “se não mudar o sistema de votação não vai ter Eleição”. É ameaça ao Sagrado Direito do Voto? Pare com isso!

3- Os juízes, para piorar, se sentem acima do bem e do mal e, a cada crítica recebida, ameaçam os outros poderes como as prisões citadas, abusando da autoridade.

Fico imaginando: ao mesmo tempo que se faz mal uso da Liberdade de Expressão, contraditoriamente se mostra a anarquia que o país está, com atitudes aitatoriais.

Não é uma loucura? Anarquia e Ditadura em meio a vaidade, deturpando a Democracia.

– Roberto Jefferson pediu para ser preso?

o polêmico Roberto Jefferson já fez de tudo depois da primeira vez que foi preso. E agora, “pediu para voltar à cadeia”.

Ou não?

O cara grava vídeo com discurso de ódio, expõe armas falando sobre “passar por cima da lei”, usa termos homofóbicos, e pra lhe “auto-complicar”, chama o STF de “organização criminosa” e deixa vazar áudio ofendendo o juiz Alexandre de Moraes (saiba mais aqui: O Globo.Após ordem de Moraes, PF prende Roberto Jefferson por ataques às instituições democráticas.7 horas atrás).

Cá entre nós: ele ainda queria estar solto?

Tudo o que ele fez, não parece que era pra provocar e ser preso mesmo?

Desconfie desses caras… O Supremo Tribunal (que não é santinho e está politizado) costuma ser altamente autoritário, mas nessa situação não se pode criticá-lo. Roberto Jefferson cutucou “um leão com a vara curta”, consciente desse desfecho.