– A Gestão Compartilhada está em alta!

Quando se fala em democratização no gerenciamento organizacional, você encontrará termos como “administração participativa”, “gestão horizontal” e “organizações de hierarquia mínima”. Não importa, falamos da mesma coisa: o compartilhamento de ideias, decisões, soluções e criações.

As grandes empresas globais adotam isso, que são os modelos baseados no que fazem  “Google” ou da “Netflix”, mostrando como chefes e subordinados se relacionam beirando a informalidade e dividem a cumplicidade de ações.

Pois bem: na Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios (Julho/2018), em matéria de Lara Silbiger, o assunto é tratado bem didático.

Por exemplo: “administrar compartilhando” seria ideal para a empresa que…:

  1. Confia nos funcionários. Para abrir mão do controle tradicional, o empreendedor precisa ver os empregados como pessoas responsáveis, criativas e capazes de tomar decisões.
  2. Estão dispostas a apostar na distribuição das atividades de gestão entre equipes habilitadas e definir prioridades a planejar e a tomar decisões.
  3. Investem no engajamento e na formação de pessoas, uma vez que a adesão à gestão descentralizadas pressupõe uma chuva de aprendizagem.
  4. Adotam avaliações de desempenho e reuniões de Feedback para fazer uma leitura mais precisa de quanto cada pessoa colabora para os resultados.
  5. Estão dispostas a discutir se a remuneração dos funcionários reflete, na mesma proporção, o valor que eles agregam aos resultados do negócio.
  6. Têm como alicerce uma gestão baseada em princípios de governança, como ética, responsabilidade, compliance e respeito à sustentabilidade.

Além disso, os modelos de gestão compartilhada poderiam ser com (seus prós e contras): Sociocracia, Holacracia, e Management 3.0 – mas aqui ficará para uma outra postagem.

Claro, para que isso funcione, são necessárias algumas atitudes descentralizadas, como:

  1. Envolva nas discussões todas as pessoas que serão impactos pela decisão ou que serão relevantes para a evolução da iniciativa.
  2. Valorize a diversidade de experiências e de competências das pessoas que formam o grupo.
  3. Descubra o que elas têm em comum e que pode alavancar a participação colaborativa, como metas, aspirações e valores.
  4. Evite crítica precoces e abra mão de defender só os seus pontos de vista. Escute cada proposta com foco nas contribuições que pode trazer para o negócio.
  5. Não tema as possíveis tensões. Elas são parte essencial do processo de geração de novas ideias.
  6. Identifique as semelhanças entre as pessoas. isso aumenta a confiança umas nas outras e ainda minimiza antagonismos.
  7. Crie um ambiente que estimule o convívio coletivo. Os espaços de trabalho devem favorecer a comunicação sem barreiras físicas.

De fato, a distância hierárquica das organizações está cada vez menor e não cabe mais tanto distanciamento entre os níveis de pessoal.

Área Central

– Um país livre e com ideologias políticas respeitadas.

LIBERDADE – Democracia, Demagogia e Hipocrisia. Nada pode ser resolvido com radicalismo, fanatismo, paixão e falsidade!

Precisamos de união, mansidão, competência e honestidade para resolver os problemas do Brasil.

Dissertando sobre isso em: https://www.youtube.com/watch?v=F-VyNTCMz9c

– Paulo Autuori e a Punição da FERJ

Quer dizer que a FERJ (ou melhor: o “seu TJD”) puniu com 15 dias o treinador Paulo Autuori por críticas ao Cariocão?

Quem vê, pensa que a Federação Carioca está promovendo um excepcional torneio. Me lembrei de Eurico Miranda, que dizia à Globo: “vocês não podem criticar o campeonato que vocês compram, pois desvaloriza o produto”.

Por essa lógica, só se pode falar bem do Cariocão 2020. E as críticas negativas devem ser proibidas, pois é permitido elogiar!

Lamentável…

Autuori chegou a pedir demissão do Botafogo por não compactuar com ...

– Até onde tudo deve ser encarado como Liberdade de Expressão? O texto que irritou Alexandre de Moraes:

Liberdade de Expressão é uma coisa; incitação à violência, é outra!

Pois bem: tenho enormes restrições sobre o Ministro do STF Alexandre de Moraes, mas ele está com razão na questão da incitação à violência. Criticar é uma coisa permitida, mas promover palavras e ideias criminosas é outra.

O texto que revoltou o Ministro (e com razão) é dessa advogada gaúcha, (postado em Novembro de 2019). Ao ler, na imagem, diga: não é algo condenável?

“Que estuprem e matem as filhas dos Ordinários Ministros do STF”.

Postado publicamente em Redes Sociais, foi extremamente indelicada. Aqui, com tais dizeres, é impossível entender como algo aceitável.

– PF prende a ativista Sara Winter

Leio que a Polícia Federal prendeu a influenciadora e ativista política (antes rotulada como “feminista de esquerda”, hoje “conservadora de direita”), Sara Winter.

Cá entre nós: conheço muito superficialmente a moça e só vejo provocações que ela costuma fazer. Não tenho ciência da profundidade do que faz. Mas… influenciadora de quem?

Em todos caso, para quem a conhece, abaixo:

Em tempo: sinceramente, uma moça que posa armada e com tamanha intolerância, não me desperta interesse algum em conhecer sua história…

Extraído de: https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2020/06/15/ativista-sara-winter-e-presa-pela-policia-federal-em-brasilia.ghtml

POLÍCIA FEDERAL PRENDE SARA WINTER E MAIS CINCO EM INVESTIGAÇÃO SOBRE ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS

A Polícia Federal prendeu a ativista Sara Winter e cumpre mandado de prisão de outras cinco pessoas investigadas por exercerem atos antidemocráticos, em Brasília, na manhã desta segunda-feira (15). A prisão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.
Winter é chefe do grupo 300 do Brasil, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Os outros investigados também estão ligados ao grupo.
A prisão ocorre dentro do inquérito que investiga o financiamento de protestos antidemocráticos e não tem relação com a investigação sobre a produção fake news. Ao G1, a defesa de Sara Winter disse “ainda não ter conhecimento sobre o motivo da prisão”.

Ao autorizar a abertura do inquérito, em abril, Moraes disse que “é imprescindível a verificação da existência de organizações e esquemas de financiamento de manifestações contra a Democracia e a divulgação em massa de mensagens atentatórias ao regime republicano, bem como as suas formas de gerenciamento, liderança, organização e propagação que visam lesar ou expor a perigo de lesão os Direitos Fundamentais, a independência dos Poderes instituídos e ao Estado Democrático de Direito, trazendo como consequência o nefasto manto do arbítrio e da ditadura”.

Nas redes sociais, o perfil do grupo 300 dos Brasil publicou a prisão.

No último sábado (13), cerca de 30 apoiadores do presidente Bolsonaro lançaram fogos de artifícios contra o prédio do STF.

Já no fim da tarde deste domingo (14), o ex-servidor do governo federal Renan Sena foi preso por calúnia e injúria após divulgar vídeo com ofensas contra autoridades dos Três Poderes e contra o governador Ibaneis Rocha (MDB). Ele foi solto após assinar termo de comparecimento em juízo.

A ação durou ao menos cinco minutos. Os apoiadores do presidente ofenderam com xingamentos pesados os ministros da Corte, inclusive o presidente Dias Toffoli. Em tom de ameaça, perguntavam se os ministros tinham entendido o recado e mandaram que eles se preparassem.

O grupo também ofendeu o governador Ibaneis, que os desalojou de um acampamento na Esplanada dos Ministérios. Esse grupo de apoiadores do presidente Bolsonaro prega o fechamento do STF e do Congresso.

O ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF sobre disseminação de fake news e ofensas a autoridades, também repudiou agressões ao estado democrático de direito neste domingo.

“O STF jamais se curvará ante agressões covardes de verdadeiras organizações criminosas financiadas por grupos antidemocraticos que desrespeitam a Constituição Federal, a Democracia e o Estado de Direito. A lei será rigorosamente aplicada e a Justiça prevalecerá”, publicou em uma rede social.

Em 30 de maio, Sara Winter liderou uma manifestação com referências a grupos neonazistas e de supremacistas brancos americanos, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Os manifestantes marcharam, à noite, vestidos de preto, com máscaras e empunhando tochas de fogo, gritando palavras de ordem contra o ministro Alexandre Moraes, seguindo até a Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo Tribunal Federal.

Os vídeos da manifestação postados em redes sociais provocaram reações. Várias pessoas observaram a semelhança com atos do grupo supremacista Klu Klux Klan, que também usava tochas e máscaras.

Depois desse episódio, Winter foi expulsa do partido Democratas (DEM), do qual era filiada e disputou as eleições de 2018 como candidata a deputada federal no Rio de Janeiro.

xsarawinter.jpg.pagespeed.ic.Do6zcF0dUa

– Democracia é Liberdade. Precisamos de uma Pátria sensata, sem ídolos políticos e nem fanatismo de Esquerda ou Direita.

Aqui no Brasil, o termo democracia está sendo mal usado e mal praticado. Fala-se de “armar o povo de bem” em contrapartida ao “somos 70%”. Tudo é muito discutível!

De antemão: não me rotulo (e nem quero) a nenhum dos grupos criados em prol ou contra o Governo. Nenhum deles expressa o que penso na totalidade de suas ideias.

Calma lá, não estou tomando partido de ninguém, mas escrevendo pela observação curiosa e contraditória. Se um presidente vence pela maioria dos votos válidos (e já falamos que nenhum presidente brasileiro é eleito ou reeleito pela maioria dos votos dos brasileiros, mas pela maior parte das parcelas válidas onde uma só ganha), democraticamente deve se respeitar a decisão das urnas. Assim como democraticamente se pode protestar contra ele e democraticamente se usar os instrumentos para retirá-lo. Mas por pressão política, Fake News ou violência, nunca! Por isso a insistência no termo “democraticamente” na redação deste texto.

Tudo isso que foi dito acima, serve para o outro lado: nenhum presidente pode querer governar o Brasil sem ouvir o povo ou não governar para quem não é seu eleitor: ele democraticamente tem que escutar a oposição e pacificamente unir a nação.

Também democracia não pode ser demagogia. E há tantos exemplos assim em nosso país… gente que é intolerante ao seu semelhante porque pensa diferente, mas sai às ruas pedindo tolerância. Gente que demonstra ódio nos olhos e nas palavras, e vai defender suas ideias com taco de beisebol!

Tá tudo errado…

Gente que cobra solidariedade do outro, mas não a pratica. Gente que nada faz mas cobra (e quer obrigar os outros) a tomarem uma posição contra, a favor ou qualquer que seja. Gente que se faz independente mas se pendura nos amigos mais favorecidos…

DEMAGOGIA, DEMOCRACIA E HIPOCRISIA. Pobre Brasil… Nada pode ser resolvido com radicalismo, fanatismo, paixão e falsidade. Precisamos de união, mansidão e honestidade.

No Oriente, outras formas de governo, que não a democracia, “vão ...

– O Covid-19 se sentiu à vontade ontem…

Importante observar: independente da ideologia política de cada um, das motivações que levam as pessoas para participarem de uma manifestação, o descuido de todos foi algo a se condenar no último domingo!

Respeitando cada boa intenção dos grupos (não julgarei aqui), a pandemia está aí nas nossas portas, os cuidados devem ser seguidos e, logicamente, o grande inimigo no momento é o contágio assustador do Novo Coronavírus, que está vitimando inocentes todos os dias.

Imagine o sentimento das pessoas, em quarentena e desejosas de liberdade, vendo tais atos?

Sem fanatismo político e usando de serenidade: vamos nos prevenir! É isso que o Brasil pede agora. Quanto antes vencermos a enfermidade, antes voltaremos à normalidade.

Obs: perceba que estou falando de prevenção, não estou defendendo nenhum lado das ruas.

– “Isentão?” É esse o termo de deboche que está na moda por parte daqueles que gostam de rachar o Brasil e ironizar quem não é fanático…

Há 1 ano foi produzido esse texto, mas extremamente atual…

Li que na última entrevista que Lula deu na cadeia, duvidou da facada de Bolsonaro, ironizando que não tinha sangue, que protegeram o agressor e outras coisas repugnantes.

Que insensibilidade. Como a Política é nojenta! As autoridades que deveriam se dar o respeito, adoram criar fake news demagogicamente. Me parece tão ridícula tal afirmação igualmente como aquelas que debocharam da morte de Marielle por milicianos e do funeral da dona Marisa Letícia.

São esses os nossos estadistas?

Aliás, acrescento os  exemplos de repugnância do país: áudios vazados de Lula e Dilma foram comemorados pela Direita na ocasião. E agora a mesma turma critica os vazamentos do Telegram de Sérgio Moro, fazendo a Esquerda vibrar. Pode?

Êta nação hipócrita. Mais sensatez, Brasil. Não é esse legado (de fanáticos e partidários radiciais doentes) que queremos deixar para os nossos filhos. Precisamos de gente coerente, isenta, honesta e sem interesse pessoal, que governe para o TODO, e não para um lado apenas.

Não é questão de ser isento ou em cima do muro, é de discordar do radicalismo que tanto está fazendo mal entre os brasileiros, que, por conta da Política (e do fanatismo), resolveu se dividir em dois lados (como se o mundo fosse bipolar e como se só existissem dois grupos políticos – ou até mesmo somente Esquerda e Direita, que é um conceito “vencido” há tempos). 

Dizer o quê, se para a Direita ou para a Esquerda a única forma de concordância é bradar àqueles que não admiram nem os métodos de Bolsonaro tampouco os de Lula de “isentão…”(como se fosse algo pejorativo). É a turma que quer te obrigar a ser apaixonado por algum político Lula ou Bolsonaro – criando o termo “político de estimação”… E aí daqueles que não aderirem!

Sai dessa onda, Brasil.

Resultado de imagem para brasil chorando

– E era uma manifestação em prol da Democracia? Torcedores de Futebol vs Torcedores de Políticos!

O fanatismo mata! Neste domingo, na Avenida Paulista, Torcedores Organizados de Futebol (não confunda com a “Democracia Corintiana dos Anos 80”) se uniram para defender a democracia, com o mote de que Bolsonaro a ameaça. No mesmo lugar e horário, Ultra Radicais de Direita foram defender a Democracia dizendo que ela é ameaçada pelo STF e legislativo, que não deixam Bolsonaro presidir o país.

Só podia dar briga…

Deu para entender? Torcedores Organizados de Futebol (que são intolerantes, que brigam nas idas aos estádios e obrigaram as autoridades a criarem Torcida Única – e são antidemocráticos nas arquibancadas) em manifestação contrária a Torcedores Fanáticos de Políticos, que levaram uma bandeira dos Ultra Ucranianos (de apologia ao nazifascismo), com uma mulher que foi portando um taco de beisebol…

Tá tudo errado. Violência só gera violência. E quem não dá exemplo de Democracia foi defendê-la (me refiro aos dois lados, pois AMBOS incitam a violência).

Não eram, definitivamente, seguidores de Gandhi pregando a paz e a tolerância que encontraram admiradores de Santa Teresa de Calcutá pedindo solidariedade e mansidão. Eram pessoas com histórico de violência que encontraram defensores da ditadura. Deu no que deu.

LEMBRANDO: estamos em meio da pandemia, necessitando ficar em isolamento, evitando aglomeração e, por quê não, aproveitando o tempo para maior convívio com a família.

Não posso entender que qualquer um dos lados era pacífico. Protesto de verdade e sério não pode ter violência.

Corinthianos protestam por democracia na Paulista; PM usa bombas ...

– Conceitos duvidosos da sociedade brasileira, onde bitolados criam rotulados!

Quem disse que…:

Quem é de Direita deve pensar na Saúde da Economia e quem é da Esquerda deve pensar na Saúde das Pessoas?

Quem é de Direita deve ser a favor da Cloroquina e quem é da Esquerda deve ser contrário?

Quem é de Direita é nacionalista e quem é de Esquerda é comunista?

Quem é de Direita deve apoiar incondicionalmente o Presidente da República e quem é da Esquerda deve criticar ofensivamente o mesmo?

Quem é de Direita deve sair nas ruas e abrir o comércio e quem é da Esquerda praticar o lockdown?

Ainda, quem disse que:

Existe unicamente apenas Direita e Esquerda, como se o mundo fosse bipartido? Há também os Ultra Radicais, os Ponderados, os Centro-Direitistas e os Centro-Esquerdistas, os “Centrões”, os Alienados, os Fanatizados, os “Isentões”, e os “isso-ou-aquilos?”

Aliás, quem inventou esses termos? Quem definiu que as pessoas são rotuladas dessa forma?

Bobagem. Tudo bobagem. Pessoas bitoladas querem se dizer especializadas e acabam rotulando os outros. Isso mesmo: criam “falsas verdades” e “filosofias de pára-choque de caminhão”.

Por fim:

“Pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, e pessoas idiotas cheias de certeza” (Bertrand Russell)

Respeito todas as opiniões – embasadas ou não. Todos devem ter sua realidade e historicidade respeitadas, pois criam suas próprias carências e verdades. Mas isso não dá direito das mesmas sobreporem opinião e tentarem impor suas crenças sobre os demais, desrespeitando verdades alheias.

De direita ou de esquerda? - ISTOÉ Independente

– Taiwan e a nova presidência

Na semana, a presidente de Taiwan Tsai Ing-wen se reelegeu e novamente afirmou que não existe nenhuma chance do território aceitar ser administrado pela China Comunista, nos moldes que faz com Hong Kong.

Aliás, duas observações:

1. A população de Formosa (ou Taiwan, como é chamada lá) não quer fazer parte da China Continental. Pra quê insistir, depois de tantos anos? Demonstração de poder?

2. Hong Kong vive reclamando da forte repressão democrática. Se espelhar nesse modelo é algo impensável para eles.

Entenda como surgiram “duas Chinas”,

Extraído de: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/geografia/taiwan-uma-nacao-ou-uma-provincia-chinesa.htm

TAIWAN: UMA NAÇÃO OU UMA PROVÍNCIA CHINESA?

A questão de Taiwan teve origem com a vitória da Revolução Chinesa em 1949, a derrubada do governo de Chiang Kai-shek e a instauração do governo socialista de Mao-Tsé Tung. Chiang Kai-shek, que governou a China desde 1927, refugiou-se com seu Estado Maior e cerca de 2 milhões de chineses na ilha de Taiwan ou Formosa, situada a 130 km do litoral da parte continental da China e separada desta pelo estreito do mesmo nome. Formou-se na ilha um governo autônomo com o apoio dos Estados Unidos.

A partir desse período, a China seguiu dividida em duas: República Popular da China (a parte continental) e a China Nacionalista ou Taiwan (parte insular). Elas representavam os dois lados da Guerra Fria. A China Popular aliou-se à URSS até 1960 e depois seguiu seu próprio caminho.

Desde então, as duas Chinas vivem numa situação de hostilidade, ocorrendo, inclusive, conflitos armados nos primeiros anos de sua divisão. A China Nacionalista, porém, assegurou sua existência através do estreitamento das relações com os Estados Unidos. Em 1954, os EUA e Taiwan assinaram um acordo de defesa mútua, após o intenso bombardeio do estreito de Formosa pela República Popular da China, nesse mesmo ano.

Desde a década de 1970, Taiwan tem se destacado no cenário econômico mundial pelo desempenho invejável. Formava, ao lado de outros três países do Pacífico – Coréia do Sul, Hong Kong e Cingapura – o bloco dos primeiros “tigres asiáticos”, assim chamados por terem dado um salto no desempenho econômico, com taxas de crescimento excepcionais, além de uma política agressiva de disputa no mercado externo. Os taiwaneses conquistaram padrões de vida bem próximos aos dos países desenvolvidos, contrastando com a dura realidade vivida pela população da China continental.

Do ponto de vista geopolítico, porém, Taiwan acumulava derrotas. Em 1971 foi substituída pela República Popular da China na ONU e, em 1979, os Estados Unidos transferiram a sua embaixada de Taipé (capital de Taiwan) para Pequim (capital da China Popular), devido ao restabelecimento de relações diplomáticas com o país socialista. Nesse mesmo ano, os Estados Unidos anularam o Tratado da Defesa que mantinham com a ilha e desativaram a sua base militar. Apesar disso, o governo de Taiwan continuou contando com o compromisso de apoio e proteção militar norte-americana.

Nação ou província chinesa?

Chinag Kai-Shek, líder do Partido Nacionalista (Kuomintang), governou Taiwan até 1975, com poderes ditatoriais. Mesmo após a sua morte, nesse mesmo ano, a ilha continuou a ser controlada pelo Kuomintang. Somente na década de 1990 o país passou por um processo de democratização, abrindo espaço para outras agremiações políticas. Em 2000, o Partido Democrático Progressista (PDP) conquistou o poder através de eleições livres, sob o comando de Chen Shui-bian. O PDP sempre manifestou posição favorável à independência em relação à China Popular, que lhe rendeu os votos da maioria da população taiwanesa e assegurou a reeleição de Chen, em 2004.

Taiwan tem governo próprio, eleito democraticamente, instituições independentes, moeda nacional, forças armadas, participa ativamente do comércio internacional e é membro da APEC (Cooperação Econômica Ásia-Pacífico). Para efeitos práticos, é um Estado soberano, mas apesar disso não é reconhecido pela ONU e pelas principais organizações internacionais. Mantém relações diplomáticas com 26 países apenas.

A China Popular considera Taiwan uma província rebelde, uma parte inalienável do seu território. Nos últimos anos, tem se empenhado ostensivamente no projeto de reunificação, inclusive recorrendo ao uso da força, caso isso seja inevitável. Desde a década de 1990, tem realizado manobras militares no estreito de Taiwan, no sentido de reforçar a sua disposição de impedir qualquer tentativa de independência.

Em busca de uma solução pacífica, contudo, Pequim propõe o conceito de “um país, dois sistemas”: o socialista no continente e o capitalista em Taiwan. Em tese, isso permitiria a Taiwan adotar as suas políticas econômicas e manter as suas instituições, com relativa autonomia.

Do outro lado do estreito, o atual presidente taiwanês não ousa declarar publicamente a independência ou tomar qualquer decisão contra a reunificação com a parte continental. No entanto, tem manifestado que qualquer atitude a esse respeito dependerá de um processo livre e democrático, cuja deliberação cabe a 23 milhões de pessoas que vivem em Taiwan, em sua maioria simpática à causa separatista. A perspectiva de uma só China no futuro, declara Chen, deverá ser fruto de negociações em bases iguais.

Taiwan conta, ainda, com o apoio dos Estados Unidos que consideram a ilha estratégica para sua influência na região da Ásia-Pacífico. Além disso, é determinação do Congresso norte-americano defender a ilha de qualquer ameaça militar externa.

Em março de 2005, um novo agravante tem colocado em risco as delicadas relações entre as duas Chinas. A Assembléia Nacional Popular, parlamento da China Continental, aprovou uma lei anti-secessão. Essa lei autoriza o uso da força contra Taiwan, caso esta declare a sua independência formal.

A iniciativa reforça as hostilidades entre os dois governos e coloca os Estados Unidos em situação delicada. Não está nos planos dos americanos um conflito direto com a China, que, por outro lado, não deverão ficar impassíveis a China invada Taiwan e busque a reunificação por meios bélicos.

Desde 2004, o governo norte-americano vem fortalecendo a cooperação militar com Taiwan e tem feito pressões sobre a União Européia para que não suspendam o embargo à venda de armas à China continental, imposto desde o massacre da Praça da Paz Celestial, ocorrido em 1989, quando a população chinesa saiu às ruas para exigir liberdades democráticas. O governo de Washington procurou, também, envolver e comprometer o Japão na defesa de uma Taiwan independente: os japoneses têm interesses estratégicos no estreito, por onde circula boa parte das mercadorias negociadas por este país no mercado internacional.

A maioria dos analistas acredita que a Lei Anti-Secessão é mais um jogo de cena da China Popular. Essa lei não acrescenta nada além do que o governo chinês sempre declarou neste pouco mais de meio século de tensão entre as duas China. Existe ainda um outro componente que funciona como bloqueador de ações beligerantes: as intensas relações e interesses econômicos existentes entre todos os países que poderiam ser envolvidos pelo agravamento da questão taiwanesa.

Tsai Ing-wen foi reeleita como presidente de Taiwan neste sábado (11) — Foto: Tyrone Siu/Reuters

Tsai Ing-wen foi reeleita como presidente de Taiwan neste sábado (11) — Foto: Tyrone Siu/Reuters

– A Sociedade dos Esquizofrênicos: se o cara não gosta de um perfil na Web, por quê o segue na Rede Social? RESPEITE-SE A OPINIÃO!

Uma das coisas que mais me assusta no mundo virtual é a observação de que, em meio às pessoas de bem e sensatas que publicam suas opiniões, infiltram-se fanáticos que não aceitam as ideias alheias e querem impor a todo custo suas ideias.

São “donos da verdade”, “mestres do assunto” e justiceiros dos “tribunais de Facebook e Twitter”.

Cansa só de visualisá-los nas timelines, não?

E eles se fazem presentes nas 3 áreas mais conflitantes que o ditado popular tanto prega para se evitar discussão: Política, Futebol e Religião!

  1. Na POLÍTICA, se você critica o atual governo por alguma coisa qualquer, torna-se anti-Bolsonaro e por tabela lulista (mesmo tendo criticado Lula quando presidente e na época sendo taxado de fascista – termo que poucos conhecem profundamente mas que se usa popularmente desde  algum tempo). É Deus no Céu e Bolsonaro na Terra (ou: Deus no Céu e Lula na Terra, na visão extrema do outro radicalismo). Na verdade: bando de “paga-pau” de antes, que se tornam bajuladores de hoje e infelizmente podem ser influenciadores do amanhã. Isso vale àqueles que tem cargo de confiança em Prefeituras ou no Estado e se desesperam em garantir o emprego como ovelhas doutrinadas pelo pastor. Chega a ser nojento o fanatismo insensato e de conduta interesseira.
    Ops: não reclamo de quem apoia esse ou aquele, mas me perturba o “seguir cegamente” e querer impor sua opinião sobre a minha, desrespeitosamente.
  2. No FUTEBOL, acontece algo parecido. Se você criticar o Corinthians, é porque você é palmeirense. Na semana seguinte, dependendo do assunto, vira são-paulino. Dias depois santista ou volta a ser corintiano. E há aqueles que xingam, ofendem, falam o que querem pois alegam que “estão nas Redes Sociais”. E daí? A Educação só vale para o mundo real, no virtual prostitui-se a dignidade?
  3. Na RELIGIÃO, ficou tão chato quanto os outros tópicos. Dispensa se alongar no assunto.

Ô mundo complicado, vaidoso e de ocasiões oportunas…

Dito isso, fica a pertinente colocação: o cara se incomoda com o perfil do outro mas não deixa de seguir no Facebook, no Instagram ou no Twitter? Incompreensível! A Rede Social é livre, segue-se a quem quiser (ou não se segue a quem não se quer). Ponto final.

E pensar que as pessoas brigam por homens que buscam o poder, por alguns que jogam bola ou ainda por aqueles que se dizem ser mais íntimos dos outros junto a Deus…

bomba.jpg

– Pobre Humanidade…

O sujeito brigar por Política, normal não deve ser. Deputados, senadores e presidentes, sejam eles quais forem, não merecem idolatria.

Se errados, critique-se. Se corretos, aplauda-se (mas não se adore).

O povo brasileiro era chamado de alienado politicamente. Agora, virou fanático radical. O que aconteceu?

Lamentável ver (especialmente nas Redes Sociais) tanto ódio em palavras. Culpa-se a todos e a tudo! Que paixão incompreensível por política…

Rede Social deve ser entretenimento, acima de tudo. Não instrumento de guerra.

Ο χρήστης Rinaldi Digilio στο Twitter: "Discordar e debater nas ...

– Elogiar e Criticar Bolsonaro: a árdua missão de ser ponderado. Sobre Deus e o Diabo na Política.

Quando você elogia alguma coisa do presidente, vira Bolsominion. Se critica, vira comunista. Culpa (insisto sempre nisso) dos algoritmos do Facebook, que te levam a interpretar do jeito que lhe melhor agradar e visualizar coisas seletivas.

Está difícil ser sensato e manter-se honesto às opiniões. O mundo ficou chato e o ambiente virtual, desvirtuado (ou se preferir: fanático).

Deus para seus radicais e Diabo para seus opositores: esse é o Jair Bolsonaro, que para o cidadão que tem os pés no chão e fala sem paixão, simplesmente é o Presidente da República, um homem que erra, acerta, divide, e que faz muita coisa polêmica, não sendo nem Jesus e muito menos Lúcifer.

Mas esse humano Messias dá medo? Claro que dá! Quer prova disso? A manifestação em Brasília neste domingo…

Vamos lá:

Me recordo muito dos atos pró-Lula: ai de você se falasse mal de Luís Inácio (principalmente antes da descoberta de todos os esquemas de corrupção). Ele era o Antonio Conselheiro dos anos 2000! Criou no seu auge uma legião de fanáticos, que abarca até mesmo quem não conheceu sua história e os mais jovens que pensam ser ele um cara “honesto”. Não nos esqueçamos das suas condenações e dos seus processos… Um “quase Maluf”, expressão que os mais antigos entenderão bem.

Bolsonaro imita Lula no discurso demagógico e no trato com seus eleitores. Tem carisma para aqueles que votaram nele, isso é inegável, e um presidente precisa de apoio para governar. As reformas realizadas e a estruturação econômica são graças a esse voto de confiança da população que nele apostou. Entretanto, Collor, Lula, Dilma, Temer e Bolsonaro tem algo em comum: não ganharam os votos da maioria dos brasileiros, mas de uma maior parte deles. Afinal, some-se o número de votos contrários, brancos e nulos. Dessa forma, saber atender os anseios de quem não votou no vencedor é tarefa também do presidente, que governa não para os seus eleitores, mas para o Brasil (contrariando o ditado de que “A Voz do Povo é a Voz de Deus”).

Quando era criticado, Lula detonava a Rede Globo (“O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”). Agora, Bolsonaro faz o mesmo com a emissora (“Globolixo” e outros trocadilhos ruins). E se socorre à parte da imprensa que se apoia nele (vide a Record, por exemplo, de Edir Macedo).

Entre críticas ao comportamento (principalmente de desdém ao Novo Coronavírus, beirando a irresponsabilidade em atos não-exemplares) e elogios (às ações da equipe econômica e a diminuição da criminalidade), há muita contradição.

  • Defender a honestidade mas blindar os filhos e os aliados que estão na mira da Polícia Federal? Olha aí a história de Deus e o Diabo
  • Sair na rua em ato contra os Poderes Legislativo e Judiciário como hoje e ao mesmo tempo falar em harmonia dos três poderes? Deus e o Diabo na contradição presidencial…
  • Falar como há pouco em defender a Constituição e a Democracia mas ficar alardeando que tem apoio das Forças Armadas (e Dudu Bolsonaro tendo exaltado o AI-5 dias atrás)? Deus e o Diabo

Enfim: a semelhança maior do que se pode imaginar de Bolsonaro como um Lula de Direita, tirando a corrupção e reforçando a personagem de líder popular em referência aos seus apaixonados seguidores, é o fato de exaltar a condição de “NÓS contra ELES”.

Nós quem, cara-pálida?

Somos um só Brasil, de diversas culturas num mesmo pedaço gigante de terra. A mesma história vivida por 14 anos de lulismo (8 de Lula e 6 de Dilma Russef) não pode se repetir agora, só trocando a Esquerda pela Direita.

Tomara que as ameaças feitas nesse Dia Internacional da Liberdade de Expressão (Deus e o Diabo novamente apareceram, pois tivemos, ao invés de respeito à data, agressões a jornalistas) tenham ficado só no discurso. Lula quís um dia controlar a mídia, assim como Bolsonaro fala sobre concessão de TV e militarismo.

Que Deus tire da cabeça dos políticos os desejos do Diabo de que os homens se achem iguais em imagem, semelhança e poder ao Altíssimo. É esse o medo que tenho do presidente: o Poder, gerando desvios como birra e vaidade!

Imagem1

Ops: opine a vontade sobre esse texto, mas respeite a opinião alheia – sem sobrepor / querer impor sua opinião a fim de mudar a dos outros.

– O Fanatismo traz confusão até em Manifestação Pacífica dos Enfermeiros. Democracia?

Não importa se é de Esquerda ou de Direita (ou de lado nenhum): encher o saco de ENFERMEIROS, que estão dando a vida nesse momento tão delicado, é de uma insensibilidade ímpar!

Veja só que exemplo de falta de respeito à diversidade de opinião:

Extraído de: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2020/05/01/enfermeiros-e-tecnicos-de-saude-homenageiam-colegas-que-morreram-por-covid-19

ENFERMEIROS E TÉCNICOS DE SAÚDE HOMENAGEIAM COLEGAS QUE COMERAM DE COVID-19

Enfermeiros e técnicos de enfermagem se reuniram, na manhã desta sexta-feira (1º), na Praça dos Três Poderes, em Brasília, para homenagear colegas que morreram por causa do novo coronavírus. Todos usavam máscaras e levantavam cruzes em direção ao Supremo Tribunal Federal e ao Palácio do Planalto.

Estavam presentes representantes do Sindicato dos Enfermeiros, Sindicato dos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem, Conselho de Saúde do Distrito Federal, Conselho Regional de Enfermagem e professores da área.Coladas nas costas das pessoas que participavam do ato, estavam papéis com nomes de colegas que morreram.

De acordo com a enfermeira Marcela Vilarim, um dos objetivos da homenagem também era mostrar a necessidade de isolamento social. “A gente está dentro dos hospitais, a gente tá exposto a uma carga viral muito alta, a gente tá adoecendo e está morrendo. E não adianta a gente passar por tudo isso, ser chamado de heróis, coisa que não somos, pra depois a gente encontrar a população toda andando pela rua, sinalizações por parte dos governantes de afrouxamento do isolamento social. O nosso esforço está sendo em vão”.

Os participantes também pediam proteção dos trabalhadores que estão na linha de frente do combate à COVID-19. Eles pretendem entregar uma carta aberta ao ministro da Saúde, Nelson Teich. O documento ressalta a importância do isolamento social horizontal e pede equipamentos de proteção individual de qualidade, além de apoio e subsídios.

Um dos trechos do documento diz que, além do comprometimento físico perante a pandemia, “os profissionais que trabalham na área da enfermagem estão sujeitos a estresse relacionado ao local de trabalho, pressões familiares e comprometimento da saúde mental no confronto direto com a vulnerabilidade humana”. A carta ainda diz que os sistemas de saúde público e privado devem priorizar e assegurar condições de trabalho que evitem situações que aumentem os riscos de infecção.

CONFUSÃO

Após cerca de uma hora de manifestação, houve um desentendimento entre profissionais da saúde e um grupo de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Os admiradores do presidente disseram que os participantes do ato tinham pedido para moradores de rua usarem jalecos para participar da homenagem.

Os profissionais da saúde, no entanto, afirmaram que em nenhum momento houve esse pedido e que o grupo de apoiadores do presidente chegou gritando com eles. Os participantes da homenagem ressaltaram que a manifestação era para ser silenciosa e pacífica.Vídeos divulgados em redes sociais mostram um homem gritando, enquanto aponta o dedo na cara das pessoas que estavam no ato.

Profissionais da saúde contaram que houve agressões físicas e verbais. A confusão durou cerca de 15 minutos. Após o tumulto, os participantes continuaram a homenagem.

WhatsApp-Image-2020-05-01-at-17.29.49