– Que Lula folgado! Tá tudo errado neste país…

Discordar de atitudes do Governo atual não deve significar concordar com a Oposição fanatizada. Bolsonaro tem feito muita coisa errada, é sabido, e o radicalismo de Esquerda e Direita modifica muito o entendimento da realidade. Digo isso pois li um absurdo (que pensei ser Fake News, tamanha a bobagem) sobre “Lula se referir a Sérgio Moro como juiz ladrão” e as “torcidas organizadas criarem um manifesto pró-Lula.”

O povo já esqueceu dos BILHÕES desviados neste país? Do Mensalão, do Petrolão? E de tanta mentira, demagogia e outros populismos deste ex-presidente? Aliás, tão populista que inspira até mesmo seu opositor, Bolsonaro, a algumas atitudes indevidas do mesmo tom, como discursos demagógicos.

Abaixo, extraído de: https://www.brasil247.com/brasil/de-juiz-ladrao-o-torcedor-entende-diz-lula-sobre-apoio-de-torcidas-antifascistas-a-sua-inocencia

DE JUIZ LADRÃO O TORCEDOR ENTENDE

Pelo Twitter, ex-presidente Lula lembrou do apelido lançado contra o ex-juiz Sérgio Moro pelo deputado Glauber Braga

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu com ironia nesta segunda-feira, 3, à notícia de que torcidas organizadas antifascistas assinaram um manifesto em defesa de sua liberdade.

“De juiz ladrão o torcedor entende”, disse Lula pelo Twitter. O ex-presidente se referia à declaração do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), que chamou o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro de “juiz ladrão”, durante sabatina na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Um grupo de torcidas organizadas antifascistas divulgou nesta segunda-feira (3) um manifesto pedindo justiça para o ex-presidente Lula. O documento foi lançado em razão da nova onda de mobilização lançada no sábado (1) pelo Comitê Lula Livre.

“Os torcedores e torcedoras que atuam nas arquibancadas e nas ruas em defesa da democracia se solidarizam com o presidente Lula e denunciam os crimes que estão sendo cometidos contra o estado democrático de direito. Lula foi condenado sem provas num julgamento injusto, em que a parcialidade e os abusos do então juiz Sérgio Moro e do Ministério Público Federal nesta operação estão amplamente documentados”, diz trecho do manifesto.

– Que lambança do Pé-de-Anjo!

Marcelinho Carioca foi visitar o presidente Jair Bolsonaro com a nova camisa do Corinthians. Lá, o palmeirense Presidente da República vestiu a camisa do arquirrival (para desgosto de palmeirenses e corintianos, pois os primeiros não gostam de atitudes como essa, e os segundos não apoiam a linha ideológica dele).

Mas o que precisamos discutir na verdade é: Marcelinho Carioca no Palácio do Planalto para debater com Bolsonaro sobre a MP do Futebol? 

Respeitosamente, mas… fala sério!

Importante: o Sport Club Corinthians Paulista não teve nada a ver com isso.

65863810-d1cc-11ea-affb-db9fe5693702

– Desnecessário, Srs Presidentes! A foto e a fala da semana:

  • Quer uma foto ridícula da semana?

A de Bolsonaro “correndo atrás da Ema”, mostrando a caixa de hidroxicloroquina (forçando a barra na divulgação do medicamento). Que coisa…

Comprovação científica de benefício? Oficialmente, não tem e cansou-se de discutir sobre isso nos últimos dias (mas o uso indevido pode trazer malefícios).

  • Quer uma fala ridícula da mesma semana?

A de Lula dizendo barbaridades sobre o Governo atual, como se ele, Luís Inácio, fosse o exemplo de ética e honestidade (repito como das outras vezes: Bolsonaro se inspira no discurso populista de Lula, apesar de ideologias contraditórias) e fala que o “PT vem forte para 2022”.

Será que as pessoas se esqueceram de que foram enganadas, roubadas, saqueadas por esse corja que está na cadeia (e alguns na rua pelo benefício da Legislação, como o próprio Lula)?

Gostaria tanto de políticos honestos e competentes... e talvez com uma qualidade que não se tenha discutido: que não sejam demagogos!

– Pra quê politicagem com o futebol?

Postagem de 1 ano atrás, e continuo com a mesma opinião em meio de políticos usufruindo do futebol (e cartolas se aproveitando disso):

Não gosto de cartola tirando o protagonismo dos jogadores em entregas de troféus. É o momento de quem suou, correu, levou bordoada e quer extravasar.

O campo de jogo “é sim” um local sagrado, embora muita gente discorde dessa máxima por ter uma visão de mundo bem diferente.

Particularmente, acho muito demagogo quando político entra em campo, especialmente quando há um título. Quero ver estar no rebaixamento abraçando jogador, quando é eliminado por 7×1 ou depois de um vexame qualquer.

Aff, quanto pão-e-circo. A história se repete, sendo populismo de esquerda ou de direita.

(Sim, me refiro ao presidente Bolsonaro erguendo a Taça da Copa América em meio aos jogadores).

As fotos abaixo mostram o exemplo de que todo mundo quer tirar uma casquinha com o eleitor…

 

– A cara-de-pau de Lula sobre a Petrobrás

Ontem, em matéria publicada pelo UOL, Lula falou novamente a mesma ladainha: de que o FBI e a Operação Lava Jato queriam tomar conta da Petrobrás e o fez de culpado, incriminando-o injustamente, entre outras palavras demagógicas!

Quem crê no ex-presidente Luís Inácio hoje? Talvez os ainda fanáticos e /ou mais jovens que desconhecem a história. De tantos discursos inflamados (e nisso ele sempre foi bom), descobriu-se que eram palavras falsas, pois os maiores esquemas de corrupção do mundo (repare: não escrevi “do Brasil”) foram o Mensalão e o Petrolão.

Ou vai dizer que os chamados “mensaleiros” e “ptralhas” (como ficaram conhecidas as pessoas e os deputados do PT e de outros partidos coligados envolvidos) não existiram?

Lula diz que Moro é 'canalha' e que Deltan 'montou uma quadrilha ...

– Democracia é Liberdade. Precisamos de uma Pátria sensata, sem ídolos políticos e nem fanatismo de Esquerda ou Direita.

Aqui no Brasil, o termo democracia está sendo mal usado e mal praticado. Fala-se de “armar o povo de bem” em contrapartida ao “somos 70%”. Tudo é muito discutível!

De antemão: não me rotulo (e nem quero) a nenhum dos grupos criados em prol ou contra o Governo. Nenhum deles expressa o que penso na totalidade de suas ideias.

Calma lá, não estou tomando partido de ninguém, mas escrevendo pela observação curiosa e contraditória. Se um presidente vence pela maioria dos votos válidos (e já falamos que nenhum presidente brasileiro é eleito ou reeleito pela maioria dos votos dos brasileiros, mas pela maior parte das parcelas válidas onde uma só ganha), democraticamente deve se respeitar a decisão das urnas. Assim como democraticamente se pode protestar contra ele e democraticamente se usar os instrumentos para retirá-lo. Mas por pressão política, Fake News ou violência, nunca! Por isso a insistência no termo “democraticamente” na redação deste texto.

Tudo isso que foi dito acima, serve para o outro lado: nenhum presidente pode querer governar o Brasil sem ouvir o povo ou não governar para quem não é seu eleitor: ele democraticamente tem que escutar a oposição e pacificamente unir a nação.

Também democracia não pode ser demagogia. E há tantos exemplos assim em nosso país… gente que é intolerante ao seu semelhante porque pensa diferente, mas sai às ruas pedindo tolerância. Gente que demonstra ódio nos olhos e nas palavras, e vai defender suas ideias com taco de beisebol!

Tá tudo errado…

Gente que cobra solidariedade do outro, mas não a pratica. Gente que nada faz mas cobra (e quer obrigar os outros) a tomarem uma posição contra, a favor ou qualquer que seja. Gente que se faz independente mas se pendura nos amigos mais favorecidos…

DEMAGOGIA, DEMOCRACIA E HIPOCRISIA. Pobre Brasil… Nada pode ser resolvido com radicalismo, fanatismo, paixão e falsidade. Precisamos de união, mansidão e honestidade.

No Oriente, outras formas de governo, que não a democracia, “vão ...

– Carlitos Tevez no Coringão?

Em meio a crise financeira e política que o Corinthians vive, é lógico que surgem iniciativas como tentativas de mudar o foco dos problemas. Uma delas é: prometer jogador de destaque!

Leio que especulou-se Tevez no Timão de volta. Lembram como ele saiu do clube, na sua passagem como atleta da HMTF?

Aliás, quanto ele ganharia por mês? E o que está rendendo hoje (no pouco tempo que entra em campo)?

Isso se chama: demagogia, e muitos presidentes de clube fazem isso com perfeição.

TV argentina coloca Tevez na mira do Corinthians; diretoria nega

– O Católico e a Política: o nome de Deus em vão!

Em 2013, no começo do seu pontificado, o Papa Francisco disse durante uma Missa:

Um bom católico se envolve em política, já que a política é uma das formas mais elevadas de caridade, pois ela serve ao bem comum”.

Perfeito!

O político eleito é para servir o povo, e não para ser servido. Entretanto, é lamentável ver o quanto usam o nome de Deus em vão para pedir votos. Aí vira demagogia, picaretagem e desvio da fé alheia.

bomba.jpg

– Se eu fosse o Ministro da Saúde, pediria demissão. Explico:

Depois dos discursos de cuidados à população, pedidos de higienização máxima e aglomeração mínima, de aparecer em inúmeras entrevistas e cansar de falar sobre o mesmo assunto, o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta deve estar se sentindo traído pelo próprio chefe, o presidente Jair Bolsonaro.

As crianças não devem ir às escolas, os comércios e a indústria em alerta, as igrejas se virando em não ter celebrações ou diminuir o número de fiéis, e todos se prevenindo para não acontecer como na Itália (mais de 2000 mortos, sendo 300 somente no último domingo), e, contraditoriamente, Bolsonaro sai do resguardo de 7 dias recomendado a quem chega do Exterior, vai às manifestações de rua e mantém contato com todos?

É um tapa na cara da sociedade… Pisou na bola, presidente.

OPS: não tem aqui nenhuma crítica política, ideológica, pessoal ou partidária. É indignação mesmo por dar o mau exemplo. Assim como Lula, diante da crise mundial financeira que assolava o mundo e que ele repetiu irresponsavelmente ser uma “marolinha”, Bolsonaro faz um desserviço ao não levar a sério a pandemia de Covid-19.

Aliás, qual líder brasileiro tem dado o exemplo como político ultimamente? Os outros não citados e que nunca foram exemplo: Temer, Dilma… e se voltar atrás, um intelectual com FHC (que apesar do Plano Real, a história de compra de votos para autorizar a reeleição não é exemplo não) e de Sarney ou Collor (dispensando comentários). Também esqueçam os generais. 

Mais do que bons políticos, o Brasil precisa de BONS EXEMPLOS.

Resultado de imagem para bolosnaro manifestacões

– Lula & Construtoras e Bolsonaro & Igrejas: a César o que é de César!

Lamento ver tanta demagogia há tempos no país. As benesses de Lula para as construtoras, com altos valores em corrupção e troca de favores (vide o dinheiro perdido para Cuba, Venezuela e nações “amigas”), se faz no mesmo grau de indignação com Bolsonaro e o desejo de “bancar” as igrejas e conquistar admiradores pelo populismo.

No episódio mais recente, me incomoda saber que qualquer denominação religiosa (se eu quiser montar meu templo e viver nele, já me encaixei no propósito), teria as contas básicas e impostos pagos com dinheiro público.

Lembremo-nos que Nosso Senhor Jesus Cristo, quando perguntado se era justo pagar os impostos, pegou um denário (a moeda da época) e mostrou a face do imperador nela. E disse: “A César o que é de César, a Deus o que é de Deus”.

Imagem relacionada

– A homenagem do vereador carioca ao ditador comunista!

Há coisas que nem a sã consciência explica: o neto de Leonel Brizola, que é vereador no Rio de Janeiro, fez uma homenagem ao ditador da Coreia do Norte Kim Jong-Un como um “homem da paz mundial”.

Pode?

A Câmara dos Vereadores carioca não tem outras prioridades?

BRIZOLA NETO E A HOMENAGEM A KIM JONG-UN

Diretório municipal do partido e lideranças, como Marcelo Freixo e Luciana Genro, se posicionaram contra ‘moção de honra e louvor’ apresentada pelo vereador

Uma homenagem pública prestada pelo vereador Leonel Brizola Neto (PSOL-RJ) ao ditador norte-coreano Kim Jong-Un gerou diversas reações negativas dentro de seu partido, nesta quinta-feira 12. O neto do falecido líder esquerdista Leonel Brizola apresentou, no última dia 29 de novembro, uma moção “Moção de Louvor e Reconhecimento” a Kim na Câmara Municipal da Cidade, revelada pelo jornal O Globo.

O ato foi recriminado pelo diretório municipal do PSOL no Rio, que emitiu nota afirmando não endossar a homenagem. O partido declarou que Brizola Neto promoveu uma moção individual, que “não necessita de apoio, nem votação”.

“Esta ação [de Brizola Neto] não foi construída coletivamente pela bancada e não representa a posição do partido. O líder da Coreia do Norte é acusado de inúmeras violações de direitos, dentre elas, perseguições políticas, prisões arbitrárias e restrições às liberdades de expressão e de imprensa. O PSOL reafirma seu compromisso na defesa da democracia e dos direitos humanos”, expõe a nota do diretório carioca da sigla.

Grandes lideranças do partido seguiram a mesma linha de reprovação. “Respeito muito o vereador Leonel Brizola e o trabalho importante que ele realiza no Rio. Sua homenagem ao ditador norte-coreano foi uma manifestação individual, da qual eu discordo. Me oponho a todas as ditaduras porque a democracia é para mim um princípio inegociável”, escreveu o deputado federal Marcelo Freixo, pré-candidato à prefeitura do Rio de Janeiro em 2020.

“Discordo frontalmente da homenagem feita por Brizola Neto ao ditador da Coreia do Norte. Não representa a maioria do PSOL. Só uma esquerda fora da realidade apoia esse regime. Ali não tem nada de comunismo nos termos pensados por Marx. Nossa luta é por socialismo e liberdade!”, expressou a deputada federal Luciano Genro, candidata à Presidência da República pelo partido nas eleições de 2014.

Os deputados federais Sâmia Bonfim e David Miranda foram outros nomes de destaque do partido se posicionarem, nas redes sociais, contrários à medida de Brizola Neto. “Não há socialismo possível com violação de direitos humanos e sem liberdade”, escreveu Sâmia no Twitter. Compartilhando a postagem, Miranda concordou: “não representa a opinião do partido”.

Brizola Neto também foi às redes sociais ao fim do dia para justificar sua ação. O político afirmou que sua moção foi motivada pelo “centenário da resistência coreana contra a invasão imperialista japonesa” e complementou que seu mandato se pauta pela “diplomacia brasileira”.

“Quero divulgar que há vinte dias fizemos uma exposição sobre o centenário da resistência coreana contra a invasão imperialista japonesa. Na ocasião apresentamos uma moção ao povo coreano por sua luta no processo de paz pela unificação das Coreias e principalmente pelo fim das armas nucleares. O nosso mandato sempre pautou pela diplomacia brasileira. No momento que a nossa diplomacia brasileira está sendo achincalhada no mundo, nós temos o compromisso de promover a paz mundial e a autodeterminação dos povos”, declarou o vereador.

Leonel Brizola Neto e Kim Jong-un Twitter/ Reprodução/ Korea Summit Press Pool/ Getty Images/VEJA

– Feliz Natal de Pré-Candidato é Sincero?

Puxa, vejo outdoor de um ilustre desconhecido em meu bairro, mas que tem cargo público, extremamente sorridente e desejando “Feliz Natal”.

A troco de quê?

Por quê a pessoa gasta um dinheirão com anúncios em ônibus e publicidade nos grandes corredores desejando “Boas Festas”, se não conhece uma pessoa sequer daquele lugar, não esteve lá e força o sorriso escancarado?

É tão artificial, cheira tanto a candidatura de vereador (não está explícito pois a legislação eleitoral não permite), que torna a mensagem muito falsa e vazia.

Se lá estiver (na Câmara), Feito estará: mais um político carreirista. Triste. E nessa época fazem isso: pedem voto onde nunca visitaram quando podiam fazer alguma coisa.

Vale votar Ao Bem do Indíviduo que aqui veio e trabalhou (ou seja: quem lutou pela sua região).

Imagem relacionada

– Concordo com o Lula!

Na reeleição de Gleisi Hoffmann como presidente do PT (a mesma que apoia incondicionalmente Nicolas Maduro, infelizmente), Lula disse que:

“Somos exatamente o oposto de Bolsonaro”.

Perfeito. Como Bolsonaro é classificado pelo lulismo com o termo de Extrema Direita, é correto entender o lulismo como Extrema Esquerda, sem abrir mão do fanatismo que é comum aos extremistas de ambos.

Pobre Brasil… o radicalismo atrapalha o bom senso!

Resultado de imagem para Lula e Bolsonaro

– O medo de políticos se associarem a pares impopulares

Leio que o Governador João Doria Jr negou que apoiou explicitamente o presidente Jair Bolsonaro nas últimas Eleições, refutando veementemente a criação da campanha “BolsoDória” no Segundo Turno.

Ora, a quem ele quer enganar? Isso foi claro e notório. Parece-me a mesma negação ocorrida pelo PT com o PMDB (José Sarney foi conselheiro de Lula em muitos momentos) ou de alas do PSOL e PC do B na composição do Governo Petista, quando se fala de corrupção.

Se a moça é bonita, todos querem namorar com ela. Vide Bolsonaro e Luís Inácio no auge da popularidade deles, quantos bajuladores apareceram! Quando percebem alguma coisa que desagrada o senso comum, “nunca paqueraram a noiva…

A verdade é: sempre existem dois (ou mais) discursos engatilhados: o de apoio ou o de crítica, sempre que existir interesse.

– Dia 31 é para Lamentar a existência de Marighella e Ustra, as estrelas-heróis dos radicais!

Quanta polêmica criada por uma ordem do presidente Bolsonaro aos militares (para que comemorem nos quartéis a data de 31 de Março, o começo de um golpe de estado contra João Goulart (Jango).

Quem é de extrema direita vai dizer que não existiu ditadura. Quem é de extrema esquerda vai dizer que os militares brasileiros matavam todos os inocentes. É o triste fanatismo que observamos em nosso país.

Claro que se você estudar de verdade, sem viés ideológico, verá que existia uma perigosa aproximação do Brasil com a União Soviética e os comunistas, numa provável revolução de esquerda. E verá que existiu a contra-revolução, a de direita, que a freou. O problema é que os militares assumiriam o poder transitoriamente, mas só largaram o Governo na década de 80.

Os dois lados geraram bandidos.

A esquerda, por exemplo, Mariguella, que escreveu em seu “Manual do Guerrilheiro Urbano” (uma literatura terrorista) que o “guerrilheiro deve atacar o sistema de impostos, mas não pode somente transtornar o sistema de coletas de impostos, mas o braço da violência revolucionária também deve se dirigir contra o Governo”.

O Coronel Brilhante Ustra foi sua versão de direita, tão violento quanto ele. Torturava sem dó nem piedade, fazia com que muitos fossem judiados e… se fossem inocentes equivocadamente detidos? Sem contar aqueles mortos por suas ordens simplesmente por serem vós contrária, mesmo que pacificamente.

Enfim: o Brasil não suporta mais esse discurso de ódio tanto da direita quanto da esquerda, que gera uma enxurrada de críticas a quem consegue se manter sensato.

Chega de aguentar gente com político de estimação, “bajulador de Bolsonaro” ou “paga-pau de Lula”. O país precisa de pessoas competentes, honestas e que demonstrem valores sociais.

Resultado de imagem para marighella ustra

Ustra ou Marighella? (Ops: o esquerdista não era negro, como retratado no filme de Wagner Moura).