– Dificuldade impulsionando a Criatividade!

A dificuldade pode ser um fator tanto desanimador quanto incentivador. Porém, vemos que muitas pessoas, ao sentirem desafiadas pelos percalços, acabam se superando. Um artigo fala sobre isso, extraído do Caderno Inteligência, da Revista Época Negócios, ed Jan/13, pg 100.

Abaixo, compartilho, sobre “dificuldades desejáveis”:

NÃO FACILITE

A dificuldade estimula a criatividade

Nosso cérebro responde melhor às dificuldades do que imaginávamos. Na verdade, elas estimulam nossa criatividade. O pesquisador Robert Bjork, da Universidade da Califórnia, até cunhou a expressão “dificuldades desejáveis” para defender um intervalo maior entre uma aula e outra, obrigando um esforço adicional dos alunos para lembrar a lição anterior. E cientistas da Universidade de Princeton descobriram que alunos assimilavam melhor os conteúdos impressos em fontes tipográficas mais feias e difíceis de ler. Estudos neurológicos mostram que, confrontadas com obstáculos inesperados, as pessoas conseguem aumentar seu “escopo perceptivo”, recuando seus pensamentos para enxergar o quadro mais amplo.

O poeta britânico Ted Hughes defendia que poesia deveria ser escrita à mão: o esforço para usar uma caneta em uma folha de papel obriga a criar expressões mais densas e sintéticas. Os Beatles são um exemplo de que as “dificuldades desejáveis” ajudam a criatividade: em 1966, depois de lançar Rubber Soul, planejavam gravar seu próximo disco nos Estados Unidos, onde os equipamentos eram muito mais sofisticados. Obrigações contratuais os obrigaram a gravar nos estúdios da gravadora, em Londres. Resultado: com a ajuda de um grande produtor e excelentes engenheiros de som, exploraram todas as possibilidades dos quatro canais de gravação disponíveis e produziram os revolucionários álbuns Sgt. Pepper e Revolver.

bomba.jpg

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Inteligência competitiva como estratégia na concorrência.

Baseada na tradicional análise de Força / Fraqueza e Oportunidades / Ameaças, a Inteligência Competitiva ajuda a antecipar tendências do mercado.

Compartilho, extraído de Folha de São Paulo, ed 20/08/2017, Caderno Sobretudo, Pg 5

PROFISSIONAIS USAM TÁTICAS EMPRESARIAIS PARA SE ANTECIPAR AO MERCADO

Por Anna Rangel

Gerir a própria carreira como se fosse uma empresa -e passar a monitorar o mercado e os concorrentes- pode ser uma boa estratégia para um profissional se destacar no mercado de trabalho.

A tática é baseada na “inteligência competitiva”, metodologia adotada pelas organizações na qual são coletadas informações públicas, como demonstrações financeiras e tendências de mercado, que ajudam na tomada de decisões, como por exemplo a de lançar um produto.

Para o profissional, o primeiro passo é simples: ele pode fazer uma lista das suas prioridades. “Basta colocar as oportunidades e os possíveis problemas, como uma nova tecnologia ou a automação de parte das suas funções, e os seus pontos fortes e suas fraquezas”, ensina Alfredo Passos, especialista em inteligência empresarial.

Assim, fica mais fácil a pessoa se comparar com seus pares e observar se e quando vale investir em algum outro idioma, em um curso livre ou em um mestrado profissional.

Essa análise é chamada de Matriz Fofa (veja abaixo), acrônimo para “forças, oportunidades, fraquezas e ameaças”, e é uma das mais usadas nas empresas.

A especialista em marketing Carolline Volpato, 21, criou um plano de guerra parecido com a Fofa ao largar a faculdade e começar a investir, mesmo sem qualificação formal, em sua nova área.

“Por pressão da família, fui estudar química. Mas, ao ver uma palestra sobre marketing, decidi que era hora de correr atrás da minha vocação. Procurei o palestrante, pedi para acompanhá-lo por uma semana e logo depois ele me deu uma oportunidade.

  Bruno Santos/ Folhapress  
SAO PAULO, SP, BRASIL, 17-08-2017: O Carreiras dessa semana vai mostrar como aplicar conceitos de inteligencia competitiva (observacao de concorrencia, mapeamento de mercado etc). Na foto a coordenadora de marketing da Easy Carros Carolline Volpato (21), que largou uma faculdade de quimica para correr atras do sonho de virar especialista em marketing. Ela monitora concorrencia, vai atras de conversar com outros profissionais que admira e procura cursos para se tornar competitiva. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress) *** FSP-SUP-ESPECIAIS *** EXCLUSIVO FOLHA***
A especialista em marketing Carolline Volpato, 21, na Easy Carros, onde trabalha, na zona oeste de SP

Para aprender mais rápido as habilidades necessárias na nova função, Volpato faz planilhas nas quais lista contatos-chave do setor, cursos e eventos setoriais, com prazo para completar as atividades.

“Às vezes, procuro ‘coordenador de marketing’ no LinkedIn e confiro a trajetória de quem já está onde quero chegar. Abordo alguns para pedir conselhos”, diz.

Essa busca nas redes ajuda Volpato a descobrir como melhorar sua formação.

Para Dimitriu Bezerra, especialista em RH da Votorantim, o profissional não pode esperar que a empresa lhe ofereça subsídios para melhorar a qualificação.

“As organizações incentivam essa busca, mas cada um deve saber como melhorar. Essa iniciativa é levada em conta na hora de promover alguém, diz Bezerra.

Falta essa disposição para quem já tem alguma experiência, mas ainda não chegou a cargo de gestão, segundo Raphael Falcão, diretor da consultoria de RH Hays.

“Essas pessoas entraram no mercado em um período de pleno emprego, por isso não veem como a competição aumentou nos últimos anos.”

A advogada Daniella Corsi veio da área tributária. Antes de virar coordenadora, estudou direito previdenciário, cível, criminal e ambiental. Objetivo: ser diretora jurídica.

“De seis em seis meses planejo o que preciso fazer para me manter competitiva, e acompanho novidades do direito, como a ética empresarial, que está em alta”, diz.

  Gabriel Cabral/Folhapress  
São Paulo, SP, Brasil, 16-08-2017: Daniella Corsi, coordenadora jurídica da Votorantim. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
Daniella Corsi, coordenadora jurídica da Votorantim, na sede da empresa em SP

Mas vale ter cuidado ao abraçar novas tendências para não seguir a multidão sem critério, aponta Edmarson Mota, professor de desenvolvimento humano da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Isso porque há áreas da moda que acabam saturadas com a alta oferta de profissionais. Um exemplo é a análise de grandes lotes de dados (big data), que anos atrás era a promessa do mercado.

“Não adianta só seguir os outros, mas tentar identificar o que vem por aí antes da maioria”, afirma Mota.

Para criar uma vantagem sobre a concorrência, avaliar a própria evolução pode ser mais vantajoso do que competir com os outros.

“A pessoa deve se comparar consigo mesma um ano atrás. Se não houve melhora, não significa que está estável, mas que piorou”, diz Eugênio Mussak, consultor de RH e professor da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Editoria de Arte/Folhapress
Crie sua estratégia

– Quase 40% das camisas de futebol são falsificadas!

Esse número que o Estadão traz é assustador: pelo alto preço das camisas de futebol, a indústria da falsificação aproveita para trabalhar com o consumidor mais humilde. Um exemplo: a camisa do Corinthians, citada na matéria abaixo, custa R$ 600,00, mas é encontrada como “alternativa” por R$ 50,00.

Veja só quanto dinheiro perdem os fabricantes e os clubes (extraído de: https://www-estadao-com-br.cdn.ampproject.org/c/s/www.estadao.com.br/amp/esportes/futebol/falsificacoes-de-camisas-de-futebol-causam-prejuizo-bilionario-e-desafiam-times-e-marcas/).

FALSIFICAÇÕES DE CAMISAS CAUSAM PREJUÍZO BILIONÁRIO E DESAFIAM TIMES E MARCAS

Empresas deixam de arrecadar R$ 9 bilhões por causa do comércio de produtos esportivos ilegais; venda online é o maior problema

Por Március Azevedo

A imagem da transmissão de tevê fecha em um grupo de dez torcedores. O clube pouco importa, menos ainda o estádio onde tal cena foi exibida para milhares de pessoas. A única certeza é que quatro deles não estão com o uniforme oficial da equipe de coração. No Brasil, 37% das camisas de times de futebol comercializadas são falsificadas.

Os números são de um estudo realizado pelo Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria) e encomendado pela Ápice (Associação pela Indústria e Comércio Esportivo), entidade formada por grandes empresas do setor de produtos esportivos do mundo, entres elas Nike, adidas e Puma, responsáveis, por exemplo, pela confecção das camisas oficiais de Corinthians, São Paulo e Palmeiras, respectivamente.

Em 2021, foram vendidos 60 milhões de camisas de times de futebol no Brasil, sendo 22 milhões falsificados. A perda foi proporcional ao lucro. A Ápice informou ao Estadão que o faturamento das empresas com o comércio de produtos esportivos, incluindo nesse montante outros itens, como agasalhos e tênis, foi de R$ 9,12 bilhões no ano passado. O prejuízo chegou à mesma cifra: R$ 9 bilhões. Foram comercializados mais de 150 milhões de peças falsificadas. Só com artigos de futebol o prejuízo foi de R$ 2 bilhões em 2020, segundo levantamento do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP).

O maior inimigo não é aquele vendedor ambulante que trabalha nos arredores dos estádios em dia de jogos. Eles ainda estão presentes com o varal improvisado oferecendo camisas e, claro, conseguem seduzir alguns torcedores, mas têm um alcance pequeno perto do comércio online.

A oferta de produtos esportivos falsificados é monitorada pela Ápice quase que em tempo real, em parceria com uma empresa especializada em comércio digital.

Empresa que é líder de compras online em diversos países asiáticos, como Cingapura e Malásia, e que opera no País desde 2019, a Shopee Brasil está no centro do alvo. São mais de 17 mil vendedores que comercializam produtos esportivos falsificados localizados no Brasil e no exterior, com mais de 100 mil links e seis milhões de peças em estoque.

“Se você pesquisar por ‘camisa da seleção’ vai ver até vídeos de fábricas no exterior falsificando essas camisas para colocar na mão do consumidor brasileiro por um preço muito baixo”, afirma Renato Jardim, diretor executivo da Ápice.

A camisa da seleção brasileira que vai vestir Neymar e companhia na Copa do Mundo no Catar é vendida pela Nike em duas versões. A de maior preço, definida como modelo torcedor, custa R$ 349,99. A Supporter, R$ 249,99. A pirata (descrita como de alta qualidade no Shopee) pode ser adquirida por R$ 96,99. O mesmo vale para os modelos dos quatro times grandes de São Paulo.

A camisa do Corinthians, idêntica a utilizada pelos jogadores, é comercializada por R$ 599,99 pela Nike, com uma versão torcedor por R$ 249,99. A do Palmeiras, da Puma, custa R$ 399,90 no modelo jogador e R$ 299,90, no torcedor. A Umbro tem duas opções para os uniformes do Santos: R$ 359,90 e R$ 299,90. Por fim, o São Paulo, da adidas, vende a sua por R$ 299,99. A versão falsificada dos quatro times é entregue, em média, por R$ 50.

“Como isso (camisa) entra no Brasil e chega na mão do consumidor sem pagar nenhum imposto? A plataforma não poderia deixar ser tomada por pessoas que estão praticando um ato ilícito. Não existe um esforço para identificação e suspensão das ofertas e vendedores como acontece com outras plataformas”, comenta Renato Jardim, citando o Mercado Livre como exemplo de combate ao comércio de falsificados. “Os sites precisam ser proativos, ativos e reativos para coibir esse comércio.”

Para Renato Jardim, “não existe uma bala de prata que possa resolver ou mudar drasticamente o cenário da falsificação de artigos esportivos”, mas ele entende que “medidas conjuntas podem ajudar” no combate ao comércio de camisas piratas.

A política tributária é uma delas. “A diferença de preço entre o produto original e o pirata é um dos elementos que gera essa comercialização em grande escala. A parte relevante do preço do original está na tributação. Você precisa ter uma política tributária adequada justamente por saber que esse produto é alvo de pirataria. Quem tem um poder aquisitivo menor também quer ter acesso ao produto”, entende Renato Jardim.

Atualmente, sobre a produção das camisas incide ICMS e IPI na saída do estabelecimento que fabricou. Sobre a receita de venda, o fabricante recolhe IRPJ, CSLL, PIS e Cofins. Tudo isso encarece o preço final do artigo esportivo, que é repassado ao consumidor. Já quem produz o artigo pirata não paga imposto, muito menos investe em tecnologia e marketing.

“É um desafio muito grande para os clubes baratearem e tornarem acessíveis seus produtos, já que várias medidas dependem do poder público, como, por exemplo, uma concessão de benefícios fiscais, uma diminuição da tributação”, afirmou Rafael Marin, advogado tributarista e professor de graduação e pós-graduação em direito tributário.

A diminuição da tributação, acrescentou Rafael Marin, depende de articulação com Estados e União e ainda da aprovação nas respectivas casas legislativas.

Outra questão em que Renato Jardim lança luz diz respeito às leis para aqueles que cometem o crime de pirataria contra marcas esportivas. Segundo ele, é necessária uma atualização da tipificação.

“E não estamos falando da tipificação contra o ambulante, o camelô, que ganha uma diária para vender no dia do jogo, nos arredores do estádio”, comentou. “São os responsáveis pela atividade. Aqueles que estão por trás do ilícito, algo que está muito bem organizado, produção, distribuição, contrabando quando o produto vem de fora. Precisamos de uma tipificação mais correta, com resultados e consequências reais, que façam essa atividade não valer ser cometida.”

Segundo a advogada Mariana Chamelette, vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito Desportivo, as questões relacionadas à pirataria de itens esportivos estão previstas em condutas criminosas tipificadas no art. 184 do Código Penal e na Lei 9.279/96 (que tutela a propriedade intelectual e coíbe a concorrência desleal). “Em nenhum dos casos, a pena prevista pode levar à privação de liberdade, uma vez que a pena máxima prevista aos delitos não ultrapassa quatro anos de reclusão”, explica.

A confecção de produtos piratas também está relacionada a outros delitos, como crimes tributários, descaminho e redução de indivíduos à condição análoga à escravidão.

Renato Jardim cita ainda medidas de enfrentamento, com uma maior fiscalização, como fundamentais para inibir o comércio ilegal de camisas de futebol falsificadas.

“Temos de fechar um pouco mais os caminhos e rotas dos produtos. Não é uma produção de fundo de quintal, que produz dez camisas. É um volume de produção industrial e, para isso, você precisa de estrutura. Temos de ter uma fiscalização sistemática, com diversos órgãos públicos alinhados para trabalhar contra os grandes fluxos e fechar essa torneira.”none

Renato Jardim, diretor executivo da Ápice

Neste aspecto, alguns clubes, como o Palmeiras, tem um escritório de combate à pirataria que trabalha diretamente com os órgãos públicos para minimizar tal prática. O departamento jurídico do São Paulo também está sempre atento aos casos envolvendo produtos relacionados ao clube. Segundo Felipe Dallegrave, diretor executivo jurídico do Internacional, o time de Porto Alegre “busca rastrear a origem desses produtos e identificar os caminhos até chegarem ao consumidor e, posteriormente, realizamos uma denúncia para as autoridades.”

O Palmeiras trabalha em conjunto com a Puma, sua fornecedora, para oferecer “produtos de qualidade em diferentes faixas de preço”, segundo nota enviada ao Estadão. “Em nosso último lançamento, já experimentamos trazer novas opções e continuamos trabalhando com o objetivo de aperfeiçoá-las”, acrescentou, citando o novo terceiro uniforme.

A adidas não se posicionou em relação ao assunto. A Nike enviou uma nota ao Estadão, informando que “o Grupo SBF e as empresas do seu ecossistema, entre elas, a Fisia, distribuidora oficial da Nike no Brasil, está alinhada aos valores do esporte e não tolera pirataria e, por isso, atua no tema com apoio de entidades setoriais.”

EXEMPLOS

O Fortaleza se antecipou e pelo quarto ano consecutivo produziu o uniforme POP. No primeiro ano desta ação, o time cearense foi além e a camisa foi comercializada apenas por ambulantes cadastrados, que puderam adquirir a peça pelo preço de custo.

“A camisa POP é uma ação contínua de conscientização. No início, vendíamos o modelo similar ao da temporada anterior. Os torcedores nos ajudam, com denúncias sobre produtos piratas que estão sendo comercializados. Em alguns casos, abordamos as empresas e as tornamos licenciadas, ramo que é cada vez mais importante na engrenagem do clube”, explicou Renan Menezes, gerente de licenciamento do Fortaleza.

“De 2018 para cá, conseguimos ampliar de quatro para 80 empresas autorizadas pela instituição para produzirem produtos relacionados ao Fortaleza. Em 2022, já faturamos mais de R$ 1,4 milhão no setor, superando a meta anual.”

Renan Menezes, gerente de licenciamento do Fortaleza

Já o Juventude tem sua marca própria, a 19Treze, e lançou nesta temporada a “Camisa Pirata”, com acabamento diferenciado. “Conseguimos atingir muitas pessoas que não têm condições de comprar os produtos originais. As vendas com o projeto representaram quase 20% do que comercializamos no ano passado”, afirma Fábio Pizzamiglio, vice-presidente de marketing.

Imagem extraída da Web.

– Em qual Era da Administração de Empresas Viveremos?

Rita King, futuróloga da Nasa, certa vez resolveu falar de tecnologias do futuro e entrou na área da Administração de Empresas. Segundo ela:

Tivemos a Era Industrial e vivemos hoje na Era da Informação. Muitos futurólogos consideram a próxima era como a Era da Inteligência, mas ela só chegará quando as máquinas pensarem melhor do que nós. Até lá, aguardaremos um momento intermediário, que eu chamo de Era da Imaginação, onde as pessoas, os relacionamentos, a educação e os empregos devem se reformular!

Será que nosso atual momento no mundo dos negócios (e na sociedade também) não é de reinvenção diária?

A Era da Imaginação já chegou…

imgres.jpg

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Conquistando jovens torcedores.

No sábado, jogaram Red Bull Bragantino x Palmeiras em Bragança Paulista. O placar é o menos importante, o que vale é relatar algumas ações de conquista de torcedores (de consumidores e de mercado) a longo prazo.

Você sabia, por exemplo, que há uma fan-fest para as crianças nas redondezas do estádio? Minha filha queria ir lá brincar, e encontrou outras meninas da idade dela (5 anos) nos brinquedos. E com um inteligente trabalho junto às escolas, fica fácil conquistar o coração dos pequenos, não? Aliás, vários meninos e meninas com o uniforme oficial do clube (comprados, provavelmente, na Bull Shop do clube).

Os adolescentes são outro alvo, pois a imagem positiva e o patrocínio dos esportes radicais (além do futebol), rejuvenesce a imagem e o produto do fabricante.

Os jovens, por sua vez, têm maiores benefícios: o sócio-torcedor que estuda na Universidade São Francisco paga R$ 24,00 (sim, vinte e quatro reais) por mês e tem direito a ingressos para todos os jogos (incluindo o de ontem, que custava R$ 40,00 a inteira e R$ 20,00 a meia). Dinheiro da bilheteria, sabidamente, não é o primeiro recurso desejado pelo Red Bull Bragantino. E os estudantes (exceto do curso de Medicina) têm desconto de 10% na mensalidade devido ao convênio. 

Os torcedores “das antigas”, aqueles que ainda têm a camisa carijó guardada, não se queixam do nome do time, das cores ou de outras mudanças. Afinal, viram o time no 1o ano chegar à Primeira Divisão do Brasileirão, no 2o ano chegar à final da Copa Sulamericana e no 3o ano disputar a Libertadores da América. E seus rivais (infelizmente, para os jundiaienses como eu), amargam situações periclitantes (vide o Paulista FC, que amarga a 4a divisão paulista e não tem competição nacional para disputar).

No último dia 27, lançou-se a pedra fundamental do CT, o maior da América Latina. Também se anunciou a reforma de um equipamento esportivo municipal, que se transformará em estádio do Red Bull Bragantino, quando as reformas de sua arena acontecerem. E quando o Nabizão estiver pronto, essa praça esportiva será devolvida ao município com todas as benfeitorias.

Isso se chama… marketing!

Títulos? Depende. É esse o primeiro objetivo desejado, ou outras situações são criadas (como retorno de imagem, alavancagem financeira, desenvolvimento de relação comercial / institucional)?

O que se pode ver é: triste, o torcedor de Bragança Paulista não está, por todos os motivos acima (embora a oscilada no Brasileirão seja visível, por uma série de fatores – além da expectativa criada pelo investimento feito). É o futebol-empresa promovendo entretenimento.

Ops: não assisti o jogo, os ingressos estavam esgotados na maior parte dos setores, restando apenas o do setor mais caro, as cadeiras cobertas, que custava R$ 140,00.

Meninas brincando na fan-fest. Imagem do arquivo pessoal.

– Site de acompanhantes de luxo patrocinando o Brasileirão?

Depois das Casas de Apostas se notabilizarem nas placas de publicidade nos estádios do Brasileirão, uma novidade: um site de “entretenimento adulto” desembarcou nos gramados.

Extraído de: https://www.mktesportivo.com/2022/07/site-de-acompanhantes-fatal-model-desembarca-na-serie-a-do-brasileirao/

SITE DE ACOMPANHANTES FATAL MODEL DESEMBARCA NA SÉRIE A DO BRASILEIRÃO

O site de acompanhantes Fatal Model anunciou um acordo com a Sport Promotion e já desembarcou na Série A do Brasileirão. A empresa esteve em uma das placas de publicidade ao redor do gramado do Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), na partida entre Flamengo x Coritiba.

Inicialmente, a empresa chegou ao futebol a partir de acordos pontuais, como os feitos com Globo-RN, Altos-PI e Portuguesa-RJ em partidas contra Internacional, Flamengo e Corinthians, respectivamente, pela Copa Intelbras do Brasil. A partir daí, fechou com Camboriú, Hercílio Luz e Marcílio Dias, e também figura em placas de publicidade na Série C do Brasileirão.

“Continuamos lutando para que as pessoas nos respeitem e que haja dignidade em nossa atuação, por isso o trabalho da Fatal Model em levar para as grandes massas é tão importante. A plataforma tem a missão de oferecer suporte, segurança e informação para aqueles que desejam ingressar no mercado adulto e para o público em geral. Conquistar esse espaço é realmente gratificante para nós”, disse Nina Sag, acompanhante, sexóloga e embaixadora do site.

A Fatal Model é definida como uma “plataforma de anúncios para acompanhantes”. Qualquer profissional do sexo, seja mulher, homem ou trans, pode se cadastrar no site oferecendo seus serviços.

A Fatal Model conta, segundo números divulgados pela empresa, com 15 milhões de usuários únicos e 25 mil profissionais cadastrados.

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– O dia em que a invenção de Steve Jobs foi desdenhada.

Os erros que a Apple iria cometer quando lançasse seu maior equívoco (para alguns concorrentes), o iPhone, foram retratados nesse artigo bem curioso.

Abaixo (extraído do BlogdoIphone.com):

O DESDÉM INICIAL DO IPHONE 

O desdém inicial pelo iPhone

Muitos se arriscaram na época a prever o futuro catastrófico (SIC) do iPhone. “Especialistas” que queimaram a língua por não verem o futuro chegando.

O iPhone era tão diferente de tudo até ali que muitas mudanças foram difíceis de absorver. A falta completa de um teclado físico era uma das críticas mais usadas pelos detratores, além do fato dele ser “grande” para o padrão da época.

O CEO da Palm chegou a dizer na época “Os caras dos computadores não vão agora chegar e mostrar como se faz. Não é só chegar e fazer“.

Já um outro analista do Bloomberg não acreditava que o iPhone duraria muito tempo:

“O iPhone não é nada mais do que um brinquedo de luxo que vai apelar para alguns loucos por gadgets. Em termos de seu impacto sobre a indústria, o iPhone é menos relevante. É pouco provável que a Apple faça algum impacto neste mercado. A Apple vai vender um pouco para alguns de seus fãs, mas o iPhone não vai marcar a indústria a longo prazo.”

Michael Kanellos, da CNET, foi ainda mais categórico, prevendo o fracasso total do aparelho:

“A Apple está se preparando para lançar um novo telefone… E ele vai fracassar. As vendas deste telefone até irão disparar no começo, mas as coisas vão se acalmar e o telefone da Apple vai tomar o seu lugar nas prateleiras com as câmeras de vídeo aleatórias, telefones celulares, roteadores sem fio e outros possíveis acertos. Quando o iPod surgiu no final de 2001, ele resolveu alguns problemas importantes com MP3 players. Infelizmente para a Apple, são problemas que não existem no setor de telefonia. Os telefones celulares não são desajeitados, dispositivos inadequados. Em vez disso, eles são muito bons. Muito bons.”

Nem mesmo a Microsoft estava acreditando no que estava acontecendo. O diretor de marketing da empresa, Richard Sprague, comentou na época:

“Eu não posso acreditar nesta atenção toda que está sendo dada para o iPhone … Eu só tenho que saber quem vai querer uma coisa dessas (além do fanático religioso). Então, por favor,  favorite este post e volte daqui dois anos para ver os resultados da minha previsão : eu prevejo que o iPhone não vai vender nem perto dos 10 milhões [de unidades] que Jobs prevê para 2008.”

E claro, não podemos esquecer do comentário que ficou na história, vindo da boca do então presidente da Microsoft, Steve Ballmer:

Confira um outro artigo com uma coletânea de frases ditas contra o iPhone. Aproveite também para analisar os comentários que nossos leitores fizeram há cinco anos.

iPhone 11 de 256 GB – Amarelo - Apple (BR)

– Com a Educação, o Brasil sairá da crise.

Terminando o dia, muito feliz com o rendimento das atividades acadêmicas que exerci (em 3 períodos).
 Estive à noite em Joanópolis, a Terra do Lobisomem, falando de Marketing no Fundo Social de Solidariedade, em evento do Sebrae / IBS Américas.

É com a Educação que o Brasil sairá da crise.

– Senai e Sebrae: que sucesso!

Parceria de sucesso: Sebrae e Senai estão desenvolvendo cursos de boa qualidade, ajudando nossos alunos a terem a oportunidade de se desenvolverem profissionalmente (e como pessoas também)!

Hoje, trabalhei Marketing & Vendas com um pessoal muito entusiasmado. Vale a pena incentivar o ensino.

– A Educação abre portas!

Estive pelo Sebrae / IBS Américas no Centro Comunitário Mara Siaulys, um espaço mantido pelo Unique Garden Hotel & Spa, falando sobre Marketing.

Que espaço sensacional, transbordando cultura, conhecimento e… muita paz!

É com a Educação que ajudaremos o Brasil.

#education

– Coleção Alma, da Adidas. Que legal!

A Adidas está lançando uma coleção chamada “Alma”, com camisas históricas de times que um dia vestiram sua marca. A empresa pede autorização desses clubes que hoje não são patrocinados por ela, além de permissão dos seus atuais fornecedores de materiais esportivos, e põe no mercado a novidade.

As duas primeiras camisas foram da Portuguesa de Desportos e do América-RJ. Abaixo:

Imagem de: https://netlusa.com.br/noticias-da-portuguesa/dirigentes-da-portuguesa-contam-bastidores-da-parceria-com-a-adidas

Camisa Alma América-RJ Adidas 2022

Imagem extraída de: https://mantosdofutebol.com.br/2022/06/america-rj-camisa-alma-adidas/

Me lembrei dessa aqui, histórica, do Paulista FC. Ela teve como seu primeiro patrocínio a Vulcabrás. Fico imaginado como seria ela hoje, se caso estiver nos planos da Adidas para a linha “Alma“…

Paulista Futebol Clube Home camisa de futebol 1984.

Imagem extraída de: https://www.oldfootballshirts.com/pt/teams/p/paulista-futebol-clube/old-paulista-futebol-clube-football-shirt-s76634.html

– Tim Maia, Marketing localizado e Estratégia.

Quando você quer anunciar algo, quer que o mundo seja ouvido ou a real necessidade deve ser para pessoas em específico?

Olha que texto muito bacana sobre “marketing local”, abaixo, extraído de: https://leandrolourenco.blog/2021/06/26/tim-maia-marketing-professor/

VOCÊ APRENDERIA TUDO ERRADO SE TIM MAIA FOSSE SEU PROFESSOR DE MARKETING

“Ah, se o mundo inteiro me pudesse ouvir
Tenho muito pra contar
Dizer que aprendi”

Tim Maia

Essa música é conhecida e você já ouviu. Tim Maia, lembra? Hoje alguém cantarolou ela aqui no trabalho e fiquei pensando em várias coisas. Pode parecer loucura, mas lembrei de um fundamento importante do marketing que está sendo deixado de lado nessa maluquice onde todos querem ser influencers famosos.

Claro que o Tim Maia não cantou pensando nisso, mas já que fiz essa associação, peguei a música como gancho para falar de um assunto que julgo ser importante.

Por vezes achamos que o mundo inteiro deveria nos dar atenção, nos ouvir sobre os mais variados temas. E se levarmos isso para o campo dos negócios, achamos que todos deveriam acreditar nas nossas ideias e comprar nossos produtos ou pagar pelos serviços que prestamos.

Estampa que fiz para minha marca de camisetas que nunca saiu do papel

Seth Godin, o carequinha do marketing, trata desse assunto em um dos seus livros. A base da argumentação dele é que deveríamos pensar exatamente de forma oposta. Ou seja, nem todos deveriam nos ouvir. Para Godin, essa história cantada pelo Tim está um pouco equivocada no mundo dos negócios. Você precisa ser ouvido pelas pessoas certas e na hora certa – eu sei que não é tão simples assim, mas vamos lá.

Não é difícil entender

Normalmente as pessoas que precisam te ouvir estão reunidas em pequenos grupos ou localidades. Se o seu comércio é local, por exemplo, quem precisa saber o que você vende são as pessoas do seu bairro, da sua cidade. Adianta o que você anunciar para o Brasil inteiro que você tem uma mercearia ou corta cabelo numa cidade com 100 mil habitantes e que só atende presencialmente?

Godin explora bem esse tema: seja o “melhor do mundo” para as pessoas que te acompanham, que gostam de você e que estão interessadas no que você vende – e aqui podemos falar até de ideias.

Nos perdemos em sonhos cada vez mais complexos e distantes. Passamos horas na internet assistindo os influencers e achamos que a solução para os nossos problemas é sermos iguais a eles. Ter uma audiência de milhares de pessoas, em 99% dos casos, serviria apenas para massagear o seu ego. Para o que você faz e como faz, neste momento, não possui qualquer serventia.

E nessa loucura, queimamos nossos cartuchos em estratégias erradas e ridículas. E quando as coisas não acontecem – o que é bem provável e previsível -, a sensação que fica é de fracasso. Nos sentimos uns merdas por ficar olhando os números do vizinho, do cara que não faz nada de relevante, mas que arrasta uma multidão de pessoas por fazer dancinhas idiotas na frente de uma câmera.

Um exemplo bobo

Certamente você imagina que fazer uma live no Instagram para 30 pessoas seja um fracasso completo. Claro, você já se acostumou com os números dos famosos. E se eu te disser que não é? São 30 pessoas que te acompanham, que estariam enchendo uma sala para ouvir suas ideias ou comprar qualquer coisa que você estivesse vendendo.

Seu jogo, hoje, não é colocar 50 mil pessoas numa live. Pensa comigo: se você entrasse numa sala com 30 pessoas para uma palestra ou se essas mesmas 30 pessoas entrassem na sua loja ao mesmo tempo você acharia uma multidão. Nem conseguiria atender ou falar com todo mundo com calma. Viu como essa audiência é relativa?

Esqueça esses papos de guru e concentre-se no seu objetivo. Não é pensar pequeno, longe disso. O crescimento necessita de consistência e bases sólidas. Sem isso, você periga desmoronar no primeiro vento. E exemplos assim não são difíceis de encontrar por aí. Aliás, a maioria entra com ideias mirabolantes e acaba desistindo na primeira dificuldade. O sucesso é relativo e o fracasso também.

Portanto, curta muito as músicas do Tim Maia. Coloque para ouvir quando estiver de bobeira, relaxando e tomando uma cerveja. Quer cantar junto? Cante! Vai te fazer bem, trazer alívio e satisfação, aquela coisa boa no peito. Só não ache que o mundo inteiro precisa parar para te ouvir e comprar toda e qualquer ideia que você tem na cabeça.

Muitas vezes, falar com a pessoa que está ao seu lado basta para obter os resultados que você tanto espera.


Gostou deste texto? Mande ele para um amigo(a). Compartilhe com pessoas que possam se beneficiar dessa mensagem. Conto com sua ajuda para chegar mais longe. ❤

– Os clubes estão ficando menores que os atletas?

Vi e achei que rende uma boa discussão: alguns clubes de futebol estão perdendo torcedores para admiradores de atletas?

Tudo pelos negócios através do marketing: assim como os clubes têm escudo, jogadores de ponta tem logomarcas!

Veja e reflita: será que os atletas não estão (ou um dia estarão) suplantando os times de futebol (por mais paradoxo que isso possa parecer) através de seus fãs?

Olha alguns exemplos de logos reconhecidas:

– As bonitas camisas do Paulista FC.

Tem como não achar bonito o uniforme do Paulista FC?

A camisa 1 – Tricolor,
a camisa 2 – Branca com os “trilhos da Ferrovia Paulista”,
a camisa 3 – Vinho “Terra da Uva”
e a de treino – Vermelha e Preta.

Sensacional!

Duvido que alguém não ache as 4 bem bacanas (especialmente o 3º uniforme).

Imagem

Clique da Loja do Estádio do Paulista

– Dia do Amor?

E essa estratégia de alguns comércios de instituir o “Dia do Amor”, fazendo alusão ao Dia dos Namorados?

Se o Dia dos Namorados brasileiro já foi uma data inventada (pelo marqueteiro João Dória, pai do ex-Governador Dória, para alavancar o comércio daquele mês), o Dia do Amor quer amplificar essa ideia de presentear.

Tudo é mercado…

Comércio e artesão investem no amor e no comércio online para o dia dos  namorados - Bem Paraná

Imagem extraída de: https://www.bemparana.com.br/noticia/comercio-e-artesao-investem-no-amor-e-no-comercio-online-para-o-dia-dos-namorados

– Fracasso do Red Bull Bragantino? Mas quem te disse isso?

Se você ler ou ouvir alguém taxar o termo “fracasso” do Red Bull Bragantino, desconfie. Você pode avaliar da forma que for, mas “não permitir a discussão” ou “dar a entender o contrário” somente para caçar cliques, é bobagem de quem não entende nada.

Primeiramente, um projeto empresarial envolve muita coisa: marketing, dinheiro, retorno de imagem, solidificação de uma marca, entre outros.

A Parmalat, por exemplo, conseguiu o que queria quando entrou no mercado brasileiro co-gerindo o Palmeiras: divulgar sua marca (por incrível que pareça, a palavra Parmalat era lembrada no país como  sinônimo de “óleo lubrificante”, em pesquisa da própria empresa, pois não vendia produtos lácteos no Brasil e patrocinava a Fórmula 1 – em especial, Nelson Piquet). Ganhar títulos foi consequência da união entre os parceiros.

A própria Parmalat ganhou mercado com sua subsidiária Etti, concorrendo (e vencendo) a Cica, líder no seu segmento, fazendo maciça divulgação ao se tornar gestora do Paulista FC (criando o Etti Jundiaí). O projeto de marketing foi um sucesso, além de alavancar o time (que não foi para a série A do Brasileirão, nem venceu a Libertadores, mas ressuscitou o clube e serviu ao que a empresa queria).

Diante dos objetivos empresariais, por quê o projeto Red Bull Bragantino, segundo alguns, é um fracasso? Para ter o nome da empresa falado e divulgado à exaustão nos grandes meios de imprensa, quanto gastaria? Ficou mais barato (e inteligente) adquirir um time. A marca só solidificou-se no mercado que está inserida.

Pessoas fora do mundo do marketing (do torcedor comum ao “jornalista” que torce contra), questionarão: e os títulos?

Mas quem disse que o objetivo de um projeto empresarial é o título? Reforço: valorização da imagem, busca de mercado, lucro e até mesmo, se for o caso, título!

Tanto Manchester City quanto PSG não venceram a Liga dos Campões. Guardiola fracassou? Os mecenas endinheirados são fracassados?

O Bragantino corria risco de cair para a série C do Brasileirão. Subiu. Solidificou-se no ano seguinte na Série A. Em seguida foi vice-campeão da Copa Sul-americana. Neste ano disputou a Libertadores da América.

Fracasso?

Pois, é, caro jornalista que está escrevendo de longe… fracasso é quando você não atinge o objetivo desejado. E você sabe qual é ele?

Eu estou morando em Bragança Paulista. Vejo e converso com as pessoas do futebol daqui, e apesar da frustração de não se classificar para a outra fase (e ficar de fora da Sul-americana), o orgulho ao time continua. Não tem gente xingando, não tem gritos de “Fora, Thiago Scuro”, não tem essa de “time do energético ou time da linguiça”. Tem gente orgulhosa, pois o que tem sido feito, em pouco tempo, é muito bom.

Antes que um “lindão” qualquer possa reclamar achando que a postagem é para ele, me refiro ao jornalista Menon, cujo título de sua coluna foi mais torcedor do que profissional.

Aliás, sobre projeto de marketing, fan fest e outras coisas, a fim de conhecimento, escrevi aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/05/14/isso-e-marketing-red-bull-bragantino-na-expoagro-e-outras-acoes/

Sobre o público presente, aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/05/18/os-numeros-de-torcedores-nunca-devem-ser-analisados-friamente/

Por fim, algo que não se comenta, mas é fundamental: o número de torcedores jovens (de crianças a adolescentes, meninos e meninas) que vão ao estádio, e a simpatia desse futuro público consumidor-torcedor (pois no futebol-business, é assim que deve se tratar o cliente) ao time de futebol e aos produtos que a empresa vende. Essa é a maior conquista.

Lembra que falamos de objetivos?

– Vendido o carro mais caro do mundo! Sabe qual é?

Foi vendido a um proprietário privado, por US$ 142 milhões, o equivalente a pouco mais de R$ 700 mi (preste atenção: não é 700 mil, mas sim 700 milhões), uma Mercedes “0km” de 1955, modelo 300 SLR Uhlenhaut Coupé. O recorde anterior era de uma Ferrari 250 GTO de 1963, vendida por R$ 345 milhões.

Foram construídos apenas dois protótipos, e o veículo estava no Museu da Mercedes. O carro chega a 300 km/h.

Mais detalhes em: https://www.cnnbrasil.com.br/business/mercedes-benz-anuncia-venda-do-carro-caro-do-mundo-automovel-custou-us-142-milhoes/

 

– McDonalds e as promoções que não são universais às lojas.

Quer coisa mais irritante do que ver as promoções do McDonalds, ir à lanchonete, e a loja não participar?

Em Bragança Paulista, por exemplo, a unidade do Taboão não aceita cupons, não faz promoção com a rede e olha lá se tiver os brindes do McLanche feliz. E como atendem mal!

Aff… cansa.

– Cherry Coke ou Byte?

Ontem falamos sobre a Coca-Cola Byte, do Metaverso às prateleiras. Texto aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/05/19/tomei-a-coca-cola-byte-e/

Pois bem: meu compadre Sandro lembrou: ela tem o sabor parecido com a Cherry Coke. Lembram dela? O gosto era bem ruim mesmo… Mas tinha o Edmundo, atacante, como garoto-propaganda! E estava no auge da carreira do “Animal” (apelido que Osmar Santos o imortalizou).

Assista o comercial da época em: https://youtu.be/oet90QsfT7o

– Tomei a Coca-Cola Byte! E…

Que horror!

Tomei a Coca-Cola Byte, e achei um sabor muito ruim!

A Byte é uma bebida lançada no Metaverso via Fortnite, e do mundo virtual virou um produto real!

Falamos sobre isso aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/04/16/byte-a-bebida-da-coca-cola-no-metaverso/

– Isso é Marketing! Red Bull Bragantino na Expoagro e outras ações.

Eu não gosto de Festa do Peão ou semelhantes, mas respeito quem tem a preferência. Entretanto, minhas filhas queriam ir na Feira Agrícola que está acontecendo em Bragança Paulista, onde ocorre simultaneamente o Rodeio da cidade. Como estou sozinho com elas (estamos morando aqui, mas nossa família está em Jundiaí – e minha esposa está há algum tempo trabalhando no Exterior – vide em: https://wp.me/p4RTuC-Bm4), resolvi fazer a vontade delas.

O evento gera muitos empregos na região, apresenta importantes artistas do cenário nacional e gira muito dinheiro. É reconhecidamente uma atração que traz personalidades e políticos para cá, além, claro, de empresas do agronegócio e outros setores (chama-se: 55ª Expoagro e 28ª Festa de Peão de Boiadeiro). Ocorre no “Parque de Monta”, e há atividades durante o dia e  à noite, por 10 dias (apenas 3 registros lúdicos para ilustrar aqui: https://wp.me/p4RTuC-Die).

Pois bem: entre os patrocinadores masters, está o Red Bull Bragantino. E para minha surpresa, não é divulgação da empresa de energéticos Red Bull, mas sim do time de futebol! Todas as iniciativas giram em torno da equipe esportiva dentro do recinto (e acredite: não há a venda de uma lata sequer de bebida da empresa, mas somente de produtos do clube). 

Ressalto: não é uma ação como patrocinador / incentivador local, mas master do evento. 

Muitas camisas do clube por lá (tanto da antiga patrocinadora, a Nike, como da nova, New Balance), além de agasalhos e outros tipos de roupas. Há um grande estande com loja e brincadeiras para as crianças, além de mini-espetáculos. Minha filha caçula, por exemplo, ficou encantada com o mascote e até dançou com ele (e ganhou um chapéu de cowgirl do time; assista que simpatia do Tourinho e o abraço gostoso que ele recebeu: https://youtube.com/shorts/TW19uquMOnA).

Mas vale lembrar: o marketing da empresa (agressivo e inteligente) é uma constante na região. Me recordo de um PT Cruiser estilizado com a marca Red Bull rodando a cidade (com o Toro Loko e o Massa Bruta, o Touro e o Leão que são os mascotes). Há trabalho com crianças nas escolas, ações solidárias como doação de sangue em parceria com o HUSF e visita a pacientes oncológicos por parte dos atletas. Aliás, a Comissão Técnica e os jogadores residem na cidade e convivem por aqui, e podem ser encontrados em pizzarias e lojas locais (e eles curtem: já declararam como é legal serem abordados carinhosamente nos parques e falaram da qualidade de vida).

Além dessas ações, me recordo de um outdoor eletrônico multimídia na entrada da cidade, mostrando pontos turísticos de onde a empresa Red Bull tem clubes, misturando imagens belíssimas de Nova Iorque, Leipzig, Salzburg e Bragança Paulista, dizendo: “Somos todos Red Bulls”. Um válido emponderamento.

Por fim: estudantes e professores da Universidade São Francisco (uma instituição de ensino referencial do Interior Paulista) tem benefícios especiais, pois várias atividades são realizadas em parceira com o clube, Afinal, o “futebol-negócio” é também “futebol-ciência”.

Presenciei várias funcionárias realizando pesquisas de comportamento do torcedor na Praça da Matriz, além da oferta da participação no programa Sócio-Torcedor, com diversos planos e descontos que vão desde os comércios da cidade até outros nacionais. Nos dias de jogos, nas imediações, há vários equipamentos pra as crianças brincarem, além de desafios para os adultos. Uma espécie de “mini-fã-fests”.

Um amigo questionou sobre lotação ou não do estádio nos dias de jogos. Considerando os hábitos da cidade e vários detalhes (município pequeno, com muita extensão territorial, onde boa parte da população mora em fazendas que distam quilômetros do Centro) e com atrações fora do âmbito esportivo, é bom – já que há partidas marcadas, sem bom senso, no domingo à noite.

Escrevo tudo isso porque meu Mestrado foi em marketing Esportivo e não vejo NINGUÉM fazendo essas coisas no país (ops: não estou recebendo por essa postagem nem é um post patrocinado). Lembrando sempre que, o objetivo de uma empresa, não necessariamente é ganhar títulos, mas rejuvenescer uma marca, firmar um conceito de produto, divulgar-se, entre outros. E dentro disso, o case Red Bull Bragantino já é um sucesso, pois imagine: quanto a empresa gastaria anunciando sua marca para ter o mesmo retorno de mídia na grande imprensa? E onde estaria o Bragantino, sem essa mudança?

Uma pena que poucas empresas têm pensado o futebol como Business…

Ops: a Responsabilidade Social também é uma ação muito benquista pelo marketing. Dias atrás, um torcedor teve que assistir o jogo Red Bull Bragantino x Corinthians dentro do restaurante, e ficou insatisfeito (ele era cadeirante e teve dificuldade de acessibilidade naquela oportunidade). Leio que o problema foi resolvido, houve a retratação e o torcedor presenteado pela equipe, como pedido de desculpas. Abaixo:

Ah, se os grandes times brasileiros tivessem a mesma preocupação e aproveitassem o potencial nacional que têm, a fim de explorar suas marcas…

– A Juventus-ITA tentou, mas o Paulista fez melhor!

Ponto para o Galo!

Vejam a nova camisa da Juventus de Turim: as listras pretas lembram trechos trafegados e marcados por pneus (motivo: o clube é patrocinado pela Jeep, que é uma das marcas da Fiat, dona da própria Juve).

Eu prefiro a camisa do Paulista, onde as listras lembram os trilhos de ferrovia (origem histórica do clube).

E você, qual prefere?