– A nova camisa do Paulista!

Rapaz… que uniforme lindo para comemorar 113 anos!

O Paulista FC está lançando sua 3a camisa. Veja abaixo que beleza, além do simbolismo dela:

As explicações, aqui:

– Isso é Marketing! Red Bull Bragantino na Expoagro e outras ações.

Eu não gosto de Festa do Peão ou semelhantes, mas respeito quem tem a preferência. Entretanto, minhas filhas queriam ir na Feira Agrícola que está acontecendo em Bragança Paulista, onde ocorre simultaneamente o Rodeio da cidade. Como estou sozinho com elas (estamos morando aqui, mas nossa família está em Jundiaí – e minha esposa está há algum tempo trabalhando no Exterior – vide em: https://wp.me/p4RTuC-Bm4), resolvi fazer a vontade delas.

O evento gera muitos empregos na região, apresenta importantes artistas do cenário nacional e gira muito dinheiro. É reconhecidamente uma atração que traz personalidades e políticos para cá, além, claro, de empresas do agronegócio e outros setores (chama-se: 55ª Expoagro e 28ª Festa de Peão de Boiadeiro). Ocorre no “Parque de Monta”, e há atividades durante o dia e  à noite, por 10 dias (apenas 3 registros lúdicos para ilustrar aqui: https://wp.me/p4RTuC-Die).

Pois bem: entre os patrocinadores masters, está o Red Bull Bragantino. E para minha surpresa, não é divulgação da empresa de energéticos Red Bull, mas sim do time de futebol! Todas as iniciativas giram em torno da equipe esportiva dentro do recinto (e acredite: não há a venda de uma lata sequer de bebida da empresa, mas somente de produtos do clube). 

Ressalto: não é uma ação como patrocinador / incentivador local, mas master do evento. 

Muitas camisas do clube por lá (tanto da antiga patrocinadora, a Nike, como da nova, New Balance), além de agasalhos e outros tipos de roupas. Há um grande estande com loja e brincadeiras para as crianças, além de mini-espetáculos. Minha filha caçula, por exemplo, ficou encantada com o mascote e até dançou com ele (e ganhou um chapéu de cowgirl do time; assista que simpatia do Tourinho e o abraço gostoso que ele recebeu: https://youtube.com/shorts/TW19uquMOnA).

Mas vale lembrar: o marketing da empresa (agressivo e inteligente) é uma constante na região. Me recordo de um PT Cruiser estilizado com a marca Red Bull rodando a cidade (com o Toro Loko e o Massa Bruta, o Touro e o Leão que são os mascotes). Há trabalho com crianças nas escolas, ações solidárias como doação de sangue em parceria com o HUSF e visita a pacientes oncológicos por parte dos atletas. Aliás, a Comissão Técnica e os jogadores residem na cidade e convivem por aqui, e podem ser encontrados em pizzarias e lojas locais (e eles curtem: já declararam como é legal serem abordados carinhosamente nos parques e falaram da qualidade de vida).

Além dessas ações, me recordo de um outdoor eletrônico multimídia na entrada da cidade, mostrando pontos turísticos de onde a empresa Red Bull tem clubes, misturando imagens belíssimas de Nova Iorque, Leipzig, Salzburg e Bragança Paulista, dizendo: “Somos todos Red Bulls”. Um válido emponderamento.

Por fim: estudantes e professores da Universidade São Francisco (uma instituição de ensino referencial do Interior Paulista) tem benefícios especiais, pois várias atividades são realizadas em parceira com o clube, Afinal, o “futebol-negócio” é também “futebol-ciência”.

Presenciei várias funcionárias realizando pesquisas de comportamento do torcedor na Praça da Matriz, além da oferta da participação no programa Sócio-Torcedor, com diversos planos e descontos que vão desde os comércios da cidade até outros nacionais. Nos dias de jogos, nas imediações, há vários equipamentos pra as crianças brincarem, além de desafios para os adultos. Uma espécie de “mini-fã-fests”.

Um amigo questionou sobre lotação ou não do estádio nos dias de jogos. Considerando os hábitos da cidade e vários detalhes (município pequeno, com muita extensão territorial, onde boa parte da população mora em fazendas que distam quilômetros do Centro) e com atrações fora do âmbito esportivo, é bom – já que há partidas marcadas, sem bom senso, no domingo à noite.

Escrevo tudo isso porque meu Mestrado foi em marketing Esportivo e não vejo NINGUÉM fazendo essas coisas no país (ops: não estou recebendo por essa postagem nem é um post patrocinado). Lembrando sempre que, o objetivo de uma empresa, não necessariamente é ganhar títulos, mas rejuvenescer uma marca, firmar um conceito de produto, divulgar-se, entre outros. E dentro disso, o case Red Bull Bragantino já é um sucesso, pois imagine: quanto a empresa gastaria anunciando sua marca para ter o mesmo retorno de mídia na grande imprensa? E onde estaria o Bragantino, sem essa mudança?

Uma pena que poucas empresas têm pensado o futebol como Business…

Ops: a Responsabilidade Social também é uma ação muito benquista pelo marketing. Dias atrás, um torcedor teve que assistir o jogo Red Bull Bragantino x Corinthians dentro do restaurante, e ficou insatisfeito (ele era cadeirante e teve dificuldade de acessibilidade naquela oportunidade). Leio que o problema foi resolvido, houve a retratação e o torcedor presenteado pela equipe, como pedido de desculpas. Abaixo:

Ah, se os grandes times brasileiros tivessem a mesma preocupação e aproveitassem o potencial nacional que têm, a fim de explorar suas marcas…

– A Juventus-ITA tentou, mas o Paulista fez melhor!

Ponto para o Galo!

Vejam a nova camisa da Juventus de Turim: as listras pretas lembram trechos trafegados e marcados por pneus (motivo: o clube é patrocinado pela Jeep, que é uma das marcas da Fiat, dona da própria Juve).

Eu prefiro a camisa do Paulista, onde as listras lembram os trilhos de ferrovia (origem histórica do clube).

E você, qual prefere?

– FFOA!

Baseada na tradicional análise de Força / Fraqueza e Oportunidades / Ameaças, a Inteligência Competitiva ajuda a antecipar tendências do mercado.

Compartilho, extraído de Folha de São Paulo, ed 20/08/2017, Caderno Sobretudo, Pg 5

PROFISSIONAIS USAM TÁTICAS EMPRESARIAIS PARA SE ANTECIPAR AO MERCADO

Por Anna Rangel

Gerir a própria carreira como se fosse uma empresa -e passar a monitorar o mercado e os concorrentes- pode ser uma boa estratégia para um profissional se destacar no mercado de trabalho.

A tática é baseada na “inteligência competitiva”, metodologia adotada pelas organizações na qual são coletadas informações públicas, como demonstrações financeiras e tendências de mercado, que ajudam na tomada de decisões, como por exemplo a de lançar um produto.

Para o profissional, o primeiro passo é simples: ele pode fazer uma lista das suas prioridades. “Basta colocar as oportunidades e os possíveis problemas, como uma nova tecnologia ou a automação de parte das suas funções, e os seus pontos fortes e suas fraquezas”, ensina Alfredo Passos, especialista em inteligência empresarial.

Assim, fica mais fácil a pessoa se comparar com seus pares e observar se e quando vale investir em algum outro idioma, em um curso livre ou em um mestrado profissional.

Essa análise é chamada de Matriz Fofa (veja abaixo), acrônimo para “forças, oportunidades, fraquezas e ameaças”, e é uma das mais usadas nas empresas.

A especialista em marketing Carolline Volpato, 21, criou um plano de guerra parecido com a Fofa ao largar a faculdade e começar a investir, mesmo sem qualificação formal, em sua nova área.

“Por pressão da família, fui estudar química. Mas, ao ver uma palestra sobre marketing, decidi que era hora de correr atrás da minha vocação. Procurei o palestrante, pedi para acompanhá-lo por uma semana e logo depois ele me deu uma oportunidade.

  Bruno Santos/ Folhapress  
SAO PAULO, SP, BRASIL, 17-08-2017: O Carreiras dessa semana vai mostrar como aplicar conceitos de inteligencia competitiva (observacao de concorrencia, mapeamento de mercado etc). Na foto a coordenadora de marketing da Easy Carros Carolline Volpato (21), que largou uma faculdade de quimica para correr atras do sonho de virar especialista em marketing. Ela monitora concorrencia, vai atras de conversar com outros profissionais que admira e procura cursos para se tornar competitiva. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress) *** FSP-SUP-ESPECIAIS *** EXCLUSIVO FOLHA***
A especialista em marketing Carolline Volpato, 21, na Easy Carros, onde trabalha, na zona oeste de SP

Para aprender mais rápido as habilidades necessárias na nova função, Volpato faz planilhas nas quais lista contatos-chave do setor, cursos e eventos setoriais, com prazo para completar as atividades.

“Às vezes, procuro ‘coordenador de marketing’ no LinkedIn e confiro a trajetória de quem já está onde quero chegar. Abordo alguns para pedir conselhos”, diz.

Essa busca nas redes ajuda Volpato a descobrir como melhorar sua formação.

Para Dimitriu Bezerra, especialista em RH da Votorantim, o profissional não pode esperar que a empresa lhe ofereça subsídios para melhorar a qualificação.

“As organizações incentivam essa busca, mas cada um deve saber como melhorar. Essa iniciativa é levada em conta na hora de promover alguém, diz Bezerra.

Falta essa disposição para quem já tem alguma experiência, mas ainda não chegou a cargo de gestão, segundo Raphael Falcão, diretor da consultoria de RH Hays.

“Essas pessoas entraram no mercado em um período de pleno emprego, por isso não veem como a competição aumentou nos últimos anos.”

A advogada Daniella Corsi veio da área tributária. Antes de virar coordenadora, estudou direito previdenciário, cível, criminal e ambiental. Objetivo: ser diretora jurídica.

“De seis em seis meses planejo o que preciso fazer para me manter competitiva, e acompanho novidades do direito, como a ética empresarial, que está em alta”, diz.

  Gabriel Cabral/Folhapress  
São Paulo, SP, Brasil, 16-08-2017: Daniella Corsi, coordenadora jurídica da Votorantim. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
Daniella Corsi, coordenadora jurídica da Votorantim, na sede da empresa em SP

Mas vale ter cuidado ao abraçar novas tendências para não seguir a multidão sem critério, aponta Edmarson Mota, professor de desenvolvimento humano da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Isso porque há áreas da moda que acabam saturadas com a alta oferta de profissionais. Um exemplo é a análise de grandes lotes de dados (big data), que anos atrás era a promessa do mercado.

“Não adianta só seguir os outros, mas tentar identificar o que vem por aí antes da maioria”, afirma Mota.

Para criar uma vantagem sobre a concorrência, avaliar a própria evolução pode ser mais vantajoso do que competir com os outros.

“A pessoa deve se comparar consigo mesma um ano atrás. Se não houve melhora, não significa que está estável, mas que piorou”, diz Eugênio Mussak, consultor de RH e professor da FIA (Fundação Instituto de Administração).

Editoria de Arte/Folhapress
Crie sua estratégia

– Whooper Costela Fake.

Dias atrás, tratamos o caso do McPicanha “sem picanha” (admitido pelo McDonalds depois de perturbado pelo Procon) de “McFake”.

Agora, é a vez da Rede Burger King admitir que o BK Whooper Costela não tem carne de costela, mas “aroma de costela”…

Fazem o cliente de bobo, não?

Em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/05/02/burger-king-e-acusado-de-vender-whooper-de-costela-sem-costela.htm

– As cervejas brasileiras e o Maio Amarelo.

Há 1 ano…

As cervejas brasileiras da AMBEV estão grafadas com o nome errado nas propagandas?

Sim. E é proposital. Afinal, estamos entrando no mês do “Maio Amarelo”, visando a segurança no trânsito. A ideia é mostrar que quando você bebe em excesso, acaba enxergando as coisas como elas não são e não deve dirigir.

Assim, como muita gente achou que no último domingo a Rede Globo fez uma arte errada na animação da Brahma (veiculada como Bhamra), verá outra grafias diferentes como na figura abaixo: 

Divulgação

Imagem: Divulgação da Ambev na Internet.

– McPicanha sem Picanha? Seria o… McFake?

Quer dizer que o McDonalds vende um sanduíche de picanha, sem carne de picanha?

E ao PROCON, admitiu isso e lamentou que o consumidor “tenha se confundido” com os anúncios do lanche?

Pô…

Matéria em: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2022/04/28/procon-sp-vai-notificar-mcdonalds-por-mcpicanha-sem-picanha.htm

Crédito da imagem no link acima. 

– O sentido do Ovo de Páscoa: o de galinha ou de chocolate?

Só no Brasil existe a tradição de Ovos de Chocolate na Páscoa. Em outros lugares, o coelho traz ovos (ou cascas apenas) pintados. O sentido do “coelho e do ovo” é de fertilidade, de vida, de renascimento…

Quando eu era pequeno, ouvia a história de que o coelho é quem trazia os ovos pois ele foi o primeiro animal a ver Jesus Ressuscitado. Claro, apenas uma história para animar as crianças, pois nada disso está na Bíblia.

Gostei dessa brincadeira: a galinha é a ave mais marqueteira que eu conheço (afinal, ela faz um escândalo cacarejando quando bota seus ovos), mas nessa época, o coelho vence:

– E o Red Bull Bragantino deixa a Nike e vestirá New Balance.

E a New Balance vai ter a exclusividade de vestir o Red Bull Bragantino.

Acho que será bom para ambos, afinal, uma grande empresa que quer se destacar no mercado brasileiro precisa de um time que esteja em ascensão. E o clube, alguém que se dedique bastante e traga novidades.

Boa sorte a todos!

– 3 Fatores para sua Empresa Ganhar Credibilidade no Mercado

Compartilho material bacana da Revista Exame sobre o tripé de virtudes que dão crédito às empresas: Bom Atendimento, Qualidade do Produto e Transparência. Abaixo:

Extraído de: http://exame.abril.com.br/pme/noticias/como-sua-empresa-pode-ganhar-credibilidade-no-mercado

COMO SUA EMPRESA PODE GANHAR CREDIBILIDADE NO MERCADO

Transparência e disposição são atitudes essenciais para que os consumidores acreditem e confiem no seu negócio

por Priscila Zuini

A confiança dos clientes é um dos mais valiosos bens que as pequenas empresas podem ter. Com credibilidade no mercado, a imagem do negócio se espalha e fica mais fácil para o empreendedor crescer. Conquistar esta confiança, no entanto, não é fácil. “A gente acredita muito que a força de vendas no primeiro contato com o cliente é primordial para isso”, diz Tonini Junior, sócio diretor de vendas e varejo da Praxis Business.

Manter vendedores treinados e motivados é essencial para que os clientes sejam tratados de forma adequada. Além disso, a atuação do dono com os consumidores e com a equipe precisa ser próxima para evitar problemas. “O atendimento é a porta de entrada da empresa para todos os clientes”, explica Diego Maia, presidente do Grupo CDPV (Centro do Desenvolvimento do Profissional de Vendas).

1. Atendimento impecável

Dedique algum tempo para treinar os seus funcionários pessoalmente. Isso ajuda a garantir que eles estejam alinhados com os valores e a cultura da empresa. “Vivemos a era do relacionamento e a figura do vendedor ganha cada vez mais corpo”, diz Tonini.

Para Maia, não há dúvidas de que uma imagem de credibilidade está alinhada a um excelente atendimento. “Busque, entenda e atenda as reais necessidades dos clientes. Esteja sempre disponível para melhor atendê-lo e não permita que ela saia de sua empresa insatisfeito ou apenas satisfeito. Ele precisa sair encantado”, ensina Maia.

2. Tenha um bom produto

Não adianta ter um time super treinado, se o seu produto não satisfaz o cliente. “Para que uma empresa mereça credibilidade de seus clientes e, consequentemente do mercado, seu produto ou serviço não pode deixar a desejar. Precisa superar as expectativas dos clientes ou, pelo menos, atender às suas necessidades”, diz Maia.

O primeiro passo é dominar as especificidades dos itens comercializados. “Entender bem o produto é importante”, afirma Tonini. Sem um produto de qualidade, os clientes não voltam nem fazem propaganda do seu negócio.

3. Seja transparente

Com um bom produto e um bom atendimento, falta garantir a ideia de transparência e honestidade. “O cliente quer sentir essa relação de autenticidade e transparência”, conta Tonini.

Isso vale para negociações, vendas ou mesmo na comunicação da empresa. Os negócios criados com conceitos obscuros não se sustentam e ainda prejudicam a carreira do empreendedor. “Seja transparente e autêntico na hora de passar informação”, diz.

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida. Quem conhecer, favor informar para crédito na postagem.

– Consumistas Esperançosos.

Um bom publicitário consegue tiradas fantásticas, muitas vezes próximas da verdade. Washington Olivetto, que dispensa apresentação, disse:

O Consumo é um ato de esperança!”

Ah tá! Quer dizer que se eu gasto, é porque tenho a expectativa de que poderei pagar e algo melhorará?

É claro que entendi o que Olivetto quís dizer, mas não posso concordar integralmente. E os compulsivos? E os caloteiros?

E você, discorda ou bate palmas para tal afirmação?

Deixe seu comentário:

bomba.jpg

Imagem extraída de: https://fremplast.com.br/primeiro-shopping-direcionado-a-fabricantes-de-moda-com-venda-direta-ao-consumidor-sera-inaugurado-no-rio-de-janeiro/

– Que boa sacada, McDonalds.

A propaganda do McDonalds na Ásia foi sensacional! Olhe o cartaz abaixo e diga: o que você vê?

Num primeiro momento, vi um casal se beijando. Depois, o real: um consumidor devorando um Big Mac!

Duplo sentido virtual, mas usando o mesmo tema: Paixão!

– É tão simples deixar o cliente à vontade…

Quantas vezes você se deparou com vendedores que grudam em você, permanecendo do seu lado e oferecendo de tudo, mesmo quando você diz que está apenas “dando uma olhadinha”?

Não sei quem bolou essa forma tão básica de evitar incômodos: cestinhas que diferenciam a cor conforme a necessidade de atendimento do freguês (abaixo).

Simples e simpático, não?

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida. Quem conhecer, favor informar para a divulgação do crédito.

– Água em lata?

E agora temos água em lata?

Para mim, uma novidade.

A Ambev diz que tal medida é melhor para o meio ambiente (em relação às garrafas plásticas) e que o lucro é 100% voltado para projetos sociais. Que assim seja!

Como ideia, é interessante. Mas vingará?

– Colgate idêntica, mas de tamanho diferente.

Repare nestas pastas de dente: o preço e o produto são os mesmos, embora o tamanho das embalagens não sejam. 

Quando você vê ítens assim, como estes, na prateleira e vai comprar um nessas circunstâncias, por qual você opta?

A diferença aqui é: ambos no Carrefour dividem espaço, mas perceba que um é mexicano e outro é brasileiro.

Fica a recomendação: por quê não esperar um lote acabar?

– Os elétricos na moda: Bruce Wayne / Batman terá um Mercedes “diferente” em “The Flash”.

A Mercedes também entrou na briga dos carros elétricos?

Mais ou menos.

Para o filme “The Flash”, o milionário Bruce Wayne ostentará um veículo da marca “sem preço”, por ser um carro-conceito e elétrico.

Veja só, extraído de: https://www.uol.com.br/carros/noticias/redacao/2021/06/22/batman-usara-carro-conceito-eletrico-da-mercedes-em-novo-filme.htm

BATMAN TERÁ CARRO CONCEITO EM FLASH

O ator Michael Keaton, que voltará a fazer o Batman após 30 anos, deverá possuir um modelo dos mais exclusivos como seu carro particular. No filme The Flash, que deverá chegar às telonas no próximo ano, Bruce Wayne será o proprietário de um Vision Mercedes-Maybach 6 (…).

O Maybach 6 foi revelado como um carro-conceito em Pebble Beach em 2016, e é elétrico apesar do grande capô. Por ser conceito, o modelo não tem preço divulgado.

Ele tem quatro motores elétricos que fornecem 738 cv às quatro rodas. Desta maneira, ele é capaz de ir de 0 a 100 km/h em 4s e ter uma autonomia de 320 km. O Maybach 6 ainda é conversível.

A presença do Maybach é muito provavelmente o resultado de um acordo de produto contínuo da DC com a Mercedes, que começou com no filme da Liga da Justiça de 2017.

O filme do Flash com Bruce Wayne está programado para estrear em 4 de novembro de 2022.

merc - Divulgação - Divulgação

Vision Mercedes-Maybach 6. Imagem: Divulgação

– O Paradoxo Pepsi.

Já faz muito tempo que vejo pela Web afora alguns vídeos como esse, do link abaixo: começa falando que nos testes cegos, a pessoa prefere Pepsi do que Coca-Cola, e depois fala sobre a importância do nome forte de uma marca.

“Tem” e “não tem razão”. Me parece um pouco exagero de apologia à Pepsi, mas aí são incorporados conceitos mercadológicos interessantes; e depois cai numa “barra forçada”: quem disse, por exemplo, que as pessoas consomem Adidas por conta do Messi, como relatado aqui?

Assista o vídeo, mas tenha suas ressalvas com algumas falas que soam mais como propaganda do que propriamente de estudos, em: https://www.linkedin.com/posts/willianfelix-eletronicaeautomacaoindustrial_lembrei-das-aulas-de-virando-a-chave-com-activity-6875382797142396928-_xRf

Coca ou Pepsi – quem domina o mercado global?

Imagem extraída de: https://cruzferreira.com.br/coca-ou-pepsi-quem-domina-o-mercado-global/

– Red Bull e o produto que “fracassaria”…

Dietrich Mateschitz, empresário com espírito empreendedor extremamente aguçado, um dia quis lançar uma bebida diferente. Nos anos 80, a consultoria americana NDP fez um estudo sobre seu produto e afirmou:

“Nunca um produto esteve tão fadado ao fracasso quanto esse”.

Hoje, Mateschitz é um bilionário austríaco. O produto é o energético Red Bull. E o fracasso não se confirmou, tornando um sucesso de vendas que gira em 4,2 bilhões de latinhas ao ano.

Motociclista, Aviador, Adepto de esportes radicais. Reza a lenda que ele toma 10 latinhas de Red Bull por dia (eu duvido, é muita coisa). Ah: mesmo com quase 80 anos, não repete namoradas em eventos sociais (todas na casa dos 20 anos).

A consultoria errou bem, hein?

Energético Red Bull Tropical Summer Coco 4 Lata 250 Ml | Mercado Livre

Imagem: Divulgação Red Bull

– A empatia em gestos simples.

Leio no Ecoa (em matéria reproduzida pelo UOL, conforme citação na figura abaixo) que na Holanda um supermercado criou caixas para ficarem conversando com idosos. Sensacional!

Um dos males que maltratam os “nossos velhinhos” é a solidão. A necessidade de conversar é perceptível, e tal simpática iniciativa merece todos os aplausos.

E quem / quando se fará algo igual aqui no Brasil?