– Pandemia: não é hora de brigar!

As redes sociais estão um inferno com as discussões de pessoas com opiniões diferentes sobre como lidar com o surto do Novo Coronavírus. Desde a politização, passando pela questão econômica e social, terminando no pânico de quem tem familiares no grupo de risco.

Acima de tudo, é hora de fazer valer algo muito maior do que a discórdia e individualidade: a solidariedade entre os brasileiros!

Não é hora de divisão, mas de união! Será que a conseguiremos? Para isso: precisamos deixar as paixões de lado e usar a racionalidade (um desafio muito grande a todos nós).

– O mundo da colaboração, e não o da competição, é necessário

Em tempos de pandemia e necessidade de ações solidárias e coletivas, deparei-me com essa consciente reflexão:

“As pessoas educam para a competição e esse é o princípio de qualquer guerra. Quando educarmos para cooperarmos e sermos solidários uns com os outros, nesse dia estaremos a educar para a paz”.

Maria Montessori, médica e educadora.

Pensemos: de que adianta, especialmente nos dias de hoje, a agressividade nas palavras e o discurso da necessidade de sucesso na carreira profissional neste mundo competitivo, onde o indivíduo faz de tudo para se dar bem, muitas vezes sobrepujando seu próximo?

Mais do que isso: o que é sucesso?

Vale pensar…

Colaborar e Cooperar para o crescimento da sua empresa - Parte ...

– Quem doa, tem que falar para todo mundo? Sobre os boleiros ricos em tempo de solidariedade

Ajudar o seu irmão, o desconhecido ou o anônimo carente é muito importante. Faz bem e Deus vê.

Leio que nesses tempos de pandemia, estrelas do futebol como Cristiano Ronaldo e Messi estão doando muito dinheiro e outros recursos para ajudar as pessoas. Ótimo! Mas…

Apesar de ser ajuda, seria ao mesmo tempo uma divulgação e/ou promoção pessoal? Sempre aprendi que quando uma mão ajuda, a outra não deve saber.

Mesmo sendo publicidade, a solidariedade é importante. E paralelamente, leio críticas ao brasileiro Neymar, por algumas postagens reais que surgiram, onde ele estava curtindo “mini-férias”.

Não podemos julgar ninguém e nem compará-lo com seus colegas de profissão, mas toda e qualquer ajuda em um momento crítico da humanidade é boa. Especialmente manter a prudência de não escandalizar e sim se solidarizar por parte daqueles que sabem que a sorte, a competência e a vida lhes foram favoráveis e muito tem. Afinal, pode parecer insensibilidade ou alienação.

– Em prece, todos juntos com o Papa Francisco suplicando a Deus pelos que sofrem com o Coronavírus!

Tomar todas as providências sanitárias, prevenir-se, manter-se em resguardo e… REZAR!

Hoje, às 8h00 (horário de Brasília), não nos esqueçamos de um jeito uníssono levar a Deus nossas orações!

Abaixo:

– Hora de pensar no bem comum. Se recolha ao seu lar!

Não creia que o prejuízo financeiro vai sobrepor o prejuízo social. Descarte essa ideia e seja sensível / humano. Hora de pensar no bem comum e ficar em casa.

Reflita nessa observação em: https://youtu.be/h2nBnCmsVsE

– Ajude os Bancos de Sangue neste momento tão delicado

Se as pessoas já estavam com medo de ir a qualquer hospital nos últimos dias, com o pedido de quarentena o movimento desnecessário à uma entidade de saúde diminuiu (desde que não seja urgente ou do próprio caso suspeito de Covid-19).

Mas também os casos de “movimento necessário” caem por tabela: por exemplo, o de doadores de sangue!

Sou doador voluntário regular, e por um probleminha de saúde (controlado hoje, sem gravidade) estou impedido de doar por um tempo. E, conversando com pessoas que também abraçam a causa, me assustei ao saber o quanto despencou o número de bolsas de sangue e de plaquetas: motivados pela época (pós-Carnaval) medo de infecção e refúgio em casa.

Apesar de toda a quarentena, existe essa necessidade urgente! Se você é saudável e preenche os requisitos, tome os cuidados devido e vá doar sangue. Os bancos de sangue PRECISAM muito desse precioso líquido, insubstituível!

A vida agradece…

Resultado de imagem para doaçãod e sangue coronavirus

– Uma ajuda solidária da Ambev que virou boato distorcido.

O mundo está muito chato e cheio de modificações nas informações originais. Vamos lá: a Cervejaria Ambev (que trabalha com álcool, logicamente) resolveu mudar uma linha de produção, adaptando-a para produzir álcool em gel, com a finalidade de doar meio milhão de embalagens do produto para hospitais públicos.

Porém… surgiu a “informação” de que a Ambev iria distribuir álcool para todo mundo gratuitamente, bastando preencher um formulário (falso, evidentemente).

Extraído de: https://politica.estadao.com.br/blogs/estadao-verifica/boato-adultera-noticia-de-doacao-de-alcool-em-gel-pela-ambev/

BOATO ADULTERA NOTÍCIA DE DOAÇÃO DE ÁLCOOL EM GEL PELA AMBEV

Empresa vai distribuir álcool em gel para estabelecimentos de saúde, e não para toda a população

por Tiago Aguiar

Uma corrente no WhatsApp divulga a falsa informação de que a Ambev vai distribuir álcool em gel para a população, auxiliando na prevenção do novo coronavírus. O texto acompanha um link que direciona para recebimento da doação inautêntica. A empresa esclarece que anunciou uma doação, mas não para distribuição livre e direta.

Na última terça-feira, 17, a Ambev divulgou que irá doar aos hospitais públicos municipais de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília 500 mil unidades de álcool em gel. Procurada, a assessoria de empresa informou que as doações serão entregues aos estabelecimentos de saúde.

“A empresa reforça seu compromisso com a segurança e com a saúde dos seus colaboradores, clientes e parceiros. Evite sempre clicar em links ou abrir anexos suspeitos.”, explicou a empresa em nota.

Resultado de imagem para ALCOOL GEL AMBEV

– A dor de quem passa fome!

bomba.jpg

A ONU quer erradicar a fome até 2030. Entretanto, é assustador ver como sofrem os famintos mundo afora. Em especial, na África Negra.

Se tiver coragem, leia abaixo (Extraído de: http://istoe.com.br/um-pedido-de-socorro/)

bomba.jpg

UM PEDIDO DE SOCORRO

O mundo enfrenta a mais grave crise humanitária dos últimos setenta anos. Vinte milhões de pessoas, que vivem em quatro países assolados por conflitos armados, estão na iminência de morrer por desnutrição se nada for feito. Contraditoriamente, ainda são desperdiçados 1,3 bilhão de toneladas de alimentos por ano em todo o globo

Por Fabíola Perez

É a mesma sensação de uma dor aguda e constante. Como uma agonia, que parece perfurar o estômago dias a fio e é agravada pelo calor escaldante, que deixa os corpos num estado permanente de inércia. Os poucos restos de alimentos ingeridos não são suficientes para livrar o organismo da angústia. Nas crianças, o vazio trazido pela ausência de nutrientes rapidamente se transforma em choro. Elas estão entre os grupos mais vulneráveis. Nos acampamentos do estado de Borno, na Nigéria, é comum avistar mulheres e bebês apáticos, sem força e disposição para lutar pela vida. Segundo o pediatra Marco Olla, membro da organização Médicos Sem Fronteiras, em regiões onde se vê pessoas com mais de cinco anos acometidas pela desnutrição, é sinal de que a conjuntura é realmente grave. Esse é o caso de Maiduguri, capital de Borno. “No departamento de internação que mantemos na cidade, uma mãe chegou com sua filha de sete anos. A menina estava extremamente desnutrida e com diarréia”, diz. Elas haviam fugido de um vilarejo e se instalaram em um acampamento improvisado. Ficaram ali por mais de um mês, mas a quantidade de grãos e arroz que recebiam não eram suficientes.

A Nigéria é um dos quatro países citados em um recente alerta das Nações Unidas (ONU) que declarou que quatro países vivem a pior crise humanitária desde a criação da entidade, em 1945 (leia quadro). Isso porque possui uma parcela significativa de sua população vivendo sob o flagelo da fome. Os casos de má nutrição já são tão graves que os adultos quase não têm forças para andar e algumas comunidades perdem suas crianças diariamente. Também enfrentam uma situação semelhante Iêmen, Somália e Sudão do Sul. Nesses quatro países, a estimativa é de que 20 milhões de pessoas possam morrer vítimas da insegurança alimentar aguda. Contraditoriamente, a nova onda de fome no mundo vem à tona em uma época que cresce a produção mundial de alimentos e o desperdício chega a 1,3 bilhão de toneladas por ano. Então, porque a fome voltou a ser motivo de alertas mundiais? Nos anos 1980, as imagens de crianças esqueléticas chamavam a atenção para um milhão de mortos na Etiópia. Na década seguinte, 3,5 milhões de norte-coreanos também morreram por falta de alimentos. Mais recentemente, a República Democrática do Congo e a Somália perderam quatro milhões de pessoas para a fome. Hoje, apesar dos avanços, o problema do acesso aos alimentos persiste e se agrava. “A violência de grupos armados impede a entrada e a permanência de grupos de apoio em determinadas regiões”, disse à ISTOÉ Alan Bojanic, representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil.

Atualmente, em todo o mundo existem cerca de 800 milhões de pessoas que sentem as dores de um estômago vazio. Para a ONU declarar oficialmente fome em um país é preciso que pelo menos 20% da população tenham acesso a menos de duas mil calorias de alimentos por dia e que mais de 30% das crianças sofram de má nutrição. Além disso, em países atingidos pela fome são registradas diariamente duas mortes para cada dez mil habitantes ou a morte de quatro crianças em cada dez mil habitantes. Para evitar uma catástrofe nessas regiões, as Nações Unidas pediram uma ajuda de US$ 4,4 bilhões para países desenvolvidos até julho. “Essa situação saiu do normal: conflitos armados e o fator climático da seca tornam o quadro ainda mais perverso”, diz Bojanic. “Em função disso, muitas das pessoas que migram não têm as mínimas condições de segurança para se dedicar à agricultura.”

20 milhões de pessoas podem morrer de fome na Nigéria, no Sudão do Sul, na Somália e no Iêmen e 1,4 milhão de crianças estão em risco iminente de morte por malnutrição aguda.

Outro agravante nessas regiões são as condições logísticas. São zonas de difícil acesso que dificultam a chegada dos alimentos. No Sudão do Sul, por exemplo, existem apenas 200 quilômetros de estradas asfaltadas. Naquele país, a intensificação dos conflitos preocupa entidades de ajuda humanitária. “Em algumas cidades, eles impedem a chegada de cuidados de saúde de emergência, água para o consumo e alimentos para pessoas internamente deslocadas”, afirma Marcus Bachmann, coordenador local do MSF. Na Somália, o cenário de fome e suas conseqüências é ainda mais intenso. Além da guerra que se estende por décadas, da ausência do Estado de direito e do subdesenvolvimento, o país sofre com a falta de água que atinge criações de gado e plantações. Em Borno, na Nigéria, o conflito entre o grupo extremista Boko Haram e o exército também coloca a população em condições limites. “Em Benisheikh, Gwoza e Pulka é impossível cultivar qualquer coisa e é perigoso deixar as cidades para buscar madeira para cozinhar ou vendê-la”, afirma Jean François Sauveur médico do MSF.

Nesses países, os grupos mais atingidos pela insegurança alimentar aguda são as crianças e as mulheres. Para se ter uma idéia, em janeiro, membros da MSF observaram que no norte do Sudão do Sul 25% das crianças com menos de 5 anos sofriam desnutrição grave. “Esses números são extremamente preocupantes”, afirma Nicolas Peissel, coordenador de projeto do MSF. Porém, em função da insegurança, agentes de saúde avaliam que é impossível abrir um novo hospital ou encaminhar pacientes para outras instalações. O Iêmen, por sua vez, atravessa uma das situações mais drásticas do globo. Estimativas da ONU apontam que 19 milhões de pessoas necessitam de algum tipo de ajuda humanitária depois de dois anos de guerra entre o grupo extremista Houthi e o governo. Nos primeiros cinco meses de 2016, foram registrados 50 casos de desnutrição por mês no hospital de Al Tawra, na cidade de Hodeidah. Estima-se que, nesse período, uma criança tenha morrido a cada dois dias pela falta de nutrientes. Ao mesmo tempo em que a necessidade pelo atendimento cresce, muitos hospitais foram destruídos por ataques aéreos.

É comum observar crianças e adultos em pele e osso, sem condições de se manter em pé, porque a fome aguda influi diretamente no metabolismo das pessoas. “Conforme a imunidade das pessoas se compromete devido à baixa de nutrientes, o número de infecções aumenta”, diz Javed Baba Ali, médico do MSF. Para reverter esse quadro, o coordenador de desenvolvimento humano e pobreza do Banco Mundial, Pedro Olinto, defende que é necessário não apenas enviar alimentos a essas regiões como também dar à população local condições de comprar de produtores locais. “Quando se envia mantimentos, o preço sobe e os produtores desistem de plantar seus próprios alimentos”, diz. Ainda assim, a ONU tem como meta erradicar a fome até 2030. “A insegurança alimentar condena uma nação a uma situação permanente de atraso”, diz Bojanic.

Pessoas em situação de insegurança alimentar grave

Iêmen: 14,1 milhões
Nigéria: 1,8 milhão
Sudão do Sul: 4,9 milhões
Somália: 2,9 milhões

bomba.jpg
VÍTIMAS Na cidade de Nyala, no Sudão do Sul, crianças e mulheres lutam para conseguir pequenas quantidades de arroz e grãos distribuídos por ONGs internacionais

– Parabéns, Família Grendacc

Hoje foi dia de ir para prevenções importantes da Saúde, no Grendacc.

Cada vez que estamos lá, impossível não nos sensibilizarmos com as pessoas que carinhosamente trabalham com o tratamento do câncer. Em especial: os voluntários!

Parabéns, Grendacc! Aqui todo mundo é acima da média em questão de sensibilidade, solidariedade e vida.

– Prefiro o sorriso de Quaden Bayles do que ler as manchetes e sentir um nó na garganta de seu choro.

Rodou o mundo as imagens de sofrimento de Quaden Bayles, um menino de 9 anos que sofre de nanismo.

Quando li a história e a dor dele, confesso: deu um mal estar… imagine o que ele, a vítima de bullying por ser tão pequeno (como fosse culpa dele e como se isso fosse um erro!), não deveria estar sentindo?

Felizmente a história dele tocou muita gente, de anônimos a famosos, confortando-o e o convidando para eventos diversosPrefiro sua foto feliz, na figura abaixo, do que a triste, que o mundo viu!

 

– Parabéns pela sensibilidade do repórter da Globo ajudando o idoso!

Quem disse que não há gente boa no mundo? Viram o profissional Rômulo D’Ávila, que estava ao vivo na Globo, falando sobre as enchentes e que parou sua entrada  no ar para ajudar um velhinho?

Abaixo, extraído de: https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2020/02/10/reporter-da-globo-e-motoqueiro-ajudam-idoso-durante-alagamento-em-sp.htm

REPÓRTER RÔMULO D’ÁVILA, DA GLOBO, E MOTOQUEIRO AJUDAM IDOSO DURANTE ALAGAMENTO EM SP

O repórter da Globo Rômulo D’Avila e um motoqueiro ajudaram um idoso que ficou preso em um alagamento com seu carro na madrugada de hoje na Marginal Pinheiros, em São Paulo.

Rômulo foi acionado ao vivo durante o programa Hora Um quando, logo no início de sua participação, notou que o senhor precisava de ajuda. Então, ele alertou o apresentador Roberto Kovalick.

“Tem uma pessoa precisando de ajuda aqui, uma pessoa de idade. Vocês podem me chamar daqui a pouquinho?”, disse Rômulo.

Porém, o link teve continuidade e mostrou Rômulo emprestando o guarda-chuva ao senhor, que posteriormente se identificou como Altair de Oliveira.
No momento, um motoqueiro auxiliava nos primeiros cuidados de Altair. Ele contou que ele e um colega perceberam que um senhor estava dentro de um carro parado no alagamento e ajudaram a sair.

Depois de alguns minutos, Rômulo D’Avila voltou com o link ao vivo e conversou com seu Altair, que estava sem telefone celular. Ele conseguiu contato com a família e foi embora de táxi, contando com a ajuda da produção da reportagem da Rede Globo.

“Está tudo bem, ele estava me contando que estava indo para o trabalho, quando estava passando não viu que o ponto estava alagado. Consegui falar com a esposa dele. Um taxista passou e pegou ele aqui”, disse.

Apesar do susto, seu Altair mostrou tranquilidade para falar sobre o ocorrido. “Quando eu vi estava na água, o carro morreu e parou. Os meninos me tiraram. Agora eu vou para casa, para telefonar para o guincho”.

Repórter Rômulo D"Avila ajuda idoso durante alagamento  - Reprodução/TV Globo

– Um doador pouco anônimo! Que tal imitá-lo? Sobre CR7, o jogador de futebol que mais abraça causas sociais no mundo!

Sempre ouço muita gente falando da vaidade do jogador português Cristiano Ronaldo. Sobre ele olhar nos telões frequentemente, de supostamente ser arrogante e outras coisas que aparecem nas revistas de fofoca, incluindo sua sexualidade..

Ok. Faz parte do mundo das celebridades. Eu acho CR7 e Messi os dois grandes nomes do futebol dos últimos 10 anos (e isso logicamente é indiscutível, vide os vencedores da “Bola de Ouro” desta década).

Mas um detalhe bem bacana que extrapola o futebol jogado, a regra aplicada ou as táticas discutidas: Cristiano Ronaldo é embaixador mundial para a causa da Doação de Sangue!

Leia sobre isso, abaixo – e se você que está se sensibilizando, independente de ser torcedor, juiz, jogador ou simplesmente um leitor: IMITE O PORTUGUÊS!

Extraído de: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2016/02/12/o-lado-heroi-de-cristiano-ronaldo-alem-de-dinheiro-doa-sangue-e-medula.htm#fotoNav=1

O LADO HERÓI DE CRISTIANO RONALDO: ALÉM DE DINHEIRO, DOA SANGUE E MEDULA

Quando não aparece pelos gols, Cristiano Ronaldo costuma ser notícia por seus romances, pelas campanhas publicitárias que protagoniza ou pelas excentricidades típicas de um milionário. Mas o português também tem um lado “herói” que até o impede de fazer tatuagens: a doação de sangue e medula óssea.

Pelas fotos do atacante, é possível notar que ele não tem nenhuma tatuagem aparente. O motivo, segundo os jornais creditam a uma declaração de CR7, é não atrapalhar sua rotina como doador. Os prazos variam para cada país, mas quem faz uma tatuagem geralmente deve esperar entre seis meses e um ano para fazer uma doação.

“Todos podemos fazer a diferença doando sangue. Cada doação pode beneficiar até três pessoas em situação de emergência e ajudar nos tratamentos médicos de longo prazo”, argumenta o atacante, cada vez mais usando sua fama para divulgar campanhas dessa causa.

Além de se dizer doador de sangue frequente, Cristiano Ronaldo também é cadastrado como doador de medula óssea. E sua primeira participação nesse sentido aconteceu em 2011, quando quis ajudar o filho de Carlos Martins, seu ex-companheiro de Sporting e seleção portuguesa.

“Carlos estava conosco na seleção e comentou sobre o problema de seu filho, que precisava de um transplante [de medula]. Os jogadores demonstraram grande solidariedade. Muitos pensam que é algo difícil de fazer, mas é simples e não dói. Podemos ajudar muita gente, principalmente as crianças”, defendeu o português.

Eleito no ano passado na Europa como o jogador de futebol que mais abraça causas sociais, incluindo destinando dinheiro a pessoas e entidades, Cristiano Ronaldo participa de iniciativas para fazer mais gente doar sangue. Ele, por exemplo, é o primeiro embaixador global da “BeThe1Donor” (“seja um doador”, em tradução livre), voltada para incentivar os jovens. Até alguns jogadores do Real Madrid ele já tentou convencer. Tudo graças a esse seu lado “herói”.

Resultado de imagem para cr7 doiando sangue

– A Solidariedade às vítimas das Chuvas em Minas Gerais: ajude às verdadeiras entidades!

Há picaretas de todos os lados! Gente mal intencionada que explora a desgraça da vida dos outros. E não pensa duas vezes na hora de aplicar golpes.

O engodo do momento é pedir doações em dinheiro para as vítimas das chuvas, sendo que a pessoa mais simples e que entende estar ajudando, acaba depositando dinheiro em contas bancárias abertas exclusivamente pelos estelionatários.

Cuidado: o verdadeiro canal aberto pelos Bombeiros de Minas Gerais é o da figura abaixo:

83113189_1544843965691293_2442144303158394880_o