– Você acredita que o Brasil foi “descoberto”?

Neste dia 22, a história conta que em 1500 foi Descoberto o Brasil. Pedro Álvares Cabral chegou nas nossas terras e fincou posse.

Ora, é sabido que já se conhecia sobre a existência das terras. Os portugueses apenas marcaram território. No Brasil, haviam pequenas colônias de navegadores aventureiros.

Mas aí vem um problema atual: as terras eram dos indígenas, e os colonizadores a tomaramHoje, nos confins do nosso território, os índios querem a demarcação de terras para fazer delas o que bem entenderem.

Cá entre nós: eles não são os verdadeiros donos do território? Vale refletir…

bomba.jpg

Anúncios

– Felicidade definida pela Ciência

Em uma matéria da Revista Superinteressante (ed Dez/2013, por Karin Hueck e Rafael Quick), há a definição de Felicidade pelo psicólogo (e vencedor de um Prêmio Nobel de Economia) Dr Daniel Kahneman. Segundo ele:

Felicidade não é só um estado de espírito, é também a soma das nossas memórias (…) ser feliz na vida durante cada momento é diferente de ser feliz com a vida.

A idéia do estudioso é que quando estamos em uma maré de boa sorte, alguns eventos difíceis não derrubam a felicidade das nossas memórias, apenas a felicidade das nossas experiências. Ao final, quando olhamos para os últimos acontecimentos, as lembranças e as experiências caminham juntas, porque são as experiências mais recentes que definem a nossa felicidade.

E aí, concorda com ele ou não?

Resultado de imagem para felicidade

– O uso do VAR nas cobranças de pênaltis do Catarinense

Viram que loucura a final do Campeonato Catarinense, entre Avaí x Chapecoense?

Em um momento de nervosismo “à flor da pele”, os emocionantes momentos derradeiros da decisão por pênaltis tiveram VAR no último chute!

Na cobrança da Chapecoense, a bola bate num “pedacinho” da linha de meta (em lance hiper-mega ajustado), não sendo, portanto, gol (tem que ultrapassá-la 100%).

O interessante é que a bola bate no travessão, no chão sobre a linha (mas não na totalidade) e sai. O árbitro Bráulio Machado aceita a marcação correta do bandeira de que NÃO ENTROU TOTALMENTE. Por ser um lance muito difícil, o VAR Rafael Tracci entrou em cena e confirmou o não-gol. 

O que entristece é: o presidente da Chapecoense DETONOU a decisão e pediu a anulação do jogo pelo uso equivocado do VAR, alegando que a bola entrou

Veja só em: https://globoesporte.globo.com/sc/futebol/times/chapecoense/noticia/presidente-da-chape-pede-anulacao-da-final-do-catarinense-apos-polemica-com-var.ghtml

3F9FACC8-E102-4B83-AE93-615DFB885507

– Não tome Kratom, se te oferecerem!

Um extrato oferecido em chá ou em cápsulas, de uma planta parecida com café, dita estimulante e ao mesmo tempo com alto poder analgésico, o Kratom, tem feito mortos nos EUA, onde virou moda.

Se você não ouviu falar disso ainda, compartilho:

Extraído de: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2019/04/17/o-que-e-kratom-a-planta-que-ja-matou-mais-de-90-pessoas-nos-eua.htm

O QUE É KRATOM, A PLANTA QUE JÁ MATOU MAIS DE 90 PESSOAS NOS EUA

Este suplemento natural tem sido usado há milhares de anos no sudeste da Ásia, especialmente na Tailândia. Seus efeitos em doses baixas podem ser positivos, mas em altas doses são potencialmente mortais, alertam as autoridades americanas.

O kratom é uma planta da família do café, mas que exige muito mais cuidado do que o parente cheio de cafeína. Os problemas que ela está causando nos Estados Unidos levaram autoridades a lançar um alerta sobre seu uso.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país publicou na semana passada os resultados um estudo que mostra que, só em julho de 2016 e dezembro de 2017, esta planta, comercializada na forma de suplemento natural, causou a morte de 91 pessoas.

Além disso, a substância foi encontrada, junto a outras drogas, no corpo de 61 pessoas mortas por overdose.

Embora esses casos representem uma parte mínima do total de mortes por overdose de drogas nos Estados Unidos (1%), a preocupação das autoridades vem pelo aumento de situações como essas.

O Centro examinou mais de 27 mil casos de overdose em 27 Estados americanos.

Em aproximadamente 80% das mortes por kratom ou naquelas em que o suplemento aparecia, o falecido tinha um histórico de abuso de substâncias e em aproxidamente 90% delas não recebiam tratamento médico para dor com supervisão médica (a planta também tem propriedades analgésicas).

Em 2016, Russ Baer, porta-voz da agência federal antidrogas dos EUA (DEA, na sigla em inglês), em conversa com a BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, reconheceu apenas dois casos de morte por overdose de kratom nos Estados Unidos.

Este extrato de planta, que é vendido sem receita médica em qualquer fitoterapeuta, contém mitragyna, um ingrediente ativo com efeitos estimulantes.

Em doses baixas, pode funcionar como uma xícara de café bem forte que ajuda você a ficar acordado e ter mais energia.

Em altas doses, no entanto, seus efeitos são mais semelhantes aos de qualquer opioide, como a morfina.

Além disso, disse a agência americana, existem estudos que indicam que é uma substância com potencial de desenvolver dependência.

Sob esses argumentos, a DEA equiparou kratom a LSD, heroína, maconha ou ecstasy, em 2016.

Cada vez mais popular

Mas sua popularidade continuou a crescer e seus defensores alegam que as autoridades não têm dados científicos confiáveis para justificar o alerta.

É o que diz a Associação Americana de Kratom.

“Numerosos estudos em animais mostraram que o kratom tem toxicidade muito baixa”, explicou Charles M. Haddow, membro da associação e responsável por suas relações públicas em um comunicado.

Nesses estudos, ele acrescentou, mesmo “doses extremamente altas (doses que quando ajustadas para consumo humano seriam difíceis de serem consumidas) não causam morte ou efeitos tóxicos significativos”.

Desintoxicação

Essa chamada de atenção por parte das autoridades ocorre em um momento em que os Estados Unidos enfrentam uma emergência de saúde pública devido ao uso de opioides – uma epidemia que já deixou mais mortes do que a guerra do Vietnã e do Afeganistão juntas.

Neste contexto, o kratom é visto como uma substância que ajuda a gerenciar a desintoxicação de opioides, como o OxyContin e o Percocet.

Suas propriedades de aliviar a dor atenuam os efeitos da síndrome de abstinência.

Mas a FDA continua preocupada com o uso deste suplemento como uma alternativa aos analgésicos.

“Nem kratom nem seus compostos mostraram serem seguros e eficazes para qualquer finalidade, e não devem ser usados para tratar qualquer condição ou doença”, disse.

Muitas pessoas também usam essa substância para abandonar a dependência de heroína, álcool e até do tabaco, de acordo com um estudo do Transnational Institute, localizado na Holanda.

Quais são seus efeitos?

O kratom é uma planta decídua (que, numa certa estação do ano, perde suas folhas) usada há milhares de anos no sudeste da Ásia, especialmente na Tailândia.

Suas folhas são consumidas como chá ou trituradas e misturadas com água, embora também existam cápsulas.

Um estudo do Transnational Institute afirma que o kratom pode causar efeitos positivos, como euforia, relaxamento, sociabilidade, aumento de energia e alívio da dor.

Entre os efeitos negativos estão náuseas, dores de estômago, calafrios e suores, tontura e instabilidade, vômitos e coceira.

“(A planta) começou a ser usada nos Estados Unidos nos últimos 20 anos e nos últimos cinco, seu uso aumentou”, disse Susan Ash, da Associação Americana de Kratom para a BBC Mundo em 2016.

A associação acredita que entre três e cinco milhões de pessoas nos EUA consumam a planta como uma alternativa às drogas convencionais.

Resultado de imagem para Kratom

– Segundona!

Acho que a semana está começando, digamos, um “pouco nublada”!

Agora, 05h53 – nuvens passageiras por aqui, mas creio e desejo que daqui a pouco tenhamos cores.

Ótima segunda-feira para todos nós!

OPS: 07h15 – não disse que o sol viria? Olha ele aqui:

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– O Fanatismo que cega no Sri Lanka e a covardia contra os católicos nos atentados.

A troco de quê?

Oito explosões sincronizadas e 200 mortos no Domingo de Páscoa. Esse é o triste saldo no antigo Ceilão, atual Sri Lanka, país de (acredite) EXTREMISTAS BUDISTAS (que dessa vez, não reivindicaram os atentados).

Todo fanatismo é burro…

Extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/04/para-cristaos-no-sri-lanka-violencia-e-ao-mesmo-tempo-velha-e-nova.shtml

PARA CRISTÃOS NO SRI LANKA, VIOLÊNCIA É AO MESMO TEMPO VELHA E NOVA

País tem histórico de discriminação contra católicos, mas escala dos atentados na Páscoa surpreende

Explosões coordenadas mataram mais de 200 pessoas e feriram mais de 400 no Sri Lanka no domingo de Páscoa (21). O momento foi especialmente significativo, assim com os alvos — três igrejas estavam entre os locais atingidos.

Quatro hotéis também foram atacados, e houve uma oitava explosão sob um viaduto. Os ataques marcaram a violência mais mortífera no Sri Lanka desde o fim da guerra civil entre o governo e separatistas tamis, há uma década.

Nenhum grupo ou indivíduo reivindicou a responsabilidade pela violência de domingo, mas o ministro da Defesa, Ruwan Wijewardene, disse que sete prisões foram feitas e caracterizou as explosões como ataques de extremistas religiosos.

No entanto, como as igrejas foram atacadas no domingo de Páscoa —quando muitos cristãos comemoram a ressurreição de Cristo, o dia mais sagrado no calendário cristão—, muitos viram a violência como dirigida à comunidade cristã do Sri Lanka.

Setenta por cento dos cerca de 22 milhões de habitantes do país são budistas, segundo um censo de 2012; 12,6% são hindus; 9,7% muçulmanos; e 7,6% cristãos (e a vasta maioria destes no Sri Lanka, católicos).

Os separatistas tamis eram na maioria hindus, mas alguns eram católicos; os cingaleses são na maioria budistas. A guerra civil teve mais a ver com nacionalismo e etnia do que com religião. A população cristã hoje está dividida entre a minoria tâmil e a maioria cingalesa.

Ataques violentos nesta escala contra igrejas são quase inéditos no Sri Lanka. A minoria cristã, porém, enfrenta violência e discriminação. O ativista de direitos humanos Ruki Fernando comentou no Twitter que nos últimos 11 domingos serviços religiosos em todo o país enfrentaram algum tipo de interrupção.

No ano passado foram relatados 86 casos verificáveis de discriminação, ameaças e violência contra cristãos, segundo a Aliança Nacional Cristã Evangélica do Sri Lanka. Antes dos ataques de domingo, 26 desses incidentes ocorreram neste ano, incluindo a interrupção de um serviço dominical por monges budistas.

Mas a comunidade cristã não é a única visada pela maioria budista. A minoria muçulmana também é perseguida. Em 2013, uma multidão budista atacou uma mesquita em Colombo, ferindo 12 pessoas. Como comentou no Twitter Amarnath Amarasingam, pesquisador no Instituto para o Diálogo Estratégico, rumores sobre a radicalização dos muçulmanos e de grupos extremistas ligados a financiamento externo foram usados como desculpa por alguns da maioria para atacar os muçulmanos.

Os ataques de domingo não aparentam ter sido realizados por extremistas budistas e romperam os padrões anteriores de violência e discriminação de duas maneiras significativas: visar igrejas é algo especificamente novo, mas também visar aparentemente turistas estrangeiros, se de fato foram alvos nas explosões dos hotéis, que são raras durante a década de violência no país.

Enquanto isso, o governo pediu que a população se una.

“No meio desta tragédia, é tranquilizador ver a manifestação de solidariedade das pessoas que doaram sangue. Budistas, cristãos, hindus, muçulmanos e outros estão doando, porque somos humanos com o mesmo sangue e o mesmo espírito de compaixão”, tuitou o ministro das Finanças, Mangala Samaraweera. “Ninguém pode negar nossa humanidade comum.”

manchas-de-sangue-se-espalham-numa-estatua-de-jesus-cristo-em-igreja-em-negombo-no-sri-lanka-que-foi-atacada-por-homem-bomba-neste-domingo-de-pascoa-1555873825855_v2_900x506

Manchas de sangue se espalham numa estátua de Jesus Cristo em igreja em Negombo, no Sri Lanka

 

 

– E se Tiradentes fosse vivo?

Tiradentes é simbolo de abnegados de um país revoltado com tantos impostos.

Caramba, e hoje é diferente daquele cenário? Some-se a violência, a falta de escolas, saúde precária…

O Joaquim José ficaria mais fulo ainda se observasse tudo isso!

Conheça, extraído de: http://educacao.uol.com.br/biografias/joaquim-jose-da-silva-xavier-tiradentes.jhtm

TIRADENTES

Líder da Inconfidência Mineira e primeiro mártir da Independência do Brasil, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, nasceu em Minas Gerais em 1746, filho do proprietário rural português Domingos da Silva Santos.

Antes mesmo de freqüentar a escola, já havia aprendido a ler e escrever com a mãe. Órfão de mãe e pai desde a juventude, ficou sob a tutela de um tio até a maioridade, quando resolveu conhecer o Brasil. Já adulto, foi tropeiro, mascate e dentista (daí o apelido). Trabalhou em mineração e tentou a carreira militar, chegando ao posto de alferes no Regimento de Cavalaria Regular.

Foi na tropa que Tiradentes entrou em contato com as ideias iluministas, que o entusiasmaram e inspirariam a Inconfidência Mineira, a primeira revolta no Brasil Colônia a manifestar claramente sua intenção de romper laços com Portugal, marcando o início do processo de emancipação política do Brasil.

A revolta foi motivada ainda pela decisão da coroa de cobrar a derrama, uma dívida em atraso. A conspiração foi delatada por Joaquim Silvério dos Reis e todos os seus participantes foram presos.

Sobre Tiradentes, recaiu a responsabilidade total pelo movimento, sendo o único conspirador condenado à morte. Enforcado em 21 de abril de 1792, teve seu corpo esquartejado. Seus membros foram espalhados pelo caminho que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais. Sua cabeça foi exposta em Vila Rica.

Com a morte de Tiradentes, o Estado português queria demonstrar uma punição exemplar para desencorajar qualquer revolta contra o regime colonial. Tiradentes tornou-se mártir da Independência e da República.

Com informações da Nova Enciclopédia Ilustrada Folha

BlvjAuwIUAAfp1F.jpg

– Memórias do dia 21! Zé Joaquim, Brasília, Tancredo e Senna

Nos bancos escolares, aprendi que o dia 21 era cívico, marcado pelo precursor José Joaquim (Tiradentes) e por Tancredo de Almeida Neves, o 1o presidente depois do fim do militarismo.

Não existia Internet, celular ou outro meio mais rápido de comunicação do que o rádio. Era aluno da 3a série da Escola da Caic, e, ao entrar na classe, veio a notícia: Tancredo morreu!

Mas me lembro também que no dia 21 se exaltava o empreendedor governante JK pela construção de Brasília, nova capital e cidade do futuro.

Entretanto, além de heróis nacionais da política, o dia 21 é marcado por outra vitória: a 1a de Ayrton Senna da Silva em circuitos de Fórmula 1 (há 30 anos).

Que falta fazem bons exemplos no país…

bomba.jpg

– Atlético Mineiro 1×1 Cruzeiro: o pênalti equivocado na final do Campeonato Mineiro

Errou o VAR ou fraquejou o Árbitro?

Desde que entrou a questão do movimento antinatural dos braços, a Comissão de Árbitros da CBF tem orientado mal a juizada. Virou uma farra! Na dúvida, se bateu no braço, opta-se por marcar a infração. NO MUNDO INTEIRO não é essa a interpretação, mas sim a da intenção disfarçada (caso contrário, mudaria-se a Regra para dizer que agora a imprudência da mão é infração, o que estaria errado – afinal, a única infração onde se leva em conta a INTENÇÃO é exclusivamente o uso indevido das mãos na bola).

Tudo começou com um maldito vídeo que atrapalhou o aprendizado dos árbitros, onde a diretora da Escola de Árbitros Ana Paula de Oliveira mostrou um carrinho legal na bola num Palmeiras x Fluminense, onde a bola bate no braço por consequência do lance e sem qualquer intenção, mas a CBF cobra a marcação do pênalti em situações semelhantes. Não é! Embora para a entidade (repito, diferente do restante do mundo), teime ser.

No lance da final do Campeonato Mineiro 2019, o jogador do Atlético Mineiro dá o carrinho e sem intenção toca com o braço na bola. Não foi uma intenção disfarçada de interceptar a bola com a mão, nem um movimento antinatural do braço. É casualidade, não se marca nada.

O argumento usado? O de que ele “correu risco”. Ora, correr risco é imprudência, e insisto: não se avalia isso em lances de mão na bola, como explicado acima. É um erro da CBF, uma teimosia, uma vaidade em não se corrigir o equívoco.

Será que na Libertadores da América, na UEFA Champions League, ou em outro torneio de alto nível, se marca isso?

O que me admira é: o árbitro paulista Leandro Bizzio Marinho não havia marcado (corretamente), mas sugestionado a rever o lance pelo VAR, mudou de opinião.

O VAR que foi infeliz ou faltou personalidade ao árbitro para bater no peito e dizer: “eu interpretei que não foi?”

Acréscimo: me espanta que o árbitro de vídeo foi o gaúcho Vuaden, aquele que outrora deixava o jogo correr. Até lance para aplicar ou não cartão amarelo teve VAR acionado (o que fere o protocolo).

Resultado de imagem para atletico x cruzeiro

– Domingo em #Tags

‪21/04/2019, 06h – Jundiaí / SP – Brasil.‬ Viva a natureza!‬

Nosso clique ao vivo:

‪📸‬ ‪#GoodMorning #BomDia #Amanhecer #Fotografia #Inspiration #Céu #Horizonte

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– 2 aninhos!

Hoje nossa princesinha Maria Estela faz seu segundo ano de vida. Seu nascimento foi muito difícil (nossa história aqui: https://wp.me/p4RTuC-iHi)

Essa foto representa o presente da Graça Divina em nossa vida: quando nasceu e com 1 ano. A comparação impressiona:

E hoje, está linda. Lindíssima, esperta e saudável! Nos seus dois anos de vida, abaixo:

Obrigado, Senhor, pela vida da nossa Filha!

– Feliciano, por Olavo, versus Mourão!

Segundo Mônica Bérgamo, na Folha de São Paulo:

O escritor Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, incentivou o deputado Marco Feliciano (Pode-SP) a apresentar um pedido de impeachment contra o vice-presidente, Hamilton Mourão. Os dois estiveram juntos há pouco tempo nos EUA. “Eu disse que estava pensando em apresentar o pedido e ele falou: ‘Faça o que for possível para blindar o presidente. Ele não está conseguindo governar’”. Feliciano diz que pediu um impeachment porque, no entendimento dele, Mourão está conspirando contra Bolsonaro. Ele diz que a iniciativa é apenas um recado: “Não é um tiro para matar. É um tiro para o alto”.

Estamos nesse nível? Olavo de Carvalho (guru do Presidente), um boca suja que se diz filósofo (mas não é oficialmente) orientando o polêmico Marcos Feliciano a tentar derrubar o Vice-Presidente da República?

Caramba… o que está acontecendo com esse país!

Resultado de imagem para Mourão Feliciano UOL

– O Racismo do conselheiro do Santos FC: #ExpulsaORacista

Que nojo! Racismo não cabe mais, pois somos somente uma raça: a humana!

Viram a declaração racista e totalmente condenável do conselheiro do Santos FC, Adilson Durante Filho

O áudio está disponível em: https://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/futebol/times/santos/noticia/conselheiro-do-santos-faz-declaracoes-racistas-clube-repudia-e-torcida-pede-expulsao.ghtml

Pois bem: o que eu penso sobre isso foi de encontro com a coluna abaixo de Juliano Costa (no GloboEsporte.com), que compartilho, 

Extraído de: https://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/futebol/times/santos/noticia/opiniao-santos-pode-fazer-historia-na-luta-contra-o-racismo.ghtml

SANTOS PODE FAZER HISTÓRIA NA LUTA CONTRA O RACISMO

Declaração racista de conselheiro expõe o clube, que não pode se omitir diante da gravidade do caso

A hashtag “ExpulsaORacista” foi uma das mais comentadas no Twitter no mundo todo nesta quinta-feira, mas a mobilização dos internautas – santistas ou não – foi insuficiente para fazer com que ao menos 20 membros do Conselho Deliberativo do Santos protocolassem um pedido de expulsão de Adilson Durante Filho.

Até agora, nada foi feito pelo clube além de uma nota de repúdio, que, apesar de bem escrita, é muito pequena diante da gravidade das declarações desse homem de meia-idade, filiado a um partido político e funcionário da Prefeitura de Santos, uma das cidades mais ricas e tradicionais do estado de São Paulo.

É dever de todos nós – jornalistas, torcedores, gente que se importa com gente, autoproclamadas “cidadão de bem” ou não – combater o racismo.

Manter Adilson Durante Filho no seu Conselho Deliberativo é uma vergonha indescritível para a história do Santos. Não há como passar pano. Ele mesmo já admitiu que gravou o áudio.

Ora, então o que os nobres conselheiros estão esperando? Não importa se é feriado.

O Santos precisa dar uma resposta não só aos seus torcedores, mas à sociedade como um todo. E precisa fazer isso rápido.

Trata-se de uma oportunidade de fazer história – assim como o Vasco fez nos anos 20, ao bancar a escalação de jogadores negros, e como o Bahia tem feito hoje, dia após dia, na luta pelas minorias.

O Santos se tornou conhecido no mundo todo (e ainda é o clube brasileiro mais famoso) com um time nos anos 60 que contava com quatro negros em seu ataque titular, incluindo o maior de todos, o Rei. O Santos continuou sendo reconhecido por revelar meninos como Robinho, Neymar, Rodrygo. Mais incrível: o Santos parou uma guerra na África, porque combatentes de duas etnias rivais queriam ver o time de Pelé jogar.

Pegando essa deixa, escrevo agora particularmente para o presidente José Carlos Peres e os membros do Conselho Deliberativo do Santos: sabem aquela foto do menino pobre na África, com uma camisa do Santos, brincando com uma bola improvisada? Aqui na Globo SP imprimimos essa foto há um tempo e a colocamos na nossa sala de reuniões – é a única coisa destoando em uma parede pintada de “branco corporativo”. Ela nos inspira. Gostamos da ideia de pensar que trabalhamos para atender gente como aquele menino sorridente – e não como Adilson Durante Filho.

Aquele menino mora em Moçambique, uma ex-colônia portuguesa, como o Brasil. Ele se chama João. É o mesmo nome do meu filho de três anos. Há um oceano separando os dois. Mas ambos torcem pelo mesmo time, o Santos Futebol Clube.

O João de Moçambique é negro. O meu João é branco. É a união dessas duas cores que faz o Santos ser o “Glorioso Alvinegro Praiano”, um “orgulho que nem todos podem ter”.

Então, senhor presidente, senhores do Conselho, é hora de vocês fazerem história, é hora de vocês mostrarem que “não é só futebol”, é hora de mostrar que o Santos está acima de qualquer questão política. É uma questão de princípios. É a oportunidade perfeita para mostrar que esse tipo de atitude não é mais aceitável, tolerável. Para que o meu João, o João de Moçambique e tantos outros Joões cresçam num mundo sem racismo.

*Juliano Costa, 38, é editor-executivo do GloboEsporte.com

Santos multicampeão dos anos 60: Pelé era um dos quatro negros do ataque titular — Foto: Divulgação / Conmebol

Santos multicampeão dos anos 60: Pelé era um dos quatro negros do ataque titular — Foto: Divulgação / Conmebol