– Estudar é preciso!

Revezando nas aulas em casa, hoje a Tetéia estudou um pouco mais a Língua Portuguesa!

Cada vez mais estamos treinando as letrinhas… e ela se dedica mesmo.

🔤 #PaiDeMenina #Amor #Carinho #Educação

– Hajime Moriyasu, o treinador respeitado e respeitador.

Roda o mundo a imagem do treinador da Seleção Japonesa, Hajime Moriyasu, cumprimentando os torcedores após a derrota contra a Croácia. Algo corriqueiro para eles, não tão comum para nós. Afinal, o reconhecimento dos fãs pelo trabalho do técnico e o reconhecimento do mesmo pelo carinho demonstrado, não costuma ser uma via de mão recíproca no Brasil.

No Japão, aquele que está à frente de um grupo sempre é respeitado e demonstra ser respeitador: um professor, um chefe ou qualquer outro cargo de liderança. É questão de cultura.

Limpar a sujeira produzida no estádio pela torcida, organizar o vestiário por parte dos atletas, ou outro gesto de organização e respeito, também são hábitos culturais que precisamos aprender

Imagem extraída de: Getty Images, em: https://www.goal.com/en-in/news/tragedy-to-ecstacy-japan-coach-hajime-moriyasu-redemption-in-doha-after-stunning-win-over-spain/blt6987d38a94dd413f

– Sabemos filtrar o que é necessário e correto nas coisas que ouvimos (em quantidade e qualidade)? Cuidado com a SPA.

Quem disse que “estar por dentro das notícias” faz, necessariamente, o indivíduo ser mais culto?

O excesso de informação não faz a pessoa ser mais inteligente. Ao contrário, pode confundir alguém que seja despreparado, pois o sujeito não consegue assimilar todo o conhecimento. Sem falar do cansaço mental…

Nos dias atuais, temos muito acesso a notícias / informações / descobertas e opiniões. “Entopem” nossa mente de muita coisa! E como administrar tudo isso?

Precisamos de uma boa gestão emocional para não poluir nossa mente. Sim: evitar POLUIÇÃO MENTAL, que é um dos grandes problemas dos dias atuais!

Pensa-se (ou se tenta pensar) sobre tantas coisas, com má formação de ideias pela impossibilidade de interpretar corretamente textos, filtrar dados ou confiar na qualidade daquilo que se oferece, que tudo fica misturado e obscuro. Há narrativas diversas sobre o mesmo assunto e, quem não tiver equilíbrio mental / intelectual, “vira o fio”.

Como é isso nas empresas? Sabemos filtrar o que é necessário e correto no nosso trabalho?

E no nosso dia-a-dia?

Há aqueles que tem uma carência muito grande de saber de tudo, provocando um stress muito grande na mente ao passar a raciocinar de maneira mais pressionada, rápida e saturada. Isso se chama SPA – Síndrome do Pensamento Acelerado. Cuidado com isso!

Sobre SPA, saiba mais em: https://blog.psicologiaviva.com.br/sindrome-do-pensamento-acelerado/

Ou em: http://administracaonoblog.blogspot.com/2016/04/sindrome-do-pensamento-acelerado-spa.html

Imagem extraída de: http://administracaonoblog.blogspot.com/2016/04/sindrome-do-pensamento-acelerado-spa.html

– Pais precisam corrigir os seus filhos.

Dói “puxar a orelha dos filhos”, não?

Corrigi-los (sempre com amor, diálogo e franqueza) se faz necessário. E em certas idades, com rigor nas palavras (mesmo que doa no coração do pai e da mãe) devido aos hormônios da juventude determinarem independência e teimosia.

Gostei desse pensamento. Aos pais, paciência. Aos filhos, o aceite da experiência e a obediência. A todos: carinho e colo familiar:

– Saiba discutir e respeite seu próximo.

Como se portar num debate? Com educação e ideias propositivas.

Cansa ver pessoas desqualificando o seu oponente com críticas à sua honra. O argumento em discussão fica esquecido pelo vício de alguém se achar acima do bem e do mal, impondo sua opinião como verdade. O país não precisa disso.

– Aprender e ensinar; Ensinar e aprender.

Uma verdade de Cora Coralina: a troca de aprendizados é o único jeito de crescermos! Até porquê, quando ensinamos, aprendemos mais ainda!

Como não concordar com essa mensagem altruísta, abaixo?

Imagem

Imagem extraída de: https://www.campomagro.pr.gov.br/noticias/6-de-agosto-dia-do-profissional-da-educacao/

– A concha acústica abandonada…

Por quê as autoridades municipais deixam tudo estragar, desvalorizar e deteriorar?

Eis a concha acústica de uma praça de Campo Limpo Paulista, na região central, próximo a um parquinho infantil.

Pichada e com viciados em drogas morando ali… E ninguém se importa (com a construção e com as pessoas naquela situação)?

– 3 formas de Bullying: Baiting, Bashing and Blaming.

Compartilho (do original) esse rico artigo sobre os “3B’s” do Bullying.

Aliás, tal prática deveria ser abolida da sociedade… Nós, pais, deveríamos dar mais atenção às nossas crianças, tanto quanto a quem sofre como a quem pratica.

Extraído de: https://cheriewhite.blog/2021/11/01/the-3-bs-of-bullying-baiting-bashing-and-blaming/

BULLYING – The 3 ‘B’s of Bullying: Baiting, Bashing and Blaming

bullying charlie brown lucy

Baiting
First, a bully slyly baits her intended victim by provoking her for a reaction. If the victim blows it off and fails to react, the bully meticulously and subtly intensifies the taunts over time, wearing her down until achieving the desired reaction, often making sure that bystanders and authority are present. A bully is very much aware that everyone has a breaking point.

gossip rumors lies bitches

Bashing
Once the target reaches his limit and reacts (yelling, telling the bully off, cursing the bully out, punching the bully in the face, etc.), the bully weasels his way into the hearts of bystanders and authority, using superficial charm and charisma to feign victimhood.

He bashes the victim by using the perfectly normal reaction as proof of the victim’s “mental illness” or “meanness”, making it look as though the victim is at fault, to distract others from the bully’s own evil actions and project guilt onto the victim.

victim blame It's your fault

Blaming
Once the bully has succeeded in turning everyone against the victim, she entices others to join her in shaming the target. Everyone may gang up on the victim, making statements such as, “Aww! You just need to toughen up!” or “Can’t you take a joke?”.

The victim may be accused of “bringing it all on herself” when in reality, the opposite is true- it is the victim who has been harassed for months, even years while having tried to handle the abuse calmly and objectively, only to succumb to exhaustion and reach her limit.

Moreover, when the victim reports the abuse, the guilt is placed on the victim and the bully goes unpunished, taking the impunity as a green light for future torment. All the while, the victim is seen in a very negative light, with no other choice but to endure the torment in silence to keep from further tarnishing her already damaged reputation.

bullied victim blame blaming burned at the stake effigy

Each time a report is made, others who are often in a position to help, blow the victim off, thinking that the torment is justified. The bully then becomes more emboldened and the victim becomes more devastated and damaged.

The more brazen the bully becomes, the higher the degree to which the harassment escalates and the more frequent and intense the attacks become until the victim is maimed, is killed, is removed, transfers schools to escape the torment or commits suicide.

The bully benefits from the feeling of power and control she gets from mistreating her victim and getting away with it, having a sense that she is invincible and untouchable. The bully also enjoys the sympathy and petting received from others.

This strategy is also used as a means of striking fear into and silencing the victim, discouraging any future attempts at speaking out and exposing the bully for what she truly is…a cowardly, sniveling piece of human filth.

bullying baiting

If you are a victim of bullying, you already know too well how it feels to be mistreated and then blamed for your own torment. It’s horrible enough to be constantly harassed, but to be blamed for that harassment is downright devastating and leaves you feeling completely powerless!

Understand that this is just another weapon the bully uses and how he/she is allowed to continue their bad behavior with impunity. And it is nothing new! Bullies have always used this method.

So, remember the 3 ‘B’s- Bait, Bash, and Blame and I believe that you will be better able to explain your situation when you report the harassment.

– Eureca: 1° Encontro Científico reúne escolas estaduais da região de Jundiaí.

A Diretoria de Ensino da Região de Jundiaí realizou, no dia 16 de novembro, no Espaço Expressa, o 1° Encontro Científico – Eureca. No evento, os …

Continua em Eureca – 1° Encontro Científico reúne escolas estaduais da região de Jundiaí

– As qualificações e aprendizados que nós devemos obter e nem as máquinas conseguem!

Não somos robôs feitos com perfeição e precisão indiscutíveis e/ou infalíveis. Somos seres humanos que precisamos aprender a viver com as adversidades inevitáveis na vida pessoal e profissional.

Compartilho esse ótimo artigo a respeito deste assunto:

Extraído de: https://www.linkedin.com/pulse/competências-que-os-robôs-não-têm-milton-beck/?trk=eml-email_feed_ecosystem_digest_01-recommended_articles-4-Unknown&midToken=AQEuiQ98yJUGTQ&fromEmail=fromEmail&ut=1GN6o5fM9RY8s1

AS COMPETÊNCIAS QUE OS ROBÔS NÃO TÊM

Por Milton Beck

O avanço da tecnologia não dispensa as habilidades unicamente humanas – e nada melhor do que a vida real para nos preparar para um mundo mais integrado.

Há conversas que, mesmo informais, levam a reflexões sobre temas profundos, urgentes e complexos. Lembro-me de um diálogo descontraído em um almoço com dois amigos alguns anos atrás. Todos tínhamos trabalhado em empresas de tecnologia juntos e comentávamos episódios profissionais, quando um deles falou, orgulhoso:

“Nunca deixei de cumprir um orçamento na vida! Sempre atingi minhas metas.” 

O outro amigo, que ocupava um cargo mais alto do que nós dois, nos surpreendeu com sua resposta.

“Que pena. Se tivesse passado pela experiência de não atingir suas metas teria aprendido com isso e, certamente, seria um profissional ainda melhor.” 

Na hora, aquilo me fez pensar. Aquele almoço voltou à minha mente, enquanto assistia ao episódio Kintsugi, da série The Man in the High Castle. Eu não conhecia essa palavra japonesa, tampouco seu significado. Trata-se de uma técnica de reparação de peças de cerâmica quebradas, a partir da junção dos pedaços usando um verniz polvilhado com ouro, deixando à mostra as “cicatrizes” do objeto. Depois da reconstituição, muitas peças se tornam mais valiosas do que eram originalmente.

O Kintsugi é também uma filosofia de vida que parte do princípio de que erros e adversidades são inevitáveis. Diante delas, o que podemos fazer é recuperar a ordem interna e aprender a viver com suas marcas. Como diz uma das personagens no episódio: “Imperfeições podem ser belas”.

O que capturou a minha atenção naquelas cenas foi a reflexão sobre a valoração de algo a partir do erro. Da experiência. Em vez de tentarmos apagar os tombos de nosso currículo, o Kintsugi sugere que incorporemos os aprendizados e sigamos em frente melhores do que éramos antes da quebra.

A verdade é que, no ambiente corporativo, não costumamos lidar bem com erros. O orgulho do meu amigo sobre seu bom desempenho é compreensível. Nutrimos a crença de que quanto menos erramos, melhor somos. Mas isso não é a realidade. Cair e levantar pode nos ensinar, na prática, sobre resiliência e nos ajudar a desenvolver empatia pela situação de outras pessoas.

BIG DATA E OLHO NO OLHO

O tema voltou à minha mente pela terceira vez recentemente, quando vi os resultados de uma pesquisa conduzida pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (IDB) em parceria com o LinkedIn. O estudo se baseou em pessoas que usam a nossa plataforma em dez países, incluindo o Brasil. O objetivo era identificar as mudanças no universo do trabalho – e como elas estão afetando as competências que se esperam dos profissionais de diferentes áreas. O estudo, que abrangeu 50 mil habilidades, trouxe algumas revelações que corroboram a tese do meu amigo sobre a importância do erro.

As profissões ligadas à tecnologia, como desenvolvedor de software, analista de segurança da informação e webdesign, aparecem como uma forte tendência de crescimento na pesquisa. Isso não significa que os robôs e softwares de inteligência artificial tomarão conta de todos os postos de trabalho – como teme uma parcela significativa dos trabalhadores brasileiros. Falado isso, os empregos serão sim transformados, mas o que deve direcionar essa transformação são as habilidades que só a experiência humana pode desenvolver.

As funções na área de TI que mais devem crescer são aquelas que demandam qualidades tipicamente humanas – entre elas, estão as habilidades transferíveis, isto é, que podem ser adaptadas de um setor para outro. Por exemplo, a capacidade de analisar um cenário complexo, de se adaptar, planejar e gerir uma estratégia de negócio, ainda que não se conheça profundamente a parte técnica do trabalho. As habilidades transferíveis ajudam os profissionais a encontrar soluções criativas para os desafios da empresa, e a identificar oportunidades de carreira fora de seu escopo tradicional.

Cruzar informações de diferentes fontes, fazer associações entre dados de diferentes mercados, ter a sensibilidade para reconhecer talentos e saber gerir grupos multidisciplinares são habilidades chamadas de soft skills (ou habilidades comportamentais). Elas são tão urgentes quanto as de automação de atividades. Não podemos subestimá-las por serem menos objetivas. É justamente sua natureza “fora da caixa” que as torna valiosas.

Isso não significa que as hard skills – habilidades técnicas – deixarão de ser importantes. Elas são (e continuarão sendo) básicas para a maior parte das profissões. Sem entender do negócio é difícil ser um bom profissional. O efeito colateral da supervalorização das soft skills é dar a impressão de que basta saber se relacionar para tomar as melhores decisões. Não é isso.

A tecnologia continuará a avançar pela maior parte das áreas corporativas, substituindo o ser humano em tarefas como pesquisa de dados e identificações de padrões. Mas, com mais informações na mesa, se torna ainda mais necessário ter uma cabeça pensante e um olhar sensível para tomar decisões. E para lapidar essas capacidades unicamente humanas, meu amigo tem razão: poucas coisas ensinam mais do que um tombo no mundo real.

Universidade de Tóquio desenvolve robô que se mexe como humano | Notícias |  TechTudo

Imagem extraída de: https://www.techtudo.com.br/noticias/2012/12/universidade-de-toquio-desenvolve-robo-que-se-mexe-como-humano.ghtml (Kenshiro é o robô mais próximo de um ser humano atualmente (Foto: Reprodução/IEEE Spectrum) — Foto: TechTudo)

– Faculdade com clima de Escolinha Infantil? Funciona!

Olha que bacana: na Folha de São Paulo, (24/11, pg 8, Cotidiano), Fábio Takahashi entrevistou o renomado Professor Richard Miller, que atesta: sala de aula deve ter clima de pré-escola!

Abaixo:

ALUNOS PRECISAM INTERAGIR SEMPRE

Para que os estudantes consigam aproveitar da melhor forma suas aulas, o clima da classe deve ser de pré-escola. Mesmo num curso de engenharia, afirma o professor Richard Miller, 55.

É o que ele tenta aplicar como presidente do Olin College, considerada uma das faculdades mais inovadoras dos Estados Unidos.

Aberta em 2002, a escola já é considerada a terceira melhor de engenharia nos EUA entre as que não possuem pós-graduação, segundo o US News (o principal ranking americano).

A experiência fez com que o Insper, uma das melhores faculdades de administração no Brasil, contratasse o Olin para ajudar a desenhar sua escola de engenharia, que será aberta em fevereiro.

A base do Olin, localizado próximo a Boston, é formar seus 350 estudantes a partir do trabalho em projetos.

A comparação com a pré-escola feita por Miller se dá porque nas aulas os estudantes interagem o tempo todo, trabalhando em equipe -e com muito falatório.

Miller esteve na semana passada no Brasil em seminário da Confederação Nacional das Indústrias, que discutiu mudanças nos currículos das engenharias.

A seguir, trechos da entrevista dada à Folha por Miller, que é pós-graduado no MIT e na Caltech, duas das melhores faculdades do mundo.

Folha – Quais as principais características do Olin College?

Richard Miller – Há insatisfação na forma como os engenheiros têm sido preparados.

O currículo comum no mundo tem muito de ciências naturais e matemática.

Entretanto, quando você vê o que o mercado precisa, é mais do que ciências naturais. O que se precisa é de um engenheiro com habilidades em relacionamento pessoal, que saiba formar equipes com pessoas de diferentes origens. E que também pense de forma empreendedora, pense sobre custos, retornos.

Para termos certeza que não seríamos como as outras escolas, para que não caíssemos nas mesmas armadilhas, o Olin tem uma estrutura diferente. Não há departamentos, como de matemática, de história, de filosofia. Somos organizados de forma totalmente interdisciplinar.

Quais são os resultados?

90% dos nossos alunos se formam em quatro anos. Dos que se graduam, 40% seguem para a pós-graduação; 25% destes vão para Harvard, Stanford ou MIT.

Para os que não vão para a pós-graduação, os empregadores dizem que é como se tivessem muitos anos de experiência logo que chegam. Isso é por causa do tipo de educação que damos. Em Olin, cada estudante formado completou de 10 a 20 projetos durante o curso.

O sr. acha que o modelo pode ser replicado em larga escala?

Sim. Estudantes querem ser criativos, trabalhar em grupo. Nossa forma de estruturar a educação é que tem sido muito confinada, limitando a criatividade, forçando uma baixa cooperação.

Por exemplo, a ênfase em testes faz com que os alunos fiquem desestimulados a cooperar. [Numa prova] isso é considerado trapaça [cola].

Em nosso ambiente, as classes são muito diferentes.

Elas se parecem mais com uma pré-escola, com muitas cores, e não é quieto, as pessoas estão falando o tempo todo.

O que estamos fazendo é tentar fazer as pessoas terem ideias originais.

Qual sua impressão sobre as universidades brasileiras?

Acabei de chegar de uma visita ao ITA [Instituto Tecnológico de Aeronáutica], a qualidade dos alunos é de nível mundial. Eles teriam sucesso em Stanford, MIT ou Caltech.

O ITA faz excelente trabalho em ensinar ciências básicas para engenharia, mas agora está com interesse em inovação, empreendedorismo. Tenho contato também com pessoas da Unicamp, da UFMG. Estou impressionado com a seriedade dos cursos.

O que me preocupa é que os cursos são oferecidos apenas em português. É muito limitante.

Se eu tivesse um varinha mágica, abriria o país para recrutar gente das melhores universidades do mundo. Estamos falando em ter a melhor educação possível.

BNCC na educação infantil: O guia completo das competências previstas

Imagem extraída de: https://educacaoinfantil.aix.com.br/bncc-na-educacao-infantil-o-guia-completo/

– Ninguém rouba o seu aprendizado.

Te roubam valores, bens, amores. Surrupiam a felicidade, propósitos e oportunidade. Mas ninguém lhe tira… conhecimento!

O melhor investimento que podemos fazer é no aprendizado. Gostei dessa observação abaixo:


Imagem: crédito e citação na própria figura recortada. 

– Professores versus Tecnologia.

Não sei se Barack Obama realmente disse isso, mas vale a postagem pois a observação é muito boa:

“Todos os dispositivos sofisticados e wi-fi do mundo não vão fazer diferença se não tivermos grandes professores em sala de aula”.

Perfeito. A tecnologia visa a ajudar, nunca a substituir o bom docente. Os professores sempre serão fundamentais para fazer o elo entre o espírito crítico e o aluno!

E você, o que pensa sobre essa afirmação? Deixe seu comentário:

0-2

Imagem extraída do Facebook de “Viver de Amor”, em: https://www.facebook.com/vivendodeamorsempre/posts/1824529234311556/

– Aulas Sebrae e Fundap: um exercício de cidadania!

Eu terminei nessa semana minha 5ª turma dentro de uma unidade prisional. Nessa feita derradeira, lecionei o curso: “Reeducandos e a decisão de seu futuro”, onde busco ajudar as pessoas que se ressociabilizaram a dar o pontapé inicial para a montagem de seu pequeno negócio!

É difícil, mas prazeroso. Precisamos, sem dúvida alguma, acreditar na Educação de boa qualidade – como fazem Sebrae, IBS Américas e Fundap, nessa iniciativa.

Imagem

Imagem extraída de Sebrae.com