– Conhecendo as vacinas contra a COVID.

Olhe aí que prático: em linguagem didática, as diferentes tecnologias das vacinas disponível contra o novo coronavírus.

Na imagem: 

– Insistindo por Vacinas contra a Covid-19.

Eu já escrevi sobre minha experiência por vacinas e o pós-vacina. Porém, gostaria de publicar outro vídeo, a fim de incentivar a ida em busca delas.

Quantas pessoas debocham da eficácia delas… Por quê?

Compartilho: https://www.youtube.com/watch?v=dv0-TATpbcw

– As reações da Vacina contra a Covid,

Contei ontem minha feliz experiência de tomar a vacina contra a Covid-19 (o texto está em: https://professorrafaelporcari.com/2021/06/25/vacine-ja/).

Como toda vacina, são esperadas reações (e isso é ótimo, pois significa que a imunização está funcionando). A que tomei foi da Fiocruz / Oxford / AstraZeneca. Recebi a dose às 9h da manhã, e à noite, senti calafrios e muitas dores no corpo (durante o dia, apenas dor no braço). Amanheci com sintomas de gripe, que duraram muito pouco. Estou escrevendo esse texto 24 horas depois, e, tirando o incômodo do braço (que persiste e também é comum), estou ótimo.

Não se esqueça: vacine-se! Só assim acabaremos com a pandemia, além das medidas preventivas, como o uso de máscara.

INSISTO: um vacinado não morre de Covid, pois o vírus quando em contato com quem tomou a vacina, não consegue “fazer o estrago” – afinal, a pessoa está imunizada. A vacina te protege disso (de não sentir os sintomas e morrer). Entretanto, você pode continuar a transmitir o vírus, pois ele não deixa de existir em você – daí a importância do uso de máscaras. Portanto, se você se vacinou, continue com os mesmos cuidados preventivos EM RESPEITO AO SEU PRÓXIMO.

Em suma: se você se contaminar com o vírus, não sentirá nada mas continuará a transmiti-lo. Explico no vídeo em: https://youtu.be/dv0-TATpbcw.

Assista sobre o “pós-vacina” em: https://youtu.be/3ogE2hLRmIs

– Vacine Já!

Acabei de receber minha dose da vacina contra a Covid-19 (a de Oxford / FioCruz / AstraZeneca). Poderia ser da Pfizer, Sinovac / Butantan, Moderna, Sputnik V, Soberana 2 e até a Macarrone-III se existisse!

Funcionando, é o que importa. E elas FUNCIONAM!

Aqui vai o recado (que é um apelo): esqueçam os discursos negacionistas e as postagens daqueles que direta ou indiretamente pertencem aos movimentos anti-vacinas. Não se politize a medicação! Acreditem na Ciência, nos médicos e nos estudiosos que tanto pesquisam. Não creiam em “Tiozões do WhatsApp“, “apaixonados por Política” ou qualquer outro tipo de pessoa que diga a você não vacinar.

As vacinas impedem que você morra de Covid e te protegem de adoecer gravemente. Tudo o que você lê sobre percentual de imunização e eficácia global, pode ser entendido aqui neste link que compartilho (especialmente se você acredita que a Coronavac, por exemplo, protege “só 50,38%“): https://professorrafaelporcari.com/2021/01/12/apesar-de-5038-ainda-assim-e-melhor-tomar-a-vacina-do-que-nao-tomar-diz-a-ciencia/.

  • Não deixe a desinformação te assustar. Creia na informação segura, de fonte com credibilidade.

IMPORTANTE: um vacinado não morre de Covid, pois o vírus quando em contato com quem tomou a vacina, não consegue “fazer o estrago” – afinal, a pessoa está imunizada. A vacina te protege disso (de não sentir os sintomas e morrer). Entretanto, você pode continuar a transmitir o vírus, pois ele não deixa de existir em você – daí a importância do uso de máscaras. Portanto, se você se vacinou, continue com os mesmos cuidados preventivos EM RESPEITO AO SEU PRÓXIMO.
Em suma: se você se contaminar com o vírus, não sentirá nada mas continuará a transmiti-lo. Explico no vídeo em: https://youtu.be/dv0-TATpbcw.

PREVINA-SE! Assim acabaremos logo com esse sofrimento que há tanto tempo nos assola. Tomar vacina é ato cidadão, cristão e solidário.

– 500 mil mortos por COVID e a falta de empatia do ministro.

Não sou daqueles que credita o meio milhão de mortos por Covid como fruto exclusivo do Governo Bolsonaro, pois o problema é muito mais complexo. PORÉM, é inegável que o desincentivo ao uso de máscaras, o descrédito às vacinas e o pouco caso à gravidade da doença colaboraram bastante

Neste momento de consternação, eis que aparece o Ministro Fábio Farias e, ao invés de mostrar solidariedade com os parentes das vítimas, resolve tentar inverter a situação. Veja o evitável tuíte dele abaixo. 

Ora, viver é a ordem natural das coisas. Morrer por uma doença que a prevenção não foi feita a contento, é que se deve repercutir. 

Ambos, oposição e situação, politizaram a coisa. Mas tal postagem insensível deveria ser apagada:

– A falta de informação versus a desinformação da Covid 19.

Quanto ao combate do Novo Coronavírus, no começo da pandemia, o problema era a falta de informação sobre a doença e seus cuidados. Isso atrapalhou demais a luta com medicamentos realmente eficazes e procedimentos corretos / necessários.

Hoje, sabe-se muito mais do que no início dela. Alguns comportamentos foram alterados, lugares / coisas onde “se transmite ou não” foram estudados (tempo de vida dele fora do corpo humano em alguns objetos e formas de contágio), além do surgimento de vacinas e protocolos melhores de prevenção e tratamento.

O grande problema passou a ser: a desinformação, como a insistência em atos e pronunciamentos que confundem as pessoas! Falas de gente e entidades não confiáveis, propagação de fake news e outras bobagens.

Lembre-se: prefira dados de procedência honesta, descompromissada com política e/ou autêntica.

Informações sobre o Coronavírus – Centro de Saúde da Comunidade

– A pandemia nos fez mais “digitais”, e ao mesmo tempo, mais humanos!

A pandemia adiantou a digitalização de muitas coisas, devido ao fato da reclusão. Quem não tinha hábito de comprar pela internet, o fez pela 1a, 2a, 3a vez… Idem às conferências e reuniões pelas plataformas eletrônicas – que estão ocorrendo desde os compromissos de trabalho ao simples “parabéns à você” à distância.

Forçadamente, alguns anos foram adiantados na evolução do “comportamento e do comércio digital. Mas outro fator deve ser observado: nunca valorizamos tanto o contato humano, o trato físico, o “estar junto”, ou, se preferir, um simples abraço de calor!

Acabe logo, Covid-19. Queremos respirar novamente a liberdade.

VIRTUAL REAL

Criador: Picassa. Informação extraída do IPTC Photo Metadata.

– Não diga bobagem, presidente Bolsonaro. Faça a sua parte e não atrapalhe a prevenção.

Leio com muito pesar, segundo a CNN, que:

“O presidente Jair Bolsonaro afirmou ter discutido com o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras para quem já foi vacinado contra a Covid-19 e também para quem já a contraiu o vírus.
Que asneira! Voltamos aos tempos da presidente Dilma Rousseff, que a cada semana tínhamos um besteira dita?
Quem está imune à Covid, por vacina ou por recente contaminação e cura, fica protegido de sofrer os males do Novo Coronavírus. Mas ele CONTINUA transmitindo o vírus, se for infectado.
DE NOVO: quem está vacinado e pegar Covid, não sentirá os efeitos, não vai morrer por conta dele, mas continua sendo transmissor. Por isso deve usar máscara.
É só inabilidade no entendimento ou é burrice?
Há coisas que revoltam, como essa ideia absurda. Eu detesto usar máscaras (me sufocam demais – sem contar que eu não entendo o que muitas pessoas falam por abafar o som), mas não sou burro e sei que temos que usar.
Uso de máscara para proteção contra a Covid-19 passa a ser obrigatório no município | Prefeitura Municipal da Estância Turística de Avaré SP

– O ineditismo de uma pandemia em meio a globalização!

Tudo o que está escrito nesta postagem redigida há 1 ano, vale para hoje. Abaixo:

Nas festas de final de ano 2019, quem imaginou que 2020 seria um ano tão travado? Aliás, o “ano novo” não começou mesmo, e, pelo jeito, não começará de verdade do jeito que gostaríamos já que estamos em meados de junho.

Quantas pessoas você conhece que passaram por uma pandemia e se recordam como ela foi? As mais idosas vivas (centenárias) eram crianças quando ocorreu a última, a da Gripe Espanhola, que durou de 1918 a 1920 (portanto, há 100 anos).

Repare nesses números: crê-se que a Influenza tenha atingido meio bilhão de pessoas, com 50 milhões de mortos. Mas considere:

– O mundo estava saindo da Primeira Guerra Mundial, então as Economias pegaram o efeito da pandemia já cambaleadas;

– A Globalização era algo muito ínfimo. De tal forma, a doença “não viajava” como ela faz hoje, se concentrando nos centros mais populosos próximos de onde ela ganhava corpo.

– A desinformação era diferente da falta de informação. Explico: hoje, morre-se menos porquê temos mais informação de boa qualidade e as pessoas sabem corretamente como se precaver (caso pesquisem). Naquele tempo, não tínhamos “informação via satélite” e nem sonhávamos com a Internet e por esse motivo, a falta de cuidado e de alertas era maior. Boatos, como os de hoje, existiam também (na versão de Fake News daquele período de época). Porém, pela falta de recursos tecnológicos, era mais difícil desmentir. Hoje, temos informação de boa qualidade duelando contra as mentiras. Naquela época, a pouca informação lutava contra a desinformação (a informação errada, mas não proposital) e a boataria (nossas Fakes News de hoje).

– A Medicina, evidentemente, é muito mais avançada hoje do que há 100 anos – não só pelas drogas descobertas mas também pelo intercâmbio de médicos e troca de pesquisas em tempo real.

Diante de tudo isso, vemos uma questão político e social que nos traz medo e incertezas, com empresas quebrando e simultaneamente ocorrendo revoltas de lados ambíguos da população (contra ou não o isolamento).

O problema do capital de giro e prejuízos do Mercado nunca vai se equilibrar com o dano das mortes. Não existe “preço pela vida”, mas deveria se existir o bom senso de otimizar e se programar para a pausa das atividades. Diante desse impasse (ou melhor, dessa imprudência das autoridades), ninguém conseguiu resolver a contento.

Todos os setores hoje são atingidos. Talvez depois da Segunda Guerra Mundial, tenha sido a primeira catástrofe global que vivemos. Se ela não for, certamente é na questão de acompanhamento e debates on-line.

Por curiosidade: a APEA, que era a “Federação Paulista de Futebol de então”, anunciou a suspensão do Campeonato Paulista de 1918 devido à epidemia de Gripe Espanhola citada anteriormente (e que matou 35 mil brasileiros). Os jogos foram retomados no fim do ano, e o campeonato foi concluído no início de 1919, com o Paulistano-SP campeão. E importante: o presidente Rodrigues Alves foi uma das vítimas.

Se o Brasil parou por quase 1 ano há 102 anos, tendo 35 mil mortos totalizados e com as condições precárias de saneamento básico e saúde da 2ª década do século XX, compare com o número de vítimas atuais em nosso país.

É lógico que temos culpados por tudo isso: o descuidado em impedir a entrada do vírus no país (quando houve as notícias dos primeiros casos da Itália, a Argentina fechou imediatamente a entrada de italianos e voos procedentes de lá). Nosso Presidente da República pouco ajudou nos exemplos de prevenção e debochou por diversas vezes da pandemia (sem contar que não evitou aglomerações); em contrapartida, os Governadores não se esforçaram em tomar cuidado com a compra de respiradores ou na montagem de Hospitais de Campanha a preços honestos, permitindo (consciente ou não) a corrupção. Por último, ninguém preparou as empresas para dias de fechamento: fizeram as pessoas ficarem em casa antes do pico e as liberaram durante esse período mais crítico (deveria ser exatamente o contrário). Fizemos tudo errado (mesmo tendo outras nações que começaram antes com o Novo Coronavírus e que poderiam ter servido de modelo para nós).

Contra o Covid, precisamos sem dúvida de Ciência, de boa Gestão da Saúde Pública, de Cidadania, de Solidariedade e para não enlouquecermos.

Repare nos conselhos contra a Pandemia da Gripe Espanhola há 100 anos:

print-estadao-gripe-espanhola-584x644

Por último, acrescente algumas notícias dos jornais da época:

image_processing20200403-30758-1rxrwjw

unnamed

– E a cepa indiana está chegando ao Brasil…

Eu tenho medo dessa cepa indiana do Novo Coronavírus. Ela chegou ao Maranhão e inevitavelmente se espalhará pelo Brasil.

Por mais que se previna e se peça cuidados (com a atenção das autoridades e cumprimento ou não das pessoas), o que precisamos indubitavelmente neste momento é de VACINAS!

Tenhamos paciência, nos protejamos e vacinemos assim que possível.

– Ser testemunho de esperança nesses tempos difíceis de fé “testada”.

Nossa fé está sendo “testada”? Nada disso. Deus não nos dá um fardo maior do que possamos carregar!

Vejo pessoas desesperançosas por conta da Covid-19. Gente que até perdeu a fé!

Calma. Deus não nos abandona, é Ele quem está nos sustentando. E para nos alertar da necessidade de levarmos às pessoas desiludidas que não podemos desistir da nossa crença nem da nossa esperança, compartilho o importante lembrete abaixo (Extraído da publicação do Professor Felipe Aquino em seu Twitter):

“Em defesa da fé, através de todo o mundo, homens e mulheres, meninos de tenra idade e moças na flor da juventude combateram até ao derramamento do sangue. Esta fé expulsou os demônios, afastou as doenças, ressuscitou os mortos.”

(São Leão Magno, papa e doutor da Igreja.)

Não é perfeito tal alerta? O problema é que nosso tempo e nossa ansiedade nos atrapalham. Devemos ser resilientes nesse difícil instante que o planeta vive.

50D3956F-EEA2-44D0-87AD-2F16A89D9A73

– A charge triste, embora real.

Duas pessoas influentes (ícones para alguns), que movem paixões de muita gente: Bolsonaro e LulaNão as classifico como lideranças positivas, mas respeito seus eleitores

Há exatamente 1 ano, ambos falaram bobagens insensíveis sobre o Novo Coronavírus. E quem bolou esse desenho abaixo (retratando o uso político dos discursos e não solidário)foi pontual e certeiro na crítica.

Pena que muitos se esqueceram desse proveito demagogo… Lembram das motivações dessas falas?

Veja: