– Mônica Calazans, o simbolismo da Vacinação e a invertida de Doria em Bolsonaro.

Antes de escrever, uma prevenção contra os fanáticos adoradores de políticos: não sou Doria, Bolsonaro ou Lula (infelizmente, por causa das pessoas que têm “político de estimação”, há de se fazer essa consideração).

Mônica Calazans, enfermeira negra da Zona Leste de SP, foi a primeira pessoa a ser imunizada com a Coronavac.

João Doria Jr queria vacinar a partir do dia 25. Bolsonaro dia 20. Com a aprovação da ANVISA, Doria não perdeu tempo e iniciou a vacinação com um “vacinômetro” em tom de campanha.

Imagine o ciúme do ganho político de Doria por parte de Bolsonaro, após falar que não compraria a Coronavac nem depois de aprovada por sua origem (desprezando o histórico do Butantan) e agora tendo que pedir as 6 milhões de doses produzidas. A de Oxford, como se viu, foi uma “bola fora” por conta da Índia não a liberar e o avião da Azul, que iria buscar as doses, ter abortado a viagem.

De “Dia D” do Pazzuello, virou “D” de Dória. Mas prefiro de Dimas Covas, diretor do Butantan.

Viva a ciência!

– Estádios de Futebol e Pandemia.

Começou com os clubes de futebol da Alemanha e da França, logo na primeira onda da pandemia de Covid-19: o oferecimento de seus estádios como Hospitais de Campanha.

Pouquíssimos foram usados, é verdade (como o Pacaembu, por exemplo). Tal fato foi repetido (a oferta) aqui no Brasil também.

A atitude das instituições esportivas foi louvável, não se discuta. E agora, na segunda onda, as mesmas entidades estão oferecendo suas instalações como Postos de Vacinação.

Aqui, aplausos para quem se dispõe de verdade a ceder seu espaço de maneira nobre e solidária. Mas fica um alerta também: o que tem de time que quer dizer que “cede seu estádio” sabendo que ele não terá infraestrutura alguma, somente pelo fato de fazer um pseudo “marketing do bem”… ô como tem!

De qualquer forma, a esses, não se recrimine. Ao menos se colocam ao serviço solidário (mesmo que não possam fazê-lo).

Os estádios que viraram hospitais de campanha na luta contra o coronavírus  | VEJA

– Pare de usar a justificativa que o STF “travou” Bolsonaro na Pandemia. Entenda a realidade:

Cansou ouvir bla-bla-blá sobre “culpados da Pandemia”. Vamos falar com clareza?

O Supremo Tribunal Federal tem inúmeros pecados a serem expurgados, mas precisamos ser justos: o de “proibir o presidente Jair Bolsonaro de lutar contra a pandemia”, não. É discurso de fanático bolsonarista ou de pessoas que não entenderam o que aconteceu.

Quando o STF deu poder aos Estados e Municípios a fim de tomarem medidas mais amplas na Pandemia, NÃO ISENTOU A UNIÃO de agir. Há muita bobagem nessa história, que mais parece desinformação do que justificativa fanatizada: a Justiça permitiu que governadores e prefeitos decidissem ações mais personalizadas, de acordo com a realidade da comunidade que vivem (já que o país é muito grande e heterogêneo). A afirmação de que proibiu a União, portanto, é mentirosa, e surgiu como subterfúgio para muitos.

Não tem nada a ver com dizeres como “o presidente ficou de mãos atadas”, ou “o Governo Federal não pode nada”. Não se encubra incompetência no combate e acomodação das autoridades com “impossibilidade de fazer” e “proibição do Judiciário”.

Normalmente, quem gosta de usar esse discurso, tenta acrescentar na fala: “olhe só os que os governadores e prefeitos roubaram”. Ué, se roubaram, cadeia neles! Mas sejamos inteligentes e realistas: o que isso tem a ver com a omissão do Governo Federal?

Todos (Presidente, Governadores e Prefeitos) têm responsabilidades. Executivo, Legislativo e Judiciário, idem. Além de nós, brasileiros sem cargo público, de cobrar as autoridades.

Artigo – Migalhas – A legislação das medidas emergenciais na pandemia – Por  Nelson Adriano de Freitas – IRIRGS

– A eficácia da Vacina do Butantan.

Sobre a eficácia da vacina do Butantan, já que há tanta FakeNews, vale a pena desenhar para as pessoas que estão confusas entenderem.

Aqui:

Se preferir, em texto explicativo aqui: https://professorrafaelporcari.com/2021/01/12/apesar-de-5038-ainda-assim-e-melhor-tomar-a-vacina-do-que-nao-tomar-diz-a-ciencia/

 

– A falta de oxigênio em Manaus.

Não é irônico (e obviamente triste) que na Amazônia, considerada (errado cientificamente ou não) o “pulmão do mundo”, esteja faltando oxigênio para os pacientes de COVID?

O governador já disse que o Estado do Amazonas está sofrendo uma segunda onda mais devastadora do que a primeira. A Inglaterra, como consequência, passou a barrar os voos do Brasil devido a uma mutação do vírus, observada na Região Norte do país. E, lamentavelmente, os hospitais estão lotados.

O que me deixa indignado é: como podem existir pessoas sem empatia e que desdenham do Novo Coronavírus? É fanatismo político por uma causa ou simplesmente frieza que extrapola?

Não dá pra deixar de ter piedade dos nossos irmãos manauaras.

– Apesar de 50,38% ainda assim é melhor tomar a vacina do que não tomar, diz a ciência.

A respeitada cientista Natália Pasternak (que tem sido uma referência durante a pandemia), disse hoje após a divulgação de que a vacina do Butantã tem eficácia global de 50,38% (ou seja, que esse percentual não será contaminado), que a Coronavac é “uma boa vacina” e que “a CoronaVac não é melhor vacina do mundo, é a vacina possível”.

Diante disso, lembremo-nos de que ela tem 78% de eficiência nos casos leves e moderados e 100% nos casos graves. Ou seja, a diferença do percentual de pessoas que se adoecerem por Covid apresentará esse quadro acima.

A lógica é: de cada 10 pessoas que tomarem a vacina, 5 estarão imunes. Os demais, se ficarem contaminados, cairão nesta conta de que ela vai minorar os efeitos nos percentuais adiantados na semana passada.

Evidentemente, é muito melhor tomar a vacina do que não tomar, não?

Outros cientistas falando sobre a Coronavac, em: https://g1.globo.com/bemestar/vacina/noticia/2021/01/12/com-potencial-de-eliminar-casos-graves-coronavac-e-adequada-para-combater-pandemia-dizem-especialistas.ghtml

– CovidFest mostra que o povo paga pelos seus próprios pecados!

Muitos se questionam sobre ações preventivas públicas, vacinas e remédios nesta pandemia. Mas e se as pessoas não fazem a sua parte?

Extraído de: https://jornaldebrasilia.com.br/brasil/covidfest-lota-ipanema-e-nao-esvazia-nem-com-chegada-da-pm/

COVIDFEST LOTA IPANEMA

Essa foi apenas uma das festas ilegais que tomaram a orla da cidade, bloqueada para o Réveillon como forma de mitigar aglomerações

por Anna Virginia Balloussier e Cristina Camargo

Cenas na areia de Ipanema abarrotada de jovens, numa festa que começou na tarde de quarta-feira (30) e varou a madrugada, fizeram da praia carioca o novo símbolo do descaso com a segunda onda de Covid-19 num Brasil que beira as 200 mil mortes pelo vírus.

Os vídeos espraiados por redes socias foram capturados na altura da rua Farme de Amoedo, point LGBTI do Rio de Janeiro. “Olha como está a praia. Simplesmente lotado uma hora dessa. Não tem mais festa, mas elas não deitam”, diz um rapaz numa gravação que mostra centenas de homens, a maioria só de sunga, no lusco-fusco. Não há ninguém com máscara.

Em outro vídeo, com o sol ainda a pino, há um ou outro com algum tipo de cobertura na cabeça: bonés e chapéus de palha. De novo, zero máscara.

Essa foi apenas uma das festas ilegais que tomaram a orla da cidade, bloqueada para o Réveillon como forma de mitigar aglomerações. Nas redes, celebrações ganharam o irônico título de CovidFest.

“Somos uma tragédia ambulante”, escreveu um internauta ao comentar as imagens que viralizaram de pessoas dançando e bebendo em Ipanema.

“Juro que quando vi os vídeos que estão circulando enxerguei um cemitério com vários túmulos amontoados”, disse outro rapaz.

A Polícia Militar diz estar “desempenhando esforços para atuar nesse complexo momento e conscientizar a população sobre as regras previstas nos decretos da pandemia”. Não sabe quantificar quantos eventos do tipo foram desbaratados pelos policiais.

A PM atuou em Ipanema, mas, mesmo após interromper a festança, muitos homens continuaram na areia e no calçadão.

A Prefeitura do Rio diz que intensificou a fiscalização para a manhã desta quinta-feira (31) e a noite da virada.

O município chegou nesta quarta a 14.743 mortos por Covid-19. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a taxa de ocupação na UTI do SUS para pacientes com o vírus (que inclui leitos de unidades municipais, estaduais e federais) é de 92%.

As informações são da Folhapress

CovidFest' lota Ipanema e não esvazia nem com chegada da PM - Folha PE

– Não quer a Coronavac? Então libera Pfizer, Sputinik, Moderna…

Que vergonha estamos passando. O mundo civilizado se vacinando, e nós, brasileiros, esperando as birras de Brasília se acalmarem!

Vejam só: dezenas de países tomando as diversas vacinas permitidas, e aqui ficamos no bla-bla-blá. Qual é a do presidente?

O pior é que as desculpas acabaram: Moderna e Pfizer nos EUA, por exemplo, já alcançaram mais de milhões de pessoas nos postos de saúde. A própria Pfizer, que se ofereceu inicialmente no Brasil, levou um chá de cadeira da ANVISA, enquanto era aprovada pelo FDA (que, cá entre nós, é mais gabaritado, não?).

Ontem: acima de 1100 mortos em nosso país. Mas “a gente está com pressa à toa”, como disse o Ministro-General não?

É a primeira vez que escreverei isso: saímos de um corrupto que era o Lula, passamos por uma mulher descabeçada que era a Dilma, aguentamos outro corrupto que era o Temer, e agora estamos com um maluco que é o presidente Bolsonaro. POBRE BRASIL… dá vontade de rasgar o título de eleitor!

E antes que os xaropes “babadores de ovo” de políticos questionarem, aqui em São Paulo sofremos com o vaidoso João Dória, que mete um revezamento imbecil de fases e tenta fugir para Miami.

Argentina aprova uso emergencial da vacina da Pfizer contra Covid

– E a vacina no Brasil, hein?

Já são 30 nações aplicando as vacinas contra o Covid (países desenvolvidos, em desenvolvimento e até subdesenvolvidos). A Argentina, por exemplo, começa amanhã.

E o Brasil?

Aqui, Dória decreta Zona Vermelha e escolhe dias para isso. Quer dizer que “hoje, 27, nada pode”. Amanhã volta a poder. Dia 31 esquece. Já Bolsonaro, irresponsavelmente, vai à padaria e à farmácia sem máscara. Pra quê tal afronta ou desdém dos riscos (além do mau exemplo).

Seja Petista, Bolsonarista, Peesedebista, os políticos só pensam nas mesmas coisas (e respectivamente, o que ficou claro dos partidos e ideológicos deles): corrupção, vaidade pessoal e votos.

E o povo…

A corrida para obter vacinas suficientes na América Latina - 27/11/2020 - UOL VivaBem

 

– A tecnologia da Moderna poderá revolucionar as futuras vacinas?

Novas vacinas (para qualquer tipo de prevenção) são cada vez mais rápidaso que levam aos incrédulos formularem mais questionamentos. Entretanto, nunca o planeta investiu tanto em pesquisa, nem tanta gente se desdobrou neste tipo de investigação científica.

Ao ler essa matéria, abaixo, sobre o que a Moderna fez com inovação, somos levados a pensar: felizmente, a inteligência dos cientistas, somada à tecnologia de ponta, pode verdadeiramente ajudar a humanidade.

Extraído de: https://brasil.elpais.com/internacional/2020-12-05/novos-dados-sugerem-que-a-vacina-da-moderna-gera-imunidade-duradoura.html

NOVOS DADOS SUGEREM QUE A VACINA DA MODERNA GERA IMUNIDADE DURADORA

A ideia por trás de qualquer vacina é simular uma infecção sem causar danos, de forma que o próprio organismo gere imunidade contra o vírus. Hoje estão sendo divulgados dados que sugerem que a vacina da Moderna produz maior imunidade do que a própria infecção com o novo coronavírus.

Um grupo de 34 pessoas de todas as idades que recebeu as duas doses da vacina Moderna continua apresentando níveis elevados de anticorpos até quatro meses após a primeira dose. Os anticorpos são proteínas minúsculas capazes de se ligarem ao vírus e impedi-lo de causar doenças. Os tipos de anticorpos em que este trabalho se concentra são os mais eficazes na neutralização da SARS-CoV-2, pois se ligam à proteína S em forma de hastes que se projeta do entorno do vírus e sem a qual é incapaz de se unir às células humanas para sequestrá-las e gerar milhões de cópias de si mesmo.

“São notícias muito positivas”, explica Alicia Widge, pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH), que desenvolveu a vacina com a Moderna. “Todos os participantes tinham altos níveis de anticorpos contra a SARS-CoV-2 três meses depois da segunda dose da vacina [que é dada 28 dias após a primeira, o que significa quatro meses de imunidade a partir da primeira dose]. Isso sugere que a vacina vai proporcionar imunidade duradoura”, destaca a pesquisadora, principal autora do estudo publicado na prestigiada revista The New England Journal of Medicine.

O dado mais encorajador é que, quatro meses depois da primeira injeção, todos os vacinados —incluindo aqueles com mais de 71 anos— tinham níveis mais elevados de anticorpos do que o das pessoas que haviam sido infectadas com o SARS-CoV-2.

A vacina da Moderna é uma das mais avançadas e demonstrou ser 94% eficaz em um ensaio com mais de 30.000 participantes coordenado pelo NIH. Sua eficácia contra a covid-19 grave é de 100%, de acordo com os últimos dados fornecidos pela empresa. A vacina está agora na terceira e última fase de testes e nenhum efeito adverso grave foi detectado. Sua aprovação na UE está prevista para 12 de janeiro e a da BioNTech/Pfizer para 29 de dezembro.

Por ora, não há dados comparáveis sobre a duração da imunidade gerada pela outra vacina mais avançada, a da BioNTech/ Pfizer, com eficácia de 95%. Tanto esta como a da Moderna são baseadas na mesma técnica: o RNA mensageiro. No momento não existe nenhuma vacina desse tipo aprovada com base nessa molécula, mas os cientistas acreditam que possa revolucionar a biomedicina porque permite desenvolver de forma muito rápida vacinas contra vírus e até mesmo contra tumores.

O médico Uğur Sahin, diretor executivo da empresa alemã, explica a este jornal que esperam ter esses dados em breve. “Vimos níveis de anticorpos semelhantes aos que a Moderna mostra, mas ainda não publicamos os dados. Esperamos poder fazer isso no final da próxima semana”, explica. “Sabemos que nossa vacina gera células de memória, mas também que os níveis de anticorpos cairão com o tempo. Isso significa que talvez seja necessária uma terceira dose de reforço um ou dois anos depois”, acrescenta.

Os últimos dados publicados sobre a vacina da Universidade Oxford e Astrazeneca se baseiam em 560 voluntários e mostram que os vacinados apresentam altos níveis de anticorpos neutralizantes 28 dias após a segunda dose. Neste caso se trata de uma vacina com base em uma mensagem genética do DNA que entra nas células a bordo de um vírus desativado de chimpanzé. Também é uma tecnologia que não havia sido aprovada até agora. A eficácia desta vacina está entre 62% e 90%, mas a confiabilidade desses dados é menos robusta do que a das outras duas vacinas.

“São notícias muito boas”, opina África González, imunologista da Universidade de Vigo. “Um problema é que ainda não se sabe qual o nível de anticorpos uma pessoa precisa ter para saber se está protegida contra a infecção pelo SARS-CoV-2. No entanto, dadas as poucas reinfecções que se observam no mundo, e que o nível de imunidade alcançado após a primeira exposição tem sido suficiente, os dados indicam que os vacinados estariam mais protegidos do que os que tiveram a infecção natural”, destaca.

“A conclusão mais contundente é que a capacidade de neutralização nesses pacientes que receberam as duas doses da vacina aos quatro meses é maior em todas as faixas etárias do que a de 41 pessoas convalescentes de covid-19 aos 34 dias”, destaca Carmen Cámara , secretária da Sociedade Espanhola de Imunologia (SEI). “São dados muito bons que nos levam a pensar que os anticorpos podem durar muito mais tempo”, enfatiza.

Marcos López, presidente do SEI, aponta outra questão fundamental. “Os tipos de anticorpos neutralizantes que foram detectados neste estudo estão dirigidos contra o domínio de ligação ao receptor da proteína S do vírus. Isto significa que foram gerados em centros germinativos [quartéis-generais da imunidade localizadas nos gânglios e baço]. É importante porque sabemos que quando esse tipo de anticorpos é gerado também são criadas células B e T de memória”, observa. Esses dois tipos de células são o corpo de elite da imunidade de longa duração. São capazes de se lembrar de um vírus e gerar anticorpos contra ele e destruir células infectadas, respectivamente, passados meses ou anos.

Os dados mais recentes sobre a imunidade gerada por pessoas que superam a infecção trazem boas notícias possivelmente extrapoláveis para a vacina. Os anticorpos que neutralizam o vírus continuam presentes pelo menos sete meses depois, de acordo com um dos maiores estudos sobre o assunto. Em novembro, outro trabalho mostrou que os infectados retêm imunidade robusta por pelo menos oito meses depois, mediada por linfócitos B e T, o que leva a pensar que a imunidade pode durar anos.

A equipe do NIH publicou um estudo em setembro mostrando que os voluntários que receberam a vacina da Moderna tinham linfócitos um mês e meio depois da segunda injeção. “Esperamos ter em breve os dados de acompanhamento para os primeiros seis meses”, conclui Widge.

Siga a cobertura em tempo real da crise da covid-19 e acompanhe a evolução da pandemia no Brasil. Assine nossa newsletter diária para receber as últimas notícias e análises no e-mail.

Voluntário participa do ensaio clínico da vacina da Moderna nos EUA.

Voluntário participa do ensaio clínico da vacina da Moderna nos EUA.– / AFP

– Vacina chinesa (fake) vendida a R$ 50,00 no RJ!

Cada picaretagem…

Camelôs cariocas vendendo vacina chinesa (logicamente falsa) por “Cinquentão”!

E há quem compre…

Informações de: https://veja.abril.com.br/brasil/policia-federal-e-anvisa-investigam-suposta-venda-de-coronavac-no-rio/

– SP em Zona Vermelha

Devido aos abusos da população e ao aumento assustador dos casos de COVID-19, o governador Dória decretou Zona Vermelha no estado de São Paulo por alguns dias (na época do Natal e Revéillon).

Sem politicagem, agora é hora de nos cuidarmos!

A informação completa em: https://g1.globo.com/google/amp/sp/sao-paulo/noticia/2020/12/22/governo-de-sp-endurece-quarentena-durante-festas-de-final-de-ano-para-conter-avanco-da-covid-19-no-estado.ghtml

– A nova cepa do Coronavírus nos traz mais alerta!

Que os vírus se modificam geneticamente, é sabido. O problema é: a nova cepa do transmissor da Covid-19, que assusta toda a Inglaterra e que foi confirmada pelas autoridades sanitárias, promove contágio 70% mais rápido!

Cuidemo-nos!

Extraído de: https://www.infomoney.com.br/economia/o-que-se-sabe-sobre-a-nova-cepa-de-coronavirus-no-reino-unido/

O QUE SE SABE SOBRE A NOVA CEPA DE CORONAVÍRUS NO REINO UNIDO

Uma variante do coronavírus Sars-CoV-2 tem deixado pesquisadores e autoridades em alerta por todo a Europa desde o anúncio do Reino Unido de que a nova cepa era transmitida de maneira mais rápida em até 70%.

Desde então, inúmeros países fecharam suas fronteiras aéreas e/ou marítimas com o território britânico para evitar que a mutação se espalhasse também para outros países. Mas, porque essa mutação está chamando tanto a atenção se é normal que vírus sofram mutações constantes?

Segundo os britânicos, os temores com essa variante, chamada de H69/V70, tem como foco a rápida disseminação dela – que já superou a mutação anterior em Londres e no sudeste da Inglaterra – e a possibilidade de que essa alteração afeta partes importantes da estrutura do vírus.

Dados do Centro Europeu para Controle de Doenças (ECDC), a nova cepa circula desde novembro – o Reino Unido fala em detecção no país em setembro – e os três primeiros casos confirmados dela fora do território da Inglaterra (na Austrália e na Dinamarca) têm ligações com o foco de Londres.

“Já é verificada uma difusão internacional, mesmo que não se conheça a extensão”, publicou a entidade em nota. A Itália também já identificou um primeiro caso ligado a uma pessoa que voltou recentemente de Londres, assim como os Países Baixos, Bélgica e África do Sul.

Para a ECDC, “não há indicações no momento de uma maior gravidade da infecção ligada a essa nova mutação”, mas o órgão ressalta que a fase de transmissão ocorreu em um período do ano em que “tradicionalmente, aumentam os contatos familiares e sociais”.

“Dada a atual falta de dados sobre essa nova variante que se difundiu fora do Reino Unido, servem esforços tempestivos para prevenir e controlar a difusão”, pontua ainda a entidade, pedindo aos europeus para notificarem imediatamente casos da mutação no sistema da União Europeia.

Até o momento, porém, o ECDC não acredita que a H69/V70 provoque alterações capazes de tornar ineficazes as vacinas contra a Covid-19, que já estão sendo aplicadas em diversos países.

Mutações comuns

As alterações do vírus são comuns e já esperadas conforme ele contamina mais e mais pessoas.

Atualmente, a principal mutação do Sars-CoV-2 havia ocorrido na Europa em fevereiro: o vírus que veio da China sofreu uma alteração, chamada de mutação G614, e tornou-se mais contagioso do que a “versão” asiática, virando a cepa mais incidente no mundo todo.

Conforme as primeiras informações, a H69/V70 já havia sido identificada anteriormente, incluindo no organismo nos visons abatidos na Dinamarca, mas não tinha se espalhado rapidamente entre humanos. Agora, os cientistas buscam mais dados para entender a alteração.

Se a alteração seguir o “roteiro” da G614, o maior impacto será na proliferação da doença do que na mortalidade. Porém, ainda serão necessários estudos mais aprofundados.

Três cepas de Sars-CoV-2 predominam infecções por Covid-19 no Brasil -  Revista Galileu | Saúde

– A irresponsabilidade de divulgar Fake News como “Liberdade de Expressão”: Pastor pregando sobre “vacina com câncer e aids”?

Um pastor no Ceará pregou durante um culto que a vacina chinesa Coronavac transmite câncer e aids. Questionado pelas provas e disseminação de Fake News, disse que “não afirmou essas coisas”, mas apenas… INFORMOU aos fiéis.

Não estamos vivendo um mundo “maluco” e irresponsável?

Em: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/seguranca/amp/sem-provas-pastor-diz-que-coronavac-causa-cancer-e-possui-hiv-mp-pede-responsabilizacao-criminal-1.3022961

SEM PROVAS, PASTOR DIZ QUE CORONAVAC CAUSA CÂNCER E POSSUI HIV

Centros e promotorias do Ministério Público do Ceará (MPCE) solicitaram, nesta terça-feira (15), por meio de dois ofícios, que o pastor Davi Goés, do Ministério Canaã da Assembleia de Deus, em Fortaleza, seja responsabilizado civil e criminalmente por disseminar notícias falsas sobre a vacina chinesa CoronaVac. Em um vídeo que circula nas redes sociais, o religioso afirma que a vacina pode causar câncer e possui o HIV dentro dela.

O vídeo foi divulgado pela reportagem, mas foi retirado do ar, nesta quarta, pelo YouTube por “ferir a política de informações médicas relacionadas à COVID-19″.

Em entrevista ao Sistema Verdes Mares, o pastor declarou estar sendo vítima de Fake News proposital. “Alguém de muito má vontade alterou uma aula de 40 minutos em um vídeo sem os embasamentos que eu usei. Não afirmei nada, apenas informei à Igreja”, relatou. 

Davi Góes cita matérias científicas internacionais que justificam a fala realizada durante o vídeo. O Pastor diz “ter feito uso de seu direito constitucional de liberdade de expressão, emitindo sua opinião pessoal, cabendo a cada um dos membros analisar e ponderar as informações repassadas, inclusive as científicas”. 

A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), a quem o ofício da esfera civil enviado, confirmou o recebimento do ofício do Ministério Público e que, após análise do expediente, responderá a solicitação do órgão dentro de sua competência. 

Conteúdo

“Muitas pessoas vão morrer de câncer, achando que foi câncer porque comeu alguma coisa, porque foi hereditário, porque tem família, por causa de um tumor, mas na verdade foi por causa da vacina. Depois que essa substância entrar no nosso organismo vai atingir o nosso DNA, um cientista francês disse que até HIV tem dentro dela”, disse o pastor no vídeo.

De acordo com o MPCE, a conduta do líder religioso fere a lei de contravenções penais sobre provocar alarde, anunciar desastre ou perigo inexistente, praticar ato capaz de produzir pânico ou tumulto além de descumprir uma lei estadual que responsabiliza quem dissemina notícias falsas relativas à pandemia de Covid-19 regulamentada em maio deste ano.

O MP afere também que o pastor cita, na ocasião em que foi filmado o vídeo, matéria científica vinculada em alguns portais e canais de vídeo da internet. O promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Cidadania (CAOCidadania), Enéas Romero de Vasconcelos, explica que o promotor titular que acatar o ofício da esfera criminal deve decidir, mas ainda sem previsão de data. 

Em caso de responsabilização por contravenção, o acusado é punido com multa ou prisão que pode variar de 15 dias a seis meses.

Para Enéas, é preciso lembrar o papel social de cada um. “Se eu preciso de auxílio na saúde, devo procurar um médico. Se preciso de auxílio espiritual, procuro um pastor. Quem não sabe da área de outro, não fala”, defende. 

“Se uma única pessoa ali presente na Igreja durante a gravação concordar com o dito por ele, deixar de se vacinar e ficar doente, isso é gravíssimo. É preciso ter muita responsabilidade. E acho que o pastor, antes de qualquer coisa, deveria se retratar, assumir. Não existe nenhuma evidência científica séria de que a vacina contra o Covid-19 altere DNA, ou transmita doenças”, conclui o promotor.

Para Caroline Parahyba, membro da Comissão de Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE), mesmo que  a fala tenha sido embasada, deve ser levada em consideração o ato de falar para muita gente, podendo influenciar negativamente pensamento coletivo a respeito da vacina. 

Esse procedimento que se refere à esfera criminal foi elaborado pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Defesa da Cidadania, do Idoso, da Pessoa com Deficiência e da Saúde Pública (Caocidadania), Centro de Apoio Operacional Criminal (Caocrim) e pelas Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde.

O segundo ofício, encaminhado à Sesa, cita que a conduta do pastor fere a Lei Estadual nº 17.207/2020, regulamentada pelo Decreto 33.605, de 22 de maio de 2020 e que trata da responsabilização para quem dissemina notícias falsas relativas à pandemia

O pastor afirma não ter recebido ainda nenhuma notificação oficial dos órgãos, e frisa que seus advogados cuidarão do assunto.

– Incentivemos e sejamos exemplos para que a população se vacine!

Que triste. Um chefe de Estado deve ser exemplo para o seu povo. Enquanto aqui se fala absurdamente em assinar termo de responsabilidade para vacinados, deixando em dúvida a eficácia das vacinas, o mundo inteiro age diferente, incentivando a medicação.

A imagem com as duas notícias (verdadeiras) abaixo diz tudo: