– Sobre intolerância social: Escola sem Partido, a Ideologia de Gênero, Cura Gay e outras considerações.

Escrevi há 1 ano, mas se faz extremamente atual. Republico:

Causa muita repercussão as manifestações nas Redes Sociais contra a aprovação do Projeto “Escola sem Partido” em Jundiaí. Alguns dizem que o projeto é inconstitucional, outros alegam censura e demais pessoas colocam inúmeros defeitos. Claro, são manifestantes contrários.

Mas manifestam cientes do conteúdo? Quem se sente atacado? A troco de quê?

Sinceramente, você sabe / entende / está por dentro do que é isso?

O professor ético não está nem aí com o projeto, pois ele já pratica o ensino apartidário em sua sala de aula, sem ferir conteúdos que o faça tendencioso a alguma coisa.

Quer exemplo?

Eu tinha uma professora quando era criança que era eleitora (e fanática devota) de Orestes Quércia! Ela não gostava do Maluf, tinha medo do Suplicy, odiava o Antonio Ermírio de Moraes (candidatos a governadores da época) e falava a nós, talvez com 8 a 9 anos, da importância de falar aos pais sobre votar no Quércia, “contra a inércia do Estado(decorei e não esqueci mais a fala dela, de tanto que massificou).

Ora, isso é militância descarada! O que ela nos ensinou sobre Política e Democracia? NADA! Mas entendíamos algo? Muito pouco. Nas classes onde eu trabalhei / trabalho, então adulto e lecionando no ensino superior, tomava isso como exemplo a não ser praticado e sempre procurava mostrar todos os lados da política nos assuntos pertinentes, falando da Sociedade, condenando a Politicagem (que é o uso ruim da Política), defendendo o uso democrático do voto e sem Partidarismo! Aliás, professor-doutrinador de esquerda ou direita é dose, mostrando-se mal profissional. Deve-se ensinar a cidadania, e mostrar virtudes e fraquezas do sistema, mas NUNCA tentar fazer campanha eleitoral no sagrado ambiente da sala de aula. Assim, não me preocupo em dizer: ESCOLA SEM PARTIDO não é escola alienada nem censurada, mas sim um ambiente educacional de pluralidade de opiniões (não de imposições).

– E sobre a Ideologia do Gênero?

Cansamos de falar nesse blog sobre a insistente questão da erotização das crianças e a incessante fala de grupos que querem tornar nossas crianças como recém-nascidos assexuados e ao mesmo tempo adolescentes sexualizados demais. Ora bolas, é pecado o menino ser menino e a menina ser menina? Por quê querer unisexualizar os ambientes de ensino? A orientação sexual do cidadão é outra coisa; idem às aulas tão necessárias de Educação Sexual. O que não se pode é fazer uma semi-apologia do homossexualismo, ao invés de permitir que a criança aprenda as coisas a seu tempo e a arranque da infantilidade à força em nome da liberdade sexual.

Por fim, sobre a cura gay: se o indivíduo que se afirma heterossexual tem a liberdade de buscar ajuda médica / psicológica para tentar descobrir se a tendência homossexual é real e estaria ele em uma fase de auto-afirmação necessária, por que aquele que se intitula homossexual e tem dúvida sobre a sexualidade não pode fazer o processo de descoberta da heterossexualidade ou não? Claro, o termo “cura gay” é de fato pejorativo, mas ao mesmo tempo é incompreensível que grupos LGBTTQ critiquem a liberdade da pessoa em buscar a mesma ajuda médico / psicológica ao contrário!

Sabe o que penso? Que essa história de Orgulho Gay e Orgulho Hétero são as grandes causadoras dessas discórdias! As pessoas são humanas, com características próprias e gostos singulares. Um grupo competir com o outro, vangloriar-se sobre o seu irmão, nada mais é do que pura bobagem; a mesma bobagem da discussão intolerante daqueles que estão radicalmente berrando aos quatro cantos sobre a Escola Sem Partido. O cara (reforço: o radical) reclama que está sendo censurado (não está), discute, grita, berra e impõe sua ideologia partidária, e no fundo pratica o que acha que está lhe acontecendo: uma pseudo-ditadura de opinião! A PESSOA RECLAMA DE INTOLERÂNCIA, MAS É SÓ TOLERANTE ÀS COISAS DO SEU INTERESSE, percebe?

Permitir que o cidadão / humano / pessoa tenha a sua preferência sexual sem fazer apologia na escola, ouvir diversas opiniões e conhecer a Política e a Sociedade do país de forma aberta e independente de partidarismo, respeitar a decisão de escolha das pessoas, é algo democrático! Vir com a Ideologia do Gênero, a Escola COM Partido e a condenação de pessoas que queriam reverter sua condição, isso sim me parece ditadura!

Mais conversa, mais inteligência, mais respeito. Menos radicalismo, menos alienação, menos corrupção de conduta. É isso que o Brasil precisa, onde tal carência significa coexistir nas questões gerais, como a religião, o futebol, a diversidade, a política, o regionalismo, a etnia, a condição social... tudo sem discurso de ódio, palavras raivosas e unilateralismo.

Tenho pena das pessoas que ao discordar de alguém, surgem com o discurso do errado, onde somente elas são as donas da verdade.

bomba.jpg

Anúncios

– Sexo Seguro no “Dia do Sexo”? Eu indico!

Neste dia 06/09, celebra-se o “Dia do Sexo“.

Sabe quem inventou a data?

A fabricante de preservativos da marca 69, que fazia alusão a uma posição sexual e acabou aproveitando os números do seu nome para criar o 6/9 (seis de setembro).

Mas usar preservativo é fazer sexo seguro? Não falha? Não rasga? Não estoura?

O sexo mais seguro e prazeroso que existe é o sexo com seu / sua cônjuge. É amar e respeita o outro que te ama, mostrando não apenas desejo carnal mas respeito e fidelidade.

Vulgarizar o sexo como se todos fossem tarados e erotizar nossas crianças, como muitos fazem, é tornarmos animais que agem irracionalmente. Sexo é bom, mas não é tudo na vida.

Resultado de imagem para sexo somente santo

– Sobre Caster Semenya, a atleta intersexual mais discutida do Atletismo.

Confesso que é difícil opinar sobre Caster Semenya, a corredora sul-africana que se tornou o centro das atenções no Atletismo Feminino.

Semenya sofre de hiperandrogenismo, tendo hormônios masculinos produzidos naturalmente pelo corpo, mesmo sendo mulher e tendo que passar por um teste de comprovação de gênero (constrangedor).

As adversárias a criticam. Ela é chamada de intersexual, que é bem diferente de hermafrodita (que tem dois sexos, como foi o caso de Edinanci Silva, a judoca brasileira).

Para mim, é mulher, e digo isso sem preconceito; mas é um dilema para o esporte… Ela não tem culpa, mas essa discussão irá longe, pois Semenya vence tudo com seu físico claramente avantajado.

bomba.jpg

– Os Novos Tempos: Miss Espanha é mulher transgênero!

Sem julgar, mas a discussão é interessante: Angela Ponce representará a Espanha no concurso “Miss Universo 2018”. Nada demais, apenas mais uma miss, se não fosse o detalhe de que ela é a primeira mulher transgênero do mundo a participar do evento.

Angela nasceu homem e fez o tratamento para a mudança de sexo. Veja a discussão que existe hoje com a atleta do voleibol Tiffani, questionada pelas outras mulheres da Superliga de Vôlei (embora aqui não estejamos discutindo a força física / fisiologia, mas a beleza demonstrada).

Não é uma questão de preconceito, desrespeito ou empoderamento, mas sim o debate necessário para entender se as mulheres nascidas com o gênero feminino possam competir com as que fizeram alteração de sexo. Tal competição, no esporte, está sendo questionada.

Extraído de: https://emais.estadao.com.br/noticias/moda-e-beleza,transgenero-e-eleita-miss-espanha-e-disputara-miss-universo-2018,70002378897

TRANSGÊNERO É ELEITA MISS ESPANHA E DISPUTARÁ MISS UNIVERSO 2018

A modelo transgênero Angela Ponce foi eleita Miss Espanha na noite de sexta-feira, 29, e representará seu país no concurso de Miss Universo que será realizado ainda neste ano. Na cerimônia, Angela recebeu a coroa de Sofía del Prado, vencedora do concurso em 2017.

É a primeira vez que uma mulher transgênero participa do Miss Universo. Em 2012, a canadense Jenna Talackova ficou entre as 12 melhores da competição no concurso em seu país, mas não se classificou para a etapa mundial.

No Brasil, a amazonense Mayra Dias (clique aqui para conhecê-la) foi escolhida para representar o País no concurso global. 

Angela Ponce, escolhida a miss Espanha em 2018.

Angela Ponce, escolhida a miss Espanha em 2018. Foto: Instagram / @angelaponceofficial

– Ideologia do Gênero: entendendo e discutindo

Concordo (e muito) com esse vídeo que compartilho abaixo, elucidando o que é a Ideologia do Gênero, tão discutida atualmente. Ele tem apenas 2 minutos e explica muito bem o que se propõe tal causa.

Escola, para mim, é lugar de educação e cultura, não de CRIAÇÃO DE IDENTIDADE SEXUAL.

Menino é menino. Menina é menina. Por quê promover a assexualidade de gênero quando vão para as escolas, e precocemente sexualizá-los?

Gosta da idéia de banheiros com meninas e meninos, ou melhor, adolescentes sem “sexo definido” juntos?

Eu não. São nossos filhos e filhas, e Educação e Valores Sociais, Morais, Religiosos e Sexuais começam, em nossa família, EM CASA. Pai e mãe devem ser os primeiros educadores e catequistas das crianças.

Vale a pena compartilhar!

Veja, em: http://www.youtube.com/watch?v=j7zbS1RYdpg

 

– Pattaya, a Capital do Pecado

Cerca de 27.000 empregos são gerados pela “Sodoma e Gomorra” do século XXI, Pattaya, chamada de “capital do sexo“, onde mulheres, gays e outros gêneros se comercializam naturalmente.

Sim, existe um lugar onde a Luxúria e o Pecado reinam como algo correto (embora seja incompreensível para nós), com o argumento de que isso é feito para sustentar filhos bebês e pais idosos.

Assuste-se, extraído de: http://www.abr-il/pattaya

UMA NOITE EM PATTAYA, A “CAPITAL” DO SEXO

Conhecida como a “Sin City tailandesa” e “Sodoma e Gomorra moderna”, cidade é local de trabalho de dezenas de milhares de prostitutas

Por Vinicius Tamamoto

Quando começa a escurecer em Pattaya, na Tailândia, milhares de outdoors em neon são acesos em vários pontos da cidade para anunciar a principal atração local: a luxúria. Nos cerca de dois quilômetros da maior rua do país dedicada ao pecado, vejo placas cintilantes de casas como “The Hottest”, “Russian Girls” e “Lucifer Disko” enquanto garotas de salto alto me oferecem massagem a óleo a cada dez passos.

Entre a multidão, em plena segunda-feira, um homem me para e estende um menu com desenhos que lembram o kamasutra e opções tão intrigantes quanto pussy smoking cigarette show (“show da vagina fumante”) e pussy shooting banana show (“show da vagina atiradora de banana”). Não entro na casa, mas já dá para perceber o motivo que levou o local a ganhar a fama de “capital mundial do sexo”.

A VILA QUE VIROU POINT

Nem sempre foi assim. Tudo começou em 1959 quando 500 soldados americanos que lutavam na guerra do Vietnã foram passar os dias de folga do fronte na então pacata vila de pescadores. Sol, mar e calor elevaram Pattaya a um dos principais destinos de férias dos soldados, que chegavam aos montes.

Para atender aos anseios dos estrangeiros, ávidos por diversão, uma considerável indústria de entretenimento começou a ser estabelecida na cidade. A notícia do boom econômico gerado pelos soldados se espalhou rapidamente pelo país. Logo, muitos tailandeses deixavam suas casas no interior para tentar a vida no novo paraíso.

Hoje, a cidade tem um dos maiores distritos da luz vermelha do mundo, com milhares de estabelecimentos onde só os adultos entram. Vão do eufemismo das casas de massagem, passando pelos shows insanos das ladyboys, transexuais que se tornaram quase um símbolo do país, até casas com garotas especializadas na prática do pompoarismo.

O entretenimento atrai 1 milhão de homens à cidade todos os anos. A grande maioria é de europeus de cabelos grisalhos e barrigas salientes que normalmente desfilam orgulhosos com uma jovem e bonita tailandesa ao lado.

AUTORIDADES QUEREM ‘PURIFICAR’ A CIDADE

Desde o ano passado, no entanto, há uma cruzada em Pattaya contra a prostituição, atividade ilegal na Tailândia. Começou com a promessa da Ministra do Turismo, primeira mulher a ocupar o cargo no país, de erradicar a prática e reinventar o turismo tailandês, frequentemente associado ao sexo.

Mas foi a imagem libertina com que jornais ocidentais apresentaram a cidade em matérias publicadas entre o fim do ano passado e o início deste o que mais irritou o governo local. “Sin city” (cidade do pecado, em inglês) e “Sodoma e Gomorra moderna” foram algumas das definições nada polidas que pegaram muito mal em um país extremamente conservador.

Em fevereiro, um turista britânico de 62 anos foi agredido por policiais após ter sido pego em flagrante transando com uma prostituta dentro de um clube. No mesmo mês, duas dançarinas foram presas por se apresentarem nuas. As batidas policias aumentaram e a presença de oficiais na principal rua da cidade, onde se concentram as casas de shows, é grande.

LUTA POR DIREITOS

No Airport Club, uma das casas mais conhecidas de lá, moças com trajes curtos demais para comissárias de bordo tentam capturar os turistas. Para entrar, paga-se o equivalente a oito reais. No meio do salão apertado, dez dançarinas se apresentam de biquíni numa extensa passarela enquanto outras se sentam ao lado dos clientes para uma conversa mais íntima. Dois chineses enfiam uma porção de dólares na calcinha de uma delas.

“Escolhe uma”, diz uma garçonete que vem sentar ao meu lado. Digo que estou apenas conhecendo o lugar. Como a esmagadora maioria dos que trabalham ali, ela saiu de casa do interior do país, aprendeu inglês o suficiente para se comunicar com os turistas e hoje faz dinheiro em Pattaya. “Aqui é melhor, dá para ganhar mais”, afirma.

Quando outra moça, com um pouco mais de roupa, me oferece outra bebida, apresento-me como jornalista. “Ninguém aqui é má pessoa, todas estão ganhando dinheiro de forma honesta”, diz ela. “Muitas têm filhos ou pais idosos e precisam enviar o dinheiro que ganham para a família.”

Segundo os jornais, o mercado do sexo mantém 27.000 trabalhadores na cidade. O dado não é oficial. Enquanto as autoridades questionam a veracidade da informação, organizações como a Service Workers in Group Foundation, que trabalha para a integração das prostitutas na sociedade tailandesa, afirmam que o número é muito maior.

“Reprimir a atividade e prender dançarinas não irá resolver o problema”, disse Surang Janyam, diretora da fundação, a um jornal local. Para ela, é preciso pensar em políticas que melhorem a vida das prostitutas e garotos de programa. “Que tal descriminalizar a profissão trazendo esses trabalhadores à luz da lei para que eles possam ter direitos e serem tratados como seres humanos?”, indagou.

NÃO ERA AMOR…

A primeira vez que ouvi falar da “Sin city” tailandesa foi através de Peter H., um alemão de 52 anos e coração partido. Em Pattaya, ele conheceu um rapaz na Boyztown, uma área gigantesca com bares, saunas, baladas e clubes gays. Apaixonou-se à primeira vista. “Dei tudo para ele, viagens, presentes, mesada…” O relacionamento durou dois anos, mas não vingou. “Estava cego, não conseguia enxergar que ele só gostava do meu dinheiro”, ele me conta decepcionado.

Casos assim são comuns e, às vezes, até piores: pipocam histórias de europeus de meia idade que perderam tudo por lá. Segundo um levantamento feito pela Issarachon Foundation, que assiste moradores de rua, há no país mais de duzentos ocidentais desabrigados, muitos vivendo nas areias de Pattaya.

“Não vá lá, é muito perigoso”, me alertou o alemão iludido. Lembrei do conselho quando fui habilidosamente pescado para dentro de um bar por uma jovem e bela tailandesa. “I love you so much”, declarou-se depois de alguns minutos de conversa. Estivesse um pouquinho mais carente, teria acreditado.

bomba.jpg

– Allisson Mack: uma das líderes de uma seita de escravas?

Quem era fã da série Smallville, que contava a vida de adolescente do Superman, conheceu uma personagem que não estava nos quadrinhos e que, devido sua importância, foi incorporada nas histórias: Chloe, uma jornalista loira, melhor amiga de Clark Kent e prima de Louis Lane, interpretada por Allisson Mack.

Não é que a ótima atriz foi presa (e pagou fiança para permanecer em liberdade) por arregimentar mulheres para uma seita de escravas sexuais?

Caramba! Uma surpresa desagradável.

Extraído de: https://g1.globo.com/google/amp/g1.globo.com/pop-arte/noticia/allison-mack-atriz-de-smallville-sai-da-cadeia-apos-pagar-fianca-de-us-5-milhoes.ghtml

ALLISON MACK, ATRIZ DE ‘SMALLVILLE’, SAI DA CADEIA APÓS PAGAR FIANÇA DE US$ 5 MILHÕES

Atriz deverá usar tornozeleira eletrônica e cumprir prisão domiciliar na casa dos pais na Califórnia. Ela é suspeita de recrutar mulheres para servirem como escravas sexuais em seita.

Allison Mack, atriz da série “Smallville” acusada de tráfico sexual, foi libertada da prisão nesta terça-feira (24) após pagar uma fiança de US$ 5 milhões (cerca de R$ 17 milhões). Ela é acusada de recrutar mulheres para servirem como escravas sexuais na seita Nxivm.

O valor da fiança foi definido por um juiz da corte federal no distrito do Brooklyn, em Nova York. A atriz agora deverá usar uma tornozeleira eletrônica e cumprir prisão domiciliar na residência dos seus pais na Califórnia, segundo a imprensa local.

TRÁFICO SEXUAL

Mack foi detida na sexta (20), acusada de tráfico sexual e de conspirar para obrigar pessoas a realizar trabalhos forçados como parte do seu suposto envolvimento com a sociedade secreta, criada e liderada por Keith Raniere.

De acordo com a acusação, a atriz “recrutou mulheres” para que se unissem a um suposto grupo de tutoria feminina, entre elas duas denunciantes não identificadas, que fizeram sexo com Raniere.

O juiz Viktor Pohorelsky ordenou à atriz que não tenha contato com nenhum dos membros do grupo, entre eles a herdeira da destiladora Seagram, que ficou conhecida pela sua participação em competições equestres, Clara Bronfman, segundo o jornal “New York Post”.

Ainda segundo a imprensa local, Mack estaria em conversas com a procuradoria federal para conseguir um acordo e testemunhar contra Raniere.

O líder da seita foi acusado dos mesmos crimes que a atriz após ter sido detido no último dia 27 de março em uma luxuosa vila do México. Ele foi extraditado para Nova York, onde permanece em uma prisão federal sem direito a fiança.

bomba.jpg

– Suécia e a Ideologia de Gênero ao nível máximo!

Na Suécia, as escolas cada vez mais estão criando metodologias para que meninos e meninas sejam tratados sem distinção. E para isso, não usam mais os pronomes Ele ou Ela (Han e Hon), mas a palavra inventada Hen (que não distinguiria o gênero masculino e feminino).

E aí, você acha tal medida positiva ou negativa? Eu, particularmente, penso ser um erro muito grande querer “assexuar” a criança a fim de que ela escolha o que quer ser (como se isso fosse uma opção a ser escolhida) em algum momento da infância.

Deixe seu comentário:

(Abaixo, relato da pioneira escola, cujo método se espalhou para outras)

Extraído de: http://is.gd/S0yH6g

PRÉ ESCOLA PROÍBE QUE CRIANÇAS SEJAM TRATADAS COMO MENINOS OU MENINAS

Em conformidade com um currículo escolar nacional que busca combater a “estereotipação” dos papéis sexuais, uma pré-escola do distrito de Sodermalm da cidade de Estocolmo incorporou uma pedagogia sexualmente neutra que elimina completamente todas as referências ao sexo masculino e feminino.

Os professores e funcionários da pré-escola “Egalia” evitam usar palavras como “ele” ou “ela” e em vez disso se dirigem aos mais de 30 meninos e meninas, de idades variando entre 1 e 6 anos, como “amigos”.

“A sociedade espera que as meninas sejam garotinhas gentis e elegantes, e que os meninos sejam viris, duros e expansivos”, Jenny Johnsson, uma professora de 31 anos na escola que é sustentada por impostos dos trabalhadores suecos, disse para o jornal Daily Mail. “Egalia lhes dá uma oportunidade fantástica de ser quem quer que eles queiram ser”. A diretora Lotta Rajalin disse para a Associated Press que a escola contratou um “pedagogo de diversidade sexual” para ajudar os professores e funcionários a remover as referências masculinas e femininas na linguagem e conduta, indo ao ponto de garantir que os jogos infantis de blocos Lego e outros brinquedos de montagem sejam mantidos próximos aos brinquedos de utensílios de cozinha a fim de evitar que algum papel sexual tenha preferência.

Os pronomes suecos “han” e “hon” (ele e ela), por exemplo, foram substituídos na escola pela palavra sexualmente neutra “hen”, um termo inventado que não existe em sueco, mas é amplamente usado pelas feministas e homossexuais.
“Nós usamos a palavra ‘Hen’ por exemplo, quando um médico, policial, eletricista ou encanador, etc., está vindo à pré-escola”, disse Rajalin. “Nós não sabemos se é ele ou ela. Por isso, dizemos: ‘Hen está vindo aqui lá pelas 14h’.
Então as crianças poderão imaginar tanto um homem quanto uma mulher. Isso amplia a perspectiva delas”.

Além disso, não há livros infantis tradicionais como Branca de Neve, Cinderela ou os contos de fadas clássicos, disse Rajalin. Em vez disso, as prateleiras têm livros que lidam com duplas homossexuais, mães solteiras, filhos adotados e obras sobre “maneiras modernas de brincar”.

“Um exemplo concreto poderia ser quando as meninas estão brincando de casinha e o papel de mãe já foi pego por uma e elas começam a disputar”, disse Rajalin. “Então sugerimos duas ou três mães e assim por diante”.

Contudo, nem todos os pais suecos estão apoiando a agenda de seu país que está eliminando os papéis sexuais.

“Diferentes papéis sexuais não são problemáticos enquanto têm valor igual”, Tanja Bergkvist disse para a Associated Press, denunciando o que ela chamou de “loucura da diversidade sexual” na Suécia.

Bergkvist comentou que aqueles que estão promovendo a igualdade entre os sexos com iniciativas que demolem os papéis sexuais “dizem que há uma hierarquia onde tudo o que os meninos fazem recebe importância mais elevada, mas fico pensando: quem é que decide o que é que tem valor mais elevado? Por que há um valor mais elevado em brincar com carros?”

Bergkvist, que é uma crítica eloquente da promoção que o Estado faz de uma estrutura sexualmente neutra nas escolas e de ambientes acadêmicos focados em estudos de diversidade sexual, comentou em seu blog como exemplo da “loucura da diversidade sexual” no país que o Conselho de Ciências da Suécia, que é sustentado pelo governo, deu uma verba de 80 mil dólares para bolsas de estudos de pós-doutorado para pesquisas no “trompete como símbolo de diversidade sexual”.

Resultado de imagem para ideologia de gênero

 

– Quando se usa o nome de Deus para abuso sexual!

Hoje, a lei que regula o “abuso sexual” é mais ampla. Felizmente, não contempla a consumação de um ato físico contra a pessoa, mas também o uso de imagens e outras possibilidades.

Digo isso pois leio que um bispo evangélico foi preso por pedofilia e exploração sexual por ludibriar uma jovem para lhe mandar uma foto nua, “atendendo o pedido dos anjos para acabar com uma maldição”.

Compartilho extraído de: http://jovempan.uol.com.br/noticias/brasil/bispo-preso-suspeito-de-abuso-sexual-pediu-foto-de-menor-nua-para-quebrar-maldicao.html

BISPO PRESO SUSPEITO DE ABUSO SEXUAL PEDIU FOTO DE MENOR NUA PARA QUEBRAR MALDIÇÃO

O bispo evangélico Marcones dos Santos, de 47 anos, preso suspeito de abusar sexualmente de uma adolescente de 13 anos, pediu fotos da menor nua para “quebrar uma maldição”. As mensagens foram divulgadas pela Polícia Civil, o caso ocorreu em Cristalina, no entorno do Distrito Federal.

Na conversa com a vítima, o bispo pediu para que ela confiasse nele e disse que as imagens eram um pedido “dos anjos”.

Nas mensagens ele escreve: “Preciso proteger você. Você tem que confiar em mim e fazer o que eu te pedir (…) Tenho que pegar uma foto sua para quebrar esta maldição que ele deixou em você. É uma foto do seu corpo todo, os anjos que pediram. Assim que quebrar [a maldição], eu apago”.

Marcones dos Santos foi preso no último domingo (08) quando chegava para presidir um culto em uma igreja de Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina. A Justiça de Goiás expediu o mandado de prisão após o pedido da delegacia de Polícia Civil, que recebeu a denúncia da mãe da vítima.

Ele era investigado desde fevereiro. A mãe da adolescente disse que a filha conheceu o bispo em junho do ano passado, quando ele chegou a Cristalina para presidir um culto. Desde então a troca de mensagens ocorria.

O bispo está preso em Santa Catarina, e a Polícia suspeita que possam existir outras vítimas. Ele deve ser transferido para Goiás em até 10 dias e vai responder por exploração sexual de menores e pedofilia.


Na conversa com a vítima, o bispo pediu para que ela confiasse nele e disse que as imagens eram um pedido “dos anjos”

– Onde você colocaria os presos travestis?

Uma situação bem delicada: a polêmica dos dois travestis de Presidente Prudente transferidos de presídio masculino para presídio feminino.

Sábia decisão ou não?

Um deles estava numa sala com outros 31 homens. Será que deveria estar lá? O que acontece com um travesti numa cela lotada de homens trancafiados? Fará sexo a força, sofrerá abuso? Além disso, pense: quantas doenças poderão ser transmitidas por ambos?

Alguém poderá dizer: mas e se forem ativos e/ou passivos? Por que se veste de mulher deixa de ser homem?

Nestes tempos modernos de diversidade sexual, parece-me que algo bem difícil de responder. Se deixá-los em cela masculina, correm o risco de estupro. Se forem para uma cela feminina, poderão tentar algo com as mulheres (afinal, travesti é diferente de transexual).

Muito difícil responder. Será que em breve, nesses casos, se terá uma ala exclusiva para eles dentro do presídio, uma espécie de isolamento (se é que já não tem)?

Penso que a mistura das questões de gêneros fará, inevitavelmente, que em breve se defenda a construção de presídios gays com alas voltadas às mais diversas preferências sexuais. Ou não?

Triste ter que pensar na humanidade como bichos sedentos por instinto de sexo. Uma sociedade erotizada e tarada, lamentavelmente.

A decisão da transferência foi do Ministro Luiz Roberto Barroso.

bomba.jpg

– Respeito aos Transgêneros ou Desrespeito às Mulheres?

No esporte, tem sido muito discutida a situação dos atletas transgêneros. Em especial, no voleibol, onde a atleta Tiffany tem se destacado na Liga Nacional de Vôlei Feminino, gerando protestos de suas adversárias (não por sua opção sexual, mas por sua fisiologia, pois ela jogava voleibol masculino até há pouco tempo). Por ter um corpo originariamente masculino, Tiffany tem mais vantagem nos lances de força no esporte.

Agora, na Austrália, um atleta do handebol masculino fez a opção de mudança de gênero e jogará futebol feminino, gerando muita polêmica por ter sido autorizado apesar da clara diferença física.

É estranha tal situação: as mulheres lutaram tanto tempo pelos seus direitos e agora devem dividir espaço com os homens? Ao mesmo tempo, nenhum transexual tem migrado na relação contrária: mulheres indo para as modalidades masculinas após mudarem o gênero para homens.

Eis, abaixo, a jogadora Hannah Mouncey (na Internet, tem sido chamada jocosamente de He Man):

Extraído de: http://www.lance.com.br/mais-esportes/mulher-trans-autorizada-jogar-liga-feminina-futebol-australiano.html

MULHER TRANS É AUTORIZADA A JOGAR NA LIGA FEMININA DE FUTEBOL AUSTRALIANO

Mais uma mulher transsexual foi autorizada a disputar um esporte na liga feminina, desta vez, Hannah Mouncey, atleta de futebol australiano, foi autorizada pela Federação Australiana de Futebol e poderá disputar o campeonato nacional da segunda divisão. A jogadora anunciou a decisão da federação nesta quarta-feira, no Twitter.

Estou feliz com a decisão e espero jogar esta temporada. Não vou agradecer a Federação, acho que seria totalmente inapropriado fazer isso por me autorizar a fazer algo que qualquer australiana pode fazer – disse Mouncey.

Hannah Mouncey jogou handebol com homens no passado e em 2015 começou o processo de mudança de gênero. Quando tentou se inscrever para a liga feminina de futebol semi-profissional ( sigla em inglês: AFLW), Hannah viu seu pedido negado. Segundo a AFLW, a decisão de rejeitar foi tomada por conta do porte físico da jogadora, que possui 1,90 m de altura. Vários clubes da modalidade, que pode ser considerada uma variação do rúgbi praticado na Austrália, demonstraram interesse em contratar a atleta.

bomba.jpg

– A excepcional entrevista do dono da Guararapes ao Pânico na Rádio

Flávio Rocha, o CEO do grupo Riachuelo, 15o maior gerador de empregos brasileiros e criador do manifesto “Brasil 200”, falou sobre os desastres do comunismo, da necessidade da geração de empregos, das novas relações de “capital mais trabalho” e das virtudes e defeitos em nosso país. Retrucou a ideia de que o enriquecimento de alguns deve ser calcado no empobrecimento de muitos (dissertou sobre a importância da geração de riqueza para todos).

Abordou, ainda, temas espinhosos: desarmamento, demonização da Polícia, trabalho escravo, as bobagens da divisão da nação criada pelo “Fla-Flu” político e, até mesmo, da Ideologia de Gênero

Flávio tratou sobre a infeliz defesa da “construção da sexualidade pelo ambiente social” e a “forçação de barra” para a sexualização precoce das crianças. Na condição de maior empregador de transsexuais do Brasil, discutiu sobre o tema da erotização infantil e da confusão criada pelos defensores dos direitos LGBTT versus apologistas da Ideologia do Gênero.

Imperdível a quem quer entender de maneira inteligente o nosso país.

Assista em: https://www.youtube.com/watch?v=S_ueeFiEx8M

bomba.jpg

– O Primeiro Clube de Futebol Transgênero do nosso país!

Há muito polêmica sobre homossexualismo no esporte. Nos últimos dias, o assunto tem sido sobre atletas que mudam de sexo, e a “bola da vez” é a jogadora Tiffany, transexual contestada por outras jogadores pela sua fisiologia mais forte.

Mas você sabia que no Brasil há um time de futebol formado exclusivamente por meninos transgêneros?

Veja que curioso: o clube “Meninos Bons de Bola” é formado por atletas que um dia foram meninas e hoje mudaram de sexo. Abaixo, extraído do Jornal OESP, edição 29/10/17, página A26:

PRIMEIRO TIME TRANSGÊNERO DO BRASIL

Equipe de São Paulo é formada por atletas que nasceram meninas, mas fazem tratamento para se tornarem homens.

por Gonçalo Júnior

Raphael Henrique Martins é um homem transexual. Ele nasceu como mulher, mas se identifica com o gênero masculino. Por isso, fez cirurgia para a retirada dos seios e realiza tratamento hormonal que promove o crescimento de pelos e mudança na voz. No futebol, isso era um problema. Ele não queria jogar no time das meninas, pois não se sentia como elas. Por outro lado, era discriminado entre os meninos. Decidiu apostar na coluna do meio e criou o “Meninos Bons de Bola”, a primeira equipe transgêneros do País.

A possibilidade de inserção social, saber em que time você joga, é uma das conquistas do grupo. “O esporte é um modo de viabilizar o encontro entre essas pessoas, proporcionando lazer e bem-estar e um grupo de apoio entre pares”, diz a psicóloga Moira Escorse, que acompanha voluntariamente o time, mas também atende outras demandas da comunidade LGBT.

O futebol é um aliado importante na transição, a passagem de um sexo ao outro, também do ponto de vista físico e psicológico. O tratamento hormonal provoca alterações físicas, entre elas, o ganho de peso. O futebol ajuda no aperfeiçoamento da forma física e no controle da ansiedade.

Em campo, o time está só começando, é amador. São 25 jogadores que treinam uma vez por semana em quadra do Sindicato dos Bancários. No domingo passado, quando o Estado foi conhecer o elenco, os bancários haviam pedido o local. O jeito foi treinar em uma quadra pública. O “Meninos” só tem um uniforme. As ações de divulgação são feitas por alunos de Comunicação da Universidade Metodista. O time tem até apoio jurídico. Tudo é voluntário.

No próximo fim de semana, a equipe viaja para Curitiba para a Champions Alliance, evento esportivo e cultural da prefeitura local em prol da diversidade. Para conseguir os R$ 2,6 mil da viagem, os jogadores fizeram uma vaquinha de R$ 20 por mês e venderam balas e doces nos semáforos de São Paulo.

O calendário de 2018 é mais ambicioso. A ideia é dar um salto. Os organizadores estudam ampliar o elenco para atuar na várzea e treinar mais. Além disso, querem disputar os Gay Games, maior evento LGBT do mundo, em Paris. Para isso, vão fazer campanha nas redes sociais para arranjar patrocinadores e obter R$ 80 mil. Todos trabalham em outras atividades.

Cristiano Nunes é cabeleireiro e um dos craques do time. Sua habilidade vem dos treinos no Juventus, quando ainda era menina, dos 11 aos 16 anos. Naquela época, era Cristiane Henrique Nunes. Hoje, aos 33, o meia se prepara para fazer a retirada dos seios, um dos principais procedimentos – na visão dos atletas – para se tornar homem. No domingo, quando anunciou que não poderia viajar para Curitiba por causa da cirurgia, chamou o procedimento de “libertação”. E foi aplaudido pelos companheiros.

Cristiano não quis aguardar na fila no Sistema Único de Saúde (SUS) para fazer o procedimento. Demora. Claudio Galícia, outro jogador dos Meninos Bons de Bola, conta que sua cirurgia demorou cinco anos. Para juntar os R$ 10,5 mil do procedimento na rede privada, em São Bernardo do Campo, teve de economizar por mais de um ano. “Não sobrava para nada”.

Ele é casado há 15 anos e conta que sempre teve uma conversa aberta e franca com sua mulher sobre tudo. O restante da família se divide: uns apoiam, outros fingem não entender ou ignoram sua opção. “O futebol sempre foi uma dádiva e me ajuda em tudo: conter a ansiedade, fazer amigos e viver como sou”.

bomba.jpg
Eles nasceram meninas – Wherther Santana / Estadão

– Agora existe a Sapiossexualidade?

Cada dia, um modismo novo: agora a discussão é sobre o sapiossexualismo, a preferência de pessoas que sentem atração sexual por… parceiros inteligentes!

É mole?

E se o rostinho bonito for de alguém “burrinho”?

Saiba mais, extraído de: https://t.co/zpNVTvopjx

VOCÊ É SAPIOSSEXUAL?

Agora existem até apps específicos para quem diz que se sente atraído pela inteligência alheia. Verdade ou modinha, o que a ciência tem a dizer sobre isso?

Por Ana Carolina Leonardi

Você está zapeando no Tinder quando, de repente, descobre que um possível match se diz “sapiossexual”. Você se sente obsoleto – isso é uma gíria? É uma nova forma de orientação sexual ou identidade de gênero da qual você ainda não se atualizou?

É mais simples que isso, no papel. Sapiossexual é o nome moderno para quem garante que é atraído sexualmente pela inteligência alheia.

Tá bom, tá bom: todo mundo valoriza inteligência em alguém que quer namorar. Nem faria sentido, evolutivamente, se atrair pela pessoa menos intelectualmente capaz do bando de hominídeos ao seu redor – o tamanho do seu cérebro é a prova de que a seleção natural e sexual favoreceu os espertos.

Mas, em teoria, para ser sapiossexual você teria que ir além: a inteligência deveria ser o maior gatilho para você, em termos de excitação sexual – acima dos atributos físicos. É ter tesão, muito literalmente, na inteligência alheia. Com o termo em alta, surgiu até o Sapio, um app de encontros feito exclusivamente para esse público.

Sempre que há um fenômeno estranho há um cientista pronto a estudá-lo. E veja você, em pleno 2018, já temos um artigo científico publicado avaliando o que a ciência tem a dizer sobre os sapiossexuais: quem são? Como funcionam? Como são? Eles existem mesmo?

O estudo, feito na Austrália, criou o Questionário de Sapiossexualidade (SapioQ) para medir com segurança, em uma nota de 1 a 5, o quanto uma pessoa é atraída sexualmente só pelo intelecto. No teste, o participante tinha que concordar ou discordar com frases como “Escutar alguém falar de forma extremamente inteligente me excita sexualmente”.

A maioria das pessoas não tirou notas muito altas no questionário, nem nos outros testes sobre atração sexual e inteligência feitos no estudo. Para elas, outros fatores tinham influência superior à atração sexual.

Isso você já esperava né? Mas 8% dos participantes tirou uma nota maior que 4 – sinal de que sim, algumas pessoas são sexualmente atraídas por inteligência.

Mas peraí. Os pesquisadores colocaram mais uma hipótese: se essa relação excitação-inteligência realmente se aplica, então quanto mais inteligente for alguém, mais atraente ela vai aparecer para um sapiossexual, certo?

Errado. Eles testaram como a atração sexual variava de acordo com o QI de um parceiro hipotético. No começo, tudo certo: as pessoas realmente demonstravam muito mais atração por alguém com um QI que fica na média do que por alguém que tinha um QI entre os 25% mais baixos da população.

E a atração sexual ia crescendo conforme o QI subia, até chegar ao QI 120 (mais alto que 90% do resto da população). Aí caía abruptamente! As pessoas se sentiam progressivamente menos atraídas conforme o QI subia acima de 120. Os 10% das pessoas com os QIs mais altos da população eram considerados muito menos atraentes do que seus colegas menos bem-dotados mentalmente.

Entre os 8% que eram sapiossexuais, segundo o SapioQ, a queda era menos pronunciada, mas ainda existia. Um dos possíveis culpados é o estereótipo do gênio destrambelhado e sem habilidades sociais, como o Sheldon, que ilustra este texto.

Ainda que o estudo não afirme categoricamente que o sapiossexual não existe, ele conclui que é extremamente provável que outros fatores não-intelectuais influenciam a atração, em qualquer cenário.

Ah, e vale lembrar: o quanto você é atraído por inteligência não depende da sua própria: pessoas avaliadas como menos e mais inteligentes que a média tinham a mesma chance de curtir pessoas intelectuais (dentro do limite de 120 de QI).

A única diferença é que pessoas mais inteligentes tinham mais aversão sexual a pessoas de baixo QI. Veja só que beleza.

Ser sapiossexual, portanto, não te torna mais inteligente que a média. No máximo, um pouquinho mais prepotente. E a inteligência só é sexy até um certo limite, independente do que você coloca no seu Tinder.

bomba.jpg

– Vai Malandra? Mas e a mercantilização do corpo?…

O professor Marco Antonio Villa é um historiador conhecido por suas fortes opiniões políticas. Uns gostam dele, outros não. Mas ele resolveu falar sobre o “Culto para Anitta” e a transformação da música “Vai Malandra” como sucesso e representatividade do Brasil.

Em certo ponto, sobre a música, ele diz: “NÃO É PORQUE TODO MUNDO GOSTA QUE EU TENHO QUE GOSTAR”. E disserta sobre a vulgarização do corpo da mulher, a mercantilização do sexo e o orgulho da falta de cultura.

Sinceramente? Concordei com tudo o que ele falou… o mais engraçado é o professor recitando a letra em 1’46” do vídeo.

Assista a opinião dele em: https://www.youtube.com/watch?v=KCWB1cQ1C1k