– Nossa vida como 7 etapas do Pé de Ipê…

Surgiu do nada tal percepção. É mais do que uma sensibilidade, é uma inspiração para refletir e motivar!

Sentado à beira das árvores do nosso jardim, fiquei reparando nas flores do nosso pé-de-ipê. De quando nascem até quando caem ao chão. E eis que a gente não é como o ciclo delas?

Repare da esquerda para a direita, as 7 fases da flor (a foto está abaixo):

Somos gestados sem ter aparência do que seremos; ficamos um pouco maiores, despontamos e… desabrochamos! Aí ficamos fraquinhos, murchamos e caímos para deixarmos de existir no jardim.

Quantas vezes nos questionamos que a vida é tão curta, mas esquecemos-nos de vivê-la em abudância?

Aliás: em que fase da nossa vida estamos? Seria legal se sempre fôssemos exuberantes, imponentes, sadios e “floridos”… mas não é bem assim, não?

Enfim, que durante nossa existência possamos fazer a diferença positiva!

Ops: essas fotos foram da primavera passada. Nosso ipê atrasou a florada nesse ano.

Anúncios

– Criando as filhas para serem grandes mulheres!

Para quem é pai de meninas e quer ver suas princesas terem sucesso quando adultas, vale a pena ler esse texto do Linkedin, originalmente escrito no “Leiturinha”.

Extraído de: https://www.linkedin.com/pulse/meninas-felizes-mulheres-seguras-10-coisas-que-você-pode-oliveira/

MENINAS FELIZES, MULHERES SEGURAS: 10 COISAS QUE VOCÊ PODE FAZER POR SUA FILHA

Por Ana Clara Oliveira

Aqui entre nós, ter um filho é uma responsabilidade e tanto! Ser inteiramente responsável por um pequeno ser humano, criando-o e educando-o, faz com que muitas pessoas reflitam sobre si mesmas e sobre seus próprios valores. Isso porque nós, adultos, temos um papel fundamental na criação de pequenos mais confiantes, empáticos, solidários, tolerantes, amorosos, justos e felizes! E, verdade seja dita, o mundo tem precisado cada vez mais disso, não é?

CRIANDO MENINAS MAIS CONFIANTES E FELIZES

Reforçar a autoestima das crianças e valorizar, acima de tudo, o amor e o respeito, colabora para que elas se tornem adultos melhores e, isso é imprescindível na criação tanto de meninos, quanto de meninas. No entanto, levando em consideração o mundo em que vivemos, com as imposições e pressões que existem sobre as mulheres, é interessante pensar como os pais podem colaborar para que nossas meninas cresçam mais fortes, seguras, independentes e realizadas!

A preocupação com o corpo, a relação com a vaidade e com a carreira profissional, a divisão das tarefas domésticas e os estereótipos que cercam a feminilidade, são questões que precisam ser trabalhadas, desde cedo, com as pequenas, com muita conversa, respeito e exemplo. Para Sarah Helena, psicóloga, curadora na Leiturinha e mãe da pequena Cecília de 1 ano, “quando nasce uma criança (ou melhor, antes mesmo disso), a família, seja ela quem e como for, precisa repensar e ter em mente quais valores, princípios e comportamentos que gostariam que fossem passados adiante e quais aqueles que não. Para criar meninas independentes e seguras, estes têm que ser valores estimados na família, principalmente entre as mulheres, já que elas são um exemplo para as pequenas. Além disso, há que se romper com muitos estereótipos que reproduzimos na sociedade, como padrão de beleza ou a divisão das tarefas domésticas, por exemplo, e seguir construindo as próprias referências do que é bom e ruim. Isso requer paciência, coragem e ousadia. Ser nós mesmas, de forma autêntica, é uma das lutas mais árduas a se enfrentar na vida.”.

10 COISAS QUE VOCÊ PODE FAZER POR SUA FILHA

Pensando nisso, elencamos algumas atitudes simples que podem contribuir para que sua pequena tenha uma relação melhor com ela mesma e com os outros, tornando-se uma mulher mais segura e feliz!

  1. Evite criticar o próprio corpo na frente da sua pequena

Muito gordo, muito magro, alto demais ou muito baixinho… A insatisfação com o corpo é algo comum entre homens e mulheres. Isso porque há um padrão de beleza que, vez ou outra, todos tentamos nos enquadrar. No entanto, se você se sente assim em relação ao seu corpo, é importante se atentar para não demonstrar essa insatisfação na frente da sua pequena. Se alimentar bem e praticar exercício físico é algo maravilhoso para a saúde e bem-estar de todos nós, mas evite dizer a sua pequena que ela deve fazer isso para ficar magra ou bonita. Cedo ou tarde ela já vai se deparar com esse padrão imposto às mulheres, mas com a sua ajuda ela pode entender que é bonita como é e que a aparência não é o que ela tem de mais importante!

  1. Elogie suas qualidades, para além da aparência

É muito comum elogiar as meninas e, mais tarde, as mulheres, dizendo o quanto são bonitas. Isso não é errado, mas elas são tão mais do que isso! São inteligentes, curiosas, carinhosas, engraçadas, dedicadas, corajosas… Que tal se atentar para variar um pouco nos elogios, mostrando para sua pequena que a aparência dela é apenas um detalhe entre as infinitas qualidades que a tornam uma pessoa incrível!

  1. Incentive a independência e a autonomia

É importante que, desde cedo, você incentive e mostre para sua pequena que ela pode fazer suas coisas e se realizar sozinha. Não que ela não precise de outras pessoas, mas entender que ela é autônoma, independente e forte o suficiente para alcançar sua própria felicidade e sucesso, será muito importante para que ela cresça mais confiante e segura!

  1. Respeite suas escolhas

Se ela prefere o judô ao balé, a bicicleta ao patinete, as bonecas aos carrinhos, os super-heróis às princesas, o basquete ao futebol, a matemática ao português… Ou qual seja seus gostos e preferências, é fundamental que ela possa contar com você para apoiá-la e incentivá-la a dar o seu melhor em qualquer que seja sua escolha! Optar por isso ou aquilo não a tornará melhor ou pior, nem mais ou menos feminina.

  1. Mãe, seja uma pessoa completa

A maternidade é algo maravilhoso, mas ao se tornar mãe, a mulher não se limita a esse papel. Ela continua tendo seus gostos, suas escolhas, seus hobbies, suas vontades e seus sonhos. É importante que você, mãe, mostre para sua filha que você é uma pessoa completa, com todos os erros, acertos e ambições que isso possa significar. Isso fará com que ela cresça sabendo que ser mãe não elimina sua personalidade ou seus desejos enquanto pessoa.

  1. Evite super expor sua pequena a mídias que reforcem os padrões de beleza

Situações que reforçam padrões de beleza estão presentes nos mais variados contextos e parece quase impossível esquivar-se deles. Quando isso acontecer, converse com sua filha para que ela reflita sobre os padrões apresentados e a realidade de mulheres com quem ela convive ou vê na rua. Também cuide para que sua pequena esteja cercada de boas referências e representatividade, assim, ela não vai sofrer tentando se enquadrar em algo que ela não é, mantendo uma relação melhor e mais saudável com o próprio corpo.

  1. Priorize o conforto quando for escolher suas roupas

Na ala de roupas infantis femininas é comum vermos mini roupas de adultos, com muito brilho e muito cor-de-rosa, mas nem sempre tanto conforto. É importante que sua pequena sinta-se bem no que está vestindo, para poder correr e brincar livremente, como qualquer criança. Tome cuidado para não priorizar a roupa “mais bonita” que, talvez não permita que sua filha se movimente de maneira confortável e livre.

As crianças precisam aprender a brincar sem brinquedo também!

  1. Ensine-a a dizer não

Conhecer e respeitar seus limites é fundamental para uma vida mais equilibrada e feliz. Muitas mulheres se sobrecarregam na missão de cuidar de tudo e de todos sozinhas, aceitando mais do que seu corpo e sua mente suportam, ou ainda se submetendo a situações que não condizem com seus valores e vontades por medo de dizer não. Ensine sua pequena sobre responsabilidade e compromisso, mas deixe claro que ela não é obrigada a fazer o que não quer, que ela pode verbalizar suas vontades e limites e que eles precisam ser respeitados.

Mãe, você não precisa dar conta de tudo sozinha

  1. Divida as tarefas de casa de maneira justa

As crianças podem e devem ajudar nas tarefas domésticas, pois isso colabora para que desenvolvam o senso de independência, responsabilidade e respeito. Isso serve para os meninos e para as meninas. Portanto, é importante que os pais dividam as tarefas igualmente, levando em consideração a idade, claro, mas não o sexo dos filhos. Todos podem colaborar para que o lar fique mais organizado e agradável, afinal, todos vivem nele!

  1. Deixe-a perceber o quanto é especial

Enfim, o importante é que sua pequena entenda, desde cedo, o seu valor e o quanto ela é uma pessoa especial, com todas as suas qualidades e defeitos. A autoestima é algo construído dia a dia e você pode colaborar – e muito – para que ela cresça e se torne uma mulher mais confiante, segura e realizada. Isso, com certeza, irá contribuir para que ela se relacione melhor consigo mesma, tendo uma postura mais sensível, empática e gentil com as pessoas que a cercam.

(Publicado originalmente no Blog Leiturinha.)

0E436C9A-FC88-4240-8E13-13BD48A96C76

– E quando você só ouve o “Não Posso”?

Qual a sua disponibilidade ao longo da vida para…

  • Passar um tempo com a família;
  • Lutar por um sonho;
  • Rezar e estar em paz com Deus, consigo e com o próximo;
  • Fazer um favor a alguém;
  • Ou pra qualquer outra coisa?

Essa imagem diz tudo e precisamos refletir: por que muitas vezes eu digo “não posso”? Por preguiça, medo, acomodação?

Veja:

– Resiliência em frase curta

Resiliência é resistir às tribulações sem mudar suas características. É passar por desafios, sofrimentos, tormentas e mudanças e resistir a sua essência. É viver fortemente!

Talvez essa curta frase, na imagem abaixo, seja um sábio conselho para alcançar a resiliência:

– Reinventando-se depois dos 50 anos

Leio uma matéria bacana que aborda a transformação dos ideais depois de uma certa idade. É sobre como as pessoas mudam de vida depois dos 50 anos. Ou ao menos, querem mudar!

Aqui, um elenco de exemplos sobre quem conseguiu reinventar-se depois dessa idade. Mas vale pensar: precisamos esperar esse aniversário simbólico ou precisa ser em qualquer época tal mudança de propósitos?

O acesso em: https://vejasp.abril.com.br/cidades/reinvencao-apos-os-cinquenta-anos/

Celso Loducca, 60, consegue dedicar mais tempo ao seu cachorro Pipoca e à Casa do Saber, seu projeto social (Alexandre Battibugli/Veja SP)

– Pais, cuidado com a música “Bob”

Atenção: se você preza bela boa educação dos seus filhos e tem valores de valorização da vida, cuidado com a canção do Bob. Com letra de sentido duvidoso, mensagem negativa e palavras fortíssimas, é extremamente perigosa para as crianças, dando a entender em certos momentos que “um capetinha” travestido de “amigo imaginário” a orienta.

Ridícula a letra e a música!

Extraído de: https://www.1news.com.br/noticia/565702/curiosidades/saiba-mais-sobre-a-musica-bob-muitos-pais-estao-assustados-com-a-letra-da-cancao-02082019/amp

SAIBA MAIS SOBRE A MÚSICA BOB; MUITOS PAIS ESTÃO ASSUSTADOS COM A LETRA DA CANÇÃO

Uma música que aparentemente é inofensiva está causando muito alvoroço nas redes sociais e grupos do WhatsApp. Lançada neste ano, a música Bob, composta por Rafa Kamaitachi, tem uma batida suave, mas arrepia qualquer pessoa que presta atenção em sua letra, que contém mensagens fortes e já alcançou milhares de visualizações nas redes sociais. 

Por ter sido deixada de lado, a criança encontrou “Bob”, seu amigo imaginário, o qual muitas pessoas estão associando a um demônio por dizer que ele “é filho de um anjinho que foi caído” e estaria preso dentro da criança. 

Aos poucos a música vai revelando o ambiente macabro e depressivo no qual esta criança vive. “Ele não quer sair de mim / Já achou sua morada aqui / Ele quer que você vá embora / Bate a porta do meu quarto e nunca mais tente essa porta abrir”. 

Além do quadro de depressão, o suposto demônio revela mais detalhes do lar desajustado em que a criança vive, com uma mãe que faz uso de remédios antidepressivos e um pai que é um adúltero com vício em cocaína. “Papai tenho que te apresentar o Bob / Ele vem cuidar de mim enquanto tu dorme / Diz que eu tenho outras mamães que tu esconde até da morte / E o teu nariz fica branquinho usando algo que não pode.” 

Outra ponto forte da música é quando se fala sobre aborto. O filho diz que precisa apresentar o “Bob” ao pai, que ele “vai para o inferno”, pois seus irmãos eram fetos que ele ordenou que abortasse.

“É uma letra que reflete a realidade de muitos lares. É chocante, mas é exatamente o que acontece. Enquanto os pais negligentes, com a vida conturbada, conflituosa e cheia de pecados dormem, o “BOB” toma conta dos filhos”, disse um internauta. “Mas gente, ele não falou nada mais nada menos do que a realidade de alguns casos de família por aí. Isso realmente existe, a diferença é que as pessoas ficam chocadas quando se fala sobre isso, e ainda mais dessa forma aí”, comentou outra. 

Na descrição do vídeo no YouTube, Rafa Kamaitachi deixou um aviso claro sobre o conteúdo: “Na música “Bob” foram usadas palavras que podem causar desconforto em pessoas mais sensíveis. Estas citações foram feitas apenas para fins artísticos, caso tenha se sentido ofendido(a), saiba que essa não foi a intenção.”

Vídeo em: https://youtu.be/Q5SNSMJwias

– 91 anos da Vó Maria!

Minha Vó Maria (e um segredinho: ela não se chama Maria, só os parentes próximos sabem o nome de verdade)  faz hoje 91 anos.

Ela ainda carpe, cuida do jardim, da roça, da casa, se ofende quando ameaçam ajudá-la com uma faxineira, anda por toda a parte e nunca fica doente. Tem mais saúde do que eu.

Se eu chegar nessa idade com tal vigor, estarei em plena forma e disposição!

Feliz Aniversário, Vó!

Aqui, nosso parabéns festejado ontem: https://www.youtube.com/watch?v=qlzmH1L84f8

bomba.jpg

– E quando você sente como Jó?

Já ouviu aquela cantiga popular sobre os “Escravos de Jó, que jogavam caxangá”?

é um personagem bíblico que nos traz a mensagem da confiança incontestável em Deus. Ele foi um homem temente ao Senhor, mas que foi perturbado pelo diabo que lhe tirava tudo na vida causando muito sofrimento.  Não entendia o porquê de tantas dores e angústias, mas vencia o inimigo confiando que, independente da razão ou não, confiava em Deus.

Vi essa figura “perdida na web” (abaixo) e me recordei dele. Impossível não nos questionarmos quantas vezes sofremos (ou achamos que sofremos) como Jó e nos lamentarmos. Conforme o versículo bíblico:

“Jó nunca viu a razão do seu sofrimento. Ele viu Deus e isso bastou”.

Entendemo-nos? Sem lamúrias desnecessárias e confiemos na Providência Divina.

Resultado de imagem para Jó nunca viu a razão

– Nosso jardim colorido na Terça-Feira!

(esse post foi de dias atrás, mas serve / servirá para hoje)

Não estamos na Primavera, mas colhemos flores do nosso jardim logo cedinho. Depois adubamos e fizemos a poda à espera da estação florida (está longe, eu sei). Mas quem gosta de natureza e de fotografia, ficará encantando com essa safra fora de época!

Escolha dos 8 botões, o mais bonito para inspirar essa 3a feira!

bomba.jpg

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Worcation na moda?

Worcation é a junção de Work e Vacation (trabalho e férias, em português), e tal prática está cada vez mais frequente mundo afora.

É que em alguns países onde não existe legislação de férias remuneradas, tal situação – trabalhar em período supostamente de descanso – tem sido uma alternativa. Ou melhor: uma necessidade!

Cá entre nós: alguns profissionais já vivem isso no Brasil! O pequeno comerciante não consegue abandonar a rotina. Celulares de última geração, notebooks e outros apetrechos acompanham a mala de mini-férias (2 dias de descanso, em muitos casos).

É a tendência dos dias atuais… e aqui, com pesar, me incluo!

E você: consegue se afastar totalmente do serviço durante as horas / dias de repouso?

bomba.jpg

– Como ter um bom domingo?

Minha resposta é simples: brincando com as filhas!

A caçulinha, hoje, simplesmente pegou uma florzinha no jardim, correu para me entregar e disse: “Pra você, Papai El ‘helói’ da nenê”!

Como eu vou desejar qualquer outra coisa na vida do que estar com ela? E com a mais velha? E com a patroa?

Que todos nós possamos curtir nossas famílias…

Imagem

Ganhei uma flor de “outra flor”…

– Você está apto para ter Filhos?

Recomendo um brilhante texto do Dr José Martins Filho: “Ter filho não é pra todo mundo”.

Dr Martins é autor do livro “A Criança Terceirizada”, e nesse artigo ele aborda o fato de que muitas famílias não refletem se verdadeiramente estão preparadas para terem filhos; se terão tempo para a educação delas, além de paciência para as brincadeiras. O desafio é: os pais farão sacrifícios para não “terceirizar” a criação dela?

A publicação está na Revista Galileu (Ed Junho), nas páginas 96-97. Vale a pena!

TER FILHO NÃO É PRA TODO MUNDO

Vamos ser sinceros: quem realmente tem capacidade para se dedicar a uma criança como deveria. Faça a análise antes de ter uma.

Será que todos os seres humanos precisam ser pais? Não sei. Cuidar bem de uma criança, além de ser de sumária importância, dá um trabalho danado. Crianças choram à noite, nem sempre dormem bem, precisam de cuidados especiais, de limpeza, de banho, alimentação, ser educadas e acompanhadas até idade adulta. E, principalmente: crianças precisam da presença dos pais. Sobretudo as menores, que requerem a mãe na maior parte de seu tempo. Não dando dois beijinhos pela manhã antes de ir para a creche, ou colocando a criança para dormir à noite, que será possível transmitir segurança, afeto e tranqüilidade. Alguns dizem: “o que interessa é a qualidade do tempo que passamos juntos e não a quantidade”. Se for assim, então diga ao seu chefe que você vai trabalhar apenas meia hora por dia, mas com muita qualidade. Certamente ele não vai gostar. Seu filho também não.
Sejamos sinceros, nem todo mundo está disposto a arcar com esse ônus. Talvez seja melhor adiar um projeto de maternidade, e mesmo abrir mão dessa possibilidade, do que ter um filho ao qual não se pode dar atenção, carinho e presença constante. Lembre-se que é preciso dedicar um tempo razoável: brincar junto, fazer deveres de casa, educar, colocar limites.

Como fazer tudo isso e ainda continuar no mercado de trabalho? Usando seu horário de almoço para comer junto com seu filho. Fazendo visitas na creche durante o dia. Passeando no final de semana, em atividades em que a criança seja prioridade, como praia, parques, jogos em conjunto. Por favor, isso não inclui shopping Center.

Sou obrigado a fazer tudo isso? Claro que não. Mas ser pai e mãe também não é uma obrigação. Trata-se de uma escolha, e como toda escolha, pressupõe que você abra mão de outras tantas. O que se propõe? A volta da mulher à condição de dona de casa? Também não. O que se propõe é a conscientização da paternidade e maternidade. A infância determina a vida de todos nós. Ela é fundamental para existência humana. Na esfera psíquica, os primeiros dois anos significam a base da construção de uma personalidade saudável. A violência, a agressividade, a falta de ética, a moralidade dos tempos modernos não são apenas fruto de dificuldades econômicas e sociais, mas da falta de amor, educação, limites.
Com a vida moderna as crianças passaram ocupar um papel secundário ou terciário na vida familiar. Lembrem-se que o futuro da humanidade dependem dessas crianças. Fico triste quando os pais nunca tem tempo de ir à escola para acompanhar a educação das crianças e adolescentes. Em muitos casos casais colocam a necessidade da maternidade a conceitos: – para não ficarem sozinhos na velhice – como se filhos fosse seguro anti solidão, em outros casos serve mais para mostrar às pessoas a masculinidade ou a fertilidade.

Após uma análise tranquila na possibilidade de ter ou não ter filhos, tenho certeza de que o mundo irá melhorar.

– Carpe Diem

Há cinco anos, faleceu o escritor, filósofo e educador Rubem Alves. Dos contemporâneos, foi sempre um dos mais importantes.

É dele o dito:

Não economize para o amanhã, viva hoje o presente“.

Uma espécie deCarpe Diem, o famoso aproveite o dia. Mas é bem por aí: a gente se preocupa tanto com o futuro que se esquece do agora. Claro, não é para sermos irresponsáveis com o amanhã, mas mais atuantes no dia-a-dia.

3159891452_a14bb0c655.jpg

– “Desisti de Morrer”

Puxa, há momentos em que devemos parar para refletir o quanto uma pessoa pode fazer diferença na vida de outra.

Abaixo, um depoimento à Revista Veja (do ano passado) de uma moça brasileira que praticaria eutanásia na Suíça e foi demovida pela ideia. Vale a pena ler, é comovente e mostra o quanto uma atitude muda o propósito de outra!

DESISTI DE MORRER

Com síndrome incurável, a médica Letícia Franco, de 37 anos, conta por que deu nova chance à vida

Eu passei muito tempo pensando que tirar minha vida seria a única forma de acabar com um sofrimento intenso e extraordinário com o qual convivia fazia oito anos, desde que descobri ser portadora da síndrome Ásia. É uma doença autoimune, rara, incurável e extremamente debilitante e dolorosa. Há três meses, escolhi uma clínica na Suíça que realiza o suicídio assistido. Lá, o procedimento é legal e o trâmite foi mais rápido do que eu imaginava. Em março, enviei um e-mail explicando a minha debilidade e, no mesmo dia, tive retorno. Pediram-me três laudos médicos que comprovassem o agravamento da minha patologia, um exame psiquiátrico para atestar minha lucidez e uma garantia de que eu estava apta a movimentar os membros superiores, já que tomaria sozinha os remédios que tirariam minha vida.

Primeiro, beberia um líquido para preparar o organismo para aceitar as próximas substâncias, que iriam deprimir meu sistema respiratório e me fazer, finalmente, adormecer. Não há desconforto, tampouco há dor. Com dignidade e em poucos minutos, eu não estaria mais nesta vida. Na clínica há poucos quartos, um crematório e muito verde. É um lugar bonito e agradável aos olhos. Era preciso enviar a confirmação de duas pessoas que me levariam até lá. Escolhi uma amiga e minha mãe, que também é médica. Num primeiro momento, ela concordou.

Foi então que decidi escrever uma carta de despedida aos meus amigos e familiares em uma rede social. A notícia se espalhou de uma forma que jamais imaginei. Em poucos dias, eu me vi em jornais, sites e até em revistas internacionais. Passei a receber ligações com pedidos de entrevista de todo o país, e pessoas foram até minha casa na tentativa de fazer contato. Eu estava na UTI pela 37ª vez.

Minha história chamou a atenção de uma médica de São Paulo, que me ofereceu gratuitamente uma terapia alternativa complementar com ozônio, cujo objetivo é aumentar a oxigenação no corpo. Depois da 18ª sessão com a aplicação do gás ozônio via retal, três vezes por semana, juntamente com remédios da terapia ortomolecular, consegui voltar a viver. Minha perna, que estava quebrada por causa do desenvolvimento de osteoporose decorrente dos medicamentos, cicatrizou. Recuperei a função do trato urinário, abandonei a morfina para aliviar dores lancinantes, assim como a maioria dos remédios orais que tomava com a mesma finalidade. Vi-me novamente capaz de tomar banho sozinha, ter vida social, passear, dançar… Não sei quanto tempo essa melhora vai durar e entendo que nada disso significa cura, mas voltei a ter vontade de lutar.

Além da atenção dessa médica, minha carta também alcançou um ex-namorado de dez anos atrás. Ele chegou quando eu estava acamada, inchada, com a pele cheia de feridas e necessitando de ajuda até para ir ao banheiro. Mas insistiu e, depois de uma semana, estava morando comigo e cuidando de mim. Esse rapaz se tornou novamente meu namorado e me mostrou que o amor pode salvar uma pessoa de várias formas. Jamais imaginei que voltaria a me relacionar com alguém, mas logo ficamos noivos, e nos casamos em 29 de junho. Na maioria dos dias, na companhia dele e da minha família, chego a esquecer que tenho essa doença tão triste.

Hoje, vivo um dia de cada vez. Estou aposentada por invalidez, tomo 48 comprimidos diários e injeções para que a musculatura não atrofie e para aumentar o número de glóbulos vermelhos do sangue. Mas estou feliz. Ganhei dois prêmios internacionais de oftalmologia, um reconhecimento na área da Organização Mundial da Saúde (OMS) e comecei a escrever um livro sobre a minha vida. Pretendo dar palestras sobre a síndrome e lutar para que haja apoio mundial na busca da cura ou de tratamentos. Sou grata a Deus. Ele me deu uma cruz e me mostra, todos os dias, que sou capaz de carregá-la.

Depoimento dado a Thaís Botelho

Publicado em VEJA de 25 de julho de 2018, edição nº 2592

FOTO: Cristiano Mariz (Veja)