– Juventude ou Vivência para apitar um jogo de futebol?

Compartilho artigo de minha autoria, publicado aqui no blog em 2010 e extremamente pertinente:

JOVIALIDADE CONTRA EXPERIÊNCIA NA ARBITRAGEM

Poderia até soar demagogo o título deste artigo. Ao contrário, ele vem dar o tom para um debate que certamente ocorrerá ao longo do ano: a renovação do quadro de árbitros do futebol brasileiro.

A Comissão de Árbitros da CBF anunciou que os árbitros a ingressarem no Quadro Nacional em 2010 deverão ter até 30 anos de idade. Tal medida servirá de subsídio para aplausos e vaias, de acordo com o enfoque desejado.

Uma renovação com nomes jovens e desconhecidos, a fim de realizar um trabalho de base, com treinamento técnico e teórico, é uma medida sensacional. Porém, dificultosa por alguns motivos: terão os clubes paciência para o amadurecimento desses árbitros? O trabalho de preparação dos nomes em treinamentos seria feito como? A estrutura financeira do futebol permitiria tal trabalho? Os jovens teriam a garantia de escalas?

Um grande ponto a favor seria o condicionamento físico, num momento em que o futebol é muito mais corrido do que jogado. O ponto negativo, claro, a inexperiência.

Já a renovação com nomes alternativos (não necessariamente tão jovens), a fim de oxigenar a atual relação, dando oportunidades a talentos das federações estaduais que até então, por número de vagas escassas, não apareceram no cenário nacional, se adotada para 2010 será contestada: de onde viriam esses nomes jovens a serem indicados? Quem os garantiriam ou os respaldariam em caso de pressão de dirigentes? Como não queimar jovens talentos e lançá-los em jogos adequados?

Um grande ponto a favor de nomes “alternativos” seria a experiência adquirida em campo em contrapartida dos novatos. O ponto negativo, claro, é o vício que poderão carregar pelos anos de apito (e entenda-se na linguagem do árbitro de futebol como “vício” os costumes e hábitos adquiridos na maneira de apitar e no estilo de arbitragem, difíceis de serem eliminados ao longo do tempo).

E aí virá a discussão. O que é mais necessário hoje: jovialidade ou experiência?

Para responder tal questão, leve em conta os fatores:

– Condicionamento físico;
– Capacidade de fazer a leitura do jogo durante a partida;
– Conhecimento de artimanhas e características de atletas já trabalhados em outras partidas;
– Histórico de arbitragem;
– Rodagem em campeonatos e clubes diversos;
– Respeitabilidade adquirida ao longo dos anos;
– Idade madura do árbitro (qual é a maturidade do jogador e a do árbitro?)

Tal tema é de dificílimo trato. E a implantação de tal projeto carece de força e apoio. Desejo boa sorte a Sérgio Correa nesta ousada empreitada. E que os clubes tenham paciência em entender o processo de renovação proposto.

Vale lembrar que tal assunto não se restringe apenas ao mundo do futebol. No dia-a-dia, em qualquer seara, se discute sobre a renovação profissional, o momento dela, e o costumeiro debate: jovens ou seniors? No mundo corporativo, isso é cotidianamente questionado.

Por fim, talvez algo a ser exaltado: a troca de informações entre gerações! Um jovem inexperiente interagindo com alguém tarimbado é ótimo, bem como um experiente aprendendo inovações com os mais novos.

Tipos de intercâmbio: experiências que podem mudar a sua vida!

– E se Messi sair do Barcelona em 2021

Surgem especulações de que Lionel Messi poderá respirar novos ares em 2021. O motivo é o de que diretores do Barcelona reclamam de que ele não é o líder em campo que desejam (com a bola que ele joga… aff). Tal queixa “mais ou menos” é a mesma que ele teve que aguentar na Seleção Argentina.

Cá entre nós: o que Messi já fez para o Barça (e ele é o único que tem jogado uma bola redonda ultimamente) é covardia.

Mas e se ele sair? 

Eu duvido que ele vá para uma equipe concorrente aos catalães. Nada de rival ou de quem disputa competições paralelas. Penso eu que, por qualidade de vida, menos pressão e mais dinheiro, poderá ir aos EUA.

E se você fosse Messi?

Rádio espanhola diz que Messi desistiu de renovar com o Barcelona

– E o Vascão? Que coisa…

Após ser eliminado pelo Volta Redonda pelo Campeonato Carioca, o Vasco da Gama vai ficar parado por algum tempo (lembrando que o Time da Colina e o Flamengo  “forçaram a barra” para voltar os jogos de futebol justamente na pandemia).

Esse tuíte de Leonardo Dahi foi perfeito:

“Seu Alexandre Campello, hein? Foi pra Brasília, falou com prefeito, governador, presidente, brigou com jornalista, fez de tudo pro futebol voltar. Voltou, jogou dois jogos, foi eliminado do Carioca, vai ficar no mínimo 38 dias sem jogar e ainda perdeu um contrato de TV. Parabéns.”

E não é verdade?

Vasco x Volta Redonda: Saiba como assistir ao jogo da Copinha AO ...

– A nova camisa do Chelsea confundirá ou não?

Eis a nova camisa do Chelsea, com a Three Global, uma empresa de telecomunicações do grupo CKHH Company.

Repararam que a logo é um grande número 3?

Nada impede pela Regra do Jogo tal uniforme, mas é claro que surgirá a discussão se não haverá confusão na hora do árbitro advertir um jogador e se confundir, creditando o cartão ao número 3 da equipe.

Nos jogos entre Seleções, onde as camisas são limpas de patrocinadores (permitido apenas o fornecedor de material esportivo), os números na frente da camisa são permitidos.

– O “Flamengo 2×0 Boa Vista” no Maracanã (exclusivamente pela FlaTV) valeu a pena financeiramente?

Coisas que eu não entendo e vale o debate:

1 – Quanto custa o gigantesco Maracanã para se realizar uma partida de futebol sem público?

2- Por quê o Flamengo joga no Maracanã como Mandante e também como Visitante no Campeonato Carioca (considerando que Vasco não joga contra seus adversários mandantes em São Januário, nem o Botafogo no Nilton Santos ou o Fluminense nas Laranjeiras, se desejassem)?

3- O dinheiro que não recebeu da Rede Globo pela transmissão, se comparado com a receita da sua própria geração pela Internet, não fará falta? Ou seja: deu lucro o jogo de ontem ?

4- A longo prazo, o modelo adotado pelo Mengão, compensará?

Como se vê, as duas questões: ética (quanto ao campeonato) e financeira (quanto aos direitos de transmissão) renderão assunto…

Recurso da Globo é registrado, e decisão pode vetar transmissão na ...

 

– Futebol Feminino Proibido no Brasil

Calma, não é nenhuma lei atual. Foi no tempo do presidente Getúlio Vargas, onde o governante decretou que o futebol “não era condizente para senhoras que seriam futuras mães”. As que insistiam, eram rotuladas de “grosseiras e mal-cheirosas”. E como o futebol feminino está em alta nos últimos dias com a Copa do Mundo da modalidade, vale relembrar o fato!

Abaixo, material da Folha de São Paulo (25/05/2003 – 12h06)

FUTEBOL FEMININO PROBIDO NO BRASIL NA ÉPOCA VARGAS

por João Carlos Assunção

Futebol no Brasil não é como nos Estados Unidos, na China ou na Noruega. No país pentacampeão do mundo, o espaço reservado à mulher tem sido a beira do gramado, onde pode trabalhar como animadora de espetáculo.

No campo, com a bola nos pés, é difícil cavar um lugar. A modalidade, afinal, não pegou como em outros países. Os obstáculos para a prática do futebol feminino no Brasil continuam muito grandes.

Foi para detectar essas barreiras que o pesquisador Eriberto Lessa Moura, 37, mestrando em estudos do lazer pela Faculdade de Educação Física da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), resolveu debruçar-se sobre as origens do esporte no país.

“Desde o início, as dificuldades para a mulher [jogar futebol] foram grandes, mas elas se tornaram ainda maiores durante o Estado Novo [período do governo Vargas entre 1937 e 1945]“, disse Moura à Folha, por telefone.

Em 1937, Getúlio Vargas se antecipou à eleição que aconteceria no ano seguinte e desencadeou um golpe de Estado, implantando uma nova Constituição e uma ditadura, que duraria até 1945.

No período, aprofundou o vetor centralizador do Estado, criando o Departamento de Administração do Serviço Público, o Dops, espécie de polícia política, e o Departamento de Imprensa e Propaganda, dedicado à censura e à exaltação dos feitos do governo.

Na área esportiva, a história não foi diferente. Criou leis para o setor e passou a controlá-lo com mão-de-ferro. “Foi aí que a pressão para as mulheres se afastarem do futebol aumentou muito. Elas deveriam se limitar a praticar esportes que o governo considerasse condizentes com suas funções de mães ou futuras mães.”

Leonardo Pereira, autor de “Footballmania”, livro sobre as origens do futebol no Rio, concorda com o colega. “A visão que temos, que faz do futebol um jogo essencialmente masculino, foi construída historicamente, fruto de um amplo movimento que, desde o final dos anos 30, tratou de atacar a participação feminina e construiu a idéia de que o jogo não seria adequado às mulheres.”

O Estado Novo criou o decreto 3.199, que proibia às mulheres a prática de esportes considerados incompatíveis com as condições femininas. Segundo Moura, o futebol estava incluso entre eles, ao lado de halterofilismo, beisebol e de lutas de qualquer natureza.

Quando o decreto foi regulamentado pelo regime militar (1964-1985), em 1965, o futebol feminino foi proibido no Brasil. Só 16 anos depois foi revogado pelo Conselho Nacional do Desporto.

Mas, muito antes disso, o futebol no Brasil já era um esporte eminentemente masculino. A mulher que o praticasse era vista com preconceito, já que a trajetória da modalidade no país foi diferente da vivida pelos homens.

De acordo com a pesquisadora Heloísa Bruhns, autora de “Futebol, Carnaval e Capoeira – Entre as gingas do corpo brasileiro”, enquanto os homens da elite começaram a praticá-lo no final do século 19 em São Paulo e no Rio, o grupo feminino que aderiu à prática do futebol era pertencente às classes menos favorecidas.

Do preconceito social ao esportivo teria sido um passo. Segundo Bruhns, mulheres que jogavam eram consideradas “grosseiras, sem classe e malcheirosas”.

Às mulheres da elite cabia o papel de torcedoras. “As partidas de futebol [masculino] eram um evento da alta sociedade e as mulheres se arrumavam para ir assistir aos jogos”, afirmou Moura.

Mas, com o passar dos anos, o preconceito chegou às arquibancadas -e a violência também- e até lá a mulher perdeu espaço.

Como disse a professora Heloísa Reis, estudiosa do comportamento das torcidas em estádios de futebol, “quando as mulheres participam das organizadas, elas tendem a adotar o comportamento agressivo masculino, o que talvez seja uma tática para ser aceita mais facilmente pelo grupo”. E, no final, só serve para aumentar o estereótipo e o preconceito contra a mulher no futebol.

imgres.jpg

– Por quê os árbitros escolheram José Aparecido de Oliveira para o TJD-SP?

Leio no site do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP) que o ex-árbitro José Aparecido de Oliveira foi escolhido como representante da entidade no Tribunal de Justiça Desportiva do Estado de São Paulo (TJD-SP) pelo presidente do Sindicato, Aurélio Santanna Martins, para o período de Julho/2020 até Julho/2024.

Na briga eleitoral para a presidência do SAFESP, a indicação do membro do TJD-SP sempre foi muito discutida. Por exemplo: por quê Arthur Alves Júnior, o antigo presidente, indicou o deputado Olim (PP-SP) para o cargo sem uma justificativa plausível (já que ele não era do meio da arbitragem)? Qual o critério ou mérito para tal? Isso foi inclusive discutido em: https://is.gd/meD03y.

A questão se repete agora: sumido do mundo do futebol, sem grandes trabalhos realizados no esporte ou na mídia esportiva desde o polêmico jogo entre Palmeiras x Corinthians do Campeonato Estadual de 1993 (que ficou ironizado por muitos como “Esquema Parmalat”, já que nunca se provou nada contra José Aparecido), por quê tal nome?

A justificativa, extraída do próprio site da entidade, é de que:

“Oliveira foi um dos grandes nomes da arbitragem no cenário paulista e nacional, e também foi árbitro FIFA por 2 temporadas (1992/93). Apitou 3 finais paulistas (1990, 1992 e 1993), a primeira final do Brasileiro de 1990 e a final da Copa do Brasil de 1992. ‘Estamos certos de que o Dr. José Aparecido terá no TJD o mesmo sucesso e alto nível que teve em campo como árbitro. Confiamos em sua história, em seu nome e seu trabalho.’ – comentou o presidente do SAFESP”.

Não sei se José Aparecido de Oliveira é uma boa escolha para a função, pois não conheço a fundo suas qualidades para esse cargo indicado. Quem teve a ideia do seu nome, possivelmente, deve depositar esperança de um bom trabalho. Mas a curiosidade continua a ser: tão afastado que estava, de onde surgiu o “start” para convidá-lo?

Não é, de fato, intrigante?

A última vez que eu tinha ouvido falar do José Aparecido foi quando ele venceu o câncer de estômago que sofreu, nesta entrevista (link abaixo) em que ele relembra a citada partida (na época, o atual presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, era membro da Comissão de Arbitragem que o escalou para a decisão).

Em: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2016/06/08/apos-23-anos-juiz-de-palmeiras-x-corinthians-conta-segredo-e-erro-na-final.htm

622_819593ca-7f1c-3b76-8620-85eb454665a0

(foto: ESPN Brasil, extraída de: http://www.espn.com.br/noticia/689467_godoi-detalha-arbitragem-polemica-que-tirou-palmeiras-da-fila-e-diz-que-juiz-do-jogo-depois-foi-vendido-para-ajudar-argentina)

– A infelicidade de Renê Simões sobre a volta do futebol e violência doméstica

Puxa, sempre admirei Renê Simões no mundo do futebol, mas confesso que me decepcionei.

Disse o treinador sobre a pandemia e o futebol, a favor da volta dos jogos:

“Vamos discutir o futebol como fator social para ajudar as pessoas que estão em casa enlouquecendo. Eu tenho amigos aqui que já se separaram, outros já bateram na mulher, outros batem nos filhos, estão enlouquecendo. Então se colocar futebol, pode ser que ajude em alguma coisa (…). Nós já tivemos mais de 100 jogadores brasileiros com Covid. Nenhum deles foi internado, nenhum deles foi entubado. No mundo todo, só conheço um caso que fugiu da regra, que foi o Dybala da Juventus que foi testado positivo, 14 dias depois positivo de novo, mais 14 dias positivo de novo, mas resolveu tudo. Eu não tenho um caso de jogador que tenha sido internado, entubado, e porque, porque são pessoas extremamente saudáveis, e esse vírus não é para as pessoas saudáveis, esse vírus quer as pessoas que tenham alguma deficiência, que os jogadores não tem”. (extraído de Globoesporte.com)

Não entendi tal justificativa, especialmente em relação à violência doméstica estar atrelado a isso. O cara assistir ao seu time na Televisão não o torna menos agressivo contra a sua companheira, pois é questão de caráter!

O curioso é: o próprio Renê Simões foi contaminado pela Covid-19. Por quê desdenhar deste perigo?

Renê Simões vê a volta dos campeonatos como fator social e auxílio psicológico às famílias — Foto: Reprodução

 

– A volta do futebol, mesmo sem público, causa aglomerações indiretas

Eu me impressiono quando vejo pessoas falando da volta do futebol com torcida (como absurdamente acontece no Rio de Janeiro, sendo que na Europa, que recomeçou antes, não existe essa bobagem).

Porém, apesar dos protocolos de segurança aos envolvidos nos jogos, existe um outro problema: os torcedores aglomerados!

Como não imaginar aglomerações de amigos em frente à TV? Ou em bares irregularmente abertos? Ou ainda: torcidas organizadas reunidas em seus barracões? Ou, por fim, na porta do estádio, esperando a saída ou a chegada das delegações?

Imagine que nos próximos dias o Flamengo vai levar o caneco do Campeonato Carioca. Quer me fazer crer que não existirá festejos com muita gente toda junta e misturada?

A aglomeração, mesmo que indireta, é um fato! Liberando torcida, nem precisa se comentar…

Coronavírus: veja como a pandemia já afeta o futebol mundial ...

– Os 10 incríveis erros de arbitragem

Este vídeo mostra dez absurdas decisões dos árbitros em lances teoricamente fáceis. Fica a inevitável pergunta: como se erra de tal forma?

A tecnologia, sem dúvida, ajudaria a resolver tais equívocos…

Em: https://www.youtube.com/watch?v=S21CvY6jJyQ&feature=youtu.be

– Pra quê da insistência em elogiar Klopp fazendo contraponto a Guardiola?

Por quê para elogiar Jürgen Klopp deve-se, por parte de alguns, ironizar Pep Guardiola?

Parece existir uma torcida contra e/ou uma tentativa de marginalizar o trabalho do treinador do Manchester City. É verdade que no embate entre eles na Premier League neste ano, o técnico do Liverpool levou a melhor. Mas debochar como alguns fazem de Pep é incompreensível! Só pode ser gente que não gosta de futebol bem jogado…

É evidente que o mundo do futebol é de ciclos, e que o alemão está a frente do espanhol agora. Mas e daí?

São gênios, competentes e altamente remunerados. O sucesso deles é merecido (e vejam o que Guardiola já ganhou)…

Eu não posso ler essa p****”, brinca Guardiola sobre noticias de ...

– A arrogância de BAP falando sobre Abel no Flamengo.

O Vice-Presidente de Relações Externas do Flamengo, Luis Eduardo Baptista (conhecido como BAP), deu uma entrevista ao Blog “Ser Flamengo” dizendo sobre Abel Braga:

“Ele não conseguiu dar um padrão tático, técnico ao Flamengo, à altura do que a gente esperava. (…) Aí ele foi se desgastando, foi se desgastando. A gente entendia que o ciclo do Abel iria acabar, e iria acabar rápido. Mas era 70% por causa dele. Houve um momento que a gente (diretoria) achava, e discutia internamente, que ele devia estar de sacanagem. A gente (diretoria) olhava ele dando entrevista e falava ‘cara, tem alguma coisa que a gente não está entendendo’. Ou ele bebeu ou está drogado. (…) Falar que o Beira-Rio é lindo, muito mais bonito que o Maracanã. Falar que perder é normal. Perder é normal para o Inter. Perder é normal para o Atlético Mineiro. (…).

Que desagradável! Nos clubes onde passou, Abel Braga sempre se mostrou correto e sincero. Inclusive, é sabido que quando recebeu uma proposta do Fluminense (no período em que o time carioca estava muito bem), recusou-a pois tinha dado a palavra para a Ponte Preta, onde lutava contra o rebaixamento e tinha salários atrasados.

Luis Eduardo Baptista foi infeliz usando tais palavras. Criticar o desempenho tático, ok. Mas a índole da pessoa com expressões como ele fez, mostra-se de uma arrogância  ímpar (especialmente quando fala sobre os times que “podem perder”).

Bap interfere no futebol, compra barulho de Abel e gera ...

– Público no Campeonato Carioca?

Quer dizer que as autoridades do RJ permitirão a partir do dia 10 de Julho a quantidade máxima de ⅓ dos estádios de futebol para os torcedores?

Na Europa, onde a curva descendente de Covid-19 começou bem antes, nem se cogita tal coisa. 

Pra quê tal risco? Não dá para entender tal caminho contraditório à lucidez.

Maracanã vazio para Bangu e Flamengo. A partir do dia 10 de julho, 1/3 do estádio poderá ser ocupado — Foto: André Durão / GloboEsporte.com

– O mural do Zenit contra o Novo Coronavírus

O que todo mundo gostaria de fazer: dar um “basta” na Covid-19!

Veja só esse mosaico do Zenit, na Rússia: muito criativo.

Imagem

– Paulo Autuori e a Punição da FERJ

Quer dizer que a FERJ (ou melhor: o “seu TJD”) puniu com 15 dias o treinador Paulo Autuori por críticas ao Cariocão?

Quem vê, pensa que a Federação Carioca está promovendo um excepcional torneio. Me lembrei de Eurico Miranda, que dizia à Globo: “vocês não podem criticar o campeonato que vocês compram, pois desvaloriza o produto”.

Por essa lógica, só se pode falar bem do Cariocão 2020. E as críticas negativas devem ser proibidas, pois é permitido elogiar!

Lamentável…

Autuori chegou a pedir demissão do Botafogo por não compactuar com ...