– Dia Mundial de Erradicação à Poliomielite.

Uma causa que ninguém discute: a necessidade de erradicar a poliomielite, vacinando nossas crianças. E neste dia 24, uma data para conscientizar sobre essa causa. 

Extraído de: https://bvsms.saude.gov.br/um-dia-um-foco-erradicar-a-poliomielite-24-10-dia-mundial-de-combate-a-poliomielite/

UM FOCO: ERRADICAR A POLIOMIELITE

O Dia Mundial de Combate à Poliomielite foi estabelecido pelo Rotary Internacional para celebrar o nascimento de Jonas Salk, líder da primeira equipe que desenvolveu uma vacina contra a poliomielite. Existem duas vacinas contra a poliomielite: a VPO (vacina pólio oral) ou Sabin, também conhecida por ser a vacina da gotinha; e a VIP (vacina inativada pólio) ou Salk, administrada por via intramuscular. As vacinas são conhecidas pelos nomes dos cientistas Jonas Salk e Albert Sabin, que desenvolveram as duas modalidades de imunizantes para a doença.

A poliomielite é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus (inicialmente dos sorotipos 1, 2, 3, dos quais apenas o de tipo 1 continua circulando), podendo infectar crianças e adultos por via fecal-oral (através do contato direto com as fezes ou com secreções expelidas pela boca das pessoas infectadas).

Acomete principalmente crianças até os 5 anos de idade, mas também pode infectar adultos que não foram imunizados.

Os casos de poliovírus selvagem diminuíram em mais de 99% desde 1988, quando foram estimados 350 mil casos em mais de 125 países endêmicos. Em 2018, foram notificados 29 casos. Em 2017, foram 22. Das três cepas de poliovírus selvagem (tipos 1, 2 e 3), o poliovírus selvagem tipo 2 foi erradicado em 1999 e o de tipo 3 foi declarado erradicado em 2019.

Toda esta conquista se deve ao uso das vacinas e a realização de campanhas de imunização. Em 1994, a região das Américas foi a primeira no mundo a ser certificada como livre da pólio.

A doença ainda ocorre de forma endêmica em pelo menos dois países (Paquistão e Afeganistão), fato que a torna uma causa internacional, já que existe o risco de algum continente ter um caso importado e o vírus voltar a circular em regiões em que ele já foi eliminado.

O Brasil recebeu o certificado de eliminação da pólio em 1994. A estratégia adotada para a eliminação do vírus no país foi centrada na realização de campanhas de vacinação em massa com a vacina oral contra a pólio (VOP).

Até que a poliomielite seja erradicada no mundo (como ocorreu com a varíola), existe o risco de um país ou continente ter casos importados e o vírus voltar a circular em seu território. Para evitar isso, é importante manter as taxas de cobertura vacinal altas e fazer vigilância constante, dentre outras medidas.

No Brasil, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos produz e abastece o Programa Nacional de Imunizações (PNI) com as duas modalidades de vacina, tanto a oral quanto a injetável.

Aproveite a Campanha de Multivacinação, que vai até 30 de outubro, e leve seus filhos para se vacinarem contra a pólio e outras doenças!

Imagem extraída de: https://novalima.mg.gov.br/noticias/dia-mundial-da-poliomielite

– E quem não tomou vacina ainda? Pobre coitado…

Fico imaginando: se quem tomou 3 doses de vacina está sofrendo pra caramba com os efeitos da Covid (que ainda bem são minimizados), imagine quem tomou!

Taí a explicação de tantas mortes: a força do Coronavírus e o estrago das sequelas que ele faz. Sem vacina, tudo isso é potencializado (como foi no ano passado e retrasado).

Tomemos a vacina e vamos nos precaver. O danado do vírus ainda anda fazendo estragos…

Coronavírus: covid-19 não pode ser pensada só como doença respiratória, diz  epidemiologista - BBC News Brasil

Getty Images, imagem extraída de: https://www.bbc.com/portuguese/geral-52672009

– Mais de 1000 óbitos diários por Covid. Não vamos bobear com a prevenção!

E o Brasil voltou a ter mais de 1000 mortes de Covid por dia…

O que dizer?

Defender a vacinação, o uso de máscaras e álcool gel, além do necessário distanciamento social. Se as pessoas não tivessem se vacinado, imagine que número absurdo teríamos de óbitos!

Que acabe logo a pandemia, ninguém aguenta mais.

Covid-19: mapa mostra transmissão 'extremamente alta' em todo o Brasil

Imagem: iStock, de Uol.com: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/bbc/2021/06/11/covid-19-mapa-mostra-transmissao-extremamente-alta-em-quase-todo-o-brasil.htm

– O que leva alguém a disseminar discórdia na sociedade?

O que leva uma pessoa a alugar um carro de som e fazer chantagem emocional contra as pessoas, usando a vacina como mote?

Será que, de tanto ouvir bobagens, muitos acreditam e resolvem comprar ideias, tornando-se militantes delas?

Um artigo sobre isso, extraído de Folha de São Paulo, ed 31/01/2022, pg 3

A BANALIZAÇÃO DA MENTIRA

Por Ana Cristina Rosa

Já se perguntou o quanto um ato corriqueiro pode estar impregnado de vilania e perversidade? Em meio ao agravamento da pandemia no Brasil, não bastasse a ausência de uma campanha oficial de esclarecimento, um empresário gaúcho resolveu pagar para prestar um desserviço público. Colocou dois carros de som a fazer propaganda antivacinação infantil contra a Covid em Novo Hamburgo.

Dos alto-falantes, ouvia-se: “Atenção, pais. Nós todos temos o dever de saber que não é obrigatória a vacina experimental em nossos filhos. (…) E os fabricantes não garantem a eficácia (…). A escolha é sua, pai!”. Mentiras deslavadas.

Entidades científicas mundo afora já atestaram que os imunizantes aplicados contra o coronavírus no país são seguros e eficazes. Além disso, o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê a obrigatoriedade da vacinação nos casos recomendados por autoridades sanitárias.

Vacinas são a melhor arma para preservar vidas frente à pandemia. Tanto que a maioria dos casos graves e das mortes pela variante ômicron têm ocorrido entre quem não tomou o imunizante ou não completou o esquema vacinal.

A Covid-19 está entre as dez principais causas de mortalidade infantil segundo o Ministério da Saúde. Matou mais de 1.500 crianças e causou 2.400 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica no Brasil. Há estimativas que apontam números superiores.

Diante dos fatos e na ausência de uma campanha oficial de esclarecimento, é aterrorizante que para algumas figuras públicas o perfil do dito “cidadão do bem” corresponda ao de disseminadores de mentiras com potencial letal. Nas redes sociais, teve deputado federal apoiando e qualificando o empresário como “patriota”.

Num cenário de agravamento da pandemia, quem espalha fake news antivacina ameaça a saúde pública, em tese pode responder por apologia ao crime (infração de medida sanitária preventiva) e jamais deveria ser tomado como modelo de cidadão que ama a pátria.

Terceira dose de outra vacina após CoronaVac oferece reforço maior -  24/01/2022 - UOL VivaBem

Imagem extraída de: https://www.uol.com.br/vivabem/reuters/2022/01/24/terceira-dose-de-outra-vacina-apos-coronavac-oferece-reforco-maior.htm

– Tomei a 3a dose da Vacina. Tome você também!

Hoje tomei a dose de reforço da vacina contra a Covid (3a dose), essa praga que tanto está nos maltratando.

É sabido que as vacinas foram criadas basicamente para o Sars-Cov-2 e para a variante Beta. Conforme surgiram outras, a imunização diminuiu e novas doses foram necessárias. Agora, com a Ômicron, há a maior necessidade de vacinas e/ou uma nova formulação. E será assim se surgir uma nova variante (afinal, como qualquer vírus, até a erradicação, ele vai mudando).

As vacinas não são magia: são medicamentos preventivos, criados com alta tecnologia e muito investimento. Há 50 anos, por exemplo, alguém fazia um teste e viajava para o Exterior para comparar amostras, já que não existia fax, celular ou internet. Um confronto de ideias e pesquisas demorava meses e era presencial; hoje, minutos! Por isso, esqueça a bobagem de que uma vacina segura levaria “anos” (nunca tivemos tanta gente mobilizada e tanto conhecimento dispensado on-line para elas).

Vacine-se! Com maior imunização, tornamo-nos mais resistentes ao Covid e sentiremos poucos efeitos, caso sejamos contaminados. E continuemos com as medidas preventivas (distanciando-nos, usando máscaras e álcool gel), já que embora estejamos protegidos, a carga viral permanece e ainda assim somos vetores de transmissãoalgo que é perigosíssimo para aqueles que insistem em não se vacinarem.

– Como diminuir a fila para diagnóstico de Covid? Um teste novo, revolucionário e barato.

Nesta semana, falamos sobre um bem sucedido novo teste para detecção de Covid que pode revolucionar o combate contra a doença na pandemia. O método, através da espectrometria de massas, custaria aproximadamente US$ 1.00 e permitira a precisão do resultado em até 45 segundos. Tudo produzido por cientistas da USF (Universidade São Francisco, em Bragança Paulista), UPM (Universidade Presbiteriana Mackenzie) e UT (Universidade do Texas, em Austin – EUA).

Caso não tenha lido, compartilho sobre a história e as pesquisas dele no link em: https://professorrafaelporcari.com/2022/01/11/pesquisa-brasileira-ajudando-a-sociedade-um-novo-teste-barato-e-rapido-para-diagnosticar-covid/

Pois bem: a publicação dessa matéria em uma importante revista internacional alavancou a curiosidade sobre ele. No Brasil, a FAPESP (que foi uma das financiadoras desse trabalho) deu enorme destaque à descoberta. Tudo isso levou a importantes órgãos de imprensa a fazerem matérias sobre ele (Veja.com, CNN Brasil, Revista Saúde, G1.com, Portal R7, TV Cultura e TV Alesp, entre outros). A Rede Globo, inclusive, levará aos seus telejornais na próxima 6a feira uma reportagem exclusiva com os envolvidos (e orgulhosamente incluo aqui a Profa Dra Andréia de Melo Porcari, minha esposa, que coordena os trabalhos na USF).

A questão é: algo tão moderno e importante, necessário e urgente, levará quanto tempo para chegar a população?

Eis o problema… faltam testes para Covid no Brasil, devido ao alto contágio da variante Ômicron. Alguns hospitais e pronto-socorros pedem para que o teste seja feito somente em caso de emergência, devido a alta demanda. E tal método ajudaria muito a diminuir as filas e a espera nas instituições de saúde. Porém:

  • Grandes laboratórios e farmacêuticas precisam ter interesse na utilização de tal metodologia, a fim da ANVISA aprová-la o mais breve possível. Claro, cairemos na questão dos interesses: vender testes a R$ 170,00 / cada ou promover uma testagem em massa que custaria R$ 5,60 em média para o indivíduo será interessante para as empresas?
  • Universidades geram conhecimento, elas não colocam produtos para vender. Assim, elas precisam de parceiros para que seu fruto se torne usual. Cientistas não ganham dinheiro com isso, mas sim reconhecimento na comunidade científica. Assim, é necessário que alguém banque a produção.
  • O Governo Federal, através do Ministério da Saúde, poderia comprar os equipamentos e instalar nas instituições de saúde. Aliás com as verbas bilionárias ao Fundão Eleitoral, se remanejadas para a Saúde, seria um dinheiro melhor investido…

Que apareça alguém que possa ajudar a pesquisa brasileira neste momento tão delicado que voltamos a viver na pandemia. Por ora, é necessário que usemos máscaras, álcool gel, mantenhamos distanciamento e nos vacinemos (sempre lembrando: as vacinas não nos tornam “super-homens”, mas aumentam a nossa imunização para que não sintamos os efeitos graves da Covid, dificultando – mas não impedindo – a transmissibilidade.

Baixar Vetor De Desenhos Animados Do Planet Earth Coronavirus

Imagem extraída de: https://br.vexels.com/vetores/previsualizar/192973/desenhos-animados-do-planet-earth-coronavirus

– Pesquisa brasileira ajudando a sociedade: um novo teste (barato e rápido) para diagnosticar Covid.

Já imaginou um teste para detecção de Covid-19 com excelente confiança no diagnóstico, a baixíssimo custo, com apenas 45 segundos para sua realização, desenvolvido por pesquisadores brasileiros?

Pois bem: é isso que a equipe das Professoras Dras Lívia Eberlin (Universidade do Texas, Austin – EUA) e Andréia de Melo Porcari (Universidade São Francisco, Bragança Paulista – Brasil) conseguiram através da técnica de Espectrometria de Massas, adaptando um projeto inovador bem sucedido para diagnosticar câncer com a “Caneta” MasSpec Pen, visando outro mal: o Sars-Cov-2.

A FAPESP reportou essa iniciativa em: https://agencia.fapesp.br/novo-metodo-detecta-sars-cov-2-diretamente-em-cotonetes-nasais/37663/

NOVO MÉTODO DETECTA SARS-COV-2 DIRETAMENTE DE SWABS

Por Elton Alisson | Agência FAPESP

Pesquisadores da Universidade São Francisco (USF), em colaboração com colegas da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, desenvolveram uma tecnologia que permite detectar em menos de um minuto o SARS-CoV-2 diretamente de swabs (cotonetes) nasais, empregados para coletar amostras de secreções nasofaríngeas para a realização de teste para diagnóstico de COVID-19.

O sistema, desenvolvido por meio de projeto apoiado pela FAPESP, foi descrito em um artigo publicado na revista Analytical Chemistry.

“O novo método permite a análise direta de swabs e a obtenção do resultado em 45 segundos. Dessa forma, possibilita a triagem rápida de pacientes com COVID-19”, diz  Andréia de Melo Porcari, professora da USF e uma das coordenadoras do projeto.

Coleta de moléculas biológicas

A tecnologia é derivada de um sistema de detecção e diagnóstico de câncer desenvolvido pela pesquisadora brasileira Lívia Eberlin na Universidade do Texas em Austin, baseado em espectrometria de massa – técnica que permite discriminar substâncias em amostras biológicas de acordo com a massa molecular.

Batizado de MasSpec Pen, o método utiliza um dispositivo feito de plástico, na forma de uma caneta e esterilizável, para coletar moléculas biológicas da superfície de uma amostra de tecido.

A “tinta” da caneta é composta por água, utilizada como solvente para extrair moléculas de uma superfície de amostra de tecido, que são transportadas para um espectrômetro de massa para serem analisadas. Com base em algoritmos de aprendizado de máquina e modelos estatísticos o sistema é capaz de indicar se a amostra de tecido analisada contém células cancerosas.

“Basta a caneta só tocar o tecido para a água contida na ponta do dispositivo extrair as moléculas para análise”, afirma Eberlin.

Resultados de estudos clínicos iniciais indicaram que o sistema foi capaz de distinguir vários tecidos cancerígenos, incluindo tecidos tumorais de tireoide, mama, pulmão e ovário, de seus equivalentes normais com uma precisão geral de 96,3%.

“A ideia é que o sistema ajude os patologistas e cirurgiões a identificar mais rapidamente tecidos cancerígenos e tomar decisões mais precisas de tratamento”, diz Eberlin.

Detecção do SARS-CoV-2

Com o surgimento da pandemia de COVID-19, os pesquisadores tiveram a ideia de adaptar a tecnologia para detectar o SARS-CoV-2 diretamente nos esfregaços nasofaríngeos coletados por meio de swabs. Para isso, foram necessárias adaptações no design e nos solventes da caneta.

Como o dispositivo só toca uma superfície pequena de uma amostra de  tecido e o material coletado por meio de swabs fica disperso, os pesquisadores decidiram inverter a caneta para que o cotonete nasal pudesse ser introduzido inteiramente em uma câmara – como o invólucro de uma caneta.

No interior da câmara, o swab entra em contato com uma pequena concentração de clorofórmio-metanol, usado como solvente para extrair as moléculas das secreções nasofaríngeas. As moléculas são sugadas por um orifício na câmara para um espectrômetro de massas para análise e identificação da presença de lipídeos que servem como marcadores para indicar se há ou não o vírus na amostra.

“Todo esse processo dura menos de um minuto, incluindo a análise. É um ciclo muito rápido, com etapas operacionais mínimas e sem a necessidade de uso de nenhum reagente especializado”, avalia Porcari.

Validação da tecnologia

Para validar o método, foram analisados inicialmente swabs nasofaríngeos de 244 pacientes atendidos no Hospital Bragantino e no Complexo Hospitalar Santa Casa Bragança Paulista, no interior paulista, no início da pandemia de COVID-19.

Com base nas análises, foi possível identificar os perfis lipídicos desses pacientes e gerar classificadores estatísticos para distinguir indivíduos sintomáticos positivos, sintomáticos negativos e assintomáticos negativos.

Os resultados do estudo indicaram que os perfis lipídicos detectados diretamente de esfregaços nasofaríngeos usando o novo método permitem a triagem rápida de pacientes com COVID-19.

“Esse novo método de análise de swabs pode ser adaptado para detecção de muitas outras infecções virais e bacterianas e para realização de exames como o papanicolau [para prevenção de câncer de colo de útero]”, afirma Eberlin.

Os pesquisadores pretendem realizar agora uma validação interlaboratorial em parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie.

A ideia é demonstrar com amostras independentes que esse novo método de análise é válido, independentemente dos laboratórios, equipamentos e dos analistas que realizam o teste”, explica Porcari.

O artigo “Rapid screening of COVID-19 directly from clinical nasopharyngeal swabs using the MasSpec Pen” (DOI: 10.1021/acs.analchem.1c01937), de Kyana Y. Garza, Alex Ap. Rosini Silva, Jonas R. Rosa, Michael F. Keating, Sydney C. Povilaitis, Meredith Spradlin, Pedro H. Godoy Sanches, Alexandre Varão Moura, Junier Marrero Gutierrez, John Q. Lin, Jialing Zhang, Rachel J. DeHoog, Alena Bensussan, Sunil Badal, Danilo Cardoso de Oliveira, Pedro Henrique Dias Garcia, Lisamara Dias de Oliveira Negrini, Marcia Ap. Antonio, Thiago C. Canevari, Marcos N. Eberlin, Robert Tibshirani, Livia S. Eberlin e Andreia M. Porcari, pode ser lido na revista Analytical Chemistry em https://pubs.acs.org/doi/10.1021/acs.analchem.1c01937?ref=pdf&

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

– E as faltas ao trabalho por conta de Covid e Gripe Influenza? Fique atento aos sintomas:

Leio que a Latam cancelou quase 50 voos por falta de pilotos e tripulação (afastados por Covid ou Influenza).

Fui trocar o óleo do meu carro e tive que esperar muito tempo por falta de funcionários: 2 com Covid e 2 com Gripe, no estabelecimento que fui.

No Posto de Gasolina que abasteço, um frentista que fiz amizade está afastado por Gripe. No Mercadinho, a moça do caixa pegou Covid. E por aí vai…

Indubitavelmente, são dias de alerta…

Telessaúde São Paulo - Unifesp - Covid-19, gripe e o resfriado.

Imagem extraída de: Unifesp

– Novo método de Diagnóstico Rápido para Covid-19 em 45 segundos – com precisão e através de técnica brasileira.

Já imaginou um teste para detecção de Covid-19 com excelente confiança no diagnóstico, a baixíssimo custo, com apenas 45 segundos para sua realização, desenvolvido por pesquisadores brasileiros?

Pois bem: é isso que a equipe das Professoras Dras Lívia Eberlin (Universidade do Texas, Austin – EUA) e Andréia de Melo Porcari (Universidade São Francisco, Bragança Paulista – Brasil) conseguiram através da técnica de Espectrometria de Massas, adaptando um projeto inovador bem sucedido para diagnosticar câncer com a “Caneta” MasSpec Pen, visando outro mal: o Sars-Cov-2.

A FAPESP reportou essa iniciativa em: https://agencia.fapesp.br/novo-metodo-detecta-sars-cov-2-diretamente-em-cotonetes-nasais/37663/

NOVO MÉTODO DETECTA SARS-COV-2 DIRETAMENTE DE SWABS

Por Elton Alisson | Agência FAPESP

Pesquisadores da Universidade São Francisco (USF), em colaboração com colegas da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, desenvolveram uma tecnologia que permite detectar em menos de um minuto o SARS-CoV-2 diretamente de swabs (cotonetes) nasais, empregados para coletar amostras de secreções nasofaríngeas para a realização de teste para diagnóstico de COVID-19.

O sistema, desenvolvido por meio de projeto apoiado pela FAPESP, foi descrito em um artigo publicado na revista Analytical Chemistry.

“O novo método permite a análise direta de swabs e a obtenção do resultado em 45 segundos. Dessa forma, possibilita a triagem rápida de pacientes com COVID-19”, diz  Andréia de Melo Porcari, professora da USF e uma das coordenadoras do projeto.

Coleta de moléculas biológicas

A tecnologia é derivada de um sistema de detecção e diagnóstico de câncer desenvolvido pela pesquisadora brasileira Lívia Eberlin na Universidade do Texas em Austin, baseado em espectrometria de massa – técnica que permite discriminar substâncias em amostras biológicas de acordo com a massa molecular.

Batizado de MasSpec Pen, o método utiliza um dispositivo feito de plástico, na forma de uma caneta e esterilizável, para coletar moléculas biológicas da superfície de uma amostra de tecido.

A “tinta” da caneta é composta por água, utilizada como solvente para extrair moléculas de uma superfície de amostra de tecido, que são transportadas para um espectrômetro de massa para serem analisadas. Com base em algoritmos de aprendizado de máquina e modelos estatísticos o sistema é capaz de indicar se a amostra de tecido analisada contém células cancerosas.

“Basta a caneta só tocar o tecido para a água contida na ponta do dispositivo extrair as moléculas para análise”, afirma Eberlin.

Resultados de estudos clínicos iniciais indicaram que o sistema foi capaz de distinguir vários tecidos cancerígenos, incluindo tecidos tumorais de tireoide, mama, pulmão e ovário, de seus equivalentes normais com uma precisão geral de 96,3%.

“A ideia é que o sistema ajude os patologistas e cirurgiões a identificar mais rapidamente tecidos cancerígenos e tomar decisões mais precisas de tratamento”, diz Eberlin.

Detecção do SARS-CoV-2

Com o surgimento da pandemia de COVID-19, os pesquisadores tiveram a ideia de adaptar a tecnologia para detectar o SARS-CoV-2 diretamente nos esfregaços nasofaríngeos coletados por meio de swabs. Para isso, foram necessárias adaptações no design e nos solventes da caneta.

Como o dispositivo só toca uma superfície pequena de uma amostra de  tecido e o material coletado por meio de swabs fica disperso, os pesquisadores decidiram inverter a caneta para que o cotonete nasal pudesse ser introduzido inteiramente em uma câmara – como o invólucro de uma caneta.

No interior da câmara, o swab entra em contato com uma pequena concentração de clorofórmio-metanol, usado como solvente para extrair as moléculas das secreções nasofaríngeas. As moléculas são sugadas por um orifício na câmara para um espectrômetro de massas para análise e identificação da presença de lipídeos que servem como marcadores para indicar se há ou não o vírus na amostra.

“Todo esse processo dura menos de um minuto, incluindo a análise. É um ciclo muito rápido, com etapas operacionais mínimas e sem a necessidade de uso de nenhum reagente especializado”, avalia Porcari.

Validação da tecnologia

Para validar o método, foram analisados inicialmente swabs nasofaríngeos de 244 pacientes atendidos no Hospital Bragantino e no Complexo Hospitalar Santa Casa Bragança Paulista, no interior paulista, no início da pandemia de COVID-19.

Com base nas análises, foi possível identificar os perfis lipídicos desses pacientes e gerar classificadores estatísticos para distinguir indivíduos sintomáticos positivos, sintomáticos negativos e assintomáticos negativos.

Os resultados do estudo indicaram que os perfis lipídicos detectados diretamente de esfregaços nasofaríngeos usando o novo método permitem a triagem rápida de pacientes com COVID-19.

“Esse novo método de análise de swabs pode ser adaptado para detecção de muitas outras infecções virais e bacterianas e para realização de exames como o papanicolau [para prevenção de câncer de colo de útero]”, afirma Eberlin.

Os pesquisadores pretendem realizar agora uma validação interlaboratorial em parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie.

A ideia é demonstrar com amostras independentes que esse novo método de análise é válido, independentemente dos laboratórios, equipamentos e dos analistas que realizam o teste”, explica Porcari.

O artigo “Rapid screening of COVID-19 directly from clinical nasopharyngeal swabs using the MasSpec Pen” (DOI: 10.1021/acs.analchem.1c01937), de Kyana Y. Garza, Alex Ap. Rosini Silva, Jonas R. Rosa, Michael F. Keating, Sydney C. Povilaitis, Meredith Spradlin, Pedro H. Godoy Sanches, Alexandre Varão Moura, Junier Marrero Gutierrez, John Q. Lin, Jialing Zhang, Rachel J. DeHoog, Alena Bensussan, Sunil Badal, Danilo Cardoso de Oliveira, Pedro Henrique Dias Garcia, Lisamara Dias de Oliveira Negrini, Marcia Ap. Antonio, Thiago C. Canevari, Marcos N. Eberlin, Robert Tibshirani, Livia S. Eberlin e Andreia M. Porcari, pode ser lido na revista Analytical Chemistry em https://pubs.acs.org/doi/10.1021/acs.analchem.1c01937?ref=pdf&

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

– Que vergonha, Djokovic.

Independente do desfecho da história, para mim, o tenista Djokovic (que eu tinha como um grande desportista) tornou-se sinônimo de vergonha mundial. Um antivax assumido num momento que isso não é cabível.

Triste. Sobre isso, entenda o caso em: https://esporte.ig.com.br/maisesportes/2022-01-05/primeiro-ministro-garante-que-djokovic-sera-expulso-da-australia.html?Foto1

Djokovic ganha isenção médica e disputa o Australian Open

Imagem extraída de IG (citação acima), reproduzida por Tênis News.

– Cruzeiros suspensos no Brasil devido a Covid-19.

E os cruzeiros marítimos estão suspensos em nosso país, devido ao surto de Covid em alguns deles (e no mundo em geral).

Tô achando que muita coisa vai fechar nos próximos dias… E nesse ritmo (de agravamento de contágios), há de se repensar o Carnaval…

Quando essa pandemia vai acabar, meu Deus?

MSC Splendida (Divulgação).

– A COVID está voltando com força… nos cuidemos!

E infelizmente os casos de Covid estão voltando com força total neste final de ano. Um maior número de contágio por conta do relaxamento dos cuidados preventivos, além do cansaço natural pelo longo tempo da pandemia.

Ao menos, os casos letais não estão sendo elevados (embora toda morte é algo lamentável) graças à imunização das vacinas – é sabido que elas tornam as pessoas infectadas mais protegidas, transformando os casos que seriam graves em leves.

A Europa está assustada. O Brasil também! Há de sermos cuidadosos nesse final de ano, insistindo em não aglomerar, usar máscara e álcool gel, além de tomar vacina.

Lembremo-nos: quem for visitar a família, o faça de maneira responsável.

Distanciamento de 2 metros por covid-19 é ultrapassado, dizem Oxford e MIT  | Exame

Crédito da Foto: spawns/Getty Images, extraída de: https://exame.com/ciencia/distanciamento-de-2-metros-por-covid-19-e-ultrapassado-diz-oxford-e-mit/

– E quando minha faixa de idade receberá a 3a dose?

Para se proteger melhor da variante ômicron da Covid, a 3a dose da vacina é importante.

Por que as pessoas relaxam e não vão atrás dela? Eu quero receber meu “booster” logo.

Essa charge, do Diário do Nordeste de hoje, é perfeita:

– Como explicar a resistência do Ministro da Saúde e do Presidente da República contra as vacinas?

O órgão formado por médicos, técnicos e especialistas em geral no Brasil é a ANVISA. É essa agência que pode dizer quais remédios devemos tomar ou não, e que entende do assunto.

Por que, raios, o cara que é internauta e pega o discurso de um ou outro médico isolado, se acha o “bem-bam-bam” no assunto e começa a criticar as vacinas na Web?

É ignorância, é birra, ou é fanatismo político? Ou somente quer “causar” nas Redes Sociais?

O MUNDO está começando a vacinação de crianças. O MUNDO vacina contra a Covid. O MUNDO está sofrendo por conta dos antivax. Como é que o Presidente da República resolver dar chilique? Ele é o único certo e o mundo, além dos médicos da ANVISA, estão errados?

Vide o número de mortos pós e antes vacina em nosso país. Simples.

NOTA TÉCNICA Nº 69/2020/SEI/GQMED/GGMED/DIRE2/ANVISA | CRF-PB Conselho Regional de Farmácia da Paraíba

Foto extraída de: https://www.infomoney.com.br/economia/anvisa-e-avessa-a-pressoes-externas-diz-agencia-apos-fala-de-bolsonaro/

– Belonofobia do Presidente ou Birra?

Li o texto abaixo sobre “Medo de Agulhas”. E o autor faz uma inteligente questão brincando com o “pavor de vacinas” que o presidente Bolsonaro tem. Na verdade, parece ser birra.

Me pesa ver mortes que poderiam ser evitadas ou sofrimentos que seriam minimizados, caso as pessoas tomassem as vacinas. Na era da tecnologia de ponta em que vivemos, com tamanho investimento em pesquisa científica que foi dispensado, custa crer que estamos ainda discutindo “se deve ou não tomar as vacinas” – fora as desculpas esfarrapadas dos antivax. Neste contexto, infelizmente o chefe da nação também é culpado (afinal, tem desdenhado das vacinas e publicado vídeos contestadores sobre elas).

Abaixo, extraído de: https://brasildelonge.com/2021/12/16/belonofobia/

BELONOFOBIA

por José Horta Manzano

Depois que a covid, firme e vigorosa, se agarrou ao mundo e não soltou mais, vêm sendo ressuscitadas palavras e expressões que cochilavam no fundo do armário junto aos saquinhos de naftalina.

Epidemia e pandemia, por exemplo, só saíam do armário pra lembrar surtos de tifo, varíola ou peste bubônica, coisa dos séculos de antigamente.

Ouvi ontem – pela primeira vez, que eu me lembre – a misteriosa palavra belonofobia. É composição erudita formada pelos elementos gregos βελόνα (belóna = agulha) + φοβία (fobia = pavor). Portanto, belonofobia (ou belenofobia) é pavor de agulha.

O único dicionário de língua portuguesa em que encontrei a palavra foi o Estraviz, dicionário benfeito mas pouco conhecido, que congrega o léxico português, o galego e o brasileiro. Ensina que belonofobia é o “receio mórbido em tocar agulhas, alfinetes e objetos que podem picar”.

Atrás dessa palavra, talvez se esconda o verdadeiro motivo de tanta gente rejeitar a vacina, a começar pelo capitão: pavor de agulha. No mundo, muitos entram nessa categoria.

Por alguma razão que desconheço, o povo brasileiro, com raras exceções, foge a essa recusa irracional. Estatísticas informam que apenas 2% de nossos conterrâneos entram na categoria dos antivax. Note-se que, em certos países da Europa, mais de 30% dos habitantes rejeitam a picada.

Eu desconfio que a imensa maioria dos ‘vacino-hesitantes’, embora não ousem confessar, têm mesmo é medo da agulha. À vista de uma seringa, já sentem as pernas bambeando.

Pra tentar convencer os hesitantes, a Suíça abriu um estágio de sensibilização. Gratuito e com duração de duas horas, o cursinho conta com a participação de enfermeiras e psicólogos que ‘apresentam’ seringas e agulhas aos participantes, suavemente, como quem leva as crianças ao serpentário pra mostrar cobra. O objetivo é esconjurar o medo irracional.

Se a técnica vai diminuir a quantidade de ‘vacino-hesitantes’, só o tempo dirá. Se funcionar, seria interessante pagar uma passagem para nosso capitão, pra permitir que ele participe também. Proponho fazer uma vaquinha pra comprar esse bilhete. De ida simples, de preferência, sem volta possível. Contribuo com gosto.

Imagem extraída de: https://brasildelonge.com/2021/12/16/belonofobia/

– Ingleses contratarão apenas atletas vacinados?

A Covid está assustando novamente a Europa. A variante Ômicron do Novo Coronavírus está fazendo com que Inglaterra e Alemanha tomem medidas restritivas mais rígidas. E, um dos motivos para esse aumento do contágio, é o alto índice de “antivax” (como são chamadas as pessoas declaradamente anti-vacinas).

Por sorte, pessoas mais responsáveis e que estão vacinadas não sentem os efeitos severos da doença, ao contrário dos não-vacinados, que precisam usar o sistema de saúde.

O Bayern Munich cortou os salários de atletas que foram afastados por estarem contaminados e que se recusaram a tomar a vacina. Na Premier League, os clubes estudam a exigência de “passaporte de vacina” para a contratação de novos atletas, além da obrigação de que os clubes orientem seus jogadores a se imunizarem.

A questão é: a tendência é de que voltemos a ver estádios sem público nesses próximos dias. E a pergunta é inevitável: passaremos por tal situação em nosso país também?

Por sorte, os antivax brasileiros são, em percentual, menores do que os do hemisfério norte. Mas são barulhentos… especialmente quem divulga fake news de mentirosos resultados da vacina e as crítica irresponsavelmente.

Bola de futebol ao lado de seringa e ampola em alusão à vacina para Covid-19

Foto: Fernando Moreno/AGIF/Estadão Conteúdo, extraída de: https://www.cnnbrasil.com.br/esporte/conmebol-anuncia-chegada-de-vacinas-para-o-futebol-na-proxima-quarta-feira/

– “Melhor perder a vida do que a liberdade” ou “perder a dignidade humana do que o cargo de ministro”?

Que pisada na bola do Ministro Queiroga com sua frase infeliz. Se você não sabe o que aconteceu, um link interessante em: https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/12/07/melhor-perder-a-vida-do-que-a-liberdade-diz-queiroga-veja-analise-de-frases-e-medidas-sobre-viajantes.ghtml

Lamento ler que ele disse: “Melhor perder a vida do que a liberdade”, num contexto inapropriado sobre o passaporte das vacinas.

Será que é melhor perder a dignidade humana do que o cargo de ministro?

E eu que pensei que ele era um cara sensato quando assumiu o cargo… a primeira impressão foi ótima, até havia escrito sobre isso aqui: https://professorrafaelporcari.com/2021/03/28/parabens-ministro-da-saude-dr-marcelo-queiroga-mas-o-presidente-aprovou-o-discurso/

Decepção. É o estupra mas não mata” do Maluf, versão “Saúde”?

Comissão de Assuntos Sociais (CAS) realiza audiência pública interativa para tratar sobre o PLS 264/2017.

Foto: Geraldo Magela / Agência Senado, extraída de: https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2021-03/bolsonaro-anuncia-marcelo-queiroga-como-novo-ministro-da-saude

– População africana e as vacinas contra a Covid.

Há alguns fatores que podem explicar o surgimento da variante Ômicron na África, e a principal explicação é: o paupérrimo continente vacinou apenas 6,6% da sua população!

É ou não é assustador? 

Aqui no Brasil, as diversas vacinas possibilitaram que algumas cidades tenham vacinado quase que a totalidade dos munícipes habilitados a recebê-las. Nas nações ricas, somente os anti-vacinas não quiseram receber as doses necessárias e agora estão pagando o preço por isso (especialmente na Alemanha). Mas e nos países pobres? 

Não há como bancar os custos por parte de muitas nações, e muitos coitados sofrem à espera de alguma chance de tomar vacina…

Que mundo triste!

Imagem ilustrativa

Imagem extraída de: https://www.dw.com/pt-002/covid-19-aliança-global-quer-garantir-que-áfrica-não-fica-de-fora-da-corrida-às-vacinas/a-55130363

– E a variante ômicron está chegando…

Quando tudo parece que está melhorando, que deixaríamos as máscaras de verdade… eis que uma nova variante da Covid surge!

Com pesar, acho que só teremos paz quando esse novo Coronavírus for totalmente erradicado.

Mais informações em: https://g1.globo.com/saude/coronavirus/noticia/2021/11/28/medica-que-fez-primeiro-alerta-sobre-omicron-cita-sintomas-leves-ainda-ha-pouca-informacao-sobre-variante.ghtml

Imagens de microscópio mostram partículas do coronavírus que causam a Covid-19 retiradas de um paciente nos EUA — Foto: NIAID-RML via AP

Imagens de microscópio mostram partículas do coronavírus que causam a Covid-19 retiradas de um paciente nos EUA — Foto: NIAID-RML via AP

– Missão vencida: a filha adolescente vacinada.

E confesso: ufa! Parece que iria demorar muito tempo até o dia da 2a dose da vacina da minha filha mais velha.

Dá um alívio saber que ela está imunizada, não? Agora, é manter os cuidados básicos para não ser pego de surpresa (aglomeração, lugares indevidos ou outros riscos).

Vacine-se! As vacinas salvam vidas.

Imagem extraída de: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2021/11/4965563-anvisa-altera-bula-da-vacina-da-pfizer-e-inclui-dose-de-reforco-para-adultos.html (crédito: Martin Bureau/AFP).

– Constrangimento que não acaba…

certos discursos que, ao ouvi-los, você fica constrangido de tão vergonhosos que são. 

Exemplos?

Na semana passada, durante o Jornal da Manhã da Rádio Jovem Pan, a comentarista Cristina Graeml veio com uma narrativa anti-vacina assustadora! Os jornalistas Amanda Klein e Thiago Uberreich, que ali formavam a bancada, se seguravam para não perderem a compostura (aliás, deveriam ganhar adicional de periculosidade por ouvirem opiniões tão controversas…).

Na última sexta-feira, foi a vez de Alexandre Garcia, em sua estreia na JP News. Novamente questionando vacinas e dando uma “aula de incredulidade” na Ciência. 

Ainda bem que vemos alguns contrapontos na emissora (mas não são na mesma quantidade de radicais): Fábio Piperno, Paulo Mathias, Joel Pinheiro e os já citados Uberreich e Amanda, que ajudam na existência de pontos de equilíbrio na programação.

Vacinas contra a covid-19: quais são, eficácia, efeitos e calendário | Exame

(Foto: SeongJoon Cho/Bloomberg). Extraído de: https://exame.com/brasil/vacina-contra-covid-19-tudo-sobre/

– Passaporte Sanitário para estrangeiros no Carnaval brasileiro. Que tal?

A Covid volta a assustar a Europa, mas agora, atingindo os que se recusaram a tomar a vacina.

A Áustria promove lockdown com os não-imunizados. A Alemanha está assustada pela baixa adesão à vacina e com os altos índices de contaminados. Aí vem a pergunta:

– No Carnaval brasileiro, existirá a exigência (entendo ser necessária) de passaporte sanitário para os turistas estrangeiros?

Se não acontecer isso, reclamar será fruto de burrice…

Foto extraída de: https://amp.acidadeon.com/saocarlos/cotidiano/vacinas/NOT,0,0,1691394,brasil-recebe-mais-1-5-milhao-de-doses-de-vacina-da-pfizer.aspx

– E se fosse no Brasil?

Em Singapura, o Governo anunciou que cobrará as despesas médicas de cidadãos que contraíram COVID e se negaram a tomar vacinas, já que sem elas, os sintomas são mais fortes e em muitos casos há de se passar um bom tempo internado.

Já pensaram se fosse aqui em nosso país? Se cada negacionista ou “anti-vacina”, se contraísse o Novo Coronavírus tendo se recusado a vacinar, pensasse na chance de arcar com os custos, a situação seria diferente? Ou seja: tomaria vacina para não correr o risco de gastar com médico?

Puro achismo… mas é curioso.

Matéria e citação com crédito da imagem no link em: https://www.correiobraziliense.com.br/mundo/2021/11/amp/4961851-em-singapura-nao-vacinados-arcarao-com-gastos-de-saude.html