– É hora de Greve? Mas promovida por quem e para o interesse de quem?

Greve geral? Ou Greve de grupos políticos?

Tenho muito cuidado quando o assunto é Greve. Ela deve partir sempre de quem se acha prejudicado, mas não deve prejudicar os outros que não tem nada relacionado com ela.

Digo isso pois surgiu a história de entidades sindicais quererem fazer uma Greve Geral amanhã, sexta-feira. Os motivos? Causas que os motivadores criticam, mas que nada fizeram enquanto foram poder.

Aqui, não é discurso de Esquerda e Direita, mas de pessoas sedentas ao poder. Ninguém está pensando na população, apenas na ânsia de conquistar votos futuros, lamentavelmente.

E quem quer trabalhar? Será obrigado a parar amanhã? Isso é democracia?

A Política do Brasil entristece o cidadão, que é obrigado a aguentar os raivosos que gritam em nome das radicais turmas de lulistas e bolosnaristas.

Sem fanatismo, mais sensatez. A sobriedade cidadã é necessária!

Resultado de imagem para Direito a greve

Anúncios

– Cegos do Petismo e Malucos do Bolsonarismo: o cerne da discussão sobre a Honestidade Intelectual. Sobre o artigo de Padilha.

José Padilha é um diretor de cinema competente e polêmico, sem papas na língua. Ele se tornou amado e odiado por esquerdistas e direitistas radicais, por conta de filmes como “Tropa de Elite” e a série “O Mecanismo”, além de suas opiniões fortes e firmes. 

Mas o que ele escreveu em uma coluna da Folha de São Paulo hoje, é lúcido e pertinente aos dias atuais.

Não sou assinante do jornal, mas até onde o UOL me permite ler gratuitamente, antes de obrigar o acesso virtual da assinatura paga, destaco o seguinte trecho sobre a sociedade:

“Uma parte se recusa a admitir que caiu no conto do vigário de Lula, se recusa a aceitar que ele capitaneou a associação PT-PMDB com um cartel de empreiteiros que desviou bilhões de dólares dos cofres públicos. A outra finge não ver que Jair Bolsonaro, além de desqualificado, tem conexões com a esgotosfera da polícia do Rio de Janeiro. No que tange à honestidade intelectual, a direita pró-Bolsonaro e a esquerda pró-Lula se tornaram irmãs siamesas: nunca mudam de opinião.

Não dá para corrigir nada (ao menos, insisto, no trecho que pude ler). Especialmente quando ele usa o termo honestidade intelectual!

Confesso: estou indo à banca somente para comprar a Folha por curiosidade de ler a íntegra!

Resultado de imagem para direita x esquerda

– Refletindo a #VazaJato: que não se confunda alhos com bugalhos, já que o erro de Moro é claro mas não transforma Lula em cidadão honesto.

Uma pequena introdução para dissertar sobre o vazamento das conversas da Operação Lava Jato:

  • Plantaram-se provas incriminando o decente Lula, e por isso ele está preso injustamente?

Nada disso. A Lava Jato erra em outros meios (revelados nesse escândalo do “The Intercept”), mas ainda assim (por vias tortas que não deveriam ser), corretamente um corrupto está no xilindró (de luxo, se observe).

Dito isso, vamos dissertar ampliando mais a reflexão (que não pode ser simplória, carece de razão e há de ser apartidária):

Sobre a “pisada na bola” das conversas do então juiz Sérgio Moro com os Procuradores da Lava Jato, divulgadas na noite de domingo: é indiscutível que um magistrado não deve dar consultoria para dizer onde pode ou não existir arestas num processo. Mas essas revelações fazem Lula se transformar de bandido a santo? Não. Mas podem transformar o julgamento questionável sim. 

A preocupação, para muitos, não está sendo a discussão ético-jurídica, mas político-partidária, que é um erro absurdo!

Mensalão e Petrolão foram os maiores crimes de corrupção do Brasil desde 1500, não há o que se discutir, mas a prisão pelo Triplex do Guarujá e pelo Sítio de Atibaia (coisas menores do que “o todo” que se sabe) fazem com que se debata incessantemente, sem levar em conta os demais bandidos que fizeram as delações e mostraram a cumplicidade total e deliberada de Luís Inácio.

Que separemos as coisas: se lê nas conversas vazadas que Sérgio Moro e a força-tarefa da Lava Jato queriam prender logo o petista quando conversavam sobre a fundamentação de tudo (aqui fica outro ponto pecaminoso de uma relação que deveria fazer o mesmo com Aécio e seus pares, por equidade). Entretanto, há acerto em não permitir que cela de cadeia vire palanque, quando questionado sobre Lula falar durante as Eleições de dentro da prisão.

Dessa forma, que o fanatismo não cegue nem a Direita e nem a Esquerda: Moro deveria ter se restringido às suas funções quando se relacionava com Dallagnol e a Lava Jato, assim como Lula deveria ser honesto e não ter praticado o maior esquema de corrupção, talvez, do mundo!

O triste é que ficaremos no seguinte debate nos próximos meses (ou anos): quem tem razão, o Justiceiro de Toga ou o Antonio Conselheiro dos dias atuais?

Pobre Brasil… cheio de paixões e precisando de sensatez.

(Para que nenhum fanático deturpe o entendimento: estou criticando Moro e o procedimento da Lava Jato, assim como a festa criada por radicais tentando vender a ideia de que Lula seja honesto).

Em tempo: fui recordado de outro grampo ilegal: o da ex-presidente Dilma Rousseff falando ao Lula sobre assinar o documento que o tornaria Ministro, evitando sua prisão e criando uma burla na Justiça. Sendo assim, todos os lados usam do maldito expediente de “passar por cima das leis”?

Resultado de imagem para moro lula

 

– Neymar e a Moça do Suposto Estupro: quanto mais mexe, mais fede!

Caracoles, que novela virou a história do Neymar, não?

O que parecia um caso de irresponsabilidade de um jovem que bancou uma moça para transar em Paris, e supostamente ela aproveitou da fama do rapaz e/ou foi agredida e estuprada, tornou-se algo incontrolável na questão ENTENDIMENTO!

Quer saber por quê?

Porque agora surge a história de que o primeiro advogado da moça foi sócio do Neymar; que havia parceria em rede de restaurantes que seria do Andrés Sanches, presidente do Corinthians; que a moça mudou a versão que deu ao Cabrini no SBT e a história de “brigar por camisinha” não existe mais; que o vídeo comprometedor foi roubado na noite anterior do depoimento da acusada… Que “samba do crioulo doido”, como diria a poética lembra do enredo campeão da Sapucaí de décadas atrás.

Enfim: para tentar entender o que não está sendo entendido, duas publicações bem explicadas e bem informadas na sugestão:

1- Blog do Ricardo Perrone, na Folha de São Paulo, onde o jornalista mostra como até um juiz de direito entrou na “dança”.

Está em: https://blogdoperrone.blogosfera.uol.com.br/2019/06/acusacao-contra-neymar-vira-furacao-que-atinge-de-reporter-a-juiz/

2- Blog do Paulinho, onde se vê relações complicadas dos envolvidos.

Está em: https://blogdopaulinho.com.br/2019/06/07/advogado-que-traiu-najila-trindade-e-socio-de-neymar-e-tambem-de-andres-sanches/

A grosso modo, parece que TODOS são culpados… lamentável!

Resultado de imagem para neymar najila trindade

– Peso Real? Seria Peso Morto…

Juro que pensei que era fake news, mas não era. Quer dizer que o presidente Jair Bolsonaro sugeriu uma moeda única na América do Sul?

Como?

Me recordo que quando a União Europeia lançou o Euro, o então presidente Fernando Henrique Cardoso sugeriu uma moeda nos mesmos moldes para o Mercosul. Depois Lula discutiu novamente essa bobagem. Agora é a vez de Bolsonaro retomar o assunto.

Pra quê? Para desestabilizar a economia dos países vizinhos e sentirmos o impacto?

Abaixo, compartilho o editorial do Estadão que brinca com a ideia do verdadeiro “peso real” que deve ter a atenção do Governo: a das atitudes na economia do país e a necessidade de reforma do quadro político!

Extraído de: https://opiniao.estadao.com.br/noticias/notas-e-informacoes,o-peso-real-de-um-delirio,70002861522

O PESO REAL DE UM DELÍRIO

Bolsonaro parece encantado com a ideia. De volta ao Brasil, afirmou que a criação de uma moeda única poderia se estender para toda a América do Sul

Se o governo parece, finalmente, dar sinais de ter alguma disposição para o diálogo político, tendo negociado a aprovação da Medida Provisória 871, que manda auditar os benefícios pagos pelo INSS, também é digna de nota a abertura da oposição para aceitar um acordo com os governistas. Em se tratando de um governo errático e muitas vezes hostil aos políticos, e de um Congresso repleto de neófitos despreparados para o duro trabalho parlamentar, não se deve comemorar antes da hora; no entanto, sobretudo diante do histórico de trombadas entre o Executivo e o Legislativo, é essencial registrar que houve, nos últimos dias, um inegável avanço.

A oposição deu inestimável colaboração para a melhora do quadro político ao apoiar a medida governista em troca da inclusão de uma mudança no projeto de reforma da Previdência com vista a dar maior prazo para que os trabalhadores rurais se adaptem às novas regras. Ambas as partes consideraram os respectivos pleitos aceitáveis e estabeleceu-se ali um consenso mínimo – sem o toma lá da cá e sem a truculência que tanto marcaram a história recente das relações entre o governo e o Congresso.

O acordo, feito no Senado, foi articulado pelo líder da Minoria, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), com o líder do governo, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Não se pode atribuir ao senador Randolfe nenhum pendor governista – ao contrário, é ferrenho crítico do atual governo. Mas ele e o bloco que lidera parecem ter percebido que o caminho do diálogo pode dar melhores frutos que o confronto puro e simples.

Há outros parlamentares da oposição igualmente dispostos a negociar com o governo. É o caso dos deputados que subscreveram emenda para destinar à primeira infância parte da economia que resultar da reforma da Previdência. Entre os autores destacam-se os jovens deputados Felipe Rigoni (PSB-ES) e Tabata Amaral (PDT-SP). Mesmo sendo da oposição, ambos dizem reconhecer como necessária a reforma da Previdência e, malgrado serem parlamentares de primeira viagem, mostram maturidade para reconhecer que o caminho da negociação tende a ser o mais produtivo para seus projetos políticos.

Tudo isso contrasta, e muito, com o comportamento do PT e de seus satélites. Fiel à sua natureza autoritária, o partido do presidiário Lula da Silva desconsidera a legitimidade de qualquer governo que não seja o seu. Nem se dá ao trabalho de formular propostas alternativas às encaminhadas pelo presidente Jair Bolsonaro, já que não pretende, a sério, negociar nada com o governo. Sua única intenção é prejudicar a tramitação de tudo o que emanar do Palácio do Planalto. E seu único projeto para o País se resume ao slogan “Lula livre”, com o qual inclusive tentou capturar as manifestações estudantis contra os cortes orçamentários nas universidades federais. Assim, segue sendo o velho PT de sempre, que não apoiou o Plano Real, que pediu o impeachment de todos os presidentes sempre que esteve na oposição e que jamais se dispôs a negociar senão na base do grito ou do talão de cheques.

Felizmente, parece que os partidos que se dedicarem a esse tipo de oposição destrutiva tendem ao isolamento, pois várias lideranças oposicionistas se recusam a aderir ao método petista de sabotar governos e demonstram genuína disposição para conversar.

É fato que o governo, nas suas relações com o Congresso, demonstra frequentemente a tendência de considerar que a vontade do presidente Bolsonaro deve ser automaticamente convertida em lei, e isso cria ruídos mesmo com os parlamentares de inclinação governista. Por outro lado, há também uma tendência de parte da oposição de considerar necessariamente ruim tudo o que é encaminhado pelo Palácio do Planalto, sem nem ao menos conhecer os projetos. Um clima desses não é propício para o diálogo. Por isso, mesmo que tenha sido apenas um lampejo, a recente negociação entre governo e oposição é alvissareira, pois mostrou qual é o único caminho viável para o País. Espera-se que as lideranças políticas responsáveis tenham entendido que não há outra maneira de alcançar o entendimento necessário para começar a tirar o Brasil de sua profunda crise, com a qual só os delinquentes morais lucram.

Resultado de imagem para peso real

– Turismo decepcionante no Brasil

Um relatório assustador: o World Travel & Tourism Conceil (WWTC) trouxe alguns números sobre o turismo mundo afora.

O Brasil possui quase 6 milhões de turistas internacionais / ano. Só a cidade de Miami recebe 7 milhões de pessoas no mesmo período! O Coliseu romano, 4 milhões.

Entre os países, a França continua sendo o primeiro destino (83,7 milhões de visitantes), seguida pelos EUA (74,8 mi) e Espanha (65 mi). Nós estamos na 46a posição, com  5,8 mi.

Há algo errado, não?

bomba.jpg

– De novo temos suspeita de manipulação de resultados no futebol brasileiro?

Olha… de tanto se falar, tô achando que é verdade mesmo.

Começo esse texto com ironia para novamente publicar: DE NOVO, uma suspeita de que apostadores compraram resultados em jogos “escondidos” do futebol profissional no Brasil.

E, pra variar, novamente uma acusação que vem de time da Paraíba!

Extraído de: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2019/06/08/mp-vai-apurar-suspeita-de-manipulacao-de-resultado-em-goleada-na-serie-d.htm

MINISTÉRIO PÚBLICO APURA MANIPULAÇÃO DE RESULTADOS

A goleada do Campinense na noite da última quinta-feira (6) foi colocada em xeque por torcedores e apostadores. A Federação Paraibana de Futebol classificou como “grave” as suspeitas. O caso irá ao Ministério Público. Dentro de campo, o rubro-negro da Paraíba goleou o Vitória-PE, por 4 a 0, em Campina Grande.

Nos aplicativos de mensagens, torcedores relatam que integrantes de uma rede de manipulação de resultados “compraram o jogo do Campinense” (sic). Na conversa de áudio, um torcedor diz que a partida seria 4 a 0 e citou Pezão como um dos responsáveis pelo esquema.

José Pereira, o Pezão, assumirá na próxima semana o cargo de diretor de futebol do clube de Campina Grande. Em nota enviada pelo seu advogado, o dirigente disse desconhecer “as pessoas dos áudios divulgados e que é falsa qualquer informação que coloque seu nome nas acusações”.

Na nota, reproduzida no fim do texto, ele informa que “espera que tamanha desonra divulgada, de forma inconsequente, não comprometa sua contribuição ao Campinense Clube. Por fim, coloca-se à disposição para eventuais esclarecimentos”.

Em um dos áudios obtidos pelo UOL Esporte (escute ao longo da reportagem), uma outra pessoa informa que a partida estava bloqueada para apostas nos sites baseados em Campina Grande e comentava que um amigo jogou em uma casa de apostas no Pará e ganhou “dinheiro com força”.

Em um comunicado emitido na noite de quinta, a casa de apostas “Bets Esportes” informou que o resultado do jogo foi manipulado e informava aos seus clientes que devolveria o valor das apostas.

O “Bets Esportes” é mais uma das dezenas de bancas de apostas que operam ilegalmente no país. O domínio da empresa está registrado no Maranhão. A reportagem tentou obter contato com a empresa, mas não teve sucesso.

O Campinense é patrocinado por um site de apostas. O principal parceiro do clube é a “MixBet”, empresa hospedada no Arizona, nos EUA.

A suspeita deve ser investigada pelas autoridades locais. “Se trata de denúncias graves e devem ser investigadas e apuradas pelos órgãos competentes”, disse Michele Ramalho, presidente da Federação Paraibana de Futebol, eleita após o primeiro escândalo. Ela é a chefe da delegação brasileira na Copa do Mundo da França, que começou nesta sexta.

O caso será enviado ao Ministério Público.

Outro lado

Organizadora da competição, a CBF informou que apura informações antes de se manifestar. O Campinense não se pronunciou. Os dirigentes do Vitória foram procurados, mas não responderam aos contatos da reportagem.

Credibilidade em xeque na Paraíba

A suspeita de manipulação de resultados em Campina Grande agrava a credibilidade do futebol da Paraíba, que atravessa a maior crise da sua história.

No ano passado, dirigentes da federação e de clubes locais foram banidos do futebol acusados de integrarem um esquema de manipulação de resultados.

Gravações revelaram dirigentes negociando pagamentos para árbitros e adversários. Willian Simões, então presidente do Campinense, foi um dos banidos do futebol no ano passado pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Jogos vazios são alvos preferidos

Jogos sem apelo de público e com pouca importância na tabela da competição são os preferidos das máfias de manipulação de resultados. Com o estádio praticamente vazio, a partida de quinta-feira em Campina Grande teve apenas 305 pagantes e não mexeu na tabela da competição. Os dois times já estavam eliminados da Série D.

A equipe pernambucana terminou a competição sem nenhum ponto. Já o Campinense deixou a Série D com sete pontos.

A goleada foi a única do time paraibano no torneio. Em seis partidas, a equipe venceu somente duas e ainda teve um empate e três derrotas.

O mercado de apostas esportivas online foi liberado em dezembro do ano passado e aguarda a regulamentação no Congresso Nacional. Apesar de ser proibido no país, cerca de 500 sites baseados no exterior recebem apostas de brasileiros. Estima-se que as apostas feitas no Brasil movimentaram cerca de R$ 4 bilhões neste ano.

A nota oficial de Pezão

“José Pereira dos Santos vem, através desta nota, comunicar que desconhece as pessoas dos áudios divulgados e que é falsa qualquer informação que coloque seu nome nas acusações. A imprensa não foi cautelosa ao divulgar acusações graves com base em áudios aleatórios de pessoas (não identificadas) que, na verdade, se questionam pelos frustrados resultados de seus times, acusando-o sem qualquer tipo de fundamento. “Pezão”, como é de amplo conhecimento, ama futebol e, como qualquer torcedor, quer contribuir para ascensão do clube nos campeonatos e está compromissado com isso; sempre com ética e honradez! Por esse motivo, espera que tamanha desonra divulgada, de forma inconsequente, não comprometa sua contribuição ao Campinense Clube. Por fim, coloca-se à disposição para eventuais esclarecimentos.

João Luis Fernandes
Advogado”

Resultado de imagem para mafia futebol, paraiba

– O crime contra o pobre Rhuan Maycon já está esquecido?

Suzane von Richthoffen matou os pais e o Brasil parou para discutir o crime da moça e do seu namorado.

A família Nardoni arremessou cruelmente uma criança do apartamento. Idem ao clima de tristeza e consternação do país.

Porém, o menino Rhuan de 9 anos teve o pênis cortado pelo desejo das mães (uma biológica, a outra sua cônjuge) de que ele virasse menina! Depois, o casal de mulheres assassinas esquartejou o pobre garoto.

– Repercutiu da mesma forma?

Por quê alguns crimes bárbaros tem mais destaque do que outros?

Li no site da Folha de Londrina o artigo de Paulo Briguet (não o conheço, mas o respeito) que teve a mesma dúvida do que eu: se o ocorrido fosse cometido por um pai e uma mãe no Centro de São Paulo, e não por um casal de lésbicas no DF, a “importância da notícia seria outra”?

Insisto: aqui não se fala sobre a questão da homofobia (deve-se respeitar os homossexuais), mas faço uma explícita crítica à Ideologia de Gênero, que tanto força a ideia de sexualização e erotização precoce.

Criança deve ser criança, menino e menina. Se vai gostar de homem ou de mulher, já é outra história – e para adultos!

Extraído de: https://www.folhadelondrina.com.br/colunistas/paulo-briguet/o-martirio-do-menino-rhuan-2942399e.html

O MARTÍRIO DO MENINO RUAN

Em breve, relembrar a morte de Rhuan será considerado um crime contra a ideologia de gênero

Há vários dias não consigo parar de pensar no menino Rhuan. Qualquer outro assunto se torna menor e irrelevante diante do martírio dessa criança. Os detalhes do caso pareceriam inverossímeis mesmo em um filme de terror: o desaparecimento do menino; a decisão de transformá-lo em menina; o pênis da criança cortado pelas mulheres (uma delas, a própria mãe do menino!); o ano inteiro em que ele viveu com a ferida; a morte e o esquartejamento; a imagem do casal assassino; a dor do avô.

Rhuan tinha 9 anos, a idade do meu filho. Nos últimos dias, olho para o Pedro e vejo ao seu lado a imagem do menino sofredor. Penso em todos os bons momentos que vivi com meu filho ao longo do último ano, e sei que ao mesmo tempo, em algum lugar, Rhuan sofria em silêncio. Quantos Rhuans estarão sofrendo agora?

Muito se falou no casal Nardoni, muito se falou em Suzane von Richthoffen, mas estranhamente pouco se fala em Rosana e Kacyla, as assassinas de Rhuan. Uma das poucas pessoas públicas que demonstraram preocupação com o caso foi a ministra Damares Alves. Mas onde está a revolta dos formadores de opinião? Onde estão as entidades em defesa dos direitos humanos? Onde estão os nossos ativistas judiciais? Onde estão as análises de especialistas, os discursos indignados, as camisetas com o slogan RHUAN VIVE? Até o caso de Neymar merece mais atenção das nossas classes falantes. Que vergonha!

Nos últimos dias, terminei de ler o romance “Silêncio”, do escritor japonês Shusaku Endo. O livro fala sobre as torturas impingidas aos católicos japoneses pelos xóguns (senhores feudais), no século XVII. Em certa passagem, que muito me marcou, um padre está preso na masmorra e escuta o que parece ser o ronco de um carcereiro. Na verdade, não era um ronco: eram os gemidos dos cristãos supliciados.

Você consegue ouvir este som em meio à balbúrdia de nosso país? É a voz do menino Rhuan, que clama por nossa compaixão. Uma voz que os porta-vozes da ideologia de gênero não querem deixar ninguém ouvir. Rhuan atrapalha os planos dos ideólogos militantes, assim como “atrapalhava o relacionamento” de Rosana e Kacyla.

Agora, no STF, está sendo votada a criminalização das críticas à ideologia de gênero. Para os totalitários — sejam eles globalistas ou socialistas — é sempre assim: denunciar o crime torna-se crime. Prepare-se, portanto, para o dia em que relembrar o martírio de Rhuan será um crime contra a “igualdade de gênero”. Estaremos condenados ao silêncio.

Senhor, tende piedade de nós.

Imagem relacionada

– A Globo acerta ou erra em afastar Mauro Naves?

Mauro Naves foi afastado da Globo por envolvimento no caso Neymar. A emissora não gostou. Mas teria razão?

Entendendo: o então advogado do caso “Neymar e o suposto estupro”, Dr José Edgar Cunha Bueno, relatou que conseguiu entrar em contato com o pai do atleta graças ao telefone fornecido pelo jornalista Mauro Naves, da TV Globo. Neymar “Pai” disse que o próprio Mauro perguntou se poderia fornecer o número, e após autorização, o fez.

O advogado solicitar ao repórter, ele fornecer após pedir autorização ao pai; e tudo sem nenhum desvio: qual o pecado de Mauro Naves?

É lógico que provavelmente, por esse favor, conseguiria mais entrevistas exclusivas, por exemplo. Mas ainda assim: cadê o erro? Isso tira a isenção do jornalista?

Troca de contatos são comuns em todo o meio. Entendo que a Globo, que é “espancada diariamente” no cenário político e nas redes sociais (às vezes com e às vezes sem razão) toma seus cuidados éticos. Mas aqui não há excesso de zelo?

Resultado de imagem para Mauro Naves

– Como identificar notas falsas?

Na região de Jundiaí, constantes golpes com notas falsas têm sido tentados; alguns frustrados, outros com sucesso.

É difícil identificar uma boa falsificação. Vez ou outra ouvimos notícias de que até mesmo em caixas eletrônicos pessoas recebem notas falsas. Mas vão algumas dicas:

(Extraído de http://www.acescp.com.br/ace2012/index.php/scpc/2012-03-21-22-23-24/76-dicas-sobre-como-reconhecer-notas-falsas.html)

DICAS PARA EVITAR NOTAS FALSAS

Quando você receber uma cédula veja sempre os principais elementos de segurança: a marca d’água, a imagem latente e o registro coincidente.
Cerca de 60% das cédulas falsas não possuem marca d’água. O fato do papel ser aparentemente verdadeiro, porém, não garante que a cédula seja autêntica. 15% das falsificações do Real são obtidas a partir da lavagem de cédulas de menor valor. As demais cédulas falsificadas (aproximadamente 25% do total) utilizam papel parecido, mas não autêntico, com marcas de água diferentes e vários outros detalhes alterados em relação as cédulas verdadeiras.

1. Observe a marca d’água. Cerca de 60% das cédulas falsas retidas pelo Banco Central não apresentam marca d’água.

Segure a cédula contra a luz, olhando para o lado que contém a numeração. Observe na área clara à esquerda, as figuras que representam a República ou a Bandeira Nacional, em tons que variam do claro ao escuro.

As cédulas de R$50,00 e R$100,00 apresentam como marca d’água apenas a figura da República.

As cédulas de R$1,00, R$5,00 e R$10,00 podem apresentar como marca d’água a figura da República ou a Bandeira Nacional.

A cédula de R$2,00 apresenta como marca d’água apenas a figura da tartaruga marinha com o número 2.

A cédula de R$20,00 apresenta como marca d’água apenas a figura do mico-leão-dourado com o número 20.

2. Sinta com os dedos o papel e a impressão.

O papel legítimo é menos liso que o papel comum.
A impressão apresenta relevo na figura da República (efígie), onde está escrito “BANCO CENTRAL DO BRASIL” e nos números do valor da cédula.

3. Observe a estrela do símbolo das Armas Nacionais nos dois lados da cédula.

Olhando a nota contra a luz, o desenho das Armas Nacionais impresso em um lado deve se ajustar exatamente ao mesmo desenho do outro lado.

4. Observe as micro impressões.

Com o auxílio de uma lente, pequenas letras “B” e “C” poderão ser lidas na faixa clara entre a figura da República (efígie) e o registro coincidente (Armas Nacionais) e no interior dos números que representam o valor.

5. Observe a imagem latente.

Observando o lado da cédula que contém a numeração, olhe a partir do canto inferior esquerdo, colocando-a na altura dos olhos, sob luz natural abundante: ficarão visíveis as letras “B” e “C”.

6 . Linhas multidirecionais.

As notas de real também contam com linhas retas, paralelas, extremamente finas e bastante próximas entre si, dando a idéia de que houve uma impressão contínua no local. Apesar de estarem em toda a extensão da cédula, as linhas podem ser vistas mais facilmente na área da marca d’água.

7 . Fibras coloridas.

Ao longo de toda a cédula, podem ser vistos pequenos fios espalhados no papel, nas cores vermelha, azul e verde, em ambos os lados.

8 . Fio de segurança.

Um fio vertical, de cor escura, está embutido no papel da cédula. Ele pode ser facilmente visto contra a luz. Está presente em todas as cédulas, menos nas de R$ 1 e R$ 5, que apresentam, como marca d’água, a figura da Bandeira Nacional.

9 . Fibras sensíveis à luz ultravioleta.

São pequenos fios espalhados no papel, que se tornam visíveis, na cor lilás, quando expostos à luz ultravioleta. São encontrados nos dois lados da cédula.

10 . Microchancelas.

São as duas assinaturas – uma do Ministro da Fazenda, outra do Presidente do Banco Central do Brasil. Sem as assinaturas as cédulas não têm valor legal.

11. Sempre que possível, compare a cédula suspeita com outra que se tenha certeza ser verdadeira.

Resultado de imagem para nota de 3,00

 

– Millôr sobre as diferenças de lado!

Millôr Fernandes, em 04 de Agosto de 2018, à Pedro Bial em seu programa na Rede Globo:

A diferença fundamental entre Direita e Esquerda é que a Direita acredita cegamente em tudo que lhe ensinaram, e a Esquerda acredita cegamente em tudo que ensina

Não discuto. Concordo plenamente, com o acréscimo / correção como “Extrema Direita e Extrema Esquerda”.

Resultado de imagem para direita ou esquerda

– Os Melhores Países para se… Nascer!

A “The Economist”, através de diversos critérios, listou as melhores nações para alguém nascer e viver. Os dados foram tabulados por Economia, IDH, Segurança, Educação, Perspectivas Variadas, entre outros.

Pois bem: podemos dizer que serão sortudos os bebês que nascerem na Suíça! E os brasileirinhos se contentarão com o 37o lugar do ranking.

Curiosidade: a renda per capita da Suíça é de 83.383 dólares anuais, contra 12.594 do Brasil.

A lista dos 10 mais é: Suíça, Austrália, Noriega, Suécia, Dinamarca, Singapura, Nova Zelândia, Holanda, Canadá e Hong Kong (Brasil 37%, Síria 73%, Nigéria 80%).

imgres.jpg

– A “Adoção na Passarela” repercute demais! Um ato com bom mote, mas de maneira infeliz?

Aqui, um assunto delicadíssimo para se discutir: houve em Cuiabá um evento chamado “Adoção na Passarela”, dentro do Shopping Pantanal, onde crianças à espera de adoção desfilavam para as pessoas.

Se por um lado você pode louvar o fato de iniciativas para que os menores abandonados / retirados da guarda tenham uma família que os ame, por outro você tem uma avalanche de críticas: a exposição dos vulneráveis, a frustração de quem não é “escolhido” e, talvez, a comparação de que são mercadorias humanas mostradas para clientes.

A coisa é complicada… compartilho abaixo e penso: o evento já era uma 2a edição! Como houve outra anterior e não se repercutiu?

Extraído de: https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Seguranca/noticia/2019/05/adocao-na-passarela-sociedade-brasileira-de-pediatria-pede-que-estimulo-adocao-respeite-leis-e-preserve-integridade-de-criancas-e-adolescentes.html

ADOÇÃO NA PASSARELA GERA REPERCUSSÃO

Após repercussão negativa do desfile que aconteceu na última terça-feira (21) no Pantanal Shopping, em Cuiabá (MT), a SBP se posicionou com alertas e orientações aos órgãos de apoio à adoção e instituições responsáveis por crianças e adolescentes nessa situação

O evento “Adoção na Passarela”, que aconteceu na última terça-feira (21) no Pantanal Shopping, em Cuiabá (MT), foi amplamente divulgado em veículos de comunicação na última quarta-feira (22) e recebeu diversas críticas nas redes sociais. Isso porque, a Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara), em parceria com a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da Ordem dos Advogados do Brasil (Seccional Mato Grosso (OAB-MT)) decidiu realizar um desfile com crianças e adolescentes de 4 a 17 para dar visibilidade que elas estão adptas para adoção.

Nessa quinta-feira (23) a Sociedade Brasileira de Pediatra (SBP) divulgou uma nota de alerta à população sobre a necessidade de cautela no momento de se promoverem ações de estímulo à prática da adoção no País. Para a SBP, todas essas iniciativas devem respeitar a legislação vigente, em especial o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), e o respeito à integridade física e emocional dos jovens. Em nota, a SBP fala sobre as críticas que a ação gerou ao “expor crianças e jovens a uma situação de vulnerabilidade social e suscetíveis ao sentimento de frustração e à perda da autoestima.” A presidente da SBP, Dra. Luciana Rodrigues Silva, disse que trata-se de uma situação delicada. “Não duvidamos da boa intenção dos promotores, mas essas iniciativas devem ser pautadas por uma série de cuidados para que crianças e adolescentes não sejam prejudicadas.”

Na nota, a SBP pede ainda que iniciativas do tipo não se repitam e solicita a todos os comprometidos com o objetivo nobre de estimular a adoção que tenham o cuidado de proteger a integridade psíquica e moral desses jovens, conforme determina o artigo 17 do ECA, ao desenvolverem ações com essa finalidade.

O cenário da adoção no Brasil

Atualmente, no Brasil, 9540 crianças e adolescentes, com idades de zero a 17 anos, estão aptas para serem acolhidas. O número é pequeno diante das 46.008 pessoas que manifestaram, oficialmente, interesse em adotar. Os dados estão no Cadastro Nacional de Adoção (CNA), coordenado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), uma ferramenta digital, lançada em 2008, que auxilia os juízes das Varas da Infância e da Juventude na condução dos procedimentos dos processos de adoção em todo o país. O quadro aparentemente favorável a desfechos felizes (há mais pessoas querendo adotar do que crianças e adolescentes aguardando adoção), no entanto esbarra na resistência entre os interessados em acolher crianças com mais idade, o que faz com que milhares de meninos e meninas ainda permanecem nas instituições à espera de uma família. “A adoção é responsável por muitas histórias de amor, superação e felicidade. Formar uma nova família exige preparação e disposição, além de seguir as normas legais vigentes”, destaca a Dra. Luciana Rodrigues Silva. Segundo ela, a adoção no Brasil é regida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que foi alterado, dentro do tema, pela Lei nº 13.509/2017, melhorando os prazos de cada etapa.

A Lei também mudou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), equiparando os prazos de licença, estabilidade e descansos especiais de pais biológicos e adotivos. Além disso, a lei reforçou a necessidade do acompanhamento das famílias pretendentes e das crianças disponíveis para adoção, pela Vara de Infância e Juventude (VIJ). “Esperamos que cada vez mais famílias aceitem esse desafio e essa missão”, finalizou a presidente da SBP.

desfile_adocao

– Ao menos um nome já é certo para a corrida presidencial em 2022: João Dória Jr. Vingará na hora do “vamos ver”?

Goste dele ou não, é inegável que o governador João Dória Jr está trabalhando a todo vapor para ter uma vasta lista de realizações no Estado de São Paulo a fim de usá-la na campanha à Presidência na República em 2022. Você duvida que ele estará no páreo?

Quando foi eleito prefeito da capital paulista, pisou na bola ao pregar que não sairia da Prefeitura em hipótese alguma e saiu. Também aproveitou a onda populista de Jair Bolsonaro e criou os colantes de “BolsoDória”. Por fim, rachou seu partido na disputa de liderança interna.

Entretanto, enquanto se fala de contingenciamentos e cortes diversos no Governo Federal, o Governo Estadual tem apresentado um zoneamento de regiões desenvolvimentistas em São Paulo, criou pacotes de benefícios para investidores que gerem emprego e está lutando para que a fábrica da FORD que irá fechar tenha um comprador de fato e os trabalhadores continuem por lá.

É lógico que a política liberal de Dória contrasta com o liberalismo pregado pelo presidente Jair Bolsonaro na prática. Enquanto o primeiro conseguiu focar seu trabalho (tarefa menos árdua do que consertar um país), o segundo ainda se atrapalha com brigas entre os próprios pares com exposição desnecessária.

Tenho muitas dúvidas e ressalvas sobre João Dória Jr, mas, comparando com Bolsonaro, está largando na frente. Mas até 2022 tem tanta coisa ainda… quem serão os outros nomes até lá?

Agora, o “pastel de feira” da foto (abaixo) não combina nada com ele, hein? 

Resultado de imagem para Dória

 

– Os candidatos para a última eleição eram bons?

Você provavelmente já ouviu algum amigo falando mais ou menos o seguinte:

“Eu não tinha quem escolher nas Eleições para presidente. Votar no Haddad era devolver o PT ao poder e voltar a esculhambação, daí votei no Bolsonaro que era o menos pior”.

Pô, fora o Branco e Nulo, existiam como opções:

Ciro Gomes; Geraldo Alckmin; Marina Silva; Henrique Meirelles; João Amoêdo; Eymael; Cabo Daciolo; João Goulart; Vera Lucia; Guilherme Boulos.

Tinha candidato de direita e de esquerda; tinha liberal, conservador e anarquista. Tinha até doido!

Mas algo que agora se percebe, depois de algum tempo: temos “várias Direitas” e “várias Esquerdas” no Brasil – a do Bolsonaro (rachada pelos olavistas, militares e outros parceiros) a do Doria e a do Amoedo; e do outro lado a do Lula, a do Ciro + Marina e a do Boulos.

Aliás, é muito complicada a rotulação de D e E hoje. O certo é que existem “rachas” dentro e fora do Governo, para complicar mais ainda a situação da nação.

Resultado de imagem para Direita ou Esquerda