– O Futuro de uma Criança da Coréia do Sul versus a de uma Criança Brasileira

Uma crônica recente e interessante que li me trouxe a perplexidade sobre como alguns governos conseguem vencer as dificuldades do seu povo e outros têm uma imensa capacidade de não resolvê-los.

O texto é do economista Ricardo Amorim (extraído de: http://is.gd/lQH8Ih) e mostra a desigualdade e nuances diversas de duas crianças crescendo nos anos 70. E o cerne é: a diferença do desenvolvimento sulcoreano em relação ao do Brasil.

Muito bom, abaixo:

JOÃO E KIM

“Em 1960, a renda per capita na Coreia era metade da brasileira. Em 1970, eram parecidas. Hoje, na Coreia, ela é três vezes maior do que a nossa.

João e Kim nasceram em 21 de junho de 1970, dia em que o Brasil ganhou a Copa do México. Os pais de Kim eram professores; os de João também. Kim sempre estudou em escola pública; João também. Kim ama futebol; João adora. Kim é da classe média de seu país; João também. Os pais de Kim já se aposentaram; os de João também. Kim e João trabalham na mesma empresa, uma multinacional líder mundial em tecnologia. Kim é engenheiro e ganha R$ 7.100,00 por mês. João não chegou a terminar o ensino médio, ganha R$ 1.900,00 por mês. Kim trabalha na sede da multinacional e é chefe do chefe de João, que trabalha aqui no Brasil.

Onde os caminhos de Kim e João se separaram? 
A cegonha deixou Kim na Coreia do Sul, João no Brasil. Em 1960, a renda per capita na Coreia era metade da brasileira. Em 1970, eram parecidas. Hoje, na Coreia, ela é três vezes maior do que a nossa.

Como as vidas de centenas de milhões de Kims e Joãos tomaram destinos tão diferentes em poucas décadas? Educação, educação e educação.

O país dos Kims investiu no ensino público básico, de qualidade e acessível a todos. O governo coreano gasta quase seis vezes mais do que o brasileiro por aluno do ensino médio. Na Coreia, um professor de ensino médio ganha o dobro da renda média local; no Brasil, menos do que a renda média. Com isso, os Kims estão sempre entre os primeiros lugares nos exames internacionais de estudantes de ensino fundamental e médio – muitas vezes, em primeiro lugar. Os Joãos, melhor nem falar.

Só após garantirem uma boa formação básica e bom ensino técnico, os coreanos investiram em ensino universitário. Ainda assim, a Coreia tem três universidades entre as 70 melhores do mundo. O Brasil não tem nenhuma entre as 150 primeiras. Hoje, a Coreia do Sul é, em todo o mundo, o país com maior percentual de jovens que chegam à universidade – mais de 70%, contra 13% no Brasil. De quebra, o país dos Kims forma oito vezes mais engenheiros do que nós em relação ao tamanho da população de cada um. Tudo isso com um detalhe: a Coreia gasta menos com cada universitário do que o Brasil, mas forma quatro vezes mais Ph.Ds. per capita do que nós.

Para cada won gasto com a aposentadoria do pai de Kim, o governo coreano gasta 1,2 won com a escola do seu filho. No Brasil, para cada real gasto pelo governo com a aposentadoria do pai de João, ele gasta apenas R$ 0,10 com a escola do Joãozinho.

No ano que vem, os pais de Kim virão para a Copa do Mundo no Brasil. A mãe de João já tinha falecido, mas seu pai quis muito ir à Copa da Coreia e do Japão em 2002, mas não tinha dinheiro para isso. Há um ano, ele está fazendo uma poupancinha e ainda está esperançoso em ser sorteado para um dos ingressos com desconto para idosos para ver um jogo da Copa de 2014, nem que seja Coreia do Sul x Argélia. Como os ingressos com descontos são poucos e concorridos, as chances de seu João são baixas. Se conseguir, quem sabe ele não se senta ao lado do sr. e da sra. Kim. Pena que seu João não teve a chance de estudar inglês. Eles poderiam conversar sobre os filhos…

especial8.jpg

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida.

– Vale a pena estudar.

Números extraídos da Veja.com:

  • De cada 100.000 habitantes, apenas 8 têm doutorado no Brasil (Reino Unido têm 41 e a Eslovênia 57).
  • A idade média de quem consegue se tornar doutor em nosso país é 37 anos.
  • R$ 13.861,00 é a remuneração média dos doutores no Brasil (6 vezes mais que a média da população).
  • Os doutores em Direito são os que têm melhor remuneração: R$ 19.736,00 é o salário/ médio.

Vale a pena ou não estudar?

Quem pode emitir diploma? | Carreira & Sucesso

Imagem extraída de: https://www.catho.com.br/carreira-sucesso/colunistas/educacao/quem-pode-emitir-diploma/

– A Venda de Trabalhos Acadêmicos.

Não é novidade que infelizmente muitos alunos compram trabalhos universitários. Mas o que estarrece é o tamanho desta criminosa indústria dos TCCs, Dissertações e Teses.

Nesta matéria (de redação antiga mas conteúdo atual), se tem a ideia do tamanho deste problema…

Compartilho, extraído do site “Educar para Crescer”: http://educarparacrescer.abril.uol.com.br/comportamento/comercio-trabalhos-universitarios-475098.shtml

ALUNOS NOTA R$ 10,00.

Oito anos depois, a jornalista ainda sorri aliviada ao lembrar da tarde em que deixou seu trabalho de conclusão de curso na secretaria da faculdade. “Não via a hora de entregar a monografia. Primeiro, foram 5 meses de sofrimento tentando fazer aquele troço. Depois, um mês com medo de que o cara que eu paguei para escrever não me entregasse”, diz ela. “Nem me lembro da nota. Só queria me formar.”

De lá pra cá, as coisas mudaram. Em 2001, a jornalista do parágrafo acima (que, por motivos óbvios, pediu anonimato) entregou sua graduação nas mãos de um sujeito que havia posto um disfarçado anúncio de “digitação de monografia” – “e ele nem sabia as regras da ABNT”, recorda ela. Hoje, o aluno sem escrúpulos e com dinheiro no bolso tem a seu dispor dezenas de portais profissionais, com ofertas escancaradas (“Delivery. Sua tese ou trabalho pronto em 96 horas”) e variadas formas de pagamento. Além de universalizar o acesso ao serviço, a internet também globalizou a produção: tem americanos encomendando artigos que serão escritos por indianos.

Desde a virada do século, quando começaram a surgir denúncias contra esse tipo de site, o Ministério da Educação costuma reforçar que a responsabilidade é das faculdades, que deveriam criar ferramentas para detectar esse tipo de fraude. Enquanto isso, no maior site do setor, uma animação faz surgir uma apresentadora se gabando: “Desde 2000, já atendemos mais de 36 mil alunos, com sucesso em 97% dos casos”.

Afinal, pagar para que alguém escreva seu trabalho da faculdade é antiético, mas não é crime. Mas, se o cliente sempre tem razão, o aluno não. Se um professor atento identifica um falso autor, a punição pode ir de uma nota 0 até uma expulsão. Infelizmente, poucos parecem capazes ou dispostos a tanto. Na verdade, ser pego depende principalmente do aluno: há quem não se dê ao trabalho de ler o que comprou, e roda na banca examinadora. Aliás, aliar falta de escrúpulos com preguiça não parece ser muito raro.

PAGANDO E PASSANDO

Na monografia que foi enviada, a parte de gestão da qualidade é muito complexa, de um nível muito elevado. Então, gostaria de pedir que fosse feita uma revisão. Não será preciso fazer novamente: só torná-la mais simples e de fácil entendimento. No máximo, 5 páginas. Aguardo retorno.” Com alguns cortes e várias correções, esse é um e-mail que uma estudante de administração enviou a um site de monografias prontas. Como se vê, capricharam demais na encomenda, obrigando a cliente a requisitar uma piorada no “seu” trabalho de conclusão de curso, deixando-o assim mais de acordo com sua suposta capacidade.

Esse tipo de pedido é comum. Afinal de contas, é de imaginar que alguém que compra um texto que deveria ter escrito não tem muito jogo de cintura para fingir ter feito um trabalho muito bom, ou simplesmente não está disposto a estudar para entender o que seu ghost-writer quis dizer. “Na verdade, a maioria dos clientes é simplesmente idiota”, diz o escritor americano Nick Mamatas (sim, o nome é real), que durante anos viveu de escrever trabalhos acadêmicos para outros. “Eles não deveriam estar na faculdade. Eles precisam comprar trabalhos prontos porque eles basicamente não entendem o que é uma monografia, muito menos o que os professores pedem que seja feito nela”, diz Nick, que ficou conhecido ao publicar na rede um artigo detalhando suas atividades. Segundo ele, existem outros dois perfis secundários de clientes: bons alunos que, vítimas das circunstâncias, não conseguiram fazer algum trabalho específico, e estrangeiros que não dominam o idioma do país em que estão e precisam de uma mão na tradução.

Para uma advogada que há dois anos faz trabalhos por encomenda no interior de São Paulo, o problema é maior porque o mercado acaba obrigando profissionais sem interesse ou talento para a pesquisa acadêmica a buscar um título de pós-graduado, mestre, doutorações. “São pessoas que não querem aprender nada, mas precisam daquele diploma. Para eles, encomendar um trabalho é driblar um incômodo, os fins justificam os meios.”

OMBRO AMIGO

“A confiança é peça fundamental das relações. Oferecemos toda a segurança para nossos clientes. Assim sendo, estamos habilitados para o cumprimento e a correspondência de toda confiança depositada em nossas mãos.” Parece anúncio de banco, mas é de um portal de trabalhos prontos. Espertamente, eles se vendem como amigos (“ajudamos você a fazer seu sonho acontecer”) e colocam os clientes como vítimas, que “encontram-se em um período atribulado de sua vida”.

Além de um ombro amigo e do sigilo, outra característica fundamental oferecida pelos sites é o “certificado Google-free”: caso alguém encasquete com o texto recebido, não vai encontrar na rede nada semelhante – é um trabalho original. Pagando um extra, também se consegue um “seguro-DDD”: aquela empresa se compromete a não vender aquele trabalho para universidades da mesma região. Ah, claro: todos dizem contar com um time de especialistas.

Uma vez aceitas as condições, chega a hora de fazer o orçamento. A média para um trabalho de graduação antigo é R$ 4 por página, e um novo, customizado, fica em R$ 7. Pós, doutorado e mestrado são gradualmente mais caros. Aí é só passar no caixa: todos operam com depósitos em conta dos maiores bancos, cartão de crédito e até boleto bancário.

AUTO-ENGANO

Diante dessa máfia globalizada e escancarada, argumentos éticos parecem não estar fazendo efeito. Professores mais espertos já estão vacinados contra mecanismos de busca, mas é difícil identificar encomendas feitas sob medida. Melhorar os exames orais é um caminho, mas isso só pegaria os desleixados que não leram direito o que pagaram.

Nessa situação, o aluno que busca a sensação de dever cumprido com o dever comprado fica se achando o malandrão. Mas pode se dar mal: uma graduação sem méritos pode até colocar alguém em um emprego bom, mas não segura a pessoa lá, principalmente se envolver o dia-a-dia da profissão. Uma lição grátis: pagar para resolver problemas no presente pode comprometer o futuro.

 ABNT: normas para trabalhos acadêmicos - Estudo Prático

Imagem: Reprodução da Internet, extraída de: https://www.estudopratico.com.br/abnt-normas-para-trabalhos-academicos/

– A quem interessa o Analfabetismo Funcional de muitos brasileiros?

O Brasil (números oficiais) possui 6,6% da sua população composta por analfabetos acima de 15 anos, ou, se preferir, 11 milhões de brasileiros. É muita gente! A taxa de analfabetismo salta para 13,9% da população no Nordeste.

Mas um número mais assustador ainda pode ser o de analfabetos funcionais. O Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional (INAF) mostrou que 30% da população não consegue interpretar textos simples! É quase 1/3 da população e que, sabemos, boa parte está na escola e não consegue melhorar seus conhecimentos.

Aí vem outra observação: o que se tem feito para acabar com esse problema? Nos diversos últimos governos (sabidamente, de ideologias diferentes entre si) não tivemos nenhuma medida drástica / prioritária. Seria, portanto, má gestão da Educação, falta de recursos para investimentos ou, na pior das hipóteses, manter o povo ignorante?

Triste o país que não se preocupa com o ensino.

Analfabetismo Funcional Afeta Ensino Superior

Imagem extraída da Web, citação na própria.

– Que clima para BRICS?

Com a guerra da Rússia contra a Ucrânia, o BRICS ficou meio “sem clima”, não?

Segundo a imprensa, na reunião de cúpula dos presidentes hoje, nem Brasil, Índia, China ou África do Sul quiseram tocar em qualquer tema relativo às sanções econômicas mundiais ou invasão russa.

Lamentável… e o medo de ser altruísta e perder dinheiro?

Em: https://noticias.uol.com.br/colunas/jamil-chade/2022/06/23/apos-atacar-vacina-chinesa-bolsonaro-elogia-cooperacao-com-pequim-na-covid.htm

Da esquerda para a direita, os líderes de China, Rússia, Brasil, Índia e África do Sul em reunião dos Brics em 2019 - Alan Santos/PR

Da esquerda para a direita, os líderes de China, Rússia, Brasil, Índia e África do Sul em reunião dos Brics em 2019 Imagem: Alan Santos/PR, extraído do link cima.

– A solução para a crise é o número menor de prisões?

Ouviram essa?

Para resolver o problema dos presídios é só prender menos, para que se tenha mais dignidade e espaço suficiente!”.

A frase foi dita por uma defensora pública (ouvi na rádio, só peguei o primeiro nome: Vivian), e se refere à situação caótica dos presídios brasileiros.

A solução da crise carcerária, então, é “prender menos”??????

Não seria melhor educar o povo, coibir a bandidagem, fazer campanhas anti-drogas, desestimular a corrupção e a desonestidade…?

A ideia é de, em prendendo menos, dar mais conforto aos presos. Respeito que exista direitos humanos, mas não se pode confundir quem está pagando o preço da criminalidade com um hóspede mimado. Aí não dá.

bomba.jpg

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida.

– Um país único, carunchado, onde as tomadas dizem tudo.

Uma analogia que apareceu na minha Web e que faz sentido, produzida com muita sabedoria pelo Dr Wagner Ligabó, respeitado médico de Jundiaí. Surgiu como lembrança na timeline, mas é tão atual… Abaixo:

PERGUNTA: “VALE A PENA SER UM CIDADÃO DE BEM NO BRASIL” ???
Somos o país das avessas, onde o lógico é irracional e o irracional é lógico! Aqui o errado é certo e o certo é errado! E são inúmeros vice-versas que destroem qualquer empenho aos cidadãos que tem a espinha ereta e os dois pés no chão. É impressionante!
Somos únicos. Somos o país da jabuticaba e da “exclusiva” tomada de 3 pinos genuinamente brasileira!
Vamos seguir as leis de praxe da nossa constituição paralela, que é a que vale! Vamos meter a mão, vamos desrespeitar, vamos não dar bola pra nada, vamos ser espertos, vamos enganar, vamos fingir de tontos, vamos “levar vantagem em tudo, certo?” É muito mais fácil. Aqui dá-se jeito pra tudo!
Aqui é a terra do “ jeitinho brasileiro!” Sempre foi, desde as caravelas de 1500. Pau que nasce torto, morre torto. Nós morreremos e o Brasil continuará assim: carunchado.
Se a coisa estava feia com um, imagine agora com dois à solta! A gente não merece. Desanimei de vez e temo o que está por vir.
Meritocracia deveria ser uma palavra a se excluir do nosso dicionário.

– Quase 50 bilhões para os acionistas, Petrobras?

Nesta segunda-feira, só o Governo Federal recebeu mais de 8 bilhões de reais de lucro distribuído aos acionistas pela Petrobras.

Será que os discursos de “baixar o preço dos combustíveis” são reais?

Veja só: https://g1.globo.com/google/amp/economia/noticia/2022/06/20/petrobras-paga-mais-de-r-24-bilhoes-aos-acionistas-nesta-segunda-feira-governo-recebera-r-88-bilhoes.ghtml

Imagem: reprodução Petrobras

– Diferenciando Política e Politicagem.

Conversando com um amigo, falávamos da necessidade de se fazer Política no Brasil.

Sim, Política com P maiúsculo, aquilo que faz bem ao próximo, desinteressadamente. É a chamada “arte de se relacionar”.

Infelizmente, hoje se pratica a “politicagem”, prática corrupta e que acaba com o país!

Portanto, diferenciei a Política da Politicagem, os bons (raros, é verdade) Políticos dos Politiqueiros.

bomba.jpg

– Como algumas escolas estão conseguindo vencer o bullying entre os alunos?

Sabemos que o bullying é uma triste realidade nas instituições de ensino do Brasil (e logicamente, em todos os setores da sociedade). E o que fazer para eliminá-lo definitivamente, a fim de que não cause efeitos tão nocivos como estão causando?

Extraído de: https://istoe.com.br/as-escolas-que-venceram-o-bullying/

AS ESCOLAS QUE VENCERAM O BULLYING

Na contramão da maior parte das instituições de ensino do País, que ainda não possuem práticas para coibir a discriminação, alguns colégios já adotam modelos bem-sucedidos para assegurar a boa convivência entre os alunos

Por Fabíola Perez

A imagem de um jovem cabisbaixo, isolado em um dos cantos do pátio, ou de uma criança acuada após ter sido vítima de provocações começa a se tornar rara em algumas escolas do País. Apesar de  numericamente ainda serem poucas, instituições de ensino têm desenvolvido metodologias específicas para combater a intimidação e se transformado em exemplos na batalha contra a discriminação e a propagação do ódio no ambiente escolar. O caminho não é simples, mas os resultados das iniciativas mostram que é possível coibir a prática.

“Os programas anti-bullying vão desde grupos
de jovens que aprendem a auxiliar as vítimas até
palestras para capacitar pais e professores”

Um desses colégios é o Bandeirantes, um dos mais tradicionais de São Paulo. Lá, as estudantes Mariana Avelar, 14 anos, e Isabela Cristante, de 12, fazem parte dos grupos de ajuda do Programa de Combate ao Bullying. Elas foram escolhidas pelos demais alunos para participar de dois dias de capacitação com uma equipe de professores universitários e psicólogos.

Por meio de situações hipotéticas, o treinamento deixou claro o que é bullying e como elas deveriam agir em diferentes casos. “As pessoas mais isoladas são aquelas com gostos diferentes da maioria. Tentamos nos aproximar até que o colega se sinta confiante para conversar”, diz Mariana, estudante do 9º ano. “Aprendemos que, às vezes, o problema é maior do que parece, e precisamos levá-lo aos orientadores”, conta Isabela, da 6ª série. Os estudantes também conversam com quem presencia ou pratica o bullying. “O agressor se conscientiza mais rapidamente” , afirma Isabela.

Com pulseiras para identificação, os participantes percorrem a escola auxiliando nos casos em que percebem o isolamento. A estratégia está funcionando. “Observamos a redução de casos”, afirma Marina Schwarz, orientadora da escola. “Hoje temos mais acesso aos episódios de provocação, que normalmente ocorrem por trás das autoridades.”

Outro colégio que adotou medidas para coibir o bullying é o Soka, também de São Paulo. Há dois anos, a escola organiza palestras com advogados e psicólogos. “Conversamos com os pais sobre a responsabilidade deles em verificar os celulares dos filhos. É preciso identificar se há indícios de bullying nas conversas em grupos de redes sociais”, afirma o diretor James Jun Yamauti.

A instituição também capacitou orientadores para dar assistência a alunos que chegam de outras escolas. “Trabalhamos com jovens que tiveram dificuldade de adaptação para que tenham um entrosamento melhor”, afirma Edna Zeferino Menezes, assistente de orientação educacional. Na sexta-feira 27, a escola deu início à semana do “Preconceito Não”, com palestras sobre direitos da população negra, questões de gênero e indígenas e a trajetória da população LGBT. “A ideia é que os alunos reflitam sobre questões que interferem diretamente no bullying e identifiquem se já vivenciaram situações semelhantes”, explica Yamauti. “Os constrangimentos diminuíram bastante. Se uma brincadeira passa dos limites, deixa de ser brincadeira”, afirma Igor Seiji Ando Bomfim, 15 anos, que relata ter ajudado colegas que sofreram discriminação.

DESCONTROLE

Em um momento no qual o tema vem à tona mais uma vez após o bullying ter sido apontado pela polícia como um dos fatores que levaram um adolescente de 14 anos a atirar contra colegas em uma escola de Goiânia na sexta-feira 20, é fundamental que iniciativas como essas deixem de ser fatos isolados.

Os colégios devem começar a colocar em prática ações determinadas pela lei contra os atos de perseguição, em vigor desde abril do ano passado. Uma delas é a produção de relatórios bimestrais com eventuais casos. “O bullying não é controlado pelas autoridades pela falta de dados, o que dificulta o diagnóstico da extensão do problema”, afirma advogada Ana Paula Siqueira Lazzareschi, especialista em direito digital. Outro aspecto importante é que, além do suporte à vítima, as instituições devem oferecer assistência ao agressor.

A ocorrência ainda diária das intimidações mostra, no entanto, um descompasso muito grande entre o que faz a maioria das escolas e o que manda a legislação. Casos extremos, como o de Goiânia, evidenciam, porém, a urgência na adoção de medidas efetivas. “O bullying não pode ter sua gravidade subestimada e ser tratado como uma brincadeira de criança”, diz a advogada Ana Paula. “A cultura da vingança ainda é muito presente  na sociedade e é esse desejo que está por trás do comportamento do agressor”, diz.

Terminando em tragédias ou não, casos de bullying têm efeitos indeléveis para a vítima, o agressor e toda a escola. “Ocasionam rachas nas salas de aula, colocam metade dos alunos contra o agressor e a outra parte a favor da vítima”, diz Ana Paula. Por isso, os programas de combate a práticas tão cruéis são fundamentais para reverter o aumento da intolerância em ambientes de aprendizado. Não de destruição.

DISPOSIÇÃO PARA AJUDAR

Satisfação em ver os colegas enturmados é o que move as alunas Mariana Avelar e Isabela Cristante, do 9º e do 6º ano, respectivamente, do Bandeirantes, em São Paulo. Há um ano, elas foram escolhidas para fazer um treinamento de capacitação e saber como atuar em casos de bullying. Desde então, as estudantes percorrem os espaços da escola e sempre que percebem situações de isolamento ou provocação se aproximam da vítima ou dos que testemunharam a ação. “Saber que consegui ajudar é muito bom”, diz Isabela.

Imagem extraída de: https://educacao.estadao.com.br/blogs/escola-vilaplay/bullying-existe-na-educacao-infantil/

– Nunca perder a Honestidade! Você tem queda “para ser desonesto”?

A Revista Época, dias atrás, trouxe uma interessantíssima matéria, intitulada “Somos todos um pouco trapaceiros”, por Daniel Venticinque. Nela, se discute o livro “A mais pura verdade sobre a desonestidade”, do psicólogo israelense Dan Ariely.

O livro fala sobre o fato de todas as pessoas terem uma queda, em certo momento da vida, para a desonestidade. E a culpa vem das situações cotidianas, que trazem naturalmente à tona esse defeito humano. Seriam 5 fatores para a desonestidade e outros 5 para a honestidade. Abaixo:

5 FATORES QUE NOS FAZEM TRAPACEAR DEMAIS

1- CAIR NA PIRATARIA: as pessoas que usam produtos falsificados tendem a ser mais desonetas em outros aspectos da vida. O sucesso desse pequeno deslize nos torna propenso a arriscar deslizes maiores.

2- SER MALTRATADO: para quem sente que não foi respeitado, a desonestidade pode ser uma revanche. Quem não é bem tratado por um vendedor raramente devolve o dinheiro se ele errar o troco para mais.

3- DAR ASAS À CRIATIVIDADE: além de ter uma tendência a questionar regras, as pessoas cujas profissões exigem criatividade são melhores para inventar desculpas e para bolar maneiras de desobedecer às leis.

4- FAZER O BEM PARA OUTROS: quando o desonesto beneficia outros além do trapaceiro, trapacear fica ainda mais fácil. O mal-estar da trapaça é compensado pela sensação de fazer o bem.

5- LIDAR COM VALORES VIRTUAIS: ver alguém cometer um ato desonesto aumenta muito as chances de fazermos o mesmo naquela situação. É a regra do “todo mundo faz”, que já entrou para o folclore da política brasileira.

5 ATITUDES QUE NOS TORMAM MAIS HONESTOS

1- DAR SUA PALAVRA: É antiquado, mas funciona. Assinar um temo de responsabilidade ou se comprometer a seguir um código de ética é um bom lembrete mental para evitar a tentação da trapaça.

2- TER FÉ: discursos e símbolos religiosos nos tornam menos propensos à trapaça, por estar associados à boa conduta. Não é por acaso que a música gospel é pouco atingida pela pirataria.

3- CRIAR UMA CULTURA DE HONESTIDADE: quando a desonestidade é malvista e há poucos maus exemplos maus exemplos a seguir, trapacear fica mais difícil. Isso explica por que a trapaça é mais difundida em alguns países.

4- MANTER A TRANQUILIDADE: como a trapaça é uma tendência natural, ser honesto exige esforço. Evitar o cansaço mental ajuda a manter a compostura diante de uma oportunidade de trapacear.

5- CONTRATAR FISCAIS DESINTERESSADOS: Trapaceamos menos quando somos fiscalizados. Mas os fiscais precisam ser isentos. Quanto maior o contato deles com quem fiscalizam, maiores as chances de que todos caiam na trapaça.

E aí: concorda com eles ou não? Deixe seu comentário:

Caixa de Histórias 33 - A mais pura verdade sobre a desonestidade • B9

Imagem extraída de: https://www.b9.com.br/shows/caixadehistorias/caixa-de-historias-33-mais-pura-verdade-sobre-desonestidade/

– Um espetáculo da natureza: Cataratas do Iguaçu!

Meu pai foi passear em Foz do Iguaçu, e mandou esse bonito vídeo das Cataratas.

Como sou entusiasta da beleza da natureza, não tem como deixar de reproduzir essas imagens. Aos amigos que não conhecem, vale a pena desfrutar. Aqui: https://youtu.be/gK2deefpMrI

– Outro aumento do preço dos combustíveis?

Que sanha é essa! Até no feriado tem reunião para reajuste de preços?

Ontem, os senhores “homens fortes da Petrobras” resolveram discutir um novo aumento da Gasolina (a empresa não é privada ainda… o lucro, exorbitante, poderia ser moderado).

Veja só no print (a propósito, talvez a única pauta que una o Brasil hoje é essa: o valor caro do petróleo):

– Brasil: um povo hospitaleiro?

A imagem que os estrangeiros sempre tinham do nosso país era de um povo alegre, receptivo, que vencia as dificuldades da vida e ainda sorria!

Ser acolhedor e respeitador parece que não são mais nossas características. Li essa observação do respeitadíssimo jornalista Maurício Noriega, publicada em seu Facebook no dia 17/06/2020 e achei perfeita!

Abaixo:

“O tempo vai se encarregando de sepultar aquela imagem do brasileiro como povo cordial, hospitaleiro, sedutor, brejeiro, amistoso. Ruidosamente vai surgindo um perfil individualista, sectário, egoísta, indisciplinado e indiferente.
Que as novas gerações possam compensar os erros das anteriores e da minha.
Acredito piamente que os jovens estão chegando mais preparados, menos preconceituosos, menos gananciosos e interesseiros.
Que possam consertar o País que estamos estragando faz tempo.
Basta da ilusão de que os políticos não nos representam!
Eles são a imagem exata do povo que somos refletida num espelho que nos recusamos a aceitar.”

Assino embaixo! Menos ódio e mais amor para com o próximo, respeitando as opiniões diferentes e ideologias diversas.

Virtude de Hospitalidade – Instituto Enter Jovem

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida.

– A lenda de Ratanabá viralizou como verdade. Cuidado!

Depois da visita de Elon Musk ao Brasil e suas ações na Amazônia, além do sumiço dos indigenistas na região, viralizou uma fake news de que ambos tivessem interesse em Ratanabá, uma cidade perdida na Amazônia!

Mas de onde surgiu a propagação dessa lenda? Segundo o jornal “O Povo”, da Dakila Pesquisas, cujo CEO, terraplanista e antivacina assumido (e protagonista da história do ET Bill), levantou as “evidências”.

Abaixo, extraído de: https://www.opovo.com.br/noticias/curiosidades/2022/06/12/ratanaba-teoria-infundada-de-cidade-perdida-na-amazonia-viraliza.html

RATANABÁ: TEORIA INFUNDADA DE CIDADE PERDIDA NA AMAZÔNIA VIRALIZA

Boato sobre cidade submersa na Amazônia chamada Ratanabá pode ter repercutido na internet após desaparecimento de jornalista e indigenista

Nos últimos dias, o termo Ratanabá tem sido progressivamente abordado nas redes sociais. O nome é atribuído a uma teoria infundada de uma cidade com mais de 450 milhões de anos, perdida no meio da Amazônia Brasileira.

O boato foi divulgado pelo site Dakila Pesquisas, instituição sem qualquer vinculação com universidades ou órgãos de pesquisas oficiais. O instituto ainda defende ideais como a terra plana e se posiciona contra as vacinas.

De acordo com o Google Trends, ferramenta que mostra termos buscados em um passado recente, a Ratanabá apresentou um salto de pesquisas entre os dias 5 e 11 de junho. O termo ainda se tornou assunto frequente no TikTok e Twitter.

No dia primeiro de junho, o site do Daiki Pesquisas publicou uma matéria noticiando que pesquisadores supostamente teriam sobrevoado a cidade. Segundo o Instituto, duas aeronaves foram utilizadas para captar imagens da floresta. Entre a tripulação, estava a bordo Urandir Fernandes de Oliveira, CEO do Dakila Pesquisas.

Segundo publicação da empresa, datada do dia 3 de junho, a “cidade perdida” teria por volta de 450 milhões de anos e seria fundada pelos Muril, primeiro povo a habitar a Terra há cerca de 600 milhões de anos. A ciência, no entanto, aponta como inviável a existência de um local com essas características.

Segundo o Worldometer, referência na divulgação de contagens e estatísticas em tempo real, a existência humana tem cerca de 300 mil anos. Os primeiros povos a habitarem o globo teriam sido os Homo sapiens, originados no continente africano. Além disso, é estimado que os dinossauros teriam sido extintos por volta de 65 milhões de anos atrás.

Conforme apontado pela revista Fórum, o Dakila Pesquisas, que divulgou a teoria, não possui vinculação com institutos de pesquisas de universidades ou órgãos oficiais, bem como não possui registros de artigos em publicações científicas.

Além disso, os pesquisadores da organização não tem dados registrados na plataforma Lattes, sistema de currículos virtual gerenciado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O site ainda é apontado como defensor de ideias como defensor da Terra plana, ser contra vacinas, além de alegar não haver registros de queimadas na Amazônia.

Por que Ratanabá, a cidade perdida na Amazônia, se tornou viral?

Apesar da recente repercussão na internet, o instituto Daiki divulga a teoria da cidade submersa há mais de 10 anos. Segundo seus pesquisadores, Ratanabá é de grande interesse de ONGs e empresários estrangeiros, sendo cobiçada, inclusive, por Elon Musk. É provável que o assunto tenha sido intensificado pelo desaparecimento de Dom Phillips e de Bruno Pereira.

O jornalista britânico e o indigenista brasileiro teriam desaparecido no último domingo, 5, enquanto faziam uma viagem pelo Vale do Javari, segunda maior terra indígena do país, com 8,5 milhões de hectares, no extremo oeste do Amazonas.

Outro fator que pode ter influenciado a ascensão das pesquisas pelo termo foi a recente visita de Elon Musk ao Brasil. No último dia 20 de maio, o bilionário se encontrou com o presidente Jair Bolsonaro, além de outros políticos e empresários.

O objetivo da visita foi para negociar a instalação do Starlink, projeto que objetiva oferecer internet banda larga via satélite em todo o mundo, na Amazônia. Nas redes sociais, o influenciador Felipe Neto se pronunciou sobre a repercussão da teoria.

“Que possam existir registros de civilizações antigas, ok. Mas daí a criarem teoria da conspiração de que Elon Musk, ONGs e bilionários pelo mundo querem explorar a cidade de 450 milhões de anos submersa na Amazônia…Isso é coisa de gente com parafuso a menos”, escreveu, em seu perfil no Twitter.

Outras teorias da conspiração além de Ratanabá, a cidade perdida na Amazônia

Urandir Oliveira, líder do Instituto, já possui histórico de outras teorias infundadas, que foram refutadas na mídia brasileira. Uma das mais notórias foi em 2010, após divulgar publicamente que mantinha diálogo com um extraterrestre chamado “ET Bilu”.

Em português, o ser teria levado mensagens para a Terra. O caso teve repercussão em rede nacional, principalmente pela Rede Record.

Publicamente antivacina e terraplanista, Oliveira já declarou ter comprovado que a Terra não é esférica, e sim convexa. Além disso, prestou apoio ao movimento contra a vacina da Covid-19. Ele alegou que não seria “cobaia” de vacinas que não têm eficácia comprovada.

O líder do Daiki já foi reconhecido por Jair Bolsonaro. Desenvolvedor da tese de que a “Amazônia não queima”, seus pensamentos foram inspiração para o discurso de Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Anual da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2020.

Urandir ainda chegou a ser recebido pelo ex-secretário da Cultura de Bolsonaro, Mario Frias, em Brasília.

Ratanabá: teoria da conspiração sobre a cidade perdida na Amazônia viralizou nas redes sociais(foto: Daiki Pesquisas/Reprodução)
Leia mais em: https://www.opovo.com.br/noticias/curiosidades/2022/06/12/ratanaba-teoria-infundada-de-cidade-perdida-na-amazonia-viraliza.html

– Tá fácil jogar a responsabilidade para os outros, hein?

O ministro da economia Paulo Guedes e o presidente Bolsonaro pediram para os supermercados segurarem os aumentos de preço.

Tá certo. Ou melhor: tá fácil. Seria bom se o Governo reduzisse os impostos, que as mordomias parlamentares cessassem e que os salários do trabalhador comum aumentassem.

Numa economia liberal, “pedir para alguém não aumentar os preços” por caridade é muita ingenuidade, né presidente?

Imagem extraída de: https://www.agazeta.com.br/colunas/orlando-caliman/brasil-corre-o-risco-de-sofrer-com-a-inercia-inflacionaria-0122, crédito na imagem.

– 32 anos da última dobradinha de Piquet e Senna

Quem viu, viu. Quem não viu, vai demorar bastante tempo para ver algo assim…

Há 32 anos, dois brasileiros campeões do mundo faziam a última dobradinha deste tipo na Fórmula 1: Piquet e Senna!

Abaixo, quando da ocasião dos 30 anos, uma matéria extraída de: https://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/blogs/f1-memoria/post/2020/06/10/ayrton-senna-e-nelson-piquet-fizeram-ultima-dobradinha-entre-eles-ha-30-anos-no-canada.ghtml

DOBRADINHA – Ayrton Senna e Nelson Piquet fizeram última dobradinha entre eles há 30 anos, no Canadá

Piloto da McLaren dominou desde o começo, deixou-se passar por Gerhard Berger, que estava punido por queima de largada, e liderou compatriota, que fez corridaça para chegar em segundo

Dia 10 de junho de 1990, trinta anos atrás: Ayrton Senna e Nelson Piquet fizeram a oitava e última dobradinha envolvendo os dois numa corrida de Fórmula 1. Foi no GP do Canadá, em Montreal. Numa pista que começou molhada e terminou seca, Ayrton fez uma corrida de categoria largando da pole position e não teve a vitória ameaçada, enquanto Nelson subiu de quinto para segundo com uma prova de inteligência e garra, sobretudo na linda ultrapassagem sobre Alain Prost. Era um tempo no qual tínhamos dois dos melhores pilotos da história na pista.

Pole position, Senna viu o companheiro de equipe Gerhard Berger queimar acintosamente a largada, mas ainda assim contornou a primeira curva na liderança. Em seguida, vinham Alessandro Nannini (Benetton), Jean Alesi (Tyrrell), Piquet e Prost.

Desde as primeiras voltas, Senna e Berger se destacaram em relação aos demais, enquanto Nannini e Alesi travavam boa briga pelo terceiro lugar. Mais atrás, Thierry Boutsen (Williams) passou por Prost e subiu para sexto – pista molhada não era mesmo a praia do francês.

Na oitava volta foi divulgada a informação de que Berger seria punido ao fim da prova com o acréscimo de um minuto ao seu tempo de prova pela queima de largada. Numa época na qual ainda não havia sensores para detectar os apressadinhos na partida, as imagens de TV eram usadas como prova. E, nesse caso, foi uma queima de largada até risível.
Com Berger teoricamente fora da disputa pela vitória, Senna ficou mais tranquilo na prova, sabendo que não precisava forçar o ritmo. A essa altura, como já não chovia desde a largada, a pista já estava secando, e uma troca para pneus slicks era iminente.

O primeiro a entrar nos boxes, na nona de 70 voltas, foi justamente Berger, no que foi seguido por Senna e Piquet duas passagens depois. Alesi, Boutsen e Prost fizeram a troca na volta 12. No mesmo giro, avisado pelo rádio que Berger estava punido, Senna abriu passagem ao austríaco, e ambos ultrapassaram Nannini, que era o líder por ainda não ter feito o pit stop.
Com todos tendo efetuado a troca de pneus, a ordem na pista era Berger, Senna, Prost, Boutsen e Piquet, sendo que o austríaco na prática estava fora dessa briga devido à punição. Nigel Mansell, que teve um começo apagado, já era o sexto com a Ferrari, enquanto Alesi teve um toque com o retardatário Andrea de Cesaris (sempre ele envolvido nas confusões!) e caiu para 11º.

Com um trilho seco no asfalto molhado, qualquer erro seria fatal, e vieram os acidentes. O primeiro a bater foi Boutsen, que, ao tentar passar Prost, saiu do trilho, escorregou na parte molhada do asfalto e acertou o retardatário Nicola Larini (Ligier). Logo depois, Nannini, que tentava reagir de um mau pit stop, derrapou ao tentar passar Satoru Nakajima (Tyrrell) e bateu com violência nos pneus. Por fim, Alesi escapou no mesmo lugar, e o carro atingiu o de Nannini, que estava parado. Por sorte, ele não se machucou.
A essa altura, perto da metade da prova, Berger andava em ritmo alucinante para tentar compensar o tempo que seria dispendido na punição, enquanto Senna fazia corrida sossegada, até porque tinha quase 30 segundos de vantagem sobre Prost. Mais atrás, Piquet vinha com excelente ritmo e se aproximava do francês, trazendo Mansell com ele.

A 21 voltas do fim, Piquet estava sendo apertado por Mansell, mas decidiu partir para o ataque em cima de Prost e mergulhou na freada do grampo. A linda ultrapassagem fez Nelson assumir o terceiro lugar, que na verdade era o segundo pela punição a Berger. Na volta seguinte, Mansell também passou por Prost, que depois se enrolou com o retardatário Gregor Foitek (esse também era complicado…).
A essa altura, Senna tinha mais de 30 segundos de vantagem para Piquet, que, com categoria para driblar os retardatários, manteve uma distância suficiente para não ser atacado por Mansell. Já Prost, com problemas de freios, não tinha mais forças para chegar nos dois. Mais atrás, com um ritmo alucinante, Berger vinha virtualmente encostando no trio. Com a melhor volta, o austríaco ainda terminou em quarto no tempo corrigido, à frente de Prost.

Nas últimas dez voltas, Senna tirou o pé, e a diferença para Piquet baixou de 30 para 10 segundos, com Mansell terminando 2s9 atrás do piloto da Benetton. Já Berger, com todo o esforço, ficou apenas 14s854 atrás de Ayrton no tempo corrigido. Mesmo com Senna tendo reduzido bastante na parte final porque não precisava acelerar, o ritmo do austríaco foi espetacular. Será que ele poderia ter vencido em condições normais? Difícil saber, porque Senna teria tido outro comportamento em pista também.

– No início eu mantinha o ritmo de Berger, mas depois baixei o trem de pouso – disse Senna, que fez um discreto elogio ao desafeto Piquet:

– A Benetton contratou um piloto que entende de carros de corrida, mas a minha preocupação é vencer.

Já Piquet comemorava a volta ao pódio depois de um ano e meio, desde o terceiro lugar no GP da Austrália de 1988. Como de costume, fez piada ao falar sobre o fato de ter ficado entre os dois pilotos da Ferrari boa parte da corrida:

– Fiz valer a minha experiência de 13 anos de Fórmula 1. Sabia que a entrada do hairpin era o único ponto possível para ultrapassar. O problema foi o Prost, que segurou um pouco. Eu me senti um presunto num sanduíche, um Piquet à la pate.

Naquele mesmo domingo, a Seleção Brasileira estreou na Copa do Mundo de futebol na Itália, e Cleber Machado fez a sua estreia nas transmissões de F1 da Globo substituindo Galvão Bueno. O Brasil ganhou da Suécia por 2 a 1, mas seria eliminado pela Argentina nas oitavas de final, numa campanha que não deixou saudade.

Já Senna e Piquet continuam deixando saudade no torcedor brasileiro. Afinal, como escrevi no começo do texto, tínhamos dois dos melhores pilotos do mundo na pista. Definitivamente, áureos tempos…

podio-canada-1990

Imagem extraída da Internet, autoria desconhecida.

– Acórdão ou Acordo entre Judiciário e Executivo?

Presidente Bolsonaro reclama que o Juiz Alexandre de Moraes não está cumprindo o acordo entre eles, costurado pelo ex-presidente Michel Temer?

Precisa de acordo? Ambos devem trabalhar honestamente, cada um na sua seara…

Ô “paróquia” difícil que é o Brasil…

– Use máscaras, afinal, elas ainda são necessárias (inclusive para ensinar e aprender).

Eita, dona COVID… voltamos às aulas “mascarados” por obrigação; afinal, a pandemia não acabou e os casos estão aumentando.

Muito legal lecionar nesta parceria Sebrae + Senai: vejam quantos cursos oferecidos (e eu não sei nada sobre esses assuntos), acrescidos de Emprendedorismo e Marketing (é aí que eu entro).

Somente com a Educação de boa qualidade que o Brasil sairá da crise!

– Por quê tanto fio?

Por quê em meio à beleza da natureza, tem que ter tanta fiação?

Energia elétrica, Internet, telefone… tudo deveria ser subterrâneo, como nas principais cidades do mundo.

Estragou a paisagem, além de não ser mais usual:

Imagem

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– Ruy Barbosa continua atualíssimo.

A história conta que uma das cabeças mais inteligentes do nosso país foi Ruy Barbosa. Em discurso no Senado da República, ainda no Rio de Janeiro, em 17/12/1914, imortalizou tal verdade:

“De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”

Uma verdade que perdura até nossos dias. Mais do que isso: que retrata o Brasil de mais de 100 anos atrás e o de hoje – com perfeição, infelizmente!