– Crer sem participar é saudável para a alma?

A maior parte dos brasileiros tem fé. Alguns frequentam Igrejas; uns se fanatizam, outros vivem a fé de maneira madura e outros ainda a vivem de maneira volátil. Muitos, hoje, declaram que “crêem, mas do seu jeito“.

Os termos “católico não praticante“, “crente participante de várias denominações” ou “religioso com um lado independente de igreja” estão na moda. Na verdade é um fenômeno onde se “acredita em algo sem frequentar ou conhecer uma fé“. Se preferir: “ter certeza de algo sem uma catequese, do seu jeito particular.

O que você pensa sobre “Crer sem participar“, quando se fala de Igrejas versus Fé Pessoal? Para mim, há a necessidade de uma direção espiritual, um templo, um sacerdote para organizar, orientar e otimizar a vivência religiosa, conciliando prática e fé.

Não é algo meio bagunçado “não ter um norte a seguir“?

Compartilho um curioso tema sobre isso, da Folha de São Paulo da última 3a feira, página 2:

UBER DAS IGREJAS

por Hélio Schwartsman

O fenômeno uber chegou também às igrejas. Pesquisa Datafolha divulgada no domingo mostrou que em apenas seis anos mais do que dobrou a fatia dos brasileiros que afirmam não ter uma religião. Eles passaram de 6% em 2010 para 14% na sondagem deste ano.

“Sem religião” é uma categoria capciosa. Ela abarca, além dos óbvios ateus e agnósticos, pessoas que, por diversas razões, não se sentem mais ligadas a nenhuma denominação religiosa, mas não perderam sua fé num Deus pessoal ou mesmo numa “força maior”. Gente que está trocando de igreja também costuma declarar-se sem religião numa fase imediatamente anterior àquela em que abraça o novo credo. A categoria inclui ainda fieis compulsivos, que frequentam tantas igrejas que já nem sabem dizer a qual pertencem.

Eu vejo esse uber eclesial com certa simpatia. Em primeiro lugar, ele indica que há forte liberdade religiosa no país, não apenas no plano jurídico-institucional mas também no das pressões sociais, que são muitas vezes mais severas que as leis. Hoje, já não há estigma importante associado àqueles que mudam de religião ou a abandonam por completo.

Esse troca-troca pode ser um indicativo de que pelo menos parte dos brasileiros está vivendo o seu “believing without belonging” (crer sem pertencer), expressão cunhada pela socióloga Grace Davie para referir-se ao fenômeno que, na Europa Ocidental, acabou resultando no esvaziamento das igrejas com manutenção de algumas das crenças religiosas.

Não é que eu considere o esvaziamento das igrejas um fim em si mesmo. Mas, se ele surge como consequência de um ambiente no qual as pessoas têm mais liberdade para decidir de forma autônoma como viverão suas vidas, não vejo como não aplaudi-lo. A religião é como a poesia, o sexo ou o rock. Pode ser uma fonte perfeitamente legítima de prazer para os apreciadores, mas não deve ser imposta a ninguém.

bomba.jpg

– Salário e Auxílios de um Deputado Federal no Brasil

Sabe quanto um “representante do povo” recebe ao todo mensalmente junto aos seus vencimentos para legislar em causa própria, ops, digo, ao país?

Você pode pesquisar em qualquer site de transparência pública que encontrará, pois são valores oficiais e devem ser divulgados.

Para os novos parlamentares brasileiros, a composição da sua renda é:

  1. Salário: R$ 33.700,00;
  2. Auxílio-Mudança: R$ 33.700,00 (um salário-extra a ser recebido no início de cada mandato);
  3. Auxílio-Moradia: R$ 4.200,00 (ou o uso de um apartamento funcional);
  4. Cota Parlamentar: de R$ 30.700,00 até R$ 45.600,00 (varia dependendo da cidade / estado de origem do deputado);
  5. Verba Mensal de Gabinete: R$ 106.800,00 (para custear 25 secretários / mês).

Somou tudo isso? É muito dinheiro, não?

Não esqueça que eles têm duas férias anuais, recessos de feriados diversos, e não só o salário extra costuma parar no 13º…

Como podemos aceitar tudo isso passivamente? E aqui nos referimos a todos, tanto de Direita, Centro ou Esquerda, pois jamais vemos a luta deles pelo fim das suas próprias mordomias.

Resultado de imagem para Dinheiro

– O Analfabetismo Funcional acaba com o Brasil, especialmente nas Redes Sociais!

Já perceberam o número de pessoas que fazem críticas ou elogios nas Redes Sociais, completamente desenganadas sobre o que leram, ou o que não leram?

Vejam só: a pessoa vê um título no Twitter, Facebook ou imagem no Instagram, e começa a escrever muita coisa sobre ele sem ler o corpo do texto. Ou ainda lê parte apenas e não termina. Ou lê e não entende nada!

Sobre esses casos de Analfabetismo Funcional (e quem tem, muitas vezes não se envergonha de mostrar com seus escritos mal redigidos),

extraído de: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/analfabetismo-funcional.htm

ANALFABETISMO FUNCIONAL

Você sabe o que é analfabetismo funcional?

São chamados de analfabetos funcionais os indivíduos que, embora saibam reconhecer letras e números, são incapazes de compreender textos simples, bem como realizar operações matemáticas mais elaboradas. No Brasil, conforme pesquisa feita pelo Instituto Pró-Livro, 50% dos entrevistados declararam não ler livros por não conseguirem compreender seu conteúdo, embora sejam tecnicamente alfabetizados. Outra pesquisa, realizada pelo Instituto Paulo Montenegro e pela Ação Educativa, revelou dados da oitava edição do Indicador de Analfabetismo Funcional, o Inaf, cujos resultados são alarmantes.

De acordo com o Inaf, a alfabetização pode ser classificada em quatro níveis: analfabetos, alfabetizados em nível rudimentar (ambos considerados analfabetos funcionais), alfabetizados em nível básico e alfabetizados em nível pleno (esses dois últimos considerados indivíduos alfabetizados funcionalmente). Conforme a pesquisa, que aplica um teste avaliando as habilidades de leitura, escrita e Matemática, o domínio pleno da leitura vem sofrendo queda entre todos os entrevistados, tendo eles concluído o Ensino Fundamental ou o Ensino Superior. Os dados mostram que o problema do analfabetismo funcional deve ser levado a sério, pois a dificuldade de compreensão dos gêneros textuais, mesmos os mais simples e mais acessados no cotidiano, prejudica o desenvolvimento intelectual, pessoal e profissional do indivíduo.

Embora o número de analfabetos tenha diminuído no Brasil nos últimos quinze anos, o analfabetismo funcional ainda é um fantasma que atinge até mesmo estudantes que frequentam o ensino superior, desfazendo o mito de que ele estaria intrinsecamente relacionado à baixa escolaridade. As pesquisas desenvolvidas sobre o índice de analfabetismo funcional no país são de extrema importância, já que promovem o debate entre diversos grupos sociais responsáveis por desenvolver um novo parâmetro educacional a partir da discussão das causas e efeitos do Inaf.

Desenvolver métodos que priorizem o letramento é fundamental para que o analfabetismo funcional seja superado, e para isso é inquestionável a importância do trabalho conjunto entre pais e professores. Engana-se quem acredita que cabe somente à escola o papel de alfabetizar e letrar, visto que o letramento é uma prática presente em diversas situações do cotidiano, envolvendo não apenas a leitura tecnicista de textos, mas também o desenvolvimento da criticidade e capacidade de elaborar opiniões próprias diante dos conteúdos acessados. A aprendizagem deve ser universalizada, propiciando assim que todos os leitores atinjam o nível pleno da alfabetização funcional.

Por Luana Castro
Graduada em Letras

O letramento é uma das soluções para a erradicação do analfabetismo funcional, pois extrapola a visão tecnicista de alfabetização

– Ir ou não para Santos? As vantagens e desvantagens… Beleza e Descanso versus Trânsito, Maconha e Sujeira

Estive descansando em Santos/SP dias atrás. Apesar do clima aprazível, algumas coisas me incomodaram muito.

Claro, o trânsito absurdo em direção ao Litoral incomoda, mesmo em horários e dias alternativos. Mas as duas coisas principais: sujeira e drogas!

Os dejetos nas ruas da cidade são demais! Contrasta com a beleza dos jardins. São pouquíssimas lixeiras públicas e os moradores deixam o lixo nas calçadas esperando o lixeiro – no chão mesmo, atrapalhando os pedestres.

Sem contar com a imundice da praia, pelo excesso de turistas mal educados (com dor no coração que digo isso, pois depois de Jundiaí, minha segunda casa é lá).

As drogas, então… é constrangedor dividir o espaço com os usuários que lá circulam. Se você vai a noite, pela orla os maconheiros estão aos montes. E se você vai correr na areia esperando o sol nascer, ali ainda estão! O fedor é muito forte, chega a impedir o ar puro e a brisa do mar.

Triste. Adoro Santos. Mas a sujeira e a maconha são os pontos negativos de lá!

Resultado de imagem para santos praia

– A responsabilidade em não constranger uma pessoa alheia ao fato: sobre Maiara e Maraísa frente a Alexandra França

Repercutiu bastante a coluna de Alexandre França, na Folha de São Paulo, onde de um assunto importante e interessante ele se enrolou todo e foi infeliz.

O escritor resolveu falar sobre a não-manifestação de boa parte da classe artística sobre o ex-Secretário da Cultura, Roberto Alvim, no discurso de plágio nazista realizado (o presidente Bolsonaro o demitiu por tal fato). Entretanto, citou nomes da oposição ao Governo que criticaram a fala e detonou os demais artistas, separando-os por elite e popular, alegando que quem não o criticou, é neofascista e adepto de um conjunto de tantos outros rótulos.

Ora, quer dizer que obrigatoriamente alguém tem que escrever na Rede Social, a fim de contentar Alexandre França? Manifesta-se quem quiser, embora seja unânime a percepção do horror que foi o Nazismo e que são as ideias Neonazistas.

Para completar a infelicidade, publicou-se uma charge das cantoras populares Maiara e Maraísa, com um bracelete de suástica, escolhida a esmo por França, a fim de ilustrar suas ideias.

Que culpa essas moças têm? São obrigadas a publicar opiniões políticas no Instagram ou Twitter ao invés de se preocuparem com a vida, somente para demagogia? E quem disse que a não-expressão é concordar com Alvim e o nazismo?

Poderiam várias outras pessoas a serem escolhidas, já que o critério de associação (indevido) de Alexandre França foi muito errado. Por azar da dupla de cantoras, foram elas.

Aliás, me admiro a irresponsabilidade da Folha de São Paulo em publicar tal imagem, levando aos leitores a falsa interpretação de que temos duas cantoras neonazistas. Ridículo! Embora, posteriormente, a Folha pediu desculpas.

Já imaginou você ser escrachado publicamente de apoiador por algo que você nem se manifestou (por falta de tempo, por quê não quis ou por qualquer outro motivo)?

Por fim: na teimosia de não aceitar o erro, Alexandre França, novamente de maneira gratuita, chamou as moças de “cantoras da cachaça”. Pra quê?

Esse radicalismo e cegueira por viés ideológico acabam com o Brasil. E fica a reflexão: apesar dos erros do Presidente Bolsonaro (que repercutem e encobrem os acertos também existentes – há de ser ponderado), quem disse que o Governo é Facista ou Nazista? Onde estamos vendo tais ações? Onde as raças estão sendo purificadas ou a liberdade de expressão proibida? Aliás: não está se usando de maneira equivocada esses dois termos?

Repito: o fanatismo pela Esquerda ou Direita deturpam a sensibilidade e a razão.

1579638279_5e275e0789aa9

– E se a Receita Federal ampliar o leque? Sobre globais e boleiros da elite!

Na suposta briga entre Governo Federal, Rede Globo e uma parte da classe artística declaradamente de oposição, há quem diga (e parece ser verdade), que o “Leão da Receita” vai investigar a fundo os rendimentos de muitos artistas.

A Revista Veja já publicou que Deborah Secco, Reynaldo Gianecchini e outros globais já foram alvo de investigações recentes. Em tese, a busca é pela velha história da burla de impostos na contratação não como Pessoa Física, mas sim como Pessoa Jurídica – fazendo com que a taxa de recolhimento caia de 27,5% para alíquotas entre 6 e 15%.

Claro que segmentar a um tipo de contribuinte com viés político é algo temerário. A ideia de “aos amigos do Rei, a Lei; a seus inimigos, o Rigor da Lei” é péssima, pois todos somos brasileiros e deve se governar a uma nação inteira de maneira democrática.

Mas tirando o direcionamento político (se é que realmente está existindo, insisto no condicional pois a informação da própria Veja ficou duvidosa quanto a quem estaria na mira do Fisco), vale discutir: quantos artistas, músicos e jogadores de futebol chamados de “celebridades”, justamente pelo grandioso apelo popular e sabedor da ostentação que costumam aparecer com certa frequência, burlam os impostos?

Será que uma devassa nesses famosos contratos de direito de imagem, ou parte PF e parte PJ, ou ainda em composições e formulações escabrosas para disfarçar a sonegação, não é necessária em geral? Incluindo-se, evidentemente, outro segmento: a dos diretores dessas emissoras, os dos cartolas de clubes e, claro, o primeiro e principal alvo: os próprios políticos!

Ou vai-se negar que há muito vereador, deputado ou secretário de governo com patrimônio incompatível com a renda do salário e sem histórico de fortuna honestamente criada?

É difícil esse país. O Brasil verdadeiramente não é para amadores, como disse certa vez Tom Jobim.

Resultado de imagem para Leão da Receita

– As novas placas dos veículos, enfim, para valer!

Arre! Depois de 6 adiamentos, as placas do “Mercosul” valerão em todo o território nacional a partir de 31 de janeiro.

Para quem não sabe como funcionará e quais cores identificarão o quê,

Em: https://istoe.com.br/novas-placas-de-veiculos-serao-obrigatorias-a-partir-de-31-de-janeiro/

NOVAS PLACAS DE VEÍCULOS SERÃO OBRIGATÓRIAS A PARTIR DE 31 DE JANEIRO

Após sucessivos adiamentos, começa a valer a partir do dia 31 de janeiro a obrigatoriedade de uso da placa do Mercosul em todos os estados do país. O prazo atende ao estipulado na Resolução nº 780/2019 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), de julho do ano passado, que determina que as unidades federativas do país devem utilizar o novo padrão de Placas de Identificação Veicular (PIV)..

Desde a decisão pela adoção da placa do Mercosul, a implantação do registro foi adiada seis vezes. A adoção do sistema de placas do Mercosul foi anunciada em 2014 e, inicialmente, deveria ter entrado em vigor em janeiro de 2016. Em razão de disputas judiciais a implantação foi adiada para 2017 e depois, adiada mais uma vez para que os órgãos estaduais de trânsito pudessem se adaptar ao novo modelo e credenciar as fabricantes das placas.

As novas placas já são utilizadas na Argentina e no Uruguai. A previsão é que em breve comecem a valer também no Paraguai e na Venezuela.

Dos 26 Estados brasileiros, já aderiram à nova PIV Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Rondônia.

NOVA PLACA

A nova placa será obrigatória apenas nos casos de primeiro emplacamento e, para quem tiver a placa antiga, no caso de mudança de município ou unidade federativa; roubo, furto, dano ou extravio da placa, e nos casos em que haja necessidade de instalação da segunda placa traseira.

A nova placa apresenta o padrão com 4 letras e 3 números, o inverso do modelo atualmente adotado no país com 3 letras e 4 números. Também muda a cor de fundo que passará a ser totalmente branca. A mudança também vai ocorrer na cor da fonte para diferenciar o tipo de veículo: preta para veículos de passeio, vermelha para veículos comerciais, azul para carros oficiais, verde para veículos em teste, dourado para os automóveis diplomáticos e prateado para os veículos de colecionadores.

Todas as placas deverão ter ainda um código de barras dinâmico do tipo Quick Response Code (QR Code) contendo números de série e acesso às informações do banco de dados do fabricante e estampador da placa. O objetivo é controlar a produção, logística, estampagem e instalação das placas nos respectivos veículos, além da verificação de autenticidade.

Resultado de imagem para NOVAS PLACAS DO MERCOSUL

– A falta de compaixão ao próximo, a inconsequência e o egoísmo: o caso do falso estupro do motorista do Uber

Repercutiu muito nesse último final de semana a notícia de que um motorista de Uber houvera estuprado uma passageira no percurso entre o Maxi Shopping Jundiaí e sua residência.

A vítima prestou queixa, mostrou peças de roupas rasgadas, teve a solidariedade das amigas e divulgou-se a foto do motorista. A prisão do homem foi decretada, acompanhada de escracho público e violência contra a família do próprio trabalhador, acusado do horrendo crime.

E não é que a Polícia conseguiu descobrir que era tudo mentira?

O motorista – um honesto e inocente trabalhador – foi vítima de uma vigarista. A jovem (que é lésbica) terminou seu relacionamento com sua namorada. Para chamar a atenção da sua ex-parceira, inventou uma situação onde foi vítima de violência sexual por parte de um homem. E sua fantasia virou realidade no mundo que criou, prejudicando deveras um pai de família.

O que fazer? Como fica o prejuízo deixado à real vítima, o motorista? As moças que divulgaram os cartazes dele pedirão desculpas na mesma proporção? A “falsa estuprada” pensou nas consequências?

Extraído de: https://jr.jor.br/2020/01/21/jovem-mentiu-sobre-estupro-de-motorista-do-uber/

JOVEM MENTIU SOBRE ESTUPRO DE MOORISTA DO APLICATIVO

Uma jovem de 18 anos, que denunciou na Polícia de Jundiaí um motorista de aplicativo pela prática de estupro, mentiu sobre as acusações.

O caso foi esclarecido pela equipe da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Jundiaí.

A jovem foi indiciada pela delegada Renata Yumi Ono por falsa comunicação de crime, denunciação caluniosa, fraude processual e vai aguardar em liberdade a decisão da Justiça.

A equipe da investigadora Lilian trabalhou muito para desvendar esse caso, porque a suposta vítima tinha “produzido” elementos para enganar a todos, como as roupas rasgadas e peças íntimas sujas de sangue e chamou uma amiga como “testemunha” de que tinha sido violentada.

Desde sábado a Delegacia da Mulher buscava provas para saber o que realmente tinha ocorrido. Até ordem de prisão contra o motorista foi expedida e amigas da jovem espalharam foto do motorista como “procurado” por estupro nas redes sociais.

Ela contou que o acusado tinha ido em frente de sua casa com um Corsa ou Celta preto e a levou para matagal, onde estuprou e fez atos libidinosos, rasgando suas roupas.

O rapaz tentou obter imagens que provavam a sua inocência. Uma das câmeras de condomínio registrou a saída dele no horário em que a moça disse ter sido estuprada. Mas a segurança informou que entregaria à polícia só com ordem da Justiça.

Graças à equipe da DDM ele pode respirar aliviado e tentar voltar ao trabalho.

“A casa caiu”

Diante de vários conflitos nas informações da jovem e nas versões dos familiares do acusado, que garantiam a inocência do motorista do Uber, a jovem foi chamada para voltar na Delegacia para novo depoimento e caiu em conflitos.

No final acabou confessando que ‘inventou’ tudo e o motorista era inocente.

O único problema real que teve com ele foi a divergência em pagamento de uma corrida até o Maxi Shopping, de R$ 15,30.

A jovem disse que inventou o estupro para chamar a atenção da namorada, porque ela a deixou.

Agora a jovem terá de aguardar a decisão da Justiça sobre o seu futuro. A família do rapaz informou ao “Jornal da Região” que pretende processar a moça, também.

Ele teve de desaparecer, porque algumas pessoas o ameaçavam.

Resultado de imagem para Mentira

– Bill Gates queria que o Brasil acabesse com a Miséria do mundo?

Repost deste blog, de 2012, quando o Brasil estava forte (aparentemente, onde nem se desconfiava da corrupção que travaria o país)!

Ter grande repercussão na mídia e estar na moda pode trazer falsas impressões.

É sabido que o Brasil é manchete no exterior pelo desenvolvimento que vivemos e situação econômica favorável em relação aos parceiros europeus neste momento. Mas, às vezes, esquecem que temos inúmeros problemas  a resolver antes de sermos protagonistas mundiais.

O bilionário Bill Gates, da Microsoft, disse que:

O Brasil precisa deixar de gastar apenas dezenas de milhões de dólares em ajuda a outros países e passar a gastar centenas de milhões: isso não é uma enorme porcentagem do PIB brasileiro”.

Nós devemos ajudar os países pobres. E quem nos ajuda?

Falsa ilusão… Bill não sabe da corrupção existente, da alta carga dos impostos, das enchentes no Sudeste e estiagem no Sul, da miséria no Nordeste, dos sem-terra de Pinheirinho…

Ou sabe?

Discurso bonito, mas demagógico!

Imagem relacionada

– Aplicar em ações carece de paciência e coragem.

A poupança é um dos investimentos mais seguros existentes, embora remunere muito mal. Aplicar em ações é uma boa, desde que você escolha a empresa certa e não tenha pressa em recuperar a aplicação.

Veja que interessante: a Spinelli Corretora de Valores (reproduzido pela Veja) divulgou as aplicações mais rentáveis desde o Plano Real. Se você aplicou R$ 100,00 na poupança, hoje você tem R$ 688,00. Mas se você usou o mesmo valor e comprou ações da Petrobras, terá R$ 5.902,00.

Porém, imbatível foi a aposta na Ambev! Abaixo:

O VALOR DA PACIÊNCIA

Aplicar a longo prazo em ações pode ser uma das mais rentáveis estratégias de investimento, proporcionando sinas consideráveis àqueles que podem esperar. Um exemplo: quem colocou 100 reais na Ambev no início do Plano Real hoje tem 11.555,00 reais.

84827508-5AB8-469C-A1F5-E53043A52729

– Quais BOs são possíveis via Internet?

Achei bem interessante e de grande utilidade pública: como registrar um boletim de ocorrência sem sair de casa, caso se sinta ameaçado, ocorra crime digital, presencie abuso contra animais, perca seus documentos pessoais ou qualquer outra situação que possa ser resolvida sem ser de maneira presencial!

Útil. Abaixo:

– Fanatismo Político: como entender tamanha cegueira?

Há 1 ano…

Uma das coisas mais incompreensíveis é: como cidadãos de bem se deixam contaminar pelo extremismo político!

Não sou Esquerdista (PT, PSOL, PCdoB), nem Direitista (PSL, PSDB, DEM), tampouco em cima do muro (PSD, PMDB, PP). Sou apartidário, mas não apolítico.

Nesta semana em que Palocci delatou que Lula recebia propina (dinheiro vivo) em caixas de uísque e que o motorista Queiroz ainda não “sarou” para explicar suas movimentações, vemos fanáticos se atacando e contra-atacando como se fosse discussão de bar, perrengue de time de futebol ou briga de rua.

Enquanto os dois lados continuam militando, pessoas resolvem acreditar que os valores incríveis de Flávio Bolsonaro foram fruto de venda de um apartamento em dinheiro vivo (com depósitos fracionados em caixa eletrônico!!!) e outras pedindo que se entregue o Prêmio Nobel da Paz a Luiz Inácio Lula da Silva!

O que está acontecendo às pessoas sensatas? Todo mundo enlouqueceu?

Pior do que tudo isso é gente jogando a culpa na imprensa, na oposição, mas teorias conspiratórias (já vi esse filme antes)… ou ainda caindo no vexame de argumentar que os valores dos escândalos atuais são pequenos em relação ao esquema que perdurou por anos.

Ora, não existe honesto ou meio honesto. Existe honesto e desonesto! Separar Flávio Bolsonaro de Jair é a mesma coisa que separar Lulinha de Luiz Inácio. Ou será que viramos uma nação de ingênuos?

À cadeia todos os que corrompem neste país, sejam eles quem forem. Ou se moraliza de verdade o Brasil, ou saíamos às ruas bater panelas. O que não precisamos nesse momento é de um “Lula de Direita” (nem o original, de Esquerda).

É tão difícil o eleitor que é traído e fica desolado assumir que está decepcionado? Por que a insistência em negar e tapar o sol com a peneira?

Acima, a brincadeira que viralizou dos #10yearschallenge, versão militantes brasileiros.

– Vanderlei Luxemburgo e a fala sobre manifestar-se sobre Política no Futebol.

Repercutiu muito pouco a fala sobre Política e Futebol de Vanderlei Luxemburgo à Folha de São Paulo logo quando foi contratado. Na oportunidade, falou sobre as críticas de Torcedores e Imprensa da relação entre o Palmeiras e o presidente Jair Bolsonaro. Ponderou muito bem o treinador, defendendo a liberdade de expressão e exaltando a necessidade de pessoas públicas se manifestarem:

“Eu não posso perder esse privilégio de ser um cidadão brasileiro dentro de uma democracia e de falar para todo mundo. Às vezes, as pessoas nos tratam de uma forma diferente. Acham que nós, pessoas públicas, deixamos de ser cidadãos.”

Em 2018, à Rádio Jovem Pan, Luxemburgo também falou sobre Política, criticando Sérgio Moro, chamando-o de “Durango Kid”, dizendo que ele “manda prender e manda matar” e que “o juiz passou por cima da Constituição”. Acrescentou que será “Lula sempre”.

Independente da opinião, contra ou a favor determinados políticos, o respeito à democracia e liberdade de expressão deve sempre existir.

Imagem relacionada

– Os aproveitadores do Bolsa-Família deixam o Programa Assistencial

Como tem malandro que se aproveita de verbas assistenciais. Num pente fino nas pessoas beneficiadas pelo Programa Bolsa Família, descobriu-se desde pessoas que possuem 3 carros (como no RJ) até um picareta que recebe mais de R$ 27.000,00 de salário (no DF).

Isso é tirar de quem precisa e na cara-de-pau se apropriar!

Extraído de: https://veja.abril.com.br/blog/radar/governo-tirou-13-milhao-de-beneficiarios-irregulares-do-bolsa-familia/

GOVERNO TIROU 1,3 MI DE BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA

Dados do Ministério da Cidadania, comandado por Osmar Terra, mostram que o governo cancelou em 2019 os benefícios de 1,3 milhão de beneficiários do Bolsa Família por irregularidades.

A retirada dessa turma, que recebia irregularmente o dinheiro que deveria ser destinado a famílias em situação precária, gerou uma economia de 1,4 bilhão de reais aos cofres do governo.

Os dados foram atualizados no fim de novembro. Mas os números globais não devem sofrer mudanças significativas.

 

Resultado de imagem para bolsa familia ricos

– As postagens das Redes Sociais lhe transformam em um agitador de maneira pejorativa?

Esse texto foi escrito há 4 anos, mas é muito atual: as coisas que você publica ou lê nas mídias transformam você (ou você transforma os outros) em radicais, fanáticos ou alienados bitolados?
Compartilho:

José Roberto de Toledo escreveu um interessante artigo no Estadão sobre como boatos se tornam verdades nas Redes Sociais e fomentar radicalmente a intolerância de quem pensa diferente. Mais: como Facebook, Twitter e outras mídias podem ser um perigo para a sociedade!

Extraído de: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,o-black-bloc-em-voce,10000006709

O BLACK BLOC EM VOCÊ

Quanto mais homogêneo o grupo, mais a falsa informação se propaga, como epidemia

Aumento de tarifa, protestos, bombas, bagunça. 2016 revive 2013. Esperar resultados diferentes de ações recorrentemente iguais e infrutíferas não define insanidade. Tampouco denota perseverança. É burrice mesmo. A falta de inteligência vem da incapacidade de a sociedade aprender com os próprios erros. Se é difícil identificar onde a espiral de equívocos começa, torna-se previsível o seu desfecho: recessão e desemprego.

A culpa é da tropa de choque, que reprime protestos com violência desmesurada? Ou culpados são os black blocs mascarados que depredam o transporte público que supostamente defendem? Mas quem começou tudo não foram os movimentos pelo passe livre nas catracas, que marcaram as manifestações? Ou seriam os prefeitos que elevaram o preço da passagem de ônibus em 30 ou 40 centavos?

Pode-se continuar regredindo nas perguntas sobre de quem é o engano original até chegarmos à política econômica que desandou em inflação e precipitou reajustes de tarifas públicas. Mas por que parar aí? Será que seus autores teriam sido eleitos sem a ajuda de quem, quando estava no poder, insistiu em uma política que, após início promissor, deu em desemprego e recessão?

E, assim, recomeçamos tudo de novo, rumo ao indefectível final.

Enquanto o círculo vicioso da economia gira, o pêndulo da política oscila de igualitários a libertários, de socialistas a liberais – até virar bate-boca no qual o único argumento é chamar o rival de petralha ou coxinha. Quando muito, cada lado pinça estatísticas que só servem aos seus interesses e – como as melhores lingeries – revelam tudo, menos o que importa.

Variações dessa metáfora são frequentemente atribuídas ao falecido ministro Roberto Campos. Mas, assim como não foi Albert Einstein quem perpetrou a falsa definição de loucura (“fazer sempre a mesma coisa esperando resultados diferentes”), tampouco Bob Fields foi o pioneiro na comparação. Seu autor foi o norte-americano Aaron Levenstein: “Statistics are like bikinis. What they reveal is suggestive, but what they conceal is vital”.

Do mesmo modo que citações equivocadas são copiadas e coladas internet afora, perpetuando mitos, o facciosismo político-partidário desbunda sempre em um frenesi acusatório no qual os acusadores dos dois lados não raramente projetam no rival seus próprios defeitos. Invariavelmente, ambos têm razão.

Nesse ponto, este texto normalmente enveredaria sobre como a política, quando deixa de ser a solução, vira o problema – e como, sem reformá-la, o País condena-se a repetir seu passado meia cura, nunca maturando todo seu potencial. Desta vez, não. Em vez de entrar no mesmo beco sem saída onde políticos profissionais legislam sempre em causa própria, talvez valha a pena olhar para a esplanada de erros de quem os elege. Ou ao menos um deles: a maneira como reforçamos nossos preconceitos.

A informação incorreta se tornou tão difundida nas mídias sociais digitais que o Fórum Econômico Mundial a considera uma das principais ameaças à sociedade humana. No mais recente artigo sobre o tema, publicado na prestigiosa revista da Academia de Ciências dos EUA, pesquisadores italianos e norte-americanos detalham como as balelas se espalham online.

Usuários do Facebook em geral tendem a escolher e compartilhar uma narrativa – a que reforça suas crenças – e ignorar todas as demais. A repetição desse hábito tende a formar agrupamentos socialmente homogêneos e polarizados que funcionam como câmaras de ressonância dos boatos. Quanto mais homogêneo o grupo, menor a resistência, e mais a falsa informação se propaga – como epidemia. Resultado: desconfiança entre diferentes e paranoia.

Cuidado com o que você compartilha. Há um black bloc em cada um, pronto a tocar fogo no circo. Ele se alimenta da segregação. Misture-se.

Resultado de imagem para fake news