– E quem não tomou vacina ainda? Pobre coitado…

Fico imaginando: se quem tomou 3 doses de vacina está sofrendo pra caramba com os efeitos da Covid (que ainda bem são minimizados), imagine quem tomou!

Taí a explicação de tantas mortes: a força do Coronavírus e o estrago das sequelas que ele faz. Sem vacina, tudo isso é potencializado (como foi no ano passado e retrasado).

Tomemos a vacina e vamos nos precaver. O danado do vírus ainda anda fazendo estragos…

Coronavírus: covid-19 não pode ser pensada só como doença respiratória, diz  epidemiologista - BBC News Brasil

Getty Images, imagem extraída de: https://www.bbc.com/portuguese/geral-52672009

– Precisamos voltar a usar máscaras!

Caramba, como os casos de COVID estão disparando! Todo cuidado é pouco, precisamos voltar a ter atenção com a prevenção.

Uma constatação: quando todos nós usávamos máscaras, nem gripe pegávamos (eu sempre me incomodei com elas, pois me sufocavam e não permitiam que eu ouvisse claramente a voz das pessoas – mas tinha que usar pois elas são necessárias).

Vamos nos proteger, pessoal!

– Crise na Indústria Automobilística.

Devido ao novo pico de COVID na China, faltam peças para a indústria de carros. Assim, como reféns de chineses que nos tornamos, falta automóvel para vender.

Pode?

Antes, as pessoas não tinham dinheiro mas havia oferta de veículos. Hoje, nem uma coisa, nem outra.

Mais fábricas podem parar e carros vão ficar mais caros, alertam especialistas

Imagem extraída de: https://autoesporte.globo.com/mercado/noticia/2021/03/mais-fabricas-podem-parar-e-carros-vao-ficar-mais-caros-alertam-especialistas.ghtml

– Histórico de atleta? Messi e os males da Covid.

Que Lionel Messi é um dos maiores craques da história mundial do futebol, ninguém duvida. Igualmente sobre sua condição de atleta exemplar e dedicado.

Eis que ele falou sobre o momento em que contraiu Covid:

“O Covid acabou comigo. Eu tive muita tosse, dores na garganta e muita febre. Fiquei com sequelas nos pulmões e passei um mês sem conseguir correr direito”.

Se com ele aconteceu isso, imagine conosco, pobres mortais!

Imagem extraída de: https://esportes.yahoo.com/messi-diz-que-real-madrid-164904247.html (Foto AFP)

– Máscaras de novo?

Durante a pandemia, apesar de me sentir incomodado e principalmente sufocado (além de não conseguir entender o que as pessoas falavam e não reconhecer alguns rostos), usava normalmente as máscaras para minha segurança contra a COVID (e para a do meu próximo também).

Quando houve a desobrigatoriedade… ufa! Que alívio. Parece ter sido uma libertação.

Ontem, fui a um consultório médico (onde se faz necessário usá-las). Puxa, que sensação ruim… parece que tudo estava de volta!

Cuidemo-nos para que a pandemia não resista. O incômodo das máscaras é muito desagradável.

– Pobre Coreia do Norte…

Com um ditador louco, paupérrimo pela insanidade de seus líderes, o povo norte-coreano sobre com a Covid. Segundo as informações não-confiáveis do Governo, é a “primeira onda”.

O que fazer? Ditaduras não contam a verdade nem se envergonham de erros…

Compartilho: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2022/05/15/lider-da-coreia-do-norte-descreve-surto-de-covid-como-grande-turbulencia-pais-registra-42-mortes.ghtml

Imagem extraída de: https://coronavirus.msf.org.br/o-que-e-covid-19/

– Os efeitos da COVID “longa”.

A imprensa divulgou uma pesquisa sobre os efeitos contínuos da COVID no brasileiro. Ou seja: quais sintomas duraram até 1 ano!

Dores de garganta, falta de paladar, insônia, mas principalmente: cansaço!

Que praga foi esse Novo Coronavírus, não?

– O lockdown na Coreia do Norte.

A ditadura comunista norte-coreana sempre negou a Covid-19 por lá. E, agora, oficialmente admitiu e decretou lockdown.

Como é um lugar extremamente fechado, ninguém sabe as verdades que acontecem lá. Mas cá entre nós: para tomarem tal decisão, é porque a coisa deve estar bem feia mesmo…

Enquanto o mundo parece se livrar disso, em alguns países (inclua-se a China) o pesadelo persiste.

– Que logo deixemos de usarmos as máscaras…

Vamos torcer para que essa realidade (da imagem abaixo), em breve, se concretize. Correto?

Que possamos dizer um para o outro: “lembra do tempo quando tivemos que viver usando máscaras e sem podermos nos abraçar”?

Que esse período acabe e nunca mais ocorra

Imagem

– O desrespeito no Concurso Público da Petrobrás, em plena Pandemia.

Prestei concurso público para vagas na Petrobrás neste domingo, e fiquei decepcionado com o que vi!

Meu local de prova foi o Câmpus Anhembi Morumbi, na Moóca, e estavam lotadas as ruas periféricas. Custa abrir a instituição com antecedência?

Como a entrada era por turma (a minha, das 13h às 13h15, sendo a prova às 14h), imaginei que existiriam cuidados preventivos contra a Covid. Neca! NINGUÉM pediu comprovante de vacinação em momento algum. Quem não estava vacinado, entrou normalmente. E se assintomático, passou Covid para outros…

Na sala 42085, que era a que eu estava, não abriam as janelas por conta de uma reforma no prédio. Não havia ar-condicionado e dois ventiladores tentavam suprir a demanda – e isso não é bom, pois o ambiente precisa ser arejado para se evitar Covid.

Por mais que as atenciosas fiscais Camila e Janólia pudessem nos ajudar em algo, o que poderiam fazer para resolver essa questão? Nada!

Pior: as carteiras (80 pessoas por sala) estavam uma atrás da outra, “grudadinhas”, sem distanciamento social algum. Um crime contra qualquer medida preventiva… Por quê tanta gente numa sala quente e apertada, sem ventilação natural para não correr o risco de contrair Covid?

Alguém teria que ser responsabilizado, não sei se o Cebraspe (organizador), a Anhembi-Morumbi ou a Petrobrás. Foi ridículo.

Petrobras (PETR4): Turma do STF forma maioria para anular caso trabalhista  bilionário contra a estatal - InfoMoney

Imagem extraída de: https://www.infomoney.com.br/mercados/petrobras-petr4-turma-do-stf-forma-maioria-para-anular-caso-trabalhista-bilionario-contra-a-estatal/

– Covid: a coisa não está fácil… Mas há medidas preventivas!

O que vejo de pessoas que contraíram Covid… não está fácil! Mas observo também algumas coisas que me impressionam: em Bragança Paulista, fui abastecer o carro e desci para ir à uma Loja de Conveniência. Uma moça de lá me abordou e pediu o comprovante de vacinação para comprar uma garrafa de água e um sorvete!

Exagero?

Talvez não. Ela está cumprindo o papel dela, a Prefeitura (que exige) idem e por aí vai. Quem se vacina também está ajudando a diminuir os números ou minimizar os males.

O problema é: quem aglomera, se descuida ou faz troça de tudo isso… Que acabe logo essa pandemia, se não todos nós enlouquecemos…

Entenda a diferença entre Coronavírus, Covid-19 e Novo Coronavírus —  Português (Brasil)

Imagem extraída de: https://www.gov.br/pt-br/noticias/saude-e-vigilancia-sanitaria/2020/03/entenda-a-diferenca-entre-coronavirus-covid-19-e-novo-coronavirus

– Mais de 1000 óbitos diários por Covid. Não vamos bobear com a prevenção!

E o Brasil voltou a ter mais de 1000 mortes de Covid por dia…

O que dizer?

Defender a vacinação, o uso de máscaras e álcool gel, além do necessário distanciamento social. Se as pessoas não tivessem se vacinado, imagine que número absurdo teríamos de óbitos!

Que acabe logo a pandemia, ninguém aguenta mais.

Covid-19: mapa mostra transmissão 'extremamente alta' em todo o Brasil

Imagem: iStock, de Uol.com: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/bbc/2021/06/11/covid-19-mapa-mostra-transmissao-extremamente-alta-em-quase-todo-o-brasil.htm

– O que leva alguém a disseminar discórdia na sociedade?

O que leva uma pessoa a alugar um carro de som e fazer chantagem emocional contra as pessoas, usando a vacina como mote?

Será que, de tanto ouvir bobagens, muitos acreditam e resolvem comprar ideias, tornando-se militantes delas?

Um artigo sobre isso, extraído de Folha de São Paulo, ed 31/01/2022, pg 3

A BANALIZAÇÃO DA MENTIRA

Por Ana Cristina Rosa

Já se perguntou o quanto um ato corriqueiro pode estar impregnado de vilania e perversidade? Em meio ao agravamento da pandemia no Brasil, não bastasse a ausência de uma campanha oficial de esclarecimento, um empresário gaúcho resolveu pagar para prestar um desserviço público. Colocou dois carros de som a fazer propaganda antivacinação infantil contra a Covid em Novo Hamburgo.

Dos alto-falantes, ouvia-se: “Atenção, pais. Nós todos temos o dever de saber que não é obrigatória a vacina experimental em nossos filhos. (…) E os fabricantes não garantem a eficácia (…). A escolha é sua, pai!”. Mentiras deslavadas.

Entidades científicas mundo afora já atestaram que os imunizantes aplicados contra o coronavírus no país são seguros e eficazes. Além disso, o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê a obrigatoriedade da vacinação nos casos recomendados por autoridades sanitárias.

Vacinas são a melhor arma para preservar vidas frente à pandemia. Tanto que a maioria dos casos graves e das mortes pela variante ômicron têm ocorrido entre quem não tomou o imunizante ou não completou o esquema vacinal.

A Covid-19 está entre as dez principais causas de mortalidade infantil segundo o Ministério da Saúde. Matou mais de 1.500 crianças e causou 2.400 casos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica no Brasil. Há estimativas que apontam números superiores.

Diante dos fatos e na ausência de uma campanha oficial de esclarecimento, é aterrorizante que para algumas figuras públicas o perfil do dito “cidadão do bem” corresponda ao de disseminadores de mentiras com potencial letal. Nas redes sociais, teve deputado federal apoiando e qualificando o empresário como “patriota”.

Num cenário de agravamento da pandemia, quem espalha fake news antivacina ameaça a saúde pública, em tese pode responder por apologia ao crime (infração de medida sanitária preventiva) e jamais deveria ser tomado como modelo de cidadão que ama a pátria.

Terceira dose de outra vacina após CoronaVac oferece reforço maior -  24/01/2022 - UOL VivaBem

Imagem extraída de: https://www.uol.com.br/vivabem/reuters/2022/01/24/terceira-dose-de-outra-vacina-apos-coronavac-oferece-reforco-maior.htm

– Tomei a 3a dose da Vacina. Tome você também!

Hoje tomei a dose de reforço da vacina contra a Covid (3a dose), essa praga que tanto está nos maltratando.

É sabido que as vacinas foram criadas basicamente para o Sars-Cov-2 e para a variante Beta. Conforme surgiram outras, a imunização diminuiu e novas doses foram necessárias. Agora, com a Ômicron, há a maior necessidade de vacinas e/ou uma nova formulação. E será assim se surgir uma nova variante (afinal, como qualquer vírus, até a erradicação, ele vai mudando).

As vacinas não são magia: são medicamentos preventivos, criados com alta tecnologia e muito investimento. Há 50 anos, por exemplo, alguém fazia um teste e viajava para o Exterior para comparar amostras, já que não existia fax, celular ou internet. Um confronto de ideias e pesquisas demorava meses e era presencial; hoje, minutos! Por isso, esqueça a bobagem de que uma vacina segura levaria “anos” (nunca tivemos tanta gente mobilizada e tanto conhecimento dispensado on-line para elas).

Vacine-se! Com maior imunização, tornamo-nos mais resistentes ao Covid e sentiremos poucos efeitos, caso sejamos contaminados. E continuemos com as medidas preventivas (distanciando-nos, usando máscaras e álcool gel), já que embora estejamos protegidos, a carga viral permanece e ainda assim somos vetores de transmissãoalgo que é perigosíssimo para aqueles que insistem em não se vacinarem.

– Não é hora de ser mais rigoroso com os protocolos nas arquibancadas de futebol?

Estamos vivendo uma nova onde de contágio de Covid por conta da variante Ômicron. E se você observar atentamente, muitos comércios estão com funcionários afastados, empresas aéreas com tripulação comprometida e outros problemas no dia-a-dia, tudo fruto de mão-de-obra em quarentena.

Nos estádios de futebol os jogadores, árbitros e imprensa estão sendo bastante cobrados. Mas nas arquibancadas… o torcedor parece não estar “nem aí”.

Neste final de semana, um idiota entrou dentro do estádio em Pernambuco e se “gabou” de estar positivado com Covid, e de lá mesmo postou nas Redes Sociais! O sujeito foi preso no dia seguinte.

Para quem frequentou os estádios logo após a liberação parcial de torcedores, viu um rigor bem grande no acesso. Agora, a coisa “afrouxou”. Nem todas as pessoas têm seus comprovantes de vacinação conferidos (e isso vale para cinema e teatro), e o uso de máscara somente fica na bilheteria e na catraca. Sabendo-se que a principal causa de contaminação é por perdigotos (gotículas da saliva), imagine quando há gritos de gol, xingamentos e outros momentos passionais?

Lembrando sempre: as vacinas, tão necessárias, aumentam a nossa imunidade, mas não impedem que sejamos vetores de disseminação. Dessa forma, a responsabilidade do torcedor em não se aglomerar, estar em dia com as doses do imunizante e principalmente, usar máscaras, é importante.

Não vemos nada disso na prática. Todo mundo se abraçando, esbravejando, comemorando e “cuspindo involuntariamente” durante o jogo. Aliás, existe até a incoerência da PM em não permitir a entrada com álcool gel nos estádios!

Com dor no coração, eu penso que, neste momento, deveria-se proibir a presença de público, até uma campanha realmente educativa acontecer, somando-se às práticas de prevenção efetivas.

E você, o que pensa sobre isso? Deixe seu comentário:

Jogar ou não jogar, eis a questão – DW – 28/04/2020

Imagem extraída de: https://www.dw.com/pt-br/jogar-ou-não-jogar-eis-a-questão/a-53266579

– O Carnaval é adiado em SP e no RJ.

E para a tristeza dos foliões, não teve jeito: os Carnavais de SP e RJ foram adiados para o feriado prolongado de Tiradentes.

Cá entre nós: com a variante Ômicron avançando, não tinha muito o que fazer. A questão é: e outras atividades, como o futebol? Vai esperar até quando para tirar a torcida das arquibancadas?

Falamos sobre isso em: https://professorrafaelporcari.com/2022/01/13/torcidas-de-futebol-e-covid/

Sambódromo do Anhembi, em São Paulo - Simon Plestenjak/UOL

Imagem de: Simon Plestenjak/UOL, extraída de: https://www.uol.com.br/carnaval/noticias/redacao/2022/01/21/carnaval-adiado.htm

 

– Precisa ter torcida para o Choque-Rei da Copinha?

Considerando o histórico de brigas entre torcedores são paulinos e palmeirenses,

Considerando a tragédia da Supercopa São Paulo de Futebol Jr em 1995 envolvendo as duas equipes, com batalha campal e falecimento de cidadão,

Considerando que com a tecnologia as torcidas marcam pela Internet seus confrontos antecipadamente (mesmo sendo jogo de torcida única presencial),

Considerando que estamos em pandemia e a variante Ômicron se alastra como nunca,

Considerando que o Governo Estadual está reduzindo a capacidade dos estádios para 70% (e que isso não impede aglomerações),

Considerando que o jogo será à noite e com transmissão pela TV e pela Internet,

– Considerando tudo isso… 

Por quê não se realiza esse jogo tão visado com os portões fechados?

Com violência e COVID à espreita deste Choque-Rei Sub 20, que as autoridades se antecipem e tomem as providências para não termos brigas e nem contaminação. 

Quartas de final da Copa São Paulo tem duelos definidos; veja | copa SP de  futebol júnior | ge

Foto: Divulgação FPF. Imagem extraída de: https://ge.globo.com/sp/campinas-e-regiao/futebol/copa-sp-de-futebol-junior/noticia/quartas-de-final-da-copinha-tem-os-quatro-duelos-definidos-veja.ghtml

– A técnica de Espectrometria de Massas que acabaria com as filas para a testagem de Covid-19.

Já abordamos o quão está difícil realizar testes para detectar Covid. Acabaram os kits de testagem e tanto as redes particular e pública estão sobrecarregadas. 

Falamos, inclusive, de uma técnica revolucionária que em menos de 1 minuto poderia dar o diagnóstico, ao custo de aproximadamente R$ 5,00. Ela ajudaria a acabar com essa demora. Aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/01/13/como-diminuir-a-fila-para-diagnostico-de-covid-um-teste-novo-revolucionario-e-barato/

Abaixo, o link da entrevista da Profa Dra Andréia Porcari à TV Alesp explicando como isso funcionaria. Em: https://youtu.be/W7PAPeZ7YLc

– Como diminuir a fila para diagnóstico de Covid? Um teste novo, revolucionário e barato.

Nesta semana, falamos sobre um bem sucedido novo teste para detecção de Covid que pode revolucionar o combate contra a doença na pandemia. O método, através da espectrometria de massas, custaria aproximadamente US$ 1.00 e permitira a precisão do resultado em até 45 segundos. Tudo produzido por cientistas da USF (Universidade São Francisco, em Bragança Paulista), UPM (Universidade Presbiteriana Mackenzie) e UT (Universidade do Texas, em Austin – EUA).

Caso não tenha lido, compartilho sobre a história e as pesquisas dele no link em: https://professorrafaelporcari.com/2022/01/11/pesquisa-brasileira-ajudando-a-sociedade-um-novo-teste-barato-e-rapido-para-diagnosticar-covid/

Pois bem: a publicação dessa matéria em uma importante revista internacional alavancou a curiosidade sobre ele. No Brasil, a FAPESP (que foi uma das financiadoras desse trabalho) deu enorme destaque à descoberta. Tudo isso levou a importantes órgãos de imprensa a fazerem matérias sobre ele (Veja.com, CNN Brasil, Revista Saúde, G1.com, Portal R7, TV Cultura e TV Alesp, entre outros). A Rede Globo, inclusive, levará aos seus telejornais na próxima 6a feira uma reportagem exclusiva com os envolvidos (e orgulhosamente incluo aqui a Profa Dra Andréia de Melo Porcari, minha esposa, que coordena os trabalhos na USF).

A questão é: algo tão moderno e importante, necessário e urgente, levará quanto tempo para chegar a população?

Eis o problema… faltam testes para Covid no Brasil, devido ao alto contágio da variante Ômicron. Alguns hospitais e pronto-socorros pedem para que o teste seja feito somente em caso de emergência, devido a alta demanda. E tal método ajudaria muito a diminuir as filas e a espera nas instituições de saúde. Porém:

  • Grandes laboratórios e farmacêuticas precisam ter interesse na utilização de tal metodologia, a fim da ANVISA aprová-la o mais breve possível. Claro, cairemos na questão dos interesses: vender testes a R$ 170,00 / cada ou promover uma testagem em massa que custaria R$ 5,60 em média para o indivíduo será interessante para as empresas?
  • Universidades geram conhecimento, elas não colocam produtos para vender. Assim, elas precisam de parceiros para que seu fruto se torne usual. Cientistas não ganham dinheiro com isso, mas sim reconhecimento na comunidade científica. Assim, é necessário que alguém banque a produção.
  • O Governo Federal, através do Ministério da Saúde, poderia comprar os equipamentos e instalar nas instituições de saúde. Aliás com as verbas bilionárias ao Fundão Eleitoral, se remanejadas para a Saúde, seria um dinheiro melhor investido…

Que apareça alguém que possa ajudar a pesquisa brasileira neste momento tão delicado que voltamos a viver na pandemia. Por ora, é necessário que usemos máscaras, álcool gel, mantenhamos distanciamento e nos vacinemos (sempre lembrando: as vacinas não nos tornam “super-homens”, mas aumentam a nossa imunização para que não sintamos os efeitos graves da Covid, dificultando – mas não impedindo – a transmissibilidade.

Baixar Vetor De Desenhos Animados Do Planet Earth Coronavirus

Imagem extraída de: https://br.vexels.com/vetores/previsualizar/192973/desenhos-animados-do-planet-earth-coronavirus

– Torcidas de futebol e Covid.

Começou com os clubes de futebol da Alemanha e da França, logo na primeira onda da pandemia de Covid-19: o oferecimento de seus estádios como Hospitais de Campanha.

Pouquíssimos foram usados, é verdade (como o Pacaembu, por exemplo). Tal fato foi repetido (a oferta) aqui no Brasil também.

A atitude das instituições esportivas foi louvável, não se discuta. Na segunda onda, as mesmas entidades ofereceram suas instalações como Postos de Vacinação.

Aqui, aplausos para quem se dispôs de verdade a ceder seu espaço de maneira nobre e solidária, praticando o “marketing do bem” 

Agora…

Os estádios de futebol terão a capacidade reduzida para 70% de sua ocupação. Mas você tem frequentado eles?

Nestes últimos dias, estive in loco comentando jogos no Estádio Jayme Cintra na Copa São Paulo de Futebol Jrs. E me assustei com o que vi: as pessoas adentram aos estádios passando por corredores lotados, se raspando / relando / encostando e aglomerando. Durante as partidas, esquece-se as máscaras e tudo volta ao “normal”, como se não existisse pandemia. Nas cabines da imprensa, há os protocolos sendo cumpridos, mas como exigir o mesmo da grande massa? 

E na hora do gol? É gente se abraçando, beijando, lançando perdigotos para todos os lados.

ATENÇÃO: estar vacinado não é tornar-se um”super-homem”, blindado, imune ao novo coronavírus e que não transmite nada para as pessoas. As vacinas são necessárias (indispensáveis) para que tenhamos maior resistência à Covid. Com elas, os efeitos são minimizados. Sem elas, a coisa é grave. Porém, a alta taxa de contágio (as pessoas imunizadas não sentem os efeitos do vírus ou os têm minimizados, mas o carregam por dias e podem contaminar outras) faz com que nos perguntemos: não é hora de restringir um pouco mais as torcidas, movidas pela paixão e que não ficarão isoladas em seu canto aplaudindo quando seu time faz um gol?

Pensemos nisso.

Os estádios que viraram hospitais de campanha na luta contra o coronavírus  | VEJA

Imagem de Nelson Almeida/HULU, extraída de: https://placar.abril.com.br/placar/confira-os-estadios-que-viraram-hospitais-de-campanha-contra-o-coronavirus/

– Pesquisa brasileira ajudando a sociedade: um novo teste (barato e rápido) para diagnosticar Covid.

Já imaginou um teste para detecção de Covid-19 com excelente confiança no diagnóstico, a baixíssimo custo, com apenas 45 segundos para sua realização, desenvolvido por pesquisadores brasileiros?

Pois bem: é isso que a equipe das Professoras Dras Lívia Eberlin (Universidade do Texas, Austin – EUA) e Andréia de Melo Porcari (Universidade São Francisco, Bragança Paulista – Brasil) conseguiram através da técnica de Espectrometria de Massas, adaptando um projeto inovador bem sucedido para diagnosticar câncer com a “Caneta” MasSpec Pen, visando outro mal: o Sars-Cov-2.

A FAPESP reportou essa iniciativa em: https://agencia.fapesp.br/novo-metodo-detecta-sars-cov-2-diretamente-em-cotonetes-nasais/37663/

NOVO MÉTODO DETECTA SARS-COV-2 DIRETAMENTE DE SWABS

Por Elton Alisson | Agência FAPESP

Pesquisadores da Universidade São Francisco (USF), em colaboração com colegas da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos, e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, desenvolveram uma tecnologia que permite detectar em menos de um minuto o SARS-CoV-2 diretamente de swabs (cotonetes) nasais, empregados para coletar amostras de secreções nasofaríngeas para a realização de teste para diagnóstico de COVID-19.

O sistema, desenvolvido por meio de projeto apoiado pela FAPESP, foi descrito em um artigo publicado na revista Analytical Chemistry.

“O novo método permite a análise direta de swabs e a obtenção do resultado em 45 segundos. Dessa forma, possibilita a triagem rápida de pacientes com COVID-19”, diz  Andréia de Melo Porcari, professora da USF e uma das coordenadoras do projeto.

Coleta de moléculas biológicas

A tecnologia é derivada de um sistema de detecção e diagnóstico de câncer desenvolvido pela pesquisadora brasileira Lívia Eberlin na Universidade do Texas em Austin, baseado em espectrometria de massa – técnica que permite discriminar substâncias em amostras biológicas de acordo com a massa molecular.

Batizado de MasSpec Pen, o método utiliza um dispositivo feito de plástico, na forma de uma caneta e esterilizável, para coletar moléculas biológicas da superfície de uma amostra de tecido.

A “tinta” da caneta é composta por água, utilizada como solvente para extrair moléculas de uma superfície de amostra de tecido, que são transportadas para um espectrômetro de massa para serem analisadas. Com base em algoritmos de aprendizado de máquina e modelos estatísticos o sistema é capaz de indicar se a amostra de tecido analisada contém células cancerosas.

“Basta a caneta só tocar o tecido para a água contida na ponta do dispositivo extrair as moléculas para análise”, afirma Eberlin.

Resultados de estudos clínicos iniciais indicaram que o sistema foi capaz de distinguir vários tecidos cancerígenos, incluindo tecidos tumorais de tireoide, mama, pulmão e ovário, de seus equivalentes normais com uma precisão geral de 96,3%.

“A ideia é que o sistema ajude os patologistas e cirurgiões a identificar mais rapidamente tecidos cancerígenos e tomar decisões mais precisas de tratamento”, diz Eberlin.

Detecção do SARS-CoV-2

Com o surgimento da pandemia de COVID-19, os pesquisadores tiveram a ideia de adaptar a tecnologia para detectar o SARS-CoV-2 diretamente nos esfregaços nasofaríngeos coletados por meio de swabs. Para isso, foram necessárias adaptações no design e nos solventes da caneta.

Como o dispositivo só toca uma superfície pequena de uma amostra de  tecido e o material coletado por meio de swabs fica disperso, os pesquisadores decidiram inverter a caneta para que o cotonete nasal pudesse ser introduzido inteiramente em uma câmara – como o invólucro de uma caneta.

No interior da câmara, o swab entra em contato com uma pequena concentração de clorofórmio-metanol, usado como solvente para extrair as moléculas das secreções nasofaríngeas. As moléculas são sugadas por um orifício na câmara para um espectrômetro de massas para análise e identificação da presença de lipídeos que servem como marcadores para indicar se há ou não o vírus na amostra.

“Todo esse processo dura menos de um minuto, incluindo a análise. É um ciclo muito rápido, com etapas operacionais mínimas e sem a necessidade de uso de nenhum reagente especializado”, avalia Porcari.

Validação da tecnologia

Para validar o método, foram analisados inicialmente swabs nasofaríngeos de 244 pacientes atendidos no Hospital Bragantino e no Complexo Hospitalar Santa Casa Bragança Paulista, no interior paulista, no início da pandemia de COVID-19.

Com base nas análises, foi possível identificar os perfis lipídicos desses pacientes e gerar classificadores estatísticos para distinguir indivíduos sintomáticos positivos, sintomáticos negativos e assintomáticos negativos.

Os resultados do estudo indicaram que os perfis lipídicos detectados diretamente de esfregaços nasofaríngeos usando o novo método permitem a triagem rápida de pacientes com COVID-19.

“Esse novo método de análise de swabs pode ser adaptado para detecção de muitas outras infecções virais e bacterianas e para realização de exames como o papanicolau [para prevenção de câncer de colo de útero]”, afirma Eberlin.

Os pesquisadores pretendem realizar agora uma validação interlaboratorial em parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie.

A ideia é demonstrar com amostras independentes que esse novo método de análise é válido, independentemente dos laboratórios, equipamentos e dos analistas que realizam o teste”, explica Porcari.

O artigo “Rapid screening of COVID-19 directly from clinical nasopharyngeal swabs using the MasSpec Pen” (DOI: 10.1021/acs.analchem.1c01937), de Kyana Y. Garza, Alex Ap. Rosini Silva, Jonas R. Rosa, Michael F. Keating, Sydney C. Povilaitis, Meredith Spradlin, Pedro H. Godoy Sanches, Alexandre Varão Moura, Junier Marrero Gutierrez, John Q. Lin, Jialing Zhang, Rachel J. DeHoog, Alena Bensussan, Sunil Badal, Danilo Cardoso de Oliveira, Pedro Henrique Dias Garcia, Lisamara Dias de Oliveira Negrini, Marcia Ap. Antonio, Thiago C. Canevari, Marcos N. Eberlin, Robert Tibshirani, Livia S. Eberlin e Andreia M. Porcari, pode ser lido na revista Analytical Chemistry em https://pubs.acs.org/doi/10.1021/acs.analchem.1c01937?ref=pdf&

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

– E as faltas ao trabalho por conta de Covid e Gripe Influenza? Fique atento aos sintomas:

Leio que a Latam cancelou quase 50 voos por falta de pilotos e tripulação (afastados por Covid ou Influenza).

Fui trocar o óleo do meu carro e tive que esperar muito tempo por falta de funcionários: 2 com Covid e 2 com Gripe, no estabelecimento que fui.

No Posto de Gasolina que abasteço, um frentista que fiz amizade está afastado por Gripe. No Mercadinho, a moça do caixa pegou Covid. E por aí vai…

Indubitavelmente, são dias de alerta…

Telessaúde São Paulo - Unifesp - Covid-19, gripe e o resfriado.

Imagem extraída de: Unifesp