– Futebol Esporte Show: o ótimo programa esportivo!

Ô saudade deste baita programa!!! Gravávamos cedinho para ir no ar na hora do almoço.

Felizmente, repaginado, temos-o de volta com o próprio Marcel Capretz, que é competentíssimo no comando (consulte os dias e o horário atuais).

Assistam, vale a pena!

Imagem

– 50 anos de Spectreman!

Estamos envelhecendo mesmo! Não é que há exatos 50 anos começava a produção do seriado Spectreman?

Hoje, quem assistir, achará bizarro. Mas para as crianças daquela época como eu… era sensacional vê-lo contra o terrível Dr Gori!

Extraído do HistoryChannel Brasil:

50 ANOS DE SPECTREMAN

No dia 2 de janeiro de 1971 teve início a produção original do seriado Spectreman, uma série de televisão japonesa de ficção-científica. Sua produção seguiu até 25 de março de 1972, totalizando 63 episódios. No Brasil, a produção foi ao ar entre os anos de 1981 a 1982 pela Rede Record. Entre 1983 e 1990, a série foi transmitida pelo SBT.
A trama do seriado é em torno da luta do androide Spectreman contra o cientista Gori e seu auxiliar, Karas — ambos homens-macaco. Fora as batalhas do bem contra o mal, Spectreman também abordava questões relacionadas aos problemas causados pela poluição.

– Feliz Aniversário, Silvio Santos!

Hoje é aniversário de um ícone da TV Brasileira: 90 anos de Senor Abravanel, o Sílvio Santos, que continua firme e forte na TV.

Mas… e se ele tivesse concorrido à Presidência da República em 1990 e vencido? Lembram-se do episódio? E o Brasil escolheu Collor… (inclusive eu, enganado pelo discurso de país moderno e honesto pelo Caçador de Marajás!).

A questão é: já repararam que quem se torna presidente envelhece rapidamente? Repare no FHC e no Lula, na posse e no encerramento dos mandatos: abatidos, cansados, envelhecidos não só logicamente pela idade.

Será que Sílvio Santos teria pique para seus programas?

bomba.jpg

– Yara Flor, a nova Mulher Maravilha, é uma índia do Brasil

A próxima Mulher Maravilha da DC será uma amazona do… Amazonas!

Yara Flor, brasileira, será a nova Wonder Woman para os personagens do futuro. É uma tendência cada vez maior a inclusão de outros padrões diferentes dos originais para reboot ou novas histórias.

Aqui: https://www.correiodopovo.com.br/arteagenda/yara-flor-a-nova-mulher-maravilha-da-dc-é-brasileira-1.500853

A NOVA MULHER MARAVILHA É BRASILEIRA

Personagem vai integrar a série de histórias ‘Future State’, que une figuras clássicas e estreantes

Os quadrinhos DC anunciaram na quinta-feira, 15, uma nova Mulher-Maravilha, a brasileira Yara Flor. A personagem foi celebrada pelo editor do grupo de Superman, Jamie S. Rich. “Ela é do Brasil, mas é imigrante nos Estados Unidos”, afirmou durante o anúncio.

Segundo o editor, a personagem será diferente de Diana Prince. A famosa amazona é uma deusa, diferente de Yara que vai oferecer um caminho de volta às origens de uma super-heroína. “Esta é uma chance de voltar a uma das raízes antigas da Mulher-Maravilha, na qual Diana tentava ser uma humana e aprender como ser humana. Agora vamos na direção oposta – como uma humana aprende a ser uma deusa?”

Em agosto a DC publicou Wonder Woman Annual #4 com uma nova tribo de amazonas, descoberta no Brasil. Yara vai integrar a série Future State, que começa em janeiro do ano que vem na DC e deve durar dois meses, unindo personagens clássicos e novos.

No cinema

Aqui são só recordes. O filme Mulher Maravilha, estrelado por Gal Gadot, é o primeiro filme dirigido por uma mulher, a cineasta Patty Jenkins, a ter um orçamento maior que 100 milhões de dólares.

Na época, a diretora recebeu a notícia e festejou no Twitter. “Não poderia ter conseguido sem você. Sem todas vocês. Estou honrada em ser parte disso.”

Em sua estreia, no começo de junho, se tornou também, a melhor estreia para um filme com uma mulher na direção. Agora, Jenkins assegura para si e para o longa mais um recorde. Para viver a super-heroína, a atriz Gal Gadot usou experiência no exército israelense para compor sua Mulher Maravilha.

Conheça Yara Flor, a nova Mulher-Maravilha brasileira nas HQs da DC Comics  - Canaltech

– Diana e Roma: as menininhas enlouquecem!

Uma “série da vida real”: Diana and Roma, ou Diana, e agora, Diana Show PRT – um quase reality show com uma menina que começou bebê e já é uma criança grande.

assistiram esse programa infantil?

Uma menina e seu amigo vivem situações bobinhas, divertidas e bem infantis do cotidiano. Nada de produção cara, apenas o quarto e às vezes outros ambientes das crianças.

Inocente, sem malícia, mas a minha filha mais nova ama! Aliás, ela e tantas outras na faixa dos 3 anos de idade…

Diana And Roma Wallpapers - Wallpaper Cave

 

– WandaVision e seu primeiro trailer!

Oficialmente, a Disney divulgou o clipe de “Feiticeira Escarlate e Visão” (WandaVision), a série que será um gancho, segundo especulações, para o filme “Dr Estranho 2”.

Muito bem feito, com caracterizações dos heróis em seus modelos antigos nos quadrinhos, supondo que a trama se passe hipoteticamente dentro da cabeça da protagonista, que houvera enlouquecido.

Se tudo isso for confirmado… uau!

Assista em: https://youtu.be/-YNwtAMOjjI

– A Globo sem F1 não perderá muita coisa.

Minha geração começou a conhecer a Fórmula 1 com o grande Nelson Piquet, e recordava com paixão Emerson Fittipaldi. Chegou ao êxtase na época de Ayrton Senna e torceu para Barrichelo, Massa ou algum brasileiro que surgisse.

Talvez eu não gostasse de Automobilismo, mas de torcer. Acho que não dá corrida em si, mas de ouvir o Hino Nacional no pódio com um brazuca carregando a Taça.

Eis que depois de 50 anos, a Rede Globo deixará de transmitir a F1. Faz parte, pois tudo é cíclico nos negócios e nos esportes. A audiência é baixa e, deixará saudade, cá entre nós, aos verdadeiros amantes do esporte a motor. Quem torcia somente para pilotos nacionais, já faz tempo que deixou de assistir.

Globo oficializa que não terá Fórmula 1 na sua grade em 2021 - MKT Esportivo

– Ô saudade…

Devido a pandemia, muitas coisas deixam de ser feitas. Comentar jogos de futebol, pela Rádio Difusora, no Time Forte do Esporte do Adilson Freddo, é algo que me faz falta. Com a série A3 parada, estamos no aguardo da volta das transmissões… afinal, não há nada melhor do que um futebol ao vivo, in loco, fazendo o que se gosta:

De fato, o esporte nos deixa sempre “de bem com a vida”. Outra saudade é o (agora extinto) programa “Futebol Esporte Show”, pelas retransmissoras do Interior Paulista do SBT, com Marcel Capretz (hoje na 105FM e Fox Sports) e Andressa Pavani:

Cá entre nós e que ninguém nos ouça: sem saudade alguma da minha “barriguinha”… kk Tô em forma de novo, amigos.

– #tbt 2: Futebol Esporte Show: contamos com sua audiência!

Há 4 anos, uma ótima recordação:

E hoje tem Futebol Esporte Show! Com Marcel Capretz, Matias Souza e Rafael Porcari.

Aqui, no SBT – Vtv e TvSorocaba. Tudo sobre o Futebol Nacional e Internacional, além dos times da região. Prestigie!

Campinas e Região: 12h15
Baixada Santista: 13h00
Sorocaba / Jundiaí e Região: 13h15.

image

– O apaixonado por Simpsons!

Nos EUA, um cidadão (e provavelmente bem afortunado) aficcionado pelo desenho “The Simpsons” reproduziu sua casa exatamente como a da família de Springfield!

Cá entre nós: ficou perfeita. Só faltou o carro cor-de-rosa (ou estaria dentro da garagem?).

Cada um com sua mania…

– Fluminense x Flamengo: o torcedor do Fla vai assistir na Tv do Flu?

Nesta briga entre os direitos de transmissão dos jogos do Campeonato Carioca, motivada pelo Flamengo, um novo capítulo: pelo desinteresse da Rede Globo no FlaFlu desta 4a feira, com o mando do Fluminense e o anúncio de que o jogo vai passar pela Flu TV, o torcedor do Flamengo (que inicialmente vibrou com a transmissão da Fla TV no “primeiro jogo independente do Mengão via Web”) terá que torcer para o seu time no canal do rival?

Aliás, ficaremos apenas no imaginário: como medir a quantidade de torcedores do Tricolor Carioca e do Mengão, para saber quem deu mais audiência?

Certamente, se a exibição do jogo quebrar algum recorde de acessos na Internet, alguém dirá que isso aconteceu por conta da torcida adversária. Seria possível, na prática?

Na prática, óbvio. Aguardemos se não surge uma TV aberta de última hora.

 

 

– O “Flamengo 2×0 Boa Vista” no Maracanã (exclusivamente pela FlaTV) valeu a pena financeiramente?

Coisas que eu não entendo e vale o debate:

1 – Quanto custa o gigantesco Maracanã para se realizar uma partida de futebol sem público?

2- Por quê o Flamengo joga no Maracanã como Mandante e também como Visitante no Campeonato Carioca (considerando que Vasco não joga contra seus adversários mandantes em São Januário, nem o Botafogo no Nilton Santos ou o Fluminense nas Laranjeiras, se desejassem)?

3- O dinheiro que não recebeu da Rede Globo pela transmissão, se comparado com a receita da sua própria geração pela Internet, não fará falta? Ou seja: deu lucro o jogo de ontem ?

4- A longo prazo, o modelo adotado pelo Mengão, compensará?

Como se vê, as duas questões: ética (quanto ao campeonato) e financeira (quanto aos direitos de transmissão) renderão assunto…

Recurso da Globo é registrado, e decisão pode vetar transmissão na ...

 

– A nova medida provisória desta semana ajuda ou prejudica o Galo?

No que a medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, sobre os direitos de transmissão de futebol afeta ou não o Paulista FC?

Muita coisa! Vamos lá: uma MP é uma lei temporária determinada pelo Presidente da República, e tem validade de 60 dias, sendo prorrogável por mais 60. Para que seja uma lei definitiva, o Congresso deve aprová-la neste prazo. Se não o fizer, ela deixa de valer (embora os contratos assinados neste período se mantenham válidos).

Dizem (aí é questão de confirmar ou não) que o Flamengo, que está brigado com a Rede Globo, fez o lobby para essa assinatura, sendo possível para o Rubro Negro oferecer seus jogos com exclusividade à TV Record e em tese ganhar mais dinheiro. Mas como isso pode ser boataria, deixemos de lado e vamos à prática:

Na série A3, como o Paulista não tem contrato de transmissão com nenhuma emissora (diferente da maior parte dos clubes do Brasileirão 2020 da A1, que devem cumprir seus compromissos com a Rede Globo), o Galo poderá vender seus jogos para quem quiser, independente do aceite e recebimento do adversário na transmissão.

Se tivermos um hipotético Paulista x Noroeste, ele poderá vender a transmissão das imagens por qualquer valor para a TV Japi, TV Tem ou TV Sorocaba (para ambas emissoras ou com exclusividade para uma só). E aí ficará a discussão do “quanto vale”! Por exemplo: o Paulista pedirá R$ 10.000,00 para uma emissora X; a emissora X pode alegar que por esse valor não terá lucro com os anunciantes e a audiência não compensaria o investimento, e fará uma contraproposta de R$ 8.000,00; e por aí vai a negociação.

Se o Paulista estivesse na Série A do Brasileirão e tudo fosse da Globo (desde que a medida estivesse valendo), a conta seria diferente: nos moldes atuais, as equipes dividem o valor do Direito de Transmissão em 38 jogos (recebendo como mandante e visitante, em percentuais de clube para clube). Vendendo seus 19 jogos como mandante, teria a mesma quantia financeira?

É essa a conta que os principais clubes grandes devem fazer, para entenderem se terão realmente vantagem ou será uma ilusão (incluindo o próprio Flamengo, que festejou a decisão): a soma dos seus jogos comercializados como mandante será maior do que o modelo de venda por campeonato (recebendo quando joga em casa ou fora)?

Para os clubes medianos, vale imaginar que o valor da venda para a TV de Atlético Goianiense x Corinthians terá um apelo muito maior do que ACG x Red Bull Bragantino. Ainda assim, compensará?

Por fim, lembremo-nos: a Fox, que brigou pelos direitos da Libertadores contra a Globo e que vai aos poucos ser incorporada pela ESPN (que é da Disney), amargou enormes prejuízos e repensou suas estratégias. A Turner (que é a dona do Esporte Interativo) abandonou a gastança e “tirou o pé”. Dessa forma, Record, Band, Rede TV ou qualquer emissora aberta que queiram arriscar uma compra avulsa ou de todos os jogos de qualquer time, precisará ter uma boa calculadora (e dinheiro) nas mãos.

Em tempo: Bangu x Flamengo, o jogo “às escondidas” do meio de semana, não teve interesse de nenhuma emissora em transmitir (imagine o prejuízo em abrir um estádio do tamanho do Maracanã para portões fechados… poderia muito bem ter sido em Moça Bonita).

– Disney assume a, pasmem, endividada Fox Sports

Eu gosto demais das transmissões esportivas da Fox Sports, e sempre imaginei que o custo de uma jornada fosse bem alto (afinal, eles estão na maioria das vezes in loco). Com Libertadores e outras competições, pensei que o retorno desses grandes investimentos era certeiro. Agora, me surpreendo que um dos motivos (segundo o UOL) do CADE aprovar a fusão ESPN (que é da Disney) e Fox Sports foi a dívida da emissora.

Extraído de: https://www.uol.com.br/esporte/ultimas-noticias/2020/06/01/disney-assume-fox-sports-com-deficit-milionario-de-r-120-milhoes-veja.htm

DISNEY ASSUME FOX SPORTS COM DEFICIT MILIONÁRIO DE R$ 120 MILHÕES

Aprovada no início deste mês de maio, a fusão entre ESPN e Fox Sports teve um grande e determinante fator para acontecer: o tamanho do déficit financeiro acumulado pela gestão do canal esportivo nos últimos anos. A partir de 2016, com a renovação por altos valores e compra de muitos direitos de transmissão, a emissora começou a fechar no vermelho. Entre 2016 e 2019, o prejuízo acumulado foi de R$ 120 milhões.

O UOL Esporte obteve acesso aos números do balanço financeiro dos últimos anos. Fundado em 2012, o Fox Sports teve bom desempenho financeiro até 2015. A partir de 2016, o canal começou a fechar no vermelho. O próprio Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) reconheceu isso ao aprovar a Disney a assumir o Fox Sports.

O maior déficit foi em 2018, quando, ao transmitir a Copa do Mundo de 2018, não conseguiu fechar todos os pacotes de patrocínio da cobertura na Rússia. Isto fez, inclusive, a Fox demitir seu vice-presidente comercial Arnaldo Rosa em meio ao Mundial por não atingir as metas previstas.

Em 2019, os custos só aumentaram. Comprando o melhor pacote de direitos de transmissão da Libertadores da América na TV por assinatura, a ponto de assegurar a final da competição continental com exclusividade, além da chegada da Copa do Nordeste e da Liga Europa, o Fox Sports gastou R$ 314 milhões com pagamentos para as competições.

Já os gastos com operações, como pagamento de profissionais, gastos com viagens e coberturas, investimento em tecnologia e modernização, entre outros, somaram R$ 88 milhões. Ou seja, em 2019, o Fox Sports acumulou um custo de cerca de R$ 401 milhões, valor bem alto para um canal de televisão por assinatura.

Com uma base de assinantes na casa dos 10 milhões, recebendo um valor de R$ 2,50 por cada assinatura das operadoras no ano passado (50% de tudo o que era repassado por assinante aos canais Fox), o Fox Sports conseguiu colocar em caixa R$ 300 milhões no ano passado com essa arrecadação. O grande problema foi a baixa vendagem publicitária: apenas R$ 50 milhões em 2019.

Ou seja, a arrecadação de orçamento no Fox Sports ficou na casa dos R$ 350 milhões, o que fez somente a emissora ter um prejuízo de R$ 51 milhões, o maior entre 2016 e 2019. Nos outros três anos, o déficit somado foi na casa de R$ 69 milhões. Com isso, a Disney pegou o Fox Sports deficitário em R$ 120 milhões.

A reportagem apurou que, ao tomarem nota do déficit alto do Fox Sports e da impossibilidade de lucro no médio prazo, empresas que estudaram a compra, como a Simba Content e a Mediapro, acabaram desistindo. A própria Disney se impressionou com o tamanho do rombo financeiro do Fox Sports, assim que seus executivos ficaram a par da situação.

A interpretação é que houve má gerência do Fox Sports nos últimos anos. Mesmo com o valor acentuado, a Disney já imaginava que o déficit era grande e se preparou para assumir o valor. Os planos do conglomerado previstos para o Esporte no Brasil da Disney não mudaram. Pelo contrário.

A empresa negocia renovações de vínculo de competições consideradas vitais, como o Campeonato Espanhol de Futebol e um novo vínculo de um pacote de 90 jogos por temporada da NFL, a liga de futebol americano.

Procurada oficialmente para falar sobre a dívida do Fox Sports pelo UOL Esporte, a Disney preferiu não comentar o assunto.

Veja detalhadamente o déficit financeiro do Fox Sports

Custos com direitos de transmissão 2019: R$ 314 milhões/ano

Base de assinantes: 10 milhões

Receita com assinantes em 2019: R$ 300 milhões/ano

Receitas com publicidade: R$ 50 milhões em 2019

Gastos com operação (gastos de pessoal, modernização etc): R$ 87 milhões/ano

Porcentagem de audiência do Fox Sports nos canais Fox em 2019: 26%

Valor recebido por assinante: R$ 2,50

Valor proporcional ao que recebia com todos canais Fox: 50%

Custo anual: R$ 401 milhões

Receita anual: R$ 350 milhões

Déficit em 2019 de R$ 51 milhões

Prejuízo entre 2016 e 2018: R$ 69 milhões

Média prejuízo/ano entre 2016 e 2019: R$ 30 milhões

Dívida acumulada: R$ 120 milhões

Divulgação

– O Preço da Fama e o Valor do Anonimato

Repost de 4 anos, mas oportuno atualmente…

O episódio do maluco que foi morto ao assediar a modelo Ana Hickmann (um fã desloucado) mostra como o fanatismo e a paixão trazem à loucura. Depois do episódio de sábado, outro aconteceu nesta 3a feira: um cidadão apaixonado pela cantora Anitta pulou para dentro da casa dela para conhecê-la.

É difícil ser “um rosto conhecido”?

Claro que é. Certa vez li uma crítica da presidente Dilma Rousseff a respeito da dificuldade em poder pedalar sua bicicleta com tranquilidade (hobby que ela mantém). Ela disse:

Você não sabe o valor do anonimato“.

Ora, ser presidente, ator, cantor, jogador de futebol e outras atividades tem um custo social.

A privacidade torna-se menor, bem como a exposição se torna perigosa (como os acontecidos acima, infelizmente). Nem todos sabem lidar com o assédio do público e da imprensa. Cito como exemplo no meio artístico Tony Ramos, sempre solícito e carismático.

A questão é: a perda do anonimato por causa positiva traz seus incômodos mas massageia o ego. Mas e os demais infortúnios?

Vale pensar…

bomba.jpg