– Anime-se!

Mesmo no escuro, podemos crer que há alguma coisa boa escondida.

Seja na madrugada chuvosa (como a desta noite), ou em outra mais aprazível, um traço de luz sempre existirá.

Não deixemos a penumbra nos tornarmos como almas tristes no mundo. Ânimo!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Ânimo! Por que lamúrias?

Está desanimado?

Tente rezar (mas faça sua oração com fé). Leio um tuite do Papa Francisco que muito consola.

A Esperança é um dom. É um presente do Espírito Santo.

Se ficamos com a alma retraída, desanimada, moribunda, como sarar? Pedir o Espírito Santo para nos animar (ânimo = alma viva; desânimo = sem alma), é pedir vida nova.

Portanto… Reze, ore, clame pelo dom da Esperança ao Paráclito de Deus! E o mais importante: não deixe a depressão tomar conta de você.

bomba.jpg

– Resiliência em frase curta

Resiliência é resistir às tribulações sem mudar suas características. É passar por desafios, sofrimentos, tormentas e mudanças e resistir a sua essência. É viver fortemente!

Talvez essa curta frase, na imagem abaixo, seja um sábio conselho para alcançar a resiliência:

– Despeça-se de si!

Li e vale a pena refletir sobre renascer / reinventar-se. Ou, se preferir, despedir-se do homem velho e buscar o “ser novo”, tão pregado por Jesus Cristo conforme retratado nos Evangelhos:

“Despeça-se de si. Não se apegue ao que já se tornou. Desfrute dos benefícios da impermanência, do frutuoso ritual de renascer. Porque do vazio que lhe sobra, um novo ser se apodera. É assim que evoluímos.”

(Padre Fabio de Melo).

Para essa ótima consideração acima, fica a observação: quando abandonamos as práticas do pecado, o comportamento arraigado às coisas velhas que nos fazem mal, abrimos espaço para novos conteúdos (de conhecimento, de pensamento, de vivência ou de atitude).

Peçamos a Deus que nos capacite para esse “NOVO EU”, que possamos nos despedir do “EU VELHO e completemos o buraco deixado com coisa boas, positivas e agradáveis à nossa mente e alma!

Renascer no Senhor | Diário de Olímpia

– E quando você sente como Jó?

Já ouviu aquela cantiga popular sobre os “Escravos de Jó, que jogavam caxangá”?

é um personagem bíblico que nos traz a mensagem da confiança incontestável em Deus. Ele foi um homem temente ao Senhor, mas que foi perturbado pelo diabo que lhe tirava tudo na vida causando muito sofrimento.  Não entendia o porquê de tantas dores e angústias, mas vencia o inimigo confiando que, independente da razão ou não, confiava em Deus.

Vi essa figura “perdida na web” (abaixo) e me recordei dele. Impossível não nos questionarmos quantas vezes sofremos (ou achamos que sofremos) como Jó e nos lamentarmos. Conforme o versículo bíblico:

“Jó nunca viu a razão do seu sofrimento. Ele viu Deus e isso bastou”.

Entendemo-nos? Sem lamúrias desnecessárias e confiemos na Providência Divina.

Resultado de imagem para Jó nunca viu a razão

– Reinvente-se!

VIDA – Todo dia é dia de reconstrução, mesmo que não pareça ser. Se reinventar é necessário, mas há de se ter ciência de que existem dias bons e dias ruins. Então, contenha sua euforia e não se assuste com o desânimo.

Em: https://www.youtube.com/watch?v=oePgXvsg3GY

– O Evangelho de hoje e a mensagem acolhedora

Está com muito peso nas costas? Não aguenta o julgamento do mundo? Sente-se pressionado pela vida? As preocupações temporais te afastam das coisas atemporais (as perenes, que não passam)?

Muitas vezes somos tão estudados e comprometidos com a carreira profissional que perdemo-nos no dia-a-dia. E aqueles mais puros, sem formação, acabam sendo sábios nas coisas que mais valem a pena!

Se você não pode ir à Missa hoje, saiba: a Boa Nova anunciada por Cristo nos chama a atenção de que seu “*jugo é suave e o fardo é leve”.

*No sentido religioso, jugo é a opressão que uma pessoa carrega quando está dominada por seus próprios problemas, como enfermidades, vícios, dívidas. No literal, jugo é a peça de madeira para atrelar bois a carroça ou arado, uma canga.

Abaixo, o texto:

EVANGELHO DE SÃO MATEUS, capítulo 11, do versículo 25 ao 30.

Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.  Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

NÃO SEJAMOS ESCRAVOS DAS COISAS MISERÁVEIS QUE O MUNDO OFERECE (como o dinheiro e a vaidade), MAS SEJAMOS DOCES E ABERTOS ÀS RIQUEZAS CELESTIAIS (a misericórdia, a fé e a providência divina).

D4A7567B-0FEA-4846-AEB1-D5477391B9B2

– Todo dia é dia de Reconstrução! Mesmo que não pareça…

Há momentos na vida em que tudo parece difícil. Ficamos pessimistas, ranzinzas e… precisamos de um puxão de orelha ou um tapa na cara para entrarmos no eixo.

Quem nunca teve semanas de ânimo e outras de desânimo? Ou simplesmente variou de humor mais de uma vez por dia? Da euforia à desmotivação, todos somos vítimas. Ao mesmo tempo que o otimismo se divide com o pessimismo. São… fases! Momentos. Instantes!

Calma.

Tudo passa.

Precisamos povoar nossa mente de coisas boas e tomarmos cuidado com a ilusão. Nunca devemos nos precipitar ou nos acomodar. Devemos viver. Lutar, repensar, refazer-se! Ou melhor: acordar cientes de que a RECONSTRUÇÃO / REINVENÇÃO deve ser diária. 

Se um dia está difícil, parece que será sempre triste daquele momento em diante. E não é isso, pois aos poucos vai melhorar. E se está tudo muito bem, tenha a consciência de que não é algo sempre perene.

Insisto neste lembrete derradeiro: entenda que a vida é muito comprida e que instantes não são eternos – especialmente os ruins.

Vivamos.

Como reconstruir minha vida sendo que eu mesmo a arruinei ...

 

 

– Bom dia, Sábado! Explicando uma história sobre ânimo e mobgrafia em cores e cliques:

Bom dia amigos! Eu sou “da madrugada” e gosto de motivar ou, ao menos, inspirar alguém.

Muitos sabem minha rotina: cuidar do corpo, da alma e da mente. Por isso, a atividade física faz parte deste conjunto de práticas visando a sanidade holística pessoal!

Para que isso se concretize, vou para o cooper matutino bem cedinho (na rua ou na esteira, como hoje). Preparo meus equipamentos e vou suar (vide esse clique 1):

Durante a atividade física, é momento de interiorização! Curtindo uma música ou algum programa interessante, distraindo-me e buscando prazer. Mas com maior frequência, aproveitando esse momento para conversar com Deus, ou ainda pedindo a intercessão dos seus santos ou anjos. Neste sábado, rezei à Virgem Maria, invocada como Nossa Senhora da Purificação, pedindo paz e ajuda para que eu seja uma pessoa menos pecadora. No clique 2:

“Finda a corrida”, relaxar o corpo e alongar. Aliás, o alongamento é sempre algo muito particular – tem gente que precisa demais dele no pós-treino e outros nem tanto. E eu o faço preferencialmente no jardim, junto as flores tão encantadoras. Há pouco, fiz com as roseiras. Vejam só essa flor no clique 3:

Depois de tudo isso, costumo ir à varanda ou dar uma saída para respirar o ar puro (moro no meio do mato, isso ajuda demais). E sempre me deparo com belas paisagens! Como a fotografia por celular é um hobby que eu curto muito (chama-se mobgrafia), contemplo o amanhecer silencioso, somente com o canto dos pássaros. Aliás, por volta das 06h15, estava assim: alaranjado (conforme o clique 4):

Dito tudo isso, vamos viver o “sabadão”! Confesso: meu recuperativo pós-treino será comprar um pastel na feira (ops: “alguns” para todo mundo aqui em casa). No esquema “retirada”, com todas as precauções que o período pandêmico exige. E vou com esse inspirador sol do clique 5:

Ótima jornada para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby

– Uma vitória pessoal!

Há 4 anos, tive um problema de saúde que me atrapalhou muito.

Tanto no campo profissional quanto o pessoal, ocorreram prejuizos em decorrência dele. Não prejudiquei direta ou indiretamente ninguém por causa disso, mas sacrifiquei por algum tempo meus familiares – que sempre estiveram ao meu lado e me ajudaram em tudo.

No 3o ano, já no desmame das medicações, tudo parecia melhor. Porém, um baque que sofri quando estava muito próximo da liberação (uma situação de trabalho onde existou uma questão deselegante) me ocasionou um revés, afinal, a cura não era terminada! Voltei às doses maiores e, enfim, depois de um período contínuo de diminuição delas (com espaçamento atingindo até mesmo uma semana entre os remédios), ufa, fim de tratamento (oficialmente hoje)! Corpo, alma e mente em harmonia, enfim.

Nada de alardear: não tem envolvimento de dependência química / psíquica ou qualquer outra moléstia contagiosa ou comprometedora à honra. “Apenas” um problema que passou (“apenas”, entre aspas, pois quando você está no olho do furacão, tem a noção exata da coisa).

Obrigado, Deus, pela vida. Obrigado, família. Obrigado, médicos!

E vida que segue!