– “Fique esperta” com a Covid, Jundiaí!

Caramba! Aqui em Jundiaí, chegamos a 221 falecimentos pelo Novo Coronavírus, e a situação se agravou nos últimos dias. Mesmo com o Hospital de Campanha montado no 12º GAC do Exército, segundo o Jornal de Jundiaí:

“Na rede pública, a taxa de ocupação dos leitos de UTI voltados exclusivamente para pacientes com covid-19 é de 86%. Na rede privada, por sua vez, a ocupação geral dos leitos de UTI é de 74%.”

Na contramão, vejo o prefeito pedindo pata reabrir o Comércio. Será que é devido com tais números e a prudência não seria algo mais adequado?

Sei que é muito difícil conciliar e equilibrar o debate entre “Economia versus Vida”, devido a pilhagem política que o país vive. Mas os números assustam!

Vale sempre ressaltar: a prevenção é sempre fundamental em momentos como os que vivemos.

Somos Todos Gigantes – O Maior Portal sobre Nanismo do Brasil ...

– Jundiaí voltando à Fase Vermelha na Pandemia

Lamentável. Pessoas imprudentes, não se prevenindo; autoridades fazendo vista grossa, não agindo como deveria; e, por fim, a falta de empatia e descrença no perigo do Covid-19.

Jundiaí vai fechar tudo de novo. Aqueles que fizeram sua parte, desgostem-se de quem não fez.

Captura de Tela 2020-07-03 às 12.58.11

– O Centro de Jundiaí está morto?

Triste cenário da Terra da Uva, às 11h da manhã de hoje: muitos andarilhos e mendigos no Centro, com frio e em meio à pandemia.

É essa a Jundiaí com qualidade de vida que se apregoa?

E nós, enquanto cidadãos? O que fazemos para mudar o cenário?

E como cristãos?

E como eleitores?

Não devemos fazer vista grossa a tudo isso. Prefeito, Vereadores, População: é nossa a responsabilidade para tirar essa gente do submundo e dar dignidade a eles e a nós também. Qualquer um fica constrangido em ver a imundice da sujeira e mendicância aflorada das ruas centrais da cidade em que vivemos.

E se fosse uma foto noturna, o que veríamos nas ruas centrais?

Contardo Calligaris - Contardo Calligaris pelo direito à tristeza ...

– E a saudade de passear no parque com as crianças?

A 6a feira está de cores escuras, ora chovendo, ora abrindo o céu.

Em condições normais, a tarde de infinito horizonte azul num bonito dia sem quarentena permitia-nos passear nos belos parques de Jundiaí (como o Jardim Botânico Eloy Chaves, retratado nesta tarde). Não dá, e pelo andar do Coronavírus no Interior de São Paulo, vai demorar para ser possível.

É incompreensível que lugares fechados como shoppings estejam permitidos enquanto aos lugares abertos estejam proibidos. Enfim… que se esclareça que é por causa de uma questão comercial e não de contágio, a fim de não se iludir as pessoas, pensando que a situação amenizou.

Que possamos viver aqui a normalidade o quanto antes. Mas sejamos racionais: há de se ter paciência…

– O descontrole da Pandemia em Jundiaí

Somente ontem, 9 mortes por Covid-19 em Jundiaí e 250 novos casos. Nossa cidade, como muitas outras do Interior, relaxaram no comportamento e na prevenção e começam a pagar um preço muito caro.

É lógico que o equilíbrio entre isolamento social x economia e trabalho é uma utopia, nunca se chegará em consenso. Mas algumas coisas evitáveis, como aglomerações, festas e reuniões sem prevenção ajudariam demais para conter o contágio. Também é sabido que tanto tempo falando sobre o Novo Coronavírus e esperando a pandemia passar deixaram as pessoas cansadas e impacientes (afinal, há quanto tempo se vive esse martírio)?

A questão é: tenhamos paciência, sejamos prudentes, saiamos o mínimo possível e façamos a prevenção adequada. O momento é crítico e deve-se alarmar as pessoas desse perigo. Aqui, aproveito e toco num tema sensível: embora eu respeite quem faça isso, me desagrada postagens do tipo: “Viva, já curamos tantas pessoas” e coloca o número em grande destaquem disfarçando os óbitos e casos confirmados. Tal manipulação de palavras serve como esperança para quem está enfermo, mas acaba fazendo com que o menos esclarecido não dê importância à doença, parecendo que ela se cura com facilidade.

Não adianta dizer que é estratégia para não provocar pânico, pois o momento exige que as pessoas sejam alertadas, mostrando a realidade, e não minimizando pela forma de se expor os números.

Covid-19: Brasil registra 627 mortes em 24h; total é de 43.959

– Há muito tempo, as agências bancárias da Rangel eram diferentes…

Puxa, vi que a tradicional agência “0032” do Unibanco fechou na Rua Rangel Pestana, em Jundiaí. Foi lá que tive minha primeira conta-corrente! Era um ótimo banco, mas ficou péssimo depois que o Itau assumiu o controle. Aliás, ali virou dois bancos: Itau e Personalitte.

Mas repare como era aquela rua nos anos 80/90: você tinha o Unibanco (virou Itau e fechou), tinha o BFB que virou Sudameris, encostado com o Banco Real (que virou Abn Amro Bank e depois Santander), vizinho do Banco Geral do Comércio (que virou Santander também) separado pela Rua Padroeira do Noroeste (que virou… Santander). Todos esses, em frente ao Banespa (comprado pelo Santander). Do outro lado da rua, tínhamos o Econômico, que quebrou e virou BBVA (e depois Bradesco), do lado da principal agência Bradesco, bem encostada com o Bamerindus, que virou HSBC e acabou se tornando… Bradesco!

Na Rua do Rosário, próximo da Catedral, o mesmo fenômeno: o Banco Bandeirante virou Unibanco e depois Itau, o BCN virou Bradesco e o Bamerindus… o da li, sumiu!

E para dizer que não lembramos: na Rua Barão de Jundiaí, o Comind, Auxiliar, Meridional, Nacional, Poupança Haspa e Finasa!

Quantos bancos, dos inúmeros que tínhamos, sobreviverão?

Dez bancos que não existem mais | VEJA SÃO PAULO

– No Brasil, a Pandemia está sendo menosprezada. Ou não?

Mais de meio milhão de contaminados, quase 33.000 mortos e nas últimas 24 horas um recorde de 1349 falecimentos por Covid-19 em nosso país. E há quem insista em não chamar a atenção das mortes dessa pandemia, querendo destacar o número de recuperados. Tal estatística pode servir para dar esperança, mas não para fazer com que as pessoas deixem de crer no perigo deste Novo Coronavírus.

Sabe o que deixa indignado? A forma como se conduz a pandemia no Brasil!

Não está tudo errado? Justamente quando o isolamento deveria ser feito, fala-se em relaxamento – e com os hospitais lotados!

Incompreensíveis as políticas públicas de enfrentamento ao Coronavírus nas 3 esferas… não conseguimos aprender nada com os outros países que sofreram a pandemia antes, e que agora estão se recuperando?

– A incoerência do discurso das Autoridades de Jundiaí quanto à Pandemia.

É contraditório ver o Secretário Municipal de Saúde, em entrevista à TVTec, dizer que essa semana será crítica aos jundiaienses devido ao pico do Covid-19, e, concomitantemente, o Prefeito liberar o Comércio mesmo com as restrições e segurança.

Ou pediu-se para ficar em casa antes da hora e agora que deveria-se fechar tudo, não se tem paciência, ou algum erro muito grave de planejamento aconteceu. Tudo correto, claramente, não está.

99081181_3179724965400051_4736049472247693312_o

FOTO: Extraído de RS Notícias

– O que fazer contra as capivaras e a febre maculosa?

Post do ano passado, mas com o mesmo problema atual… poderia ser de hoje:

Em minha região há uma verdadeira praga de capivaras. Como se reproduzem, invadem chácaras, destroem plantações e, o pior, não podem ser abatidas por lei ambiental.

Tudo isso é um problema, além, claro, da febre maculosa (que me dá muito medo).

Para quem não sabe o que é isso, compartilho,

Extraído de: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/2019/06/04/febre-maculosa-entenda-o-ciclo-de-transmissao-e-os-sintomas-da-doenca.ghtml

FEBRE MACULOSA: ENTENDA O CICLO DE TRANSMISSÃO E OS SINTOMAS DA DOENÇA

Transmissão ocorre por meio da picada do carrapato infectado pela bactéria causadora da doença.

Já chegam a 21 as pessoas com suspeita de febre maculosa em Contagem (MG), uma doença que pode matar em até 60% dos casos. Neste domingo (2), a prefeitura da cidade confirmou duas mortes – outras duas estão em investigação. As quatro vítimas são da mesma família. Em Belo Horizonte, três pessoas estão internadas com suspeita da doença. 

Mas quais são as causas da doença? Como ela é transmitida? O G1 traz as principais informações: 

O QUE É A FEBRE MACULOSA?

É uma doença infecciosa causada por bactérias do gênero Rickettsia. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, duas espécies estão associadas à febre maculosa: 

Rickettsia rickettsii, mais registrada do norte do Paraná e nos estados da região Sudeste, como Minas Gerais;

Rickettsia sp. cepa Mata Atlântica, que é registrada em áreas silvestres e apresenta sintomas mais leves.

COMO ELA É TRANSMITIDA?

A transmissão em seres humanos ocorre por meio da picada do carrapato infectado pela bactéria causadora da doença. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral de 18 a 36 meses. Veja o ciclo:

COMO DIMINUIR OS RISCOS DE INFECÇÃO?

Quanto mais rápido uma pessoa retirar os carrapatos de seu corpo, menor será o risco de contrair a doença. Após a utilização, coloque todas as peças de roupa em água fervente para a retirada dos insetos. 

“Para transmitir a doença, o carrapato precisa ficar na nossa pele por quatro horas”, explica a infectologista Rosana Richtmann. 

OUTRAS DICAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE: 

  1. Ao remover um carrapato da sua pele, use uma pinça para agarrá-lo e remova-o cuidadosamente.
  2. Trate o carrapato como se estivesse contaminado: mergulhe-o em álcool ou jogue no vaso sanitário.
  3. Limpe a área da mordida com antisséptico.
  4. Lave bem as mãos.

QUANTO TEMPO DEMORA PARA OS SINTOMAS SE MANIFESTAREM?

A doença pode demorar até duas semanas para se manifestar após o contato inicial com a bactéria. 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Os sintomas são parecidos com os de várias outras doenças, como a dengue. Febre alta, dor no corpo e dor no fundo dos olhos estão entre os principais, assim como dor de cabeça intensa, náuseas, vômitos, diarreia, insônia, manchas na pele. 

A doença causa uma inflamação nos vasos periféricos e pode gerar amputações, quadros neurológicos e matar em até 60% dos casos.

A progressão da doença varia. Nem todos os pacientes desenvolverão todos os sinais ou sintomas. Por isso, o mais importante é examinar o corpo após entrar em áreas silvestres.

COMO É O TRATAMENTO DA FEBRE MACULOSA?

Quanto mais cedo o paciente buscar uma unidade de saúde após a manifestação dos sintomas, maior será a chance de melhoria no quadro. O tratamento é feito com antibióticos específicos e, em alguns casos, a pessoa precisará ser internada. Todo o processo dura cerca de 10 dias.

febre-maculosa-v2.png

– Chega de Queimada, poxa…

Mais queimadas… todo dia temos pessoas colocando fogo no mato para limpar terrenos aqui no Bairro Medeiros, em Jundiaí!

Acidentes e desleixos acontecem e geram incêndios, mas alguns locais estão manjados demais (vide os horários e locais nos quais as chamas surgem).

Com esse tempo seco, há a necessidade até mesmo dessa gente oportunista de ter compaixão com o próximo! Respirar esse ar poluído (especialmente na hora de dormir) não está dando mais…

– Que tal uniformizar a antecipação de feriados por conta da pandemia?

A fim de aumentar o número de pessoas em casa para evitar o contágio de Covid-19, prefeitos estão antecipando os feriados. Mas o problema é: que bagunça isto está virando!

Por exemplo, em São Paulo: quarta-feira (20/05) e quinta-feira (21/05) serão “comemorados” os feriados de 11 de junho (Corpus Christi) e 20 de novembro (Consciência Negra), dando a 6ª feira como “emenda”/ “ponto facultativo”. Já em Jundiaí, não ocorrerá esta situação, mas teremos o dia 25/05 (2ª feira) sendo feriado de 9 de julho em Jundiaí (Revolução Paulista).

Em outras cidades, também o calendário será conforme a vontade do prefeito local, antecipando alguns ou não (como na região do ABC).

Não deveríamos ter uma união dos prefeitos ou intermediação do governadores, para que isso fosse mais uniforme? Adianta muito pouco a cidade A ter o feriado adiantado diferente da cidade B, e o cidadão se deslocar para o município vizinho para alguma atividade?

O diálogo para decisões conjuntas (respeitando as particularidades) é sempre melhor!

Confira o calendário de feriados prolongados em 2020

– Queimadas que não acabam mais…

O tempo está hiper-mega-blaster seco. A qualidade do ar periclitante. E, aqui na Divisa entre Jundiaí e Itupeva, vivem colocando fogo na região do Bairro Medeiros

É duro acreditar que são acidentes. Vira e mexe, terrenos são limpos dessa forma arcaica e danosa.

Imagine a fuligem com a falta de chuvas… Ninguém merece!

Em tempo: ninguém é punido também ou preso por crime ambiental…

Queimadas no Brasil: área queimada quase dobra no Brasil em 2019 ...

– Os bairros com registros de Covid-19 em Jundiaí

A prevenção não é necessariamente um lockdown (embora possa ser em algumas situações). Mas atitudes simples, como lavar as mãos / usar álcool gel, utilizar máscaras, evitar contato físico e manter distância segura, são muito eficazes.

Evitar sair de casa também ajuda (a fim de espaçar o tempo de contágio coletivo e não sobrecarregar os hospitais). Se tiver que ir à rua para trabalhar, faça-o precavido (todo cuidado é necessário).

Na imagem, o informe oficial da Prefeitura Municipal de Jundiaí: o “mapa do coronavírus” na cidade:

– Paulista de Jundiaí rifa medalha da Copa do Brasil para aliviar os débitos.

As dificuldades financeiras do Paulista FC, o Galo da Japi, Tricolor Jundiaiense e equipe tradicional do futebol brasileiro (que completará 111 anos neste mês) sempre foram grandes (exceto nos períodos em que foi gerenciado pela Lousano, pela Parmalat e alguns anos pós-encerramento da parceria).

Com o futebol parado, estando na A3 e sem receita alguma, a fim de pagar as contas, o Time de Jundiaí é obrigado a se desfazer de algumas coisas, como, por exemplo, rifar uma das medalhas do seu maior título: a Copa do Brasil de 2005!

Lamentável, mas necessário. Afinal, os “boletos vencem”.

Extraído de: https://www.esportejundiai.com/2020/05/paulista-inicia-rifa-de-uma-medalha-de.html

PAULISTA INICIA RIFA DE MEDALHA DE CAMPEÃO DE 2005

No último sábado, o Paulista Futebol Clube começou uma rifa para venda de um dos artigos que qualquer um que ama o clube deseja ter na sua casa (como também colecionadores): uma medalha de campeão da Copa do Brasil da temporada 2005.

O clube iniciou uma rifa de 100 números ao valor de R$ 10 cada número para adquirir uma das cotas. O valor arrecadado é para ajudar o clube a pagar as suas contas, já que no momento está sem receitas por não ter jogos de futebol, que estão proibidos nesta quarentena, por conta do novo coronavírus.

Por Thiago Batista /// Foto: Divulgação – Paulista FC