– Registros antigos que trazem saudade!

Fuçando uma caixa de documentos antigos (que fora da minha saudosa Vó Nória e com carinho cuidada pela minha também querida mãe), eis que revi documentos da minha “Bisa Barroca” – minha Bisavó por lado materno.

E olha cada coisa curiosa: encontramos 3 nomes diferentes para a “Dona Elzira”:

Argilia Isabel de Souza (na carteira de trabalho dela – a lembrança que tenho da minha Bisavó é exatamente desse rosto):
bomba.jpg

Alzira Estinaslau da Silva (numa segunda via de casamento dela):
bomba.jpg

Alzira Josepha de Souza (na CTPS da minha avó Nória, filha dela (a vó não se chamava Honória, mas Onolpha).
bomba.jpg

E já que ficaremos sem saber “qual documento” valeria como correto (pois em nenhum tem o sobrenome de casada – “OLIVEIRA”, e também porque falei da minha vó Nória, olha aí a linda foto do casamento dela com meu vô Manelão (Pedro Pansarin), na Capela Nossa senhora Aparecida (a Igreja da Ermida):
bomba.jpg

Como minha mãe era zelosa, olha a foto que ela guardava do meu pai! Sim, Milton Porcari (e hoje vovô Lili), teve cabelo um dia! kkk
bomba.jpg

Ê tempo bom que deve ter sido o do auge da Ermida, não?

Anúncios

– Que saudade de um joguinho no Jayme Cintra… E o almoço?

Toda semana, na minha linha do tempo do Facebook, aparece uma lembrança de alguma das inúmeras partidas das quais transmitimos na Rádio Difusora, envolvendo o Paulista Futebol Clube

A saudade maior não é só a de estar na cabine comentando; é de, literalmente, TER JOGO!

No ano em que o Galo da Japi caiu para a 4a divisão estadual e as categorias de base não vingaram nos campeonatos regulares da FPF, o Estádio Jayme Cintra ficou às moscas de abril para cá (se falando de futebol profissional). Afinal, o time não tem calendário.

E o que fazer, se não aguardar e torcer por mudanças e a chegada de 2018? Parabéns aos torcedores que prestigiaram o Sub 20 dirigido pelo treinador Sérgio Caetano neste período.

Ops, perguntar não ofende: sobre o almoço feito para ajudar no pagamento das faturas atrasadas da CPFL, já houve a prestação de contas? Como o evento é beneficente, faz-se necessária tal transparência.

bomba.jpg

– Os Macacos com Febre Amarela mudam a Festa das Crianças Jundiaienses de local

Muito preocupante: após 135 mortes de macacos e 10 outros apreendidos por conta de um surto de febre amarela, a Festa das Crianças de Jundiaí, tradicionalmente realizada no Parque do Corrupira, foi transferida para o Parque da Uva (devido a apreensão dos macaquinhos naquela região).

Uma boa informação: lá no Parque da Uva haverá vacinação contra a Febre Amarela. Quem diria que em pleno século XXI teríamos uma situação assim… E como prevenir, se não com a vacina?

bomba.jpg

– Feira com Produtos de Qualidade formada por gente capacitada!

Boa notícia: uma parceria do setor público proporciona capacitação ao pequeno agricultor, que poderá vender seus produtos direto ao consumidor.

FEIRA DO PRODUTOR RURAL ACONTECE NA CIDADE

por Reinaldo Oliveira

Jundiaí tem a partir desta 2ª feira dia 9 de outubro, uma Feira do Produtor Rural, onde a população terá produtos hortifrutis frescos e de qualidade, direto do produtor para sua mesa.

O projeto “Feira do Produtor Rural” foi construído a partir de uma parceria entre a prefeitura de Jundiaí e o Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.

Pequenos agricultores com propriedades no entorno de Jundiaí e que já recebem orientações técnicas da prefeitura, quando firmada a parceria foram convidados a participar de uma capacitação ministrada pelo Senar.

Com duração de 8 meses a capacitação – teórica e pratica teve como objetivo a criação desta Feira do Produtor Rural, como mais uma alternativa para a venda direta do produtor ao consumidor.

O local da Feira é na Rua Adilson Rodrigues s/nº – Jardim Novo Mundo, em Jundiaí. Todas as 2ª feria das 17h às 21h. É isso!

Feira do Produtor - Triduo padre Atila 024

– O Mapa da Violência em Jundiaí

O Jornal de Jundiaí trouxe uma matéria sobre as principais ocorrências que envolvem a Segurança Pública em Jundiaí. E ao ver a figura (abaixo o mapa), temos uma noção exata de como se dividem os bairros e onde é mais violento ou não.

Extraído de: http://www.jj.com.br/noticias-49901-furtos-e-roubos-lideram-e-região-da-ponte-são-joão-é-a-que-tem-maior-número-de-casos

FURTOS E ROUBOS LIDERAM E REGIÃO DA PONTE SÃO JOÃO É A QUE TEM MAIOR NÚMERO DE CASOS

Por Niza Souza

Ocorrências de furtos e roubos são as principais registradas nos sete distritos policiais (DPs) de Jundiaí. Somente de janeiro a agosto deste ano, foram registrados 3.760 furtos, sendo 467 de veículos, e 1.451 roubos, 217 de veículos. Os números fazem parte das estatísticas da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP). A maior parte das ocorrências está na região da Ponte São João.

Já o índice de homicídios na cidade está bem abaixo das médias nacional e estadual. No ano passado, foram registrados apenas 22 homicídios dolosos em Jundiaí, o que representa 5,5 para cada 100 mil habitantes. A taxa no Estado de São Paulo é de 12,2 homicídios para cada 100 mil habitantes e no Brasil, 28,9. Este ano, até agosto, foram 11 homicídios na cidade. Nas regiões abrangidas pelo 1º DP (Centro) e 7º DP (Chácara Urbana), não foi registrado nenhum crime de homicídio este ano.

Os delegados de polícia ouvidos pela reportagem do JJ Regional são unânimes em afirmar que, de modo geral, consideram a violência controlada em Jundiaí, principalmente pela baixa taxa de homicídios. Já a maioria dos furtos, crime que lidera as estatísticas, de acordo com as autoridades policiais, é de pequenos delitos, como furto de celular, carteira e bolsa.

O 3º DP, na Ponte São João, é o que mais registrou ocorrências este ano. Foram 1.376 até agosto. No ano passado inteiro, foram 2.214 ocorrências. Também é onde está a maioria das ocorrências de tráfico de drogas na cidade. Este ano, já foram 103.

Para o delegado Antonio Dota Júnior, titular do 3º DP, um dos motivos é a alta densidade populacional da região abrangida pelo distrito, que inclui bairros como Jardim São Camilo, Jardim Tamoio, Tarumã, Vila Nambi, Ivoturucaia, entre outros. Calcula-se uma população em torno de 120 mil habitantes. “Muitos casos de furtos são cometidos por usuários de drogas em situação de rua, que roubam pequenas coisas, e até fios e cabos, para sustentar o vício. Isso acaba aumentando as estatísticas”, analisa o delegado.

Dota Júnior destaca que, para combater esse tipo de delito, a Polícia Civil e a Guarda Municipal realizam, frequentemente, uma ação conjunta para cadastramento e monitoramento desses moradores em situação de rua. Segundo ele, esse trabalho tem ajudado a reduzir os índices criminais na região.

Outra ocorrência que chama a atenção no 3º DP é a lesão corporal dolosa. Foram 161 registradas neste ano, até agora, acima da média se comparada aos outros distritos da cidade. “Normalmente são casos de brigas e ameaças”, explica Dota Júnior.

Trânsito A segunda região com maior número de ocorrências registradas na cidade é a do 2º DP, no Parque da Represa, que abrange os bairros Vila Hortolândia, Engordadouro, Cecap, Morada das Vinhas, Vila Marlene, Jardim Sorocabana, Corrupira, Mato Dentro, Vista Alegre, entre outros. De janeiro até agosto, foram 1.151 ocorrências no distrito, a maioria, 634, de furtos (sendo 81 de veículos).

Segundo o delegado responsável, Orli de Morais, este ano as estatísticas foram incrementadas pelos furtos de hidrômetros. “Foram mais de 20 casos. Mas já identificamos e prendemos os autores desses crimes”, afirma.Por lá, além dos furtos, o dado que chama a atenção é o número de lesão corporal culposa por acidente de trânsito.

Foram 145 neste ano, acima da média das outras regiões da cidade. Conforme explica o delegado, a região abrange algumas rodovias, como o João Cereser e parte da Anhanguera, o que impacta na estatística de trânsito. Centro
Apesar de estar entre os distritos com menor número de ocorrências, 830 de janeiro a agosto, o 1º DP, no Centro, chama a atenção por registrar o maior número de furtos comparado às outras regiões da cidade. Foram 646, sendo 44 de veículos. O delegado Josias Guimarães pondera, entretanto, que a maioria dos casos é esclarecida ou autuada em flagrante.

“Isso ocorre por conta do perfil da região, que concentra muitos comércios e agências bancárias. Além dos furtos, também temos muitos casos de estelionato, justamente por conta dos bancos”, explica.

Por isso, ele alerta a população a sempre ficar atenta para não cair em golpes. “É incrível, mas ainda tem gente que cai em golpes conhecidos, como o do bilhete premiado. É preciso tomar muito cuidado, não deixar bens de valores à mostra. O ladrão procura facilidade. Se encontar, ele aproveita.”


 

– Diploma de Honra ao Mérito Esportivo: Meu Agradecimento!

Com alegria, participarei das Homenagens e Distribuição de Títulos Honoríficos concedidos pela Câmara Municipal de Jundiaí, através da indicação do Vereador Albino.

De coração, agradeço o Diploma “Capitão Nivaldo Bonassi” de Incentivo ao Esporte Jundiaiense. Muito me honra em especial o fato da Homenagem levar o nome do querido e saudoso Capitão Bonassi, a quem eu admirava pela hombridade e que sempre foi muito bacana e atencioso comigo nas diversas vezes que conversamos dentro e fora do mundo do futebol.

O evento acontecerá dia 26 de Outubro, e desde já convido aos amigos que desejarem a participar da Solenidade, às 19h00, no Teatro Polytheama.

001

 

 

– Sobram exames de Mamografia em Jundiaí: DIVULGUEM!

Em tempos que muito se fala sobre a Prevenção ao Câncer de Mama, leio no Jornal de Jundiaí (ed 29/09/2017, matéria de Niza Souza), que a oferta do Exame de Mamografia (que é o principal meio de se diagnosticar precocemente os tumores) foi de quase 30.000 exames no último semestre na cidade. Entretanto, em média, SOBRAM 570 exames / mês (segundo a Secretaria de Saúde de Jundiaí, renomeada Unidade de Gestão e Promoção da Saúde)!

E sabe qual é a grande facilidade? Não é necessário marcar consulta, é só se dirigir a uma UBS e pedir o agendamento da mamografia (não há fila de espera).

Diante das campanhas preventivas, por quê não se cuidar?

Se você conhece alguém que não faz a prevenção, oriente-a!

A matéria do JJ está disponível em: http://www.jj.com.br/noticias-49644-em-jundiai-sobram-mais-de-500-exames-de-mamografia-por-mes

EM JUNDIAÍ, SOBRAM MAIS DE 500 EXAMES DE MAMOGRAFIA POR MÊS

Há dois dias do início do tradicional mês de campanha de prevenção do câncer de mama, o chamado Outubro Rosa, um dado chama a atenção em Jundiaí: sobram vagas para o exame de mamografia, principal aliado do diagnóstico precoce. De acordo com dados da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, da prefeitura, por ano são ofertados 29.892 exames e no primeiro semestre deste ano sobraram, em média, 570 por mês.

De acordo com dados da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde, no ano passado deixaram de ser agendados 1.555 mamografias. Somente nos meses de outubro e novembro, por conta dos eventos do Outubro Rosa, a quantidade de agendamentos aumentou.

“Em 2016, nesse período, foram realizados 5.253 mamografias. Isso significa o dobro do que foi realizado nos demais meses do ano”, informa a diretora de Atenção Básica à Saúde, Viviane dos Santos Vacchi.

A campanha Outubro Rosa foi criada justamente para chamar a atenção e alertar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce. Estudos mostram que o câncer de mama, quando detectado precocemente, tem 88% de chances de cura. Mas, mesmo com o índice positivo, ainda existe a resistência entre muitas mulheres em realizar o exame.

“A realização da mamografia é o principal exame para identificação da doença. O autoexame somente detecta nódulos a partir de um centímetro. A precocidade é fundamental para as chances de cura”, explica Viviane, lembrando que o exame está disponível na rede pública de saúde gratuitamente. A solicitação pode ser feita sem a necessidade de uma consulta. Basta pedir o agendamento na unidade básica de saúde (UBS) do bairro. Não há fila de espera para realizar o procedimento.

No ano passado foram registrados 165 novos casos de câncer de mama entre as mulheres em idade fértil. Até maio de 2017, 60 novos casos da doença foram registrados na rede pública municipal.

O tratamento – cirurgia, quimioterapia ou radioterapia – é feito no Hospital São Vicente de Paulo e não há fila de espera para nenhum dos procedimento, segundo a prefeitura. São realizadas, em média, 20 cirurgias por mês para a retirada de câncer de mama. Segundo a Unidade de Saúde, o tempo entre o diagnóstico da doença e o início do tratamento é de 30 dias, em média, podendo ser reduzido conforme o estágio do tumor.

A abertura do Outubro Rosa será no domingo (1), no Parque da Cidade, com atividades esportivas e exames. As Unidades Básicas de Saúde também estão preparando atividades específicas para o mês.

bomba.jpg

– O Furador de Pedágios deixou de pagar 1100 vezes!

Há malandro para tudo. Imagine você que um caminhoneiro ousou passar mais de 1000 vezes em diversas praças de pedágio na região de Jundiaí, todas elas sem pagar?

Folgado, não? Concordo que o pedágio é caro, mas e o perigo de acidentes e outras coisas que tal ato extremista leva?

Compartilho, em: https://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/caminhoneiro-e-detido-suspeito-de-furar-pedagio-mais-de-mil-vezes-na-regiao-de-jundiai.ghtml

CAMINHONEIRO É SUSPEITO DE ‘FURAR’ PEDÁGIO MAIS DE MIL VEZES NA REGIÃO DE JUNDIAÍ

Segundo a Polícia Rodoviária, o veículo deve mais de R$ 53 mil de taxas e o motorista ainda terá que pagar quase R$ 200 mil em multas.

Um caminhoneiro foi detido na noite desta segunda-feira (18), na Rodovia dos Bandeirantes, em Jundiaí (SP), depois de quebrar a cancela de um pedágio para não pagar a tarifa.

De acordo com a concessionária que administra o trecho, uma pesquisa foi feita a partir das placas do veículo, que é de Iracemápolis (SP), e foi constatado que o motorista já cometeu a mesma infração 1.100 vezes somente nas rodovias do Sistema Anhanguera-Bandeirantes.

Ainda segunda a concessionária, o veículo deve mais de R$ 53 mil de taxas de pedágios que deixou de pagar.

A Polícia Rodoviária foi informada sobre o caso e conseguiu abordar o caminhoneiro em um posto de combustível, às margens da Rodovia dos Bandeirantes. O veículo carregado com açúcar também estava com os pneus carecas e o estepe destruído.

Além de ter que pagar as dívidas com a concessionária que administra o sistema Anhanguera-Bandeirantes, o caminhoneiro foi multado em R$ 195 por cada vez que deixou de pagar um pedágio. Somando assim uma dívida total de quase R$ 200 mil.

Após as multas serem aplicadas e o acionamento da empresa concessionária que administra a rodovia para tratar da cobrança das tarifas atrasadas, o motorista foi liberado para prosseguir viagem.

bomba.jpg

– O descaso para com o trânsito do Bairro Medeiros

Nosso Bairro Medeiros, aqui em Jundiaí, parece estar deixado de lado pela Prefeitura Municipal. As entradas do nosso bairro pela Avenida Reynaldo Porcari (pelo lado da Rodovia Hermenegildo Tonoli), ou pelo lado que acessa a via Francisco Nobre, de quem vem da Rodovia Dom Gabriel, são caóticas!

Quem está no sentido Jundiaí – Itu e tenta adentrar o bairro se depara com uma curva perigosa, com uma fila de carros para entrar e com o ônibus parado em cima da faixa de rolamento pois não existe baia para passageiros subirem ou descerem.

Por pior que esteja a via, ainda conseguiram piorar mais ainda! A Rodovia das Colinas colocou uma defensa para evitar que os moradores acessassem a Rodovia Dom Gabriel, a fim de saírem do bairro sentido Jundiaí ou Itu, partindo de duas ruas. Com a dificuldade de acesso do bairro, ficou uma loucura tal trecho que compreende a Avenida Maria Pansarin Porcari com a Rua David Palombo.

O problema é que o ônibus circular, devido a essa modificação, precisa acessar um trecho de terra do que sobrou da antiga Marginal da Rod Marechal Rondon, dividindo o estreito espaço com carros e pedestres (sendo esse um importante acesso de crianças à Escola Rafael de Oliveira).

O imbroglio é que quando a Rodovia Marechal Rondon passou a se chamar nesse trecho “Rodovia Bispo Dom Gabriel Paulino Bueno Couto”, existiam duas situações:

1- Tinha-se trânsito pela Rua 4, que acabava no trecho sem saída do “terrão do Spina”, e que hoje virou o Condomínio Verdana. A Rua 4 passou a se chamar Av Maria Ap P Porcari, e com a construção, parou no “Sítio Pedra Preta”, onde reside a Família Porcari, moradora lá desde 14 de agosto de 1926 (antes da Rua 4, que depois virou Avenida, ser aberta).

2- Existia também a Marginal da Marechal Rondon, que recebia o trânsito da Rua 4 (hoje Av Maria Aparecida) como um “desvio”. Como a rua era sem saída, abriu-se um acesso não oficial que servia os moradores. A larga Marginal passava paralela à Maria Aparecida e terminava no Posto São Paulo.

O grande erro foi que com a duplicação da Rodovia, eliminou-se parte da Marginal, sobrando 200 metros como uma saída da Avenida Reynaldo Porcari, e o largo trecho de terra à frente foi “comido” pelo acostamento, sobrando apenas um estreito pedaço paralelo ao Sítio Pedra Pretaque não é a Av Maria Parecida Pansarin Porcari, pois esta é sem saída alimas sim parte da antiga Marginal. E essa mesma Marginal, para complicar ainda mais, após o trecho da Capela Nossa Senhora tornou-se fechada pela mesma concessionária, com as defensas impedindo o trânsito.

Diante de toda essa pendenga, a Prefeitura nada fez! Fica um empurra-empurra entre Prefeitura / DER / Concessionária. De autoridades municipais, somente o vereador Albino esteve aqui debatendo com moradores e pedindo aos funcionários da Colinas para que não se fechasse o acesso. Mas, pelo que parece, a Concessionária quer isolar o bairro ainda mais, pois não se moveu em nada para mudar tal panorama.

Enfim: tanto a gestão Pedro Bigardi quanto o início da gestão Luiz Fernando Machado nada fizeram/ tem feito por aqui. Se usassem melhor seus prestígios políticos junto a seus pares, dariam uma solução razoável, que poderia ser: a construção (ou melhor, a reconstrução) da Marginal ou ainda o prolongamento da Avenida Maria Pansarin Porcari, sendo que para tal é necessária uma desapropriação parcial de terreno, e que ao contrário do que algumas pessoas publicaram em Redes Sociais (talvez pessimamente informados ou com alguma intenção escusa, política ou promocional), NUNCA foram procurados para qualquer tipo de negociação daquele trecho; lembrando, ainda, que a propriedade é particular e está ali constituída antes da abertura das ruas (ali há 91 anos). Portanto, isentos totalmente de qualquer responsabilidade (diferente do que alguns “confusos” publicaram).

OBS: não é só esse trecho que é problemático, a própria Avenida Reynaldo Porcari está saturada e difícil de ser transitada próximo aos prédios em construção, sendo que os carros estacionam dos dois lados e fazem uma confusão no horário de pico. E quando chove, sem bueiros…

Compartilho as fotos e vídeo da Taís Porcari publicadas em seu Facebook, onde se vê o perigo que o trecho se tornou (além da velocidade do ônibus). Abaixo:

BAIRRO MEDEIROS

Gostaria de entender como uma prefeitura que faz uma campanha pelo trânsito seguro tem a coragem de deixar a entrada do bairro Medeiros nesse estado! Não temos ponto de ônibus, a rua não é asfaltada e o acostamento se confunde com a via. Temos duas opções, ou comemos poeira para pegar um ônibus ou atravessamos a rodovia. A promessa de pavimentação tem mais de 12 anos! O senhor prefeito Luiz Fernando Machado , quando ainda era candidato a vereador, prometeu fazer algo pelo bairro e até agora NADA! Todo esse tempo se passou e vocês não fizeram nada! Gostaria muito de uma explicação descente! E no mínimo uma solução!!! Pagamos impostos, e altos! Prefeitura de Jundiaí Luiz Fernando Machado.

 COMPLEMENTO: o vereador Albino me informou que a Concessionária Colinas cumpriu a determinação da ARTESP (órgão que regula o setor), sob pena de multa. O próprio Albino solicitou ao deputado estadual Júnior Aprilante e ao deputado federal Miguel Haddad que intercedam pelo bairro. Todos aguardando uma resposta, apesar da demora da Concessionária. 

 

 

– A polêmica da peça infantil na semana da Diversidade Sexual de Jundiaí

Viram que confusão criou-se com a peça infantil “A Princesa e a Costureira”?

É um “conto de fadas lésbico”, e está incluído nos eventos da comunidade LGBT. Entretanto, muita discussão foi gerada sobre o “alcance” da encenação para as escolas municipais de ensino infantil.

Abaixo, uma matéria do Jornal de Jundiaí e o desmentido da Prefeitura sobre a boataria. O curioso é: como pode a peça infanto-juvenil ter alerta que não é recomendada para crianças?

Contraditório, não. Então não é infanto-juvenil!

Extraído de: http://www.jj.com.br/noticias-49218-peca-‘a-princesa-e-a-costureira’-causa-polemica-antes-da-estreia

PEÇA ‘A PRINCESA E A COSTUREIRA’ CAUSA POLÊMICA ANTES DA ESTREIA

A peça ‘A princesa e a costureira’, que será encenada no dia 18 de setembro, às 19h, na Sala Jundiaí, no Complexo Fepasa, abrindo a programação da 4ª Semana da Diversidade Sexual de Jundiaí, tem causado polêmica mesmo antes de sua estreia. Dois abaixo-assinados estão circulando nas redes sociais: um contra e outro a favor da apresentação.

Baseado no livro infanto-juvenil do mesmo nome, da escritora e psicóloga Janaina Leslão, a obra chega a Jundiaí dentro da programação selecionada num Chamamento Público pela Câmara Setorial LGBT do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Jundiaí.

Diante dos fatos, a Prefeitura de Jundiaí lançou uma nota pública de esclarecimento reforçando que a veiculação da peça não tem qualquer vínculo com o Sistema Municipal de Ensino e que atende o que determina a lei municipal que institui como responsabilidade do poder a promoção dos direitos da pessoa humana. Reforça ainda que cumpre o papel de apoiar a Semana, cuja programação foi idealizada pela ONG Aliados.

Para a assessora jurídica da ONG, Rose Gouvêa, a semana quer salientar o respeito entre as pessoas, independente da sua orientação sexual. Segundo ela, é um absurdo que ocorram polêmicas sobre o evento. “A programação está extensa e com assuntos relevantes, por isso não podemos deixar que um determinado público estrague ou atrapalhe a programação.”

Procurada, a prefeitura informou que o esclarecimento foi apresentado para desmentir matérias enganosas a respeito da peça teatral “A princesa e a costureira”, já que a atividade não tem vínculo com o Sistema Municipal de Ensino e nem será promovida em escolas da cidade. A peça faz parte da programação idealizada pela ONG Aliados e discutida com a Câmara Setorial de Diversidade Sexual.

bomba.jpg

bomba.jpg

– A Ajuda do Governo Temer ao Grendacc foi um grande engodo? Não veio a verba para as crianças com câncer!

Não confie em promessa de político que venha do Palácio do Planalto! Lembram do vídeo onde o presidente Michel Temer disse que resolveria o problema do Hospital Infantil do Câncer de Jundiaí (o Grendacc), pedindo que o Ministro da Saúde Ricardo Barros acertasse urgentemente o credenciamento da verba da entidade? O caso aconteceu no começo de Julho e ganhou repercussão nacional.

Pois é: o Grendacc está às duras penas se mantendo para não ter que fechar, e o dinheiro prometido não chegou.

A dona Verci Bútalo, presidente da entidade filantrópica, viajou com os representantes políticos de Jundiaí (vereador Gustavo Martinelli, prefeito Luiz Fernando Machado e deputado federal Miguel Haddad) e tiveram a PALAVRA de Temer, registrada nessa gravação: http://wp.me/p4RTuC-jiQ. TODOS FORAM ENGANADOS?

Uma tristeza sem fim. No dia 15 de agosto, terça-feira, feriado municipal da Padroeira Nossa Senhora do Desterro, o Ministro marcou uma nova reunião em Brasília para “tentar ajudar” e cancelou o encontro 3 horas antes. Não duvido que a dona Verci estivesse pronta para embarcar no Aeroporto.

Será que teremos que esperar o ano eleitoral para salvarem o Grendacc? Até lá, o que será das crianças? Contarão apenas com os voluntários?

bomba.jpg

– Dia de Nossa Senhora do Desterro, Padroeira da Diocese de Jundiaí

As cidades que celebram a devoção à Virgem Maria sobre a invocação da Assunção da Mãe de Deus têm o dia 15 como feriado. Aqui em Jundiaí, a chamamos de Nossa Senhora do Desterro, e o município está parado para as Celebrações Eucarísticas da data.

Mas por quê Desterro?

Tal referência mariana é um título sobre o momento em que a Sagrada Família teve que fugir ao Egito (desterro significa fuga). Assim, recorda-se que os fundadores da Vila de Jundiahy, Petronilha Antunes e Rafael de Oliveira, fugiam de São Paulo de Piratininga e aqui permanceram. Por tal situação, recorreram à Maria, Nossa Senhora do Desterro.

Nesse dia, lembremo-nos dos que fogem das persiguições, das vítimas de guerras e injustiças sociais. E, é claro, por toda a nossa cidade e Diocese.

Nossa Senhora do Desterro, rogai por nós!

url.jpg

– Queimadas covardes ou acidentes na mata?

Coisas que enervam qualquer um e que trazem prejuízo à sociedade: as queimadas (especialmente nesse tempo seco e poluído). 

Imagine quem tem criança pequena em casa e vê o fogareiro ao lado, com cinzas e fumaça por todos os lados?

Pois bem: quero crer que tenha sido acidental, mas em dois pontos próximos da minha casa (na área ao fundo do Sítio Milani e no matagal restante do empreendimento imobiliário que está sendo construído com o adjetivo de “living house”, coincidentemente de propriedade do mesmo investidor) uma enorme queimada aconteceu em cada terreno. E covardemente foi à tardinha, para que a fumaça entrasse nas casas e judiasse dos moradores por toda a noite (isso, de 2a feira para 3a).

No dia seguinte, para ajudar, uma grande árvore que sobrevivia às tentativas de derrubada (uma icônica seringueira), acabou pegando fogo também. Mais uma vez, quero crer que tenha sido acidental. 

Olha o transtorno que isso dá: tem-se que acionar os bombeiros, pára-se o trânsito e custa dinheiro à sociedade. Claro, além disso tem o prejuízo ambiental.

As fotos (abaixo) mostram o incômodo. Mas o terreno ficou limpo…

Quer mais?

Durante a madrugada, da 3a para a 4a, a árvore voltou a pegar fogo e os bombeiros chegaram às duas e meia (sim, 2h30) para apagar o restante e com MOTOSERRAS para cortá-la definitivamente.

É muito prazeroso acordar nesse horário… obrigado, “tocadores de fogo”. O trânsito ficou interditado e só liberado depois das 06h da manhã da quarta-feira.

Quem pagará o transtorno e desconforto dos vizinhos, a fumaça nas nossas casas, o barulho da madrugada e o custo dos bombeiros?

4 fotos:

1- Os bombeiros apagando tudo:

2- O terreno bem limpo (puxa, parece “colocado à mão”):

3- O trabalho dos bombeiros na madrugada:

bomba.jpg

4- O que sobrou da árvore (só o toco)…

Alguém descobrirá se o fogo foi acidental ou criminoso? Ou ficaremos só chupando o dedo…

– Pela Preservação do Instituto Agronômico em Jundiaí!

Os vereadores de Jundiaí tentarão barrar a venda (ou dificultar) da área pertencente ao Governo do Estado conhecida como CAIC (DEA).  A idéia é que se proíba a criação de loteamento naquele local.

Nessa, todos os envolvidos merecem nota 10 por tal propósito de conservação! E aqui reforço algo desde que surgiu a notícia, no ano passado: não se pode perder aquele patrimônio “verde” para a especulação imobiliária.

Compartilho o texto no qual defendo que se crie ali um campos acadêmico:

E A CAIC SERÁ VENDIDA?

Como legítimo ex-aluno da EEPG Irmã Úrsula Gherello, a querida “Escola da CAIC”, fico triste com a notícia: o Governo do Estado irá leiloar todas as terras onde estão o Instituto Agronômico de Jundiaí (o antigo DEA), onde está a escola, toda a área verde e o centro de pesquisa.

Puxa, a justificativa seria a de que o Estado precisa de dinheiro. Mas que tal tentar criar ali um campus da UNESP ou da UNICAMP, preservando o local e valorizando a Educação?

Penso que vender terras é menos interessante para um povo do que investir em ensino. E você?

Sobre o déficit do Governo?

Que se corte as mordomias, ora bolas!

E a lógica será: mais um condomínio residencial, com a já batida propaganda de vista privilegiada para a Serra do Japi”.

bomba.jpg

– A difícil e/ou indevida arte de julgar: o caso do cãozinho que morreu no Pet Shop

Repercutiu bastante em toda a Jundiaí a morte de um cachorrinho de estimação chamado Nick. Motivo: ele iria ser tosado e tomaria banho em um Pet Shop tradicional do Parque Eloy Chaves; entretanto, o (a) funcionário (a) responsável bobeou e deixou o animal sozinho. Como ele estava amarrado e em cima de uma mesa, saltou e se enforcou.

Aqui, fica a observação: nos tribunais regionais do Facebook (e nos casos nacionais, acrescente-se as outras redes sociais como Twitter e Google Plus), houve de tudo: gente tentando consolar a dona do bichinho, gente criticando o Pet Shop e exageros dos dois lados, com um radicalismo “a lá ISIS”.

Nesse tempo de inclusão digital, dos mais intelectuais até chegando aos energúmenos, a possibilidade de crítica se faz democrática e todos têm acesso a ela. E isso é ótimo! Entretanto, o que pesa são os intolerantes, preconceituosos, aproveitadores, haters e demais personagens do mundo das redes “anti-sociais”. Virou Tribunal da Inquisição com escolha de pena: prisão perpétua, pena de morte, absolvição total ou indenização por injusta acusação. Só não há espaço, lamentavelmente, para a concórdia!

Em especial no caso do animalzinho Nick, é lógico que a dona dele ficará inconsolável. Não há processo na Justiça que deverá devolver-lhe a companhia do “melhor amigo do homem”. Do outro lado, se coloque no lugar da proprietária do estabelecimento, há quase 20 anos por lá! Imagine o remorso imenso em decorrência do descuido de um(a) colaborador (a), além da dor de cabeça judicial que terá.

Ambos envolvidos saíram perdendo; a proporção dos danos sofridos por cada um não se pode mensurar, assim como o Facebook e seus julgadores de tribunais eletrônicos devem ter bom senso em não execrar ninguém.

Tolerância, paciência, misericórdia, justiça e equilíbrio: é isso que as pessoas precisam ter antes de postagens radicais! Particularmente, torço para que a dona do cachorro e a proprietária do Pet Shop se recuperem de seus abalos e sigam a vida.

Em tempo: repare que não estou fazendo juízo de valor se A foi mais prejudicada do que B. Apenas quero ponderar o desnecessário julgamento.

bomba.jpg