– A Origem dos “Pés Rapados”

Quando o cara é pobre, jocosamente se chama ele de “pé-rapado”. Mas por quê?

Por um fato histórico da cultura de nosso país, onde o termo correto seria “pé raspado” e que por vício de linguagem virou “rapado”.

Ainda assim: independente de ser “raspado” ou “rapado”, como surgiu?

Muito curiosa a explicação que remonta ao tempo do Brasil Colônia, extraída de “O POVO” on line.

(Link em: https://www.opovo.com.br/noticias/curiosidades/2018/07/voce-sabe-como-surgiu-a-expressao-pe-rapado.amp.html)

COMO SURGIU A EXPRESSÃO PÉ-RAPADO

Sinônimo de pessoa de origem humilde, “pé rapado” é uma expressão utilizada há muito tempo pelos brasileiros. Mas você sabe como surgiu o termo?

Apesar de não ter uma data específica que possa identificar o início da expressão, na segunda metade do século XVII o poeta Gregório de Matos dedicou esses versos a uma mulher baiana que lhe havia pedido um cruzado para consertar os sapatos:

“Se tens o cruzado, Anica,
Manda tirar os sapatos,
E senão lembra-te o tempo
Que andaste de pé rapado”

Os mais pobres eram os que tinham os pés mais sujos de barro, afinal os que tinham mais condições se locomoviam à cavalo, de charrete ou de liteira, precisando andar bem menos. Aqueles que eram muito mais pobres raspavam a sola do próprio pé, afinal andavam descalços. Dai surge a expressão, primeiramente nas zonas rurais.

Durante a Guerra dos Mascates, em 1710, o termo era ulilizado para se referir de forma depreciativa às tropas da aristocracia ruralista, pois estas combatiam o exército português descalços, enquanto a cavalaría ostentava botas que combinavam com o uniforme. 

O pesquisador regionalista Luís da Câmara Cascudo escreveu em seu livro Locuções Tradicionais do Brasil que o termo é um sinônimo de “descalço, de pés nus, pé no chão”, uma metonímia para designar a população de origem mais humilde.

unnamed

Anúncios

– Os reais Zumbis do Haiti! Walking Dead de verdade…

Você sabe como se “faz” um Zumbi?

Ou melhor: você acredita na existência de Zumbis?

Ouvi o jornalista Cláudio Tognoli no Programa Morning Show da Rádio Jovem Pan falando sobre a assunto. E me impressionei! Ele contou sobre uma toxina encontrada em uma espécie de sapo somente existente no Haiti (bufo marinos), que se aplicada em uma pessoa ela fica em estado catatônico, com os olhos virados para trás, drogada por ser uma substância “narco-epilética”, transformando a pessoa em um escravo obediente – totalmente fora de si!

Assustou?

Eu também. E essa história pode ser conferida em: https://www.megacurioso.com.br/zumbis/39595-o-caso-do-haitiano-zumbi-que-voltou-para-casa-21-anos-depois-de-morto.htm

O CASO DO HAITIANO ZUMBI QUE VOLTOU PARA CASA 21 ANOS DEPOIS DE MORTO

Por Daiana Geremias

Zumbis existem de verdade? Nem tente bancar o cientificamente correto aqui e dizer que eles não existem, porque a história que vamos contar para você a seguir pode mudar suas convicções. Portanto, antes de qualquer coisa, abra a cabeça – não precisa ser literalmente.

O haitiano Clairvius Narcisse ficou muito doente em 1962, tendo vivido momentos de febre, dor intensa e relatado a sensação de mosquitos perfurando sua pele. Isso sem falar na extrema dificuldade que sentia para respirar. Ele então foi levado ao hospital, onde foi atendido por dois médicos, mas, pouco tempo depois, foi declarado morto. O velório foi breve e o enterro foi logo realizado.

Narcisse, no entanto, disse nunca ter morrido de verdade. O que aconteceu foi que ele acordou, meio perturbado, dentro de um caixão e enterrado. O haitiano acredita que foi envenenado e vítima de algum tipo de feitiço. Na noite seguinte, ele foi exumado por um shaman vudu e levado a um lugar desconhecido. Detalhe: ele recebeu uma mistura que o deixava em estado de zumbi.

Depois disso, Narcisse afirma ter se tornado um escravo, sendo forçado a trabalhar dia e noite em uma plantação de cana-de-açúcar – todos os dias, ele e os outros presos recebiam a mesma mistura que os transformavam em trabalhadores-zumbis. Seria esse o plano mais macabro de todos os tempos?

O fato é que os presos foram liberados em determinado momento e Narcisse afirma ter passado 18 anos vagando pelas ruas, procurando sua família, que a essa altura tinha absoluta certeza de sua morte. Em 1981, enquanto vagava por um vilarejo, Narcisse reconheceu sua irmã e ela também o reconheceu – pelo menos foi isso o que deu para entender pelos gritos assustados e altos que ela deu. Ele convenceu a irmã de que era ele quando usou um apelido que apenas a família conhecia.

Os vizinhos também reconheceram Narcisse e logo um médico psiquiatra foi chamado para ajudar a entender o acontecido. O haitiano respondia a todas as perguntas pessoais e da família sem o menor problema. Quando todos confirmaram mesmo que Narcisse era Narcisse, a imprensa internacional logo apareceu para cobrir a história mais do que bizarra.

Além do médico e da imprensa, um pesquisador de Harvard, Wade Davis, demonstrou muito interesse em estudar o caso. Davis, um especialista no uso de plantas por seres humanos, afirmou que o haitiano poderia mesmo ter sido obrigado a usar alguma substância que o deixasse sedado e subordinado.

O pesquisador explicou ainda que uma toxina conhecida como TTX pode deixar o corpo de uma pessoa em estado de morte – quando alguém ingere essa toxina, fica catatônico e com pouquíssimos sinais vitais. No Haiti, o TTX pode ser encontrado em uma espécie de sapo.

Davis acredita que a substância responsável por deixar Narcisse alucinado e trabalhando como escravo por tanto tempo é uma toxina conhecida como Datura stramonium.

E aí, o que você acha dessa história completamente maluca? O caso nunca foi completamente desvendado.

bomba.jpg
Narcisse e seu próprio túmulo

– A Marvel de antigamente e os Desenhos mais Toscos

Olha que curioso: o UOL Cinema trouxe uma matéria muito bacana dos desenhos mais “antigos e supostamente fracassados” da Marvel!

Quem gosta de desenhos dos anos 60 e 70, vai se deliciar!

Clique em: https://cinema.uol.com.br/listas/flintstones-e-a-coisa-os-desenhos-toscos-da-marvel-nos-anos-60-e-70.htm

Aqui uma pérola (as demais no link acima): CLUBE MARVEL, que hoje conhecemos como Vingadores, em: https://www.youtube.com/watch?v=3peTODrEpws

– E se você fosse em linha reta pelo mar?

Sempre que estou no Litoral, penso: e se eu for reto, pararei em que lugar?

Como gosto de Santos e Guarujá, logicamente sei que é no continente africano. Mas em qual país?

Aí também é fácil, é só pegar o mapa-mundi. Mas veja que interessante: se você estiver sentado em qualquer praia de todos os países litorâneos da América e resolver atravessar o mar, sairá em…

Na figura, a resposta:

DhtXtsHW4AA4qv_

– Coisas maravilhosas das artes em Sampa.

Há pouco encontrei esse senhorzinho sentado num lounge paulistano (foto abaixo). Jeitão de maluco, cara de louco, um pouco teimoso. Mas parece ser gente boa. Apelido de “Bertinho”.

Acho que tem alguma coisa acima da média nele… Talvez o QI?

#AlbertEinsteinestátua do Hospital Israelita Albert Einstein, no bloco A, no Morumbi.

– Então hoje é dia de comer pizza?

A data é invenção tipicamente brasileira: Caio de Carvalho, na época Secretário de Turismo de SP, queria promover uma das paixões gastronômicas de São Paulo – a PIZZA – e criou em 10 de julho de 1985 um concurso para saber qual a melhor pizza de mozarela e marghuerita da Capital. Não deu outra, a data ficou marcada como Dia da Pizza, tamanho o sucesso.

Cá entre nós: a gostosura é indispensável na maior parte das famílias. E já viram quantas pizzarias e disk-pizzas existem por aí?

É bem verdade que existem muitas massas emborrachadas tentando se passar por pizza (afinal, nem todas são feitas com bons ingredientes), mas as boas, infelizmente, custam caro – afinal, os bons produtos são para poucos restaurantes.

A minha favorita é margherita! Mas se tiver atum, calabresa, palmito, à moda… tudo bem! Desde que tenha bastante azeite de oliva extra-virgem (indispensável).

A propósito, minha filhota comilona Marina, também escreveu sobre o dia da pizza e resolveu dar dicas.

Acessem: https://blogdamarinaporcari.wordpress.com/2017/07/10/dia-nacional-da-pizza/

bomba.jpg

– A Genética da Mulher do Circo

Não costumo postar tal assunto, mas esse é muito curioso. Lembra daquelas propagandas de circo: “Hoje a mulher barbada é a atração!”?

Pois bem: cientistas chineses conseguiram descobrir porque existem mulheres barbadas.

Extraído de: http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5gArSJzUFTYn738Rhw6pczB4OfQ2g

WASHINGTON, EUA (AFP) CIENTISTAS DESVENDAM O MISTÉRIO DA MULHER BARBUDA

Cientistas chineses identificaram o problema genético que está na origem da síndrome da “mulher barbuda”, cujas vítimas foram consideradas monstros e chegaram, um dia, a ser expostas em feiras.

O caso mais famoso da história da medicina remonta ao século XIX: Julia Pastrana tinha esta doença e foi explorada por um produtor de espetáculos que a levou para o mundo inteiro, lembrou um estudo publicado nesta quinta-feira na revista American Journal of Human Genetics, por uma equipe da Academia de Ciências Médicas de Pequim.

Pastrana sofria de “hipertricosis universal congênita terminal” (CGHT), um desequilíbrio hormonal caracterizado por um grande desenvolvimento do cabelo e do pelo do corpo, acompanhado por uma deformação do rosto e das gengivas.

“A mutação genética na origem da CGHT (…) ainda não havia sido descoberta”, disse um dos autores do estudo, o doutor Zhang Xue.

Os pesquisadores conseguiram determinar as anomalias genéticas do cromossomo 17q24.2-q24.3 responsável por esta doença.

Para realizar o estudo, difícil de concretizar pela raridade de casos, Zhang e sua equipe efetuaram análises em membros de três famílias chinesas que sofrem da doença.

Alguns apresentavam diferentes tipos de alterações de cromossomos gerando má-formações, outros tinham problemas de duplicação de genes, também fator de má-formações.

“Nosso trabalho determina claramente que a CGHT é uma desordem genética”, explicou Zhang, dizendo que “são necessários outros estudos para compreender os mecanismos moleculares exatos” desta doença.

Resultado de imagem para Júlia Pastrana

Acima, foto de Júlia Pastrana (1934-1960), durante apresentação em Londres. Um dos casos mais comuns de “mulher Barbada”, ou melhor, portadora da hiperticose generalizada congênita.

 

– Feliz Dia dos Namorados (mas aqui a data é comercial…)

Hoje é Dia dos Namorados, data criada pelo publicitário João Dória para alavancar as vendas que andavam paradas no mês de junho. Enquanto que no exterior o Dia dos Namorados é no Dia de São Valentino (Valentino’s day), aqui é na véspera de Santo Antonio (primeiro se comemora o namoro, depois o “casamenteiro”).

Olha só como comercialmente surgiu a data:

DIA DOS NAMORADOS

Nosso Dia dos Namorados (12 de junho) foi criado para ser uma data comercial, contrariando o tradicional Dia dos Namorados mundo afora (14 de fevereiro). Seu idealizador foi João Dória (pai do apresentador João Dória Jr,), que trabalhava na agência de publicidade Standard, e teve como missão bolar um evento comercial para a rede de lojas Cliper, grande varejista da época, que sempre se queixava das poucas vendas do mês de junho. Aproveitando a véspera do dia de Santo Antonio em 13 de junho, (que tem a fama de ser casamenteiro no Brasil, muito embora não exista essa fama no exterior), criou o slogan: “não é só de beijos que os namorados vivem”. Tal bordão se popularizou, e outras empresas passaram a comercializar com base no dia dos namorados.

A propósito de São Valentino, ele foi um bispo que viveu em Roma e morreu como mártir, pois durante o império de Claudius II, o governante impôs uma lei proibindo o casamento, já que acreditava que soldados solteiros eram mais despojados em combate, pois os casados acabavam pensando em seus familiares e não “renderiam” como desejado. E Valentino, ocultamente, ajudava os casais a celebrarem o Matrimônio. Foi preso e morto cruelmente.

Nesta data, na Inglaterra, é costume os casais trocarem doces. Na Itália, ocorrem jantares românticos. Na Dinamarca, os homens empastam rosas e pétalas e dão um buquê de flores conhecido como “flocos de pétalas”. No Japão, são as mulheres que presenteiam seus parceiros com chocolate. Opa, quero comemorar a data no melhor estilo japônes!!!!!

Resultado de imagem para coração rosa

– Curiosidades de quem tem muitos times grandes e pequenos na Libertadores!

Ser um país de tradição no futebol tem suas peculiaridades, não?

Sendo assim, o Brasil é o país com o maior número de equipes que já disputaram a Libertadores: 28 times diferentes!

Mas sabe quem vem em segundo lugar nesse ranking? A Venezuela, com 26 times, justamente por não ter tradição e suas equipes não serem perenes em grandeza.

Aliás, em países com dois times grandes apenas, como o Uruguai, vemos o Nacional participar desde 1997 seguidamente no torneio (22 participações consecutivas), e juntamente com seu compatriota Peñarol, cada um participou 45 vezes da competição (o NAC venceu só 2 edições e o PEÑ 5).

Outro número interessante: quem mais apitou a Taça Libertadores foi o paraguaio Carlos Amarilla: 93 jogos (Romualdo Arppi Filho é o brasileiro recordista, com 56 atuações).

Enfim: o artilheiro maior do torneio, talvez imbatível, é o mítico equatoriano Alberto Spencer, com 54 gols. Mas em número de jogos disputados, dois goleiros: Hugo Almeida com 113 partidas pelo Olímpia e Rogério Ceni com 90 pelo São Paulo. Só que em títulos, dificilmente alguém alcançará o argentino Francisco Sá, campeão da Libertadores da América 6 vezes: pelo Independiente em 1972, 73, 74 e 75; pelo Boca Juniors em 1977 e 78.

Será que teremos algum recorde a ser quebrado nessa edição 2018? Aliás, todos torcendo para um Corinthians x Palmeiras nas 4as de final.

bomba.jpg

– A invenção do ALÔ!

Puxa, não sei onde li ou escutei, só sei que: logo após o telefone ser inventado por Graham Bell,  criou-se uma regra de, ao atendê-lo, para a pessoa saber que você estava na linha, dizer: “você está aí” ou “tem alguém do outro lado”?

E sabe como surgiu o alô?

Com o pai da lâmpada elétrica, Thomas Edson! Ele se habitou a dizer “Hello“, e a moda pegou. O “Hello” virou “Alô” e até hoje é usado.

Imagem relacionada

– Um Diretor Sensível e Humanista

Alexandre Versignassi é diretor-superintendente da Revista Superinteressante. E o executivo teve uma atitude magnífica, dias atrás!

Tudo começou com a Marina, minha filhota de 8 anos. Ela adora ler jornais e revistas comigo, e, questionadora do jeito que ela é, imaginem a “indignação” dela ao ler uma matéria da revista sobre a “Teoria dos Terraplanistas” (criada pelas pessoas que defendem que o planeta Terra seja plano).

O link da matéria está aqui: https://super.abril.com.br/ciencia/a-ciencia-da-terra-plana/

Não deu outra! A Marina resolveu escrever uma carta, redigida à mão e com outras partes em computador, ilustrada e didaticamente montada falando sobre as provas de que a Terra era redonda e pontuando erros dos terraplanistas.

O bacana é que Alexandre Versignassi não só leu com tanta atenção, mas foi extremamente gentil publicando carinhosamente a cartinha dela, tecendo elogiosos comentários e compartilhando com amigos. Confesso que, ocupado como ele deve ser, surpreendeu-me positivamente!

Escreveu com as fotos em sua rede social:

Coisa linda essa leitora de 8 anos da Super. Ela leu com o pai nossa matéria sobre as sandices dos terraplanistas, e fez questão de mandar uma carta mostrando as provas empíricas que colheu sobre o fato de que sim, vivemos sobre uma bola gigante.

Olha só as explicações da Marina:

Papai coruja fica orgulhoso…

– Os campeões per capita de…

… vários índices curiosos!

Vejam só: a Revista Superinteressante da edição de Dez/2016 trouxe uma matéria sobre os países recordistas de “alguma coisa” em relação ao contingente populacional. Ou seja, os “campeões per capita” de algo. O Brasil, por exemplo, no mundo, é campeão per capita de número de cesáreas (57% dos bebês brasileiros nascem de partos cesarianos).

Alguns outros campeões per capita:

Consumo de Chocolate: Suíça

Consumo de Cerveja: República Tcheca

Número de Castelos: Eslováquia

Número de Fumantes: Sérvia

Pessoas com Depressão: Chile

Produção de Lítio: Bolívia

Queda de Raios: Colômbia

Candidatas à Misses: Venezuela

Formação de Médicos: Cuba

Compradores de Carros: EUA

Prática de Abortos: Groelândia (incríveis 50%)

Bibliotecas: Estônia

Suicídios: Lituânia

Leis de Defesa às Mulheres: Islândia

Mortes no Trânsito: Líbia

Risco de Morte: Síria

Consumo de Carne: Austrália

Formação de Psicólogos: Argentina

Números de Homens Nascidos: Irã

Ateus: China (47% não acreditam em nada)

Alfabetizados: Coréia do Sul

Militares: Coréia do Norte

Idosos: Japão

Vítimas de Alcoolismo: Belarus

Consumo de Café: Finlândia

Consumo de Refrigerantes: México

Gatos como Bicho de Estimação: Rússia

Portadores do Vírus HIV: Suazilândia

Alguns dados não tão relevantes. Mas que dizem algo, ô se dizem.

bomba.jpg

– Por quê Sábado e Domingo não tem feira?

Curiosidade: por quê só nós (países de língua portuguesa) temos “Feira” de segunda a sexta nos dias da semana? E por que não tem no domingo?

Se feira quer dizer “festa”, por quê não poderíamos chamar o sábado e domingo de “sábado-feira” e “domingo-feira”?

Explicações extraídas da Revista Galileu (citação em: http://is.gd/CImPfZ)

POR QUÊ SABADO E DOMINGO NÃO TEM FEIRA?

por Marcelo Zissu

Porque Deus quis. Ou, para não repetir a resposta irritante da sua avó, porque a Igreja quis. Durante o Império Romano, os dias tinham nomes de divindades — o que ainda é seguido no inglês, francês, italiano e espanhol: dia do Sol, sunday, dia de Vênus, vendredi ou viernes. Como o Vaticano não gosta que seus fiéis citem outros deuses, impôs um critério mais técnico: usar “segundo”, “terceiro”, seguido do sufixo “feira” — que vem de “dia de festa” em latim, mas incorporou o sentido de “dia de semana”. Dois dias foram considerados especiais. O domingo veio de dies domini (“dia do senhor” em latim) e o sábado, do hebraico “sabbath” (descanso). Ninguém sabe por que todos os países latinos seguiram a ordem sobre o fim de semana, mas só Portugal obedeceu sobre os dias normais.

– Quanto cabe de Combustível no Tanque do seu Carro?

Já aconteceu de você estar com o combustível do seu veículo acabando, e na sequência abastecer e perceber que a quantidade de litros no visor da bomba é maior do que a capacidade do tanque do seu veículo?

Se o posto for suspeito, pode ser golpe da galonagem (quando 1 litro tem menos de 1000 ml). Mas se o estabelecimento for idôneo, não se desespere: a capacidade informada no manual do veículo corresponde a cerca de 90% do volume máximo do tanque, e é atingida no momento do desarme da bomba.

Extraído de: Revista Combustível e Conveniência, ed Outubro 2012, pg 34-35, por Gabriela Serto

DIFERENÇA DE CAPACIDADE

O que fazer quando o consumidor reclama que a bomba marcou mais litros do que a capacidade do tanque indicada no manual do veículo? Saiba como orientar seu frentista e evitar suspeitas infundadas sobre seu estabelecimento.

O motorista para no posto e pede para o frentista encher o tanque. Finalizando o abastecimento, o cliente reclama que a bomba marca uma quantidade de litros superior à indicada como capacidade máxima no manual do veículo. Diferentemente do que se poderia imaginar, isso é possível de acontecer e, infelizmente, é uma prática que já está sendo observada pelos órgãos de defesa do consumidor, embora não tenha nada a ver com o fantasma da bomba baixa (quando a bomba marca uma quantidade de litros superior à de fato vendida).

Na verdade, essa situação tem sido registrada devido ao hábito de alguns frentistas, às vezes por má orientação, de forçar o abastecimento após ocorrido o desarme. Mas o que acontece de fato no tanque?

A capacidade do tanque de combustível informada pela montadora no manual do veículo corresponde a cerca de 90% da sua capacidade máxima. Esse volume, chamado de capacidade nominal é atingido no momento em que ocorre o “desarme” do bico da mangueira da bomba de combustíveis. Se o frentista for além nesse momento, haverá divergência entre o marcado na bomba e o informado no manual.

imgres.jpg

– A incrível foto do eclipse total do Sol é real ou não?

Circula na Web essa foto do Eclipse Total do Sol, acontecido na semana passada, clicada supostamente por um piloto da British Airways, que por coincidência ainda flagrou outro avião em pleno voo nos EUA.

Não sei se é montagem ou se é real. Mas que a beleza dessa fotografia é incontestável, não tenha dúvida!