– O Programa Verde Amarelo: as novas regras para incentivar a contratação de jovens.

Gostei bastante das medidas para incentivar a contratação de jovens, a partir da desoneração do empregador.

Os mais novos são pessoas menos experientes e que estão, pela faixa etária, mais desempregadas que as outras. Dar oportunidade a eles é importantíssimo! Apoiar o empreendedor para isso, idem (com o detalhe de que não se pode “trocar um funcionário mais velho por um mais novo”).

Parabéns, nessa o Governo Federal foi irrepreensível. Abaixo, as medidas:

Extraído de: https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/11/11/governo-anuncia-programa-para-tentar-estimular-contratacao-de-jovens.ghtml

GOVERNO ANUNCIA PROGRAMA PARA ESTIMULAR CONTRATAÇÃO DE JOVENS

Verde Amarelo foi lançado em cerimônia no Palácio do Planalto e, segundo o governo, reduz em cerca de 30% os custos do empregador. Programa flexibiliza regra de trabalho aos domingos.

O Governo Federal anunciou nesta segunda-feira (11) um programa que visa incentivar a contratação de jovens entre 18 e 29 anos.

Conheça os detalhes do programa:

O programa, chamado Verde Amarelo, foi lançado em uma cerimônia no Palácio do Planalto, da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Segundo o governo, o programa reduz de 30% a 34% os custos para o empregador; flexibiliza o trabalho aos domingos; incentiva o microcrédito; e prevê mudanças jurídicas relacionadas a processos trabalhistas.

De acordo com o Ministério da Economia, o objetivo é gerar 1,8 milhão de empregos até 2022.

  • as empresas poderão contratar até 20% dos funcionários na nova modalidade (em postos de trabalho com remuneração de até 1,5 salário mínimo);
  • as empresas poderão contratar na nova modalidade até o final de 2022;
  • os contratos deverão ser de no máximo 2 anos;
  • os funcionários receberão, mensalmente, o valor proporcional às férias e ao 13º salário.
  • Segundo o Ministério da Economia, as medidas previstas no Verde Amarelo são válidas somente para novas contratações e não permitem substituições na atual folha de empregados. A pasta não informou, contudo, se haverá algum tipo de fiscalização.

Inicialmente, o governo cogitou incluir na proposta pessoas com mais de 55 anos, mas isso ficou de fora do Verde Amarelo.

O programa lançado nesta segunda-feira permite a ampliação do trabalho aos domingos e feriados. Pela lei atual, o repouso remunerado aos domingos é a regra. O pacote do governo, contudo, permite o descanso “em qualquer outro dia da mesma semana”.

De acordo com o Ministério da Economia, entidades preveem que, com essa mudança, será possível gerar cerca de 500 mil empregos até 2022.

Recentemente, a Câmara dos Deputados tentou flexibilizar a regra do trabalho aos domingos, durante a votação da chamada “MP da liberdade econômica”. O Senado, contudo, rejeitou mudar a regra.

Governo lança programa para criar vagas de emprego:

O programa prevê diversas outras medidas, entre as quais:

  • Microcrédito: Concessão de R$ 40 bilhões para até 10 milhões em microcrédito. De acordo com o governo, os recursos serão direcionados a “população vulnerável, desbancarizados e pequenos empreendedores formais e informais”;
  • Reabilitação profissional: Tentar reinserir no mercado de trabalho 1 milhão de pessoas afastadas por incapacidade. O objetivo é garantir a “reabilitação física e habilitação profissional para reinserir vítimas de acidente do trabalho, acidentes de qualquer natureza ou pessoas que estejam fora do mercado de trabalho decorrente de incapacidade”;
  • Contratação de pessoas com deficiência: De acordo com o governo, metade das 768 mil vagas para pessoas com deficiência estão preenchidas. O objetivo é estimular novas contratações.

Mônica Waldvogel explica medidas do programa de emprego apresentado pelo governo

Durante a cerimônia desta segunda-feira, Bolsonaro assinou uma medida provisória (MP) para permitir o “contrato verde amarelo” de jovens de 18 a 29 anos.

Portanto, o programa terá força de lei assim que a MP for publicada no “Diário Oficial da União”. Para se tornar uma lei em definitivo, contudo, o “contrato verde amarelo” precisará ser aprovado pelo Congresso Nacional em até 120 dias.

O Congresso poderá aprovar a MP como o governo a enviou; aprovar a proposta com mudanças; ou rejeitar.

Em caso de aprovação, o texto será enviado para sanção de Bolsonaro. O presidente, por sua vez, poderá sancionar a proposta, sancionar com vetos ou vetar integralmente. Se Bolsonaro vetar, os parlamentares poderão manter a decisão do presidente ou derrubá-la.

Além disso, a parte do programa voltada para a reabilitação de pessoas constará de um projeto de lei a ser enviado ao Congresso Nacional. Portanto, só se tornará um lei se aprovada pelos parlamentares e sancionada por Bolsonaro.

Segundo o secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, havia uma reivindicação “muito forte” para que o período em que o contribuinte recebe seguro-desemprego contasse para o tempo de aposentadoria.

Segundo ele, o governo decidiu, então, cobrar contribuição previdenciária de quem receber seguro-desemprego, e o período contará para a aposentadoria.

“Nós vamos passar a cobrar, a partir do período da noventena, a contribuição mínima de 7,5% e, em contrapartida, vamos contar o período do seguro-desemprego para termos de aposentadoria”, afirmou.

Ainda segundo Rogério Marinho, o governo calcula que, com as medidas anunciadas nesta segunda-feira, deixará de arrecadar cerca de R$ 10 bilhões em cinco anos.

A “compensação”, segundo ele, será por meio da mudança no seguro-desemprego. Conforme o secretário, com a contribuição de 7,5%, o governo poderá arrecadar até R$ 12 bilhões em cinco anos.

Imagem relacionada

Anúncios

– A implosão e a incoerência do Deputado Delegado Waldir. E ai, PSL? Acreditou, Presidente Bolsonaro?

Um verdadeiro “samba-do-criolo-doido”! É assim que se pode definir a situação envolvendo o PSL com seus membros. 

Primeiro, foi o presidente Jair Bolsonaro detonando Luciano Bivar, presidente da sigla, levantando suspeitas (falamos sobre isso no link em: https://wp.me/p4RTuC-o8J). Depois, a possível debandada de deputados para um novo partido, possivelmente o PRB de Edir Macedo / Marcelo Crivela. Agora, brigas entre lideranças que vão desde Joice Hasselmann ao deputado Waldir. Aliás, esse último deixou vazar o áudio onde diz:

“Sou o mais fiel a esse vagabundo (…) vou implodir ele”.

A deputada Janaina Paschoal disse não estar entendendo nada e que estava triste pois parecia um grande teatro. E, nessa mesma linha, foi a justificativa de Waldir, dizendo que fez tudo de caso pensado como infiltrado do próprio Bolsonaro!

Dá para levar a sério esse país? Fogo amigo, brigas pelo poder, vaidade… E, sabemos, não é exclusividade da Direita!

Extraído de: https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-deputado-diz-que-gravou-reuniao-do-psl-para-alertar-bolsonaro-de-provavel-conspiracao/

DEPUTADO DIZ QUE GRAVOU REUNIÃO DO PSL PARA ALERTAR BOLSONARO DE “PROVÁVEL CONSPIRAÇÃO

Por Diego Amorim

O deputado Daniel Silveira, do PSL do Rio de Janeiro, foi quem gravou a reunião de deputados do seu partido na noite de ontem. Na conversa, entre outras coisas, o líder Delegado Waldir chama Jair Bolsonaro de vagabundo e fala que vai implodir o presidente da República (aqui).

O Antagonista conversou com Silveira por telefone.

Ele disse que decidiu gravar a conversa, usando o celular, com uma “intenção simples”: blindar Bolsonaro do que ele chama de “provável conspiração”.

“Isso estava em conluio, na verdade. Tivemos que trabalhar como infiltrados ali para poder conseguir acessar as informações, senão não tinha como. Era uma cúpula fechada tramando contra a República. Isso aí por fundo partidário, dinheiro e poder. Não serve, o Brasil não espera mais isso.”

Silveira contou que enviou o áudio para o presidente da República.

“Claro, ele foi o primeiro a ouvir.”

Perguntamos de que forma Bolsonaro reagiu.

“Com um pouco de surpresa, porque tinha muitas informações ali, informações que, ao meu ver, são um pouco estarrecedoras, porque trariam um prejuízo, de fato, para o Brasil.”

O deputado completou:

“Eu estou eleito na base do Bolsonaro e, custe o que custar, a gente vai defender o presidente.”

Resultado de imagem para deputado Waldir

Deputado Delegado Waldir – Reprodução: Veja.

– Pra quê, Eduardo Bolsonaro?

O possível novo embaixador do Brasil em Washington, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), pisou na bola.

O filho do presidente Jair Bolsonaro resolveu estampar uma camiseta ironizando a sigla LGBT, trocando as iniciais de Lésbica, Gay, Bissexual e Trans por Liberdade, Armas, Bolsonaro e Trump (em inglês, as mesmas siglas).

Seria normal se fosse de um cidadão comum qualquer, sem respeito às diversas causas sociais. Mas sendo quem é, deveria ter o bom senso de evitar essa ironia gratuita.

A pergunta é: pra quê? Ao invés de tumultuar, silencie-se… Parece que “riscar fósforo em palheiro” é prática corriqueira à essas pessoas…

Resultado de imagem para Bolsonaro LGBT

– Pesquisa, no Brasil, tem se tornado algo secundário!

É sabido que onde falta Saúde, Segurança, Emprego e Educação, verbas para pesquisas se tornam, infelizmente, secundárias e não prioritárias pelo Governo. Cortar recursos do CNPq e da CAPES é algo que dói demais, pois são cientistas que trabalham para um país melhor e usam com cuidado esse dinheiro.

O que irrita é: cortar dinheiro do Fundo Partidário e Eleitoral não corta-se, né?

Abaixo, extraído de: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2019/09/capes-nao-financiara-novas-pesquisas-em-2019-quase-12-mil-bolsas-foram-cortadas-no-ano.html

CAPES NÃO FINANCIARÁ NOVAS PESQUISAS EM 2019: QUASE 12 MIL BOLSAS FORAM CORTADAS NO ANO

Uma das principais entidades públicas de fomento à ciência do Brasil, Capes sofrerá corte de metade de seu orçamento de acordo com o planejamento enviado pelo governo federal para 2020

Se produzir ciência no Brasil nunca foi uma missão fácil, a atual conjuntura deixa ainda mais dramática a situação de milhares de pesquisadores que desenvolvem seus trabalhos nas diferentes instituições do país: na última segunda-feira (02 de setembro), o Ministério da Educação (MEC) anunciou o corte de 5.613 bolsas de mestrado e doutorado concedidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), uma das principais entidades públicas de fomento à pesquisa brasileira.

Desde o início de 2019, quase 12 mil bolsas foram retiradas do orçamento da Capes, que é ligada ao MEC. Com isso, nenhum novo pesquisador será financiado pela entidade neste ano — em comunicado, o governo federal afirmou que os pagamentos não serão suspensos para os projetos de mestrado e doutorado em andamento.

Responsável pelo planejamento de concessão de bolsas de estudo e o apoio às políticas de pós-graduação no Brasil, a Capes também é responsável por fazer uma avaliação periódica dos cursos de pós-graduação stricto sensu — nome dado os programas de mestrado e doutorado direcionados para aquelas pessoas que já possuem um diploma de graduação e realizam pesquisa acadêmica sobre um assunto específico.

Durante o primeiro ano de nova gestão do governo federal, R$ 819 milhões que seriam destinados à Capes foram congelados (o equivalente a 19% do orçamento anual). Para 2020, o dinheiro destinado à entidade será reduzido pela metade: R$ 2,2 bilhões para ano que vem contra os atuais R$ 4,25 bilhões.

Não é apenas a Capes que enfrenta graves problemas orçamentários: pesquisadores afirmam que as 80 mil bosas de pesquisa do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) correm risco de serem suspensas para os próximos meses.

Com o menor orçamento desde 2010, o órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações (MCTIC) afirma que só tem recursos para pagar os seus bolsistas até o quinto dia útil de setembro. Atualmente, o CNPq financia pesquisadores que desenvolvem projetos de pesquisa em diferentes campos do conhecimento, como Ciências Exatas e da Terra (18,9% dos bolsistas), Biológicas (17,29%), Engenharias (15,5% e Ciências Sociais Aplicadas (5,3%).

Resultado de imagem para Pesquisa no Brasil

 

– Coxinhas e Mortadelas pelo fim dos Fundos Eleitorais e Partidários!

Ouvi, concordo e assino embaixo: o meu amigo Adilson Freddo levantou em seu programa na Rádio Difusora a questão dos bilhões de reais gastos pelos cofres públicos aos partidos políticos (anual e bianualmente, respectivamente com os fundos aos partidos políticos e às eleições).

Por quê não há mobilização da população para mudar esse tipo de coisa?

Se a turma do panelaço pelo Impeachment, somando-se aos abnegados do Lula Livre (afinal, somos todos brasileiros, embora alguns tenham ideologias políticas diferentes) resolvessem protestar contra essa imoralidade? Essa situação não mudaria?

Não gosto dos termos pejorativos “coxinha e mortadela”, referindo-se à Esquerda e à Direita (e nem levo em conta apenas essas duas linhas), mas se ambos de juntassem, a coisa melhoraria, não?

Resultado de imagem para Fundo partidário

– Rasgando dinheiro no RJ?

Curto e grosso: o Governador Witzel vai aterrar a obra da Estação Gávea do Metrô. Já foram milhões investidos e necessitariam-se outros tantos.

Não é mais fácil arranjar parceiros para terminar a obra e assim atender os anseios da população, do que enterrar esse dinheiro já gasto e o carioca ficar sem o transporte coletivo de qualidade?

Pobre Brasil e seus políticos…

Obra da estação de metrô da Gávea, na zona sul do Rio de Janeiro. Foto: Ricardo Borges/Folhapress

– Dia Nacional do Combate ao Fumo

Quem nunca experimentou, que não experimente!

Hoje é Dia Nacional de Combate ao Fumo. Fico a vontade para falar do assunto, já que infelizmente o maldito cigarro matou meu avô Manelão.

O fumo adoenta a pessoa, incomoda e não traz nenhum benefício.

Respeito o fumante, mas detesto o ato de fumar. Se o fizer, faça sem incomodar aqueles que querem ter boa saúde.

Aliás, olha que curioso: enquanto o Governo gasta muito dinheiro em campanhas contra o cigarro, contraditória e concomitantemente discute a liberação da Maconha.

O que podemos dizer?

 

Resultado de imagem para proibido cigarro

– A Amazônia queima!

Há aqueles que alegam ser normal a queima da Floresta Amazônica nesta época do ano. Mas você já viu chover água escura, como ocorreu nesta semana?

Claro que não. A existência de queimadas amazônicas e também da região do Pantanal, sejamos justos, é constante e se avoluma vez ou outra, levando a esses fenômenos. Mas não podemos achar isso normal!

Me pesa ver que autoridades, ao invés de enfrentar tal problema com rigor, preferindo desdenhar de quem o critica. E não cito pelo fato de ser o Ministro X ou Y do Governo B ou L (mais claro, só escrevendo que independe de ser Lula, Bolsonaro, ou quem quer que seja). O desmatamento é algo que nunca foi levado a sério nesse país como se deveria.

Extraído, abaixo, de: https://earthobservatory.nasa.gov/images/145464/fires-in-brazil (site da Nasa, em 16/08)

FIRES IN BRAZIL

Fires in Brazil

13/08/2019

Fires in Brazil

16/08/2019

In the Amazon rainforest, fire season has arrived.

The Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) on NASA’s Aqua satellite captured these images of several fires burning in the states of Rondônia, Amazonas, Pará, and Mato Grosso on August 11 and August 13, 2019.

In the Amazon region, fires are rare for much of the year because wet weather prevents them from starting and spreading. However, in July and August, activity typically increases due to the arrival of the dry season. Many people use fire to maintain farmland and pastures or to clear land for other purposes. Typically, activity peaks in early September and mostly stops by November.

As of August 16, 2019, satellite observations indicated that total fire activity in the Amazon basin was slightly below average in comparison to the past 15 years. Though activity has been above average in Amazonas and to a lesser extent in Rondônia, it has been below average in Mato Grosso and Pará, according to the Global Fire Emissions Database.

NASA Earth Observatory images by Lauren Dauphin, using MODIS data from NASA EOSDIS/LANCE and GIBS/Worldview and VIIRS data from NASA EOSDIS/LANCE and GIBS/Worldview, and the Suomi National Polar-orbiting Partnership. Caption by Adam Voiland.

– Não sou só eu que peço para o presidente ser discreto….

Dias atrás, escrevi sobre o presidente Jair Bolsonaro ter falas indevidas que acabam encobrindo boas ações do Governo. Ou seja: é preferível não dar declarações polêmicas para que a repercussão negativa não apague as positivas (para entender bem a colocação sensata, clique na postagem aqui em: https://wp.me/p4RTuC-nHu)

Agora, foi a vez de Tasso Jereissati declarar a mesma coisa, em entrevista à Folha de São Paulo nesta 2a feira:

“Quanto mais calado Bolsonaro ficar, mais fácil se aprova a Previdência”.

É por aí mesmo, e não só na questão da Previdência mas em todas as searas. A discrição é importante para um autoridade, pois ajuda o país a andar com as próprias pernas e evita um clima de divisão (iniciado com o discurso de “nós contra eles” de radicais esquerdistas contra direitistas no tempo de Lula e repetido da mesma forma neste tempo de Bolsonaro).

– Não precisa disso, presidente…

Se a política econômica de Jair Bolsonaro com a equipe de Paulo Guedes vai bem (nesta 6a feira, por exemplo, reduziu impostos de remédios para câncer e HIV), outras áreas vão mal. Uma delas: a má relação e a falta de jogo de cintura do presidente como autoridade em si.

Não vale me dizer que ele é “autêntico”. Ele precisa governar para o país, e isso se refere aos que votaram ou não nele. E no cargo que ocupa, precisa ter boa educação e comportamento adequado.

Foi lastimável, grotesca e constrangedora a fala dele sobre como diminuir a “poluição”:

“É só você deixar de comer menos um pouquinho. Você fala para mim em poluição ambiental. É só você fazer cocô dia sim, dia não, que melhora bastante a nossa vida também”.

Pra quê? Cadê o equilíbrio emocional? Por quê querer buscar a antipatia? Se fosse um qualquer, vá lá… mas o chefe da nação falar isso?

É claro que está sendo criticado por muitos. Mais do que Lula seria, por exemplo, quando falava idiotices sobre “grelo duro das mulheres” ou insinuava sobre Pelotas ser terra de gays. O problema é: parece que ele gosta dessa situação.

Controle-se, presidente.

– Quem consegue ter 16 Salários em um ano?

Ouvi, li e me assustei ao comprovar: o BNDES tem cerca de 5000 funcionários concursados e muitos outros como cargo de confiança. Eles tem até 16o salário como remuneração, e alguns, infelizmente, não aparecem para trabalhar.

E depois querem discutir como faz para cobrir o déficit do Governo? Não está na cara que esse, e muitos outros órgãos, são cabidões de emprego?

bomba.jpg

– Não se acha um político honesto sequer no cenário nacional?

Olha, está difícil achar gente honesta no jogo político brasileiro. Se não bastassem os escândalos de Lula e seus pares ou as palhaçadas judiciárias promovendo Queiroz e Flávio Bolsonário, até mesmo quem se acreditava ser renovação (e um nome a apostar) decepciona.

Falo da jovem e corajosa deputada federal Tabata Amaral, do PDT, que empregou seu namorado por 50 dias e pagou mais de R$ 23.000,00 do Fundo Partidário por “assessoria”.

Se é legal ou não, passa a ser algo a discutir. Mas que indiscutivelmente isso é imoral, ô se é.

Uma pena. O trabalho dela tanto na ONG que milita quanto no Congresso estava sendo louvável.

Extraído de: https://exame.abril.com.br/brasil/tabata-amaral-pagou-r-23-mil-ao-namorado-por-50-dias-de-trabalho/

TABATA AMARAL PAGA NAMORADO COM FUNDO PARTIDÁRIO

São Paulo – Em sua campanha em 2018, a agora deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) empregou o colombiano Daniel Alejandro Martínez por 50 dias e pagou 23.050 de reais pela prestação de serviços de análise estratégica. Até aí, tudo bem. A questão, no entanto, é que Martínez é o namorado de Tabata desde 2016. As informações do pagamento estão na prestação de contas da deputada no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Questionada por EXAME sobre quais serviços foram prestados por Martínez, Tabata Amaral não quis conceder entrevista. E, apesar de ser uma das principais expoentes da nova política, a resposta de sua assessoria de imprensa não foi muito diferente das enviadas pelas equipes de caciques partidários.

“A campanha de Tabata Amaral cumpriu as leis eleitorais na contratação de seus serviços e pessoas. Todas as informações são públicas e estão no portal do TSE. A deputada não vai comentar o assunto”, afirmou, por e-mail, a equipe de comunicação da deputada. EXAME procurou Martínez pelas redes sociais, mas não obteve retorno.

Empregar o namorado durante a campanha não pode ser considerado ilegal, uma vez que, à época, a hoje parlamentar não havia assumido o cargo público.

“Não existe, na teoria, impedimento. Mas como o financiamento é público, com parte do financiamento de campanha vindo de fundo partidário, ela estaria empregando o namorado com dinheiro público”, afirma Bruno Perman, advogado especializado em direito eleitoral da Perman Advogados.

Durante a eleição, Tabata recebeu cerca de 1,3 milhão de reais. O maior doador foi a direção nacional do PDT, que repassou 100 mil reais para a agora deputada. E, segundo a prestação de contas da campanha ao TSE, Martínez recebeu o quarto maior pagamento da campanha dado a pessoas físicas.

Apesar de questionável, a contratação não fere a Súmula Vinculante nº 13 do Supremo Tribunal Federal, que trata dos casos de nepotismo. Segundo a ementa de um julgamento sobre o tema realizado em maio de 2018, a primeira turma do STF “tem afastado a aplicação da Súmula Vinculante a cargos públicos de natureza política, ressalvados os casos de inequívoca falta de razoabilidade, por manifesta ausência de qualificação técnica ou inidoneidade moral.”

Formado em ciências e filosofia com bolsa integral pela Universidade Harvard, Martínez conquistou diversos prêmios durante a sua graduação. É bolsista do programa “Michael C. Rockefeller Fellowship”, um dos mais disputados da universidade americana e, atualmente, está estudando questões ecológicas e econômicas da Amazônia.

Perseguição partidária

Nos últimos dias, a deputada foi afastada do PDT por até 60 dias por seu voto a favor da reforma da Previdência, contrariando o “fechamento de questão” do partido. Devido à sua posição contrária, sofreu diversos ataques da direção e simpatizantes do partido, especialmente do ex-candidato à presidência Ciro Gomes. Em entrevistas, o ex-governador e ex-ministro afirmou que Tabata fazia “dupla militância” e que “ela deveria ter a dignidade de sair do partido”.

EXAME apurou que o clima para a deputada dentro do PDT está longe de ser positivo. A coluna Radar, da revista Veja, afirmou que o presidente do partido, Carlos Lupi, “quer ver a deputada sangrar”. A expulsão, no entanto, está fora de cogitação para o partido não perder o direito de exigir o mandato dela na Justiça Eleitoral.

De fato, Tabata está sendo mais pressionada do que os outros deputados que contrariaram a posição do partido. Da bancada de 27 congressistas, além dela, sete votaram a favor da reforma. As críticas, no entanto, estão sendo direcionadas mais para Tabata.

O deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) foi um desses congressistas. Ele, no entanto, afirmou que não tem sofrido pressão do partido, apesar de também ter sido afastado. O congressista defende o voto, diz que a sua base eleitoral aprovou a sua posição e não pretende mudar a escolha no segundo turno da votação da reforma da Previdência, que deve ocorrer em agosto.

“Acho que o PDT tem a sua razão, mas acredito que o próprio partido e a bancada obtiveram sucesso nas mudanças. Quem está pagando um preço alto é a Tabata por tudo o que ela representa da renovação política”, diz Gonzaga.

Procurado por EXAME, o presidente do PDT afirmou, por mensagem, que não existe uma perseguição contra a deputada Tabata Amaral.

“Todos estão sendo tratados igualmente e nunca citamos ninguém individualmente. Quem o faz é a mídia em geral. Este assunto está na comissão de ética e temos que aguardar o seu parecer”, afirmou Lupi.

Tabata Amaral

– Todos que governaram “revolucionaram” o país?

Um dia, FHC disse que revolucionou o Brasil com o Plano Real.

Outro dia, também Lula alardeou que revolucionou a nação com suas ações administrativas enfatizando em seu discurso dizendonunca antes nesse país.

Outrora, foi a vez da presidente Dilma Roussef, em entrevista à TV Al Jazeera (dê um Google para achar essa pérola) bater na tecla de que promoveu uma revolução social democrática em sua administração.

Por último, Michel Temer diz que mudou os rumos do país ao assumir a Presidência, revolucionando os caminhos da crise em rumo do crescimento econômico e da geração de emprego.

Ok, todos fizeram algumas coisas, acertando e errando. Mas com esses 4 últimos “revolucionários”, o Brasil continua igual em péssimos índices sociais e de corrupção.

Gozado, onde está essa revolução de fato? Será que ela virá DE VERDADE com Bolsonaro, ou teremos mais do mesmo? Afinal, esperar até 2022 para que um novo comandante tente de novo, vai ser dose. Mas confesso ter receio na competência de Jair, respeitosamente falando.

Se tudo o que se propagandeia é verdade, seriamos o Canadá, a Noruega, o Japão…

Imagem relacionada

– Mundo ensandecido, parte 4: Para ser justo, depende da Religião?

A religião deve determinar se o cara pode ser juiz do Supremo Tribunal Federal?

Bolsonaro quer dizer “o quê” quando fala sobre indicar ao STF um Ministro “extremamente evangélico”? Não tem que ser assim; nem extremamente católico, nem radicalmente ateu, muito menos fanaticamente agnóstico, tampouco judeu ou muçulmano.

Não importa a religião ou não: tem que ser simplesmente um Ministro justo e sensato, na medida certa!

Tempos difíceis de coerência social… é tão difícil ser razoável em questões da sociedade?

– Pra quê, Ministro?

Disse ontem nosso Ministro da Educação Abraham Weintraub, via twitter:

“No passado, o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?”

Pra quê?

Criar polêmica desnecessária com o Brasil já estando dividido, é totalmente imprudente!

Ô país que – dos dois lados radicais – ainda está em campanha por um 3o turno que não existe. É hora de somar a nação, juntar as inteligências independente de ideologia, ser patriota de verdade, e não fazer piadinha que leva os adversários políticos a uma maior cizânia.

Nosso Brasil pode ter discordância política, pois vivemos numa democracia mas sempre respeitosa e com críticas construtivasO que não pode é fanatismo cego nem  autoridade fazendo brincadeira de estudante colegial sem qualquer tipo de sensibilidade.

(A referência foi feita por conta da prisão de um militar no avião da FAB, discutimos ela aqui: https://professorrafaelporcari.com/2019/06/27/quem-e-o-militar-com-cocaina-no-aviao-da-fab/)

bomba.jpg