– Você daria Carta Branca ao Ministro Ricardo Salles depois do que foi visto na Reunião Ministerial?

Ricardo Salles, o Ministro do Meio Ambiente, não me convence! Depois do que pode ser visto no vídeo da reunião ministerial ao abordar seus métodos e suas ideias, tive por ele uma decepção total. Não me inspira credibilidade alguma e me parece sempre estar sob suspeita depois deste episódio.

Gostei dessa abordagem sobre o futuro de Salles e algumas observações dele, abaixo,

Extraído de: https://plamurbblog.wordpress.com/2020/05/27/se-aproveitar-da-desatencao-nao/

SE APROVEITAR DA DESATENÇÃO, NÃO!

Por Thiago Silva

Nos últimos dias, um vídeo de uma reunião ministerial conduzida pelo Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi divulgado em vários veículos de comunicação, como prova para as declarações do ex-ministro Sérgio Moro. De uma maneira geral, isso não é o foco do blog, até porque, não cabe a nós falar de política nesse contexto.

A questão aqui foi uma declaração do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e aí o tema é de nossa alçada, já que, como muitos sabem, a sustentabilidade é um dos assuntos que compõem a estrutura do Plamurb.

Salles, que até o ano passado era filiado ao Partido NOVO, foi escolhido por Bolsonaro e defendeu priorizar uma agenda ambiental urbana, o combate ao lixo marinho e a agilidade nos processos de licenciamento. São temas bem sensíveis e importantes, considerando a realidade brasileira.

Mas o que vimos na referida reunião ministerial, nos deixou, no mínimo, preocupados. Salles, quando teve a palavra, afirmou que o governo deveria aproveitar que a atenção da mídia estava voltada para a pandemia e fazer alterações de modo a afrouxar regras ou regulamentações na área ambiental.

“Oportunidade que nós temos, que a imprensa não tá … tá nos dando um pouco de alívio nos outros temas, é passar as reformas infralegais de desregulamentação, simplificação. Grande parte dessa matéria ela se dá em portarias e normas dos ministérios, inclusive o de Meio Ambiente. Enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid, e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, disse Ricardo Salles.

Vale ressaltar que o referido ministro nunca foi unanimidade. Quando de sua nomeação, houve uma repercussão negativa até mesmo fora do país. Por outro lado, o setor do agronegócio festejou. Bolsonaro, na época, inclusive afirmou que se as entidades do setor estavam criticando, sinal de que a escolha de Salles foi acertada, argumento muito comum dentro da política, independente do espectro e ideologia.

Em 2018, quando fizemos uma análise sobre o plano de governo de todos os candidatos, no programa de Bolsonaro pouco ou quase nada se falava de questões ambientais, exceto pelo excesso de leis que burocratizam obras e ações.

Mas voltando a falar de Salles, sua declaração, no mínimo, é grave. É muita má fé sugerir se aproveitar de uma situação como a qual estamos vivendo, para fazer alterações. Se é necessária uma desatenção, no mínimo, elas são altamente questionáveis e, de certa forma, ilícitas.

Quem faz direito e corretamente não precisa se aproveitar de um momento como esse. Sabemos que há algumas burocracias, isso é fato, assim como outras em diversos setores do governo, mas o correto seria a clareza na discussão sobre esse assunto, já que o atual governo vendeu a ideia de clareza.

De uma maneira geral, o Brasil já teve grandes obras com um alto impacto ambiental e, na maioria delas, houve um cumprimento à risca, garantindo, assim, a liberação por parte dos órgãos ambientais.

Destacamos, neste caso, o próprio trecho norte do Rodoanel Mário Covas, que, nada mais, nada menos, passou no meio da Serra da Cantareira, uma das maiores florestas urbanas do mundo. Quer impacto maior que esse? Mas as obras foram aprovadas, apesar dos escândalos de corrupção envolvendo as construtoras e o governo estadual.

Há ainda outras obras bem conhecidas dos paulistas, como a Pista Sul da Rodovia dos Imigrantes, inserida na Serra do Mar, que contou com túneis e viadutos extensos para garantir o menor impacto ambiental possível. Para se ter uma ideia, o desmatamento na construção desta pista foi 40 vezes menor do que o da Pista Norte, inaugurada na década de 70.

Outro exemplo é o da Linha 13-Jade, que transpôs o Parque Ecológico do Tietê com o menor impacto possível. Houve até o resgate de espécies de animais e levadas para outros ambientes, preservando-as.

Como podemos ver, talvez o problema não seja o excesso de regras e leis. Talvez o ministro queira fazer as coisas de qualquer jeito, sem a preocupação adequada e, por isso, quer se aproveitar da pandemia para fazer aquilo que não tem competência suficiente para realizar em uma situação normal.

Dias após a entrevista, e vendo a repercussão negativa, Salles se defendeu em entrevistas a alguns portais de notícias.

Em seu Twitter, Salles se defendeu e disse que argumentou pela simplificação de normas “com bom senso e tudo dentro da lei“.

Para a página do UOL, Salles afirmou, entre outras coisas, que “Se soubesse que [o conteúdo da reunião] iria a público, apresentaria as mesmas ideias, porque são ideias importantes, de desburocratização, simplificação. Mas faria uma introdução para que o brasileiro primeiro soubesse que temos muita preocupação, sim, com a saúde das pessoas e com a pandemia. ”

“Eu não disse que pandemia é uma oportunidade. O que eu disse é que a forma como a imprensa tem feito a cobertura… Não tenho problema nenhum sobre a cobertura da imprensa. Mas o volume de crítica, o nível de manipulação, isso atrapalha enormemente. Não é cobertura justa. É militância. E isso atrapalha muito”, afirmou na mesma entrevista.

“O que temos observado nos últimos tempos: a cobertura da imprensa, que é democrática e não incomoda, mas tem uma cobertura ativista, que desinforma a sociedade. Não é verdade que somos insensíveis. O que eu falei ali é que seria hora efetivamente de revisar as regras normativas”, acrescentou.

Enfim, Salles sempre será um ministro com nível de desconfiança alto. E, a partir de agora, mais do que nunca, todas suas ações serão vistas com extrema suspeita.

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Foto: Nacho Doce/Reuters)

– Que paixão é essa de muitos, repentina, chamada Política? E por quê radicalizou-se?

Cruz-credo! Brasileiro “quebrava o pau por Futebol”, e trocou isso por Política. Poderia ser um fator positivo se entendermos que o debate sobre a vida do país se tornou importante para as pessoas (sempre fomos uma nação não-politizada), mas acabou virando algo ruim: radicalizou-se!

O que leva o cara a passar o dia inteiro numa rede social postando sobre Política, adorando e amando políticos (independente da ideologia ou do nome) e tentando “converter” quem pensa diferente?

É só fanatismo ou é ignorância? 

Discutir sobre Política é uma coisa; forçar que o seu amigo pense como você e outra.

Respeite-se a opinião alheia!

8agdjm4yjh3jqfafi0ldi6dmq

 

 

– Nunca confie em políticos! A reunião ministerial mostrou isso…

Bolsonaro foi eleito com o discurso de limpar a corrupção e acabar com as mazelas cometidas pelo PT e os membros corruptos das gestões Lula e Dilma. Discurso correto e necessário!

Porém, a reunião ministerial divulgada mostra um cara despreparado, acompanhado de seus ministros enlouquecidos (que vergonha o “sem-educação” do Ministro da Educação, que não mostra princípios democráticos e respeito aos poderes; a ridícula sugestão do Ministro do Meio Ambiente querendo fazer picaretagens na surdina; ou, ainda, a Ministra dos Direitos Humanos falando com a mesma demagogia de radicais de outrora). Pior: cada um defendendo seu interesse pessoal, não o país!

Se você tiver disposição, paciência e estômago, vai ver um cara cheio de “teoria da conspiração”. Quer dizer que tem agente infiltrado no Governo a mando dos comunistas para derrubá-lo?

A verdade é: quem é fanático pelo Bolsonaro, gostou da truculência patriótica. Quem é contra, pediu o impeachment agora. Quem é sensato, não se surpreendeu.

Repito de novo: Pobre Brasil… não temos líderes nem estadistas de respeito.

Leia tudo o que Bolsonaro e seus ministros falaram na reunião ...

 

– Você defende político?

POBRE BRASIL… Só de ler a repercussão do vídeo da reunião ministerial (não tive estômago para assistir, farei, ou tentarei, mais tarde), já desanimei.

Cadê uma liderança honesta, competente, agregadora e positiva?

As diferenças entre Chefe, Líder, Bolsonaro e Lula: quem bolou esse meme, abaixo, acertou em cheio!

E, por favor, se você tem político de estimação ou é apaixonado por partido político, respeite minha opinião.

Em: https://professorrafaelporcari.com/2020/05/16/um-meme-que-so-conta-verdade/

96386119_10217217979069391_7067516123205337088_o

– Regina Duarte entrou e já saiu!

Deve ser difícil trabalhar sem ingerência em Brasília. Ao menos, é o que aparenta a cada saída de membro do Governo Bolsonaro.

Dessa vez, foi a vez de Regina Duarte desembarcar da Secretaria de Cultura.

Quem será o próximo?

Aliás, Regina só perdeu: deixou a Rede Globo, se indispôs com colegas de profissão e protagonizou um papelão na CNN… e, infelizmente, deixará as portas abertas para os terraplanistas que ali estavam conhecidamente.

Será que Regina Duarte se apaixonou por Bolsonaro?, pergunta ...

– Quem alimenta o ressurgimento do nefasto Petismo de Lula é… Bolsonaro! Sobre a saída de Sérgio Moro

Bolsonaro serrou o galho em que estava sentado, da árvore chamada Sérgio Moro! E agora?

Um dos baluartes contra a corrupção foi Sérgio Moro. Teve coragem de lutar contra o sistema de poder implantado pelo PT e turbinado por Mensalão e Petrolão.

O presidente Jair Bolsonaro, que há tempos tem mais atrapalhado do que ajudado o país (vide tantas declarações polêmicas e a falta de liderança responsável durante a pandemia), por muito tempo se colou na aura honesta de Moro (por favor, não tente argumentar que Moro é quem se beneficiava da imagem de Bolsonaro, isso é ilógico).

Por duas vezes, tentou-se trocar o comando da Polícia Federal. Valeixo, o superintendente da PF, homem de confiança de Bolsonaro, por fim, foi demitido. Coerentemente, Moro pediu demissão do Ministério da Justiça. E me chamou a atenção os seguintes pontos:

1- Moro alertou que a troca da PF se devia pelo fato do Presidente querer relatórios do serviço de inteligência,
2- Sobre os detalhes da demissão de Valeixo, Moro foi categórico: “o presidente faltou com a verdade”.
3- Por fim, quanto a autonomia da Polícia Federal, nem nos tempos ruins do PT no Governo ela foi tão ameaçada.

Enfim, a saída de Sérgio Moro abala demais o apoio da população a Bolsonaro, que mostra mais uma demonstração de autoritarismo ao invés de autoridade, de egoísmo ao invés de liderança.

Entre Moro e Bolsonaro, em quem você confia / confiaria mais?

Fica difícil até o mais fanático Bolsonarista defendê-lo agora… Aliás, todo mundo que sai do Governo é chamado de “traidor ou comunista” (mesmo que seja o oposto disso). Alguém ousará?

Parece que o discurso de Bolsonaro, no fundo, lembra a mesma hipocrisia de Lula, Collor e tantos outros (o de pensar no povo e não pensar em si).

A maior ironia é: até Lula, o corrupto condenado por Moro, deve ter o aplaudido hoje pela coragem da entrevista.

– O Consumo on-line ficará como herança destes tempos de Quarentena?

Com toda essa confusão envolvendo o Coronavírus e a ampliação da Quarentena Paulista para até 10 de maio, evidentemente que as empresas precisam se reinventar!

Sabidamente, as pessoas estão com dificuldade econômica e precisam trabalharpois as empresas também quebram. Entretanto, diante do dilema financeiro-sanitário, não pode-se esquecer de que a Saúde vem em primeiro lugar (virá o bordão de que teremos “mais falidos do que falecidos”, uma infeliz invenção social). Delivery, Home Office e outras modalidades bem usadas nesse momento deixarão de ser alternativas para se consolidarem como costume.

O equilíbrio entre Trabalho e Bem-Estar é difícil, mas há de existir o quanto logo, para que as organizações não quebrem. Por isso, se faz relevante o apoio do Governo.

Não confundamos relaxar a prevenção pela preocupação econômica, isso precisa ficar claro. Precisamos nos resguardar para o quanto antes sair da Quarentena e retomar a vida, que será, logicamente, diferente.

Intenção de consumo das famílias cai 27% em um ano, mostra CNC ...

– Parabéns, Caixa Econômica Federal! As novas medidas do crédito imobiliário

Quando a ação governamental é correta, valem os aplausos. E nessa situação pontualmente o Governo acertou: a Caixa Econômica, para imóveis, oferta carência de parcelas de contratos antigos e 6 meses para contratos novos a serem fechados!

Há pouco, a ótima notícia visando minimizar as consequências da crise provocada pela Pandemia,

Em: https://epocanegocios.globo.com/Economia/noticia/2020/04/epoca-negocios-caixa-oferta-carencia-para-pessoas-e-construtoras-no-credito-imobiliario.html

CAIXA OFERTA CARÊNCIA PARA PESSOAS E CONSTRUTORAS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quinta-feira que oferecerá carência no financiamento imobiliário para pessoas físicas e para construtoras, na esteira da rápida desaceleração econômica provocada pela disseminação do coronavírus.

Maior financiador imobiliário do país, com cerca de 70% desse mercado, o banco estatal permitirá que pessoas físicas e construtoras façam uma pausa ou paguem parcialmente as prestações por um período de 90 dias em contratos vigentes.

Essa medida vale para clientes adimplentes ou com até duas prestações em atraso. Para pessoas com atraso por mais de 60 dias até seis meses, o banco poderá renegociar contratos, incluindo a possibilidade de pausa temporária nas prestações. Nos novos contratos, a carência sobe para 180 dias.

No caso das construtoras, a carência de 180 dias valerá para novos projetos concluídos, em fase de amortização e para prorrogação do início de obras. O banco também oferece antecipar recursos do financiamento não usados antes ou adiantar 20% dos recursos de obras ainda por começar, e ainda a possibilidade de prorrogação do início das obras por até 180 dias.

“Isso só vale se as empresas não demitirem”, disse o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, em apresentação online.

O executivo disse ainda que o banco avalia estender carência das prestações de crédito imobiliário se a crise piorar.

Os benefícios, que poderão ser solicitados a partir da próxima segunda-feira, são anunciados no momento em que entidades ligadas ao setor imobiliário tentam conter os efeitos da crise instaurada pelo isolamento social implementado como forma de tentar aliviar a pandemia do coronavírus.

Após três anos de uma queda histórica, o financiamento imobiliário voltou a crescer no Brasil em 2018 e 2019. No primeiro bimestre de 2020, os empréstimos para aquisição e construção de imóveis com recursos da poupança cresceram 35,7% ante mesma etapa do ano passado, segundo dados da Abecip.

Nesta semana, o sindicato dos fabricantes de cimento, Snic, afirmou que as vendas do insumo por dia útil em março desabaram cerca de 10% sobre um ano antes e cobrou do governo medidas para que os recursos disponibilizados pelo Tesouro e Banco Central chegassem aos consumidores.

– Como fica o vereador que pediu o aumento de salário em Jundiaí?

Na última 6a feira, viralizou a reclamação do vereador Douglas Medeiros na Câmara Municipal de Jundiaí, sobre a necessidade de reajuste salarial à sua categoria. Muita indignação foi registrada nas Redes Sociais.

Porém, no sábado, o prefeito Luiz Fernando Machado anunciou o projeto de redução de salários do Executivo e Legislativo (em decorrência da crise do Covid-19), com percentuais diferentes aos cargos comissionados, tendo dito que isso foi decidido com uma conversa unânime dos vereadores.

Perguntar não ofende: o que Douglas Medeiros poderá justificar depois da fala do prefeito?

*Em tempo: nas Redes Sociais, surgiu a nota de que não foi pedido de aumento, mas queixa dos vencimentos atuais e de que a fala houvera sido distorcida. Respeitosamente, ao assistir a fala do mesmo, entendo que ele se expressou de forma a dar a entender que queria aumento… usou mal as palavras em inoportuno momento.

Câmara Municipal de Jundiaí - SP - A Cidade de Jundiaí

– A pisada na bola do Ministro da Educação com a trolagem contra a China.

Seria uma simples trolagem se tivesse sido publicada por algum adolescente. Mas não foi isso que aconteceu…

O Ministro da Educação Abraham Weintraub escreveu um tuíte na “língua do Cebolinha” (acredite, é verdade) ironizando a China com ilustrações da Turma da Mônica (e depois apagou). Se já estava complicada a relação diplomática dos dois países devido ao constrangimento criado por Eduardo Bolsonaro, piorou!

Novamente, houve o pronunciamento da Embaixada da China repudiando a desnecessária publicação. É protocolar, lógico… Mas cá entre nós: estadistas, líderes e inteligentes administradores não deveriam entender as questões diplomáticas, comerciais e sociais que envolvem as nações?

Eu não gosto da China por conta da Ditadura de Pequim (me refiro ao Partido Comunista Chinês, não aos pobres viventes), pois não respeita os Direitos Humanos. Mas daí a crer em Teoria da Conspiração e outras bobagens, ficará para o imaginário de gente menos instruída e iludida.

Lamentável. Se o Governo crê em tudo isso, corte os laços comerciais com os chineses – pois certamente teremos dificuldades em melhorar a cooperação entre ambos. 

No mundo dos negócios, não há espaço para fanatismo!

EU49Zi3WAAcizVU

– Mudar de opinião não é feio, Presidente. Parabéns, Trump!

Veja esse cenário: ao contrário do que se pode falar sobre ser uma simples gripe de contágio desprezível, temos hoje a Disneylândia fechando; Olimpíada 2020 sendo adiada; Alemanha proibindo encontros públicos com mais de duas pessoas e Corridas de Fórmula 1 sendo canceladas. Quando você viu isso acontecer simultaneamente? Mas, ainda assim, muitos não a levam a sério… Há gente achando até que tudo não passaria de uma enorme teoria da conspiração!

Ainda bem que há momentos de bom senso e de rever conceitos, como ocorrido nos Estados Unidos.

Depois de exacerbadas manifestações de controle total da crise do Coronavírus e até mesmo um desdenho das necessárias medidas de resguardo, desejando que até a Páscoa todos estivessem trabalhando, o Presidente dos EUA Donald Trump reviu suas ações e anunciou 2 trilhões de dólares para salvar a Economia, melhorar a Vigilância Sanitária e transferir Renda para as Famílias de baixa e média renda.

(O conjunto todo das decisões aqui: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/03/25/O-pacote-trilion%C3%A1rio-dos-EUA-para-combater-a-crise-do-coronav%C3%ADrus)

Além das decisões de caráter preventivo e de proteção ao cidadão, Trump escreveu uma carta aos governadores americanos chamando o Novo Coronavírus de “pandemia global sem precedentes”, sem nenhuma ironia como outrora.

Que sirva de exemplo para as outras nações que puderem fazer o mesmo!

– Pobre Rio de Janeiro… o que fizeram com a Cidade Maravilhosa?

Não só a capital fluminense, mas todo o estado carioca: o que está acontecendo com o Rio de Janeiro?

Falido pela corrupção, governado por um político de atitudes contestáveis e cuja principal cidade administrada por um prefeito mais preocupado em brigar com a mídia do que ser um alcaide para todos, vemos o Rio em situação crítica.

Agora, o ex-governador Sérgio Cabral (cuja delação premiada vale / não vale), disse que Pezão sabia dos golpes e das propinas desde o primeiro dia de trabalho, recebendo muitas outras verbas não reveladas ainda. Curiosamente, flagrou-se ele tomando cerveja um mês depois da soltura…

Nesta semana, a ex-primeira dama Adriana Ancelmo também foi delatada pelo próprio marido. O que aconteceu? Acabou o amor (ou o dinheiro)?

O quanto terá sido desviado ao todo e o que se poderia fazer para o bem da população com essa grana, não?

Resultado de imagem para Sergio cabral Adriana Ancelmo luxo

– Paulo Guedes: o “poeta que deveria ficar calado”… Sobre “as empregadas na Disney”, um descuido horroroso!

De novo o Ministro da Economia Paulo Guedes falando em público de maneira infeliz, com comparações indevidas e fazendo mau uso dos exemplos sociais?

Disse ele na abertura do Seminário “Ano Legislativo”, evento da Revista Voto:

“Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Vamos exportar menos, substituição de importações, turismo, todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada. Pera aí. Pera aí, pera aí. Vai passear ali em Foz do Iguaçu, vai passear ali no Nordeste, está cheio de praia bonita. Vai para Cachoeiro do Itapemirim, vai conhecer onde o Roberto Carlos nasceu, vai passear o Brasil, vai conhecer o Brasil. Entendeu? Está cheio de coisa bonita para ver. Antes que falem: ‘O ministro diz que a empregada doméstica está indo para a Disneylândia’. Não. O ministro diz que o câmbio estava tão barato que todo mundo estava indo para a Disneylândia, até as classes mais baixas (…) Todo mundo tem que ir para a Disneylândia conhecer 1 dia, mas não 3, 4 vezes por ano. Porque com dólar a R$ 1,80 tinha gente indo 4 vezes por ano. Vai 3 vezes para Foz do Iguaçu, Chapada Diamantina, conhece 1 pouquinho do Brasil, vai ver a selva amazônica. E na 4ª vez, você vai para a Disneylândia, em vez de ir 4 vezes ao ano.”

Caramba, um economista (e que se diz liberal), tão experiente e sem sensibilidade para falar em público. O medo é que, cada vez que ele abre a boca para um discurso, o chamado “Posto Ipiranga” explica a Economia de maneira politicamente incorreta. E os seus críticos, logicamente, fazem a festa (e com razão)!

Como escrevemos na outra postagem da infeliz generalização de “parasitas” aos servidores públicos (vide em: https://wp.me/p4RTuC-oLw), Guedes é tão inteligente e tão burro ao mesmo tempo…

Resultado de imagem para abertura do ano legislativo Paulo Guedes

– Yacows: Hans River do Rio Nascimento é a personagem folclórica da selva política brasileira! Sempre se deve ver os dois lados…

Você acredita naquele profissional da mídia digital, Hans River, que na CPI da Fake News, interrogado sobre o fato de ter trabalhado para uma empresa que criava fatos e impulsionava postagens falsas supostamente para a campanha de Bolsonaro (Yacows), e que disse ter trabalhado também ao PT?

Calma. Nessas horas, não acredite em ninguém. Duvide, questione, pense, analise, mas nunca veja um lado só.

Primeiro, a fala oficial pró-Governo, aqui: https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/hans-river-diz-que-pt-era-forte-cliente-de-empresa-investigada-por-crimes-digitais-nas-eleicoes-de-2018

Segundo, a contrária, contra o Governo, aqui: https://revistaforum.com.br/brasil/hans-river-que-acusou-jornalista-de-ter-se-insinuado-sexualmente-ja-foi-acusado-pela-ex-companheira-de-ameaca-de-morte/

Resultado de imagem para Hans river

– Parasita de maneira generalizada não, Paulo Guedes. Respeite o bom servidor.

Que pisada na bola do Ministro da Economia Paulo Guedes, não?

Falar que os servidores públicos são como “parasitas matando o hospedeiro” é de uma falta de sensibilidade incrível. Poderia falar de déficit ou dos maus funcionários que denigrem a imagem dos bons servidores, de outra forma qualquer. Mas da maneira generalista e pejorativa que fez, não pode.

Como um cara tão inteligente, e que está sim fazendo um bom trabalho, diz um negócio desse? Impressionante… Não pode tamanha estúpida fala em qual contexto seja.

Resultado de imagem para paulo Guedes