– O novo layout do Facebook para desktop

Eu sou um dos “contemplados” pelo novo formato do Facebook para desktop. E confesso: achei horrível… parece tudo “desconfigurado”, dos ajustes à tela até o recebimento de notificações.

Há quem tenha gostado. Para quem não recebeu a mudança ainda, eis as novidades, extraídas de: https://tecnoblog.net/325266/novo-facebook-desktop-principais-mudancas/

TESTEI O NOVO LAYOUT DO FACEBOOK E ESTAS SÃO AS MUDANÇAS

Por Emerson Alecrim

O Facebook anunciou em abril de 2019 um redesign completo da sua versão para desktops (as versões móveis já mudaram). Completo mesmo: as áreas a serem renovadas são tão numerosas que somente do começo de 2020 para cá é que um número significativo — mas ainda limitado — de usuários passou a ter acesso ao novo Facebook.

As mudanças são radicais e, por isso, tendem a causar muita estranheza inicial. Mas, logo nos primeiros minutos de uso, dá para perceber a primeira vantagem: a nova interface deixa o Facebook mais rápido no desktop. Confira o que mais muda nas próximas linhas.

Feed de Notícias

Assim que você aceita o convite para testar o visual do novo Facebook — a interface ainda está em fase beta —, a página reinicia e você se depara com elementos bem espaçados, ícones e fontes maiores e um predomínio de cores claras — o azul quase desaparece com a mudança.

É um visual que lembra bastante as versões do Facebook para iOS e, principalmente, Android. O layout é responsivo (se adapta ao tamanho da tela), o que significa que essa, presumivelmente, será a mesma interface que iremos encontrar ao acessar a rede social via web no smartphone (aqui, o layout antigo ainda aparece nesse tipo de acesso).

Novo layout do Facebook

O impacto inicial pode fazer você ter impressão de que o visual ficou mais poluído, mas é o contrário: as coisas ficaram um pouco mais organizadas aqui. Ou quase: a barra superior dá acesso ao campo de busca e aos ícones para vídeos, marketplace e jogos, só que esses mesmos recursos também podem ser encontrados na coluna da esquerda.

Também no lado esquerdo, você vai encontrar atalhos para grupos e outras funcionalidades do Facebook, assim como na interface atual, só que agora com mais espaçamento em tudo. Como não poderia deixar de ser, a área central continua dando espaço para stories e postagens de contatos ou fan pages — o Feed de Notícias em si.

Comigo, a coluna da direita foi a que mais chamou atenção. Ali aparece a sua lista de contatos. Clique em qualquer um deles para enviar uma mensagem. Os contatos ativos aparecem em bolinhas flutuantes sobre a coluna.

Sim, no novo layout, o Facebook volta a dar ênfase ao Messenger. E bota ênfase nisso: se você reduzir o tamanho da janela, a coluna da esquerda é a primeira a sumir; a coluna da direita, com o Messenger, só desaparece se você reduzir ainda mais as dimensões da janela.

Ao reduzir a janela, a coluna do Facebook Messenger é mantida

Ao reduzir a janela, a coluna do Facebook Messenger é mantida

Página de perfil

Se você entrar no seu ou no perfil de alguém, se deparará com um layout de duas colunas: a primeira, menor, exibe as informações básicas (local de trabalho, cidade, status de relacionamento, entre outros), fotos e lista de amigos, como no layout atual; a segunda exibe as postagens.

A coluna da direita some, mas você pode continuar usando o Facebook Messenger a partir dos círculos e janelas flutuantes.

O que muda mesmo é o topo da página: a imagem de capa ocupa uma área maior; além disso, o seu nome e a sua foto são exibidos ao centro da página. É uma mudança interessante porque, de alguma forma, ela consegue dar mais destaque ao usuário, como que ressaltando que ele é o elemento mais importante da rede social.

Facebook - novo layout da página de perfil

Só estranhei uma coisa: se você não colocar nenhuma capa, o Facebook exibirá um espaço em branco enorme ali. Talvez resolvam isso na versão final.

E os grupos?

Lembra que eu disse lá no início que muitas áreas precisam ser mudadas nessa reformulação? Não era exagero. O layout das páginas de grupo também é diferente. Aqui, as postagens aparecem na coluna da esquerda. A coluna da direita é mais fina e exibe apenas informações básicas do grupo.

Facebook - novo layout de grupos

A coluna à esquerda só aparece para administradores

Agora, se você é administrador, verá um layout com três colunas em vez de duas. A adicional, à esquerda, mostra as ferramentas para administrar o grupo.

Mas sinto que ainda há muito trabalho a ser feito aqui: a coluna adicional surge como um recurso à parte, que desloca a página para o lado. Parece gambiarra. Se você diminuir o tamanho da janela, essa coluna não some, fazendo a página deixar de ser responsiva.

Facebook - novo layout de grupos não responsivo

Ah, tudo o que eu disse neste tópico vale também para as fan pages. Nelas, o layout é praticamente o mesmo dos grupos, incluindo a coluna à esquerda para os administradores.

Modo escuro no novo Facebook

De todas as mudanças trazidas pela novo layout do Facebook, esta provavelmente é a mais legal: o modo escuro pode ser ativado no menu que aparece quando você clica no ícone com a sua foto, no canto direito superior da página.

Eu não sou especialista em design, mas parece que o trabalho aqui foi bem feito. O fundo é predominantemente preto, ficando apenas um pouco mais claro em algumas colunas e nos posts para diferenciá-los. Nomes de usuários e títulos são exibidos com um cinza bem claro e, nas postagens, o texto é branco. Já títulos em destaque e links aparecem em azul.

Facebook - modo escuro

Gostei do resultado. É visível que o esquema de cores para o modo escuro foi bem planejado. Não é como se o Facebook tivesse simplesmente invertido as cores do layout padrão, o que significa que você não vai encontrar aqui letras escuras com fundo escuro, por exemplo. Bom, eu não encontrei.

Alguns problemas no layout do novo Facebook

Eu gostei muito do modo escuro do novo Facebook, mas não posso negar que outra característica desta interface é tão ou mais importante que isso: fotos e postagens abrem com muito mais velocidade, pelo menos aqui.

O carregamento das páginas como um todo acaba sendo muito mais rápido. Eu só espero que essa seja, de fato, uma característica do novo layout, não um efeito da quantidade reduzida de pessoas que têm acesso a ele.

Bom, então, por que o Facebook não libera logo o novo visual para todo mundo? Olha, alguns detalhes ainda precisam ser trabalhados. Eis alguns problemas que eu encontrei (certamente, há mais):

  • a função que permite agendar posts em fan pages sumiu (ou está bem escondida);
  • quando você tenta acessar algumas funções administrativas de um grupo, o Facebook simplesmente redireciona para a página principal deste;
  • apesar de o novo layout ser responsivo, algumas áreas não são devidamente ajustadas quando a janela é redimensionada, como a já citada coluna administrativa dos grupos;
  • a página de configurações continua com o layout antigo (!!!).
Página de configurações no novo Faceboook (ué)

Página de configurações no novo Faceboook (ué)

São problemas pequenos. O grosso do trabalho já foi feito, o que sugere que esse layout deve ser disponibilizado para todos os usuários dentro de pouco tempo.

A essa altura, imagino que o maior desafio do Facebook não é técnico, mas de aceitação: toda mudança racial, mesmo sendo bem implementada, tende a gerar bastante resistência. De fato, vi muita gente reclamando do novo layout.

Eu mesmo estranhei o visual no início, mas é questão de tempo: no segundo dia de uso eu já estava bem adaptado a ele.

Para quem ainda não tem acesso, mas quer experimentar o novo visual, é preciso um pouco de paciência. O Facebook vem liberando a novidade aos poucos, selecionando os usuários aleatoriamente (pelo menos parece ser assim).

A expectativa é a de que todo mundo tenha acesso ao novo layout até o final deste semestre.

– O que é um “amigo virtual”? E até que ponto ele é um amigo? Sobre: valer a pena ter amizades no Facebook.

Amigos (amigos pra valer) temos muito poucos na vida. É fato! Temos muitos conhecidos, colegas e pessoas que se relacionam com a gente. Mas amigos de verdade, não são muitos.

E amigos virtuais? 

Essa categoria criada pelo Facebook (que se estendeu para Twitter, Instagram e outras Redes Sociais) engloba os amigos, colegas, conhecidos, famosos, anônimos, admiradores e até haters. “Cabe todo mundo”.

Mas deveria caber?

Talvez sim, talvez não. Se a pessoa te incomoda, reclama de tudo o que você posta, por quê está inserida na sua Rede Social? Não faz sentido!

Facebook e seus semelhantes são: entretenimento, ferramenta de trabalho ou as duas coisas concomitantemente. Mas pense: vale a pena aguentar trolls?

Nunca haverá bloqueio, desfazer amizade ou retaliação por argumentar diferente por minha parte. Não fui educado para isso… o debate inteligente, respeitoso e cordial sempre fará parte. Mas se ele ocorre somente por um dos lados que discute, pra quê insistir nessa “amizade virtual”?

Aqui vale uma lembrança sobre discordar em Redes Sociais e seus limites de respeito: https://professorrafaelporcari.com/2020/04/26/discordar-com-educacao-pode/

Na questão da educação necessária neste mundo virtual: https://professorrafaelporcari.com/2020/03/25/a-cultura-de-ofender-sem-sentir-vergonha-nas-redes-sociais-por-politica-um-apelo/

Sobre o Fanatismo desse ambiente: https://professorrafaelporcari.com/2020/04/05/por-que-uma-pessoa-rotula-a-outra-anti-lulista-anti-bolsonarista-ou-isentao/

Por fim, um importante lembrete sobre radicalização: https://professorrafaelporcari.com/2020/04/03/saudade-do-orkut-faca-o-teste-e-comprove-lula-bolsonaro-coronavirus-e-outros-temas-espinhosos-ganham-corpo-com-os-algoritmos-do-facebook/

O que é Educação 4.0 e como ela vai mudar o modo como se aprende ...

– Redes Antissociais? A Internet não pode ser tóxica.

O que você quer de uma Rede Social?

Eu quero ter o direito de opinar o que pensomas devo respeitar, logicamente, o que os outros pensam. Afinal, não é um ambiente particular de publicação, é uma rede na sociedade (e precisamos ter boa educação, evidentemente).

Dentro dessa ideia, me custa crer que as pessoas, quando não concordam com alguém, resolvem não debater, mas ir à página alheia ofender! Não existe diálogo social na Rede Social?

Discutir é importante, sobrepor opinião ou desqualificar a sua… não vale. 

Aliás, quem inventou essa história de que “amigo” de Rede Social necessariamente é seu amigo? Pode ser um hater! Essa história de amigo virtual faz com que repensemos quem faz parte da nossa rede e que seja amigo, conhecido, interessado ou apenas curioso.

Se percebemos a toxidade de uma Rede Social (ou seja: que ela não faz bem), vale pensar: vale a pena estar nela? Ou melhor: vale a pena estar com quem, dentro dela?

O que seria entretenimento, informação e diversão, não pode nunca ser fardo.

Facebookcídio: usuários contam por que saem do Facebook (e por que ...

 

 

– Por quê uma pessoa rotula a outra? Anti-lulista, Anti-bolsonarista ou Isentão?

O Fanatismo cega. Quando eu criticava as picaretagens do ex-presidente Lula (antes da justa prisão), automaticamente recebia o adjetivo de antipetista. Quando faço críticas a algumas atitudes “transloucadas” do presidente Bolsonaro, aí viro petista. Mas quando as publicações elogiam ou elogiavam um ou outro, neca.

Dá para o leitor mais apaixonado decidir?

Seriam os algoritmos do Facebook os grandes culpados? Será que toda vez teremos que postar dizendo que não somos comunista, coxinha, mortadela, bolsodória, blablablá? Ou ainda assim o radicalismo de quem lê faz questão em não entender?

Cada vez mais crente que sim: a paixão por política vicia e domina a pessoa.

Abordei esse desrespeito em: https://professorrafaelporcari.com/2020/04/03/saudade-do-orkut-faca-o-teste-e-comprove-lula-bolsonaro-coronavirus-e-outros-temas-espinhosos-ganham-corpo-com-os-algoritmos-do-facebook/

Viciado-em-discutir-politica-nas-redes-sociais

– Brigar em Rede Social? Tô fora!

Pois é, amigos virtuais… o ambiente nas Redes Sociais está difícil, hein?

O que mais me impressiona é: as pessoas perderam a Educação! 

Briga-se por política, por coronavírus, por religião… Cá entre nós: as pessoas não entendem que cada um pode ter a sua opinião, e essa é a BELEZA DA DEMOCRACIA?

Não brigue / ofenda / desdenhe de quem simplesmente pensa diferente de você.

Em: https://youtu.be/CqCQzajhwj0

– A cultura de ofender (sem sentir vergonha) nas Redes Sociais por política: UM APELO!

Se você não tem medo do Covid-19 e é partidário de que a quarentena é uma bobagem, saia para a rua. Se estiver temeroso, fique em casa.

Se achar que o povo está criando uma histeria desnecessária, mantenha a calma. Se acha que as precauções são necessárias, se policie.

Se você for de Esquerda ou de Direita, gay ou hétero, crente em qualquer crença ou ateu, palmeirense ou corintiano, caipira ou caiçara, moderninho ou conservador, que seja.

MAS… respeite quem não pensa igual! Não insista para que eu tenha a mesma opinião que a sua, que aja como você e tampouco tenha os seus mesmos anseios e valores.

A minha opinião é minha, sem viés, sem manipulação de ninguém. Só minha. Assim como creio que a sua, seja qual for, seja somente de você – sem influência de Fake News ou de lavagens ideológicas de quem for.

Mais especificamente, não estou nem aí se você é Bolsonaro, Lula, Dória, Marronzinho, Enéias ou Eymael. Seja da ARENA ou do PCO, respeitarei seu direito de expressão. Respeite o meu também.

Vivemos numa sociedade onde a pessoa quer ser seu amigo em Rede Social (seja qual for), mas vai lá encher o saco dela. E depois fica “magoadinha” porquê é bloqueada. Mas por quê isso ocorreu? Sou obrigado a aguentar chato tentando me catequisar, converter, lavar minha mente?

O pior: você emite educadamente sua ideia, procura manter o bom senso e, de repente, aparecem as pessoas que discordam de você que, ao invés de recíproca e educadamente escrever no mesmo tom de educação que leu, enche seu espaço de CTRL C + CTRL V com um monte de argumentos dos outros, já prontos e com palavras raivosas. Abarrota de palavrões, ofensas, e outras bobagens, achando que é natural fazer isso (sim, sou politicamente correto e entendo ser necessária a boa conduta). Se a pessoa não teve tom ofensivo mas sim opinativo, que raio de sanha maldosa e imbecil que o outro tem em perder tempo e ir te ofender gratuitamente? Eu não vou na sua página escrever coisas que você possa se ofender, não vá à minha também. E se veio, por quê insiste em ser amigo virtual?

O cara escreve te chamando de vários “nomes”, mas depois diz que não se referiu a você. Então cite a quem! Saiba escrever, arranhe e arrisque algumas palavras entendíveis e inteligentes. Mas o principal: seja educado, cidadão, democrático e justo.

As pessoas falam nas Redes Sociais como se “tudo pudesse”, um mundo sem escrúpulos nem leis de convivência. “Rasga a saia” e desanda a digitar o que não tem coragem de falar no frente-a-frente. Se dói por qualquer coisa. Liberdade de expressão não é direito de calúnia!

Insisto: argumentar e discutir é ótimo, mas IMPOR a sua opinião é desrespeito, fanatismo ou falta de educação.

Enfim, vida que segue onde as pessoas gratuitamente perdem tempo de entrar na postagem alheia simplesmente para exercer a atividade da imbecilidade, sem entender que se pode opinar contrariamente e não percebendo e nem tendo a sensibilidade de que não pode é atacar simplesmente por ignorância.

Que necessidade idiota é essa de atacar? A maldita ideia do “nós contra eles” dos anos 2000 voltou a todo vapor em 2020.

O apelo é: cada um respeitando o próximo, é o mínimo que a cidadania exige.

Resultado de imagem para respeito

 

– O Analfabetismo Funcional acaba com o Brasil, especialmente nas Redes Sociais!

Já perceberam o número de pessoas que fazem críticas ou elogios nas Redes Sociais, completamente desenganadas sobre o que leram, ou o que não leram?

Vejam só: a pessoa vê um título no Twitter, Facebook ou imagem no Instagram, e começa a escrever muita coisa sobre ele sem ler o corpo do texto. Ou ainda lê parte apenas e não termina. Ou lê e não entende nada!

Sobre esses casos de Analfabetismo Funcional (e quem tem, muitas vezes não se envergonha de mostrar com seus escritos mal redigidos),

extraído de: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/analfabetismo-funcional.htm

ANALFABETISMO FUNCIONAL

Você sabe o que é analfabetismo funcional?

São chamados de analfabetos funcionais os indivíduos que, embora saibam reconhecer letras e números, são incapazes de compreender textos simples, bem como realizar operações matemáticas mais elaboradas. No Brasil, conforme pesquisa feita pelo Instituto Pró-Livro, 50% dos entrevistados declararam não ler livros por não conseguirem compreender seu conteúdo, embora sejam tecnicamente alfabetizados. Outra pesquisa, realizada pelo Instituto Paulo Montenegro e pela Ação Educativa, revelou dados da oitava edição do Indicador de Analfabetismo Funcional, o Inaf, cujos resultados são alarmantes.

De acordo com o Inaf, a alfabetização pode ser classificada em quatro níveis: analfabetos, alfabetizados em nível rudimentar (ambos considerados analfabetos funcionais), alfabetizados em nível básico e alfabetizados em nível pleno (esses dois últimos considerados indivíduos alfabetizados funcionalmente). Conforme a pesquisa, que aplica um teste avaliando as habilidades de leitura, escrita e Matemática, o domínio pleno da leitura vem sofrendo queda entre todos os entrevistados, tendo eles concluído o Ensino Fundamental ou o Ensino Superior. Os dados mostram que o problema do analfabetismo funcional deve ser levado a sério, pois a dificuldade de compreensão dos gêneros textuais, mesmos os mais simples e mais acessados no cotidiano, prejudica o desenvolvimento intelectual, pessoal e profissional do indivíduo.

Embora o número de analfabetos tenha diminuído no Brasil nos últimos quinze anos, o analfabetismo funcional ainda é um fantasma que atinge até mesmo estudantes que frequentam o ensino superior, desfazendo o mito de que ele estaria intrinsecamente relacionado à baixa escolaridade. As pesquisas desenvolvidas sobre o índice de analfabetismo funcional no país são de extrema importância, já que promovem o debate entre diversos grupos sociais responsáveis por desenvolver um novo parâmetro educacional a partir da discussão das causas e efeitos do Inaf.

Desenvolver métodos que priorizem o letramento é fundamental para que o analfabetismo funcional seja superado, e para isso é inquestionável a importância do trabalho conjunto entre pais e professores. Engana-se quem acredita que cabe somente à escola o papel de alfabetizar e letrar, visto que o letramento é uma prática presente em diversas situações do cotidiano, envolvendo não apenas a leitura tecnicista de textos, mas também o desenvolvimento da criticidade e capacidade de elaborar opiniões próprias diante dos conteúdos acessados. A aprendizagem deve ser universalizada, propiciando assim que todos os leitores atinjam o nível pleno da alfabetização funcional.

Por Luana Castro
Graduada em Letras

O letramento é uma das soluções para a erradicação do analfabetismo funcional, pois extrapola a visão tecnicista de alfabetização

– A queda das Redes Sociais do Zuckerberg

Ontem, durante todo o dia, WhatsApp, Instagram e Facebook (todas do mesmo dono, Mark Zuckerberg) tiveram instabilidades e saíram do ar. Depois mostraram dificuldades em carregamentos de fotos e vídeos. E por aí foi até o final da noite.

Antes, estávamos reféns desses aplicativos por falta de outras opções. Hoje, já existem alternativas conhecidas, ficando prejudicados mais os negócios decorrentes destas plataformas do que a possibilidade de se ficar incomunicável (claro, existe o desconforto para quem “vive dentro” dessas redes sociais por entretenimento).

Mas não é curioso que as falhas, quando ocorrem, são mal explicadas? As razões para que globalmente elas caiam, quais são?

Ficaremos sem respostas convincentes.

Extraído de: https://link.estadao.com.br/noticias/empresas,facebook-whatsapp-e-instagram-enfrentam-instabilidade-nesta-quarta,70002902711

FACEBOOK, WHATSAPP E INSTAGRAM ENFRENTARAM INSTABILIDADE NESTA QUARTA

Usuários relataram dificuldades para enviar fotos, vídeos, áudios e figurinhas nas plataformas; Twitter também teve problemas ao longo do dia

Os diversos aplicativos do Facebook – que, incluem além do app da rede social, também o WhatsApp e o Instagram  – enfrentaram instabilidades ao longo desta quarta-feira, 3. Por meio de plataformas como o Twitter, usuários relataram problemas, dizendo que não conseguiam enviar arquivos de mídia como fotos, vídeos, áudios e figurinhas pelos serviços. Em alguns casos, também não era possível acessar conteúdos do tipo pelos aplicativos. 

De acordo com o site Down Detector, conhecido por apontar falhas em serviços na internet, o problema não ficou restrito ao Brasil: houve também relatos de instabilidade nos Estados Unidos, na América Latina e em diversos países da Europa Ocidental. As falhas começaram por volta das 10 horas de manhã (horário de Brasília) e seguiram acontecendo ao longo de todo o dia. O problema só foi resolvido por volta das 21 horas (horário de Brasília). 

Procurado pelo Estado, o Facebook informou que “algumas pessoas e negócios tiveram problemas para carregar ou enviar imagens, vídeos e outros arquivos nos nossos aplicativos. A situação foi resolvida e normalizada para todos.” 

Falhas nas plataformas do Facebook têm sido frequentes nos últimos meses: em março, os serviços da empresa chegaram a ficar fora do ar por quase 24 horas, por conta de uma falha após mudanças nas configurações internas dos servidores da companhia. Em maio, uma falha centralizada na América Latina impossibilitou a execução de funções básicas como envio de mensagens, comentários e realização de publicações nos três serviços. 

Entre especialistas, corre a especulação de que parte dos problemas frequentes tem sido causados pelo plano de integração entre WhatsApp, Instagram e Facebook Messenger – algo que foi anunciado por Mark Zuckerberg no início deste ano e que permitiria que usuários do WhatsApp mandem mensagens para contatos que têm apenas conta no Instagram. 

TWITTER TAMBÉM ENFRENTOU INSTABILIDADE

Quem também enfrentou instabilidades na tarde desta quarta-feira foi o Twitter, em um problema isolado, sem ligação direta com o do Facebook. Segundo a empresa, houve falhas na entrega de mensagens diretas (DMs, na sigla em inglês) e notificações referentes à funcionalidade. O problema, no entanto, foi resolvido antes do final da tarde. 

Além disso, o Down Detector reportou instabilidades fora do normal em alguns serviços na internet brasileira – o Waze, por exemplo, reportou que recebeu notificações de problemas de usuários, mas até a última atualização desta reportagem não havia encontrado nenhuma falha em seus sistemas. Procurado pelo Estado, o Sinditelebrasil, que representa as operadoras Claro, Oi, TIM e Vivo, disse que as empresas “não verificaram nenhum problema ou instabilidade em suas redes.” 

Na terça-feira, 2, uma falha de grandes proporções tirou vários sites do ar nos Estados Unidos – a instabilidade, porém, se deve a um problema no Cloudflare, serviço de armazenamento de sites que hospeda, por exemplo, o próprio Down Detector, além de sites da operadora Verizon e o serviço de e-commerce americano Shopify. Segundo o presidente executivo da empresa, Matthew Prince, o problema foi causado por uma super atividade nos servidores da empresa, que levou a uma pane em seu sistema. Ao Estado, a empresa confirmou que não havia relação de sua falha com as intermitências ocorridas no Brasil nesta quarta-feira. 

bomba.jpg