– Renovar de que jeito, dona FPF?

Pela Rodada 5 do Paulistão 2022 (que abrirá informalmente o torneio no domingo), envolvendo Novorizontino x Palmeiras, apitará Luís Flávio de Oliveira (FIFA).

Na Rodada 1, que será 4a feira, para Palmeiras x Ponte Preta, apitará Raphael Claus (também da FIFA). O próprio Luís Flávio estará na Rodada 1, 5a feira, em x Guarani x São Paulo.

Será que no 3o jogo do Palmeiras no Paulistão, teremos outro FIFA escalado? Por esse critério, não se renovará a arbitragem nunca!

É a chamada “escala de segurança”, para não correr o risco do escalador ser questionado. Aliás, a FPF opta pelo modelo de 9 pessoas envolvidas na arbitragem de um jogo, incluindo AVAR, observador de VAR, gerente de qualidade de VAR, analista de vídeo e outros cabides (incluindo a auto-escalação da chefe dos árbitros, Ana Paula de Oliveira).

Entra ano e sai ano, e as coisas não mudam para melhor…

VAR: O que significa, como funciona e regras de aplicação

Imagem extraída de https://www.esportelandia.com.br/futebol/var/

– Força, Pelé!

Quando eu li que o Rei do Futebol estava com o câncer se espalhando, pensei: “Como pode, ele é o Pelé?”

Às vezes, a gente se esquece que Edson é humano e ao mesmo tempo ele é o Pelé. Ainda não acredito que ele possa adoecer… Mas sendo assim, todas as nossas preces a esse maior símbolo brasileiro vivo:

https://platform.twitter.com/widgets.js

Imagem extraída de: https://blogdojuca.uol.com.br/2019/04/por-que-pele-e-o-rei-do-futebol/

– Trikas vai pegar como apelido da torcida do São Paulo FC?

Alguns torcedores são-paulinos mais jovens usam o apelido trikas para se identificarem. Seria algo como a variante “brazuca” para o adjetivo “brasileiro” (trikas para tricolores).

A Torcida Independente DETESTOU o fato de, na apresentação do atleta Nikão, o twitter do SPFC ter anunciado que o jogador agora era “trikas”. E emitiu uma nota oficial (abaixo):

Lembre-se: quando alguém não gosta do apelido, é aí que ele pega…

– Pisadas na bola como a de Sóbis são raras?

Rafael Sóbis “causou” ao dizer que, por torcer para o Colorado, “tirou o pé” numa partida pelo Cruzeiro para tentar ajudar o Internacional na outra contra o rebaixamento (que foi em vão).

Imaginem os companheiros dele naquela oportunidade, como devem estar?

E os torcedores?

Enfim: além da questão ético-profissional, fica o lembrete: ele é um caso “à margem” ou existem outros tantos por aí?…

Sobis teve duas passagens pela Raposa, sendo a segunda se iniciando em 2020

Imagem: Gustavo Aleixo / Cruzeiro, extraído de: https://www.lance.com.br/cruzeiro/rafael-sobis-anuncia-aposentadoria-apos-vitoria-sobre-brusque-pela-serie.html

– Campeonatos Jabuticabas: os Estaduais brasileiros!

Texto escrito há 5 anos, mas válido para hoje:

Daqui alguns dias começarão os Campeonatos Regionais, que assim como os “Pés de Jabuticabas”, só existem nos Brasil. Tirando os de São Paulo e Rio de Janeiro, os demais não dão chances aos pequenos. E esses mesmos pequenos paulistas e cariocas, todos sabemos, estão falidos.

Os pequenos precisam das verbas desses torneios para sobreviverem, e elas existem não por eles, mas pelos grandes.

É sabido que as potências não querem jogar os Campeonatos Estaduais. Mas também não se movem para evitá-los (com exceção, o Atlético Paranaense que tem disputado em seu estado com o Sub 23).

Será que esses torneios não poderiam ser melhor espaçados no calendário? Ou que fossem divisões locais de acesso às nacionais?

Na Inglaterra, existe a Northern Premier League, que congrega times regionais das 7a e 8a divisões e que permitem aos clubes (se tiverem condições financeiras e técnicas) a chegarem à badaladíssima Premiere League (1a divisão). Por quê não podemos ter série E, F, G representando os Regionais? Cravo que um jogo entre Paulista de Jundiaí x XV de Jaú valendo acesso da 6a divisão para a 5a Nacional levaria mais público do que valendo a queda da 1a divisão para a 2a do Estadual.

Para mim, a resposta para que não se discuta para valer o fim dos regionais (os quais, confesso, sou apaixonado mas entendo a dificuldade financeira do modelo) é clara: a perda de Poder das Federações Estaduais!

No ano retrasado, Rogério Ceni questionou:

O que vale ganhar o Campeonato Paulista?”

Vencer o Paulistão só vale o status (e o dinheiro, lógico). Mas se perder… o time grande sofre com a pressão!

Algo tem que ser feito. Não dá para abrir um Morumbi para o São Paulo jogar com público de 5.000 pagantes contra o Audax, enquanto o clube gostaria de estar excursionando pela Ásia ganhando dinheiro e treinando. Ao mesmo tempo, não dá também para XV de Piracicaba, Noroeste, América de Rio Preto e tantos outros times tradicionais montarem times para apenas 3 meses nas divisões que disputam e fecharem as portas.

Quem aceitará ceder? Os times grandes continuando com o assistencialismo, clubes pequenos fechando as portas de vez ou as federações estaduais abrindo mão do poder?

bola-murcha.jpg

Imagem: Internet, de autoria desconhecida.

– Precisa ter torcida para o Choque-Rei da Copinha?

Considerando o histórico de brigas entre torcedores são paulinos e palmeirenses,

Considerando a tragédia da Supercopa São Paulo de Futebol Jr em 1995 envolvendo as duas equipes, com batalha campal e falecimento de cidadão,

Considerando que com a tecnologia as torcidas marcam pela Internet seus confrontos antecipadamente (mesmo sendo jogo de torcida única presencial),

Considerando que estamos em pandemia e a variante Ômicron se alastra como nunca,

Considerando que o Governo Estadual está reduzindo a capacidade dos estádios para 70% (e que isso não impede aglomerações),

Considerando que o jogo será à noite e com transmissão pela TV e pela Internet,

– Considerando tudo isso… 

Por quê não se realiza esse jogo tão visado com os portões fechados?

Com violência e COVID à espreita deste Choque-Rei Sub 20, que as autoridades se antecipem e tomem as providências para não termos brigas e nem contaminação. 

Quartas de final da Copa São Paulo tem duelos definidos; veja | copa SP de  futebol júnior | ge

Foto: Divulgação FPF. Imagem extraída de: https://ge.globo.com/sp/campinas-e-regiao/futebol/copa-sp-de-futebol-junior/noticia/quartas-de-final-da-copinha-tem-os-quatro-duelos-definidos-veja.ghtml

– 9 anos de condenação para Robinho.

Hoje, o ex-jogador do Santos FC foi condenado a 9 anos de cadeia (em última instância) pela Justiça da Itália por estupro. Abaixo, um fator decisivo, de Outubro de 2020, quando as gravações foram reveladas:

Se todos nós trabalhamos com cautela sobre as questões envolvendo Robinho e a denúncia de estupro coletivo, procurando não fazer mal juízo antes das provas judiciais, ao ler a transcrição das conversas dele com os amigos você vê que tipo calhorda é o ser humano.

Nojento, abusador, revoltante!

Se você, leitor, tiver paciência e estômago, leia até o fim. No link em: https://globoesporte.globo.com/sp/santos-e-regiao/futebol/times/santos/noticia/as-gravacoes-do-caso-robinho-na-justica-italiana-a-mulher-estava-completamente-bebada.ghtml?utm_source=Twitter&utm_medium=Social&utm_content=Esporte&utm_campaign=globoesportecom

Lembrando que ele é casado e tem filhos.

Se eu sou o Santos FC, cancelo a contratação imediatamente.

As gravações do caso Robinho na justiça italiana: “A mulher estava completamente bêbada”

A sentença da Justiça italiana que condenou Robinho e um amigo em primeira instância a nove anos de prisão por violência sexual de grupo contra uma jovem de origem albanesa mostra que as interceptações telefônicas realizadas contra os envolvidos ao longo da investigação foram cruciais para o veredito. 

A decisão do Tribunal de Milão, de novembro de 2017, ainda não é definitiva e foi contestada pelas defesas do jogador do Santos e de Ricardo Falco, o outro acusado brasileiro no crime. Os advogados dos dois apresentaram recurso. 

A Corte de Apelo de Milão vai iniciar a análise do processo, em segunda instância, no dia 10 de dezembro. 

Capa da sentença de Robinho — Foto: Reprodução

Capa da sentença de Robinho — Foto: Reprodução 

O caso aconteceu numa boate de Milão chamada Sio Café na madrugada do dia 22 de janeiro de 2013. Além de Robinho e Falco, outros quatro brasileiros teriam participado do ato classificado pela Procuradoria de Milão como violência sexual. Como esses quatro deixaram a Itália no decorrer da investigação, eles estão sendo processados num procedimento à parte, disse ao ge o advogado Jacopo Gnocchi, que representa a vítima. 

Robinho e Falco foram condenados com base no artigo “609 bis” do código penal italiano, que fala da participação de duas ou mais pessoas reunidas para ato de violência sexual – forçando alguém a manter relações sexuais por sua condição de inferioridade “física ou psíquica” (veja a íntegra do artigo no final do texto). 

Ao ser interrogado, em abril de 2014, Robinho negou a acusação. Ele admitiu que manteve relação sexual com a vítima – mas disse que foi uma relação consensual de sexo oral – e sem outros envolvidos. No caso de Ricardo Falco, a perícia realizada por determinação da Justiça identificou a presença de seu sêmen nas roupas da jovem. 

Diversas gravações de ligações telefônicas entre os acusados, feitas com autorização da Justiça, foram transcritas na sentença. Uma das mais decisivas para a condenação em primeira instância foi uma conversa de Ricardo Falco com Robinho que indicou ao tribunal que os envolvidos tinham consciência da condição da vítima. 

A conversa aconteceu no carro de Robinho e em certo momento o jogador demonstra preocupação com a possibilidade de a vítima prestar depoimento. No diálogo, Falco aparentemente se contradiz a respeito da condição da vítima. 

Falco: –Ela se lembra da situação. Ela sabe que todos transaram com ela. 

Robinho: – O (NOME DE AMIGO 1) tenho certeza que gozou dentro dela. 

Falco: – Não acredito. Naquele dia ela não conseguia fazer nada, nem mesmo ficar em pé, ela estava realmente fora de si.

Para a justiça italiana, as escutas realizadas a partir de janeiro de 2014 são “auto acusatórias”. Além dos telefones grampeados, a polícia instalou escutas no carro utilizado por Robinho na Itália. A sentença diz que “os conteúdos dão pleno conhecimento do que aconteceu”. 

Logo no primeiro mês de monitoramento, por exemplo, uma interceptação mostrou o músico Jairo Chagas, que tocou naquela noite na boate, avisando a Robinho sobre a investigação. O jogador, segundo a transcrição, respondeu: 

– Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu.

– Olha, os caras estão na merda… Ainda bem que existe Deus, porque eu nem toquei aquela garota. Vi (NOME DE AMIGO 2), e os outros foderam ela, eles vão ter problemas, não eu… Lembro que os caras que pegaram ela foram (NOME DE AMIGO 1) e (NOME DE AMIGO 2)…. Eram cinco em cima dela.

Ainda em janeiro de 2014, o músico e o jogador voltaram a falar sobre o episódio. O diálogo entre os dois transcrito na sentença é o seguinte: 

Robinho: –A polícia não pode dizer nada, eu direi que estava com você e depois fui para casa.

Jairo: – Mas você também transou com a mulher?

Robinho: – Não, eu tentei. (NOME DE AMIGO 1), (NOME DE AMIGO 2), (NOME DE AMIGO 3)…

Jairo: – Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela. 

Robinho: – Isso não significa transar.

A investigação também reuniu outras conversas entre os amigos do jogador presentes na boate. Um deles, aqui identificado como “Amigo 4”, demonstrou preocupação ao saber do início da investigação: 

NOME DE AMIGO 4: – Irmão, tive dor de barriga de nervoso, eu me preocupo por você, amigo.

A resposta de Robinho, segundo a transcrição das gravações, foi: 

– Telefonei a (NOME DE AMIGO 3), e ele me perguntou se alguém tinha gozado dentro da mulher e se ela engravidou. Eu disse que não sabia, porque me recordo que eu e você não transamos com ela porque o seu pênis não subia, era mole… O problema é que a moça disse que (NOME DE AMIGO 1), (NOME DE AMIGO 2) e (NOME DE AMIGO 3) a pegaram com força. 

Em outra ligação transcrita no processo, esta com (NOME DE AMIGO 3), o jogador ressaltou que “não havia prova de que fizemos alguma coisa”. Os quatro amigos de Robinho saíram da Itália e retornaram ao Brasil durante a fase de investigação. 

Segundo a sentença, numa das conversas monitoradas dentro do carro de Robinho, o jogador e Ricardo Falco combinaram as respostas que dariam à Justiça. Falco comentou que a “nossa salvação” era que não tinha na boate nenhuma câmera que flagrasse eles com a jovem.

Em outra gravação, do telefone do músico Jairo Chagas, ele conversa com uma amiga. A transcrição traz uma frase dela: “Isso é coisa de covarde, pessoas de merda que dão realmente nojo”. Jairo respondeu que o que aconteceu tinha nome: “se chama estupro”. Diante dos juízes, o músico disse não ter visto cenas de sexo naquela noite. 

Reconstituição e depoimento detalhado da vítima

Na reconstituição feita pela Justiça, a vítima de origem albanesa contou que foi ao Sio Café em 21 de janeiro de 2013 para comemorar seu aniversário de 23 anos ao lado de duas amigas. No dia, a programação da boate era dedicada à música brasileira. 

Robinho estava na mesma boate com sua esposa e um grupo de quatro amigos. A violência contra a jovem teria ocorrido dentro do camarim usado pelo músico Jairo Chagas. Conhecido na comunidade brasileira em Milão, Jairo trabalhou no Sio Café por nove anos e disse ao ge que todos que estavam com Robinho eram brasileiros. 

No julgamento realizado na 9ª Seção do Tribunal de Justiça de Milão, em novembro de 2017, o caso contra os dois brasileiros foi analisado por um colégio de três juízes, como praxe do sistema Judiciário Italiano. Eram duas mulheres e um homem. 

Quem presidiu o julgamento foi a juíza Mariolina Panasiti, ainda hoje na 9ª Seção do Tribunal de Justiça de Milão. Ela não quis gravar entrevista mas afirmou, em conversa por telefone, que se tratou de um julgamento complexo, como costumam ser os relacionados a violência sexual, e que as peças do quebra-cabeça foram sendo montadas aos poucos. 

Panasiti informou que as interceptações foram fundamentais para a condenação do jogador e seu amigo. É também o que diz a sentença: “As declarações [da vítima] encontraram na instrutória processual múltiplas confirmações, no relato das outras testemunhas e sobretudo nas conversas interceptadas”. 

No depoimento à justiça, vítima disse que conheceu Robinho dois anos antes do crime – em 2011, em outra boate de Milão. Informou que também conhecia dois amigos do jogador. Acrescentou que no primeiro encontro, Robinho pegou a mão dela e colocou no seu abdômen. Depois, na segunda vez em que estiveram juntos, eles dançaram numa festa, e o jogador “tentou lamber o seu seio”. Mas ela disse que os episódios não a preocuparam. 

Ainda segundo o depoimento, na noite do episódio no Sio Café, a vítima disse que foi ao local convidada por um dos amigos do Robinho, mas que, por SMS, ele a informou que ela só deveria se aproximar da mesa depois que a mulher do jogador fosse embora. Assim que isso aconteceu, ela e duas amigas se juntaram ao grupo de brasileiros, que depois passou a ter também a presença de Ricardo Falco. Segundo a vítima, os brasileiros ofereceram várias bebidas alcoólicas, mas apenas ela bebia, pois uma das amigas estava grávida e a outra estava dirigindo. 

Por volta de 1h30 da madrugada, as duas amigas foram embora, e uma delas se comprometeu a voltar para buscá-la. Depois de dançar com os brasileiros, sem ar e tonta, ela contou ter ido para uma área externa da boate, momento em que um dos amigos do jogador (um dos acusados no processo que corre à parte) tentou beijá-la. Pouco depois, os dois foram para o camarim, onde o mesmo amigo continuou tentando beijá-la. 

A vítima admitiu ter apenas “alguns flashes daquela noite”, acrescentando que não tinha condições de “falar” nem de “ficar em pé”. Segundo suas recordações, ela ficou no local sozinha por alguns minutos e “percebeu” que o mesmo amigo e Robinho estavam “aproveitando” dela. 

– Acredito que no início estivesse fazendo sexo oral em [NOME DO AMIGO 3], e Robinho aproveitava de mim de outro modo, e depois eles trocaram de papel, dali não me recordo mais nada porque me encontrei rodeada pelos rapazes, não sabia o que acontecia – disse a vítima no depoimento

Ela ainda afirmou que ouviu Robinho pedir ao amigo uma “camisinha”. E que, ao fim, se lembrou de que começou a chorar e que Jairo apareceu para consolá-la. 

A investigação não precisou o tempo em que os acusados mantiveram relações com a jovem. A vítima contou que começou a chorar após ter se dado conta do que havia acontecido. Segundo a investigação, ela deixou a boate carregada pelos brasileiros, primeiro no carro de Robinho e depois no veículo de Ricardo Falco. A sentença observou que as roupas que ela usava foram entregues à polícia e analisadas durante o processo. 

Nos dias seguintes ao episódio, a jovem teve contato com Falco e com um dos outros brasileiros que estiveram na boate através de mensagens no Facebook e pelo telefone. Ao primeiro, disse que iria procurar um advogado. Ao segundo, ela chegou a dizer que estava grávida (com a intenção de “deixá-lo preocupado”). 

Robinho alega que jovem não foi induzida

O advogado italiano de Robinho, Alexsander Guttierres, não quis comentar o teor das escutas telefônicas. Ele disse que vai sustentar na Corte de Apelo que a relação foi consensual. 

– O artigo que enquadra meu cliente é claro: fala em induzir alguém a beber ou tomar droga com objetivo de usufruir dela sexualmente. Não há provas de que isso aconteceu. Fazer sexo com uma pessoa bêbada ou drogada não fere a lei. Não estou dizendo que ele [Robinho] é uma pessoa perfeita. Ele mesmo reconheceu ter tido uma conduta pouco séria, mas crime não cometeu. 

Já Ricardo Falco é defendido no processo pela advogada Federica Rocca, uma espécie de defensora pública que disse ao ge nunca ter encontrado pessoalmente com o cliente. 

– Eu o procurei em Milão, mas parece que ele já tinha ido embora”, contou. 

Rocca afirma que o recurso apresentado pelos advogados discutirá se a relação da jovem com os seis homens, dentro do camarim da boate, foi ou não consensual. 

– Não há prova de que eles deram bebida a ela para se aproveitarem sexualmente. 

A advogada, contudo, reconhece que se trata de um processo muito difícil, “também em relação à vítima”. 

O que diz a lei italiana

Artigos 609 octies e 609 bis do Código Penal Italiano: 

609 octies
A violência sexual de grupo consiste na participação, da parte de várias pessoas reunidas, a atos de violência sexual referidos no artigo 609 bis. 

609 bis
Qualquer um, com violência ou ameaça ou mediante abuso de autoridade, obriga outro a ter ou sofrer atos sexuais é punido com a reclusão de cinco a dez anos. 

Quem induz alguém a ter ou sofrer atos sexuais está sujeito à mesma pena: 

1) Abusando das condições de inferioridade física ou psíquica da pessoa ofendida no momento do fato; 

2) Enganando a pessoa ofendida ao substituir o culpado por outra pessoa. 

Robinho acertou a volta ao Santos na semana passada — Foto: Ivan Storti/Santos FC

– Pablo, São Paulo e Profissionalismo.

A história do atacante Pablo, que está afastado do Tricolor do Morumbi para ser negociado, ganha capítulos que não podem ser levados a sério.

O São Paulo o ofereceu ao Ceará, e o atleta não quis ir (é direito dele aceitar ou não uma proposta de trabalho). Idem ao Santos. Talvez aceite o Athlético Paranaense.

O problema é: o jogador tem contrato vigente, e o clube deve 2,5 milhões de reais a ele em salários atrasados! Vai abrir mão?

Noticia-se que Pablo aceita não receber os valores a vencer do restante do contrato (isso é razoável, apesar de que poderia insistir em ficar até o final dele), e que o SPFC quer que a dívida seja perdoada.

No seu emprego, você trabalha e aceita numa boa “não receber”?

Não tem que questionar o atacante. Tem que questionar o(s) dirigente(s) que o contratou (e que trouxe outros tão caros jogadores que não deram certo).

– Dadá Maravilha dá a Dica!

Dadá Maravilha, folclórico centroavante do futebol brasileiro, costuma dizer que só 3 coisas paravam no ar:beija-Flor, helicóptero e Dadá.

E uma das suas preferidas tiradas era sobre como ser Capa de Jornal na Capital Paulista:

“Em São Paulo, há dois modos de ser capa da Folha ou do Estadão: um é assaltar um banco sozinho, e isso é difícil. Outro é fazer 3 gols no Corinthians, e daí é mais fácil. Então eu ía pro jogo e fazia 3 gols no Coringão e virava capa.”

Hoje, isso seria politicamente incorreto, devido a chatice do excesso de patrulhamento. Mas que as tiradas de jogadores das antigas eram engraçadas, não tenha dúvida!

Foto: Arquivo do Atlético Mineiro. Imagem extraída de: https://www.ocuriosodofutebol.com.br/2019/03/dada-maravilha-e-o-atletico-mineiro.html

– A injusta expulsão em Ferroviária 0(4)x(5)0 Santos pela Copa São Paulo.

Vi na publicação do jornalista Thiago Olim do “Esporte Paulista”: que lambança do árbitro Flávio Mineiro em Ferroviária x Santos pela Copa São Paulo!

Uma expulsão bizarra contra a Ferrinha, onde não dá para entender a interpretação do juizão. Segundo ele, Victor Hugo (AFE) deu uma cotovelada no pescoço de Weslley Patati (Santos). Assista o lance, no final deste post, e se esforce para ter essa imagem. Não foi nada!

Eu fico impressionado com tantas chances que certos árbitro tem. Flávio Ribeiro Mineiro chegou à A1 sem ter passado pela A2, e fez uma péssima arbitragem no Morumbi, quando escalado.

Relembre São Paulo 1×1 Novorizontino (2020), em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2020/02/04/por-que-os-erros-da-arbitragem-de-sao-paulo-1×1-novorizontino-ocorreram/

Já tínhamos observado algumas atuações ruins dele, vide abaixo em 2017 – Paulista 2×1 Portuguesa Santista, em Jundiaí: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2017/03/25/analise-da-arbitragem-de-paulista-2×1-portuguesa-santista/

Ou em Paulista 2×0 São José, em 2018: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2019/05/18/analise-da-arbitragem-de-paulista-2×0-sao-jose/

O lance citado em Araraquara, em: https://twitter.com/PontoDoThiago/status/1482192097407123457

Clique no Twitter abaixo com o vídeo:

https://platform.twitter.com/widgets.js


A pergunta é: por que alguns árbitros são descartados sem oportunidades, e outros com eternas chances?

– A cartilha do Paulo Sousa é um tiro no pé?

Dizem que quando Jorge Jesus quis tratar “a ferro e fogo” os jogadores do Flamengo, um grupo de atletas se reuniu com ele e o avisaram que “no Rio de Janeiro, a coisa era diferente de Lisboa”. O “Mister” aliviou no trato rigoroso com os atletas.

Paulo Sousa chega no Flamengo proibindo celular durante as refeições, pós-jogos à noite com jantar entre os familiares dos atletas e inicio dos treinos às 08 da manhã…

Se fizer isso, já começou a cair. E novamente ouviremos os clamores pelo JJ na arquibancada. Ou não?

Paulo Sousa - Flamengo

(Foto: Felipe Patiño/CRF), extraído de: https://www.lance.com.br/flamengo/flamengo-paulo-sousa-comanda-o-primeiro-treino-no-campo-assista.html

– A convocação da Seleção Brasileira.

Tite “caprichou” na convocação da Seleção Brasileira. Como justificar Daniel Alves e Phillippe Coutinho, senão com o argumento de que são “jogadores de confiança”?

O primeiro tomou um “baile” de Vinícius Jr no último clássico espanhol. O segundo nem jogando estava!

Claro, ele falará sobre experiência, espírito de grupo e outras coisas. Mas, em tese, a Seleção não deveria ser destinada aos melhores?

Deixe seu comentário:

Arte: TNT Esportes.

– Torcidas de futebol e Covid.

Começou com os clubes de futebol da Alemanha e da França, logo na primeira onda da pandemia de Covid-19: o oferecimento de seus estádios como Hospitais de Campanha.

Pouquíssimos foram usados, é verdade (como o Pacaembu, por exemplo). Tal fato foi repetido (a oferta) aqui no Brasil também.

A atitude das instituições esportivas foi louvável, não se discuta. Na segunda onda, as mesmas entidades ofereceram suas instalações como Postos de Vacinação.

Aqui, aplausos para quem se dispôs de verdade a ceder seu espaço de maneira nobre e solidária, praticando o “marketing do bem” 

Agora…

Os estádios de futebol terão a capacidade reduzida para 70% de sua ocupação. Mas você tem frequentado eles?

Nestes últimos dias, estive in loco comentando jogos no Estádio Jayme Cintra na Copa São Paulo de Futebol Jrs. E me assustei com o que vi: as pessoas adentram aos estádios passando por corredores lotados, se raspando / relando / encostando e aglomerando. Durante as partidas, esquece-se as máscaras e tudo volta ao “normal”, como se não existisse pandemia. Nas cabines da imprensa, há os protocolos sendo cumpridos, mas como exigir o mesmo da grande massa? 

E na hora do gol? É gente se abraçando, beijando, lançando perdigotos para todos os lados.

ATENÇÃO: estar vacinado não é tornar-se um”super-homem”, blindado, imune ao novo coronavírus e que não transmite nada para as pessoas. As vacinas são necessárias (indispensáveis) para que tenhamos maior resistência à Covid. Com elas, os efeitos são minimizados. Sem elas, a coisa é grave. Porém, a alta taxa de contágio (as pessoas imunizadas não sentem os efeitos do vírus ou os têm minimizados, mas o carregam por dias e podem contaminar outras) faz com que nos perguntemos: não é hora de restringir um pouco mais as torcidas, movidas pela paixão e que não ficarão isoladas em seu canto aplaudindo quando seu time faz um gol?

Pensemos nisso.

Os estádios que viraram hospitais de campanha na luta contra o coronavírus  | VEJA

Imagem de Nelson Almeida/HULU, extraída de: https://placar.abril.com.br/placar/confira-os-estadios-que-viraram-hospitais-de-campanha-contra-o-coronavirus/

– Baiano não é mais treinador do Paulista FC. Análise:

Em comum acordo com a diretoria, Baiano não é mais treinador do Paulista Futebol Clube.

Compartilho algumas observações a respeito do seu trabalho na Segunda Divisão Sub 23 em 2021; sobre onde errou e onde acertou na Copinha nos 3 jogos de 2022; e, por fim, o quê / quem o Galo deve buscar (ou não buscar) para a temporada.

Vídeo em: https://youtu.be/8r_AjSHIF6Q

– Afinal, o que é a Uniformização de Critérios da Arbitragem e qual a dificuldade em implantá-la?

A) Para o torcedor comum, pelo fato de existirem Regras no Futebol,
1- o simples cumprimento delas durante o jogo já melhoraria o nível da arbitragem de futebol.

B) Para o jornalista esportivo e demais entendidos,
1- o cumprimento delas deve ser indiscutível e
2- devem ter um critério uniforme de interpretação.

C) Para as comissões de arbitragem,
1- é importante deixar os árbitros atualizados com as regras de futebol,
2- determinar os critérios de interpretação e
3- garantir que eles não sofram pressão de cartolas dos times grandes.

D) Para os árbitros de futebol,
1- há a necessidade de cumprir as regras,
2- ter uma uniformização de critérios,
3- existir a garantia de que seus chefes não sucumbirão aos vetos dos dirigentes esportivos e
4- saber o que a “Comissão de Árbitros quer” quando os orienta.

Tudo isso pode ser observado num campeonato de futebol, fazendo alguns questionamentos, como: O árbitro está “afinado” com as regras? Ele apita de maneira independente, sem tendenciar a favor de time grande? Está bem orientado pela Comissão de Arbitragem, que claramente buscou orientar aos seus juízes um critério único, indiscutível, que todos tenham ciência?

Lamentavelmente, vemos árbitros tomando decisões diferentes em partidas de um mesmo torneio, em lances idênticos. Não é simplesmente “questão de interpretação”, mas a falta de uma objetiva orientação por parte dos Cartolas do Apito.

Quer um exemplo disso?

Simulação de atletas! Tem árbitro que manda o jogador levantar, outros advertem verbalmente, alguns dão Cartão Amarelo ou outros ignoram a simulação e simplesmente deixam o jogo seguir.

Me recordo nos anos 90, na última Cartilha de Uniformização de Critérios que li, produzida pelo prof Gustavo Caetano Rogério. Lá, por exemplo, era claro: se o jogador simular e reclamar, deve dar o Cartão Amarelo. Se o jogador cair por força do lance (sem ser simulação) e reclamar, adverte verbalmente. E por aí iam os detalhes para que os árbitros não tivessem a desculpa de que “tudo fosse interpretação”.

Mas reside ainda outro problema: a qualidade dos nossos dirigentes de arbitragem e instrutores. Poucos na América do Sul demonstram seriedade e competência. No Brasil, há (e defendo faz tempo) a necessidade de abandonar a paixão que se tem por Ubaldo Aquino, Jorge Larrionda e outros que praticamente vivem no país orientando os árbitros. Temos que trazer europeus de primeiro nível para melhorar a instrução ao quadro.

Tenho a memória bem fresca e com anotações em meus cadernos da época (sempre fui caxias em registros): o Prof Gustavo que citei acima, na FPF, cobrava dos árbitros para que não fossem ADMINISTRADORES de partidas, pois essa não era a função do juiz de futebol. O árbitro deveria ser cumpridor das leis do jogo, pois se resolvesse administrar a partida (que significa: picar o jogo com faltas, segurar os lances, soltar a contenda, por exemplo), ele acabaria se tornando “fazedor de media”. A pré-temporada começava 10 dias do início do Paulistão e os árbitros saíam dela direto para os jogostreinados, atualizados e bem condicionados fisicamente. Me recordo, inclusive, que nos anos 2000 ficamos 10 dias hospedados e fomos direto da concentração para Limeira a fim de trabalhar na abertura do Paulistão: Internacional x Palmeiras, com Seneme no apito, Ana Paula na bandeira 1, Aline Lamber na bandeira 2 e eu como quarto-árbitro.

Neste ano, a pré-temporada do Paulistão 2022 aconteceu em Dezembro 2021, onde os árbitros foram orientados, tiveram o recesso, passaram as festas e férias em casa e voltarão aos trabalhos na Rodada 1 do Paulistão (diferente do relato de como era nos anos 90). Tomara que, 1 mês depois, não tenham esquecido tudo o que aprenderam e treinaram…

Imagem: reprodução CBF

– Análise da Arbitragem de Paulista 0x1 Ceará.

Boa arbitragem de João Batista Nascimento Avelino. O árbitro tem muito potencial!

Aos 33m, uma queixa da torcida: ele parou o jogo para atendimento do atleta do Paulista, Klismann, quando o time estava no ataque (matando o contra-ataque). Mas isso foi necessário, apesar das reclamações, pois o jogador realmente precisava do médico.

Não tivemos um jogo faltoso ou violento foi pegado e leal. Também nesse quesito Avelino foi bem, mostrando-se sereno no jogo. A minha dúvida seria: em um jogo nervoso, ele estaria tão frio quanto esteve hoje? Não sei, pois muitas vezes você precisa estar “vibrando no calor do jogo” para tomar decisões mais corretas e transmitir segurança. No final da partida, quando “o clima esquentou”, se mostrou presente.

Em tempo: todos os cartões foram corretamente aplicados, incluindo o Vermelho Direto a André (PFC).

Um acerto técnico: aos 34 no 2º tempo, ao não marcar pênalti na “Bola na Mão” do Matheus Hilário.

Muitos impedimentos no jogo – todos corretos, marcados pelo bandeira 1 João Pedro de Moraes.

No gol do Ceará, existiram provocações de um jogador do Ceará mostrando o dedo do meio para a torcida. Cadê o Quarto árbitro? Nada viu…

Uma observação sobre o Paulista: quando o time precisava de tranquilidade e jogava pelo empate, o time estava afoito e não parecia entender que estava se classificando. É nesse momento que o treinador Baiano (experiente, com carreira internacional), deveria mandar os atletas valorizarem a posse de bola, não ter pressa e estarem calmos… Foi exatamente isso que o treinador do Ceará fez quando marcou o gol!

Uma pena. É pensar na 4a divisão – 2022.

Na foto, a torcida do Galo prestigiando o Paulista: 

– Quem pode ser o ídolo do esporte brasileiro em 2022?

Depois de Oscar (ou Paula e Hortênsia), Senna e Guga, quem foi “ídolo pra valer” no esporte brasileiro?

Difícil arranjar um nome de consenso nos últimos anos. Mas para um futuro bem próximo, quem será?

“Raíssa Fadinha” do Skate?

“Neymar” do Futebol?

“Gabriel Medina” do Surf?

“Rebeca Andrade” da Ginástica?

Não é assustador ver que carecemos de modelos de inspiração para os nossos jovens, e não os temos? E não é só no esporte que eles inexistem…

Onde estão os ídolos brasileiros? | by Nichollas Marshell | Medium

Foto extraída de: https://nichollas.medium.com/onde-estão-os-%C3%ADdolos-brasileiros-3446e66d72d5. Aliás, convido a visitarem esse link acima para lerem o excelente texto de Nichollas Marshall com o título “Onde estão os ídolos brasileiros?”

– Por quê a demora do Atlético Mineiro em acertar com um treinador?

Não é curioso que o atual campeão brasileiro, classificado para a Libertadores da América, com elenco de estrelas e dinheiro em caixa, esteja com dificuldades para contratar um treinador?

Os portugueses Jorge Jesus e Carvalhal não fecharam. Quem seria o “bola da vez” para o Galo?

Aliás: nenhum nome “nacional” agradaria a direção do CAM? Qual a real situação nos esforços para um novo técnico?

Cuca deixa o comando do Atlético-MG por 'problemas familiares', diz rádio –  Jornal do Oeste
Foto: Divulgação, extraída de:www.jornaldooeste.com.br%2Fesporte%2Fcuca-deixa-o-comando-do-atletico-mg-por-problemas-familiares-diz-radio

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Paulista x Ceará, rodada 3 da Copa São Paulo de Futebol Jr.

Para o confronto decisivo entre o Galo e o Vozão, a escala será composta por:

Árbitro: João Batista do Nascimento Avelino
Árbitro Assistente 1: João Pedro de Morais
Árbitro Assistente 2: Jean Henrique Batista Reinas
Quarto Árbitro: Rogério Adalberto da Silva
Analista de Vídeo: Gustavo Cesar Pedrozo
João Batista tem 5 anos de carreira, 28 de idade, e teve uma ascensão muito rápida na FPF: com apenas 1 ano de casa, já estreou em jogos profissionais. No seu 2o ano, apitou na A3. Faz parte do grupo de árbitros jovens que está sendo impulsionado para a renovação do quadro. 
Os bandeiras João Pedro e Jean Henrique são jovens (27 anos) e ambos são formados em 2018. Também ambos só têm 1 jogo profissional na carreira. Percebamos que nos 3 jogos do Paulista, os 6 bandeiras que foram escalados possuem a mesma faixa de idade e mesmo tempo na carreira.
O quarto-árbitro Rogério Adalberto tem um fato curioso: ele trabalhou quase todos os dias durante a Copinha. Apitou na Rodada 1 e foi 4o árbitro em dois jogos da mesma rodada no dia seguinte. Depois trabalhou na Rodada 2. Nesta rodada 3, trabalhou dia 9 em dois jogos como 4o árbitro em Taubaté. Dia 10, foi escalado para apitar na mesma rodada 3 na Rua Javari. Dia 11, em Jundiaí, nos dois jogos da rodada 3. Ou seja: 5 jogos escalado na mesma rodada!
Me chamou a atenção a escala do observador: Gustavo Cesar Pedrozo, com apenas 31 anos. Talvez o mais jovem do quadro.
Desejo um ótimo jogo a todos com boa arbitragem.
Acompanhe Paulista x Ceará pela Rádio Difusora AM 810 ou nos Apps, com a narração de Rafael Mainini, comentários de Robinson Berró Machado, reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira, análise da arbitragem de Rafael Porcari. No comando: Adilson Freddo! O jogo começa às 15h15h nesta terça-feira, mas desde às 14h45 o Time Forte do Esporte já estará no ar.

– Endrick, do Palmeiras, será um profissional de sucesso?

Há um garoto que está “arrebentando” nas categorias de base há algum tempo: Endrick, atacante do Palmeiras. Driblador e goleador, em duas rodadas da Copa São Paulo de Futebol Jr mostrou excelente qualidade em campo.

A questão é: precisamos ter “calma com o andor, pois o santo é de barro”. E assim como fiéis tomam cuidado para não derrubar seus santos na procissão, esse ditado popular vem trazer a preocupação de que muitos talentos da base acabem “micando” pela falta de cuidados no processo de maturação do atleta. Afinal, nesta idade e com os holofotes, a maturidade tem “outros prazos”.

Com 17 anos, o Corinthians (através do empresário da época) dizia que “Lulinha valia mais de 30 milhões de euros”. E o vendeu por quanto? Onde está jogando agora?

Tivemos Sérgio Motta, Harinson, João Fumaça… supostos “futuros jogadores de Seleção”. Também tivemos “Novos Bebetos, novos Raís, novos “Messis”… Jean Chera e Thiago Luís, ex-Santos, que o digam.

Não conheço a educação do garoto, seu agente, tampouco o trabalho de bastidores que se faz com Endrick. É “bom de bola demais” para a sua idade, não se discute isso. Torcerei para ele, mas fica apenas o apontamento: há um trabalho psicossocial sendo realizado com ele? Planejamento de carreira? Ajuda para os impactos do sucesso esportivo e financeiro em sua vida?

Que ele possa ter uma ótima assessoria familiar e profissional.

Endrick comemora um de seus gols pelo Palmeiras — Foto: Fabio Menotti

Foto de Fabio Menotti, extraída de: https://ge.globo.com/futebol/times/palmeiras/noticia/aos-15-anos-endrick-faz-golaco-na-copinha-e-deve-treinar-com-o-elenco-profissional-do-palmeiras.ghtml

– Na vitória do Galo, o que deu certo e o que deu errado? E paciência com os jovens jogadores (incluindo o jovem treinador)…

Já falamos da boa arbitragem de Paulista/SP 2×0 Bragantino/PA ontem (vide em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2022/01/08/analise-da-arbitragem-de-paulista-sp-2×0-bragantino-clube-pa/).

Vamos abordar a parte técnica e tática?

O treinador Baiano acertou na escalação inicial: colocou Bruno Pará (21) no lugar de Wesley (8), e o time ganhou dinamismo. O atleta entrou com muita vontade, e sua disposição contagiou seus companheiros, como Enzo (7), que jogou mais a vontade, e Matheus Lima (9), muito mais pró-ativo e chamando o jogo. Uma escalação que refletiu nesses outros jogadores, sem dúvida. De tal forma, a zaga ficou mais protegida pois Lucas Morungaba (5) se tornou o volante à frente dos defensores sem ter a obrigação de se sobrecarregar e descer ao ataque. Com isso, Bruninho (10) pode jogar mais despreocupado em marcar ou ajudar a defesa (que, vale destacar, esteve muito segura com Guilherme (3) e Hilário (4)).

  • O que deu certo:

Neste esquema de futebol “coletivo de verdade”, o time correu bastante e conseguiu ter superioridade no domínio de bola. Berguer (6) neutralizava as descidas de seu “quase xará” do Bragantino, o atacante Berg. O centroavante paraense Luíde (9) nada fez, pois a zaga ganhou todas, a não ser um chute a queima-roupa defendido pelo seguro goleiro Gabriel (1). Viana (2) descia com tranquilidade e foi preciso nos cruzamentos. E com a proximidade do meio-campo com o ataque, tivemos um primeiro tempo de excelente futebol do Galo. Talvez os melhores 45 minutos desde o time de Umberto Louzer de 2017.

  • O que deu errado:

No segundo tempo, se elogiamos a escalação de Baiano com a entrada de Bruno Pará no lugar de Wesley, por coerência se faz necessária a observação crítica da “destroca” no segundo tempo. O camisa 21 fez um golaço (levantou a cabeça, viu o goleiro adiantado e chutou para o canto alto), foi fundamental para que o Galo tivesse o controle das ações de ataque e ainda ajudou a marcação. Eu não o substituiria! E com a sua saída, Wesley não teve o mesmo rendimento (sejamos justos: ele jogou um pouco melhor do que o 1o jogo, mas ainda bem aquém do seu substituto). E acabamos voltando ao mesmo problema do confronto com o São Bernardo: perdemos o meio-campo. Para dar “vida nova” ao ataque e tentar corrigir isso, Baiano colocou Cristopher e Léo nos lugares de Klismann e Matheus Lima. Foi uma necessária dupla alteração, mas como o torcedor – que é inteligente – estava descontente com a alteração anterior, vaiou a entrada dos novos atacantes. E esse será um problema que o treinador deve administrar: a animosidade com uma parte da torcida, vista em muitos momentos da partida.

Duas observações finais:

1- Ainda sobre Baiano: assim como muitos atletas, é um treinador iniciante. Vai errar e acertar como muitos jovens da Copinha, pois ninguém nasce “Telê Santana”, “Rubens Minelli” ou “Osvaldo Brandão”. Terá um enorme problema em convencer seus críticos de que trabalha independente da relação com seu filho Matheus Lima (muito bem observado na transmissão da Difusora, pelo Rafael Mainini).

2- Bruninho, extremamente habilidoso e diferenciado, cometeu uma falta totalmente desnecessária no jogo contra o São Bernardo e recebeu Cartão Amarelo (comentamos na oportunidade: atacante não sabe marcar nem costuma fazer falta na defesa, e quando isso ocorre, “erra”). Ontem, recebeu outro Cartão Amarelo no final da partida, também evitável, e permaneceu reclamando. Pelo gestual do árbitro ao bandeira, houve até dúvida de que pelas insistentes reclamações após o Amarelo, recebesse uma segunda advertência e consequentemente o Vermelho. Por sorte, Berguer o afastou. Por esses dois amarelos que não precisava tomar, Bruninho está fora do importante jogo contra o Ceará, onde o Galo depende somente dele.

Por fim: o que ficou do jogo ontem na sensação de todos: ESPERANÇA! O time tem qualidades, pode se superar e não está atrás do time cearense em questão de qualidade. Creio que a chave terminará com o São Bernardo com 7 pontos, o Paulista com 6 (por isso, ambos classificados), o Ceará com 2 e o Bragantino com 1.

É lotar o Jayme Cintra na 3a feira, pessoal! Levar a família e formar novos torcedores!

– Qual a melhor equipe de futebol de todos os tempos (segundo Tostão)?

Dias atrás me questionei sobre qual seria o melhor escrete de futebol já montado: o Santos de Pelé, a Seleção de 70, o Real Madrid de Di Stéfano, o Barcelona de Guardiola ou o de Luiz Henrique.

Tostão tirou minhas dúvidas. Apesar da resposta não ser objetiva, é uma AULA de quem viveu dentro das 4 linhas e entende muito do assunto. Abaixo, extraído de Folha.com, (de 2015):

ENCONTROS E REENCONTROS

Aconteceu o mais provável. O Barcelona ganhou, com facilidade, do River Plate. A diferença entre os maiores da Europa, ainda mais o Barcelona, e os melhores sul-americanos é enorme.

Um leitor me perguntou quem é melhor, a seleção brasileira de 1970 ou o Barcelona? Não sei. Tentei comparar e desisti. O futebol mudou muito, embora existam semelhanças entre os dois times. Jogam no mesmo sistema tático, com quatro defensores, três no meio-campo e três atacantes (4-3-3).

As duas equipes têm apenas um volante, além de um armador de cada lado, e não possuem o clássico meia de ligação, uma tendência mundial. A maioria dos atuais times joga com dois volantes, três meias, sendo um centralizado e próximo ao centroavante (4-2-3-1). O que é mais moderno já existia 45 anos atrás.

Na prancheta, o sistema tático é o mesmo, mas o Barcelona é mais bem dividido em campo. O armador mais marcador e mais recuado, Busquets, joga pelo centro, com Rakitic de um lado e Iniesta de outro.

Na seleção de 1970, quando o time perdia a bola, Gerson, o mais organizador, era o armador central. Clodoaldo, o mais marcador e mais recuado, atuava de um lado, e Rivellino, de outro. Gerson e Rivellino tinham as mesmas funções de Rakitic e de Iniesta, de marcar e de avançar.

Independentemente do desenho tático, o Barcelona, assim como o Real Madrid, o Corinthians e outras equipes, joga com apenas um volante, um centroavante e mais quatro jogadores entre eles, que atuam de uma intermediária à outra. Marcam e atacam com cinco, além do avanço dos laterais. Na seleção de 1970, um time revolucionário, não havia nem o centroavante fixo.

O Barcelona possui características marcantes. Uma é marcar por pressão e recuperar a bola onde a perdeu. Outra é trocar passes desde o goleiro, mesmo se o adversário avançar a marcação. Raramente, dá chutões ou cruza a bola na área, para contar com a sorte. Para isso, é preciso muito talento individual e também treinamentos.

Quando vejo o Barcelona trocar passes, lembro-me do Santos de Pelé, que fazia o mesmo, cadenciava a partida, parecia lento e, de repente, acelerava até fazer o gol.

Durante muito tempo, o Brasil dividiu o meio-campo entre os volantes que marcavam e um único meia, responsável por toda a armação das jogadas. Desapareceram os meio-campistas, como Gerson, Rivellino, Rakitic, Iniesta e outros. Sem armadores habilidosos para sair com a bola, passaram a predominar os chutões. Foi um longo atraso em nosso futebol.

O Santos de Pelé, a seleção inglesa de 1966, a brasileira de 1970, a holandesa de 1974 e o Barcelona, base da seleção da Espanha nas conquistas do Mundial de 2010 e das Eurocopas de 2008 e 2012, revolucionaram o futebol, porque atuaram de maneira diferente do habitual da época e porque influenciaram transformações no estilo de se jogar em todo o mundo. Houve outros excepcionais times, mas não com a mesma importância.

Resultado de imagem para seleção de 70

Imagem extraída de: https://tntsports.com.br/blogs/1061970—Brasil-3-x-2-Romenia-20200610-0017.html

– Análise da Arbitragem de Paulista / SP 2×0 Bragantino Clube / PA.

Márcio André Moreira foi muito bem na partida entre Paulista x Bragantino Clube. Soube conduzir o jogo (que não exigiu dele).

Houve um embate pouco faltoso, onde o árbitro corretamente apitou sem complicações. Não tivemos simulações, lances polêmicos ou indisciplinas, exceto aos 6m do segundo tempo: um esboço de reclamação de pênalti de Johnny – BRA em Matheus Lima – PFC (que não foi, pois ele literalmente pisou na bola)

De tal forma, vale dizer que tudo deu certo para a arbitragem: um jogo que permitiu apitar o básico sem aparecer. Que continue assim.

– Repost: Homofobia na Copinha, Ironia do Cartola do Timão e a discussão dos Gays na arbitragem.

Há 2 anos, um tema atual:

O título da postagem mostra que as “pautas respeitosas quanto ao gênero” começaram com tudo neste começo de ano no futebol, não? Especialmente em São Paulo. Vamos a elas?

Fica o alerta para todos os torcedores: conforme alertamos anteriormente, a FPF fará em seus torneios com que os árbitros tenham rigor contra práticas discriminatórias, como manifestações políticas, gritos racistas, ofensas sexistas ou cânticos homofóbicos (seguindo a determinação da FIFA). E isso aconteceu nesta semana na prática.

Na partida entre Audax-SP vs Sport-PE pela Copa São Paulo de Futebol Jr, o goleiro do time pernambucano se distanciava para cobrar o tiro de meta e os torcedores começaram a gritar aquele manjado “biiiiiiicha”, imitando os mexicanos que inventaram essa prática com o “puuuuuto”. O árbitro Thiago Scarascati cumpriu a recomendação e praticou o que manda o Protocolo FIFA contra discriminação no seu 1o ato. (vide-o aqui: https://wp.me/p55Mu0-2hK). Ainda assim, posteriormente, houve novos gritos, e o 2o ato do Protocolo foi praticado.

Nesta mesma semana, ocorreu a polêmica de Duílio Monteiro Alves, diretor do Corinthians, que na apresentação do jogador Victor Cantillo deu a camisa 8 do time para o atleta, negando a 24 (número que ele gostava de utilizar no Junior Barranquilla) justificando em tom de brincadeira que “24 aqui não” (fazendo alusão do número, na cultura do Brasil, ser ligado a gays). Teve que se desculpar em público posteriormente. Afinal, se a maior torcida do Brasil é do Flamengo e a segunda do Corinthians, de maneira lógica e proporcional esses clubes possuem as maiores torcidas entre os homens, mulheres e homossexuais.

Por fim, vale lembrar o que a nova comandante dos árbitros da Federação Paulista de Futebol, Ana Paula de Oliveira, disse em entrevista ao Estadão: a ex-bandeirinha declarou que em sua gestão “aumentará para 20% a participação das mulheres nas escalas de jogos”  (se isso acontecer, em cada 5 jogos realizados, 1 será arbitrado por quarteto feminino) e de que, em outras palavras “dará tranquilidade para que não exista assédio aos árbitros gays e árbitras lésbicas do quadro” (vide a matéria completa clicando AQUI).

Dessa forma, respeitemos a diversidade. Isso não quer dizer que devamos fazer apologia, pois se beira na preocupação em aceitar o homossexual, quase uma louvação! Não é isso: não se pode praticar homofobia, mas não se deve também criar uma heterofobia (como que “ser hetero declarado” nos dias de hoje seja algo ruim).

O politicamente correto está (seja em excesso ou não) em pauta nas diversas áreas, inclusive no futebol, e não se pode negar.

Resultado de imagem para homofobia no futebol

Ilustração: Verena Antunes (Vice), extraído de: https://www.vice.com/pt/article/53m433/homofobia-no-futebol

– Lewandowski, Messi e Salah: quem levará o “FIFA The Best”?

Lewandowski, Messi e Salah concorrerão ao prêmio “Fifa The Best” deste ano, destinado ao melhor jogador de futebol do mundo.

E aí, quem jogou mais bola na temporada (independente do nome)?

Sinceramente, eu não sei em que eu votaria…

A Fifa divulgou nesta sexta-feira (7) os finalistas do prêmio de melhor jogador do mundo - Reprodução

Imagem: Fifa/Divulgação