– Análise da Arbitragem de Paulista 2×2 Penapolense.

O árbitro Douglas Marques das Flores “me devia” uma boa arbitragem (estou ironizando, lógico). Mas trabalhei em 12 jogos dele (e assisti alguns outros em lances discutíveis), não conseguindo ver 90 minutos tranquilos. Tenho plena convicção que nesta tarde assisti sua melhor arbitragem (das partidas, repito, que trabalhei por completo ou das outras que assisti parcialmente por lazer).

Aplicou muito bem a lei da vantagem (por exemplo, a 1 minuto com Danilinho-CAP). Correu bastante e se posicionou muito bem em um jogo muito veloz (está bem condicionado fisicamente).

Tecnicamente, existiram dois lances polêmicos e difíceis, que ele acertou:

1 – 32m: acertou no pênalti por movimento antinatural da mão na bola a favor da Penapolense. O atleta do Paulista foi com os braços abertos, não se corre daquela forma de maneira natural. A minha dúvida era: bateu no braço ou no peito? Batendo no braço, não importa se mudou ou não a trajetória, ou qualquer outra coisa que o valha – e havia uma distância razoável para evitar o contato. Lance “esquisito”. E parabéns ao assistente Robson Ferreira Oliveira que ajudou o árbitro indicando o contato infracional no braço.

2- 37m: acertou ao marcar pênalti por movimento antinatural da mão na bola a favor do Paulista, usando o mesmo critério: zagueiro da Penapolense com o braço aberto, correndo com o braço de forma não convencional, bloqueando o chute com a mão. Acertou.

Disciplinarmente, marcou 20 faltas do Paulista e 18 da Penapolense. Acertou e foi correto nos critérios de advertência e expulsão. Foram 4 cartões amarelos ao Paulista e 2 à Penapolense (além de 1 vermelho ao Paulista). E sobre eles, todos por infantilidade do time da casa:
Koyote – evitável por reclamação;
Bruninho – evitável, por reclamação no banco;
Carlos Eduardo – evitável, por ação temerária no meio campo e logo no começo do 2º tempo foi expulso pela reincidência pelo mesmo motivo.
Morungaba – evitável, por “bate-boca” com o adversário (que também recebeu a advertência).

Na análise pré-jogo dessa partida, eu escrevi: Roberval deveria alertar seus jogadores a não se preocuparem com o árbitro para que não tomassem cartões bobos, devido as características do jogo. Talvez tenha avisado, mas jovens sofrem muito com a questão emocional…

Público: 997 pagantes, para R$ 13.650,00 de renda bruta.

No detalhe da foto, clicada da cabine da Difusora: quantos modelos diferentes você consegue enxergar nesse enquadramento nas cativas?

– As Regras do Futebol em App.

Muito legal! A International Board (IFAB), a “dona” das Regras do Futebol, lançou neste último dia 01 o aplicativo atualizado do livro de regras, bem como “perguntas e respostas”.

Eu já fiz o download, e gostei pois ele é bem prático. Faça também!

– São Paulo x Universidade Católica terá árbitro “abaixo” da importância do jogo.

Hoje abordamos as queixas do São Paulo contra a arbitragem no Chile. E ressaltei: se a Conmebol escalar um árbitro venezuelano ou boliviano no Morumbi, é porque as queixas foram aceitas.

Nesses bastidores de pressão, escalou-se Alexis Herrera, da Venezuela, para o jogo de volta (detesto utilizar o termo “compensação”, pois toda a arbitragem deveria ser indiscutivelmente competente e honesta). A sinalização foi: “vocês realmente tiveram uma arbitragem ruim, agora escalamos um árbitro de ‘segundo escalão’ na sua casa para ‘agradar'”.

Em tese, é árbitro que sente pressão de camisa pesada (pelo seu histórico). E para ser mais específico: lembremos da péssima atuação dele em Colo-Colo x River Plate (item 2 do post em: https://professorrafaelporcari.com/2022/04/28/perguntas-para-a-conmebol-responder/).

Andrés Matonte, uruguaio, apitará Boca x Corinthians. Esse é um árbitro no qual a Conmebol aposta altíssimo, sendo juiz para, no mínimo, “3 copas” segundo alguns. Estará no Catar e tem apenas 34 anos. Mas dele falaremos em outra postagem nos próximos dias.

Conmebol aplica multa ao Barcelona-EQU por gritos racistas em jogo contra o  Flamengo na Libertadores - Lei em Campo

Imagem extraída de: https://leiemcampo.com.br/conmebol-aplica-multa-ao-barcelona-equ-por-gritos-racistas-em-jogo-contra-o-flamengo-na-libertadores/

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Paulista x Penapolense.

Douglas Marques das Flores, da CBF, apitará Paulista x Penapolense. Para mim, uma escala mal feita da FPF, e explico:

  • Não incentiva a renovação de árbitros; os que foram bem na 1a fase, estão fora.
  • É desmotivador para quem desce da 1a divisão do Brasileirão, apitar a 4a estadual. Vem com má vontade.
  • O histórico de jogos que Douglas não foi bem em Jayme Cintra, pesa contra.

Comentei a última partida que Douglas apitou pelo Brasileirão, que foi Santos 2×2 Red Bull Bragantino. Nela, “travou o jogo” com faltinhas (parecia que não queria jogo) e economizou nos acréscimos. Vide aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2022/06/18/analise-da-arbitragem-de-santos-2×2-red-bull-bragantino/

Conselho para Roberval Davino: oriente aos seus jogadores para não se enervarem com o árbitro e buscarem apenas se concentrarem na partida, pois o árbitro adora “palestrar” em campo e isso acabará tirando tempo de jogo do Galo.

Sobre as características do árbitro, vale o que eu escrevi na análise pré-jogo da partida citada, como alguns links de outras partidas que ele apitou do Paulista. Aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2022/06/16/analise-pre-jogo-da-arbitragem-de-santos-fc-x-red-bull-bragantino-rodada-12-do-brasileirao-da-serie-a/

Até esse momento (10h de sexta-feira, menos de 24h do jogo, a FPF não divulgou oficialmente a escala da arbitragem com bandeiras e demais membros).

Torcerei para um bom jogo e uma ótima arbitragem.

Acompanhe Paulista x Penapolense pela Rádio Difusora AM 810 ou nos Apps, com a narração de Rafael Mainini, comentários de Robinson Berró Machado, reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira e análise da arbitragem de Rafael Porcari. No comando: Adilson Freddo! O jogo, no sábado, começa às 15h, mas desde às 14h o Time Forte do Esporte já estará no ar.

– Qual das Ligas Brasileiras vingará?

Pois bem: temos a Libra e a Liga Forte Futebol, duas entidades que querem gerenciar os interesses dos clubes brasileiros. Nelas, alguns rivais históricos dividindo pressão e poder.

Sinceramente? Creio que as duas não terão futuro, e a Liga Brasileira demorará para surgir…

Abaixo, o quadro dos atuais clubes envolvidos, extraído do perfil de “Última Divisão” em seu Facebook:

– UCA 2×4 SPFC: o que aconteceu, juizão?

Postagem da madrugadaLecionei bastante e não pude assistir o jogo do São Paulo contra a Católica no Chile. E, há pouco, quando vi essa figura (abaixo) sobre os números do confronto  (UCA 2×4 SPFC) com 11 cartões (sendo 3 expulsões) para apenas 10 faltas, me impressionei.

Sem nenhuma informação da partida, sou levado a pensar: foram cartões por reclamação / ofensa, ou briga generalizada. Afinal, por “jogo-jogado”, eles não seriam aplicados normalmente.

Por fim: o árbitro foi Christian Ferreyra (URU), que, sabemos, não é lá essas coisas no cenário sul-americano…

L

Imagem extraída: Reprodução Twitter Rádio Jovem Pan.

– Punições para “inglês” ver.

Sabe aquela “punição de mentirinha”, só para dar satisfação?

Pois bem: o Andradina, que teve um jogo considerado suspeito de manipulação (teve até tentativa de gol contra de calcanhar), foi suspenso preventivamente pela FPF, assim como 4 atletas.

O que irrita é: toda denúncia enviada, curiosamente, tem a pena divulgada logo após o time ter seu campeonato encerrado – e que dura até o início do próximo certame. Ou seja: ele fica suspenso exatamente no período que estará inativo…

Sobre o jogo citado: https://ge.globo.com/sp/tem-esporte/futebol/noticia/2022/06/29/tribunal-suspende-andradina-e-quatro-atletas-por-suspeita-de-manipulacao-de-resultados-em-sp.ghtml

Pin em GINO

Imagem extraída de: https://br.pinterest.com/pin/714242822151289611/

– Como deve ser o dia-a-dia dos racistas após a 3ª na Arena Corinthians?

Ainda sobre os torcedores do Boca Jrs detidos e liberados após as manifestações racistas e nazistas: os bandidos moram em São Paulo!

Portanto, eles deve ter empresa ou são empregados de alguém. Que tal boicotar seus produtos ou convidar os negros e judeus que eles conhecem a tirar satisfação dos mesmos no trabalho que exercem?

Talvez, explicando com essa manifestação simbólica, eles entendam o que é preconceito.

Abordamos sobre o tema ontem (vide em: https://wp.me/p4RTuC-EHj), mas por ser revoltante, há a necessidade de bater nessa tecla.

Racismo no Brasil | Marcas do passado que se prolongam no presente - CUT-DF

Imagem extraída de: https://df.cut.org.br/artigos/racismo-no-brasil-marcas-do-passado-que-se-prolongam-no-presente-4768

– Zebra ou não?

Ouço que o Santos está perdendo para o Táchira por 1×0 pela Copa Sul-americana.

Eu sei que o jogo é na Venezuela, mas mesmo assim: time brasileiro da 1a divisão não pode perder para equipe venezuelana. É muita diferença técnica e principalmente financeira!

Vou torcer para a virada dos brasileiros. Não sei se vai dar…

– As redes de rádio: um pouco de história e reflexão sobre as transmissões esportivas de futebol.

Por Marizandra Rutilli – O ponto de partida da relação entre redes de rádio e transmissões esportivas é muito mais antigo do que parece. Segue um pouco…

Continua em: As redes de rádio: um pouco de história e reflexão sobre as transmissões esportivas de futebol

– Coleção Alma, da Adidas. Que legal!

A Adidas está lançando uma coleção chamada “Alma”, com camisas históricas de times que um dia vestiram sua marca. A empresa pede autorização desses clubes que hoje não são patrocinados por ela, além de permissão dos seus atuais fornecedores de materiais esportivos, e põe no mercado a novidade.

As duas primeiras camisas foram da Portuguesa de Desportos e do América-RJ. Abaixo:

Imagem de: https://netlusa.com.br/noticias-da-portuguesa/dirigentes-da-portuguesa-contam-bastidores-da-parceria-com-a-adidas

Camisa Alma América-RJ Adidas 2022

Imagem extraída de: https://mantosdofutebol.com.br/2022/06/america-rj-camisa-alma-adidas/

Me lembrei dessa aqui, histórica, do Paulista FC. Ela teve como seu primeiro patrocínio a Vulcabrás. Fico imaginado como seria ela hoje, se caso estiver nos planos da Adidas para a linha “Alma“…

Paulista Futebol Clube Home camisa de futebol 1984.

Imagem extraída de: https://www.oldfootballshirts.com/pt/teams/p/paulista-futebol-clube/old-paulista-futebol-clube-football-shirt-s76634.html

– Corinthians 0x0 Boca Jrs: uma sociedade exausta de racistas, neonazistas, apedrejadores…

Somos um país racista, machista, homofóbico, xenófobo e de inúmeros defeitos. Mas os poucos que tentam ser homens e mulheres diferentes, ficam indignados às coisas vistas em Corinthians x Boca Jrs.

A não-punição severa da Conmebol colabora com isso? Claro que sim, afinal, a multa e a faixa “Basta de Racismo” que o Boca será obrigado a colocar no próximo jogo não deve resolver o problema… é como estender uma faixa pedindo paz em frente a uma cela de assassinos. Não resolve nada!

Que se prendam os apedrejadores, os racistas e os neonazistas. Um desabafo, de quem muitas vezes tem vergonha da sociedade que vivemos, em: https://youtu.be/4D9cn1DH9uY.

– O projeto do CT do Red Bull Bragantino.

Fotos do projeto do Centro de Treinamento e Formação do Red Bull Bragantino. Hoje houve a cerimônia da formalização do alvará de construção. Fica em Atibaia, num terreno ideal na divisa com Bragança Paulista.

Imagens do Canal do Loredo no twitter:

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

 

– “O que o Santos significa perto do Athletico Paranaense?”, questiona Petraglia!

Que ousada – e em alguns momentos arrogante – entrevista do presidente Mario Celso Petraglia, do Athlético Paranaense, não?

Se você não viu, ele questionou a gestão dos clubes e disse que “passou o trator” no Peixe, entre outras afirmações.

Aqui: https://ge.globo.com/pr/futebol/times/athletico-pr/noticia/2022/06/27/petraglia-diz-que-santos-quebrou-detona-clubes-e-exalta-athletico-nao-ha-projeto-maior.ghtml

Mario Celso Petraglia, presidente do Athletico — Foto: José Tramontin/athletico.com.br

Crédito da Foto: José Tramontin/athletico.com.br

– Mbappé, Neymar, PSG…

Cá entre nós: para mim, não passa de boataria que “com aval de Mbappé, Neymar está fora dos planos do PSG”.

Neymar fez tudo errado por lá: mostrou-se anti-profissional, tumultuou e não ganhou a Champions League. Mas dizer que o Mbappé é o “fator preponderante”, esqueça.

Quem não deve desejar o Neymar é o novo gerente de futebol ou até mesmo o Sheik. Aliás, tá fácil ele ir para o NewCasttle, não?

Neste jogo de milhões, todo cuidado é pouco.

Ops: se até 1º de julho ele continuar no Paris-Saint Germain, seu contrato será renovado automaticamente. Portanto, mais assunto teremos até lá!

Mbappé e Neymar em jogo do PSG contra o Saint-Etienne pelo Francês - Steenkeste/Getty Images

Mbappé e Neymar em jogo do PSG contra o Saint-Etienne pelo Francês Imagem: Steenkeste/Getty Images, extraída de: https://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2022/06/28/jornal-com-aval-de-mbappe-psg-comunica-que-nao-conta-mais-com-neymar.htm

– O que é o “Atlético de Mogi”, o novo pior time de futebol do Brasil?

E o Atlético de Mogi das Cruzes? Que façanha, passou o Íbis como pior clube do Brasil (tinha o recorde de 56 jogos sem vencer). Costuma perder de 6, 7 ou 8 gols. Já perdeu até de 10. Raramente toma menos do que 5.

Eu fui participar da transmissão de Paulista FC x Atlético Mogi e o clube deu WO. Ridículo. Disputando o Campeonato Profissional da 4a divisão, vejam os números:

5 anos sem vencer na última divisão de São Paulo.

57 jogos sem vitória

54 derrotas

3 empates

25 gols feitos

227 gols sofridos

Há quem diga que o clube “venda vaga” para quem queira lá jogar. Não creio nisso, deve ser maldade ou fake news. Mas atuações tão ruins por tanto tempo, deveriam fazer a FPF repensar tal clube profissional. Afinal, sem vencer desde 2017, de onde vem as receitas e os patrocinadores?

Imagem extraída de: https://arquivosfutebolbrasil.com.br/blog/2020/01/25/clubes-de-sao-paulo-clube-atletico-mogi-das-cruzes-de-futebol-mogi-das-cruzes/

– Juventude ou Vivência para apitar um jogo de futebol?

Compartilho artigo de minha autoria, publicado aqui no blog em 2010 e extremamente pertinente:

JOVIALIDADE CONTRA EXPERIÊNCIA NA ARBITRAGEM

Poderia até soar demagogo o título deste artigo. Ao contrário, ele vem dar o tom para um debate que certamente ocorrerá ao longo do ano: a renovação do quadro de árbitros do futebol brasileiro.

A Comissão de Árbitros da CBF anunciou que os árbitros a ingressarem no Quadro Nacional em 2010 deverão ter até 30 anos de idade. Tal medida servirá de subsídio para aplausos e vaias, de acordo com o enfoque desejado.

Uma renovação com nomes jovens e desconhecidos, a fim de realizar um trabalho de base, com treinamento técnico e teórico, é uma medida sensacional. Porém, dificultosa por alguns motivos: terão os clubes paciência para o amadurecimento desses árbitros? O trabalho de preparação dos nomes em treinamentos seria feito como? A estrutura financeira do futebol permitiria tal trabalho? Os jovens teriam a garantia de escalas?

Um grande ponto a favor seria o condicionamento físico, num momento em que o futebol é muito mais corrido do que jogado. O ponto negativo, claro, a inexperiência.

Já a renovação com nomes alternativos (não necessariamente tão jovens), a fim de oxigenar a atual relação, dando oportunidades a talentos das federações estaduais que até então, por número de vagas escassas, não apareceram no cenário nacional, se adotada para 2010 será contestada: de onde viriam esses nomes jovens a serem indicados? Quem os garantiriam ou os respaldariam em caso de pressão de dirigentes? Como não queimar jovens talentos e lançá-los em jogos adequados?

Um grande ponto a favor de nomes “alternativos” seria a experiência adquirida em campo em contrapartida dos novatos. O ponto negativo, claro, é o vício que poderão carregar pelos anos de apito (e entenda-se na linguagem do árbitro de futebol como “vício” os costumes e hábitos adquiridos na maneira de apitar e no estilo de arbitragem, difíceis de serem eliminados ao longo do tempo).

E aí virá a discussão. O que é mais necessário hoje: jovialidade ou experiência?

Para responder tal questão, leve em conta os fatores:

– Condicionamento físico;
– Capacidade de fazer a leitura do jogo durante a partida;
– Conhecimento de artimanhas e características de atletas já trabalhados em outras partidas;
– Histórico de arbitragem;
– Rodagem em campeonatos e clubes diversos;
– Respeitabilidade adquirida ao longo dos anos;
– Idade madura do árbitro (qual é a maturidade do jogador e a do árbitro?)

Tal tema é de dificílimo trato. E a implantação de tal projeto carece de força e apoio. Desejo boa sorte a Sérgio Correa nesta ousada empreitada. E que os clubes tenham paciência em entender o processo de renovação proposto.

Vale lembrar que tal assunto não se restringe apenas ao mundo do futebol. No dia-a-dia, em qualquer seara, se discute sobre a renovação profissional, o momento dela, e o costumeiro debate: jovens ou seniors? No mundo corporativo, isso é cotidianamente questionado.

Por fim, talvez algo a ser exaltado: a troca de informações entre gerações! Um jovem inexperiente interagindo com alguém tarimbado é ótimo, bem como um experiente aprendendo inovações com os mais novos.

Tipos de intercâmbio: experiências que podem mudar a sua vida!

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Boca Juniores x Corinthians, e as multas por racismo.

Eu tenho muita preocupação com o racismo no futebol. Vide os casos comprovados e os que não deram em nada. Aliás, qualquer prática racista deve ser severamente punida, mas há o cuidado de que não se acuse injustamente algum atleta.

Lembremos de Índio Ramirez (Bahia) e Gerson (Flamengo), de Rafael Ramos (Corinthians) e Edenilson (Internacional) ou até de algum dos inúmeros casos em divisões menores: Koyote (Paulista de Jundiaí) e Guilherme (Rio Branco de Americana), onde ficou tudo na palavra de um contra a do outro.

Precisamos reforçar dois tipos distintos de casos: entre jogadores (onde a punição pode ser mais “localizada”, pontuada) e de torcedores contra atletas (pois são inúmeras pessoas e é algo mais generalizado). Há de se fazer campanha contra esses imbecis.

Mas como punir?

A Conmebol puniu o Boca pelo ato racista de seu torcedor na Arena Itaquera em 30 mil dólares, mas também puniu o Corinthians por sinalizadores e atraso na partida em 64 mil dólares.

A multa do jogo de volta, por conta do racismo da torcida em Buenos Aires, ficou em 100 mil dólares mais a exibição de uma faixa: “Chega de Racismo”.

A pergunta final: isso basta? Funcionará?

Enquanto não tivemos punições exemplares, tudo continuará na mesma…

Conmebol aumenta multa por discriminação após casos de racismo | Agência Brasil

Crédito da Imagem: Reuters, por Amanda Perobelli, extraída de: https://agenciabrasil.ebc.com.br/esportes/noticia/2022-05/conmebol-aumenta-multa-por-discriminacao-apos-casos-de-racismo

– Os ridículos pênaltis na série B do Brasileirão.

Se na 1a divisão a coisa está feia, na 2a… é assustadora. Tivemos dois pênaltis neste final de semana que, se alguém acredita em teoria da conspiração ou má fé, usará esses lances de tão bizarros que foram para reforçar suas ideias.

O árbitro Leonardo Willers Lorenzatto, do MT, marcou um ridículo pênalti a favor da Tombense contra o Náutico. O atacante mineiro se joga descaradamente simulando ter sido empurrado, e mesmo com VAR, marcou-se o tiro penal. Incompreensível. Quem viu o lance, se surpreendeu! Até os jogadores da equipe de MG se mostraram constrangidos.
Vide aqui: https://ge.globo.com/mg/zona-da-mata-centro-oeste/futebol/brasileirao-serie-b/jogo/26-06-2022/tombense-nautico.ghtml

Já o árbitro Paulo Henrique Vollkofp, do MS, marcou um pênalti de mão na bola “sem mão”. O jogador está com os braços para trás, a bola bate no peito e o juizão, do nada, marca tiro penal. E o VAR confirmou! Cômico, se não fosse trágico.
Vide aqui: https://ge.globo.com/sc/futebol/brasileirao-serie-b/noticia/2022/06/25/video-penalti-a-favor-do-criciuma-gera-polemica-e-expulsao-no-vila-nova.ghtml

Como suportar tudo isso? O futebol brasileiro não aguenta mais…

– Yuri Alberto no Corinthians. Mas combinaram com os russos?

Leio que o Corinthians quer o atacante Yuri Alberto, que está no Zenit, da Rússia (e que ganha um salário fora dos padrões brasileiros). Na negociação, o Timão teria oferecido Mantuan e Ivan para os russos.

É sério que, com o mundo fechado para a Rússia e em guerra contra a Ucrânia, haverá consentimento?

Parece mais jogada de empresário do que contratação real…

Corinthians disputa Yuri Alberto com Inter e clubes do exterior |  corinthians | ge

Foto: Getty Images, extraída de: https://ge.globo.com/futebol/times/corinthians/noticia/2022/06/23/corinthians-disputa-yuri-alberto-com-inter-e-com-clubes-do-exterior.ghtml

– As vaias ao Gabigol.

Futebol é realmente algo curioso. Gabriel “Gabigol”, que é o atual ídolo flamenguista, foi vaiado no Maracanã contra o América Mineiro.

Como as relações de amor e ódio variam no esporte, não? Num dia, referência para as crianças. Noutro, vilão mesmo artilheiro.

Paixões explicam (ou tentam explicar) essa relação…

Gabigol, do Flamengo, provoca Luizão após críticas do ex-atacante | LANCE!

Foto: Gilvan de Souza / Flamengo, extraída de: https://www.lance.com.br/flamengo/gabigol-do-flamengo-provoca-luizao-apos-criticas-do-ex-atacante.html

– A ressurreição do Paulista? Sobre o desfecho da 1ª fase com a vitória de 3×0 sobre a Itapirense.

O futebol, de fato, é um esporte apaixonante. O Paulista de Jundiaí estava na penúltima colocação da última divisão estadual, e conseguiu fazer a melhor campanha do segundo turno, classificando-se para a 2ª fase da 4ª divisão.

Nenhum jogador novo, nenhuma troca de treinador e nenhum mecenas chegou a Jundiaí. O motivo tem nome: Roberval Davino.

Eu havia dito anteriormente: Roberval era ótimo para as outras divisões, e eu não sabia como seria nesse patamar diferente. Patinou no começo, sentiu as dificuldades e deu a volta por cima. Parabéns!

Idem à torcida. Com esse “novo campeonato” que vai começar, o apoio dela será fundamental.

– O preconceito gay no futebol masculino e a liberalidade no futebol feminino.

Outrora caricatos na TV, outrora malvistos pelo julgamento da sociedade (lembram do primeiro nome da AIDS, bem pejorativo?): assim eram os gays perante o mundo. Hoje, em pelo século XXI, tornaram-se a minoria mais barulhenta no Brasil: e por um motivo justo – o desejo de dignidade e respeito.

Ser um LGBTQIA+ não é ser melhor nem pior do que ninguém. Quem tem parente ou amigo nessas condições, sabe o quão a vida dessas pessoas é nas sombras sociais… Uns optam pelo sexo contrário, outros nascem assim. Não cabe a nós discutirmos isso.

Sem apologia ou crítica a ser homossexual ou não, mas falando do Richarlyson, ex-jogador do São Paulo (com passagem pela Seleção Brasileira e outros clubes): todo mundo no meio do futebol sabia que ele não era hetero, mas não se “assumia” por questões óbvias: sofrer preconceito, ser sacado do seu time e aguentar torcedor enchendo o saco (lembremo-nos: no seu próprio clube, a torcida o boicotava). Agora, encorajado e em outros tempos, se revelou bissexual.

Aliás: ter que se “assumir” também não é um termo legal, não? A pessoa “é o que é” e ninguém deveria ter preocupação com a vida alheia.

O problema maior no futebol, quanto ao gênero e a sexualidade, é: ser jogador masculino. Vejam a Marta, a Cristiane e demais atletas do futebol feminino, lésbicas assumidas e que ninguém questiona. Mas vai Neymar, Gabriel Jesus ou outro jogador tão importante (em comparação do esporte feminino ou masculino) se tivesse tal condição sexual? Não teriam as oportunidades que tiveram, apesar do talento, por culpa de preconceito.

Aqui, não precisa ser Bidu. O futebol é machista. O país é machista! Não tem nada em ser “conservador ou liberal”, é de ser respeitoso e cidadão.

Há muita hipocrisia também entre os cartolas. Se prega respeito, mas não se respeita. Clubes colocam bandeirinhas pintadas na época do orgulho gay se dizendo contra o preconceito, mas ficam apenas nisso, sem fazer campanhas efetivas ou educativas para seus torcedores (vejam a homofobia nos estádios).

Enfim: tudo isso seria desncessário, se não existisse o preconceito. Se o cara gosta de homem e/ou de mulher, é problema dele, não meu e nem seu. Tal discussão se tornou cansativa…

No futebol feminino, como citado, não há o preconceito LGBTQIA+ como no masculino, mas outro: o de ser mulher, pura e simplesmente.

Que país vivemos, não?

É impossível não existir um jogador gay ou bissexual no Brasil | TNT Sports

Imagem extraída de: https://tntsports.com.br/blogs/E-impossivel-nao-existir-um-jogador-gay-no-Brasil-20200629-0029.html