– E não é que ninguém quer ganhar o Brasileirão?

O São Paulo, que poderia ter disparado no Campeonato Brasileiro, “negou fogo” nas últimas rodadas.

O Internacional, novo líder, quase não conseguiu deslanchar.

O Flamengo, no Paraná, bobeou.

O Atlético Mineiro, amarelou.

O Palmeiras, com a cabeça na Libertadores, perdeu do Ceará.

Ninguém quer ser Campeão Brasileiro? Teremos um campeão tecnicamente menos competente que em outras edições?

Uma coisa é “quase” certa: o título sairá nas últimas rodadas (talvez, na última mesmo).

Novo líder! Confira a classificação atualizada do Brasileirão 2020

– Quem disse que precisa de torcida para o árbitro sentir pressão? O pênalti de Internacional 2×1 Grêmio.

Edenilson cabeceia a bola e ela bate no peito de Kannemann, rebatendo em seu braço. Lance rápido, involuntário, totalmente casual. A força do cabeceio e a proximidade fizeram do corpo do gremista uma tabela.

Mas não é que o árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcou pênalti? E o VAR Wagner Reway confirmou?

Aí não dá… É a famosa Regra 12B, exclusiva do Brasil. Não existe nada de intenção, nenhum movimento antinatural, nada disso. Nenhuma infração. Uma pena, virou brincadeira de “queimada”. E nem pressão da torcida tinha para que o árbitro, na dúvida, fraquejasse.

Se você quiser entender bem didaticamente a Regra da Mão na Bola (atualizada, do jeito que a International Board quer, diferente do que praticamos somente no Brasil), compartilho aqui: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2016/09/11/os-penaltis-de-mao-na-bola-no-brasileirao-perdemos-a-vergonha-com-a-regra-12b-2/

Internacional x Grêmio: saiba como assistir ao GreNal 429 AO VIVO

– 17 anos que Leônidas nos deixou…

O dia 24 de janeiro é marcante para o futebol brasileiro (embora esquecido): em 2004, aos 90 anos de idade, o grande Leônidas da Silva, o “Diamante Negro”, falecia em Cotia.

Talvez o primeiro craque marcante do Brasil, ele foi o inventor do “Gol de Bicicleta”. Leônidas foi artilheiro da Copa de 38 e escolhido o melhor jogador daquele Mundial.

Uma triste situação: Leônidas, depois de se aposentar, trabalhou como comentarista esportivo, e em 1974 interrompeu a carreira para cuidar da saúde, pois diagnosticou-se com Mal de Alzheimer. Pasmem: sofreu 30 anos com a doença!

Tomara que as autoridades do futebol se lembrem de tal data hoje e o homenageiem nos jogos desta noite.

– Quem será o campeão do Brasileirão-20?

Pelo “andar da carruagem”, o Brasileirão pegará fogo nas próximas rodadas. Vide a ascensão do Internacional, o “patinar” do São Paulo, o novo fôlego do Flamengo, e até mesmo Atlético Mineiro e Palmeiras respirando no cangote deles.

Na tabela abaixo, pela “fase”, é difícil dizer que o Internacional não é o favorito. E pra você, quem é?

Vote na enquete abaixo da tabela:

– Futebol Esporte Show: o ótimo programa esportivo!

Ô saudade deste baita programa!!! Gravávamos cedinho para ir no ar na hora do almoço.

Felizmente, repaginado, temos-o de volta com o próprio Marcel Capretz, que é competentíssimo no comando (consulte os dias e o horário atuais).

Assistam, vale a pena!

Imagem

– Sabendo capitalizar as suas características:

Saber explorar suas potencialidades e preencher seus espaços ociosos são virtudes no gerência de um estádio de futebol. Mundo afora, são praças comerciais-empresariais-esportivas, com movimento intenso todos os dias.

No Brasil, por serem mais antigos, muitos não são maximizados. O Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí, começa a ser explorado com mais sabedoria nos últimos meses.

Mas compartilho um exemplo bacana, que pode ser copiado (e é vizinho a nós), e que é bem simples:

– Em Bragança Paulista, a cidade é conhecida como “Terra da Linguiça”. Dessa forma, o Estádio Nabi Abi Chedid aproveitou as arquibancadas e fez uma parceria com o tradicional Restaurante Rosário, montando um espaço temático de alimentação e futebol. Para quem não conhece:

A) Você come enxergando o campo de jogo:

Imagem

B) A decoração é de momentos importantes da história do Bragantino, agora como Red Bull Bragantino:

Imagem

C) Há uma “Bull Shop”, com lembranças do clube:

Imagem

D) O cardápio é repleto de lanches de linguiça com nomes de personalidades do time:

Imagem

– Em Jundiaí, a cidade é conhecida como Terra da Uva, tem um parque industrial absurdamente grande, vocação agrícola e cultura italiana nas suas raízes. Como não imaginar algo desse porte, com as características do nosso município? Cantina / Tratoria, loja, escritórios… O executivo que vem para Jundiaí visitar alguma empresa aqui instalada, teria como primeiro lembrete almoçar no estádio (assim como acontece em Bragança Paulista).

Difícil não é; fácil, logicamente, nunca foi. Mas serve de incentivo.

Ops: o meu lanche que comi é esse aqui (abaixo): um delicioso X-Marquinho Chedid (Linguiça e Vinagrete, acrescido de Salada e Bacon). Quando eu apitava, ele me xingava tanto kk – mas depois passava / ele esquecia.

Será que teremos um dia o prazer de comer um “Spaguetti alla Gerson Andreotti”? “Torresmo do Jurandir”? “Risoto à moda do Victor”? “Taglarini ao molho do Giba“? Ou mesmo outra iguaria típica de Jundiaí: coxinha de queijo com Tubaína?

Que bons ventos inspirem o Galo.

Imagem

– As mudanças abruptas na Arbitragem Paulista e as demissões de árbitros.

Dias atrás, fizemos algumas críticas pontuais e necessárias sobre a equivocada estratégia para revelar árbitros utilizada pela FPF: ela abre inscrições “aos montes” para a Escola de Árbitros todo ano, forma dezenas (ou centenas) de jovens juízes (arrecadando um valor financeiro enorme) e não tem onde colocar todo mundo para apitar ou bandeirar. Diante disso, ainda resolveu “importar / desaposentar árbitros” (leia esse artigo no link em: https://wp.me/p4RTuC-sPf).

Pois bem: agora, o inchadíssimo quadro de quase 500 nomes foi surpreendido com a “renúncia dos serviços prestados” (um nome escolhido “a dedo” para dispensa) de mais de 10% deles.

ACERTA a Federação Paulista, mas simultaneamente ERRA. Explico:

O ACERTO Com 500 árbitros (e os que se formarão), você não consegue dar ritmo de jogo à maioria, nem observá-los a contento. Calculando equipes de arbitragem com VAR na série A1, sem VAR na A2 e na A3, você utilizaria um pouco mais de 100 juízes imaginando que os jogos acontecessem na mesma data e horário (e sabedor que essas competições duram no máximo 3 meses). Portanto, ciente que as categorias de base começam em outras datas e podem usar alunos da Escola de Árbitros (se for uma opção formadora coesa), não faz sentido ter 4 vezes mais árbitros do que você precisa no auge das competições.

O ERRO – Tendo feito os árbitros cursarem módulos de capacitação, obrigando-os a estarem em forma mesmo sem partidas para trabalharem durante a pandemia (somente uma elite é escalada pela CBF, quase todos ficaram sem remuneração mas à disposição), exigindo os exames médicos e certidões de “Nada consta” na Justiça, passando-os por provas físicas e escritas à exaustão… quando a preparação para os campeonatos se aproxima, dispensa-os com uma carta de “renúncia aos serviços” (ops: a FPF obriga os árbitros a fazerem uma carta de próprio punho dizendo que não são empregados da entidade, mas prestadores autônomos de serviços de arbitragem aos clubes, a fim de não caracterizar vínculo empregatício).

Faltou sensibilidade à chefe dos árbitros, Ana Paula de Oliveira, na maneira como conduziu isso. Ou não foi ela quem conduziu tudo isso? Afinal, ela é a presidente da CEAF-SP.

LAMENTO demais o melhor nome que se encontrava como dirigente da Comissão, o competente bandeira que foi da FIFA Emerson Augusto de Carvalho (de Copas do Mundo) ter sido demitido pela FPF. Ele entendia do assunto e sua saída foi injusta pela igual competência que mostrava fora das 4 linhas.

Entendo perfeitamente que a FPF é uma entidade privada e “faz o que quiser”: contrata quem quer, dispensa quem desejar. Mas não nos esqueçamos que ela não pode ter benesses de órgãos públicos (pois ela lucra demais) e que nenhuma autoridade importante questiona esse modo de contratação de árbitros, cobrando-os como seus funcionários mas tratando-os como “à parte dos seus colaboradores”. Vista grossa institucionalizada?

Sem 13o, Férias, FGTS ou multa, os árbitros, cientes disso quando entram, não tem para quem reclamar. Esqueça o Sindicato da Categoria, pois não ter força alguma.

Repito: acerta ao diminuir o quadro, mas erra com a maneira desumana em momento impróprio (se empregados fossem, ao menos os árbitros teriam o valor da rescisão).

No linguajar popular, essa imagem, abaixo, representa bem o significado de dedicação ao trabalho e posterior demissão sem um centavo na mão

Atualizando: foram 51 árbitros de 467, segundo a FPF em: https://www.uol.com.br/esporte/colunas/lei-em-campo/2021/01/20/fpf-dispensa-arbitros-e-retoma-discussao-de-amparo-juridico-a-profissionais.htm?utm_source=twitter&utm_medium=social-media&utm_content=geral&utm_campaign=esporte

– A culpa é do esquema de Diniz ou dos Atletas? Do Céu ao Inferno, em poucas rodadas.

Que coisa o São Paulo FC, não? De líder do campeonato com os melhores números apresentados, à vice-liderança deixando se mostrar perdido emocionalmente. Mas a culpa é de quem?

Avalie os gols sofridos em saída de bola da defesa (foram muitos, e em quase toda a rodada temos):

  • A Culpa é do Treinador, que insiste nisso, mesmo dando errado como tem acontecido, ou
  • A Culpa é dos Atletas, que não estão focados no jogo e perdem bisonhamente essas bolas?

Considere: o mesmo esquema de jogo com quase os mesmos jogadores levou o time à liderança…

Já imaginaram a pressão no Morumbi, caso a distância aumente para o Internacional na próxima rodada?

Grupo Espírita Casa do Caminho de S.Vicente: Céu e Inferno - Joanna de  Ângelis

– São Paulo x Internacional, Diniz x Abelão, Moderno x Antiquado…

Já foi clássico de Final de Libertadores da América, e hoje será o “clássico dos chavões”: um esquema mais ousado de Fernando Diniz no São Paulo contra o esquema mais conservador (que não quer dizer desatualizado) de Abel Braga. Inexperiente (se é que é) contra Experiente (e muito). Moderno versus Ultrapassado (de verdade ou com má vontade)?

Qual será a “chamada” mais recorrente que teremos para esse jogaço?

Não estou dizendo que concordo com esses citados acima, mas prefiro: duelo de líderes! Afinal, são os ponteiros do Brasileirão!

Para esse jogo, o mais experiente dos árbitros brasileiros em atividade (literalmente falando, em todos os aspectos): Marcelo de Lima Henrique!

Há de ser uma grande disputa e torço para uma boa arbitragem.

São Paulo x Internacional - SPFC Notícias

– 7 anos comentando arbitragem no Time Forte do Esporte!

Uma alegria festejar hoje minha 7a temporada com a equipe do Time Forte do Esporte de Adilson Freddo, na Rádio Difusora AM 810, comentando arbitragem. Estreei no Paulista 0x0 Audax, no Paulistão da A1.

Nas fotos, abaixo, ao lado da imagem do comandante Adilson Freddo (a quem agradeço pela maravilhosa oportunidade), alguns amigos com quem eu pude trabalhar. Narradores: Marcelo Tadeu, Rafael Mainini, Vagner Alves e Edson Roberto. Comentaristas: Robinson Berró Machado e Heitor Mário Freddo. Reportagens: Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira. Técnica: André Luís Lucas, Antonio Carlos Caparroz e Alexandre Bardi. Mas duas fotos eu não consegui: do “Zé do Papé”, o querido Pereirão, e do Soneca. E tem até o Thiago Olim numa delas, pois fazia parte do grupo JJ e sempre nos ajuda bastante.

Que possamos estar com o Galo na A1 novamente dentro em breve (pois fomos até o fundo do poço juntos, sem soltar a corda nem abrir a mão)! Porque se depender dessa equipe, que é de Primeira, o futebol da Terra da Uva vai longe.

– A correta expulsão de Gabriel no Palmeiras 4×0 Corinthians

Algo a contestar sobre o cartão vermelho recebido pelo corintiano Gabriel?

Após ter uma falta de ataque marcada a seu favor, perdeu a cabeça e deu uma cotovelada. Avisado pelo VAR, o árbitro Jean Pierre “Vin Diesel” o expulsou.

Mas, cá entre nós, o motivo desse lance ter acontecido é um só: a pressão de um Derby e o descontrole mental! E aqui, uma verdade: nenhum time de futebol brasileiro (na Alemanha, é comum) treina inteligência emocional voltada ao esporte! Se fosse uma realidade tal disciplina, poupar-se-ia a situação.

Quem sabe no futuro isso seja mais comum no Brasil?

Palmeiras x Corinthians: horário, local, escalações e transmissão

– Escalação de Paulista x Bragantino (2014). Era pra cair?

Olhe só que interessante: achei em minhas anotações a escalação do Paulista, em um dos seus jogos no último ano que participou da Série A1. Era contra o Bragantino, em Jayme Cintra.

O time (há quase 7 anos) era realmente para cair de divisão ou não? Salvo engano, neste jogo, já estava rebaixado. Foi o ano do “português que tinha uma empresa de Mônaco”, o Paulo Fernandes, do treinador Márcio Bitencourt e de jogadores como o lateral esquerdo Jeff (lembram dele)?

Reparem que os jovens lançados naquela partida são conhecidos. Beto Cavalcante, confesso, é um nome que precisava ter mais oportunidades no futebol profissional.

Abaixo:

– Qual seria a classificação do Brasileirão, se as torcidas estivessem presentes nas arquibancadas?

Teremos um Derby em plena 2a feira, com um Palmeiras classificado para duas finais importantes e o Corinthians em ascensão graças ao chamado “Mancinismo”. Mas estariam nessas posições, caso as torcidas estivessem liberadas nos estádios?

Obviamente é achismo, mas dentro da “futurologia hipotética”, não é curioso discutir tal situação?

No caso dos cartolas: o São Paulo seria líder do campeonato, ou os gritos dos torcedores teriam pressionado a diretoria a demitir Fernando Diniz? O Flamengo ainda estaria com Ceni? O Palmeiras teria chegado onde chegou?

É difícil pensar. Mas indo mais longe, agora com os árbitros: alguns pênaltis teriam sido marcados ou deixados de marcar? Até onde a arbitragem teria tomado algumas decisões técnicas que tomou, sem a pressão das arquibancadas? O número de Cartões Amarelos seria maior ou menor?

Por fim: e os jogadores? Teriam mais chutes a gols ou menos? O medo de atacar o adversário seria de maior ou menor intensidade? Ousar alguns lances com torcedores presentes e gritando, seria em grau menor?

Ficaremos no imaginário. Mas a curiosidade permanecerá: se não fosse um ano atípico, como tudo isso seria?

A cornetagem no futebol, obviamente, tem algum impacto. “Qual é ele”, é a discussão!

Sabe por que torcedores “chatos” são chamados de “corneteiros”? - Corneta FC - UOL

– Athlético Paranaense 1×1 São Paulo e o lance “cara-de-pau”.

Na Arena da Baixada, aos 36m do 2o tempo, o exemplo de como está chato discutir arbitragem de futebol: lance de ataque do SPFC, uma bola bate no rosto e na sequência no braço do zagueiro do CAP, à queima roupa. Não foi nenhuma infração.

Procure as imagens na TV e veja a reação dos jogadores reservas do SP que estão ali próximos! HILÁRIO, ou melhor, cara-de-pau.

É constrangedor pedir pênalti em tal lance. Mas entendo: é a geração de quem viu a regra mudar e o Brasil avacalhar lances assim como penais.

– CSA 1×1 Avaí e os protocolos da discórdia. Como pode, Brasil?

Somos um país para levar a sério?

Como o futebol é um micro-cosmo da sociedade, veja o que aconteceu: jogavam CSA x Avaí pelo Brasileirão da Série B. Eis que o clube catarinense estava com todos os exames negativados para o jogo contra o alagoano, feito 72 horas antes. Este prazo, estipulado pelo protocolo da CBF, pode ser discutido. É um tempo razoável ou não?

Pois bem: o Avaí jogará 3a feira contra o Juventude, e fez, no dia da partida contra o CSA, os exames para o jogo contra o time gaúcho. No intervalo do jogo de ontem, recebeu-se a notícia que Valdívia estava com Covid-19. O atleta foi sacado da partida, depois de atuar o primeiro tempo inteiro.

Aí surgem questionamentos:

  • O protocolo funciona mesmo? O prazo não deveria ser menor?
  • Quais deveriam ser procedimentos mais seguros?
  • O laboratório que fez os exames entrou em contato com o representante da CBF. Isto é correto?
  • A queixa dos catarinenses é que Valdívia era o melhor da partida e o laboratório responsável é de cartola do CSA. Tudo bem ou não?

O Avaí anunciou que pedirá a anulação da partida. Abaixo: https://globoesporte.globo.com/sc/futebol/times/avai/noticia/presidente-do-avai-diz-que-pedira-a-anulacao-do-jogo-contra-o-csa.ghtml

Avaí x CSA: Veja como assistir a este jogo AO VIVO online