– Faz sentido…

Li essa mensagem e talvez todos nós, viventes, não tenhamos como discordar, face o momento que a sociedade passa:

0-2

– Reféns das Máquinas e da Tecnologia em Geral?

Compartilho interessante material sobre a tecnologia e o seu uso no dia-a-dia. E veja que curioso: o texto não é antigo e o assunto é atual, datado de 2012, mas como o propósito é falar das facilidades e transformações do mundo digital, parece que já é de muito mais tempo! O tema nos convida à seguinte reflexão: Somos escravos do computador?

É claro que falamos da tecnologia moderna. Todos nós nos tornamos dependentes dela, e muitas vezes queremos fugir totalmente dessa servidão ocasionada pelas máquinas. Mas isso é possível? Quanto tempo conseguimos ficar longe dos equipamentos com tecnologia de ponta?

O grau de dependência varia para cada indivíduo. E o seu, qual é?

Extraído de: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI79096-15224,00-ESTAMOS+FICANDO+ESCRAVOS+DAS+MAQUINAS.html

ESTAMOS FICANDO ESCRAVOS DAS MÁQUINAS?

Os aparelhos modernos facilitam tanto nossa vida que rapidamente se tornam indispensáveis. Como o avanço tecnológico está alterando nosso comportamento e nosso modo de raciocinar

A mente humana possui uma capacidade prodigiosa de memorização. Dizia-se que Matteo Ricci, um jesuíta italiano que viveu na China no século XVI, sabia de cor o texto de 150 livros. Dois milênios antes, os bardos gregos se valiam da memória para transmitir de pai a filho os 15.693 versos da Ilíada, poema posto no pergaminho 400 anos após a morte de seu lendário autor, Homero. A educação dos cidadãos incluía o exercício de decorar os textos homéricos. Hoje, isso parece uma capacidade tão prodigiosa quanto inútil. Afinal, os livros estão aí, nas bibliotecas (ou na internet). Basta consultá-los. No mundo atual, prezamos mais o raciocínio que a decoreba – um termo pejorativo que não à toa é aplicado ao processo de memorização.

Transformações similares a essa estão acontecendo agora, no século XXI: a tecnologia, mais uma vez, está mudando nossa forma de pensar. Um exemplo é o GPS, o sistema de localização por satélite. Tóquio, a maior cidade do mundo, tem dezenas de milhares de ruas e avenidas, a maioria delas sem nome. As casas e os edifícios têm numeração, mas ela é aleatória, ou melhor, histórica: a casa mais antiga da rua em geral é a número 1, não importa em que altura esteja. A habilidade de localizar-se na cidade assombra os estrangeiros – e concede status especial a carteiros e taxistas.

Os candidatos a taxista, assim como em Londres, devem passar por um teste dificílimo para provar que sabem de cor o mapa da cidade. Isso exige anos de treinamento e memorização. Há alguns anos, depois do advento do GPS, a prova passou a aferir também se o candidato sabe usar o aparelho. O GPS tornou-se um equipamento-padrão nas frotas de táxi. Mas os motoristas mais velhos pouco o usam. Eles mantêm a malha viária viva na memória.

Os taxistas mais jovens recorrem bem mais ao aparelho. Ainda decoram o mapa da cidade, mas provavelmente começam a esquecê-lo assim que são aprovados no exame. O GPS representa um óbvio avanço para o cotidiano dos japoneses. O curioso é como um sistema inexistente há poucos anos caminha rapidamente para se tornar imprescindível.

Algo parecido aconteceu nos últimos meses em São Paulo. Acostumados às facilidades da internet para pesquisar serviços, trabalhar, conversar com amigos ou informar-se, centenas de milhares de clientes do serviço Speedy de banda larga da Telefônica sentiram-se frustrados com as constantes quedas do sistema. O mesmo tipo de sentimento nos assalta quando um vírus invade o computador, o celular perde a conexão ou o carro quebra.

Os mais afetados pela súbita privação da tecnologia são, em geral, os mais jovens. Eles nasceram imersos num mundo digital – e são mais dependentes dele. Segundo uma pesquisa feita em 2009, em Hong Kong, com 1.800 jovens de 18 a 25 anos, um em cada sete diz não ver sentido na vida sem a internet.

“Angústia, ansiedade e perda de concentração são sintomas da síndrome de abstinência em qualquer dependência. Não é diferente com a tecnologia”, diz a pesquisadora russa Nada Kakabadse, da Faculdade de Administração de Northampton, na Inglaterra, especializada em dependência tecnológica. “A tecnologia deveria ser uma ferramenta. Virou uma sobrecarga,” diz Kakabadse. “É a dependência da tecnologia portátil, que se leva consigo ao cinema, ao teatro, a um jantar e praticamente para a cama.

Há jovens que passam 16 horas por dia no videogame. Eles não se exercitam, comem mal, estão ficando doentes”, afirma. “A cultura do trabalho 24 horas por dia, sete dias por semana, também está ligada às novas possibilidades tecnológicas.” Kakabadse acredita que nossa entrega à tecnologia terá consequências. “A capacidade de julgamento é afetada. A tomada de decisões fica comprometida”, diz. “Em 20 anos, haverá leis restringindo o uso abusivo de eletrônicos, como ocorre com o tabaco e as drogas.”

Essa previsão parece exagerada. Mas já há, hoje, gente preocupada com nossa dependência tecnológica. Como sabe qualquer pessoa que tenha celular com agenda eletrônica, a espécie humana está perdendo a capacidade de decorar telefones – até o da própria casa. “Talvez o único meio de evitar os efeitos nocivos da dependência tecnológica seja conservar habilidades que não dependam do computador”, diz o historiador da tecnologia Edward Tenner, da Universidade Princeton, nos Estados Unidos. Ele prega o uso do telefone, de vez em quando, no lugar do e-mail, ou fazer cálculos com lápis e papel, em vez de usar a calculadora.

Há gente mais radical. Em Vauban, um subúrbio de Freiburg, na Alemanha, a maioria dos 5.500 moradores largou o automóvel. O subúrbio não tem vagas para estacionar. Os 30% de moradores que têm carros são obrigados a deixá-los numa garagem perto da estação de trem. Cada vaga custa US$ 40 mil. Para fazer viagens, os moradores alugam carros comunitários. O abandono do mundo sobre quatro rodas nem sempre é fácil. “Algumas pessoas se mudam para cá e desistem rápido – sentem falta do carro”, diz Heidrun Walter, uma moradora. Vauban é a experiência mais avançada de um bairro “car free” na Europa. Trata-se de uma medida contra as emissões de poluentes que provocam o efeito estufa.

O mesmo motivo – tentar salvar o planeta do aquecimento global – inspirou um sacrifício ainda maior: desligar a geladeira. Foi o que fez a canadense Rachel Muston, representante de uma parcela ínfima, porém crescente, da população dos países ricos. “Estamos bem sem a geladeira,” disse Rachel ao jornal The New York Times. “Quando estava ligada, comprávamos muita comida pronta.” Hoje, Rachel vai mais ao mercado, compra quantidades menores e cozinha mais. Em outras palavras, gasta mais gasolina e descarta mais embalagens, o que torna discutível sua contribuição para conter o aquecimento global. Mas isso é outra história. O que chama a atenção, em pessoas como Rachel ou em subúrbios como Vauban, é a resistência à tecnologia, a tentativa de voltar a um estágio em que éramos mais “puros”, talvez mais humanos. O mais célebre desses movimentos foi dos luditas, no início do século XIX. Inconformados com o desemprego trazido pelas máquinas da Revolução Industrial, eles pregavam (muitas vezes com uso da violência) a volta ao sistema artesanal.

“Acho que as pessoas antitecnologia subestimam a capacidade do cérebro de se adaptar a novos desafios”, diz o neurocientista suíço Fred Mast, da Universidade de Lausanne. “Estudos mostram que o uso intensivo da tecnologia pode levar à melhora das habilidades cognitivas, pelo processamento de mais informações ao mesmo tempo.” Talvez percamos algumas habilidades, mas ganharemos outras. E, provavelmente, nossa vida ficará mais fácil. A não ser quando houver uma pane na internet.

Mesa para Computador Desk Gamer Preto e Vermelho Preto e Vermelho ...

– Você terceiriza seus problemas?

Muita gente reclama das dificuldades da vida e pouco faz. Critica, mas não age para solucionar o que desgosta.

Achei fantástica essa reflexão do Padre Zezinho que postou em foto tal pensamento abaixo:

Deus não resolve tudo. Muitas coisas Ele deixa para nós resolvermos. Por quê você acha que ele nos deu cérebro, mãos e pernas? Não entregue tudo nas mãos de Deus, assuma a sua parte! Fé não é dar tudo para Deus e depois dormir numa rede, esperando que ele faça o resto por nós.”

Pois é… Direto, na ferida e preciso!

bomba.jpg

– A culpa de Fake News seria da tia do What’sApp?

Veja que interessante: li sobre Claire Wardle, a diretora de uma ONG chamada First Draft, que combate a informação falsa. Disse ela a respeito da proliferação de Fake News no nosso cotidiano:

“Podemos culpar as redes sociais, a nossa mãe e os Governos pela desinformação. Queremos uma solução fácil, que é culpar o Facebook. Mas todos somos responsáveis pela crise da informação”.

E não é verdade? Quantas vemos ingenuamente damos crédito a notícias falsas? Ou perdemos tempo em ler mentiras, fatos inverídicos e tantas bobagens’?

Já ouvi um amigo dizendo que “a culpa é da tia do What’sApp”, mostrando a figura daquela senhora simples, pura, e que replica fake news com a melhor das boas intenções sem saber! E isso é uma realidade indiscutível: quantos não são enganados e enganam os outros involuntariamente?

Resultado de imagem para Fake news

– Responda rápido: o que é ser feliz?

O que é “ser feliz”?

Ô pergunta difícil… como definir a felicidade e o que nos apropria dela?

  • “Ter saúde?”
  • “Paz?”
  • “Dinheiro?”
  • “Família?”

Ter saúde é ótimo. Mas somente a saúde, sem ninguém, não dá. Se é ter família, desde que ela seja perfeita, ótimo; mas, como em todas as famílias, sempre há um ou outro problema. Ter paz poderia ser uma boa resposta, mas quando é que estamos em paz de verdade? Dinheiro, sabidamente, não compra a felicidade, e a falta ou o excesso podem trazer complicadores. 

“Não ter preocupação” seria uma boa resposta? Não sei… só sei que para sermos felizes, é necessário entender que nunca a encontraremos se buscarmos a perfeição das coisas!

Ser feliz, simplesmente, pode ser momentâneo, duradouro, ou a compreensão de que você tem pessoas que importam ao seu lado.

Ou não?

UFSJ | Universidade Federal de São João del-Rei

– É ignorância dizer que usar Maconha não faz mal.

Repost de 2 anos:

Quantas famílias têm entes queridos perdidos nas drogas… Mesmo assim, há aqueles que dão de ombros a esse mal e defendem a legalização delas. Por fim, pior do que isso: há aqueles que, de maneira ignorante e populista, tentam usar tal discurso para promoção pessoal.

Compartilho esse texto da jornalista Izilda Alves (publicado há 1 ano, mas que é bem atual), que fez da campanha “Pela Vida contra as Drogas” promovida pela Rádio Jovem Pan, uma ação social que deveria ser usada pelo Governo Federal como prevenção (eu mesmo já assisti a uma palestra numa oportunidade em que levamos a campanha para a UniSant’Anna, em Salto-SP, onde lecionei por um bom período).

Pasmem: o protagonista da absurda fala no qual Izilda ilustra seu texto é de Henrique Meirelles!

É mole?

POR IZILDA ALVES, DO SEU FACEBOOK

É com declaração como a de Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, que se perde eleição. Meirelles declarou:

Se eleito, vou liberar o uso da maconha porque não causa danos permanentes.

Candidato! Que ignorância é essa sobre maconha!!!!!

Se o senhor e sua equipe  tivessem o cuidado de pesquisar sobre a maconha, descobririam que suas palavras significam tornar o Brasil “uma fábrica de esquizofrênicos”, como tem alertado o psiquiatra Valentim Gentil Filho em sua pesquisa “Maconha e  demência”, referência hoje para todos os que estudam os efeitos das drogas. Valentim Gentil Filho é da Universidade de São Paulo, candidato!

Ah, descobririam também que maconha “dificulta o pensamento e interfere na capacidade de aprender e  executar tarefas complicas”, alerta o principal centro de estudos sobre drogas nos Estados Unidos, o NIDA.

Candidato, vem pra rua, converse com especialistas e conheça famílias que perderam os filhos exatamente pelo uso da droga que o senhor está defendendo: a maconha. Ou o uso da maconha é, de fato, o que o senhor deseja para nossas famílias?

bomba.jpg

– Repercussões controversas sobre assuntos de importância diferentes:

O que é mais importante e que deve se repercutir mais: a alta do número de mortos por Covid_19 ou o adiamento de festas populares?

Li e ouvi em diversas mídias sobre o adiamento do Carnaval, Reveillon, Parada Gay e outros eventos. Muita gente triste, outros inconformados e o assuntou “rendeu”…

Também leio que a média diária de pessoas mortas por Covid_19 no Brasil nesta semana foi a maior desde o início da pandemia! Puxada pelos estados do Sul e Centro-Oeste (onde o Novo Coronavírus “chegou mais tarde”) e pelo Interior do Estado de São Paulo (que relaxou e quebrou recorde de falecimentos).

Será que estamos nos “incomodando menos” com a mortalidade do Covid? Acostumamo-nos ou cansamos da mesma manchete?

A verdade é: precisamos levar mais a sério o valor da vida, e prevenir-se adequadamente se faz necessário. Os exemplos de relaxamento e descuido impressionam!

Coronavírus: saiba o que a OMS diz sobre o uso de máscaras

– O que é ter sucesso profissional para os jovens brasileiros?

Dias atrás, divulgou-se uma pesquisa encomendada pelo SPC Brasil, Sebrae e Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, que buscava entender o que os jovens da Geração Z (entre 18 e 24 anos) entendiam por “Sucesso Profissional”. E a resposta foi que, para eles, ser bem sucedido no trabalho é:

1o – Trabalhar com o que gosta (42%);
2o – Equilibrar trabalho e vida pessoal (39%);
3o – Ser reconhecido pelo que faz (32%); e
4o – Ganhar bem (31%).

Na mesma enquete, chegou-se a conclusão que “felicidade na vida adulta” é uma combinação de segurança, estabilidade emocional e realização profissional.

E para você: sucesso profissional e felicidade na vida adulta significam o quê?

(Dados extraído de Valor Econômico, por Júlia Lewgoy, em: https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2019/07/22/salario-alto-nao-significa-sucesso-profissional-para-geracao-z-mostra-pesquisa.ghtml)

Resultado de imagem para Sucesso profissional

– Você está apto para ter Filhos?

Recomendo um brilhante texto do Dr José Martins Filho: “Ter filho não é pra todo mundo”.

Dr Martins é autor do livro “A Criança Terceirizada”, e nesse artigo ele aborda o fato de que muitas famílias não refletem se verdadeiramente estão preparadas para terem filhos; se terão tempo para a educação delas, além de paciência para as brincadeiras. O desafio é: os pais farão sacrifícios para não “terceirizar” a criação dela?

A publicação está na Revista Galileu (Ed Junho), nas páginas 96-97. Vale a pena!

TER FILHO NÃO É PRA TODO MUNDO

Vamos ser sinceros: quem realmente tem capacidade para se dedicar a uma criança como deveria. Faça a análise antes de ter uma.

Será que todos os seres humanos precisam ser pais? Não sei. Cuidar bem de uma criança, além de ser de sumária importância, dá um trabalho danado. Crianças choram à noite, nem sempre dormem bem, precisam de cuidados especiais, de limpeza, de banho, alimentação, ser educadas e acompanhadas até idade adulta. E, principalmente: crianças precisam da presença dos pais. Sobretudo as menores, que requerem a mãe na maior parte de seu tempo. Não dando dois beijinhos pela manhã antes de ir para a creche, ou colocando a criança para dormir à noite, que será possível transmitir segurança, afeto e tranqüilidade. Alguns dizem: “o que interessa é a qualidade do tempo que passamos juntos e não a quantidade”. Se for assim, então diga ao seu chefe que você vai trabalhar apenas meia hora por dia, mas com muita qualidade. Certamente ele não vai gostar. Seu filho também não.
Sejamos sinceros, nem todo mundo está disposto a arcar com esse ônus. Talvez seja melhor adiar um projeto de maternidade, e mesmo abrir mão dessa possibilidade, do que ter um filho ao qual não se pode dar atenção, carinho e presença constante. Lembre-se que é preciso dedicar um tempo razoável: brincar junto, fazer deveres de casa, educar, colocar limites.

Como fazer tudo isso e ainda continuar no mercado de trabalho? Usando seu horário de almoço para comer junto com seu filho. Fazendo visitas na creche durante o dia. Passeando no final de semana, em atividades em que a criança seja prioridade, como praia, parques, jogos em conjunto. Por favor, isso não inclui shopping Center.

Sou obrigado a fazer tudo isso? Claro que não. Mas ser pai e mãe também não é uma obrigação. Trata-se de uma escolha, e como toda escolha, pressupõe que você abra mão de outras tantas. O que se propõe? A volta da mulher à condição de dona de casa? Também não. O que se propõe é a conscientização da paternidade e maternidade. A infância determina a vida de todos nós. Ela é fundamental para existência humana. Na esfera psíquica, os primeiros dois anos significam a base da construção de uma personalidade saudável. A violência, a agressividade, a falta de ética, a moralidade dos tempos modernos não são apenas fruto de dificuldades econômicas e sociais, mas da falta de amor, educação, limites.
Com a vida moderna as crianças passaram ocupar um papel secundário ou terciário na vida familiar. Lembrem-se que o futuro da humanidade dependem dessas crianças. Fico triste quando os pais nunca tem tempo de ir à escola para acompanhar a educação das crianças e adolescentes. Em muitos casos casais colocam a necessidade da maternidade a conceitos: – para não ficarem sozinhos na velhice – como se filhos fosse seguro anti solidão, em outros casos serve mais para mostrar às pessoas a masculinidade ou a fertilidade.

Após uma análise tranquila na possibilidade de ter ou não ter filhos, tenho certeza de que o mundo irá melhorar.

– Como discutir com quem nunca viu, sentiu, viveu, estudou ou se interessou pelas coisas do mundo?

Quem vive exemplificando situações do passado e as comparando com as do presente NÃO é museu, como muitos gostam de aclamar contrariamente com o dito popular, ironizando os que resgatam a história. O sujeito que tem essa possibilidade de ilustrar É CULTO! O problema é se prender aos tempos remotos e “ficar por lá”. Usar os dados para discutir casos atuais é ter subsídio.

Eu assusto ao ver gente do Esporte, da Política e da Economia comentando fatos antigos e que estão na minha memória, se referindo aos acontecimentos acompanhados do lembrete de que não era nascido naquela época! Não por eles, mas por mim. Tô mais experiente pela idade ou simplesmente passei pelo tempo?

Tudo isso, aliás, seria sinal de envelhecimento?

Afinal, parece que foi ontem mesmo que me diziam: quando você for mais velho, vai encarar o mundo de outra forma. E é isso mesmo. Apesar de eu “ainda ser jovem, embora esteja meio gasto pelos anos”, a visão das coisas é bem mais madura, equilibrada e, sem dúvida, com a sensatez em abundância que não se tem na adolescência ou juventude.

Vamos a alguns exemplos?

Começando com o futebol: dias atrás ouvi alguém falar da qualidade do esporte jogado hoje e fez referência à Seleção Brasileira da Copa do Mundo de 1994 (extremamente pragmática) do Carlos Alberto Parreira, classificada na bacia das almas para aquele Mundial graças à convocação de Romário para decidir o jogo contra o Uruguai no Maracanã. Um pouco antes, nas Eliminatórias, em desespero, os jogadores até entraram de mãos dadas contra a Bolívia (uma tremenda novidade), mas mesmo assim não conseguiam transmitir confiança. Assim sendo, o Baixinho, que estava sendo boicotado pelo treinador, foi chamado para decidir. O comentarista, falando sobre essa Seleção, disse que “eu nem nascido eu era naquele tempo, mas sei que o time era mais criticado pela antipatia do que pela falta de ofensividade”.

Como assim, cara-pálida?

Eu já era adulto quando ocorreu o Tetra! Lembro-me direitinho… devo estar ficando velho mesmo, mas Raí não funcionou como deveria e Zinho ganhou o apelido de “enceradeira”. O Brasil venceu pela sólida defesa e pela genialidade de Bebeto e Romário no ataque.

Dito isso, pense: você se lembra quando “nasceu para o futebol”?

Eu lembro muito bem da década de 80 (quando se conseguia decorar as escalações das equipes). Me recordo daqueles times parrudos que a Ponte Preta apresentava ao Brasil (um até decidiu o Paulistão perdendo para o São Paulo, quando o torneio tinha peso quase igual ao do Campeonato Brasileiro) e que queria se igualar em façanha ao Guarani de 1978 (que não vi jogar e foi pelo Brasileirão), dirigido por Carlos Alberto Silva.

É da minha infância futebolística (ou adolescência) o grande Valdir Perez no gol; Serginho Chulapa no São Paulo e depois no Santos; e do Leão boicotado no Corinthians. Tive o privilégio de ver Zico (que golaço inesquecível contra a forte Iugoslávia, que já não existe mais), Falcão, Careca… Aliás, e o Denner, mais recentemente?

Vi os 3 Ronaldos surgirem no futebol (CR7, R10e R9) e deles, já vi 2 pararem. Vi o Nenê surgir no Paulista de Jundiaí (apitei ele no Sub 17 na Fazenda São João em Itupeva, quando de vez em quando o time ía treinar por lá) e hoje ele é um “senhor de 40 anos”. Lembro-me dos times de intensidade da década de 90 do Luxemburgo, quando ele era “O Estrategista”.

Infelizmente, a história, com o passar do tempo, fica esquecida e algumas pessoas pensam que o mundo “nasceu hoje ou ontem”. Ela nasceu há muiiiiiito tempo. A memória, por exemplo, não exalta e nem fala como deveria sobre o fabuloso Leônidas da Silva, o Diamante Negro (e sua bicicleta na Copa de 1938) e que fez o São Paulo FC ser grande na década de 40 – ele virou “nome de chocolate”, sendo homenageado até hoje, mesmo que muitos não saibam que o doce surgiu por conta de presenteá-lo pela figura importante que era. Mas os mais jovens sãopaulinos talvez se lembrem do bom Dodô, igualmente atacante, cuja fisionomia era idêntica a do Leônidas, mas sem bigode e sem a altíssima categoria..

E já que falei em Dodô, lembrei-me do folclórico Dadá (que hoje seria taxado de arrogante pelo excesso de folclore nas suas declarações). E escuto também falarem que Dudu “é craque”. É mesmo? Mas não se compara com o Dudu da Academia, que era Craque com C maiúsculo… Respeitosamente, qualquer Jadson ou Renato Augusto viraram craques no futebol atual. Pita, no auge, seria galáctico perto deles – e outros camisas 8, 9 ou 10 dos anos 80.

Mudando de assunto… e se falar sobre Política ou Economia?

Mesma coisa. Muita gente jovem, que não procurou estudar ou entender para discutir, quer falar de democracia tendo visto um ou dois partidos no poder. Nasceram depois do Real e só conhecem uma moeda! Eu tenho certeza que conheci mais de meia dúzia (tô velho mesmo…). Meu pai, muito mais! Aliás, em 1994 era o tempo da Gasolina a R$ 0,67 e do Álcool a R$ 0,34, além do quilo do frango a 1,00 real.

FHC era comunista, Dilma terrorista, Lula piquetista. Lembram disso, ocorrido lá atrás? Os que falam do militarismo  (sendo jovens) nem viveram ele, mas alguns lunáticos o defendem – e outros o odeiam, mas defendendo lados errados da luta pela necessária redemocratização! Eu me lembro do Figueiredo, do Andreazza, do Tancredo e do Maluf na última eleição indireta. Aliás, citei Paulo Salim Maluf, conhecido por ser “aquele do rouba mas faz” (não é frase do Lula não, e nem do próprio Maluf – ela foi roubada do Adhemar de Barros), e hoje o vejo como uma caricatura daquele homem poderoso de outrora.

Como nossos netos conhecerão a história desse período em que vivemos, com tanto fanatismo, tentando-se polarizar o país entre Bolsonaro e Lula como deuses ou diabos? Está difícil mostrar o meio-termo, as virtudes e os defeitos reais de todos, com tanto fake news e radical adorador.

Eu “brinquei” de ser “fiscal do Sarney”. Eu vi a Perestroika e a Glasnot. Eu fiz trabalho na escola sobre o momento histórico da Alemanha: se reunificaria ou não a Oriental com a Ocidental? Ah, esquece, poucos se lembram delas…

Será que as gerações de hoje só pensam no futuro e ignoram o ontem? Repito a introdução: “dizem que quem vive de passado é museu”. Alto lá! Quem CONHECE o passado pode evitar erros no presente e prever / fazer um futuro melhor. E a geração atual, que poderia estudá-lo melhor com as ferramentas de hoje, não está fazendo isso.

Enfim, os tempos mudaram e continuam mudando. Me lembro da primeira vez que ouvi falar sobre “enviar um email”. E diziam que seria inevitável que essa ferramenta se popularizasse, mas foi o que aconteceu. E mais coisas que me recordo e nossos filhos não imaginam: andei de barco no Rio Tietê em Pirapora; vi meu pai ser sorteado no Consórcio de Vídeo Cassete e festejar quando era contemplado no Plano de Expansão da Telesp! Lembro da chegada da Blockbuster no Brasil (muita molecada só soube o que era isso assistindo o filme da Capitã Marvel)…

Eu queria ter a cabeça de hoje quando tinha 18 ou 20 anos – não que eu era “descabeçado / inconsequente”, mas é que os anos nos amadurecem, os hormônios não estão à flor da pele e a experiência e vivência já se fazem sentir e dar confiança.

E você, o que pensa sobre conhecer a história para falar do presente e sonhar com o futuro?

Resultado de imagem para discussão