– Padre Fábio de Melo sai do twitter e diminui rotina árdua! Até ele é vítima dos haters das Redes Sociais?

O conhecido religioso Padre Fábio de Melo, de importante lições espirituais e dono de inspiradas canções, após ser pilhado por conta de uma publicação onde falava sobre “saidinha de presos do Dia dos Pais”, resolveu abandonar o Twitter.

Ele escreveu em outras palavras que Alexandre Nardoni, um famoso condenado por ter matado sua filha pequena ao jogá-la do alto do seu apartamento, deveria não ter o benefício de sair para ver seus filhos no dia dos pais, mas sim ir ao túmulo da inocente assassinada no dia de Finados. Para a Web, tal postagem foi motivo de repulsa ao sacerdote que foi bombardeado por críticas.

Tendo sofrido recentemente com a Síndrome do Pânico, o padre declarou que a sua saúde emocional era importante e que essa Rede Social não estava mais lhe fazendo bem. Imaginem o que ele deve ter lido… também prometeu diminuir sua rotina de shows, até se dedicar fora da área musical para novos desafios de evangelização.

A questão é: ele, tão especial em espiritualidade e nas mensagens de paz, numa opinião pessoal (não escreveu como homilia, mas como humano que é), tornou-se alvo da patrulha do politicamente correto.

Claro que como Padre muitos talvez desejassem que ele repetisse o famoso ensinamento cristão de perdoar 70×7. Mas na Internet ele sempre foi mais gente do que padre, e tal sentimento de indignação falou mais alto.

A questão é: Nardoni, por incrível que possa parecer, foi levado a ser por muitos uma “Madalena Arrependida” (e olha a diferença de pecado do criminoso e da santa…).

E você: o que pensa sobre isso? Deixe seu comentário:

Resultado de imagem para padre fábio de melo

Anúncios

– Os atiradores nos EUA. O que fazer?

Não dá para entender o que passa na cabeça de uma pessoa que sai atirando para todos os lados. Loucura? Trauma? Psicose?

Mais um caso (ou melhor, dois casos) nesse final de semana… Dizer o quê?

Extraído de: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-49227433

DOIS ATAQUES NOS EUA EM MENOS DE 24H

Os Estados Unidos registraram dois ataques de atiradores nas últimas 24 horas. O primeiro tiroteio aconteceu em uma loja da rede Walmart em El Paso, Texas – e foi seguido por outro tiroteio em frente a um bar na cidade de Dayton, Ohio. Juntos, os dois incidentes deixaram ao menos 29 mortes, e dezenas de outros feridos.

Além disso, os incidentes deste fim de semana também acontecem menos de uma semana depois do tiroteio em um festival gastronômico na Califórnia, quando três pessoas perderam a vida.

No caso de El Paso, ao menos 26 pessoas ficaram feridas. O ataque aconteceu em uma loja do Walmart próxima ao shopping Cielo Vista Mall, a poucos quilômetros da fronteira entre os EUA e o México.

O sargento da polícia de El Paso Robert Gomez informou que um homem branco na faixa dos 20 anos foi detido sob suspeita de ser o atirador.

De acordo com a imprensa americana, ele seria Patrick Crusius, de 21 anos.

Imagens de câmeras de vigilância supostamente do atirador reproduzidas pela imprensa americana mostram um jovem de camiseta escura com protetores auriculares brandindo um fuzil.

Os primeiros relatos de que havia um incidente no Cielo Vista Mall apareceram por volta das 11h do horário local (14h no horário de Brasília). A polícia afirma ter recebido informações de que havia um tiroteio tanto no shopping quanto na loja da rede Walmart, que fica logo ao lado.

A polícia local e o FBI agora investigam se o tiroteio está relacionado a um “manifesto” nacionalista branco que foi compartilhado em um fórum online, e que teria sido escrito pelo atirador. O texto afirma que o alvo do atentado era a comunidade hispânica local.

O presidente norte-americano Donald Trump disse que o tiroteio foi “um ato de covardia”.

“Eu tenho certeza de que falo por todos neste país ao condenar o ato de ódio cometido hoje. Não existem razões ou desculpas capazes de justificar a matança de pessoas inocentes”, disse ele no Twitter.

O presidente do México, Andres Manuel Lopez Obrador, disse que três cidadãos mexicanos estão entre os mortos.

Tiros na madrugada em Dayton

Segundo as primeiras informações das autoridades locais, os primeiros relatos do tiroteio em Dayton teriam aparecido por volta da 1h da manhã, hora local (ou 2h deste domingo, horário de Brasília). Os disparos teriam acontecido na rua, em frente a um bar, no distrito de Oregon.

Policiais confirmaram ainda ter matado o atirador no local.

Os corpos das vítimas foram levados a vários hospitais da região.

“Nós tínhamos policiais nas proximidades quando o tiroteio começou, então pudemos chegar lá rapidamente e parar o ataque”, escreveu o departamento de polícia de Dayton no Twitter.

A jornalistas, o oficial da polícia de Dayton Matt Carper disse que os investigadores ainda não conhecem as motivações do atirador. Carper disse que a polícia local está “ansiosa” para descobrir as motivações do atirador.

Loja estava cheia na hora do ataque em El Paso

As autoridades locais disseram que o supermercado estava cheio no momento do ataque, já que muitas famílias compravam material escolar para o semestre letivo que se inicia neste mês de agosto nos Estados Unidos.

Segundo o chefe da Polícia de El Paso, Greg Allen, o primeiro alerta sobre um atirador chegou às 10h39 de sábado, hora local (14h39, no horário de Brasília), e os policiais chegaram à loja seis minutos depois.

O suspeito de 21 anos de idade está preso, e segundo Allen, os policiais não precisaram disparar nenhum tiro para prendê-lo.

Uma testemunha, Glendon Oakly, relatou ao canal CNN que estava em uma loja de artigos esportivos dentro do shopping quando uma criança correu para dentro do estabelecimento “dizendo que havia um atirador no Walmart”.

Ninguém, segundo ele, levou a criança a sério, mas, minutos depois, teriam sido ouvidos dois tiros. “Eu só pensei em tirar as crianças do caminho (e colocá-las em um local seguro)”, completou.

Kianna Long, por sua vez, estava no supermercado com o marido quando ouviu os tiros.

“As pessoas estavam em pânico, correndo, dizendo que havia um atirador”, relatou à agência de notícias Reuters. “Elas corriam agachadas, algumas caíam no chão.”

Long disse ainda que ela e o companheiro haviam corrido para uma das salas de estoque antes de se protegerem com outros clientes em um contêiner de metal.

O Departamento de Polícia de El Paso tuitou pedindo doações de sangue “com urgência”.

Reações ao tiroteio em El Paso

“Essa é uma tragédia que nunca poderíamos imaginar que aconteceria em El Paso”, disse ao canal CNN o prefeito da cidade, Dee Margo. “Me deixa arrasado.”

Em um comunicado, o governador do Texas, Greg Abbott, declarou que El Paso havia sido “atingida por um ato de violência hediondo e sem sentido”.

“Nossos corações estão com as vítimas desse terrível tiroteio e com toda a comunidade (de El Paso) neste momento de perda”, acrescenta o texto.

O pré-candidato democrata à presidência Beto O’Rourke deixou um evento de campanha em Las Vegas para voltar à sua El Paso natal.

Mais cedo no sábado, ele comentou sobre o episódio em um fórum trabalhista do qual participava, dizendo à plateia que o ataque quebrava a ilusão de que uma reforma na legislação sobre armas viria “em seu próprio tempo” no país.

“Sabemos que há muitos feridos, muito sofrimento em El Paso neste momento”, declarou.

A map shows the location of the shooting

– Bandido Pobre e Bandido Rico, Criação e Educação.

O que difere um bandido pobre de um rico, se ambos cometem crimes?

Talvez, apenas a sua condição econômica.

Dias atrás, ouvi uma autoridade policial (na Rádio Bandeirantes, mas não consegui ouvir seu nome e patente) falando sobre os menores delinquentes, provindos de periferia. Sobre eles, ponderou que:

Há uma geração de adolescentes e jovens criados com valores de bandidos. Eram crianças que se acostumaram a frequentar cadeia, vendo os parentes detidos lá e que viam no ato do banditismo um caminho a ser herói. Ser ladrão se tornou sonho para alguns! Onde estariam os valores morais que deveriam ser ensinados em casa?

Pois é: muitas vezes, quem deveria ensinar os bons valores talvez não esteja por lá, sendo que se torna preocupante o futuro dos filhos de pais e mães bandidos.

Entretanto, como justificar o aumento de criminosos na classe média? Alguns, erroneamente creditam a criminalidade a um fator econômico ao invés de educacional. Porém, vê-se em destaque as chamadas “gangues de playboys”: adolescentes e jovens que cresceram com boas condições financeiras, e que enveredam para o crime a fim de se sustentarem com prazeres e vaidades: dinheiro para ostentação de carros, participação em baladas e consumo de drogas.

Estes mais abastados financeiramente caíram em desgraça por qual motivo?

Fica nítido que o problema é educacional. Não adianta caros colégios se a primeira educação, a básica, formadora e influenciadora – a do lar – possui falhas gravíssimas ou inexiste. E que tantos batedores de carteira, playboys ou políticos corruptos cometem o mesmo crime: o de desrespeitar a dignidade humana.

Do mesmo jeito que um criminoso atira gratuitamente simplesmente pelo medo de reação da vítima, criminosos do colarinho branco sugam as verbas de hospitais carentes e já capengas. A estes, a vida do cidadão de bem nada vale.

Resultado de imagem para educação

– Sobre Anhangá e os Ecoterroristas da SSS: até onde temer ou desdenhar?

Impressiona o surgimento de grupos terroristas brasileiros nos tempos atuais. Lamentavelmente, enquanto se deva buscar a paz, outros querem a violência e o ódioMas algo me perturba: a pouca repercussão a respeito da “Sociedade Secreta Silvestre” (SSS)! Seria mais fantasia do que verdade? Cuidado em não popularizar o grupo? Ou um certo constrangimento em tocar no assunto?

Digo isso pois a SSS está na capa da Veja nesta semana. A Revista entrevistou Anhangá, um líder desta rede terrorista que defende a ecologia pelas armas e mortes (o apelido dessa pessoa é em homenagem ao espírito que caça, sequestra e mata, sendo um metamorfo da cultura indígena).

Como se pode crer que pessoas ditas defensoras da natureza” desejam matar pessoas? Na reportagem, o terrorista reafirma o que já foi revelado antes, no começo do ano, pela Polícia Federal: o propósito de assassinar o presidente Jair Bolsonaro, o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles e a Ministra dos Direitos Humanos Damares Silva (segundo ele, essa última por “promover uma evangelização branca”).

Por mais fantasiosa que a história possa ser, quando a loucura não tem limites, podemos ver inocentes pagando a conta. 

Resultado de imagem para anhangá revista veja

– Quando os idiotas vencem: a briga na frente da criança entre Internacional 1×1 Grêmio

Lamentável. Quando a cor de uma camisa supera a inteligência e a razão, pode parar o mundo pois voltamos a ser selvagens.

Triste demais ver a idiotice acontecida no Gre-Nal. Abaixo o texto contando o ocorrido, mas quem viu pela SporTV as imagens, chora junto com a criança. E é capaz de algum insensato culpar a mãe dela pelo episódio… 

Abaixo, extraído de: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2019/07/20/torcedora-do-gremio-e-agredida-em-frente-a-crianca-apos-gre-nal.htm

TORCEDORA DO GRÊMIO É AGREDIDA EM FRENTE A CRIANÇA APÓS CLÁSSICO

Uma torcedora do Grêmio foi agredida hoje (20), no estádio Beira-Rio, depois do Gre-Nal 421. A cena foi flagrada pelo Premiere, e outros presentes, e viralizou nas redes sociais. As imagens mostram que mulher acompanhada de uma criança com camisa gremista em mãos foi abordada por três torcedores do Internacional que tentavam tomar a peça a força. Na tentativa de pegar a camisa do Grêmio, o trio empurrou a mulher. Seguranças do estádio precisaram intervir para controlar a situação.

De acordo com o SporTV, a mulher e a criança não estavam na chamada “torcida mista”, setor onde gremistas e colorados acompanha o clássico lado a lado mediante acesso em conjunto.

Outro vídeo, de ângulo inverso, mostra segundos antes do ataque. A mulher de preto vibra com a camisa do Grêmio em mãos e a criança também celebra a presença do uniforme.

O Internacional, procurado pelo UOL Esporte, afirma que “o segurança agiu para evitar que a torcedora e a criança sofressem constrangimento maior. A camisa recolhida foi entregue pelo servidor ao menino após eles deixarem o estádio em segurança”.

Através de seu perfil no Instagram, o atacante Everton pediu auxílio para entrar em contato com o menino que aparece nas imagens. O departamento de torcidas do Grêmio (DTG) irá entrar em contato com a torcedora para dar apoio após o ocorrido.

Em campo, Inter e Grêmio ficaram no empate por 1 a 1. Paulo Miranda, contra, abriu o placar e Luan empatou no segundo tempo.

 

– Alguns, tudo podem; outros, nada devem.

Essa pendenga entre Irã e Estados Unidos me incomoda. Basicamente, Washington não quer que o Governo de Teerã tenha armas nucleares.

Mas e se o país for aliado dos americanos, pode construir bomba atômica?

Não se está falando ou pregando um mundo de paz. Mas sim um lugar de interesses e benesses aos amigos dos EUA. Digo isso pois imaginem o que passa na cabeça do cidadão de bem iraniano, quando lê que o seu país não pode enriquecer urânio pois quem tem mais bombas que ele, simplesmente não quer.

ARMAS não deveriam existir. NUNCA! O mundo seria mais fácil sem elas…

bomba.jpg

– A covarde agressão ao Padre Marcelo Rossi durante a Missa na Canção Nova

É de estarrecer que isso aconteça: uma mulher, aparentemente com problemas mentais, empurrou o Padre Marcelo Rossi durante a Missa de encerramento de um evento chamado “Acampamento de Oração”, na Comunidade Católica Canção Nova.

E se fosse alguém com uma faca ou um revólver, premeditadamente?

Eu sei que acusarão falha de segurança (e de fato ela ocorreu). Mas vale refletir: será que antigamente havia tantos deficientes agindo assim?

Lógico que não. Daqui a pouco jogaram a culpa nos deficientes pela violência explícita. O problema é a sociedade, cada vez menos tolerante e mais violenta.

A prova disso?

Ué, uma pessoa fazendo o bem e falando de amor sendo agredida durante a Missa, é mais do que um exemplo claro…

– A Regra não aplicada em Jara, o mesmo da dedada!

Há jogadores que conseguem ser malandros ao extremo. Lembram de Jara, o chileno que em 2015 deu uma “dedada” no bumbum do uruguaio Cavani, que não gostou e o agrediu? Jara, que provocou, permaneceu em campo e Cavani foi expulso, pois o árbitro não viu a ação que iniciou a confusão.

Relembre aqui: https://wp.me/p4RTuC-cCV

Pois bem: na última 2 a feira, jogaram novamente Uruguai x Chile pela Copa América (com vitória por 1×0 pela Celeste, gol de Cavani). Mas também Jara teve destaque: nesta partida, um torcedor uruguaio invadiu o campo e o Jara dá um pontapé no invasor. É conduta violenta e o jogador deve receber Cartão Vermelho.

O árbitro Raphael Claus nada fez. O VAR não se manifestou e a regra não foi cumprida.

Mas quer saber? Essa é uma regra antipática… apesar do histórico negativo do Jara, talvez eu também fizesse vista grossa pelo fato de um idiota ter atrapalhado o jogo no Maracanã. É o erro que talvez ninguém vá culpar o árbitro. Embora, sejamos corretos: a Regra deve ser cumprida!

 

– O que fazer para perceber se o filho é problemático?

Leiam essa entrevista de Sue Klebold, a mãe do assassino Dylan Klebold, que com 17 anos matou 12 colegas num colégio de Columbine (EUA) a sangue frio, armado com armas, há 3 anos (Revista Veja, Páginas Amarelas, ed 22/06).

Ela disse que:

Pais de adolescentes sabem que não é fácil captar o que passa na cabeça de seus filhos. Nada levava a crer em suicídio ou assassinatos. Dylan foi hábil em esconder seus sentimentos”.

O que achei curioso foi o conselho que ela dá aos pais. Não sei se concordo com ela. Dona Sue aconselhou que:

Quando seu filho está sofrendo, não tente consertar as coisas por ele, nem pense fazê-lo sentir-se melhor. Isso é uma forma confortável de autoengano. Só fique em silêncio e ouça o que ele diz”.

Confesso que é um pouco confuso, difícil ou de prática duvidosa. Creio que depende de cada família e da educação em casa.

bomba.jpg

– O crime contra o pobre Rhuan Maycon já está esquecido?

Suzane von Richthoffen matou os pais e o Brasil parou para discutir o crime da moça e do seu namorado.

A família Nardoni arremessou cruelmente uma criança do apartamento. Idem ao clima de tristeza e consternação do país.

Porém, o menino Rhuan de 9 anos teve o pênis cortado pelo desejo das mães (uma biológica, a outra sua cônjuge) de que ele virasse menina! Depois, o casal de mulheres assassinas esquartejou o pobre garoto.

– Repercutiu da mesma forma?

Por quê alguns crimes bárbaros tem mais destaque do que outros?

Li no site da Folha de Londrina o artigo de Paulo Briguet (não o conheço, mas o respeito) que teve a mesma dúvida do que eu: se o ocorrido fosse cometido por um pai e uma mãe no Centro de São Paulo, e não por um casal de lésbicas no DF, a “importância da notícia seria outra”?

Insisto: aqui não se fala sobre a questão da homofobia (deve-se respeitar os homossexuais), mas faço uma explícita crítica à Ideologia de Gênero, que tanto força a ideia de sexualização e erotização precoce.

Criança deve ser criança, menino e menina. Se vai gostar de homem ou de mulher, já é outra história – e para adultos!

Extraído de: https://www.folhadelondrina.com.br/colunistas/paulo-briguet/o-martirio-do-menino-rhuan-2942399e.html

O MARTÍRIO DO MENINO RUAN

Em breve, relembrar a morte de Rhuan será considerado um crime contra a ideologia de gênero

Há vários dias não consigo parar de pensar no menino Rhuan. Qualquer outro assunto se torna menor e irrelevante diante do martírio dessa criança. Os detalhes do caso pareceriam inverossímeis mesmo em um filme de terror: o desaparecimento do menino; a decisão de transformá-lo em menina; o pênis da criança cortado pelas mulheres (uma delas, a própria mãe do menino!); o ano inteiro em que ele viveu com a ferida; a morte e o esquartejamento; a imagem do casal assassino; a dor do avô.

Rhuan tinha 9 anos, a idade do meu filho. Nos últimos dias, olho para o Pedro e vejo ao seu lado a imagem do menino sofredor. Penso em todos os bons momentos que vivi com meu filho ao longo do último ano, e sei que ao mesmo tempo, em algum lugar, Rhuan sofria em silêncio. Quantos Rhuans estarão sofrendo agora?

Muito se falou no casal Nardoni, muito se falou em Suzane von Richthoffen, mas estranhamente pouco se fala em Rosana e Kacyla, as assassinas de Rhuan. Uma das poucas pessoas públicas que demonstraram preocupação com o caso foi a ministra Damares Alves. Mas onde está a revolta dos formadores de opinião? Onde estão as entidades em defesa dos direitos humanos? Onde estão os nossos ativistas judiciais? Onde estão as análises de especialistas, os discursos indignados, as camisetas com o slogan RHUAN VIVE? Até o caso de Neymar merece mais atenção das nossas classes falantes. Que vergonha!

Nos últimos dias, terminei de ler o romance “Silêncio”, do escritor japonês Shusaku Endo. O livro fala sobre as torturas impingidas aos católicos japoneses pelos xóguns (senhores feudais), no século XVII. Em certa passagem, que muito me marcou, um padre está preso na masmorra e escuta o que parece ser o ronco de um carcereiro. Na verdade, não era um ronco: eram os gemidos dos cristãos supliciados.

Você consegue ouvir este som em meio à balbúrdia de nosso país? É a voz do menino Rhuan, que clama por nossa compaixão. Uma voz que os porta-vozes da ideologia de gênero não querem deixar ninguém ouvir. Rhuan atrapalha os planos dos ideólogos militantes, assim como “atrapalhava o relacionamento” de Rosana e Kacyla.

Agora, no STF, está sendo votada a criminalização das críticas à ideologia de gênero. Para os totalitários — sejam eles globalistas ou socialistas — é sempre assim: denunciar o crime torna-se crime. Prepare-se, portanto, para o dia em que relembrar o martírio de Rhuan será um crime contra a “igualdade de gênero”. Estaremos condenados ao silêncio.

Senhor, tende piedade de nós.

Imagem relacionada

– A Impaciência ou o Fanatismo dos Torcedores na mudança da Grandeza das equipes.

Brigar por futebol vale a pena?

Vez ou outra nós vemos aficcionados torcedores invadirem treinos de seus times do coração para protestarem. É fanatismo, incoerentemente com os estádios vazios.

Será que a pressão que desce das arquibancadas ao campo é aceitável ou exagero?

Sou contra toda a forma de violência. Torcedor deve incentivar o seu time durante o jogo, e após ele, vaiar. Mas nada de transformar em ações práticas de agressão.

O treino é local de trabalho. Não gosto de momentos de briga nesse local. Mas pensemos: será que não está mudando a “feição” dos clubes brasileiros?

No começo do século XX, Bangu, América, São Cristóvão, Canto do Rio e Bonsucesso eram forças no futebol carioca. Aqui em São Paulo, tínhamos o Ypiranga, o Germânia, o Jabaquara…

Alguns encerraram as atividades, outros apequenaram-se. Hoje, temos novos clubes em destaque nos regionais: Audax e Red Bull, entre outros.

Será que daqui 30 anos, teremos os mesmos clubes que hoje ou ontem foram protagonistas? Quem era o Água Santa há 10 anos? E o São Caetano, há 20?

Aceitar novas realidades é importante. Noroeste, Marília, Paulista, Internacional e São José não são mais importantes coadjuvantes na 1a divisão de seus estados. Guarani e Portuguesa deixaram de serem importantes times da 1a nacional. Qual o futuro deles?

Aliás, qual o destino dos estaduais?

Sempre aprendi que quando estamos em um momento histórico, não percebemos que estamos fazendo história. E o fato a ser historiado no futuro é: o futebol brasileiro está em transição, seja no peso das camisas, na administração dos clubes e nas táticas dentro de campo. Se o final dessa mudança será positivo ou não, só o tempo dirá! E isso traz a reflexão: são lúcidos os protestos violentos de torcedores ou são em vão, pois eles de nada adiantarão?

bomba.jpg

– Limites Permissíveis e Transponíveis no Futebol

Dando uma fuçada na temática futebol e violência, deparei-me com esse texto que já tem 10 anos, mas que pode ser tão atual… Ele fala sobre os torcedores brigões e a má educação no esporte.

Vale a pena dar uma relembrada e verificar se algo mudou:

NO FUTEBOL PODE TUDO?

Ao ler nesta tarde que uma torcida organizada do Fluminense-RJ invadiu o campo de treino da equipe para bater nos jogadores, após a eliminação na Copa do Brasil, e que um desses membros acabou atingindo com um soco o atleta Diguinho, fiquei pensando: até onde vai o limite do permitido e o proibido no futebol?

Dentro do microuniverso que o futebol representa na sociedade, parece que o mesmo está num mundo a parte, onde os padrões de relacionamento, os conceitos éticos e sociais são ditados por regras exclusivas, fora mesmo do ambiente desportivo. Aliás, tal situação mostra que o futebol, dentro destas características, definitivamente deixa de ser esporte.

Que direito uma pessoa tem de invadir o local de outra e agredí-la, simplesmente porque não gosta do resultado do seu trabalho? Se nas nossas atividades profissionais fora do futebol formos agredidos no exercício da nossa labuta, o agressor tem que ser preso imediatamente. Deveria ser assim no futebol também!

Alguém acha que o agressor do jogador cumprirá pena na cadeia?

Busque trazer tal exemplo para as arquibancadas: nós, árbitros, somos ofendidos antes mesmo de iniciarmos uma partida de futebol, com dizeres que nos caluniam desde os familiares até a nossa dignidade. Mas, pela cultura futebolística imposta, isso é normal! O torcedor está no “direito” de proferir palavrões pessoais à nossa conduta e aos nossos entes queridos. E isso, lamentavelmente, não tende a mudar.

Se o futebol é um espetáculo, tal comportamento não se vê em outras artes. Você pode vaiar uma peça de teatro ou um filme na sala do cinema, mas raramente isso acontece. É a boa educação. Simplesmente você não recomenda a outras pessoas tal entretenimento.

No último clássico Palmeiras X São Paulo, 158 pessoas foram detidas por perturbação à ordem, agressões e tumulto. Ninguém ficou preso. Aliás, tais notícias deixaram de ser novidades.

O que impressiona é que cada vez mais a violência para com os jogadores, e porque não, também aos árbitros e dirigentes, avança assustadoramente. E incluo aqui os jornalistas! Ou as pessoas se esqueceram das tentativas de agressões à cabine da rádio CBN no Pacaembu neste ano? Ou das ofensas contra a Sportv na Vila Belmiro no ano passado?

Infelizmente, o futebol está ficando perigoso para aqueles que verdadeiramente amam o esporte bretão que se tornou paixão nacional. Tudo em decorrência da impunidade e permissividade dos baderneiros das arquibancadas.

Apenas uma pergunta: como é que um grupo de torcedores, numa plena terça-feira útil, pode se dar o luxo de não trabalhar e agredir os jogadores que estão trabalhando?

Um último detalhe: nesta quarta-feira, na final da Liga dos Campeões da Europa, em Roma (Manchester United X Barcelona), todos os torcedores que entrarão no Estádio Olímpico devem portar seus documentos de identidade (e aos estrangeiros o passaporte) para ter acesso às arquibancadas e sentar no seu lugar numerado. Não que eles sejam mais civilizados, mas sim porque haverá punições em caso de brigas.

Abaixo, a notícia sobre a agressão, extraída de: http://www.abril.com.br/noticias/esportes/futebol/fluminense/torcedores-invadem-treino-flu-agridem-diguinho-399122.shtml

TORCEDORES INVADEM TREINO DO FLU E AGRIDEM JOGADORES

A eliminação da Copa do Brasil e a goleada por 4 a 1 sofrida para o Santos em pleno Maracanã no último domingo pelo Campeonato Brasileiro, definitivamente, acabaram com a paz no Fluminense. Nesta terça-feira, integrantes de uma torcida organizada do clube invadiram o treino da equipe nas Laranjeiras e chegaram a agredir Diguinho.

O volante, que não joga há dois meses em virtude de uma pneumonia e de uma lesão na coxa, foi atingido por um soco, mas logo seguranças do clube interviram e impediram um incidente de piores proporções. Em seguida, dez policiais militares reforçaram a segurança.

No protesto dos torcedores, os principais alvos dos xingamentos foram o lateral direito Eduardo Ratinho, o meia Thiago Neves e o coordenador de futebol, Alexandre Faria.

bomba.jpg

O campo, infelizmente, virou ringue!

– Ecoterroristas querem matar o Presidente?

Pensei que nunca iria ver ou ler algo assim, como publicado no site da Veja (abaixo). O Brasil está enlouquecido (e cansando as pessoas sensatas e de bem, independentes de amarras ideológicas de direita ou esquerda)!

Extraído de: https://veja.abril.com.br/politica/policia-caca-grupo-terrorista-que-ameaca-bolsonaro-e-ministros/

POLÍCIA CAÇA GREUPO TERRORISTA QUE AMEAÇA BOLSONARO E MINISTROS

Documento sigiloso obtido por VEJA revela a preocupação das autoridades com as ameaças de ataque ao presidente da República

A divisão antiterrorismo da Polícia Federal está tentando descobrir a identidade dos integrantes de um grupo extremista que ameaça matar o presidente Jair Bolsonaro e dois ministros. Autointitulado “Sociedade Secreta Silvestre”, o movimento se diz “ecoterrorista” e “anticristão” e tem feito “ameaças a figuras públicas, notadamente ao presidente da República Jair Messias Bolsonaro”, segundo o documento obtido por VEJA.

As ameaças são postadas num site – e vieram à tona quando, em dezembro do ano passado, o grupo disse que poderia promover um atentado na cerimônia de posse presidencial. Na época, a polícia desarmou uma bomba colocada na porta de uma igreja que fica a cerca de 50 quilômetros do Palácio do Planalto.

Recentemente, a “Sociedade Secreta” incendiou dois carros numa das sedes do Ibama, em Brasília. No local, a polícia localizou fragmentos de uma bomba caseira. O grupo assumiu a autoria do atentado e anunciou que o próximo alvo será o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente.

bolsonaro-inquerito-policial-16052019

– Guaidó e Maduro, EUA e Rússia. E o povo?

Enquanto a população venezuelana sofre, Maduro não larga o Governo ditatorial e Guaidó não tem firmeza para assumir. Por trás deles, os apoios explícitos da Rússia e dos EUA – o que significa que todos pensarão várias vezes antes de algo mais sério.

O duro é que quem sofre é o cidadão comum. Falta tudo no país – de emprego a mantimentos. E o maior problema é: quando isso vai se resolver?

Talvez pior do que isso seja outra questão: COMO vai se resolver?

D5kpVQ9XsAAzFod.jpg-large

– Za’atari: O maior assentamento de refugiados do mundo!

Eu assustei. Li sobre um campo de refugiados na Jordânia chamado ZA’ATARI, formado por quase 80.000 moradores, mas que já recebeu transitoriamente 500.000 pessoas (isso mesmo, meio milhão) que fugiram da Síria.

Lá, em containers (com o tamanho de 3m x 7,5m), os fugitivos vivem em um minúsculo território de 5km quadrados. Dá para acreditar? Um amontoado de caixotes lado-a-lado…

E o que faz as grandes potências mundiais para mudar tal situação?

bomba.jpg