– Em Brasília, rola um interessante amigo secreto…

Rola na Internet essa oportuna piada: como seria a brincadeira de amigo secreto no Congresso Nacional.

Abaixo:

bomba.jpg

– Apaixonados por Lula e por Bolsonaro se calam contra o aumento do Fundo Partidário?

Enquanto bolsonaristas e lulistas brigam para se dizerem “arautos da justiça e da correção social”, os partidos políticos fazem a farra em Brasília.

Viram a imoralidade do aumento do Fundo Partidário, que tira recursos da Saúde e da Educação, dando mais dinheiro para as legendas?

Leia (extraído da Folha):

O aumento do fundo eleitoral para R$ 3,8 bilhões com corte de recursos em saúde, educação e infraestrutura uniu rivais como PSL e PT, além de ter sido respaldado por partidos do chamado centrão.
A medida teve o apoio de 13 partidos: PP, MDB, PTB, PT, PSL, PL, PSD, PSB, Republicanos, PSDB, PDT, DEM e Solidariedade. Eles representam 430 dos 513 deputados e 62 dos 81 senadores. Podemos, Cidadania, PSOL e Novo foram contra o aumento, mas não têm força política para barrar a investida
.”

Como não se revoltar com tamanho desrespeito? E aqueles que têm “políticos de estimação”, dirão o quê sobre essa imoralidade?

Pobre Brasil… Cadê MBL, CUT, os diversos movimentos de Esquerda e Direita extremistas?

É por isso que se deseja tanto montar novos partidos politicos. Entrar na Política parece ter virado um grande negócio…

– Dia Rubro Negro da Conquista das Américas?

Se você fosse munícipe do Rio de Janeiro e soubesse que o vereador da sua cidade desejasse criar um feriado “futebolístico”, o que faria?

Absurdamente lamentável a ideia do nobre político, abaixo, extraído de: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/12/02/vereador-do-rj-propoe-feriado-em-homenagem-a-libertadores-do-flamengo.htm

VEREADOR DO RJ PROPÕE FERIADO EM HOMENAGEM À LIBERTADORES DO FLAMENGO

No que depender do vereador Felipe Michel (PSDB-RJ), a cidade do Rio de Janeiro pode ganhar mais um feriado em novembro.

Michel criou um projeto de lei para que a cidade possa celebrar o “Dia Rubro Negro da Conquista das Américas”. O feriado seria celebrado no dia 23 de novembro.

O vereador, que já foi atleta do clube, pediu afastamento do cargo para assumir secretaria de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos da cidade do Rio de Janeiro.

No PL 1632/2019, Michel argumenta que a “data marcante marca o Rio de Janeiro e enche a todos de orgulho. Merecendo o devido reconhecimento”.

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro concedeu recentemente o título de cidadão carioca ao técnico português Jorge de Jesus.

Flamengo ergue a taça de campeão da Copa Libertadores da América 2019, em Lima - Marcos Brindicci/Jam Media/Getty Images

 

– Você não está preocupado com os rumos do Brasil?

Eu me assusto quando vejo Esquerda capitaneada por Lula & Convertidos querendo fazer bagunça e Direita liderada por Bolsonaro& Aliados falando de AI-5.

Um perigo para a Democracia esses dois extremos! Esquecem-se de pensar no coletivo, no Brasil como um todo, e apenas nos seus interesses partidários. Virou queda de braço, “discussão de 5a série”, birra e fanatismo.

Quem perde é a nação. Repito o que venho insistindo: mais ponderação, pois a sensatez se faz necessária (e de maneira urgente).

Resultado de imagem para brasil

– Concordo com o Lula!

Na reeleição de Gleisi Hoffmann como presidente do PT (a mesma que apoia incondicionalmente Nicolas Maduro, infelizmente), Lula disse que:

“Somos exatamente o oposto de Bolsonaro”.

Perfeito. Como Bolsonaro é classificado pelo lulismo com o termo de Extrema Direita, é correto entender o lulismo como Extrema Esquerda, sem abrir mão do fanatismo que é comum aos extremistas de ambos.

Pobre Brasil… o radicalismo atrapalha o bom senso!

Resultado de imagem para Lula e Bolsonaro

– O orgulhoso título do Mengão, o proveitoso uso adequado do VAR e o vergonhoso gesto do governador.

Várias coisas a abordar sobre a conquista do Bicampeonato da Libertadores da América por parte do Clube de Regatas do Flamengo:

1- ARBITRAGEM: Na difícil partida apitada, o chileno Roberto Tobar foi bem com seus colegas na atuação em Lima. Deixou o jogo correr quando podia, não caiu nas tentativas de simulação dos brasileiros em determinados momentos e resistiu à milonga dos argentinos. Sobre as expulsões, não imagino que foram gratuitas, embora a transmissão da TV não tenha permitiu\do que fossem tão bem entendidas durante o nervosismo dos atletas. Mas o principal ponto: o uso adequado do VAR, que não atrapalhou o ritmo do jogo em momento algum.

2- POLITICAGEM: O jundiaiense Wilson Witzel (que apesar de ser paulista, durante sua vida profissional se radicou em terras cariocas e se tornou governador do Rio de Janeiro) protagonizou um papelão em praticar uma atitude demagógica se ajoelhando para Gabigol dentro de campo. Será que, por ter declarado que deseja ser Presidente da República em um futuro breve, resolveu fazer isso para se mostrar “popular”? Detesto politicagem barata, embora valorizo a política séria e responsável.

3 – O JOGO EM SI: Gabriel Barbosa não estava jogando nada, e decidiu como num filme de Hollywood com dois gols nos derradeiros minutos. Que final épico!

O treinador Jorge Jesus, por mais que se tenha criado polêmica sobre ele (passou sufoco no começo do seu trabalho no Brasil com o episódio da pressão da torcida no aeroporto), fez um bem muito grande ao futebol brasileiro mostrando que dá para vencer jogando bonito. Merece todos os aplausos. Aliás, até os 87 minutos os “contrários à sua filosofia de jogo” estavam detonando o português. E, depois, teve que existir a rendição ao seu método. Mas vale lembrar: o River Plate é muito bom, se ficasse com a Taça Libertadores seria uma conquista justa!

Parabéns ao Flamengo pela conquista dentro de campo.

Resultado de imagem para gabigol witzel

– Por quê a Política exige dois lados no Brasil?

Nunca tivemos uma dualidade política tão tomada pelo fanatismo no Brasil quanto agora. A Direita e a Esquerda radicais obrigam a pessoa responder “na lata”: Bolsonaro ou Lula?

Se você critica um, automaticamente te rotulam como “simpático a outro”. Nada disso, existem inúmeras outras correntes e formas de se pensar e viver – sem extremismo ou, por incrível que possa parecer, com maior ainda em alguns casos.

O certo é: não se rotule o próximo e respeite quem pensa diferente de você. O grande problema em nosso país tem sido a discordância de opiniões (que deve ser válida) baseada no ódio (ao invés do respeito).

Resultado de imagem para Extrema Direita ou Extrema Esquerda

 

– Escola sem Partido, sem Religião e sem Apologia a Gênero

O respeito à fé, às convicções políticas e à sexualidade deve ser sempre preservado. Muitas vezes nos deparamos com assuntos polêmicos, que podem fazer proselitismo ou determinar preconceito contra uma crença religiosa (ou descrença).

Nos dias atuais, o radicalismo a favor ou contra alguma religião, partido político ou causas sociais (como LGBTQ+) acaba entrando no noticiário por seus manifestantes e defensores – em algumas ocasiões, de maneira ofensiva.

Procurar a neutralidade e preservar o direito ao exercício da cidadania (sem fazer apologia ou repulsa) é fundamental. E, apesar de muitas críticas que se possa fazer em alguns setores do Governo, ao ler sobre a criação de um canal de denúncias para que se tenha a possibilidade de reclamar de conteúdos inapropriados (que critiquem a fé desde o cristianismo até as de raízes africanas; de promoção de campanha partidária / política de Esquerda ou Direita; ou ainda de erotização precoce ao invés de educação sexual) penso ser uma acerto muito grande!

A questão não é censurar (censura nunca deve ser feita), mas a necessidade de mostrar a pluralidade de ideias e manifestações (não de um lado apenas, para que não seja um ensino doutrinário) é indiscutível.

Compartilho, extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/11/damares-anuncia-canal-de-denuncias-para-questoes-contra-moral-religiao-e-etica-nas-escolas.shtml

DAMARES ANUNCIA CANAL DE DENÚNCIAS PARA QUESTÕES CONTRA MORAL, RELIGIÃO E ÉTICA NAS ESCOLAS

Segundo a ministra, canal está sendo formatado em parceria com o MEC e será anunciado em breve

A ministra Damares Alves (Direitos Humanos) disse nesta terça-feira (19) que um canal de denúncias está sendo formatado em parceria com o MEC (Ministério da educação) para receber queixas de conteúdos que possam ser considerados inadequados nas escolas.

“O que nós queremos é tão somente o cumprimento da lei”, afirmou ela a jornalistas, fazendo referência a Convenção Americana de Direitos Humanos, o Pacto de San José da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário.

“Lá está dizendo que a escola não pode ensinar nada que atente contra a moral, a religião e a ética da família. A família precisa ser ouvida.”

Segundo Damares, o canal será anunciado em breve e será conduzido pelo Ministério da Educação. Questionada sobre o papel da sua pasta, ela disse que será o de conversar com as famílias, sem entrar em detalhes de como isso será feito.

Ela também não explicou em que formato funcionará o canal —se pela internet, via telefone ou outra forma— e não citou previsão para a implementação, mas disse que deve ocorrer ainda este ano. O MEC não retornou o contato da reportagem para comentar sobre o tema.

A ministra havia falado sobre o canal de denúncias na segunda-feira, ao compartilhar, no Twitter, uma reportagem do site Metrópoles sobre o caso de um professor de Brasília que teria ensinado sobre sexo anal e oral a alunos do sexto ano e pedido uma redação a respeito do tema.

“Tudo o que nós queremos: bom senso. Foi um episódio de um educador, esse rapaz pode estar doente, perturbado, não está bem orientado, foi um episódio isolado. O que nós queremos é que episódios como esse não aconteçam mais”, disse em Belo Horizonte.

Segundo Damares, o objetivo é trabalhar uma parceria entre escola e família, onde cada um esteja ciente de seu “dever e papel”. Ela garantiu que o objetivo não é punir educadores e que não será instaurada “uma guerra contra a escola”.

“Não existe aqui nenhum governo radical, opressor, que vai proibir falar desses temas, obedecendo o material didático certo, a idade certa e a forma certa de falar”, explicou.

A ministra defendeu que é importante falar de educação sexual nas escolas para “empoderar a criança”.

Damares citou sua própria história de abuso, ocorrida quando tinha 6 anos. Ela conta que não sabia que poderia denunciar o que aconteceu e que, se tivesse sido orientada, estaria empoderada para se proteger.

Em setembro, o ministro da educação, Abraham Weintraub, enviou ofício para as secretarias de educação do país com orientações sobre respeito a crenças religiosas, pluralismo de ideias e sobre o veto de propagandas partidárias em sala de aula. Temas que remetem ao que é preconizado pelo movimento Escola sem Partido.

Na época, Weintraub disse que colocaria os canais de comunicação do MEC à disposição para receber denúncias de casos que fossem considerados extremos.

Em Belo Horizonte, Damares também disse que não estava previsto, mas que irá sugerir que o canal de denúncias seja incluído no Pacto pela Infância —pacto de programas sociais— articulado com outros ministérios.

Ela antecipou outro programa do governo que será anunciado nos próximos dias. O “Creche para todos”, diz ela, tem como meta colocar em dois anos todas as crianças do país, na faixa de 0 a 4 anos, em creches. Os detalhes também serão tratados pelo MEC.

A agenda da ministra na capital mineira incluiu participação em audiências públicas e o recebimento do título de cidadã honorária do estado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Respondendo à pergunta se irá para o novo partido do presidente Jair Bolsonaro, Damares disse que não foi convidada ainda e que irá pensar.

Resultado de imagem para respeito e cidadania

 

– Bolsonaro e China: o que mudou?

Há dois anos, o presidente Jair Bolsonaro proferia um discurso radical, estratégico e correto contra a China. Entretanto, eleito, visitou o país e fez afagos aos sino-dólares (que talvez tenham sido corretos também).

O que mudou?

Relembre, extraído de: https://wp.me/p4RTuC-ljC

A CHINA E AS RIQUEZAS DO BRASIL, POR BOLSONARO

Antes de mais nada, não sou de direita, nem de esquerda e nem partidário. Mas também não sou apolítico, sou um simples cidadão que gosta de reflexões. Portanto, fanáticos e militantes, não venham tecer críticas aqui.

Na “blogosfera”, leio uma reportagem do mês passado que me passou batida: “a entrevistas do pré-candidato a Presidência da República Jair Bolsonaro nos EUA”, com um discurso bem repetido do que foi sua aparição em Belo Horizonte, em Setembro.

Eu acho o militar extremamente radical. Mas não posso deixar de concordar com as seguintes palavras (extraídas da Folha):

“A China está tomando conta do subsolo do Brasil, (…) nós seremos “inquilinos dos chineses em nosso próprio território. Não podemos entregar nosso subsolo a outros países como vem sendo feito. É justo entregar Catalão (GO) e Araxá (MG), ricos em nióbio, às estatais chinesas? (…) Vamos explorar nossas riquezas, quem sabe até abrindo uma saída pro mar para Minas Gerais. Nós vamos satisfazer o desejo do mar de ganhar Minas, podem ter certeza disso. (…) A Renca [Reserva Nacional de Cobre e seus Associados] deve ser explorada, mas não como Temer propôs, abrindo para empresas estrangeiras. Eu topo fazer negócio com partilha com alguns países do mundo: Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, Israel. Só que os chineses ‘estão jogando War’ e temos que nos preocupar com isso”.

Nessa, estou com Jair Bolsonaro (mesmo com muita coisa contra ele, por entender que Jair seja um “Lulinha ‘Paz e Amor’ de extrema direita”). É questão de visão estratégica e de cuidar das nossas riquezas. Aliás, por que pouco se tem feito sobre isso?

bomba.jpg

– Asilo Político onde, caro Evo Morales?

Nações que apoiaram publicamente Evo Morales quando foi reeleito pela 3a vez (mudando as leis do país) e o parabenizaram quando ocorreu o 4o pleito (anulado por fraude): Rússia, Irã, Coréia do Norte, China, Venezuela e Cuba, entre outras. Mas resolveu se abrigar no México, ao lado dos Estados Unidos.

Viver em Caracas ou em Havana, onde tanto se prega a qualidade de vida e Morales (assim como outros mais radicais do Brasil) defendem como modelo, não foi seu destino. Se é amado por lá, por quê o povo não o sustentou? Aliás, a Bolívia era uma nação democrática nesse período?

Precisa perguntar mesmo? 

Chega de intolerância política e demagogia, seja de Esquerda ou de Direita. Que exista respeito e direitos no nosso país vizinho, sem capitalismo selvagem ou comunismo doentio.

Resultado de imagem para Caracas Cuba Bolívia

– Quando o avesso se torna o correto! Lula e Evo!

Eu fiquei assustado ao ver tanto discurso demagógico de algumas pessoas públicas neste final de semana.

Lula teve coragem de dizer após sua soltura, que ele foi preso para que as pessoas que entraram na Petrobrás pudessem saqueá-la! Ué, ele (que dizia não saber nada do Petrolão e foi um dos cabeças do esquema de corrupção mais assustador do mundo) fala isso sem ficar vermelho? Sem contar o discurso afiado (no qual ele é muito bom) e que cativa apenas aqueles que o admiram e não conseguem ver os erros dele (e ainda o querem presidente).

Evo Morales falou que a Bolívia sofreu um golpe. Ah? Não foi ele quem golpeou a democracia local com um 3o mandato e fraudou as Eleições Bolivianas para um 4o mandato? Sabidamente um  ditador que usou muito bem sua fala até agora.

Percebem que o discurso do ERRADO, para muitos, vira o do CORRETO?

Mais ainda do que isso: aos seguidores fanatizados dessas pessoas, automaticamente você se torna inimigo e partidário de outros quando os critica, achando que o mundo é binário, somente de duas opções polarizadas. Se condena Luís Inácio, torna-se ligado a Jair Messias (o que não é verdade). Se não é apaixonado por um deles, se torna o maior pecador do mundo com a alcunha de “isentão” (como se fosse algo pejorativo).

Quando é que começou esse ódio entre brasileiros por conta da Política?

Resultado de imagem para Evo Lula

– Lula e Eduardo Azeredo (petista e tucano) são os primeiros criminosos que dormiram em casa por conta daquele que “quebrou o galho” do filho de Bolsonaro (peesseelista).

A Política não é um lugar de santidade e poucos lá se salvam. Discutí-la com racionalidade se faz necessário. Com passionalidade e idolatria aos protagonistas, torna-se perda de tempo.

Lembram quando Dias Tóffoli, o “ministro-chefe” do STF, suspendeu a investigação dos processos que poderiam complicar a vida de muitas pessoas, incluindo Flávio Bolsonaro? Muita grita com ele na oportunidade, mas nada aconteceu.

Pois é. Devido ao seu voto de minerva na decisão equivocada em soltar os bandidos por conta da não-prisão em 2a instância, esta última 6a feira tornou-se um dia para sair do ambiente da Internet.

Uma loucura o fanatismo entre os amantes radicais de Lula e Bolsonaro nas Redes Sociais (como se o Brasil dependesse exclusivamente desses dois homens), golpeando-se a cada postagem. Nada contra quem vota neles, ou em Alckmin, ou em Ciro, ou em ninguém; mas o que mais me entristece é ver o quanto os seguidores esquerdistas e direitistas mais fanatizados ADORAM esses políticos. Como não conseguem enxergar seus erros, tanto de um quanto do outro?

A propósito, Bolsonaro deve estar contente, pois Lula estando no foco do noticiário faz com que as atenções sobre os filhos “01, 02 e 03” diminuam. Já Lula deveria se lembrar: não era ele que houvera dito que só sairia da cadeia (ou “sala gourmet”) somente quando provasse sua inocência? Ele foi solto, não inocentado.

Triste Brasil… me assusto quando vejo as pessoas acreditando quando um radical é chamado de mito ou quando um corrupto se diz “a alma viva mais honesta do país”.

Em tempo: Eduardo Azeredo foi o segundo beneficiado pela canetada do Supremo.
A culpa, muitas vezes (pasmem) é dos algoritmos do Facebook! Sim, pois ele sugestiona o que você quer ler com mais intensidade para “gostar” ou “se revoltar”. Aí a potencialização do amor e do ódio ganha força.

Por fim, uma curiosa dúvida:

Bolsonaro reclama que a Globo é Petista, mas Lula diz que foi preso por culpa da Globo que não gosta do PT. 

Afinal, a Globo está a serviço de quem?

PIREI…

Enquanto isso, continuamos com nosso Executivo, Legislativo e principalmente o Judiciário trabalhando por várias causas, menos a dos verdadeiros anseios do povo!

(Relembro e insisto: discutir Política, assim como Futebol e Religião – assuntos delicados – é importante, mas desde que exista respeito e racionalidade. Se for para abordar a Política tomado de emoção, paixão ou rancor, se torna algo inútil).

£ AL GAROTAO PROCURANDO

– Decoro em Brasília? Esqueça!

Que bate-boca feio entre o senador Randolfe Rodrigues e o deputado Marcos Feliciano!

O primeiro, que é professor, dá a entender que o presidente Jair Bolsonaro seria um dos cabeças da morte da vereadora Marielle Franco, num radicalismo absurdo. O segundo, que é pastor, parece que defende com a própria vida o Chefe da República fazendo com que o mesmo seja um Jesus Cristo nesta terra.

Nesse extremismo, coisas indevidas surgem. Para rebater o senador, o deputado foi flagrado numa gravação telefônica pedindo para que amigos promovessem uma enxurrada de manifestações virtuais contra seu adversário, mandando até agredir / bater virtualmente.

O que assusta é que, Feliciano, um homem que se diz cristão e pastor de fiéis, esquece-se do “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo” e usa de um tom ameaçador e vingativo que não condiz em nada com o Cristianismo. Em contrapartida, Randolfe, que deveria ensinar os alunos a necessidade de civilidade e sensatez na sociedade, age com uma falta de ponderação muito grande e não ensina as pessoas a não criarem teorias conspiratórias inadequadas.

São esses os governantes e guardiães das leis do Brasil, lamentavelmente.

Resultado de imagem para Randolfe feliciano

– Bolsonaro, príncipe árabe, Lula, ditador sírio, AI5… Pobre Brasil!

Tudo deve ser sempre ponderado: se muitos criticam o presidente Bolsonaro em se reunir com o príncipe árabe Mohammad bin Salman (acusado de mandar matar um jornalista) e outro tanto de pessoas defendem que foi uma reunião de negócios, deve-se fazer a mesma correlação das vezes em que Lula se reuniu com o sanguinário ditador líbio Kadafi e o atual mandatário sírio Bashar al-Assad.

A diferença do populismo dos dois governos (ambos detonam a Globo, chega a ser hilário) é que os filhos do petista faziam negócios / negociatas sem aparecer; os do pesselista escancaram no microfone, como a idiotice que fez Eduardo Bolsonaro ao defender um AI – 5!

Tenha a santa paciência… coitada da nossa democracia!

Resultado de imagem para Lula Bolsonaro