– Em qual dos 3 candidatos eu votaria nas Eleições do Safesp?

Respeito qualquer forma democrática de escolha de representantes em todos os órgãos em que existe eleição. Opinar e exercer a liberdade de expressão nos permite comentar, especialmente se há conhecidos nela (ao contrário de pessoas truculentas que possam argumentar que “se não vai votar, não lhe diz respeito”… ô pessoal que se acha acima do bem e do mal!).

Enfim: fui associado ao SAFESP (porquê era obrigado pela FPF, senão eu não poderia apitar jogos pela entidade – e ela ainda obrigava a abrir mão de qualquer vínculo assinando uma carta de próprio punho de que era prestador autônomo de serviços), e agora, esse mesmo Sindicato dos Árbitros vive uma “briga de foice” pelo poder.

Deixei bem claro minha posição quando os candidatos eram Arthur Alves Junior e Aurélio Sant’Anna Martins. O texto está abaixo:

(Em: https://professorrafaelporcari.com/2019/04/12/esclarecimentos-sobre-minha-posicao-sobre-as-eleicoes-2019-do-safesp/).

Agora, acompanho a loucura que tem sido a campanha dos 3 nomes que buscam a enrolada Eleição, depois da decisão final da Justiça: o próprio Aurélio, José Assis Aragão e Renato Canadinho.

Se o novo presidente quer ser desprovido de qualquer problema, dedicado de verdade e livre de qualquer amarras, pense:

  • Dever-se-ia residir na Capital (sei que é um esforço hercúleo abandonar a família se estiver no Interior e fixar residência nova em São Paulo) ou mudar a sede / criar uma sub sede / ter um vice que possa se fazer totalmente presente na ausência (embora o Sindicato seja estadual, é evidente que por questão logística o ponto principal é a cidade-mãe).
  • Não deve estar apitando, nem filiado a Federação alguma, tampouco manter qualquer laço profissional ou amador com a entidade (ou “as entidades”) em que possa ocorrer conflito de interesse ou incompatibilidade de cargos.
  • Precisa ter FICHA LIMPA, seja por senso comum, empatia com os outros árbitros ou o não envolvimento em nenhum escândalo na vida pessoal ou na vida dentro do futebol. Nem ser protagonista ou cúmplice de coisa que possa ser classificada como IMORAL ou ANTIÉTICA.
  • Estar totalmente sem vínculo com membros das diretorias anteriores (do presidente que ficou por muitos anos e dos pares dele), a fim de mostrar independência.
  • Ser remunerado, para ser um profissional na função e COBRADO pelo desempenho, evitando as desculpas de que a pessoa é uma “abnegada pela causa”.

Qual dos 3 nomes preenche esses quesitos? Para mim, o candidato ideal deveria ter essas qualificações. E como não sou eleitor, mas um atento observador, fico curioso em saber qual deles se enquadra nesse “perfil perfeito”.

Para encerrar essa postagem, duas observações não tão claras a mim (por distanciamento dos bastidores do imbroglio):

1- Quem é OBJETIVAMENTE o candidato situacionista e os da oposição?

2- Por quê não, para mostrar que todos os candidatos querem o bem do SAFESP, entrarem em acordo na contratação de uma empresa para fazer auditoria que seja aceita pelos 3 ANTES DO PLEITO (contrata antes e executa-se assim que possível o serviço)? Isso evitaria de se colocar em dúvida que a empresa A poderia beneficiar pessoa X ou algo que o valha, tendo a cautela que se paire dúvida na credibilidade pós-eleição. Simples!

O que me assusta é: perfis fakes, denúncias vazias, notícias falsas… contra tudo e contra todos!

Resultado de imagem para Apito e cartão de futebol

– As câmeras para ajudar o futebol! Das ideias do Rúgbi para o seu primo-irmão, o Soccer.

Li em um artigo de 2015 algo muito interessante: 9 ideias de parceiros organizadores e patrocinadores da Copa do Mundo de Rúgbi para deixar a sensação do torcedor mais próxima da dos atletas.

O link está em: https://m.tecmundo.com.br/esporte/87971-9-dispositivos-deixariam-partidas-rugby-tecnologicas.htm

Mas os três principais detalhes das propostas ali elencadas e que me fizeram atentar para a postagem (seriam extremamente legais para o futebol) são:

  1. Câmeras futuristas nos uniformes dos jogadores, a fim de que os telespectadores possam ter a mesma expectativa e visão de quem chuta uma bola;
  2. Detector de concussões, através de micro-sensores.
  3. Câmera acoplada no microfone do árbitro, a fim de que quem esteja assistindo, possa ter o mesmo ângulo do árbitro para entender o que foi marcado (sendo também mais uma imagem para o VAR compartilhar em caso de necessidade).

E aí, o que você pensa sobre essas ideias? Deixe seu comentário:

 

– O novo VAR para a final da Libertadores entre River Plate x Flamengo

Ontem abordamos a entrevista do árbitro de vídeo Diego Haro, do Peru, que trabalharia na final da Libertadores da América. Na oportunidade, criticamos o fato dele elogiar demasiadamente a todos e fizemos uma ponderação sobre ser discreto.

O texto está em: https://professorrafaelporcari.com/2019/11/19/arbitro-nao-pode-criticar-nem-elogiar-mas-o-profissionalismo-esta-em-falta/

Pois bem: a Conmebol trocou o VAR (para mim, uma decisão acertada). No lugar dele entrará o uruguaio Esteban Ostojich.

Que tudo ocorra bem na finalíssima tão aguardada por argentinos e brasileiros!

arbitro-matt-conger-consulta-o-video-na-partida-entre-nigeria-e-islandia-1531418263304_v2_900x506

– Mais casos de manipulação de resultados no Futebol Paulista por parte de apostadores!

Virou um inferno! De novo, a Polícia investiga casos de manipulação de resultados nas divisões de acesso e amadoras da FPF. Os apostadores estão fazendo e oferecendo de tudo!

Abaixo, revelado pelo GloboEsporte.com, a matéria completa (extraída de: https://globoesporte.globo.com/blogs/bastidores-fc/post/2019/11/19/manipulacao-em-sp-policia-apura-tentativa-compra-de-goleiro-e-proposta-por-14-escanteios.ghtml)

MANIPULAÇÃO EM SP: POLÍCIA APURA TENTATIVA DE COMPRA DE GOLEIRO E PROPOSTA POR 14 ESCANTEIOS

GloboEsporte.com mostra detalhes dos inquéritos abertos na Polícia Civil de São Paulo. Presidente de clube diz que goleiro abordado por grupo de advogados ficou “assustado”

Inquéritos abertos na Drade: tentativas de manipulação de resultados em SP — Foto: Vicente Seda

Inquéritos abertos na Drade: tentativas de manipulação de resultados em SP — Foto: Vicente Seda

A Polícia Civil de São Paulo investiga atualmente oito casos de manipulação de resultados em partidas de futebol no estado, envolvendo times de diferentes divisões. Três casos partiram de denúncias de atletas, árbitros e treinadores; os demais foram levantados pela empresa que monitora os campeonatos da Federação Paulista de Futebol (FPF). O setor que concentra os inquéritos, a Delegacia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva (Drade), está desde junho sob comando do delegado César Saad. Ele vê um crescimento no assédio a jogadores e árbitros. Nem sempre o resultado do jogo está em questão.

Em um dos casos investigados, por exemplo, um árbitro denunciou uma abordagem para que garantisse a marcação de pelo menos 14 escanteios na partida. Outro caso que também está sob investigação, e já tem identificado o autor da abordagem para manipulação de um resultado de jogo, mostra que o problema não se limita mais a máfias do exterior. Grupos locais também estão se organizando para esse tipo de prática. Neste caso específico, trata-se de um grupo de advogados.

– Para nós, são dois casos que mais chamam atenção: esse do Flamengo de Guarulhos, que o menino recebe uma ligação de um advogado, onde fala que existe um grupo de advogados que promovem apostas. Ele propõe ao atleta que leve dois gols no primeiro tempo. Uma aposta nesse sentido paga muito mais nas bolsas de aposta do que o resultado final em si. E ele diz ao atleta que entraria em contato também com o goleiro do Jabaquara para que levasse dois gols no segundo tempo – explicou Saad, que complementou em seguida:

– Outro caso mais recente é um caso inusitado onde o árbitro é procurado. Ele é aliciado para que permita ou garanta que sejam cobrados 14 escanteios na partida. É uma ferramenta específica, você imagina o quanto não pagaria a um apostador se ele acertar que naquele jogo seriam cobrados 14 escanteios.

Delegado César Saad, titular da Drade, cuida de oito inquéritos de manipulação de resultados no momento — Foto: Vicente Seda

Delegado César Saad, titular da Drade, cuida de oito inquéritos de manipulação de resultados no momento — Foto: Vicente Seda

Flamengo Guarulhos x Jabaquara

Campeonato Paulista Sub-20 – Segunda Divisão
Início do inquérito: 27/08/2019

Caso que mais chamou atenção da Polícia Civil por envolver um grupo de advogados apostadores, a tentativa de manipulação foi específica, com objetivo de que o goleiro do Flamengo, Diogo Calheiros Fernandes, sofresse dois gols no primeiro tempo, e o goleiro do Jabaquara fizesse o mesmo na etapa final. Com a negativa de Diogo, o goleiro do outro clube não foi abordado. De acordo com o inquérito, R$ 5 mil chegaram a ser oferecidos ao jogador que denunciou o aliciamento, além de ter sido ofertada a possibilidade de contraproposta. O jogador não recebe salário do clube, somente uma ajuda de custo do seu empresário de R$ 600 mensais.

Goleiro do Fla de Guarulhos é abordado para fabricar resultado. Ele negou e denunciou o caso — Foto: Reprodução

Goleiro do Fla de Guarulhos é abordado para fabricar resultado. Ele negou e denunciou o caso — Foto: Reprodução

A reportagem do GloboEsporte.com tentou contato direto com Diogo, sem sucesso. Por telefone, o presidente do Flamengo de Guarulhos, Edson David Filho, informou que o atleta ficou “assustado” com a abordagem e está incomodado com os desdobramentos do caso, pois já precisou depor na Polícia Civil e na Justiça Desportiva. Apesar da conduta exemplar do atleta, o dirigente pediu que não houvesse entrevista com o jovem de 18 anos.

– Ficou bem assustado. A pessoa até falou que se quisesse colocar mais alguém no meio, outro jogador, (ele) poderia até indicar. Quando chegou para nós, já fizemos contato com a ouvidoria da FPF – explicou o dirigente, ressaltando que foi a primeira vez que teve notícia de um contato dessa natureza com atletas do clube.

O autor da abordagem já foi identificado pela Drade e está indiciado. Luiz Henrique Gonçalves Inácio, de 22 anos, é estudante do quarto ano de Direito, mas trabalha fora da área, em uma empresa de logística. Além do valor do seu salário ser inferior ao que foi ofertado, mensagens do aliciador em posse da polícia apontam que um grupo de advogados estaria por trás da aposta.

O delegado também falou sobre o indiciado como autor do crime:

– É um estudante do quarto ano de Direito, trabalha na iniciativa privada, em uma empresa de logística, não trabalha na área de Direito, ganha R$ 2.600 e chegou a oferecer R$ 5 mil. Ele aqui alega que queria ser empresário de jogador de futebol, queria entrar no mundo futebolístico. Mas não tem ligação nenhuma com clube ou atletas, nada disso. Ele fala claramente que pertence a um grupo de advogados que apostam nesses sites, nessas bolsas de aposta. O atleta tem 18 anos, joga na Quarta Divisão, ele só entrou em contato, deu o telefone dele, porque acreditava que fosse uma proposta para jogar.

Em depoimento à Polícia Civil, Luiz Henrique negou a tentativa de aliciamento e afirmou não fazer parte de qualquer grupo de apostas. Alegou que queria ajudar financeiramente o atleta e pretendia ser seu empresário. No fim do depoimento (veja a imagem com a íntegra), o defensor do acusado informou que todos os contatos foram “através do próprio telefone do indiciado, imaginando não incorrer em qualquer crime, demonstrando assim sua boa fé”.

A reportagem tentou contato com Luiz Henrique através do telefone que consta no inquérito, deixou recado em caixa postal, mas não obteve retorno.

São Bernardo x RB Brasil

Campeonato Paulista Sub-20
Início do inquérito: 04/10/2019

O outro caso que ligou o alerta na Polícia Civil foi denunciado por um árbitro. Uma pessoa identificada por “Pedro Almeidaum” entrou em contato através de rede social com a esposa de Willer Fulgêncio dos Santos, alegando que ele não respondia em seu perfil e pedindo o celular para entrar em contato. Disse ainda que apitava jogos com Willer. A esposa então enviou mensagem ao árbitro perguntando se conhecia a pessoa.

De acordo com a denúncia, um homem se fez passar por árbitro em rede social. Em contato por mensagem, chegou a oferecer R$ 3 mil. Veja o relato enviado a Saad pela delegada Margarete Barreto:

“Informo que a Comissão de Arbitragem, através do Sr. Martinucho, foi procurada pelo árbitro Willer Fulgêncio dos Santos para denunciar oferta de Manipulação de Resultado. Segundo o árbitro Willer, um homem que alegou ser árbitro passou uma mensagem no Facebook de sua esposa e pediu o telefone de Willer. A mulher, desconfiando ser outra mulher, passou seu telefone celular e recebeu via Whatsapp a mensagem contendo a oferta de manipulação, que seria de três mil reais, para que no jogo São Bernardo x RB Brasil, de hoje, às 15 horas, ocorressem mais de 14 escanteios. O ofertante esperou resposta e na ausência dela acabou por deletar o conteúdo das conversas, as quais foram copiadas pela mulher e seguem abaixo.

Apostador abordou até mulher de árbitro para buscar contato — Foto: Reprodução

Apostador abordou até mulher de árbitro para buscar contato — Foto: Reprodução

O árbitro foi orientado pelo Sr. Martinucho (Luiz Vanderlei Martinucho, membro da comissão de arbitragem) a enviar áudios e fotos do ocorrido para apuração pela Corregedoria.

O telefone usado para a oferta de manipulação é da região de Campinas – SP – 19 XXXXX-XXXX.

Diretor Dionísio ciente”.

A reportagem entrou em contato com o árbitro Willer Fulgêncio dos Santos, que se mostrou disposto a falar sobre o caso, mas avisou que precisaria de autorização da FPF. A entrevista foi vetada pela Corregedoria da entidade em função de o caso ainda estar sob investigação.

Mauá Futebol Clube

Mauá FC x Grêmio Mauaense
Início do inquérito: 11/09/2019

Outro caso recente que a Polícia Civil ainda busca chegar aos apostadores aconteceu no Mauá FC. O presidente do clube, Vagner Alberto Tegi, enviou no dia 11 de setembro um ofício à presidência e à Corregedoria da FPF informando sobre uma tentativa de abordagem ao técnico da equipe Sub-20. A informação foi repassada para investigação da Drade. No documento da Federação do dia 23 de setembro o caso é narrado dessa forma:

“Membro da comissão técnica do Sub-20 recebeu um Whatsapp convidando-o para saber de detalhes de ‘apostas’, anexando documentos que comprovam a conversa. O aliciador se apresentou como Gustavo e usou a linha telefônica +55 68 XXXXX-XXXX”, disse a mensagem de Margarete Barreto, coordenadora pedagógica e corregedora interina da entidade, ao departamento jurídico da FPF, que, por sua vez, encaminhou o documento à Polícia Civil.

Abordagem por mensagem ao técnico do Sub-20 do Mauá FC — Foto: Reprodução

Abordagem por mensagem ao técnico do Sub-20 do Mauá FC — Foto: Reprodução

O inquérito é bastante recente e segue em aberto. A Polícia Civil ainda busca chegar à identidade do aliciador. Foi tentado contato com a pessoa que fez a abordagem no celular que consta no inquérito, mas sem sucesso.

Denúncia feita à FPF de tentativa de manipulação feita pelo Mauá Futebol Clube — Foto: Vicente Seda

Denúncia feita à FPF de tentativa de manipulação feita pelo Mauá Futebol Clube — Foto: Vicente Seda

Vagner Tegi, presidente do Mauá, contou por telefone que foi a primeira vez que teve notícia de abordagem a um profissional do clube e que a situação faz com que a instituição se sinta vulnerável. O Mauá comunicou imediatamente à FPF ao tomar conhecimento da abordagem, mas Tegi teme que outras pessoas não tomem a mesma atitude.

– O nosso time é novo, apenas dois anos de federação. Nunca tivemos um contato nesse sentido, essa foi a primeira vez. Na verdade a gente se sente triste e indefeso, vulnerável a qualquer tipo de atitude. A gente fica vulnerável. Se veio oferta para a gente, pode ter para outros clubes. No nosso caso, na nossa índole, o nosso corpo diretivo não corrobora esse tipo de atitude.

Baixos salários e jogos sem transmissão facilitam assédio

Para o delegado Saad, a realidade dos clubes brasileiros que não figuram na elite nacional facilita a aproximação. Jogadores passam dificuldades e, segundo o titular da Drade, os valores oferecidos por vezes se aproximam ou até superam o que conseguiriam receber em um ano de trabalho.

– É muito pelos baixos salários, às vezes pelo não recebimento de salários. Em um dos inquéritos, o jogador, o goleiro, fala que não recebe salário do clube, recebe uma ajuda de custo do empresário dele. E que isso obviamente facilita a manipulação do resultado, o atleta ser aliciado. Nesse caso ele recebe uma ajuda de custo de R$ 600 e ofereceram R$ 5 mil, sendo que ele poderia fazer uma contraproposta – explicou.

A ausência de transmissão na TV e o pouco interesse na partida facilitam especialmente no caso de apostas específicas, nas quais o resultado final não é o alvo da manipulação.

– Fica muito difícil identificar. Em uma partida de Série B, que é a quarta divisão estadual, obviamente não existe VAR, o público é muito pequeno, não tem televisão, ou seja, passa despercebido. Uma marcação, uma dúvida entre uma falta ou um escanteio… Se o árbitro está comprometido com o aliciador, pode muito bem ceder a esse tipo de aposta, o que geraria um número certamente muito alto a ser pago aos aliciadores – completou o delegado.

O presidente da comissão de integridade da Federação Paulista de Futebol (FPF), Paulo Schmitt, questionado se o trabalho preventivo realizado pela entidade é suficiente para barrar a interferência de apostadores nas competições, afirmou:

– Não há garantias, o número cresce no mundo todo. Mas a FPF aposta em integridade acima de tudo para proteger o futebol paulista. O trabalho da Comissão com o lançamento da Cartilha e ações educativas e preventivas tem sido bastante eficaz, as denúncias são estimuladas e apuradas com rigor. Mas não será suficiente se não houver sanção e rapidamente. Porém a máxima é: “Educar antes para não punir depois!”

 

– Árbitro não pode criticar, nem elogiar! Mas o Profissionalismo está em falta…

Um juiz de futebol deve se manter o mais distante possível de polêmicas. Quanto mais importante o jogo, maior a introspecção e o “sumiço” de redes sociais e entrevistas.

Criticar alguma equipe ou jogador é um erro para o árbitro. Elogiar? Idem, pois qualquer erro em campo será questionado pela afinidade ou simpatia demonstrada. Mas não é isso que pensa o árbitro de vídeo Diego Haro, do Peru, que trabalhará em Flamengo x River Plate, que mostrou grande admiração por todos os envolvidos e palpitou bastante sobre a partida à Rádio Mitre de Buenos Aires!

Eu evitaria tal exposição, e se fosse a Conmebol, daria um belo puxão de orelhas no VAR (ou até o substituiria).

Abaixo, reproduzido pela ESPN Brasil, em: https://t.co/oLmv0ZxIDF?amp=1

ÁRBITRO DO VAR DÁ OPINIÃO SOBRE OS CLUBES E “TÉCNICO MUITO CAPAZ”

O Flamengo decidirá a Libertadores da América contra o River Plate neste sábado, no Estádio Monumental U, em Lima, no Peru. E mesmo quatro dias antes do apito inicial, já existe uma situação no mínimo inusitada com a arbitragem.

O árbitro peruano Diego Haro, que será responsável pelo VAR na final, colocou a cautela de lado e deu uma entrevista colocando sua opinião sobre os dois times que estarão em campo no fim de semana.

“Duas equipes com muita história. Um está ganhando tudo, o outro vai em busca de fazer história. Ambos têm muita torcida na América do Sul, ambos vem jogando de uma maneira espetacular. Os dois têm técnicos que sabem muito de futebol. Tem todos os ingredientes para uma grande final, tudo”, disse o árbitro de vídeo da decisão em entrevista à Rádio Mitre, do Grupo Clarin, em Buenos Aires.

Os argentinos, interessados no lado do River Plate, perguntaram sobre a revolução que a equipe de Marcelo Gallardo proporcionou nos últimos anos, saindo da segunda divisão e alcançando o topo da América.

“Volto um pouco no tempo. Uma equipe que ganhou praticamente tudo, na Argentina, torneios internacionais… São cinco anos e, se não me engano, 13 títulos. É uma equipe que quando começou, o técnico deu a ideia, os jogadores acreditaram. Podem vender seis, sete jogadores, mas o técnico é tão capaz que muda e mantém a mesma mentalidade ganhadora. Por isso, segue vencendo”, opinou o árbitro.

Diego Haro, contudo, não falou apenas nos argentinos e fez questão de elogiar também os brasileiros.

“Uma equipe como o Flamengo está a menos de oito meses com o técnico e já tem uma ideia de futebol. Tem jogadores que também acreditam no técnico. Se vê em campo. Por isso, insisto: são duas equipes com realidades diferentes. Uma tem cinco anos e 13 títulos. Outra, tem meses e já pode ganhar dois títulos”, opinou o peruano.

“Estou seguro que a arbitragem para este dia também será de alto nível, tão seguro que me sinto muito tranquilo da capacidade do árbitro de campo e estaremos lá para servi-lo. Para confirmar ou, de repente, reavaliar alguma situação”, completou Diego Haro.

Em campo, quem comandará a decisão será o chileno Roberto Tobar, que também apitou a final da Copa América entre Brasil e Peru. Os auxiliares serão seus compatriotas Christian Schiemann e Claudio Rios, com o colombiano Andres Rojas de quarto árbitro.

i

– O pênalti inexistente em Grêmio 0x1 Flamengo

Respeitando a interpretação, entendo equivocada a marcação do pênalti convertido por Gabigol pelo Flamengo, após a bola bater na mão de Léo Moura. E explico: 

  • Quando surgiu o incremento da avaliação de “movimento antinatural de mão na bola” nas regras do jogo, a CBF (através de um vídeo da Comissão de Árbitros apresentado por Ana Paula Oliveira, retratando um lance de Palmeiras x Fluminense) reproduziu equivocadamente a orientação, onde qualquer bola que bata na mão em um carrinho fosse entendida como infração.
  • Recentemente, a FIFA alertou aos árbitros que essa “mão de apoio” não seria um movimento antinatural, mas natural e não infracional. Os pênaltis que estivessem sendo marcados de tal forma, seriam errados.
  • Diferente de mão de apoio num carrinho para roubar a bola, há outra situação: a de se jogar para diminuir o espaço e bloquear intencionalmente a bola com as mãos. Se foi isso que entendeu Raphael Claus ao marcar o pênalti, entendo, respeito, mas não interpreto de tal forma e discordo da marcação. Para mim, houve movimento natural e não infracional.

Lembrando: estamos falando de interpretação. Então, é difícil bater o martelo e acusar de erro grosseiro.

Resultado de imagem para gremio flamengo mao leo moura .

– Palmeiras 1×1 Corinthians: e o pênalti marcado no Derby?

Puxa, fiquei triste com o pênalti mal marcado pelo Tito (Vinícius Gonçalves Dias Araújo, o bom árbitro que se equivocou ontem) no clássico paulista pelo Brasileirão. Ele caiu na mesmice e no medo de agradar a cartolagem da CBF que prefere marcar um pênalti de bola que bata sem intenção nenhuma na mão do que a coragem de mandar seguir o jogo.

Não foi pênalti. E se você quiser ter certeza DE QUANDO SE DEVE OU NÃO MARCAR INFRAÇÃO por uso indevido das mãos na bola, leia o texto explicativo (de maneira bem didática) no link em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2019/08/09/o-que-mudou-ou-nao-na-regra-da-mao-na-bola/

O problema reside em: os árbitros brasileiros, quando apitam fora do Brasil, não marcam esse tipo de coisa. É receio de veto?

Resultado de imagem para Palmeiras x corinthians mão

– O Céu e o Inferno do Santos Futebol Clube

Pense: Diego, Robinho, Neymar… quantos jovens jogadores foram revelados pelo Santos Futebol Clube, e quantos milhões de dólares / euros turbinaram as receitas? Que clube abençoado por craques pelos deuses da bola.

Pense também: quantas confusões no campo político estamos vendo há um bom tempo. Que clube confuso demais! Presidente e treinador não se entendem, idem ao vice, divisão entre “turma da Capital e turma do Litoral”….

Depois dessa observação, lembre-se que Rodrygo, a nova sensação do Real Madrid e que fez 3 gols no último jogo da Champions League, estava no Peixe. Gabigol e Bruno Henrique, prováveis atacantes campeões brasileiros pelo Flamengo, também.

Enquanto revela e vende atletas que são sucesso, o clube gasta milhões com Leandro Damião e Cueva. COMO isso pode acontecer?

À luz da razão, inexplicável… os bons de bola estão lá e são negociados; os que custam caro e são duvidosos, chegam. Por quê?

Resultado de imagem para Rodrygo

– Sobre as arbitragens de Corinthians x Fortaleza e Vasco x Palmeiras:

Vou ser bem direto: em todas as rodadas e em vários jogos estamos tendo verdadeiras lambanças da arbitragem. Não assisti nem ao jogo do Verdão e nem ao Coringão, mas leio que seus adversários estão fulos com os erros dos juízes.

Reflita: o VAR não era para esclarecer lances polêmicos e corrigir erros crassos? O equipamento eletrônico fez regredir a Justiça em campo?

Claro que não… o problema são as pessoas que comandam a tecnologia e dos cartolas que orientam os árbitros. Não procurei ver os supostos erros pois o grande tempo perdido em assistir tanta coisa e os absurdos vistos, me trazem à seguinte percepção: lamentavelmente, aqui no Brasil, teremos que abandonar o uso do Árbitro de Vídeo unicamente pela falta de competência.

Algo há de ser feito. Não adianta ficar treinando em Águas de Lindóia e na prática nada dar certo. Ou então nos questionemos em outra situação: a safra (de formadores de árbitros ou de árbitros propriamente ditos) é fraca?

 

– O que a IFAB pede ao VAR e o que o Brasil faz com ele!

Eu levei um susto. Na verdade, 3 sustos!

1. Acessando a página da arbitragem da CBF, (faço isso com frequência) vi que o Livro de Regras 2019 / 2020 em português (ou seja: as Regras atuais do Brasileirão) foram publicadas / disponibilizadas pela entidade há… 1 semana (mas o Campeonato Brasileiro não começou há 7 dias, e hoje é 05 de novembro).

2. Li um sem-fim de mensagens introdutórias e de saudações de muitos (mas muitos mesmos) cartolas do apito. Sabe aqueles dirigentes que foram demitidos das Comissões de Árbitros? Estão todos lá, remanejados em outros cargos, orientando os juízes.

3. O susto maior: na página 156, há uma circular da International Board, assinada por Lukas Brud, um secretário que por minha ignorância desconheço, e que explica com perfeição como deve funcionar o VAR. Vale a pena ler, em especial os grifos:

PROTOCOLO DO VÍDEO ASSISTANT REFEREE (VAR)

O uso de VARs é apenas para “erros claros e óbvios” e para “sérios incidentes perdidos” (os árbitros não viram o que aconteceu), em situação de gol/não gol, pênalti/não pênalti, incidente de cartão vermelho direto, ou por identificação equivocada relacionada a um Cartão Amarelo-CA ou Cartão Vermelho-CV. 

O princípio de que a decisão original de campo deve permanecer, a menos que haja um “erro claro e óbvio”, aplica-se a todas as decisões passíveis de revisão, ou seja, uma decisão de campo só deve ser alterada se for “claramente errada”.

Para decisões factuais (ex: local de uma infração; posição de jogadores em situações de impedimento; adiantamento de goleiro em um pênalti ou tiro livre da marca penal; bola em campo/fora de campo etc.) o VAR deve informar ao árbitro se houver prova clara da situação. Se a situação não estiver clara (devido à posição/ângulo de câmera, dificuldade em determinar o momento exato em que a bola é jogada, etc.) o VAR não intervém.

O protocolo não permite que os árbitros “revejam” incidentes em que a decisão original de campo não seja um erro “claro e óbvio”. Não são permitidas “revisões” para uma “segunda chance”; para analisar um incidente ou confirmar  / “vender” uma decisão que não seja claramente errada.

Esperamos que estes esclarecimentos ajudem na aplicação das Leis do Jogo 2019/20 e que os árbitros, demais participantes e a mídia sejam instruídos e informados o mais rápido possível. 

Sendo necessários mais esclarecimentos, envie um e-mail para lawenquiries@theifab.com.

Sinceramente, The IFAB
Lukas Brud – Secretário

Repararam que é exatamente o CONTRÁRIO do que está sendo feito? Aqui, os erros graves ou de interpretação, dúvidas escabrosas ou ajustadas, lances importantes e irrelevantes… tudo é jogado para o VAR! Se faz uma conferência e o árbitro praticamente “delega” a decisão.

Tá explicado o motivo do Árbitro de Vídeo ser tão falho em nosso país. Mas onde estão as pessoas responsáveis para corrigi-lo?

Respondo: DENTRO das cabines do VAR, errado junto! É só ver nas escalas.

Resultado de imagem para FIFA REgras do JOgo

– Como entender os erros de Palmeiras 1×0 Ceará? E o VAR serve para quê?

Felipe Fernandes de Lima, o novato árbitro mineiro da partida entre Palmeiras 1×0 Ceará, não pode ser responsabilizado sozinho pela sua má atuação. Em que pese não ter sido ajudado na invasão de área pelo bandeira 1 na cobrança de pênalti defendido por Weverton (deveria  voltar o pênalti, pois o time que defendeu teve atletas invasores), ou pelo impedimento ajustado marcado com erro pelo bandeira 2, ou ainda pela péssima ajuda do pessoal de vídeo, a culpa é da CBF e dos clubes.

A má preparação da equipe de arbitragem (9 pessoas para uma partida ontem), entre elas, o chefe do VAR Sérgio Correa da Silva, é problema da CBF. Há pessoas que por décadas estão lá migrando de cargos na arbitragem, e mesmo quando incompetentes, são remanejados para outros departamentos que envolvam os árbitros – e sempre muito bem remunerados.

os clubes são culpados pela incoerência. O Palmeiras, há 3 rodadas, foi ao Rio de Janeiro e detonou o VAR em seus jogos. Fará o mesmo agora, que ao invés de erros contrários, os teve a favor?

Por fim: nem é preciso falar que é inexplicável o erro do impedimento decisivo contra o Ceará: se não tivesse o VAR, seria aceitável. Mas com o uso dos recursos eletrônicos, como explicar tal erro?

Isso fomenta as teorias das conspirações, como as de que: se o Palmeiras perder pontos em casa, o Flamengo será campeão muito cedo; ou de que o erro contra o Ceará ajudaria o Fluminense a fugir do rebaixamento. Claro, não podemos acreditar na desonestidade e nestas ideias. Mas…

Enfim: é questão de mudar TUDO no futebol brasileiro, urgentemente.

Resultado de imagem para Palmeiras x Ceará

– Racismo DE NOVO na Itália?

Mário Balotelli foi vítima de racismo durante a partida de futebol entre Verona x Brescia. Mais um dos muitos casos que ocorrem na Europa, especialmente na Itália. O Protocolo FIFA contra a discriminação foi acionado, mas… não cansa ler que o time vai ser punido e blablablá, e os atos racistas continuam?

Que raio de civilização estamos vivendo, onde idiotas julgam que a cor da pele distingue pessoas em dignidade?

i

– Análise da Arbitragem de Paulista 3×3 Marília. Galo campeão da 2a Divisão!

Pela 1ª vez, não vou terminar minha publicação com a análise completa da arbitragem da decisão da 4ª divisão. O árbitro Douglas Marques das Flores se perdeu no 2º tempo, precisou de ajuda do policiamento para terminar o jogo sem a bola rolando e desagradou ambas as equipes.

A quem possa interessar, o rascunho até os 84 minutos de jogo (quando tivemos futebol). Lamento demais as situações de conflito vistos, espero que os jogadores e pessoal da Comissão Técnica que tumultuaram a partida sejam punidos na medida justa.
Uma arbitragem que começou boa e sucumbiu ao nervosismo no final do jogo. Abaixo:

Em tempo: no final da publicação, o apito final na voz de Rafael Mainini. Parabéns Paulista Futebol Clube e torcedores, pela bonita festa realizada!

REDIGINDO –
Tivemos duas arbitragens na partida: boa no 1º tempo e ruim no 2º. Vamos à análise?
Na primeira etapa, uma arbitragem intensa, conforme foi a partida. Douglas Marques das Flores precisou correr bastante e utilizar muito do auxílio dos bandeiras (especialmente do assistente 1, Gustavo Rodrigues de Oliveira) para ter o total controle da partida. Um trabalho de equipe, verdadeiramente.
Disciplinarmente, não há o que criticar – pois dois lances um pouco mais duros (cometidos por Pedro Demarchi, do PFC, e Mikaell, do MAC) ele usou o mesmo critério e não aplicou o cartão amarelo.
Tecnicamente, me chamou a atenção em dois lances de vantagens: não deu aos 2 minutos em Ednan (PFC), já que o adversário sentia uma contusão próxima a jogada e optou por parar (acertou também) aos 13m, quando deu vantagem em falta recebida por Jefferson (PFC) onde o lance virou um bom contra-ataque.
Uma situação que não gostei ocorreu aos 26m do 1º tempo, onde foi marcado de maneira duvidosa um tiro de meta ao Marília, e após uma dúvida entre bandeira 1 e árbitro, mudou-se a marcação para escanteio. Durante a cobrança, optou-se por marcar o famoso “perigo de gol”… ou seja: na falta de certeza e para evitar confusão, achou-se uma falta que ninguém viu.
A polêmica do jogo: o 2º gol do Paulista, aos 8 minutos do segundo tempo: Matheus Moraes se aproveitou da lambança do time de Marília (houve uma trombada de dois jogadores do mesmo time e se pediu falta). O árbitro e o bandeira não confirmaram com convicção o tento e a confusão se instaurou. O gol foi normal, mas foi nítido que Evandro de Melo Lima (o bandeira 2) e Douglas Flores sentiram. E aí, conforme a partida foi se desenrolando, claramente o juizão se perdeu por uma boa prte da segunda etapa. Tanto que aos 65 minutos Mikaell comete uma falta na mesma intensidade que Gabriel Terra (que foi amarelado) e nessa oportunidade não foi.
Mas no final da partida (tumulto, explicar, baderna)
Enfim, há de se falar sobre o excelente condicionamento físico, pois o jogo foi extremamente corrido e o árbitro se posicionou muito bem. Quanto a isso, não há o que questionar.
Obs: gostaria de relatar um lance de desconhecimento de regra: aos 6 minutos do segundo tempo, a bola bateu no árbitro e corretamente foi marcado o bola ao chão. Sem saber da mudança da regra (antes, o árbitro era neutro e o jogo seguia), nenhum atleta do Galo foi disputar o Bola ao Chão, dando a posse de bola “de graça” ao Tigre.
Cont:
Quarto Árbitro bobeou com o treinador Ricardo Costa. Até mesmo Agnaldo Vieira, que tem uma função burocrática, precisou segurar o banco do MAC (e não era função dele). Incluindo o jogador 17, que estava no banco.
Público 7.895
R$ 126.260,00

Em: https://youtu.be/93w4hbUMNVk

Títulos do Paulista no século 21 (vejam os treinadores)
2001 – Brasileiro Série C: Giba
2001 – Série A2: Giba
2005 – Copa do Brasil: Vagner Mancini
2010 – Copa Paulista: Fernando Diniz
2011 – Copa Paulista: Wagner Lopes
2019 – Segunda Divisão: Edison Fio
(por Rivelino Teixeira).

– Saiu a Escala da final entre Paulista x Marília: boa ou não?

Douglas Marques das Flores apitará a final do Campeonato Paulista Sub23 da 2a divisão. Boa ou má escala?

Para esse jogo, boa indicação. Se fosse para Corinthians x Palmeiras na série A do Brasileirão, não! E explico: o Douglas já atuou em Jayme Cintra nos jogos do Paulista FC, sempre tendo alguma dificuldade. Mas a culpa não era dele, mas de quem o escalava! Nas gestões anteriores, se forçou o lançamento desse árbitro de maneira precoce, queimando etapas e fazendo ele apitar até mesmo a série A1. Aos poucos, foi ganhando confiança em jogos de divisões menores, mas aí veio o Campeonato Brasileiro… e a mesma coisa ocorreu: Leonardo Gaciba, chefe dos arbitros da CBF, quis testá-lo em jogos mais cascudos e não deu certo. Teve problemas em Fluminense x Ceará e CSA x Flamengo (partida em que o time alagoano tentou anular na Justiça Desportiva). Mas se precisa ganhar mais experiência para a 1a divisão nacional, para a 4a divisão regional tem condição suficiente para atuar bem – já que consegue ter maior segurança após rodar o país e apitar “em casa”, ou seja, no estado de São Paulo.

Não esperemos a melhor arbitragem do ano, mas não acontecerá nenhum desastre. Torço para o árbitro ir bem e desejo uma grande partida para as equipes.

Sobre os erros nos jogos citados, o link em: https://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2019/07/16/o-gol-anulado-do-vozao-em-fluminense-1×1-ceara/

Acompanhe a transmissão de Paulista vs Marília pela Rádio Difusora Jundiaiense AM 810, com o comando de Adilson Freddo. Narração de Rafael Mainini; comentários de Heitor Freddo e Robinson “Berró” Machado; análise da arbitragem com Rafael Porcari; reportagens de Luiz Antonio “Cobrinha” de Oliveira. Repórter da Galera: Guilherme Barros e Editoria do Jornal de Jundiaí com Thiago Batista de Olim. Sábado, às 16h00 – mas a jornada esportiva começa a partir das 15h00 para você ter a melhor informação com o Time Forte do Esporte!

 

– O gol de ilusão de ótica que virou gol legal (mas para o outro time…)

Um lance incrível no Campeonato Croata: uma bola foi chutada de longe, tentando enganar o goleiro que estava adiantado; ele corre para defender a meta, se joga contra as redes e salva o gol. A bola não entrou, mas as redes foram balançadas pelo corpo do próprio defensor e a 1a impressão foi de gol. O time que defendia estava mais atento, recuperou a bola e, no contra-ataque, marcou o seu gol!

Sensacional a ilusão de ótica!

Veja em: https://globoesporte.globo.com/blogs/brasil-mundial-fc/noticia/ilusao-de-otica-na-croacia-jogadores-comemoram-sem-a-bola-entrar-e-sofrem-gol-em-seguida.ghtml

Um lance muito curioso marcou o encontro do líder com o lanterna do Campeonato Croata na tarde deste sábado. Perdendo por 1 a 0, o Slaven Belupo, último colocado da competição, teve boa oportunidade para empatar aos 27 minutos do segundo tempo, quando o goleiro do Hajduk Split saiu jogando mal.

No limite da grande área, o arqueiro Posavec acabou mandando nos pés de um adversário, que bateu de primeira tentando encobri-lo. A bola parecia tomar o caminho do gol, mas bateu na trave e não entrou. Traídos por uma ilusão de ótica, talvez pelo fato de Posavec ter balançado a rede, jogadores do Belupo, incluindo o goleiro, saíram para comemorar.

Até mesmo quem comandava o placar da partida acabou enganado, mas o jogo seguiu. Com vários adversários fora de suas posições, o Hadjuk Split teve toda a facilidade do mundo para ampliar o marcador e fazer o segundo com Juranovic. Liderança da competição mantida com um daqueles lances que a gente não vê todo dia…

Assista abaixo:

Prof. Bananas@gandama2uco

Hajduk Split vs. NK Slaven Belupo (2019)
– Josip Juranovic

Vários jogadores do NKS Belupo celebraram um golo que não ocorreu (a bola bate no poste). Os adversários não perdoaram e fizeram o 2-0.
Até o marcador electrónico se enganou.
⚽️ 🤦‍♂️

Embedded video