– Hélio Schwartsman, a opinião polêmica da “morte do presidente” e o desdobramento

Repercutiu bastante o artigo escrito na Folha de São Paulo pelo colunista Hélio Schwartsman, entitulado: “Por que torço para que Bolsonaro morra”, com a chamada de que “o presidente prestaria na morte o serviço que foi incapaz de ofertar em vida”.

É inegável que as duras palavras e a insensibilidade do título e do destaque trazem desconforto. Mas há de se ler o texto (mesmo a contragosto) e entender algo que é coerente ao autor: ele defende a plena e irrestrita liberdade de expressão. Me lembro de colunas onde ele fala da permissão de se falar de tudo, inclusive da defesa do racismo e do antissemitismo (sendo ele judeu).

Eu discordo de que a Liberdade de Expressão seja confundida com a apologia às coisas criminosas. Porém, defender a morte do presidente pela doença entraria, talvez, numa outra categoria: a da desumanidade!

Não sei se é algo para a Justiça dos homens julgar. Antes da doença confirmada, falei da questão de “nunca torcer pela morte de ninguém” (e me referi ao câncer de Lula e, no momento, da suposta contaminação por Covid-19 de Bolsonaro, em: https://wp.me/p4RTuC-quZ), mas sei que a minha opinião é “somente a minha opinião”. Todos têm permissão de agir conforme sua crença ou desejo, desde que não seja socialmente condenável (e se for, aí é outra história).

Leio que a própria Folha de São Paulo, em Editorial, foi numa linha diferente de Hélio Schwartsman, desejando boa recuperação. E leio também que o Ministro André Mendonça pediu para a Polícia Federal investigar o colunista.

Seria para tanto? Se for, quantas pessoas escreveram a mesma coisa que ele nas Redes Sociais e quantas outras fizeram o mesmo por Lula na época do seu tratamento?

Insisto: defendo a vida, e se A, B ou C, sendo presidente ou um simples cidadão anônimo transgredir, que se resolva durante os “90 minutos do jogo da vida”.

hélio-1-os61whm3asljiy0nsdsmkjmdfkwbuu4zzhvae0cnxc

– Dava para evitar, né presidente?

Na parte da manhã, antes do resultado positivo para Covid-19 do presidente Jair Bolsonaro, fizemos algumas considerações sobre a possível repercussão e falamos da necessidade de que, assim como ocorreu com o câncer de Lula, não desejar o pior aos enfermos (nem doença à pessoa alguma).

(Texto citado em: https://professorrafaelporcari.com/2020/07/07/e-se-bolsonaro-estiver-com-covid-19/).

Pois bem, agora que já se sabe que Bolsonaro está infectado (e também desejando pronta recuperação), vale o ENORME puxão de orelhas pela imprudência de seus atos! Pra quê ir às aglomerações, desdenhar do uso de máscara e, aí vale a demagogia, dizer que “ía às massas atendendo o clamor do povo” (ô discurso chato… e é idêntico ao populismo que Lula falava).

Somente o fanatismo pode dizer que “pegou por atitudes heróicas”. Nada disso, pegou porque foi irresponsável (diferente do sujeito que se cuida, previne, e por um acaso acaba contraindo).

Em tempo: é lamentável ver as coisas publicadas nas Redes Sociais hoje sobre esse assunto! Tem gente soltando rojão… aí não.

Prefeitos criticam discurso de Bolsonaro em ato antidemocrático ...

Criador: GABRIELA BILO Crédito: ESTADAO

– E se Bolsonaro estiver com Covid-19?

Noticia-se que o presidente Jair Bolsonaro possa estar com o Novo Coronavírus. Se estiver, ironicamente, seria um cala-boca aos que duvidaram da veracidade do seu exame, e, obviamente, “lenha” para reforçar a observação de que mostrava-se imprudente ao extremo, dando mau exemplo.

Assim como escrevi sobre o ex-presidente Lula quando ele descobriu seu câncer, faço o mesmo com Bolsonaro: boa sorte na sua recuperação (caso esteja doente). Separe-se sempre o político da pessoa e, independente das coisas, NUNCA uma pessoa pode desejar qualquer enfermidade para outra.

Lamento que, assim como ocorrido com Luís Inácio (as hashtags “a favor” da doença), bombe no twitter em referência a Jair a menção pela torcida pelo pior (o #ForçaCoronavírus).

Coronavírus: 478 mil mortos no Brasil caso Bolsonaro siga imóvel

 

– Guarujá, Atibaia, Herdeiro, Laranja, Franquia…

Veja só que loucura: Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, mudou de novo a história sobre Fabrício Queiroz, o assessor acusado de ser “laranja” do senador e envolvido no esquema das “rachadinhas” da Alerj.

Ele disse à Revista Veja que, para Queiroz não ser morto e alguém incriminar a família Bolsonaro, o escondeu no Guarujá e depois em Atibaia.

Não só esse é o “Calcanhar de Aquiles” de Flávio, mas também a questão das entradas financeiras da sua loja, uma franquia de chocolates.

Compare: Lula também passou por um sítio em Atibaia (com a desculpa que era do amigo de seu filho – e que era de “um laranja”), tinha o triplex no Guarujá, mudou suas versões e a mulher foi acusada de lavar dinheiro vendendo perfumes de uma franquia.

Que coisa nosso país! O país da “piada pronta”… São inevitáveis as comparações do acusado senador Flávio Bolsonaro com a do condenado ex-presidente Lula, por culpa de tanta coincidência!

Enfim, ficará a pergunta: por quê só agora Wassef mudou o discurso?

Frederick Wassef diz que abrigou Queiroz porque queriam matá-lo e ...

– Que paixão é essa de muitos, repentina, chamada Política? E por quê radicalizou-se?

Cruz-credo! Brasileiro “quebrava o pau por Futebol”, e trocou isso por Política. Poderia ser um fator positivo se entendermos que o debate sobre a vida do país se tornou importante para as pessoas (sempre fomos uma nação não-politizada), mas acabou virando algo ruim: radicalizou-se!

O que leva o cara a passar o dia inteiro numa rede social postando sobre Política, adorando e amando políticos (independente da ideologia ou do nome) e tentando “converter” quem pensa diferente?

É só fanatismo ou é ignorância? 

Discutir sobre Política é uma coisa; forçar que o seu amigo pense como você e outra.

Respeite-se a opinião alheia!

8agdjm4yjh3jqfafi0ldi6dmq

 

 

– Olavo de Carvalho rompe com Bolsonaro?

Parece que o casamento entre Bolsonaro e seu guru, Olavo de Carvalho, acabou.

Olavo, que indicou vários ministros (foi inclusive convidado para ser Ministro da Educação – o que particularmente acho que seria um desastre pelas ideias que tem) se queixou que tem sido vítima de Fake News e nunca foi defendido por Jair Bolsonaro (que nesta semana recebeu youtubers).

Nesta madrugada, desabafou, criticando e soltando seus costumeiros palavrões:

“O gabinete do ódio foi inventado contra mim e não contra Bolsonaro. O que este Bolsonaro fez pra me defender? Chega lá e me dá uma condecoraçãozinha. Enfia a condecoração no seu cu. Se você não é capaz de me defender contra essa gente toda, eu não quero a tua amizade. Porque eu fui seu amigo, mas você nunca foi meu amigo. Você foi tão meu amigo quanto a Peppa. Você só tira proveito. E devolve o quê? É que nem o Weintraub. Dá uma condecoração. Tá brincando com isso, porra. Só essas multas que os caras tão cobrando de mim, é pra me arruinar totalmente. Como é que eu vou sobreviver nos EUA sem um tostão furado, não dá pra fazer isso. Se eu não posso ser remunerado pelo meu trabalho, vou viver do quê? Tão chegando nisso e agora ainda tão juntando a Peppa, o Felippe ?Feto?. É óbvio, se você estuda um pouco a linguagem desse pessoal, que sai no Diário do Cu do Mundo, que sai no Brasil 171 ou 247, a linguagem é a mesma, os temas são os mesmos, é claro que isso está articulado há décadas. Há décadas existe esse gabinete do ódio contra o Olavo, porra! E vem esse presidente dizer que é meu amigo? Não é meu amigo não. Ele simplesmente se aproveitou. E vai me dar uma condecoração? Enfia a condecoração no cu. Não quero mais saber. E outra coisa, você não está agindo contra os bandidos. Você vê o crime, eles cometem o crime, você os presencia em flagrante e não faz nada contra eles. Isso chama-se prevaricação. Quer levar um processo de prevaricação da minha parte? E o pessoal não consegue derrubar o seu governo? Eu derrubo. Continue inativo, continue covarde, eu derrubo esta merda deste teu governo aconselhado por generais covardes ou vendidos. Eu não sei se são covardes ou vendidos. Eu não sei o que é pior (…) Então o que que tem que fazer, você quer me ajudar? Podia ter processado esses filhos das putas há dez anos. Esperou que eles me processassem, agora decidiram agir, sempre tardiamente. Tá fazendo o serviço tarde e porcamente. Mas querem fazer alguma coisa, então é o seguinte, vocês têm que se juntarem entre si (Sic), vocês têm que começar a pesquisar os crimes que foram cometidos contra mim. Eu não tenho condição pessoal de fazer isso. Eu não tenho nem visão suficiente pra ficar catando essas coisas na internet. Quantos assessores você acha que eu tenho? Não tenho nenhum na verdade. Tenho lá uma pessoa amiga que às vezes vem aqui e me ajuda um pouco. É isso. Não tenho sequer uma secretária. Agora o presidente não tem assessores pra fazer isso? Quantos crimes contra o Olavo você investigou, seu Bolsonaro? Nenhum, você nem se interessou. Esse seu Havan vem aqui dizer: ?ah, vou ajudar?. Vai ajudar o caralho, você vai comprar aviãozinho e se vestir de Zé Carioca, você é um palhaço. Isso que você é, eles têm toda razão. É por causa de empresário como você que o Brasil tá nessa merda. Gente que não tem cultura e não gosta de quem tem. Bando de invejosos filhos da puta”.

“Gente fina” é outro papo, hein? Tá bem de conselheiro o presidente…

Vídeo em: https://www.youtube.com/watch?v=aUCHIjRkFNw

– “Isentão?” É esse o termo de deboche que está na moda por parte daqueles que gostam de rachar o Brasil e ironizar quem não é fanático…

Há 1 ano foi produzido esse texto, mas extremamente atual…

Li que na última entrevista que Lula deu na cadeia, duvidou da facada de Bolsonaro, ironizando que não tinha sangue, que protegeram o agressor e outras coisas repugnantes.

Que insensibilidade. Como a Política é nojenta! As autoridades que deveriam se dar o respeito, adoram criar fake news demagogicamente. Me parece tão ridícula tal afirmação igualmente como aquelas que debocharam da morte de Marielle por milicianos e do funeral da dona Marisa Letícia.

São esses os nossos estadistas?

Aliás, acrescento os  exemplos de repugnância do país: áudios vazados de Lula e Dilma foram comemorados pela Direita na ocasião. E agora a mesma turma critica os vazamentos do Telegram de Sérgio Moro, fazendo a Esquerda vibrar. Pode?

Êta nação hipócrita. Mais sensatez, Brasil. Não é esse legado (de fanáticos e partidários radiciais doentes) que queremos deixar para os nossos filhos. Precisamos de gente coerente, isenta, honesta e sem interesse pessoal, que governe para o TODO, e não para um lado apenas.

Não é questão de ser isento ou em cima do muro, é de discordar do radicalismo que tanto está fazendo mal entre os brasileiros, que, por conta da Política (e do fanatismo), resolveu se dividir em dois lados (como se o mundo fosse bipolar e como se só existissem dois grupos políticos – ou até mesmo somente Esquerda e Direita, que é um conceito “vencido” há tempos). 

Dizer o quê, se para a Direita ou para a Esquerda a única forma de concordância é bradar àqueles que não admiram nem os métodos de Bolsonaro tampouco os de Lula de “isentão…”(como se fosse algo pejorativo). É a turma que quer te obrigar a ser apaixonado por algum político Lula ou Bolsonaro – criando o termo “político de estimação”… E aí daqueles que não aderirem!

Sai dessa onda, Brasil.

Resultado de imagem para brasil chorando

– Fake News não é Liberdade de Expressão!

Parece tão simples, mas para alguns é tão complicado…

Liberdade de Expressão é você poder opinar, dizer o que pensa, debater, levantar hipóteses, e tantas outras coisas… Só não é: dizer mentiras, fomentando-as para que as outras pessoas acreditem que são verdades, prejudicando o próximo. Aí passa a ser calúnia, injúria, crime ou… Fake News!

Por quê querem confundir os conceitos?

No tempo de Dilma Rousseff surgiu (e comprovou-se) a existência de blogueiros que faziam postagens patrocinadas a favor do Governo dela. Agora, se vê quase a mesma coisa, versão Bolsonaro. Lamentável que a “Nova Política” seja tão parecida quanto a “Velha Política”.

Há de se viver na verdade e fazer a coisa certa. Sempre!

Fake news: como enfrentar a desinformação sem cercear a liberdade ...

– Parabéns PF, pela Operação contra as Fake News.

Se ontem o Presidente Jair Bolsonaro parabenizou a Polícia Federal pelas investigações contra Witzel e a corrupção de verbas do combate à Covid-19 (um excelente trabalho da PF, incontestável), hoje ele deve (ao menos, precisa fazer o mesmo) parabenizar a operação (cumprindo decisão do TJD) de busca e apreensão contra os promotores de Fake News (a operação citada no vídeo da reunião ministerial).

Segundo o Globo, há pouco:

“Operação da PF mira Roberto Jefferson, blogueiro, deputado de SP e empresário Luciano Hang em inquérito contra fake news. Os quatro alvos são aliados e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Ao todo, 29 ordens judiciais estão sendo cumpridas no Distrito Federal, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Mato Grosso, no Paraná e em Santa Catarina”.

Aguardemos o desenrolar. Ontem, aplausos (texto aqui: https://wp.me/p4RTuC-pWl). Hoje, ao que parece, idem. E que não se blinde Carlos Bolsonaro, caso ele esteja realmente envolvido. Será mostra da independência da Polícia Federal e, claro, da Justiça.

Após operação da PF, Carlos Bolsonaro diz que inquérito que apura ...

– O espírito de Corrupção frente à necessidade de Espírito Solidário! Witzel, Dória, Bolsonaro…

Com tanta gente sofrendo, acontecendo mortes aos milhares em nosso país por conta de Covid-19, ainda assim há aqueles que não se sensibilizam com a tragédia.

Prova disso: as denúncias de corrupção envolvendo compra de respiradores, montagem de hospitais de campanha e outros desvios.

No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel recebeu a visita da Polícia Federal em sua casa, numa busca de possíveis indícios de corrupção em verbas destinadas à Pandemia.

Em São Paulo, se fala muito sobre os valores absurdos pagos antecipados a respiradores chineses ainda não entregues, sendo um grande “Calcanhar de Aquiles” ao governador paulista João Dória Jr.

Tem que investigar mesmo! Não se pode ser insensível a tal ponto de cometer desvios de dinheiro num momento tão delicado. E, já que a Polícia Federal começou a trabalhar em cima disso, sejamos justos: aja também com eficiência nos casos em que o Presidente Bolsonaro não quer (seja quais forem – suspeita ou crime cometido – tem que investigar). Lembremo-nos que ele confessou que iria intervir na PF para blindar seus familiares e amigos (e interveio).

É duro ver tanta politicagem (de todas as esferas de Governo) enquanto a população fica exposta sem uma política racional de combate ao Novo Coronavírus.

Concurso Polícia Federal: descubra onde você poderá ser lotado

 

– Você defende político?

POBRE BRASIL… Só de ler a repercussão do vídeo da reunião ministerial (não tive estômago para assistir, farei, ou tentarei, mais tarde), já desanimei.

Cadê uma liderança honesta, competente, agregadora e positiva?

As diferenças entre Chefe, Líder, Bolsonaro e Lula: quem bolou esse meme, abaixo, acertou em cheio!

E, por favor, se você tem político de estimação ou é apaixonado por partido político, respeite minha opinião.

Em: https://professorrafaelporcari.com/2020/05/16/um-meme-que-so-conta-verdade/

96386119_10217217979069391_7067516123205337088_o

– A charge triste, embora real.

Duas pessoas influentes (ícones para alguns), que influenciam muita gente: Bolsonaro e LulaNão as classifico como lideranças positivas, mas respeito seus eleitores. 

Da outra semana até essa, ambos falaram bobagens insensíveis sobre o Novo Coronavírus. E quem bolou esse desenho (retratando o uso político dos discursos e não solidário), abaixo, foi pontual e certeiro na crítica.

Veja:

– As duas falas politizadas e egoístas de Lula e Bolsonaro mostram: o povo é para ser usado!

Parece que neste tempo pandêmico, estamos conhecendo (ou melhor, comprovando) as verdadeiras faces de nossos políticos.

Se no Estado de São Paulo, João Dória não aceita customizar procedimentos a cada município e, no excesso de precaução, peca em medidas generalistas coletivizando a megalópole com as cidades pequenas, no plano federal a coisa é pior: Bolsonaro e Lula usam e abusam de discursos demagógicos que encantam seus aficcionados (mas não iludem, felizmente, os poucos que se mantém sensatos).

Numa triste e infeliz brincadeira, sorrindo como se nada acontecesse, o presidente Jair Bolsonaro disse: 

“Quem é de Direita, toma Cloroquina; quem é de Esquerda, toma Tubaína”.

Quer dizer que o infectologista (ou epidemiologista) Dr Bolsonaro não poderia ao menos se conter nas brincadeiras de mau gosto e politizou mais uma vez a medicação que ainda está em estudo, receitando-a ideologicamente? Postura condenável de quem deveria ser um líder ponderado e unir a nação, independente de confissão política.

Por outro lado, viram a fala de Lula ao Mino Carta (da Carta Capital)? Estava até desacostumado em assistir tamanha cara-de-pau, peculiar ao corrupto ex-presidente. Disse ele: 

“Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus. Porque esse monstro está permitindo que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises.”

Caracoles! Ele “festeja” no seu íntimo o insucesso da política do seu adversário usando a catástrofe como palanque? O “ainda bem (…) que criou essa monstro chamado coronavírus” deixa bem claro que a preocupação não é humanitária, mas eleitoral.

Triste Brasil, que não consegue ter um só líder agregador… O inimigo comum, que deveria ser a Covid-19, passou a ser aliado eleitoral. Meu Deus.!

Bolsonaro-e-Lula-ofc

– “Vou perguntar para o Posto Ipiranga”, dizia o Presidente… E agora?

Uma pena que todo o esforço dos eleitores brasileiros para acabar com o projeto de poder criado por alguns membros do PT, baseado em corrupção e crime organizado (comprovadamente mostrado pela Justiça – vide o número de membros do partido e de outros que foram na cadeia) esteja sendo jogado fora pelas atitudes intempestivas do presidente Jair Bolsonaro.

Um chefe de Estado não é um especialista em todas as áreas de importância; no máximo, ele é um generalista acima da média (ou deveria ser) e coloca pessoas de conhecido entendimento nos cargos-chave (aqui no Brasil estão sendo chamados de “técnicos”).

Quando era questionando sobre Economia, Bolsonaro dizia simplesmente que “iria perguntar ao Posto Ipiranga” (em referência à propaganda tão famosa de que quando se tem dúvida, vai no Posto se informar pois lá se sabe e se tem de tudo). Paulo Guedes, no caso, era esse grande especialista. O comportamento do presidente, correto!

Assim como a Fazenda Pública ficou na mão do economista Guedes, outros ministérios importantes foram colocados nas mãos de técnicos: o ex-juiz Sérgio Moro para a Justiça e o médico Luiz Henrique Mandetta para a Saúde. A eles, deu “carta-branca” – que parece ter sido retirada pelo que se lê e assiste.

Penso que, assim como Bolsonaro não entende de Economia e se socorre aos economistas, não deveria ele (que não entende de Medicina) se socorrer aos médicos? Qual é a necessidade de desprezar a INFORMAÇÃO de que a cloroquina não é totalmente segura e deve ser ministrada com cuidado em alguns casos (não na maioria)? Inclua-se, recentemente, os estudos que não recomendam nem aos casos menores, pelos riscos futuros de efeitos colaterais violentos.

Particularmente, me parece que o presidente Jair Bolsonaro, quando estava quieto e deixando o corpo técnico trabalhar, tudo funcionava bem. Na 1a grande crise que teve que enfrentar, bateu no peito e subiu na arrogância, chamando a responsabilidade para ele e no tom autoritário que deveria evitar, deixou de ser um líder (talvez nunca foi) e passou a se comportar como “chefe-mandão”.

Uma pena. O Brasil vive uma discussão bipolarizada entre o que é menos ruim: gestores corruptos de outrora ou gestores incompetentes de agora!

Insisto com amigos: quero políticos honestos e competentes.

pra-frente-que-tal