– Estão loucos, Ministro Queiroga e Presidente Bolsonaro? Sobre a vacina dos adolescentes:

O Ministro da Saúde Dr Marcelo Queiroga mandou suspender a vacinação entre 12 e 17 anos com a dose da Pfizer, por alegar que os riscos à saúde são grandes.

Ora, a vacina é autorizada nos EUA, no Canadá, nas nações europeias desenvolvidas e em qualquer país onde a Ciência está acima da Politicagem! Por que aqui no Brasil tem que ser diferente? Inacreditável…

Quem tomou a 1a dose, não tomará a 2a? Quem estava marcado, desmarcar-se-á? Que bagunça!

“Pior” o Presidente Bolsonaro, que fez uma live dizendo que a OMS é contra a vacinação nessa faixa etária. MENTIRA! Lembremo-nos:

1- Não era o presidente que contestava tudo que a OMS falava? Agora, a usa?

2- A OMS nunca foi contra, ao contrário, a favor: apenas disse que a vacinação a idosos era mais urgente do que aos jovens por motivos óbvios…

Em tempo: a ANVISA não proibiu a vacinação. Contraditório…

Bolsonaro diz que mandou investigar suposta diferença de preço na CoronaVac  - Jornal O Globo

– Perguntar não ofende: estamos em campanha presidencial?

A Lei Eleitoral não permite que ninguém seja, hoje, oficialmente candidato à Presidência da República. Não se pode fazer campanha antecipada e os postulantes só podem ser “pré-candidatos”.

Mas se observarmos as manifestações da semana passada, tivemos de tudo: entidades gritando por Bolsonaro, Lula, Dória, Ciro… pré-candidatos discursando como candidatos (e alguns até dançando no palco).

Nossas leis de nada servem, não? Dá-lhe populismo (em referência a alguns dos senhores abaixo):

– Recuo, Presidente? Se socorreu ao ex-presidiário… Temer!

Bolsonaro nunca foi preso como Lula. Mas se socorreu nesta tarde a Michel Temer (que já foi preso depois de deixar a presidência), a fim de escrever uma carta “dando o dedinho” a Alexandre Moraes (que ele próprio o chamou de canalha).

Recuou… por isso que deve ter declarado que “nunca seria preso”…

Estamos perdidos, amigos. Não temos um político nesse país que seja honesto, tenha credibilidade, seja competência e que possa ser um estadista!

Abaixo, a repercussão da decepção dos apoiadores do presidente, inclusive Allan dos Santos, blogueiro número 1 da sua trupe que “lamentou”.

Em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2021/09/09/bolsonaristas-lamentam-carta-de-bolsonaro-game-over.htm

ALLAN DOS SANTOS, MALAFAIA: BOLSONARISTAS LAMENTAM CARTA DE BOLSONARO

Nas redes sociais, bolsonaristas lamentaram o conteúdo da carta aberta divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na qual recua de discurso golpista em manifestações do 7 de Setembro e diz declarar respeito às instituições brasileiras. O documento foi redigido após encontro o ex-presidente Michel Temer e Bolsonaro, que buscava conselhos para administrar bloqueios de caminhoneiros e para tentar contornar a crise com STF (Supremo Tribunal Federal).

“Game over [ou fim de jogo, na tradução livre]”, resumiu o blogueiro Allan dos Santos, um dos principais aliados de Bolsonaro até então. “Inacreditável”, acrescentou, em outra mensagem, ainda parecendo não acreditar na carta divulgada pela presidência.

“Se era xadrez 4D, parece que Bolsonaro tomou um xeque-mate de uma rainha tridimensional. Depois da demonstração de força do povo, o presidente demonstra fraqueza. Situação bem complicada para os patriotas. Bolsonaro pode ter assinado sua derrota hoje…”, escreveu o jornalista Rodrigo Constantino. “O sistema declarou guerra ao povo. O presidente sucumbiu ao sistema.”

“Continuo aliado, mas não alienado. Bolsonaro pode colocar a nota que quiser. As minhas convicções são inegociáveis”, protestou o pastor Silas Malafaia.

A carta é um recuo de Bolsonaro, em meio a uma crise institucional com o STF e com o Congresso e a uma paralisação de caminhoneiros que ganhou força ontem. No documento, Bolsonaro suaviza o tom ao citar o ministro Alexandre de Moraes, alvo principal dos seus ataques no feriado da Independência.

Intitulada “Declaração à Nação”, a nota oficial do governo Bolsonaro foi divulgada momentos após uma reunião com ex-presidente Michel Temer, em Brasília. No encontro, um dos assuntos tratados foi a paralisação de caminhoneiros, que o governo tenta controlar — em 2018, quando era presidente, Temer lidou com uma greve da categoria. E foi Temer quem indicou Moraes para o STF.

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer: 1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar. 2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news. 3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia. Trecho da nota divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro

O movimento de racha entre apoiadores de Bolsonaro deu os seus primeiros sinais após o chefe do Executivo enviar um áudio para ser distribuído nos grupos de caminhoneiros, pedindo que a tal paralisação fosse interrompida.

O apelo do presidente surpreendeu os motoristas, que, a princípio, duvidaram de sua autenticidade. Até mesmo o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ), fiel representante dos delírios bolsonaristas e um dos alvos do inquérito do STF sobre manifestações antidemocráticas, garantia que a mensagem era fake.

A partir daí, o feitiço virou contra o feiticeiro, conforme ressaltou o colunista do UOL Chico Alves. O que se seguiu nos grupos de WhatsApp e Instagram foi uma chuva de críticas pesadas dos motoristas ao ocupante do Palácio do Planalto. Os termos usados vão desde “decepção” até palavrões dos mais cabeludo.

Nota de recuo de Bolsonaro foi ideia de Temer e o texto foi escrito sob sua  orientação | Lauro Jardim - O Globo

– China’s Lover?

Aqui no Brasil, o presidente Bolsonaro (e especialmente o filho dele, o deputado federal Eduardo Bolsonaro) tripudiam a China. Eu, não escondo: não gosto do Governo Chinês, pois são antidemocráticos, censuram a imprensa e controlam o povo. Mas há de se respeitar a população (que é sofrida) e ter relação diplomática com as autoridades.

E não é que depois de desdenhar especialmente das vacinas chinesas, Bolsonaro, na reunião dos BRICS, perante Putin (Rússia), Narenda Modi (Índia) e Ramaphosa (África do Sul), elogiou as mesmas para o Xi Jinping?

Para o brasileiro, “mete o pau” nelas. Para o seu colega chinês, “pipoca”?

Coerência, por favor.

Bolsonaro se encontra com presidente chinês para assinatura de acordos | Agência Brasil

(a foto, acima, de 2019, da Reuters)

– O direito de se manifestar.

Não importa se a Direita levou milhares de pessoas na rua ou se a Esquerda levou bem menos. Respeite-se o direito de defender suas ideias, sempre que sejam democráticas.

Me pesa ver em muitos flashes da TV que por um lado, manifesta-se a favor de um político (Bolsonaro), e não pelo país. Da mesma forma, manifesta-se com menor furor contra ele e a favor de Lula, com bandeiras vermelhas.

Pela Democracia, com D maiúsculo, ou pelo Brasil de todos os brasileiros, não vejo ninguém. Uma pena. Mas, insisto, respeite-se as leis do país.

Em tempo: já se pode fazer campanha política para 2022?

– Penso igual sobre erros de Lula e de Bolsonaro:

Não tenho partido político, mas não é por isso que sou apolítico (sou apartidário). Não vejo um nome sequer com competência, credibilidade e honestidade para presidir o Brasil (infelizmente, estou sem candidato até agora para as próximas Eleições).

Comungo do mesmo pensamento abaixo, extraído do Twitter do consultor renomado Ricardo Amorim:

“Impressionante como a história se repete. A incapacidade da maioria dos lulistas de reconhecer os erros do Lula elegeu o Bolsonaro. Agora, a maioria dos bolsonaristas faz exatamente a mesma coisa. Parece até que estão se esforçando para eleger o Lula.”

E não é verdade? Todos são deuses imaculados para seus apaixonados eleitores (óbvio, não me refiro ao cara ponderado que escolheu um desses nomes e sabe separar os erros, mas ao fanático que se cega).

– De novo, Lula fala em “regular a mídia”. Isso não incomoda?

Me admiro em ver tanta gente acomodada, quieta, sem levantar um “A” sobre a enésima fala de Lula sobre “regular a mídia”.

Ora, que negócio é esse de controlar a imprensa? Com todos os “defeitos que tem” e “as groselhas que fala”, Bolsonaro não fala tal barbaridade. Ele ofende lamentavelmente os profissionais, ameaça tirar a concessão da Globo mas… já imaginaram se é ele quem diz tal idiotice?

E o que é regular a imprensa? É dizer o que o Governo quer, no melhor estilo chinês, norte-coreano ou cubano?

Isso é censura, e deve-se alertar desse risco e cobrar Lula de tais bobagens. Aliás, repararam que até as denúncias do Petrolão, Lula não falava disso. Quando a Revista Veja conseguiu mostrar os constantes desvios de dinheiro, veio o “lenga-lenga”. Com o impeachment de Dilma, os petistas começaram a chamar a Globo de “Globolixo” (igual ao que fazem os bolsonaristas quando as manchetes mostram erros do Governo atual).

Não deixe essa ideia macabra – de regular a mídia – prosperar. A não ser se você quiser uma ditadura de esquerda na imprensa.

– “Se eu voltar, vai ter regulação dos meios de comunicação”, disse Lula.

Em 2018, Lula fez essa declaração acima (a de controlar “melhor” a imprensa, desejada com Franklin Martins, o Ministro das Comunicações da época). Fernando Haddad, quando candidato, abordou isso também. E o assunto volta à tona.

Ora, cercear a sagrada liberdade de expressão é algo temeroso. Para mim, é censura. Não gosta de uma emissora, então assista outra. Leu numa revista e não se simpatizou com o tom, busque outra.

Bem claro: pela Globo, o Brasil está um caos. Pela Record, viramos a Suíça! E o cara inteligente, vai filtrar essas abordagens e interpretar corretamente. Mas o que não pode, é: privilegiar um ou outro, ou ainda querer impor o que não pode reportar ou não.

Em tempo: Jair Bolsonaro, sem dizer isso, vive em briga com a imprensa. E aí se conclui: qualquer político gosta de elogios, mas na hora das críticas…

Reunião Grupo de Estudo Meios de Comunicação – 2022

– De novo com essa “conversa mole”, presidente?

Poxa, ao ler que o presidente Bolsonaro, de novo, desdenhou da vacina Coronavac dizendo que as pessoas “estão morrendo por terem tomado ela”, com todo o seu “jeito convincente aos seus adeptos” (sim, políticos como Lula e Bolsonaro têm torcedores que dão a vida por eles, mesmo que façam coisas erradas), presta um péssimo serviço ao país.

Comprovadamente, as vacinas aplicadas e o abandono de medicamentos ineficazes ajudou a cair o número de infectados e de mortos. Os números não mentem! Quantas vidas não foram salvas pelas vacinas (seja de qual laboratório for)?

Muitos se apegam à ilusão de que vacina é “super-barreira”, transformando a pessoa num humano imune a tudo. Não é assim, elas nos dão imunidade – prova é que, mesmo em meio a cepa Delta, altamente contagiosa, o número de mortos (que chegou a ser de 4000) caiu violentamente. Mas não nos torna invioláveis – veja as pessoas com comorbidades e adoecidas de outros males.

Lula, com o Petrolão e o Mensalão, criou Bolsonaro. Bolsonaro, com sua birra ininteligível, ressuscitou Lula. E quem os ama, faz de-um-e-de outro Deus e o Diabo neste momento de discussão sobre as vacinas.

Que surge um nome sensato, competente, honesto e de credibilidade para a Presidência em 2022. Urgente! Por enquanto, não vejo ninguém, infelizmente.

Sobre as vacinas, todas as dúvidas podem ser sanadas nessa live (é um vídeo comprido, mas de altíssima qualidade: https://professorrafaelporcari.com/2021/08/09/avancos-da-ciencia-brasileira-contra-a-covid/

Vacinação contra a Covid-19: veja quem poderá se vacinar nesta semana nas  maiores cidades do Sul de MG | Sul de Minas | G1

– Populismo não tem ideologia nem partido!

Puxa, dei uma “fuçada” na obra de Uriã Fancelli, um jovem muito estudioso que escreveu o livro “Populismo e Negacionismo: o uso do Negacionismo Como Ferramenta Para a Manutenção do Poder Populista”, mostrando como os políticos conseguem seduzir os eleitores e, em vários casos, transformando-os em fanáticos apaixonados.

Mais do que isso: ele mostra o populismo de várias correntes ideológicas, citando exemplos que vão desde Lula até Bolsonaro, procurando elucidar que a demagogia está atrelada à admiração que existe pelos radicais (de Esquerda ou Direita) aos seus senhores.

Esclarecer-se e ser racional é muito bom nessa hora

– Voto Eletrônico e Voto em Papel: tá chato, pô!

Se tem um assunto que já “torrou a paciência”, é a história da urna eletrônica e fraudes.

Curto e grosso: 

  • Se o presidente Jair Bolsonaro insiste tanto que ocorreram fraudes, PROVE, e não fique nas teorias conspiratórias e “diz-que-me-disses”.
  • Se a Justiça Eleitoral quer evitar essa “enchição de saco”, permita logo um comprovante da Urna Eletrônica, a fim de evitar novas teorias conspiratórias e provar que a urna é segura.

Esse assunto já deu. 

Em: https://veja.abril.com.br/blog/radar/bolsonaro-promete-bomba-mas-nao-mostra-provas-de-fraude-na-urna/

BOLSONARO PROMETE “BOMBA”, MAS NÃO MOSTRA

O presidente Jair Bolsonaro prometeu soltar uma bomba contra a lisura do processo eleitoral em uma live transmitida na noite desta quinta-feira, 29.

O que se viu, no entanto, foi um arrazoado de vídeos de teoria da conspiração no Youtube, vídeos de eleitores idosos com problemas no dia da votação e reportagens de televisão que registraram algumas falhas ao longo dos pleitos.

O conjunto de vídeos apresentado hoje pelo presidente e por um auxiliar palaciano como “fortes indícios” contra a urna eletrônica circularam amplamente nas redes sociais em 2018. A maior parte dos vídeos apresentados foi desmentida à época em que foram ventiladas.

Em uma das próprias reportagens mostradas pelo presidente em tom de denúncia, o jornalista da rede Record em Caxias no Maranhão diz que a Polícia Federal abriu inquérito para apurar suspeitas de irregularidades no processo eleitoral local. Ao que tudo indica, ninguém no Palácio do Planalto se deu o trabalho de ver que fim levou o inquérito da PF.

Bolsonaro aproveitou a oportunidade ainda para proferir seus já contumazes ataques ao presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, e também fazer suas seguidas ameaças à democracia brasileira.

Num dos momentos mais infames da live desta quinta, Bolsonaro deu play em um vídeo de um suposto programador que “simulou” em um programa de computador o “sistema da urna”, que ele chama de “código-fonte da urna”.

O rapaz faz uma série de demonstrações de supostas provas de fraude, mas não explica como ele “criou” esse “protótipo” e nem como como ele “produziu” a fraude.

“Nós não temos provas de fraude, mas indícios de que nas eleições pode ocorrer a mesma coisa (do que no vídeo)”, disse Bolsonaro. “Eu não tenho prova de que a urna é fraudada, mas também não tenho prova de que ela não é”, completou.

Presidente Jair Bolsonaro

– Ciro Nogueira é o novo Ministro de Bolsonaro. Pode?

Ciro Nogueira foi nomeado oficialmente pelo presidente Jair Bolsonaro como Ministro da Casa Civil.

Em 2017, o citado político do Centrão declarou a um programa de TV da Rede Meio Norte que Bolsonaro era ‘fascista’ e ‘preconceituoso’. E disse sobre Lula:

“O melhor presidente da história desse país, principalmente para o Piauí e o Nordeste. Não me vejo numa eleição votando contra o Lula. Por tudo que ele fez, por tudo que ele tirou de miséria desse povo”.

E muitos acreditando que Bolsonaro era “político diferente”… tão demagogo e negociador como Lula. Lembram que ele criticava o Centrão como “o que há de pior na Política”? E, recentemente, declarou que “sempre foi do Centrão”.

Não consigo enxergar um candidato honesto, coerente, competente e com credibilidade para o Brasil em 2022.

– Evite tais constrangimentos, presidente Bolsonaro… reunir-se com neta de Ex-Ministro de Hitler?

O presidente Jair Bolsonaro precisa ter uma melhor assessoria. Hoje, por exemplo, ele se encontrou com a deputada de Extrema Direita da Alemanha, sra Beatrix von Storch, neta do Ministro das Finanças de Adolf Hitler, Schwerin von Krosigk.

Precisava aceitar tal encontro? Tão visado que ele é, e foi justamente se reunir com ela… Totalmente evitável.

Beatrix é considerada xenófoba, neonazista e extremista. O seu avô foi quem confiscou as propriedades dos judeus durante o Governo Hitler. Por tudo isso, era melhor manter distância dela. E para piorar, a deputada declarou após o encontro que “estava impressionada com a ‘clara compreensão dos problemas da Europa e dos desafios políticos do nosso tempo’ demonstradas pelo presidente Bolsonaro.

Vindo de quem veio, esse elogio é ofensa!

A Confederação Israelita do Brasil se manifestou, no texto em: https://noticias.uol.com.br/colunas/chico-alves/2021/07/26/entidade-israelita-repudia-reuniao-de-bolsonaro-e-deputada-extremista-alema.htm

Beatrix von Storch, do partido de extrema-direita AfD, da Alemanha, ao lado do presidente Jair Bolsonaro e do marido, Sven von Storch

– Fundo Eleitoral: vete mesmo, Presidente!

Nessa, ninguém poderá discordar de Bolsonaro: há pouco ele disse à TV Brasil que o Fundo Eleitoral de quase 6 bilhões é “astronômico e irá vetá-lo”.

Boa… não devia nem ter passado pelo Congresso. Aliás, a “guarda-costas” dele, Deputada Carla Zambelli, teve a coragem de criticar o Fundo Eleitoral, falar da LDO e… votar a favor. Como explicar?

Bolsonaro diz que fundo eleitoral é "casca de banana" e critica vice da  Câmara | RDNEWS - Portal de notícias de MT

– Uma decepção chamada Jair Bolsonaro.

Em 2019, eu achava que o Brasil poderia ter um rumo positivo. Torci, mas me decepcionei – em especial com a truculência, má gestão da pandemia e o grande fator de oposição do Governo Bolsonaro: o cidadão Jair Messias!

Alguns bons ministros sustentam a atual gestão, que sofre com as bobagens desnecessárias ditas pelo presidente (como dizer que a vacina do Butantan não funciona, o descrédito no uso de máscaras, a omissão nas denúncias de seus pares ou ainda que “se não tivermos voto impresso, não tem eleição”).

Uma pena que seja assim. Quero uma presidente competente, honesto e que tenha credibilidade, e não vejo nenhum pré-candidato preenchendo essa lacuna.

Compartilho esse texto de 3 anos:

TODOS QUE GOVERNARAM REVOLUCIONARAM O BRASIL?

Um dia, FHC disse que revolucionou o Brasil com o Plano Real.

Outro dia, também Lula alardeou que revolucionou a nação com suas ações administrativas enfatizando em seu discurso dizendonunca antes nesse país”.

Outrora, foi a vez da presidente Dilma Roussef, em entrevista à TV Al Jazeera (dê um Google para achar essa pérola) bater na tecla de que promoveu uma revolução social democrática em sua administração.

Por último, Michel Temer diz que mudou os rumos do país ao assumir a Presidência, revolucionando os caminhos da crise em rumo do crescimento econômico e da geração de emprego.

Ok, todos fizeram algumas coisas, acertando e errando. Mas com esses 4 últimos “revolucionários”, o Brasil continua igual em péssimos índices sociais e de corrupção.

Gozado, onde está essa revolução de fato? Será que ela virá DE VERDADE com Bolsonaro, ou teremos mais do mesmo? Afinal, esperar até 2022 para que um novo comandante tente de novo, vai ser dose. Mas confesso ter receio na competência de Jair, respeitosamente falando.

Se tudo o que se propagandeia é verdade, seriamos o Canadá, a Noruega, o Japão…

Imagem relacionada

Em vídeo, atualizado, em: https://youtu.be/DIELWUioWGI

– Sobre as denúncias de propina em negociações de vacina. Já viram esse enredo?

Dias atrás, o servidor Luís Ricardo Miranda, concursado do Ministério da Saúde, denunciou juntamente com o irmão dele, o deputado Luís Miranda, que Ricardo Barros (líder do Governo na Câmara) tentou negociar vacinas da Covaxin em um contrato superfaturado. Ambos disseram que avisaram o presidente Bolsonaro, que negou saber desse aviso. Depois da repercussão, Ônix Lorenzoni, o deputado que faz parte da Secretaria Geral da Presidência, suspendeu a negociação e pediu a apuração sobre a corrupção e sobre o denunciador.

Agora, Roberto Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde (que foi indicado pelo cargo por Ricardo Barros), foi denunciado por Luiz Paulo Dominguetti, representante da Davati Medical (que intermedia a venda de vacinas da AstraZeneca) de que ele queria 1.00 dólar por vacina como propina, para a compra de 200 milhões de doses.

Aí, fica a questão: Bolsonaro declarou nesta semana que não tem como saber tudo o que acontece no Ministério. Eu concordo com isso, mas os Ministros, que conversam com ele diariamente, sim.

  • Teria sido informado e se omitiu? Ou não teve nada disso, e ele foi traído pelas pessoas que estão no Ministério?

Cada vez mais tudo isso me lembra o mesmo enredo visto a cada escândalo do Governo Lula, que quando surgia uma denúncia (Sanguessugas, Mensalão, Petrolão), dizia não saber de nada.

Duas perguntas:

  1. Lula não sabia de nada, e somente Palocci e seus afins que sabiam, naquela época?
  2. Bolsonaro não soube de nada, em referência aos acontecidos recentes também?

Aguardemos.

Na foto, o deputado Luís Miranda.

– Paixões políticas emburrecem.

Paixões políticas deixam as pessoas cegas. Duvida disso?

Elas levam ao fanatismo, e isso – repito – não é virtude, é defeito. O brasileiro era tido como omisso, e com as Redes Sociais, foi de “8 a 80” e deixou de ser um povo alienado em Política para um povo interessado nela.

Porém… aqui não se discute política, mas se briga por política, com “torcida e tudo o mais”. Com a possibilidade de Lula se candidatar às Eleições de 2022, os mais fanáticos negam o Mensalão, Petrolão e tantos outros escândalos de corrupção. Já a turma bolsonarista não se importa com os desvios de comportamento do atual presidente e a má gestão das medidas preventivas da Pandemia, justificando coisas até mesmo injustificáveis. E o mesmo cenário serve para os apaixonados por Dória, Ciro, Marina, Amoêdo e demais.

O problema não é declarar o voto, mas o exercício do fanatismo e a tentativa de encobrir os erros. 

O homem dominado por paixões políticas... Sidney Silveira - Pensador

– De novo “causando”, Bolsonaro?

Pobre Brasil… Aguentar um presidente birrento, que apesar de alguns bons ministros, se perde por si próprio, ninguém merece.

O corrupto Lula não emplacou seu candidato por conta das mentiras que promoveu com o Mensalão e Petrolão, fomentando a urgente troca do poder. Surgiu Bolsonaro, que apesar da virtude anti-lulista, se mostrou incapaz de unir o país e se perdeu na pandemia, com incentivo à aglomeração, desconfiança do uso de máscaras e negacionismo inicial das vacinas.

Não é possível que não surja um nome de credibilidade entre o ladrão e o incompetente! Meu Deus…

O chilique contra a jornalista em Guaratinguetá, abaixo, ou em: https://twitter.com/choquei/status/1407025511801425924?s=21

– Pra quê falar isso, Bolsonaro?

O presidente Jair Bolsonaro, ontem à noite, disse à afiliada da TV Record da Rondônia:

“A segunda [vacina] mais usada aqui no país, a CoronaVac, o prazo de validade dela é em torno de 6 meses, e muita gente tem tomado e não desenvolve anticorpo nenhum. Então, essa vacina não tem comprovação científica ainda”.

Meu Deus! Desacreditar na vacina, nessa altura da pandemia? Aí parece que virou sacanagem…

Chamem o Ministro da Saúde com urgência para desminto-lo. Triste essa situação.

– Você não se assusta com multidões endeusando políticos?

Se um político é endeusado, os seus seguidores mais fanáticos não enxergam seus erros. Claro, me refiro aos radicais, respeitando sempre o leitor comum esclarecido.

Lula praticou barbaridades em seu Governo. E, para muitos, os gravíssimos Petrolão e Mensalão foram esquecidos. Bolsonaro fez muitas bobagens no combate à pandemia, especialmente nos péssimos exemplos do pouco caso com máscaras, incentivo à aglomerações e relutância inicial à vacina. Ainda assim, há os que justificam seus atos.

Quando vejo essas fotos de multidões louvando os dois (abaixo), me preocupo. Da mesma forma seria se fossem pró- Dória, Ciro, Amoedo e outros.

O fanatismo e a demagogia são fomentos para o populismo – e isso é péssimo para qualquer país sério.

– Que paixão é essa de muitos, repentina, chamada Política? E por quê radicalizou-se?

Cruz-credo! Brasileiro “quebrava o pau por Futebol”, e trocou isso por Política. Poderia ser um fator positivo se entendermos que o debate sobre a vida do país se tornou importante para as pessoas (sempre fomos uma nação não-politizada), mas acabou virando algo ruim: radicalizou-se!

O que leva o cara a passar o dia inteiro numa rede social postando sobre Política, adorando e amando políticos (independente da ideologia ou do nome) e tentando “converter” quem pensa diferente?

É só fanatismo ou é ignorância? 

Discutir sobre Política é uma coisa; forçar que o seu amigo pense como você e outra.

Respeite-se a opinião alheia!

8agdjm4yjh3jqfafi0ldi6dmq

 

 

– Cansei de Política – e de fanático por ela.

Quando vejo as manifestações pró e contra Governo, ou quando leio os motivos de defesa e de ataque, me assunto com a dualidade: para uns, é santo imaculado; para outros, é pecador endemoniado.

O pior é que vejo bolsonaristas e lulistas usando argumentos forçados. Ora, todos tiveram seus erros (Bolsonaro, na péssima condução da pandemia; Lula, na corrupção a níveis nunca vistos). E tiveram algumas virtudes, que não conseguem se sobressair aos seus defeitos.

Aí, quando o fanático mais exaltado lê, vai dizer que “Bolsonaro financiou pesquisas e comprou vacinas” (como se não tivesse tido um discurso negacionista por tempos), ou que “Lula deu emprego, renda e pujança econômica” (como se não fosse um “castelo de cartas” que desabou na primeira crise, somado ao Mensalão e Petrolão).

Dória, Ciro, Amoêdo, Marina… nenhum dos candidatos (ou pré-candidatos) me transmitem seriedade, competência e honestidade.

Cansa.

Eleições 2018: 5 razões pelas quais é tão difícil renovar a política  brasileira | Asmetro-SN

– A cansativa CPI da Pandemia e a discussão eleitoral

Quanto está custando ao país essa CPI do Senado, sobre o Combate ao Coronavírus?

Pelos nomes que se mostram “defensores da correção” e que são os “investigadores”, pelos “depoentes e investigados“, não tenho estômago para assisti-la. 

Nestas horas, fico com pena do Brasil.

Aliás, está muito “em campanha” toda essa turma. Não se discute o Brasil hoje, mas se faz um grande emaranhado político. É a dualidade Bolsonaro (com Collor, Roberto Jefersson e outros nobres políticos) versus Lula (com Sarney, FHC e demais).

Tá difícil. Enquanto isso, Renan Calheiros ri, pois não surge um nome honesto e competente como 3a via.

Supremo absolve Renan Calheiros do crime de peculato

– Um passeio de moto em momento impróprio…

Cá entre nós: em meio a severa pandemia que estamos vivendo, ninguém “dá um toque” ao presidente Bolsonaro que é necessário evitar aglomeração?

Quero crer (contém ironia, óbvio) que todas as pessoas ali estavam vacinadas e com anticorpos. Veja a foto abaixo:

Extraído de: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2021/05/24/the-guardian-chama-de-obsceno-passeio-de-moto-de-bolsonaro-na-pandemia.htm

THE GUARDIAN CHAMA PASSEIO DE MOTO DE OBSCENO.

Um dos jornais mais importante do mundo, o britânico The Guardian repercutiu o passeio de motocicleta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizado ontem no Rio de Janeiro, que causou aglomeração em plena pandemia de coronavírus. O ato contou com a presença do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

O The Guardian classificou como “obsceno” o comportamento do presidente, e disse que o ato foi uma “tentativa” de Bolsonaro de “reenergizar seu movimento de extrema direita em declínio, enquanto a raiva pública cresce sobre sua forma de lidar com o surto de covid-19 no país”.

“Milhares de bolsonaristas agitando bandeiras se reuniram em frente ao Parque Olímpico na Zona Oeste do Rio na manhã de domingo para a demonstração de apoio em duas rodas antes de rumar para o leste em direção aos distritos de praia ao sul e ao centro da cidade, com Bolsonaro perto da frente”, destacou o jornal.

O noticioso também deu destaque para as reações de opositores a Jair Bolsonaro, que bateram panelas e repudiaram o ato das varandas de seus apartamentos, chamando Jair Bolsonaro de “genocida”.

“Muitos dissidentes denunciaram como ‘genocida’ sua forma de lidar com uma epidemia de covid-19 que matou quase meio milhão de brasileiros, quase metade do total de vidas perdidas na América Latina e no Caribe”, completou o The Guardian.

O argentino Clarín também repercutiu as cenas de Jair Bolsonaro aglomerando pelas ruas da capital fluminense, e ponderou que, “apesar do coronavírus”, o presidente “liderou” uma marcha com motociclistas sem fazer uso de máscaras de proteção.

“Ao chegar na praia do Flamengo, próximo ao centro da cidade, o presidente desceu de sua motocicleta para passear entre os milhares de manifestantes que o aguardavam. Ele apertou a mão deles e posou para fotos com seus rostos descobertos”, diz ressaltando o não uso da máscara de proteção contra o novo coronavíurs por parte de Bolsonaro e seus apoiadores.

Chamando de “presidente de extrema direita” pelo jornal argentino, o Clarín destacou ainda as falas do presidente brasileiro contra os governadores e prefeitos, e disse que desde abril Bolsonaro “busca mobilizar sua base de fãs mais extremistas em um momento em que sua popularidade está no ponto mais baixo desde que chegou ao poder em 2019”, e com pesquisas recentes mostrando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva liderando a corrida presidencial em 2022.