– O salvamento da tartaruga fujona!

Uma história legal para as crianças: encontramos, hoje, uma tartaruga que fugiu do lago do Parque Botânico Eloy Chaves. Ela tentou ir para a rua, mas nós a direcionamos para o seu cercadinho. Só que aí ela não conseguia entrar pelo mesmo buraco onde escapou.

Como eu estava com a minha filha Estela no colo, o jeito foi “orientar” a tartaruga! Kk Hilário, mas ajudamos o pobre bicho.

Ensinar as crianças desde cedo a respeitar a natureza, cuidando da fauna e da flora, é importantíssimo! Minha filhotinha passou o dia inteiro contando o feito de “salvar a tartaruga bebê”.

Aqui o vídeo (o finalzinho é “heroico”): https://youtu.be/GXtWmCSzyFs

Anúncios

– Canudinhos proibidos. Mas e copos plásticos?

Defendo a causa ambiental, e creio que não fazê-la é um tiro no pé para a sobrevivência. Entretanto, leio que a Lei Estadual que proíbe os canudinhos entrou em vigor  definitivamente / pra valer no dia 16 de Outubro. Desde julho, ela ordenava que os canudos plásticos fossem substituídos, e agora, vencido o prazo, prevê a multa.

Em um mundo ideal, isso seria bacana. Mas fica a questão: mais nocivo que os canudinhos (e em maior quantidade nas ruas como lixo) não são os copos de plástico e as garrafas Pet? Por quê a indústria dos refrigerantes não foi perturbada com a nova lei?

Fica a reflexão…

Aliás, não gosto de proibições. Não era melhor educar a população para jogar o lixo no lugar ideal, incentivar o descarte e a promoção de recicláveis?

Resultado de imagem para Canudinhos lei

– A Praia dos Carneiros (a mais gostosa do mundo), suja de óleo…

Que triste… a mais bela praia (ou melhor experiência) que eu fui na vida é a “Praia dos Carneiros”. E, infelizmente, foi atingida pela mancha de óleo que vazou no Litoral do Nordeste.

Aliás, que tragédia ambiental, não?

Extraído de: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2019/10/praia-de-carneiros-joia-do-litoral-pernambucano-e-atingida-por-oleo.shtml

PRAIA DOS CARNEIROS, JOIA DO LITORAL PERNAMBUCANO, É ATINGIDA POR ÓLEO

A praia de Carneiros, um dos principais cartões postais do turismo pernambucano, no litoral sul do estado, amanheceu cheia de manchas de óleo nesta sexta-feira (18). O mesmo local, de acordo com órgãos ambientais, havia sido afetado de maneira bem mais branda no início de setembro.

A mancha desta manhã chegou com a maré cheia, por volta das 6h. Donos de pousadas, pescadores e servidores da prefeitura de Tamandaré realizam um mutirão para tentar remover o material da praia.

Um dos locais mais atingidos foi em frente ao Bora Bora, ponto bastante famoso da praia.

Na tarde desta quinta (17), após detectar a partir de um sobrevoo que havia uma grande mancha em deslocamento para a costa, o governo pernambucano conseguiu coletar mais de uma tonelada do material ainda no mar.

Desta vez, o plano emergencial preparado pelo governo para conter o avanço do petróleo não conseguiu evitar a poluição.

Na tarde desta quinta, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), que integra o bloco nordestino de oposição ao governo Bolsonaro, cobrou uma resposta definitiva. “É fundamental que o governo federal identifique a fonte desses vazamentos para que novas contaminações não voltem a acontecer”, disse.

A grande preocupação agora é de que a mancha chega à praia de Porto de Galinhas, também uma das mais procuradas por turistas.

O óleo já atingiu 178 praias em 72 municípios de todos os nove estados nordestinos.

15714015515da9af4f3c618_1571401551_3x2_lg

Foto: Coelho Júnior (divulgação)

– Mais de 150 praias contaminadas por petróleo e o mundo não comenta a contento?

Quando tivemos o episódio das queimadas na Amazônia, a questão da vida selvagem e da floresta foi amplamente discutida, buscando os responsáveis pela devastação. Agora, com as manchas de óleo vazado de algum lugar não sabido (crê-se que seja petróleo venezuelano), não está se dando a ampla repercussão à vida marinha, aos caiçaras e ao Turismo do Nordeste.

Por quê seriam menos importantes, sendo que a extensão da trajédia ambiental é enorme?

Abaixo, extraído de: https://t.co/XKxQ3CxK01?amp=1

MANCHAS DE ÓLEO CHEGAM A SALVADOR

De acordo com o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), 19 praias do Estado da Bahia já estão contaminadas pela substância identificada como petróleo cru.

O óleo que se espalha pelo litoral nordestino chegou na madrugada desta sexta-feira (11) às praias em Salvador. De acordo com o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), foram observados resquícios da substância, apontada como petróleo cru, nas praias de Piatã, uma das mais frequentadas por banhistas, na capital baiana, e de Vilas do Atlântico, no município vizinho de Lauro de Freitas.

A Empresa de Limpeza Pública da cidade, a Limpurb, também observou manchas na Praia do Flamengo e Jardim dos Namorados, essa última localizada no bairro da Pituba.

A Limpurb informa que disponibilizou uma equipe de 75 agentes para realizar a limpeza dessas áreas. Eles estão trabalhando em regime de plantão de 24 horas para realizar o monitoramento de toda a orla da capital.

Segundo o Inema, em todo o Estado, já são 19 as praias contaminadas pelo óleo.

Um vazamento de petróleo cru se espalha pelos nove Estados do Nordeste. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira. O governo federal afirma que análises já apontaram ser petróleo cru, de origem desconhecida e de tipo não produzido no Brasil.

Considerado o maior episódio de vazamento de óleo no Brasil em termos de extensão, o desastre ambiental que atingiu pelo menos 139 pontos nos nove Estados do Nordeste pode causar impacto na saúde humana, ainda que em escala pequena, quando comparada aos danos ao ecossistema local.

*Com informações do Estadão Conteúdo

EFE/MARCOS RODRIGUES

– Sínodo da Amazônia não defende a internacionalização da Amazônia!

Como as coisas estão pilhadas no país! Está acontecendo o Sínodo Católico (um encontro de bispos) para a discussão da Amazônia.

Nele, se fala sobre a relação da Igreja com os índios, o respeito a esse povo, a preocupando com a natureza e a necessidade de cuidar do planeta. Em momento algum se discutiu internacionalizar a Floresta Amazônica, como alguns insistem em dizer. Ao contrário: se falou em respeito à soberania das nações que fazem parte da Amazônia Legal.

A quem interessa tumultuar uma questão de fé / evangelização e transformá-la em fato de divisão?

Resultado de imagem para Sínodo da amazônia

– Dia da Árvore foi esquecido?

Quando eu era um garotinho, dia 21 de setembro sempre era um dia importante: o Dia da Árvore!

No primário, em todos os anos tínhamos aulas especiais e plantávamos alguma mudinha de qualquer coisa que fosse. Mas hoje, confesso que não li nem ouvi ninguém falando nada ainda…

Está tudo virando concreto?

bomba.jpg

– Veja fotos de 15 animais que foram extintos nos últimos 250 anos

Em tempos de preocupação com o meio-ambiente, vale a pena ler essa matéria para maior conscientização: animais extintos nos últimos 250 anos!

Veja fotos de 15 animais que foram extintos nos últimos 250 anos

(Blog de: https://vivimetaliun.wordpress.com)

— Leitura obrigatória em: vivimetaliun.wordpress.com/2019/09/19/veja-fotos-de-15-animais-que-foram-extintos-nos-ultimos-250-anos/

AnimaisExtintos62

– A Beleza dos Pés de Ipês

Esse texto está rodando pela Web, e por eu ter ipês em minha casa e gostar demais da beleza de suas flores, compartilho sobre tais belas árvores. 

Eu prefiro amarelos e brancos. E você?

A HISTÓRIA DOS IPÊS. 

Como estamos contemplando a beleza dos Ipês lembrei das histórias contadas pelo pai de uma grande amiga,

Certa vez contou uma linda história sobre o ipê:

– Quando Deus estava preparando o mundo, se reuniu em uma tarde com todas as árvores. Ele pediu para que cada árvore escolhesse que época gostaria de florecer e embelezar a terra. 

Foi aquela alegria. 

Outono, verão, Primavera, diziam!!!

Porém Deus observou que nem uma escolhia a estação do inverno. 

Então Deus parou a reunião é perguntou: 

– Por que ninguém escolhe a época do inverno?!?

Cada um tinha sua razão. Muito seco! muito frio!..muita queimada! 

Então Deus pediu um favor. 

Eu preciso de pelo menos uma árvore, que embeleze o inverno, que seja corajosa, para enfrentar o frio, a seca e as queimadas e no frio embelezar o mundo….

Todos ficaram em silêncio. 

Foi então que uma árvore quietinha lá no fundo, balançou as folhas e disse: 

_ Eu vou!…

E Deus com um sorriso perguntou:

– Qual seu nome minha filha?!

Me chamo Ipê, senhor!

As outras árvores ficaram espantadas com a coragem do Ipê em querer florecer no inverno.

Então Deus respondeu:

– Por atender meu pedido farei com que você floreça no inverno não só com uma cor.

Para que também no inverno o mundo seja colorido.

Como agradecimento, terás diferentes cores e texturas, sua linhagem será enorme.

E assim Deus fez uma das mais lindas árvores que da cor ao inverno. E por isso temos os Ipês:

  • Branco
  • Amarelo
  • Amarelo do Brejo 
  • Amarelo da Casca Lisa
  • Amarelo do Cerrado
  • Rosa
  • Roxo
  • Roxo Bola
  • Roxo da Mata 
  • Púrpura. 

Que sejamos como os ipês, que saibamos florir nos invernos da vida!

De José Hermes Sandoval Braga por Carminha Braga.

– Amazônia, a insônia do mundo, como outrora cantou o Rei Roberto Carlos!

Que coisa a “queima da Amazônia”, não?

Sobre ela, me assusta a quantidade de Fake News tanto de apoiadores quanto de opositores do Governo, e a desunião em solucionar logo o problema das queimadas.

Cá entre nós: enquanto a Floresta tem inúmeros focos de incêndio, as pessoas brigam pelas redes socais e meios de comunicação diversas querendo culpar um ou outro. E a resolução do problema demora mais!

Sejamos honestos:

  • Sempre há nesse período histórico de queimadas; neste ano, por diversos motivos, é maior.
  • Os últimos Governos fizeram as mesmas coisas que o atual. Nenhuma novidade.
  • A Comunidade Internacional não sabe o que acontece em nosso país e a má comunicação daqui traz distorções. Acham que o país inteiro está sob fumaça.
  • Ao invés de pedir ajudar, as autoridades negam o auxílio alegando que é “condicionado”, podendo ferir a soberania.
  • Políticos nacionais e internacionais querem pegar carona com a questão: Macron, que é contestado lá na França, vestiu a camisa de eco-dirigente e quer ganhar os louros da causa.
  • E, por fim: a VAIDADE. Já não era hora de juntar forças para minimizar a questão? Toda ajuda deve ser bem recebida e aceita! Ou esperaremos o fogo aumentar?

Tem muita floresta. Isso é bom, porquê a natureza nos foi generosa. Mas, ao mesmo, é ruim, pois proporcionalmente há mais para se queimar.

Imagem relacionada

– A Amazônia queima!

Há aqueles que alegam ser normal a queima da Floresta Amazônica nesta época do ano. Mas você já viu chover água escura, como ocorreu nesta semana?

Claro que não. A existência de queimadas amazônicas e também da região do Pantanal, sejamos justos, é constante e se avoluma vez ou outra, levando a esses fenômenos. Mas não podemos achar isso normal!

Me pesa ver que autoridades, ao invés de enfrentar tal problema com rigor, preferindo desdenhar de quem o critica. E não cito pelo fato de ser o Ministro X ou Y do Governo B ou L (mais claro, só escrevendo que independe de ser Lula, Bolsonaro, ou quem quer que seja). O desmatamento é algo que nunca foi levado a sério nesse país como se deveria.

Extraído, abaixo, de: https://earthobservatory.nasa.gov/images/145464/fires-in-brazil (site da Nasa, em 16/08)

FIRES IN BRAZIL

Fires in Brazil

13/08/2019

Fires in Brazil

16/08/2019

In the Amazon rainforest, fire season has arrived.

The Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) on NASA’s Aqua satellite captured these images of several fires burning in the states of Rondônia, Amazonas, Pará, and Mato Grosso on August 11 and August 13, 2019.

In the Amazon region, fires are rare for much of the year because wet weather prevents them from starting and spreading. However, in July and August, activity typically increases due to the arrival of the dry season. Many people use fire to maintain farmland and pastures or to clear land for other purposes. Typically, activity peaks in early September and mostly stops by November.

As of August 16, 2019, satellite observations indicated that total fire activity in the Amazon basin was slightly below average in comparison to the past 15 years. Though activity has been above average in Amazonas and to a lesser extent in Rondônia, it has been below average in Mato Grosso and Pará, according to the Global Fire Emissions Database.

NASA Earth Observatory images by Lauren Dauphin, using MODIS data from NASA EOSDIS/LANCE and GIBS/Worldview and VIIRS data from NASA EOSDIS/LANCE and GIBS/Worldview, and the Suomi National Polar-orbiting Partnership. Caption by Adam Voiland.

– O dia em que “o dia virou noite”!

Caracoles! O fenômeno climático que tornou as cidades do Sudeste bem escuras mais cedo do que deveriam, pasmem, foi ocasionado pela POLUIÇÃO DE QUEIMADA!

Abaixo, extraído de:  https://jovempan.uol.com.br/noticias/brasil/porque-o-dia-virou-noite-em-sao-paulo.html

PORQUE O DIA VIROU NOITE EM SÃO PAULO

Meteorologista explica que motivo é encontro de frente fria com material particulado de incêndios florestais

Na tarde desta segunda-feira (19), os moradores de São Paulo se depararam com “o dia virando noite” por volta das 15h30. De acordo com o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) Franco Villela, isso ocorreu devido ao encontro de uma frente fria com ventos provenientes de queimadas no centro-oeste do Brasil, que trouxeram material particulado em suspensão no ar.

Além disso, o especialista alertou para um grande incêndio florestal originado neste sábado no Pantanal, em território do Paraguai, que atingiu cerca de 21 mil hectares.

“É uma convergência entre ventos do centro e do leste de SP, com o material das queimadas que ocorreram no centro-oeste e no Paraguai. Ou seja, é um encontro entre uma frente fria forte com ventos úmidos e material particulado vindo dos incêndios florestais”, disse à Jovem Pan.

De acordo com as estações meteorológicas automáticas do CGE, os termômetros apontaram 16°C em Perus, na zona norte, e 13°C em Parelheiros, no extremo da zona sul. A umidade relativa do ar nesses locais foi, respectivamente, de 85% e 100%.

Nas redes sociais, os moradores de São Paulo brincaram que “o dia que virou noite” e postaram fotos impressionantes.

– Salvem as abelhas! Falando sobre a importância da Polinização.

Gosto muito de fotografia. E certo dia acertei em cheio neste clique da abelhinha que “cheirava” a roseira:

Apesar dos olhos assustadores e corpo peludo (além de suas picadas serem doidas), elas são “boazinhas“! Mais do que isso: NECESSÁRIAS.

Se sumirem do nosso dia-a-dia, como ficará a polinização?

Extraído de: https://www.semabelhasemalimento.com.br/home/polinizacao/

O QUE É POLINIZAÇÃO?

A polinização é o processo que garante a produção de frutos e sementes e a reprodução de diversas plantas, sendo um dos principais mecanismos de manutenção e promoção da biodiversidade na Terra. Para que ela ocorra, entram em ação os polinizadores, que são animais como abelhas, vespas, borboletas, pássaros, pequenos mamíferos e morcegos responsáveis pela transferência do pólen entre as flores masculinas e femininas. Em alguns casos, também o vento e a chuva cumprem este processo.

É certo, entretanto, que são as abelhas os agentes mais adaptados, mais eficientes e, portanto, os mais importantes no processo de polinização, havendo grande interdependência entre espécies de plantas e seus respectivos polinizadores, que podem ser únicos.

Um exemplo são as mamangabas e o maracujá. Esta abelha tem características que a fazem única no processo de polinização da flor do maracujá: seu tamanho acentuado e o movimento de vibração que só ela produz, faz com que o pólen seja derrubado, podendo ser transportado até a parte feminina da flor, fecundando-a. Sem a mamangaba, portanto, a reprodução do maracujá ficaria seriamente comprometida.

Desta íntima relação compreende-se a necessidade de proteção a todos os diversos tipos de polinizadores existentes na natureza.

AS ABELHAS E A POLINIZAÇÃO

As abelhas formam um grupo diverso e numeroso, compreendendo mais de 20 mil espécies no mundo. No Brasil, estima-se a existência de mais de 3.000 espécies diferentes de abelhas, mas apenas pouco mais de 400 estão catalogadas. As espécies nativas são os meliponíneos, ou abelhas nativas sem ferrão, que compõem a grande maioria das espécies de abelhas de nosso país.

Mas também existem as Apis Mellifera, conhecidas como as abelhas do mel ou africanizadas. Estas são abelhas exóticas, híbridos do cruzamento de abelhas trazidas da Europa e da África, e as mais utilizadas na apicultura: são abelhas com ferrão.

Existem também o grupo das abelhas solitárias e ainda as abelhas do gênero Bombus, popularmente conhecidas como mamangabas.

Ao contrário de outros grupos de insetos, tanto as abelhas adultas, quanto suas larvas e pupas, alimentam-se exclusivamente de recursos florais. Por isso, para suprir sua necessidade alimentar, as abelhas visitam uma grande variedade de flores, colhendo o pólen (fonte de proteína) e o néctar (para a produção do mel). A atividade de polinização é, portanto, uma ação involuntária dos polinizadores, mas essencial à vida das plantas, que se utilizam de cheiros, cores e sabores para atraí-los.

A IMPORTÂNCIA DA POLINIZAÇÃO

Das espécies conhecidas de plantas com flores, cerca de 88% dependem, em algum momento, de animais polinizadores. Mais de 3/4 das espécies utilizadas pelo homem na produção de alimentos dependem da polinização para uma produção de qualidade e quantidade.

Ops: o clique original da foto acima, cuja abelha está em destaque, é essa abaixo:

– Gestão Ambiental, na Prática!

Muito boa a iniciativa de algumas escolas em implantarem a disciplina “Gestão Ambiental” em suas grades. Melhor: colocar as teorias na prática!

Compartilho ótimo exemplo publicado nesta semana.

Extraído de: http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2070/geracao-sustentavel-educacao-ambiental-vai-alem-da-sala-de-aula-14371-1.htm

GERAÇÃO SUSTENTÁVEL

Educação ambiental vai além da sala de aula para formar adultos do futuro mais conscientes,

POR Verônica Mambrini

Eles reciclam lixo e transformam restos orgânicos em adubo. Tomam refrigerante de garrafas retornáveis e rejeitam produtos que vêm com muitas embalagens. Plantam árvores desde pequenos e pesquisam na internet o impacto ambiental de suas ações. Ficam escandalizados quando alguém joga lixo no chão ou desperdiça água num banho longo. Se possível, pedalam ou combinam caronas para chegar ao seu destino. Não, não são ativistas ecochatos. Essa é a nova geração que está se formando nas escolas hoje, dos pequenos em idade pré-escolar aos adolescentes questionadores.

A preocupação com ecologia não é propriamente uma novidade, pois há cerca de 20 anos vários colégios já abordavam questões ambientais. Mas o posicionamento hoje é diferente: o aluno se tornou protagonista e não espectador dos problemas que discute em sala de aula. E espera-se que o estudante leve para a vida o que aprendeu. Eduardo Rios Lohmann, 10 anos, do Colégio Pentágono, está envolvido em várias atividades de educação ambiental na escola. Sobra “lição de casa” até para os pais. “Reclamei com minha mãe até ela parar de escovar os dentes com a torneira aberta”, orgulha-se. A mãe, a pedagoga Glória Lohmann, se diverte com a fiscalização. “É uma coisa dele, mas a escola e os programas de tevê aos quais ele assiste reforçam a noção de consciência ambiental”, afirma.

No Pentágono, o professor de ciências Rogério Tadeu Sant’Anna usou uma oficina de reciclagem de lixo eletrônico para conscientizar os alunos. Eles trazem de casa eletrodomésticos que seriam descartados, desmontam as peças e as encaminham para reciclagem. “Eles passam a reconhecer os materiais, o que é reciclável e o que não é, e aproveitamos para discutir o consumismo”, afirma Sant’Anna. Já foram desmontadas mais de três toneladas de aparelhos quebrados e sem possibilidade de conserto.

No interior de São Paulo, em Sorocaba, a palavra de ordem do Colégio Véritas é pedalar para reduzir emissões de carbono, exercer a cidadania e ocupar o espaço público. “O uso da bicicleta é fundamental para o meio ambiente e para a saúde”, afirma Bárbara Figueroa Muñoz, diretora do colégio. A cada pedalada, os alunos calculam quanto de carbono deixaram de emitir. Outra ação é a Recicleta: com peças doadas, eles montam bikes e as entregam para comunidades carentes. O aluno Eduardo de Lima Helaehil, 13 anos, participa do projeto. “É muito divertido e sei que estou ajudando alguém”, diz. Bárbara afirma que, pelo uso diário, a bicicleta promove um aprendizado constante. “A educação tem de gerar transformação.”

Transformar a sociedade mantendo o respeito ao meio ambiente está dentro de toda a grade curricular da Escola Stance Dual, em São Paulo. A questão é tão importante para a escola que a instituição é adepta da Agenda 21, compromissos resultantes da Rio 92 (conferência ambiental mundial que ocorreu no Rio de Janeiro em 1992), e tem coordenadoria própria. “É encarado como um projeto transversal. Está em todas as aulas que comportam os conteúdos socioambientais no currículo”, diz Débora Moreira, coordenadora da Agenda 21 da escola. “A partir do momento em que o aluno é protagonista, estamos formando cidadãos com conhecimento, que entendem as razões e a necessidade de agir.” A Recicloteca da escola, por exemplo, incentiva a transformação de embalagens em brinquedos que serão doados à comunidade.

A aluna Caroline Vecci, 9 anos, participa das campanhas de racionalização do uso da água. Além de mudar sua forma de consumo, ela atua na conscientização de outras pessoas. “Fazemos cartazes e folhetos, ensinando como economizar água. Outra ação importante foi a entrega de marca-páginas e adesivos na rua”, diz a estudante.

Outro recurso com bastante relevância na formação dos adultos de amanhã são as excursões in loco. Morador de Cuiabá, João Vitor de Ceni Diogo, 12 anos, tomou consciência dos impactos do turismo em uma viagem ao Pantanal. “Vale a pena investir em turismo sustentável para que as próximas gerações possam ver o Pantanal como a gente vê hoje”, diz o menino. A vivência direta da realidade é fundamental para tocar os alunos, acredita a professora de João Vitor e responsável pelo projeto, Aparecida de Fátima Trandini, do Colégio Salesiano São Gonçalo. “Damos ferramentas para que eles mantenham viva a riqueza natural”, diz Aparecida. O importante é fazer a educação ambiental ultrapassar os muros da escola.

 

Resultado de imagem para Meio ambiente ecologia

– Camarão Pink Floyd!

Você gosta de camarão?

Eu adoro! E feito de qualquer jeito. Saudável e gostoso, pode ser pescado no mar ou criado em cativeiro.

A mais nova descoberta (na costa do Panamá) é de um camarão de garras “rosa-choque”, que solta vibrações com um volume muito alto, capaz de matar outros peixes, batizado de Pink Floyd.

O que falta para a Ciência descobrir, não? E quantos outros seres vivos que ainda não conhecemos…

Extraído de: http://superabril.com.br/ciencia/nova-especie-de-camarao-e-batizada-com-nome-de-pink-floyd/

NOVA ESPÉCIE DE CAMARÃO É BATIZADA COM NOME DE PINK FLOYD

Crustáceo progressivo usa sua garra rosada para criar vibrações supersônicas e matar presas no fundo do mar

Por Guilherme Eler

Foi mais forte do que os próprios cientistas. Fãs de rock nas horas vagas, o grupo viu na descoberta de uma nova espécie de camarão a chance perfeita para homenagear uma de suas bandas preferidas. E a referência deixaria o Pink Floyd orgulhoso: assim como a histórica banda inglesa, o pequeno crustáceo faz também um barulho, digamos, conceitual. Com cerca de 5 centímetros, ele é capaz de paralisar e matar suas presas à distância, munido de sua arma supersônica – uma estilosa garra na cor rosa.

A escolha do nome da criança, Synalpheus pinkfloydi, une o útil ao agradável: com “pink”, tem-se uma referência perfeita à garra rosada do bicho. “Floyd”, que já vem no pacote, teve de ganhar o “i” ao final, em uma tentativa de ajustar a alcunha ao formalismo da taxonomia, que pede que novas espécies tenham nomes em latim. A variedade integra a família dos camarões-pistola, também conhecidos como camarões-de-estalo.

Sammy De Grave, pesquisador do Museu de História Nacional de Oxford, disse ser fã da banda inglesa desde a adolescência. “Ouço desde que o ‘The Wall‘ foi lançado em 1979, quando eu tinha 14 anos”, declarou à BBC. À NPR, o pesquisador revelou seu conhecimento aprofundado da banda. Segundo De Grave, a referência ao nome “é feita na linha ‘By the way, which one of you is Pink?’ da canção ‘Have A Cigar‘”, que integra o álbum Wish you were here.

Para completar a lista de coincidências, a espécie descoberta também tem sua veia sonora – utilizada para a sobrevivência. E a habilidade de produzir “música” (tecnicamente, ondas supersônicas) vem de sua garra rosada: o ato de abrir e fechá-la rapidamente causa um estouro na casa dos 210 decibéis, volume que, de tão alto, é capaz de matar até peixes pequenos que estiverem passeando desavisados pela região.

O ruído deixa no chinelo, por exemplo, o som causado pelo disparo de uma arma de fogo, uma turbina de avião ou mesmo shows de rock, que podem alcançar meros 120 dB“Shine on, S. pinkfloydi” – diria, provavelmente, Roger Waters.

A espécie é nativa da costa do Pacífico do Panamá. Sua descoberta foi descrita no periódico científico Zootaxa, e tem, inclusive, participação brasileira. Dentre os autores, estão uma equipe da Universidade Federal de Goiás, além de cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e de Seattle, nos EUA.

E o melhor: não é o primeiro crustáceo identificado pelos pesquisadores que leva um nome de astros do rock. Vocalista da banda Rolling Stones, o azarado Mick Jagger tem também no currículo uma variedade de camarão que faz referência ao seu nome. Explicar o porquê da Elephantis jaggerai ter ganhado esse nome, no entanto, parece ser uma tarefa ainda mais difícil. Quem sabe a espécie arrisque um ou outro passinho estranho de dança no fundo do mar.

bomba.jpg

– O sabor da Lagosta azul seria igual à normal?

A chance de pescar uma Lagosta Azul e não a tradicional é de 0,00000005%. E há um mês, no Litoral Brasileiro (Maragogi-AL), um felizardo conseguiu tal proeza.

A dúvida que bateu: e o sabor dela? Qual seria? 

Poucas vezes comi Lagosta (até pelo alto preço). É bom! Mas eu gosto mesmo é de Lagostim (temperado com ervas, na manteiga… hum…) e de Camarão (de todo jeito, pois gosto demais!!!!)

Ops, deu fome. Porém, como esses crustáceos custam caro também, fica difícil experimentar sempre. Entretanto, acho que nunca terei a oportunidade de sanar essa dúvida: os sabores são diferentes entre as duas lagostas?

Aliás, tempos atrás, um cara passou por uma experiência extraordinária: pescou duas LAGOSTAS DE COR AZUL!

Relembrando esse fato raro: https://professorrafaelporcari.com/2016/08/13/lagosta-azul-voce-comeria-uma/

Resultado de imagem para lagosta azul