– 27 anos da Conquista do Tetracampeonato Mundial.

Em 17 de Julho de 1994, a Seleção Brasileira conquistava a Copa do Mundo dos EUA!

Seleção de futebol pragmático e que quase não se classificou. Parreira teve que trazer a contragosto Romário (que havia brigado com ele desde que foi reserva de Müller, contra a Alemanha, em Porto Alegre). No Maracanã, contra o Uruguai, o Baixinho chamou a responsabilidade pra si e carimbou-se ali o passaporte.

Duas coisas marcantes daquele Mundial: o baixíssimo nível técnico da competição e o pênalti desperdiçado pelo italiano Baggio, na final.

Puxa, voltamos aos anos 90 na memória ao escrever tudo isso…

– 6 anos sem Ghiggia.

Em 16 de julho de 2015, morria Alcides Ghiggia, o homem que fez o 2o e decisivo gol a favor do Uruguai, na final da Copa do Mundo de 1950 contra a Seleção Brasileira, promovendo o inesquecível Maracanazo.

É dele a frase:

Somente 3 pessoas conseguiram silenciar o Maracanã: o Papa, Frank Sinatra e Eu.

Não dá para contestar…

bomba.jpg

– 7 anos do 7×1. E o que mudou?

Hoje faz exatamente 7 anos que a Seleção Brasileira foi humilhada e perdeu para a Alemanha por 7×1 na semifinal da Copa do Mundo.

Que os alemães eram melhores, tudo bem. Mas levar 7 em casa, e do jeito que foi, aí não tem desculpa.

Tenho certeza que tal vexame nos fez esquecer a perda da Copa de 50. Superamos um trauma com outro pior!

E o que mais assusta é o fato dos cartolas serem os mesmos, a estrutura idem e, por incrível que possa parecer, Neymar, que era a referência única, praticamente continua solitariamente tendo o mesmo fator de protagonismo…

Será que o 7×1 foi pouco para que existam mudanças de fato?

Talvez ficar fora de uma Copa do Mundo, não se classificando pelas Eliminatórias, seja o nosso ápice de incompetência e o start para as mudanças começarem de verdade. Mas ficará para 2026 essa situação, pois Tite superou tudo isso em 2018, levando o time para a Rússia – e repete essa superação em 2022, praticamente classificando para o Catar. Conseguirá fazer o mesmo para a Copa do Mundo na América do Norte?

bomba.jpg

– #tbt 4: O Craque da Foto ou o Craque de Bola?

O volante Paulinho rescindiu com seu time chinês e é desejado por diversos clubes. E como hoje é dia de #tbt, vale essa foto de anos atrás:

Quem tem mais genialidade: o volante Paulinho, em seu ofício, ao marcar de maneira oportuna o 1o gol do jogo entre Brasil 2×0 Sérvia, ou o fotógrafo brasileiro Eugênio Sávio, que mostrou muita categoria em sua profissão como o clique abaixo?

Veja que baita foto:

– No futuro, o que será mais atrativo: Seleções ou Clubes?

Seleções ou Clubes: o que lhe atrai mais? Se a resposta foi “clubes”, quais serão: locais ou globais?

Cada vez mais percebemos o desinteresse na Seleção Brasileira e um aumento da audiência em jogos entre clubes europeus. Uma tendência indiscutível (vide os adolescentes com as camisas de equipes globalizadas, que deixam de usar – por vários motivos – as dos clubes nacionais, optando por Real Madrid, Barcelona, Juventus, PSG, entre outros).

A Copa do Mundo (que envolve seleções) é uma festa quadrienal, que mantém a expectativa em alta quando ocorre. Mas e a Uefa Champions League (que envolve clubes e é anual), não se tornou igualmente global?

George Weah, Hagi, Drogba, Nakata, Ibrahimovic, Cristiano Ronaldo… esses craques não teriam condições de serem campeões do mundo por seus países, mas pelos seus clubes, sim. Aliás, é mais numerosa a participação / representatividade de países na UCL do que na World Cup (vide quantas nacionalidades diferentes temos em campo durante a competição).

A globalização é um dos fatores que explica tal fenômeno, que leva a situações impensáveis antigamente: na Eurocopa, por exemplo, a Espanha não tem nenhum jogador espanhol do gigante Real Madrid – que é um conglomerado de astros multi-raciais e internacionais. Clubes como ele se tornam empresas de entretenimento, gerindo melhor a relação com seus torcedores planeta afora do que as Seleções.

A técnica e a tática são cada vez mais relevantes nesse momento, onde o profissionalismo sucumbe à emoção. Clubes bem treinados, que todos os dias se preparam, jogam muito melhor do que Seleções Nacionais que se reunem eventualmente e mal podem treinar.

Sejamos sinceros e realistas: os clubes de futebol globais, cada vez mais, são mais espetaculares que os nossos clubes locais ou a Seleção Nacional (gostemos ou não).

Opinião: Os efeitos da globalização no futebol mundial | Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

– A carta aos amantes do Futebol, do Papa Francisco, é atual e serve para fiéis esportistas, ateus e sociedade em geral.

Há exatamente 7 anos, o Papa Francisco escrevi uma carta aos amantes do futebol (por acaso da abertura da Copa do Mundo 2014).

Será que ela valeria para hoje, às vésperas da abertura da Copa América 2021?

Cheia de analogias com o futebol, Francisco falou naquela ocasião que, “assim como ‘ser fominha’ é ruim no futebol, no dia-a-dia da sociedade também”!

A gíria se refere ao jogador individualista, que só pensa no seu sucesso e esquece o coletivo. Calhou muito bem para o mundo tão egoísta em geral, não?

Golaço, Papa!

Abaixo, a íntegra da mensagem (vale a pena ler esse texto, independente de gostar ou não do futebol – ou mesmo tendo outra fé que não seja a católica):

“Queridos amigos,

É com grande alegria que me dirijo a vocês todos, amantes do futebol, por ocasião da abertura da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

A minha esperança é que, além de festa do esporte, esta Copa do Mundo possa tornar-se a festa da solidariedade entre os povos. Isso supõe, porém, que as competições futebolísticas sejam consideradas por aquilo que no fundo são: um jogo e ao mesmo tempo uma ocasião de diálogo, de compreensão, de enriquecimento humano recíproco. O esporte não é somente uma forma de entretenimento, mas também – e eu diria sobretudo – um instrumento para comunicar valores que promovem o bem da pessoa humana e ajudam na construção de uma sociedade mais pacífica e fraterna. Se, para uma pessoa melhorar, é preciso um “treino” grande e continuado, quanto mais esforço deverá ser investido para alcançar o encontro e a paz entre os indivíduos e entre os povos “melhorados”! É preciso “treinar” tanto…

O futebol pode e deve ser uma escola para a construção de uma “cultura do encontro”, que permita a paz e a harmonia entre os povos. E aqui vem em nossa ajuda uma segunda lição da prática esportiva: aprendamos o que o “fair play” do futebol tem a nos ensinar. Para jogar em equipe é necessário pensar, em primeiro lugar, no bem do grupo, não em si mesmo. Para vencer, é preciso superar o individualismo, o egoísmo, todas as formas de racismo, de intolerância e de instrumentalização da pessoa humana. Não é só no futebol que ser “fominha” constitui um obstáculo para o bom resultado do time; pois, quando somos “fominhas” na vida, ignorando as pessoas que nos rodeiam, toda a sociedade fica prejudicada.

A última lição do esporte proveitosa para a paz é a honra devida entre os competidores. O segredo da vitória, no campo, mas também na vida, está em saber respeitar o companheiro do meu time, mas também o meu adversário. Ninguém vence sozinho, nem no campo, nem na vida!”

– “Les Bleus” virão com tudo!

Rapaz… olhe só a convocação da Seleção Francesa!

Que geração! E repare que quase todos os atletas jogam em gigantes consagrados.

Na minha época, quem era da França não era muito “levado em conta”. Platini era o craque e só. Recentemente, Zidane. Hoje, parece-me que, apesar do campeonato ainda fraco, os jogadores franceses ganharam respeito definitivo.

Com Bélgica e os outros tradicionais candidatos ao título, a França pode se juntar aos elencos que brigarão pelo título na Copa do Catar-2022.

A lista abaixo:

– Leonardo questionando Neymar.

Repost de 01 de maio de 2014. O ex-jogador é diretor do atual clube do craque… Abaixo:

E o tetracampeão Leonardo deu uma longa entrevista no diário espanhol AS. Sobre a preparação da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo no Brasil, questionou a qualidade de Neymar e da própria Canarinho:

O Brasil sempre chegou ao Mundial com craques como Garrincha e Pelé (1962); ou como Zico e Sócrates (1982); como Romário e Bebeto (1994) ou depois como Ronaldo, Ronaldinho e Rivaldo (2002). Não vejo Neymar no mesmo nível desses jogadores nem seus companheiros.

Para refletir: o ex-jogador e atualmente management esportivo do Milan foi rigoroso demais com Neymar e com sua avaliação à qualidade dos jogadores de Felipão, ou ele tem razão?

Leonardo fala pela 1ª vez após reunião com Barcelona, diz que Neymar  'cometeu erros' e que negociação não evoluiu

– Afinal, a Seleção Brasileira está bem ou está mal?

Por conta do pouco interesse que a Seleção Canarinho tem trazido ao torcedor, pelas dificuldades de exibição na TV aberta, por não conhecer a fundo determinados jogadores e até mesmo pela falta de simpatia e carisma da CBF, não tem sido minha prioridade assistir os jogos.

Lendo o resumo das atuações, fico em dúvida:

– Contra a Venezuela, muitíssimas críticas de um jogo sonolento, apesar dos elogios de um padrão tático definido.
– Contra o Uruguai, muitos elogios ao consistente time, apesar das críticas à atuação do goleiro adversário.

E olhe que, mesmo sendo líder das Eliminatórias, traz dúvidas se o time é bom ou ruim. Como entender?

Aliás: quando voltaremos a ter aquela empolgação que parava o país? Nunca mais nestes novos tempos?

Uruguai x Brasil: onde assistir, escalação, horário e últimos resultados

– Brasil 5×0 Bolívia: cuidado com a ilusão…

Foi um treino de luxo! Gostemos ou não, é permitido dizer que era obrigação a Seleção Brasileira ter vencido com muitos gols a Seleção Boliviana, que veio a São Paulo apenas com atletas que disputam o campeonato boliviano, deixando as estrelas principais para o seu próximo jogo, em casa.

É sabido que o “craque do time boliviano” é a altitude. Portanto, deixar os jogadores que estão fora do país (e que são os melhores) readaptando-de com a altura e os descansando, é uma estratégia entendível.

Já o time de Tite jogou para se entrosar. Pós-paralisação, tudo é válido para conhecer melhor os companheiros entre si e com aqueles que, em alguns casos, nunca jogaram juntos.

O Brasil vai se classificar tranquilamente para a Copa do Mundo de 2022, mas avaliar o trabalho pelo jogo de ontem é inoportuno, pois o parâmetro é raso.

– O brincalhão Edilson sobre a Seleção de 82.

Eu não via Seleção de 70 ou a de 58 jogarem, e elas são consideradas as duas melhores do Brasil por muitas pessoas. A de 82 era genial, mas não ganhou a Taça do Mundo.

Eis que Edilson, o “Capetinha” (que participou da Seleção de 2002), disse no Programa “Os donos da bola” sobre aquele time de Telê Santana:

“(…) Vocês estão de brincadeira em falar que a seleção de 82 era fera. Tem quatro feras em 82, apenas quatro! O resto era meia boca. Fera mesmo era o Zico, o Sócrates, o Falcão e o Júnior. E só“.

Discordo completamente. Eis os atletas:

TITULARES: Valdir Peres (São Paulo); Leandro (Flamengo), Oscar (São Paulo), Luizinho (Atlético Mineiro) e Junior (Flamengo); Toninho Cerezo (Atlético Mineiro), Falcão (Roma-ITA), Sócrates (Corinthians) e Zico (Flamengo); Éder Aleixo (Atlético Mineiro) e Serginho Chulapa (São Paulo).

RESERVAS:
Goleiros: Paulo Sérgio (Botafogo) e Carlos (Ponte Preta);
Defensores: Edevaldo (Internacional), Juninho (Ponte Preta), Edinho (Fluminense) e Pedrinho (Vasco da Gama);
Meio-campistas: Paulo Isidoro (Grêmio), Batista (Grêmio) e Renato (São Paulo);
Atacantes: Roberto Dinamite (Vasco da Gama) e Dirceu (Atlético de Madri).

E você, concorda ou discorda de Edilson?

Seleção de 1982: a equipe que encantou o mundo - Confederação Brasileira de  Futebol

– Ansu Fati: Espanha ou Guiné Bissau?

Que bolão o jovem jogador do Barcelona, Ansu Fati, mostrou no final de semana pela Liga das Nações, defendendo a “Fúria”! Esse menino vai longe…

Veja que interessante: há 1 ano, discutia-se o que seria melhor para ele: jogar pela sua Terra Natal (Guiné Bissau) ou no país que o adotou (Espanha)?

Será que ele escolheu certo, optando pela Seleção Espanhola?

Abaixo:

ANSU FATI: GUINÉ BISSAU OU ESPANHA?

É fato que o jovem de apenas 16 anos Anssumane Fati (ou Ansu Fati, como está sendo chamado no mundo da bola) é um fenômeno do futebol. Jogando ao lado de Messi no Barcelona, com tão pouca idade tem feito maravilhas. Inevitavelmente será um dos craques incríveis que a nova geração de torcedores verá.

O detalhe é: Ansu nasceu em Guiné Bissau (sabidamente, não é uma potência futebolística e dificilmente poderá jogar uma Copa do Mundo). E a Federação Espanhola quer naturalizá-lo para que jogue pela Espanha.

O que deverá optar o garoto: tentar levar seu país a jogar uma Copa do Mundo ou virar um espanhol? Lembrando que muitos falam da verossimilhança do fato que Lionel Messi deveria ter recusado a Argentina e se tornado cidadão da Espanha por conta do seu não-reconhecimento na terra natal.

Seria esse o caso de Ansu?

Resultado de imagem para ansu fati guiné bissau

– 10 anos da promessa dos Naming Rights da Arena Corinthians, e…

De novo, às vésperas de uma Eleição e com contestação política sobre o atual presidente Andrés Sanches, fala-se da venda do Direito do Uso do Nome da Arena Corinthians, em Itaquera.

Já cansou ver as inúmeras notícias de que os Naming Rights estavam “quase negociados” e nada. Há 10 anos (31 de agosto de 2010), alardeou-se que o estádio seria construído e com R$ 400 milhões (valor da venda do nome da Arena) a construção seria paga. Estamos em Agosto de 2020 e…

Relembre essa postagem (aqui mesmo do nosso blog):

NAMING RIGHTS DO CORINTHIANS, SE VERDADEIROS, SERÃO OS MAIORES DO MUNDO (31/08/2010)

Veja os seguintes números:

– Emirates Stadium: 90 milhões de dólares por 15 anos (Estádio do Arsenal – Inglaterra)

– Allianz Arena: 90 milhões de euro por 15 anos (Estádio do Bayern e do Munich 1860 – Alemanha – valores divididos entre as equipes)

– American Airlines Center: 195 milhões de dólares por 30 anos

– Gillete Stadium: 90 milhões de dólares por 15 anos.

Esses são os valores dos naming rights de algumas praças mundiais (em tradução simplória: direito de uma empresa comprar o nome de uma arena de eventos e usá-lo com o nome que bem entender).

Aqui no Brasil, causou surpresa o anúncio do Corinthians sobre a decisão de construir seu estádio através de uma parceria com a Construtora Odebrecht. A empreiteira dá um estádio de aproximadamente 300 milhões de reais, e o Corinthians paga esse valor permitindo que a Odebrecht venda o naming rights do estádio por 15 anos (permitindo-se mais 5 anos de renovação automática, subindo para R$ 400 milhões).

Compare com os valores citados acima. Enquanto que o Allianz Arena arrecada 6 milhões de dólares anuais, o Corinthians arrecadará 20 milhões de reais. Maior do que qualquer outra arena do mundo!

Segundo o site da Abril Esportes, em colaboração com a Gazeta Press (citação e link em: http://www.abril.com.br/noticias/esportes/futebol/corinthians/estadio-corinthians-sera-financiado-pelo-bndes-1247057.shtml ), a negociação envolve totalmente o BNDES. Como o Corinthians tem dívidas atrasadas e impostos não recolhidos, não pode contrair empréstimos governamentais. Assim, a Odebrecht solicitaria esse dinheiro do banco, sendo uma espécie de “barriga de aluguel” da grana. Uma espécie de “terceiro” do negócio, com participação mais ativa do que os costumeiros intermediários.

Sobre naming rights, é válido lembrar que na Liga dos Campeões nunca é citado o nome “Emirates Stadium”, mas sim “Arsenal Stadium”, devido a acordos do organizador. Entre os torcedores dos Gunners, o estádio ainda é chamado carinhosamente pelo nome antigo, “Highbury”. É claro que a Odebrecht não usaria o nome de “Odebrecht Arena”; afinal, empresas utilizam produtos destinados a consumidores físicos ou as próprias marcas nos estádios. Qual o retorno que a Odebrecht teria com o naming right do novo estádio? Nenhum! A não ser que o revenda, por um valor mais alto ainda (o que é improvável de se obter). Sem contar que o brasileiro adora apelidos: Canindé, Vila Belmiro, Morumbi, Pacaembu, Vivaldão, Castelão, Maracanã, Mineirão, Barradão, Teixeirão… (que mania de grandeza, não?). Teríamos nascendo um… Itaquerão, por exemplo?

O estádio servirá para a abertura da Copa do Mundo em SP. E algumas coisas assustam: foram tantos laudos que o São Paulo FC enviou à FIFA, através da CBF, e nenhum satisfez. Problemas técnicos barraram o Morumbi. O Palmeiras não consegue nenhuma licença para o início das suas obras. E o Corinthians já teve o estádio aprovado e as licenças permitidas?

Coisas assim foram cantadas e contadas no prenúncio da Copa do Mundo no Brasil. E não deu outra… Tomara que nossos bolsos não banquem tanta gastança…

E você, depois desse imbrólho: ainda é a favor de uma Copa no Brasil? Eu nunca fui e cada vez mais acho que a conta de cada estádio, natural e forçosamente, estourará o orçamento para que existam superfaturamentos. Há coisas mais importantes do que Copa…

Deixe seu comentário!

– David Luiz + Thiago Silva = Naufrágio?

Há 6 anos, a FF trouxe na sua capa esta marcante montagem… vale refletir sobre ela!

A France Football é uma importante publicação mundial. E na sua última capa, retrata os 2 zagueiros titulares da Seleção Brasileira e do PSG.

Nem precisa de tradução... Veja a imagem:

de34d5cf-4233-3b29-9311-150eec42a455.jpg.gif

– 6 anos do 7×1. E o que mudou?

Hoje faz exatamente 6 anos que a Seleção Brasileira foi humilhada e perdeu para a Alemanha por 7×1 na semifinal da Copa do Mundo.

Que os alemães eram melhores, tudo bem. Mas levar 7 em casa, e do jeito que foi, aí não tem desculpa.

Tenho certeza que tal vexame nos fez esquecer a perda da Copa de 50. Superamos um trauma com outro pior!

E o que mais assusta é o fato dos cartolas serem os mesmos, a estrutura idem e, por incrível que possa parecer, Neymar, que era a referência única, praticamente continua solitariamente tendo o mesmo fator de protagonismo…

Será que o 7×1 foi pouco para que existam mudanças de fato?

Talvez ficar fora de uma Copa do Mundo, não se classificando pelas Eliminatórias, seja o nosso ápice de incompetência e o start para as mudanças começarem de verdade. Mas ficará para 2022 essa situação, pois Tite superou tudo isso em 2018, levando o time para a Rússia. Conseguirá fazer o mesmo para o Catar?

bomba.jpg