– Dedé vence Neymar: Craques de Verdade e Virtuais

Internet é sensacional. Todos podem acessá-la, publica-se da forma que quiser e, muitas vezes, manipula-se índices igualmente.

Quer um exemplo?

Pelé concorreu um dia com Maradona como melhor de todos os tempos, via votação FIFA na Internet. A Argentina se mobilizou e escolheu Diego Armando na eleição. Porém, Pelé foi aclamado pelos votos carnais da “família FIFA” como melhor do mundo e Maradona pelos votos virtuais como craque pela votação eletrônica.

Dedé sem dúvida é excepcional zagueiro. E venceu o prêmio de “Craque da Galera” por votação popular.

Ora, o povo acredita que Dedé é mais jogador do que Neymar? Claro que não, foi uma campanha promovida pelos vascaínos e deu Dedé.

E você, acredita em enquetes via Internet? Deixe seu comentário:

– Bairro da Ermida ao Bairro Medeiros via asfalto de Primeira! Mas Jundiaí pode gastar com essa obra?

O Jornal ‘Bom Dia Jundiaí’ de hoje, em sua página 4, traz a seguinte matéria de Mauro Utida: ASFALTO NA ERMIDA PÕE SERRA EM RISCO.

Nela, há a notícia de que a Prefeitura Municipal estuda asfaltar a Avenida Antonio Pincinato, duplicando-a no trecho do Bairro da Ermida ao Bairro Medeiros.

Tudo bem que o orçamento do Município ultrapassou a casa do Bilhão de Reais. Mas…

Ué, ali só tem mato, vegetação nativa e eucaliptos. Quem conhece a região sabe que há muitas outras prioridades do que uma obra desse porte. Incompreensível!

Será que a Prefeitura faz esse estudo sabendo de algum projeto mirabolante por lá? Há outros interessados? Temos novidades na região?

Nada explica tal iniciativa. Antonio Luiz Mendes Pereira (o Toninho Mendes), presidente do Conselho Gestor da Serra do Japi, disse que:

é preciso explicar bem porque duplicar e asfaltar, pois hoje a estrada que liga o nada ao lugar nenhum”.

Perfeito, faço minhas as palavras dele.

– FHC no Roda Viva: Drogas e Saúde Pública

Ontem, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso esteve no Roda Viva da TV Cultura (aliás, depois das últimas mudanças o programa voltou a ser bom). E falou sobre um tema controverso: liberação da Maconha. Argumentou que se morre mais gente por culpa do tráfico do que do vício.

Questionado se com a descriminalização o número de doentes por culpa do uso da maconha aumentaria, FHC disse que a solução é simples:

É só melhorar a Saúde Pública

Fácil, não? Ele ficou 8 anos no Governo e não vimos melhoras significativas. Lula ficou mais 8 anos, e nada. E diz: “só” melhorar a Saúde?

Quantos hospitais são construídos por ano no Brasil? Quantos você tem perto da sua casa?

Esse discurso é só para inglês ver. Belas palavras que enganam a sociedade.

– O Corinthians não é Penta. É 5 Vezes Campeão

Bi, tri, tetra… E o Corinthians é aclamado como Penta.

Mas é penta mesmo?

Antes, recordo-me que a atribuição sempre se deu a campeonatos seguidos conquistados. O Náutico, por exemplo, foi decacampeão em PE, embora tenha quase 40 títulos regionais. Convencionou-se, por causa da Copa do Mundo, chamar aquele que conquista algumas vezes o torneio pelos adjetivos citados. Só que a Copa do Mundo é muito mais esporádica do que os regionais. Ganhá-la é bem mais difícil, e dificilmente, pelos critérios sempre utilizados, teríamos um tri ou tetracampeão (ou seja, mesmo vencedor em sequência).

Assim, o São Paulo é bicampeão paulista de 80/81 e o Corinthians de 82/83. Nas ambos tem quase 30 títulos em SP. Se ganharem em 2012, seria tridecacampeão? Nem sei se é assim que se chama…

– Sílvio Santos: o Garoto Devassa

Depois da surpreendente Sandy, da socialyte e extravagante Paris Hilton, a Cerveja Devassa quer para o Carnaval Sílvio Santos como garoto propaganda da sua marca!

Nunca vi Sílvio Santos fazendo publicidade de produtos que não fossem da sua empresa. Duvido que aceite, mas que a idéia é genial, não há dúvida.

Assim como a Devassa fez uma auê grande com a comportadíssima Sandy e a depravada Paris, Sílvio seria algo novo e impactante.

E aí, o que você pensa da idéia? Deixe seu comentário.

– Balanço de atividades do Voto Consciente reúne secretários municipais, vereadores e representantes de entidades sociais

Por Reinaldo Oliveira

O Movimento Voto Consciente Jundiaí, reuniu mais de 50 pessoas, no domingo passado, dia 4, das 9h às 13h, na Pinacoteca Pública de Jundiaí, para um balanço das ações e incidências políticas realizadas em 2011. Após os quase 6 anos de início das atividades, atuando junto a população e agentes políticos de Jundiaí, este momento foi bastante significativo para o MVCJ, que atua de forma consistente apontando necessidades, propondo soluções e cobrando pela sua implementação. O evento teve início com as falas dos voluntários do MVCJ sobre os números de atividades propostas, as realizadas e como estão outras que demandam mais tempo para suas execuções. Maior destaque das ações, o Concurso Cidadonos, que envolveu a participação de mais de 4 mil pessoas – apontando necessidades para o município, donde foram tiradas as 12 melhores propostas, foi o foco do balanço, onde após as falas dos voluntários os secretários municipais – da Cultura, da Comunicação e das Finanças, bem como 3 vereadores que compareceram, explanaram qual o encaminhamento que já foi dado, às propostas realizadas a curto prazo e quais outros serão para as que demandam maior tempo, projeto e/ou investimentos para sua execução. Fazendo breve relato de como tem sido o trabalho do MVCJ, o coordenador Cleber Possani disse da satisfação de que hoje no cenário político de Jundiaí e Região, o MVCJ é agente transformador do modo de ver e fazer política, bem como de intenso trabalho a ser desenvolvido em 2012, pelo fato de ser um ano de eleições. Cleber disse da forma consistente como o MVCJ foi marcando seu espaço neste anos passados e que para 2012, além dos vários assuntos em andamento e novas propostas, também o MVCJ, estará fazendo – como já foi feito anteriormente, sabatina com os candidatos a vereador e prefeito de Jundiaí, editando material – o Ficha Pública, que será entregue à população como orientação, bem como realizando palestras em escolas e entidades públicas da sociedade civil.

– O Transporte Público de Jundiaí e a Realidade Não-Alternativa

Na propaganda, há ônibus novos, GPS… Mas qual é a verdadeira realidade do transporte público de Jundiaí?

FALTA ÔNIBUS, MOTORISTAS E GPS. TAMBÉM FALTA TRANSPARÊNCIA E RESPEITO. O REI ESTÁ NU

Por Reinaldo Oliveira

Uma nota publicada no dia 1º de dezembro, na coluna “Encontro Marcado” da jornalista e advogada Elza Francisca, na página 2 do Jornal da Cidade – Jundiaí, reflete com muita clareza o que acontece no transporte público de Jundiaí. Com o título “Falta ônibus, motoristas e GPS”, ela denuncia um fato corriqueiro que centenas de milhares de pessoas – estudantes, trabalhadores e a população em geral, de Jundiaí e demais cidades da Região, sofrem diariamente no péssimo serviço de transporte público, mas que as autoridades competentes têm conhecimento e não tomam as providências necessárias. Pois bem 1.  Na nota ela fala que estava às 7h50 do dia anterior num ponto de ônibus na Praça Líbero Badaró – lá pelos lados da Ponte São João/Colônia, junto com mais pessoas e …. o ônibus aguardado passa, não pára e o motorista faz sinal de que ele está lotado. Ela destaca que fez a opção pelo ônibus, bem como muitas outras pessoas, devido os grandes congestionamentos que ocorrem todas as manhãs naquela região e também em colaboração com menos poluição na região. Só que neste dia ela e as demais pessoas perderam a hora de honrar seus compromissos. Indignada com a situação ela ligou na empresa que presta o serviço naquela região e ….pasmem! Primeiro o funcionário que a atendeu disse que não conseguia localizar o ônibus pelo GPS. Conversando mais um pouco o funcionário entregou a prefeitura municipal de Jundiaí dizendo que ela tem conhecimento da desorganização de horários, da falta de ônibus nos horários de pico, de motoristas nas empresas, da pouca funcionalidade do GPS e assim por diante. Pois bem 2. Passadas algumas 48h, 72h do fato, no dia 3 a Secretaria de Transportes publica com o título “Secretaria dos Transportes esclarece”, na página 3 do Jornal da Cidade – Jundiaí, uma cantilena de que só neste ano 24 novos ônibus foram colocados no serviço (não esclarece se foi acréscimo ou substituição na frota), que aumentou o número de ônibus aos domingos e nos demais dias da semana durante o horário de pico (e daí: é obrigação prestar bons serviços todos os dias e todas as horas), criação de linhas expressas e ganha tempo, instalação de GPS, criação de GPS online, central de monitoramento e outras providências que custam caro, muuiiitttooo caro, mas que o usuário – àquele que realmente necessita do transporte, nunca percebe, paga uma tarifa alta e não tem o retorno em benefício e conforto. Mas a nota também levanta uma questão: diariamente milhares de pessoas de Jundiaí e região sofrem na pele esta bagunça generalizada, só que por falta de conhecimento de como agir, por falta de agir como cidadão – exercer a sua cidadania e cobrar seus direitos, estas irregularidades não chegam ao canal competente. E quando chega há um verdadeiro batalhão de gente fina e perfumada que não utilizam o transporte público – em tempo: só para publicidade e outras perfumarias, no orçamento de Jundiaí para 2011 consta a bagatela de R$ 10,5 MILHÕES, e …. isto gera publicidade bonita visual (TV), bonita para áudio (rádio), bonita para jornais coloridos ou em preto e branco, mas de pouco ou nenhuma utilidade para o usuário que paga caro e sofre todo tipo de desrespeito. Até porque quem faz política pública de transporte NÃO O UTILIZA, NÃO SENTE O DESCONFORTO NA PELE. Começando pelo Secretário, que não mora em Jundiaí, utiliza carros oficiais com ar condicionado, motorista particular pago com o meu e o seu rico dinheirinho e quando necessário até um helicóptero. Diz que o exemplo tem que vir de cima. Então seria bastante confortável que a prefeitura colocasse ônibus fretado para o transporte de seus funcionários. Outras empresas já fazem isso há décadas. Seria agradável ver aquele enorme estacionamento do Paço Municipal vazio, muito confortável todas as manhãs e tardes sentir a presença de menos mil e tantos carros, destes funcionários, fora do fluxo de trânsito. À exemplo de grandes centros urbanos já está na hora de Jundiaí ter um TRANSPORTE PÚBLICO EXECUTIVO, onde outra grande quantidade de carros dos executivos de grandes empresas estariam fora do fluxo diário. Enfim. Muitas outras providências podem ser tomadas para a melhoria da mobilidade e deslocamento nas ruas jundiaianas. Sonhar não custa nada. O que entristece é a realidade. Um bando de burocratas, penalizando milhares de pessoas trabalhadoras, honestas e que pagam com o seu suado dinheirinho, a falta de visão e em alguns casos, até a competência dessas pessoas. E o pior: isto está presente também nas cidades circunvizinhas. Porém nem tudo está perdido. O prefeito da vizinha cidade de Louveira anunciou que a tarifa urbana naquela cidade baixará para R$ 1,00 durante a semana e será gratuita durante os fins-de-semana. É isso!

– Fenômeno no Campo, Fenômeno da Cartola, Fenômeno do Apito

Ronaldo Nazário foi excepcional jogador. Esqueçam da imagem dele no final da carreira, completamente gordo e desmotivado. Não se recordem do Tolima. Lembrem-se do maior recordista de gols em todas as Copas, ou do atleta que venceu 2 gravíssimas contusões e renasceu para a conquista do Penta.

Nesse momento em que Ronaldo se tornou a voz e a imagem do COL (Comitê Organizador Local para a Copa do Mundo do Brasil 2014), uma frase de alguém que deveria permanecer calado:

Acho que se gasta em tudo. Está sendo gasto também muito dinheiro em saúde, segurança, mas vamos receber uma Copa. Sem estádio não se faz Copa. Não se faz Copa do Mundo com hospital. Tem que ver o que você quer, o que é melhor?

Responda a indagação do Fenômeno.

Eu? Eu quero Escolas, Hospitais e Segurança. Não quero estádios. Nem Copa.

O jogador Fenomenal só não é mais Fenômeno do que o mentor do convite, o presidente da CBF Ricardo Teixeira. A quanto tempo esse cartola é acusado, achincalhado e indesejado? Ao mesmo tempo, nada é provado, sempre condecorado e reeleito pela cartolagem. Essa contradição pode ser explicada por qual fenomenalidade?

Fenômeno mesmo é o andamento da nossa Copa em todos os aspectos. Se fora do campo já está dando o que falar, imagine dentro de campo. Se questionamos ainda a construção dos estádios e, claro, o desenvolvimento e fraco desempenho da seleção de Mano Menezes, o que diremos de outro fator representativo para o futebol brasileiro: a arbitragem?

Para a Copa de 2014, virando o ano para 2012, qual(is) é(são) o(s) árbitro(s) brazuca(s) para a Copa do Mundo? Muito se fala de pré-selecionados. Mas em que documento constam? Quais são? O que farão? Como hoje estão?

O tempo é curto e o futuro nebuloso. Claro. Quem foi a grande revelação do apito no ano? Qual a unanimidade?

Apesar da torcida para que tudo dê certo, mesmo com chance de insucesso, volto a reforçar a minha resposta nas linhas de cima indagadas: Eu quero Escolas, Hospitais e Segurança. Afinal, na Copa do Mundo com mais investimentos públicos em obras privadas da história dos mundiais, fico com a convicção de que é um despropósito termos uma Copa em nosso país.

Para quê serve a Copa?

É só lembrarmos do fenomenal discurso:

Não se faz Copa do Mundo com hospital. Tem que ver o que você quer, o que é melhor”…

O que você, leitor, quer?