– Um Novo Blog no Diário de São Paulo e Rede Bom Dia (MINHAS TRIBUNAS)!

Amigos, convido aos leitores do blog para acessarem meu novo trabalho, no portal do Jornal Diário de SP / Rede Bom Dia.

Naquele espaço, escreverei sobre administração esportiva, futebol, sociocultura do esporte e arbitragem. Muita coisa bacana e peço o seu prestígio.

Visite: http://www.redebomdia.com.br/blog/lista/109

Convido também para que mantenha a audiência no “Blog do Professor Rafael Porcari”, um espaço sobre Administração de Empresas, Atualidades, Esporte, Política, Religião e Cultura – Atualidades e Contemporaneidades em Geral.

Visite: http://professorrafaelporcari.blog.terra.com.br/

Se você é árbitro de futebol ou apaixonado pelo tema, acesse o Blog: “Pergunte ao Árbitro”.

Visite: http://pergunteaoarbitro.blog.terra.com.br/

Ainda nesse assunto, conheça a minha coluna semanal no Voz do Apito, site especializado em arbitragem.

Visite: http://www.vozdoapito.com.br/coluna_porcari.php

Se o seu negócio é cultura futebolística, entre no site Memória do Futebol, do amigo José Renato Sátiro Santiago, e navegue pelo ótimo espaço (http://www.memoriafutebol.com.br/)

Visite: http://www.memoriafutebol.com.br/blog/categoria/4

Obrigado pelas visitas!

– União da Sadia e Perdigão terá que se Desfazer da Doriana

A Seara (grupo Marfrig) será a dona de diversas marcas antes pertencentes à Sadia e Perdigão. Com a fusão das empresas criando a BR Foods, Sadia e Perdigão foram obrigadas pelo CADE a se desfazerem de marcas importantes, a fim de evitar a concorrência nociva. Assim, as marcas Doriana, Rezende, Wilson, Texas, Tekitos, Patitas, Fiesta, entre outras tantas, saíram do grupo. O novo proprietário é o principal concorrente: a Seara.

Portanto: nesse Natal, você não vai mais comer “Fiesta da Sadia”, mas “Fiesta da Seara”.

Abaixo, extraído de: http://www.radiorural.com.br/noticias.php?nId=leitura&idnot=13231

MARFRIG FICARÁ COM PARTE DA BR FOODS

A Brasil Foods fechou acordo com a Marfrig, dona da marca Seara, para ceder à empresa os ativos de que teria que se desfazer por determinação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para concluir a fusão entre Sadia e Perdigão. 

Segundo fato relevante divulgado nesta quinta-feira pela empresa, haverá permuta entre marcas e instalações das duas companhias.

Para aprovar a fusão entre Sadia e Perdigão, o Cade obrigou a Brasil Foods a vender, a um só grupo, 10 fábricas, 4 abatedouros, 12 granjas, 4 fábricas da ração, 2 incubatórios de aves e 8 centros de distribuição.

Além disso, também passarão para a Marfrig as marcas Rezende, Wilson, Texas, Tekitos, Patitas, Fiesta, Escolha Saudável, Light Ellegance, Freski, Confiança, Doriana e Delicata.

Em troca do que será cedido pela BRFoods, a Marfrig cederá parte dos ativos da marca Paty na Argentina, líder no mercado de hambúrguer no país, as marcas das linhas de processados Paty, Barny e Estancia Sur, granjas de suínos e propriedade rural no Mato Grosso, operações comerciais da Paty no Uruguai e no Chile, além de pagar R$ 200 milhões adicionais.

O acordo está sujeito à aprovação do Cade. A Folha apurou que as duas empresas vão se reunir com o conselho nesta tarde para discutir o acordo.

No comunicado, a companhia afirma que “as administrações da BRF e da Marfrig entendem que os ativos permutados têm valores equivalentes.” 

“A BRF, a Sadia e a Marfrig discutirão, de boa fé, a forma e o conjunto de atos a serem praticados, a fim de definir a melhor estrutura para a implementação da transação prevista no documento”, diz o texto. (Folhaonline.com.br)

– Cigarro é o grande Indutor à Cocaína, diz Universidade

Talvez seja notícia velha, mas mesmo assim ela é comprobatória e reforça os cuidados com a saúde: pesquisa da Universidade de Columbia mostrou que a nicotina intensifica a ação do gene FosB, relacionado à dependência química. Assim, quem fuma cigarros tem chance de 78% maior do que os não fumantes em consumir cocaína.

Se o cigarro é uma porta de entrada, que tal deixar de fumar? A culpa de um vício indesejado pode não ser sua, mas dos agentes do cigarro, certamente é!

– O Morto em Frente ao Hospital Particular: falta de solidariedade ou capitalismo ao extremo?

Ontem, um caso grave em Jundiaí: um senhor sofreu ataque cardíaco em frente ao Hospital Pitangueiras. Imediatamente, pessoas que estavam na calçada tentaram socorrê-lo, já que estava na porta do hospital. Nenhum médico quis atendê-lo. Coincidentemente, um bombeiro que passava no local tentou ajudá-lo, solicitando novamente por um médico. Nada. A alegação é que a obrigação era do SAMU (serviço público), já que ali é um hospital particular.

Populares chamaram a polícia, e o resultado final: o infartado acabou morrendo e dois médicos foram presos. Mas já estão soltos… pagaram fiança de R$ 1.000,00 cada.

E aí? Um Hospital Particular teria a obrigação de atender um transeunte que sofra um infarto na sua porta, ou, o que vale, é o talão de cheques disponível para pagar a conta?

Sinceramente, faltou humanidade nesse caso…

Extraído do Bom Dia Jundiaí: http://www.redebomdia.com.br/noticia/detalhe/6786/Idoso+morre+e+medicos+sao+detidos+em+Jundiai

IDOSO MORRE E MÉDICOS SÃO DETIDOS

Por Marcelo Utida

Polícia Civil caracteriza omissão de socorro a uma vítima que teve mal súbito a 50 metros do hospital

O aposentado Edgar José da Rocha, 72 anos, morreu nesta quinta-feira (8) por parada cardiorrespiratória a cerca de  50 metros do Hospital Pitangueiras, no Vianelo. O delegado do 6º Distrito Policial, Carlos Alberto Abrantes, caracterizou o caso como omissão de socorro por parte da equipe médica e indiciou dois médicos  por homicídio culposo (sem intenção de matar).

Eles foram para a delegacia no carro da polícia e só acabaram liberados após o pagamento de fiança de R$ 1 mil cada. O hospital nega ter havido omissão de socorro. A polícia não revelou o nome dos médicos.

O aposentado, que morava na Vila Progresso, começou a passar mal por volta das 8h, quando caminhava em frente a um estacionamento ao lado do hospital, na avenida Pitangueiras. Com o mal súbito, ele teve uma queda e bateu a cabeça no chão, onde se formou uma poça de sangue.

A atendente Moniele Aparecida Polini Lidiani, 25, foi uma das primeiras a ver o  homem caído. Segunda ela, “neste momento, o aposentado ainda apresentava sinais de vida”. O primeiro pedido de socorro, segundo  contou,  foi feito a um segurança do hospital. “Ele negou qualquer ajuda”, disse. O fato teria gerado   indignação nas pessoas que estavam ali.

O  Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e a Polícia Militar foram acionados, no mesmo instante em que passava pela avenida o soldado Cassaniga, do 19º Grupamento de Bombeiros, que fez os primeiros-socorros.  Ele também tentou ajuda do hospital, mas sucesso. Depois, disse: “Se a vítima fosse atendida logo que começou a passar mal, poderia ter uma chance a mais”. 

O  Samu chegou cerca de dez minutos depois. Os  socorristas obrigaram o hospital a abrir as portas, mas  o aposentado deu entrada já morto.  

Família /Um filho da vítima, Edgar Luis Rocha, 30, informou que o pai tinha boa saúde e gostava de caminhar de manhã. O aposentado deixou mulher e dois filhos. Ele assegurou  que vai abrir um processo contra o hospital.

CRM irá abrir sindicância

O CRM (Conselho Regional de Medicina) informou que abrirá uma sindicância para apurar a possível omissão de socorro por parte dos médicos  ao aposentado Edgar José Rocha. A investigação vai correr
sob sigilo.

30 Minutos foi o tempo de espera até a  entrada no hospital

OAB se manifesta em nota

A Comissão de Direito Médico da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) enviou uma nota informando que juridicamente o profissional médico tem a obrigação de zelar pela saúde de todo o ser humano. “No entanto, deve ser pesado a possibilidade de fazê-lo, levando em conta o Código de Ética Médica”.

Lembre-se:
Código de Ética Médica_ É vedado ao médico deixar de atender paciente que procure seus cuidados profissionais em caso de urgência, quando não haja outro médico ou serviço médico em condições de fazê-lo.

Hospital contesta indiciamento de médicos

Os dois médicos  indiciados pela Polícia Civil por homicídio culposo foram liberados nesta quinta após pagarem as fianças. Eles ficaram  cerca de quatro horas no 6º DP.

O advogado Glauco Ramos informou que o hospital irá recorrer. “O delegado tomou uma decisão precipitada, pois ainda não ouviu as testemunhas do hospital”, disse.

O caso ainda envolveu um técnico em enfermagem, o superior de enfermagem e um funcionário da segurança, terceirizada pela empresa WCA Brasil, que também foram levados pela polícia. Mas, para o delegado, estas pessoas não foram responsáveis pelo delito e responderão posteriormente.

Por meio de sua assessoria, o Hospital Pitangueiras também se pronunciou contrário à decisão, que  disse ter sido arbitrária por parte do delegado Carlos Alberto Abrantes. “Não é obrigação do hospital atender pacientes na rua, mas sim indicar o Samu que é responsável pelo procedimento legal. Isto não é omissão de socorro”, informa a assessoria.

O hospital confirmou que os dois médicos indiciados ontem vão permanecer em suas funções.

Trechos da decisão policial

“À vista das provas testemunhais e da falta do laudo de exame necroscópio, em termos jurídicos, entendo que se trata aqui de homicídio culposo tipificado no Código Penal perpetrado pelos médicos que tomaram conhecimento pessoal pelo técnico de enfermagem do mal súbito da vítima ocorrido nas cercanias do hospital, dotado de plena capacidade para realizar o atendimento de urgência e emergência. Há entendimento doutrinário e jurisprudencial nesse sentido, sobretudo pois o médico tem o dever legal e ético de atuar para evitar o resultado letal. (…) Crime instantâneo, consumado está no momento da omissão. Crime afiançável na fase inquisitória de persecução criminal a mesma foi arbitrada o valor de R$ 1 mil a cada autuado.”

– Deputado Tiririca: Bons e Maus Exemplos no Congresso

Eleito com mais de 1 milhão de votos, enfim Tiririca presidiu uma audiência: a da Educação e Cultura, que visava a discussão sobre alvarás a circos. No encontro, piadas foram o destaque, inclusive quando o deputado-palhaço chamou um colega de “cara de joelho”.

Depois de ganhar o cargo de deputado com a estratégia polêmica de fazer campanha com frases de efeito (alegou que não sabia o que um deputado fazia, entre outras coisas), há boas coisas em Tiririca: não se ouviu em escândalo sobre ele, e, saibam: é o menos faltoso de todos os parlamentares!

É inegável que está trabalhando. Se ele é produtivo ou não, aí é com seus eleitores…

– Brahma veio de Bramah?

Certa vez, houve um debate sobre a origem do nome Brahma, da cervejaria que virou Ambev e popularizou a marca brasileira mundo afora. Seria uma homenagem ao deus hindu Brama? Teria alguma outra origem? Na época, a própria empresa deixou no ar, claro, a fim de criar a polêmica e divulgar a marca ainda mais.

Leio agora na Superinteressante de Dezembro/2011, pg 28, por Fábio Morton (Conexões), que a marca é uma homenagem ao inventor da máquina de chope, o inglês Joseph Bramah.

Em 1888, o suíço Villiger vendia cerveja artesanal em barril com torneira, do mesmo tipo da máquina de chope criada por Bramah. Assim, houve a associação do seu nome à marca.

Cá entre nós: você se lembraria disso na hora de degustar um choppinho gelado?