– Os Árbitros dos Jogos Decisivos da Última Rodada do Brasileirão. Gostou deles?

 

Teremos na derradeira rodada do Brasileirão “finais de título” e “finais de rebaixamento”. E saiu a escala dos árbitros. Vamos comentá-las?

 

Wilson Luís Seneme e Péricles Bassols apitarão as “duas finais de título” do Campeonato Brasileiro. Claro, se o Corinthians vencer a final paulista, a carioca de nada valerá. Mas iremos conhecer o estilo dos árbitros:

Seneme é o melhor árbitro do país hoje e apitará Corinthians X Palmeiras. E, talvez por ter apitado muitos jogos da Libertadores da América, Eliminatórias da Copa 2014 e outras partidas internacionais, quase não apareceu em jogos do Brasileirão. Dos que trabalhou, foi muito bem.

A marca desse árbitro, paulista de São Carlos, é: apita poucas faltas, deixa o jogo fluir, não tolera indisciplina e costuma fazer vista grossa às reclamações dos treinadores.

E isso é bom para qual time?

Para os dois e para o espetáculo. O jogo corre mais, os jogadores, por o respeitarem, procuram evitar jogadas mais violentas e simulações. O Palmeiras poderá não usar as fatais cobranças de falta de Marcos Assunção, nem o Corinthians com Alex, afinal, tais jogadas são artifícios muito usados pelas equipes e as vezes essas mesmas faltas surgem de simulações. Tite e Felipão, um duelo visto no Campeonato Paulista com desfecho tumultuado, poderão berrar à vontade pois o árbitro estará blindado.

Por fim, me preocupa a questão física. Se o jogo for muito corrido, Seneme pode sentir, afinal, estamos em final de temporada e ele foi bastante exigido.

 

Já no Rio de Janeiro, Vasco X Flamengo terá a arbitragem de Bassols. Tenho minhas restrições sobre sua performance técnica e disciplinar. Costuma errar em lances bobos e ter dificuldade em relação aos cartões. É muito bem condicionado fisicamente. Mas, fica o alerta: a torcida vascaína não morre de amores por ele por eventuais erros no 1º turno, onde apitou tal partida.

 

As outras finais do campeonato (pelo rebaixamento) serão:

 

Bahia X Ceará, com arbitragem de Wilton Pereira Sampaio-DF, melhor aspirante FIFA de 2011 e em ótima fase (se a vaga aberta na FIFA pela desistência da carreira de Sálvio Spínola não for para ele, será uma pena, pois está fazendo por merecer).

 

Atlético MG X Cruzeiro, com Marcelo de Lima Henrique, árbitro que vem de uma boa sequência de jogos, e, principalmente, de um difícil Fluminense X Vasco na última semana (a observar: não tínhamos árbitro mineiro para o jogo?)

 

Atlético PR X Coritiba: Sandro Meira Ricci, que vem direto do Mundial Sub15 do Uruguai e é ótimo nome. Dispensa comentários.

 

Observação: teremos o jogo de despedida de Cléber Wellington Abade em Avaí X Figueirense, que encerra sua carreira por idade. Um excelente árbitro que não foi FIFA mas sempre respeitado como tal. 

E você, o que achou dos árbitros dos principais jogos? Deixe seu comentário

– Os Árbitros dos Jogos Decisivos da Última Rodada do Brasileirão

Teremos na derradeira rodada do Brasileirão “finais de título” e “finais de rebaixamento”. E saiu a escala dos árbitros. Vamos comentá-las?

Wilson Luís Seneme e Péricles Bassols apitarão as “duas finais de título” do Campeonato Brasileiro. Claro, se o Corinthians vencer a final paulista, a carioca de nada valerá. Mas iremos conhecer o estilo dos árbitros:

Seneme é o melhor árbitro do país hoje e apitará Corinthians X Palmeiras. E, talvez por ter apitado muitos jogos da Libertadores da América, Eliminatórias da Copa 2014 e outras partidas internacionais, quase não apareceu em jogos do Brasileirão. Dos que trabalhou, foi muito bem.

A marca desse árbitro, paulista de São Carlos, é: apita poucas faltas, deixa o jogo fluir, não tolera indisciplina e costuma fazer vista grossa às reclamações dos treinadores.

E isso é bom para qual time?

Para os dois e para o espetáculo. O jogo corre mais, os jogadores, por o respeitarem, procuram evitar jogadas mais violentas e simulações. O Palmeiras poderá não usar as fatais cobranças de falta de Marcos Assunção, nem o Corinthians com Alex, afinal, tais jogadas são artifícios muito usados pelas equipes e as vezes essas mesmas faltas surgem de simulações. Tite e Felipão, um duelo visto no Campeonato Paulista com desfecho tumultuado, poderão berrar à vontade pois o árbitro estará blindado.

Por fim, me preocupa a questão física. Se o jogo for muito corrido, Seneme pode sentir, afinal, estamos em final de temporada e ele foi bastante exigido.

Já no Rio de Janeiro, Vasco X Flamengo terá a arbitragem de Bassols. Tenho minhas restrições sobre sua performance técnica e disciplinar. Costuma errar em lances bobos e ter dificuldade em relação aos cartões. É muito bem condicionado fisicamente. Mas, fica o alerta: a torcida vascaína não morre de amores por ele por eventuais erros no 1º turno, onde apitou tal partida.

As outras finais do campeonato (pelo rebaixamento) serão:

– Bahia X Ceará, com arbitragem de Wilton Pereira Sampaio-DF, melhor aspirante FIFA de 2011 e em ótima fase (se a vaga aberta na FIFA pela desistência da carreira de Sálvio Spínola não for para ele, será uma pena, pois está fazendo por merecer).

– Atlético MG X Cruzeiro, com Marcelo de Lima Henrique, árbitro que vem de uma boa sequência de jogos, e, principalmente, de um difícil Fluminense X Vasco na última semana (a observar: não tínhamos árbitro mineiro para o jogo?)

– Atlético PR X Coritiba: Sandro Meira Ricci, que vem direto do Mundial Sub15 do Uruguai e é ótimo nome. Dispensa comentários.

Observação: teremos o jogo de despedida de Cléber Wellington Abade em Avaí X Figueirense, que encerra sua carreira por idade. Um excelente árbitro que não foi FIFA mas sempre respeitado como tal.

E você, o que achou dos árbitros dos principais jogos? Deixe seu comentário:

– ONGs Sérias Sofrem devido a Corrupção de Outras Tantas

As Organizações Não-Governamentais sérias, formadas por gente de bem e que querem mudar (e mudam) o país para melhor, sofrem com as demais que são somente criadas a fim de golpes no dinheiro público. E, infelizmente, se com todo o esforço a verba é curta, imagine sem o apoio de voluntários e verbas governamentais.

Observamos o escândalo do Ministério dos Esportes, onde diversas ONGs de fachada recebiam grana para lavar dinheiro. Como precaução, o novo Ministro Aldo Rebelo cortou a verba de todas. E as de bem sofreram com isso.

Não bastasse, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso declarou que;

Hoje se cria ONG com o fim de se obter dinheiro para a corrupção”.

Também é uma verdade, mas não a regra. Fico imaginando como algumas entidades sérias estão sofrendo pelo termo pejorativo que a sigla ONG ganhou.

É necessário separar o joio do trigo. O problema não são as ONGs, mas as pessoas que estão por trás dos golpistas que criam instituições para se passarem por ONGs.

– Marcelinho Paraíba e Mancini: apoio Psico-Social

Perceberam quantos casos de assédio sexual e outros culminando em violência maior no Esporte, nos últimos dias? No basquetebol americano, por exemplo, nos 15 dias passados, ao menos 2 casos. Aqui no Brasil, a condenação de Mancini (Atlético Mineiro) por estupro na Itália e a prisão de Marcelinho Paraíba (Sport/PE) em Campina Grande pela tentativa de violentar uma moça.

E aí, recordo meu amigo Chicão, que me disse ao comentar sobre o assunto:

É isso que dá jogador despreparado ganhar dinheiro demais. Se acha bonito porque tem grana e acha que pode tudo”.

Calma lá. O problema é outro: o preparo social e psicológico do atleta. Claro, a maior parte vem de família pobre, e ao ganhar muito dinheiro após equivalente sofrimento, passa a conviver com o assédio de “admiradoras”, empresários e “pseudo-amigos” interesseiros, além do próprio gozo da fama.

Sem dúvida, carecem de apoio de Assistentes Sociais, psicólogos, e por que não, Consultores Financeiros.

Os grandes clubes gastam tanto dinheiro com bobagens; custaria muito à eles gastarem com profissionais indispensáveis como estes?

É apenas uma questão de planejamento de carreira de seus atletas. Comportamento adequado também é indicador de valorização dos seus jogadores.

E você, o que pensa sobre isso? Deixe seu comentário:

– Jesuítas do Século XXI em rota contrária da navegação de 1500?

Veja que interessante: ao chegarem ao Brasil, jesuítas do Velho Mundo vieram catequizar a América. Agora, o fluxo é o inverso: sacerdotes e missionários brasileiros, que antes viajavam para a África e Ásia, agora vão para a Europa, devido à falta de padres!

Curiosidade: em quanto há um processo de descristinização no continente europeu, nos últimos 10 anos o número de igrejas construídas no Brasil cresceu 22%, e o de párocos, 31,8%!

Extraído de: Revista Isto É, Ed 2190, pg 88-90.

PADRES BRASILEIROS INVADEM O VELHO HUMANO

Jovens sacerdotes são convocados para atuar em paróquias na Europa, onde há escassez de mão de obra religiosa e o catolicismo está mergulhado em profunda crise

Uma igreja sem padre, uma fé sem igreja. Entre os europeus esse cenário é mais do que possível. A descristianização da Europa, que outrora foi responsável por levar o Evangelho à América Latina, atingiu um grau tão elevado que há uma corrente de teólogos que acredita que o catolicismo esteja dando adeus ao Velho Continente. Na Holanda, por exemplo, a diocese de Den Bosch, no sul do país, estuda deixar na ativa apenas um quinto das atuais 250 paróquias. O destino da maioria delas poderá ser a transformação em museus e livrarias, o funcionamento esporádico com missa apenas uma vez por semana ou a demolição. “Não há padres, fiéis ou dinheiro suficientes para mantê-las”, diz o frei Jan Bolten, um holandês que, por mais de 40 anos, foi missionário no Brasil e que há três foi escalado para retornar para a sua terra natal. “Os bispos daqui estão buscando padres no Exterior.” Um dos países que têm exportado seus sacerdotes para o Velho Mundo é o Brasil, que outrora mandava seus jovens vocacionados para a África e Ásia.

Bolten e os freis João de Deus Campos, 42 anos, e Luciano Henrique Veras Tito, 33, desembarcaram no frio vilarejo de Handel, no município de Gemert, próximo da Alemanha, com a missão de não permitir que a chama da congregação dos carmelitas descalços se apagasse. Os três moram na paróquia Nossa Senhora da Assunção e formam uma atuante comunidade católica, algo que não existia quando a igreja era tocada por um holandês. Mineiro de São Lourenço, João de Deus era vigário paroquial em Caratinga (MG) antes de se mudar para a Europa.

“Mas eu não celebro somente em Handel”, diz ele. “Já rezei missa em outras 20 igrejas holandesas.” A Holanda já foi a maior fornecedora de missionários católicos para o Brasil, meio século atrás. Entre os europeus, o envelhecimento do clero e a diminuição das vocações têm exposto a vida eclesial da região a uma enorme fragilidade, de acordo com o teólogo jesuíta João Batista Libanio. “Arrisca-se de não se manter a fé cristã em países europeus, outrora sementeiros de missionários”, diz ele. A ordenação de padres na Holanda é ínfima. Há 100 seminaristas, no total, sendo que vários são estrangeiros.

No Brasil, por outro lado, o novo Anuário Católico, que será distribuído pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) na segunda-feira 28, mostra um cenário diferente. Aqui, apesar de ainda haver pouco padre por habitante (um para cada 8.624), o número de paróquias e de sacerdotes está em crescimento. Segundo o Anuário, há 22% mais igrejas e 31,8% mais párocos do que em 2000. “O apelo para as vocações sacerdotais tem se intensificado nos últimos anos e vem sendo realizado pelas tevês católicas e as novas mídias, como sites e redes sociais”, afirma a socióloga da religião Sílvia Fernandes, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). “Por outro lado, a figura do padre está se modernizando e dialogando mais com a sociedade, o que pode também funcionar como um fator de atração para a juventude”.

Padre da paróquia Divino Espírito Santo, em Arthur Alvim, zona leste de São Paulo, o paranaense Cláudio Francisco de Oliveira, 38 anos, passou quatro anos celebrando na igreja São José, em Madri, na Espanha, entre 2005 e 2009. Chegou àquele país para cursar um doutorado, mas foi cooptado para celebrar na capital espanhola durante o período de estudos. “Os padres jovens são minoria e alguns celebram no esquema de rodízio. Um amigo de Bilbao, onde há uma residência sacerdotal com 400 padres aposentados, cuida de cinco paróquias”, conta Oliveira, que também acumulava funções rezando cinco missas por semana em uma residência de idosas. O pároco paranaense relata que no País Basco há seminários sem nenhum aluno. “Lembro que as cidades de Bilbao, São Sebastião e Vitória uniram seus seminários e mesmo assim havia apenas seis estudantes no total”, conta ele. A importação europeia de sacerdotes tem feito com que alguns bispos da América Latina e da África sintam receio de enviar seus padres para estudar no Exterior por conta da possibilidade de não tê-los de volta. A preocupação chegou ao Vaticano, que, em uma carta assinada pelo papa Bento XVI, recomenda aos bispos da África que orientem seus padres a retornar à terra natal após finalizar os estudos na Europa. Essa indicação foi seguida pelo padre Oliveira, que voltou ao Brasil, apesar de ter recebido uma proposta para seguir a vida eclesial na Espanha.

– Não Pense que a Cabeça Aguenta se você Parar!

Há pessoas inspiradíssimas, que em momentos de êxtase fazem coisas impressionantes. Muitas vezes, nem percebemos que Deus nos ilumina naquele instante. Dependendo da crença, diz-se que é iluminação, nirvana, karma, ação angelical ou qualquer outra forma de manifestação.

Sou católico, e sempre aprendi que o Espírito Santo age quando, como, e em quem ele quer, independente da fé.

Raul Seixas, o Maluco-beleza, é um desses cuja competência transbordava e que certamente foi inspirado. Afinal, tal canção abaixo não é um convite à esperança?

TENTE OUTRA VEZ

Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!…

Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda tá na fonte
(Tente outra vez!)
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou!
Não! Não! Não!…

Oh! Oh! Oh! Oh!
Tente!
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense
Que a cabeça agüenta
Se você parar
Não! Não! Não!
Não! Não! Não!…

Há uma voz que canta
Uma voz que dança
Uma voz que gira
(Gira!)
Bailando no ar
Uh! Uh! Uh!…

Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo
Vai!
Tente outra vez!
Humrum!…

Tente! (Tente!)
E não diga
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas
Que se vive a vida
Han!
Tente outra vez!…

Vídeo em: http://www.youtube.com/watch?v=Ef7jUQOCjS0&feature=fvst

– Sérgio Baresi é o Novo Treinador do Paulista de Jundiaí

Trabalhei em jogos do Sérgio Baresi nas categorias de base. Tive ótima impressão dele. Quando foi alçado para substituir Ricardo Gomes no time profissional do SPFC, não foi feliz. Mas, claro, a situação era complicada para ele: sem nome, teve que ‘domar’ um elenco de estrelas.

Ele será o novo técnico do Paulista FC para o Paulistão 2012. Boa escolha para ambos! Para o treineiro, sairá da sombra do rótulo de treinador de categorias de base. Para o nosso Galo, um nome mais experiente pelo que já passou, além do fato de poder trazer atletas das categorias de base do São Paulo FC e que por ventura não sejam aproveitados nesse ano pelo Tricolor Paulista.

O que você achou de Baresi? Deixe seu comentário:

– De novo, Carlos Lupi?

E o Ministro do Trabalho Carlos Lupi, depois de inúmeras acusações, não caiu!

Agora, descobriu-se que ele foi assessor na Câmara dos Deputados e na Câmara dos Vereadores do RJ, concomitantemente. E recebendo muito dinheiro por isso!

O homem é forte mesmo, não? Além de onipresente… afinal, não é fácil estar no Rio de Janeiro e em Brasília de segunda a sexta-feira ao mesmo tempo…

É claro que a presidente Dilma Roussef espera a Reforma Ministerial no começo do ano para dizer que ele não é mais um ministro que caiu por corrupção. Mas que esse será o motivo de sua queda, não há dúvida!