– Al Saad X Barcelona, Santos X Kashiwa. Este é o modelo ideal?

Depois de duas rodadas, já chegamos às semifinais do Mundial de Clubes da FIFA. Já imaginaram se tivermos Al Saad X Kashiwa definindo quem é o melhor do mundo? E o campeão será realmente a equipe número 1 do planeta?

Claro que não.

Tudo bem, o calendário não colabora, mas esse não é um Mundial de Clubes; é sim um torneio “Copa dos Campeões Continentais”, que devido ao peso dado às confederações, não expressa a verdadeira e real força dos continentes. É similar à “Copa das Confederações”, torneio que precede a Copa do Mundo da FIFA.

Dá para imaginar um verdadeiro campeonato mundial de clubes, HOJE, sem Real Madrid, Barcelona, Internazionale, os dois Manchesters, mais alguns europeus, acrescendo dois ou três sulamericanos?

Numa verdadeira Copa do Mundo de Clubes prevaleceriam times da UEFA e alguns da CONMEBOL, sem espaço para africanos, asiáticos e times da Oceania.

O problema é: encontrar datas e disposição dos clubes. E posso ser criticado pela opinião que segue, mas aquele modelo da primeira versão da FIFA, com Real Madrid e Manchester United, somados ao Corinthians e Vasco (independente da escolha do representante brasileiro e do sulamericano, contestada na época) era mais equilibrado do que o formato atual.

Quando é que tivemos dois europeus tão representativos no Mundial do Japão ou nos disputados nos Emirados Árabes?

Vale a pena repensar no formato ou pensar em novo modelo, mais competitivo. Neste, permite-se zebras. Ou é errado dizer que o atual vice-campeão do mundo em clubes é o Mazembe?

Vale a observação: nos tempos modernos, as equipes que mais disputaram o torneio foram as japonesas. Mas quando o país sede não é o Japão…

Aproveitando: para quem assistiu Al Saad X Esperancè Tunis, viu a selvageria de torcedores que arremessavam objetos ao campo. Infelizmente, é o terceiro mundismo no futebol. Simplesmente, uma questão de educação, onde os japoneses dão de 10 X 0 nos demais. Para quem não viu, leia e veja em: http://ht.ly/7VwAf