– E os Impedimentos de Santos X Corinthians?

Se vida de árbitro não é fácil, a de bandeirinha não é diferente. Nesta tarde, os assistentes Marcelo Van Gassen (band1) e Emerson Carvalho (band2) tiveram trabalho no clássico da Vila Belmiro, válido pelo Brasileirão.

 

Na partida, dois gols polêmicos do centroavante santista André. Vamos entendê-los?

 

1º Gol Santista: Neymar avança pelo ataque, passa pelos adversários e cruza para André, que faz o gol. Detalhes da jogada:

 

Enquanto Neymar passava por vários jogadores do Corinthians, André, seu companheiro, estava se movimentando na grande área (entrando e saindo da posição de impedimento, caso recebesse a bola durante aquele avanço). Mas quando Neymar ultrapassa o último adversário de linha, só há o goleiro a frente dele e de André, que também fica a frente dos zagueiros. Nessas condições, não haverá impedimento SOMENTE SE A BOLA FOR CRUZADA EM MESMA LINHA OU PARA TRÁS, ou se quem recebe está nas mesmas condições (mesma linha ou atrás da linha da bola), independente se tem “adversário dando condição ou não” (como dito no ‘popular’). Motivo: não existe impedimento se o atacante receber a bola e ele estiver mais longe da linha de meta adversária do que ela, quando tocada.

Textualmente:

 

Um jogador estará em posição de impedimento quando se encontrar mais próximo da linha de meta adversária do que a bola e o penúltimo adversário”.

 

Na prática: André está mais próximo da linha adversária do que o penúltimo adversário, mas não da bola, na hora em que Neymar a toca. Mesmo estando em posição de impedimento anteriormente (portanto, em impedimento passivo), na hora do toque de Neymar, está em condição legal de jogo. Portanto, gol corretamente confirmado.

 

Maroto, não? Acertou o bandeira no 1, Marcelo Van Gassen.

 

2º Gol Santista: Léo cruza a bola para a grande área. Bruno Rodrigo a cabeceia (neste momento, em posição duvidosa de impedimento), e ali nasce uma nova jogada, que resulta no chute de Durval (também em posição duvidosa de impedimento), que vai para o gol. Quando ela estava na pequena área, quase dentro da meta, André a cabeceia e faz o gol.

 

Quando Bruno Rodrigo recebe a bola, ele está impedido. Ali, lance de dificuldade média. Na sequência, Durval está com o tronco na mesma linha do adversário (portanto, apesar da posição duvidosa, Durval NÃO ESTAVA IMPEDIDO). O fato do braço de Durval estar à frente da linha do que o corpo do zagueiro não tira vantagem alguma da jogada – lembremo-nos que o atacante não pode jogar com o braço/mão, e tais membros não caracterizam impedimento. Ali, acertou o bandeira, em lance de grande dificuldade. Porém, se a bola entrasse diretamente ao gol no toque de Durval (caso Bruno Rodrigo não estivesse impedido no nascedouro da jogada), seria gol válido. Mas André, nitidamente impedido, adiantado, a frente do penúltimo adversário e da bola, finaliza a jogada para o gol. Gol irregular, em lance de pouca dificuldade.

 

Em suma: o lance já estava irregular no toque de Bruno Rodrigo. Durval não estava impedido (embora o lance fosse ilegal naquele momento) e André estava impedidíssimo!

 

Uma pena. O assistente Emerson Carvalho dificilmente erra e é um dos melhores da América do Sul. Hoje ele viveu uma tarde de exceção num momento importante do jogo.

 

– Lances Traiçoeiros de Impedimento na partida Santos X Corinthians

Se vida de árbitro não é fácil, a de bandeirinha não é diferente. Nesta tarde, os assistentes Marcelo Van Gassen (band1) e Emerson Carvalho (band2) tiveram trabalho no clássico da Vila Belmiro, válido pelo Brasileirão.

Na partida, dois gols polêmicos do centroavante santista André. Vamos entendê-los?

1º Gol Santista: Neymar avança pelo ataque, passa pelos adversários e cruza para André, que faz o gol. Detalhes da jogada:

Enquanto Neymar passava por vários jogadores do Corinthians, André, seu companheiro, estava se movimentando na grande área (entrando e saindo da posição de impedimento, caso recebesse a bola durante aquele avanço). Mas quando Neymar ultrapassa o último adversário de linha, só há o goleiro a frente dele e de André, que também fica a frente dos zagueiros. Nessas condições, não haverá impedimento SOMENTE SE A BOLA FOR CRUZADA EM MESMA LINHA OU PARA TRÁS, ou se quem recebe está nas mesmas condições (mesma linha ou atrás da linha da bola), independente se tem “adversário dando condição ou não” (como dito no ‘popular’). Motivo: não existe impedimento se o atacante receber a bola e ele estiver mais longe da linha de meta adversária do que ela, quando tocada.

Textualmente:

Um jogador estará em posição de impedimento quando se encontrar mais próximo da linha de meta adversária do que a bola e o penúltimo adversário”.

Na prática: André está mais próximo da linha adversária do que o penúltimo adversário, mas não da bola, na hora em que Neymar a toca. Mesmo estando em posição de impedimento anteriormente (portanto, em impedimento passivo), na hora do toque de Neymar, está em condição legal de jogo. Portanto, gol corretamente confirmado.

Maroto, não? Acertou o bandeira no 1, Marcelo Van Gassen.

2º Gol Santista: Léo cruza a bola para a grande área. Bruno Rodrigo a cabeceia (neste momento, em posição duvidosa de impedimento), e ali nasce uma nova jogada, que resulta no chute de Durval (também em posição duvidosa de impedimento), que vai para o gol. Quando ela estava na pequena área, quase dentro da meta, André a cabeceia e faz o gol.

Quando Bruno Rodrigo recebe a bola, ele está impedido. Ali, lance de dificuldade média. Na sequência, Durval está com o tronco na mesma linha do adversário (portanto, apesar da posição duvidosa, Durval NÃO ESTAVA IMPEDIDO). O fato do braço de Durval estar à frente da linha do que o corpo do zagueiro não tira vantagem alguma da jogada – lembremo-nos que o atacante não pode jogar com o braço/mão, e tais membros não caracterizam impedimento. Ali, acertou o bandeira, em lance de grande dificuldade. Porém, se a bola entrasse diretamente ao gol no toque de Durval (caso Bruno Rodrigo não estivesse impedido no nascedouro da jogada), seria gol válido. Mas André, nitidamente impedido, adiantado, a frente do penúltimo adversário e da bola, finaliza a jogada para o gol. Gol irregular, em lance de pouca dificuldade.

Em suma: o lance já estava irregular no toque de Bruno Rodrigo. Durval não estava impedido (embora o lance fosse ilegal naquele momento) e André estava impedidíssimo!

Uma pena. O assistente Emerson Carvalho dificilmente erra e é um dos melhores da América do Sul. Hoje viveu uma tarde de exceção num momento importante do jogo.