– O Pênalti não marcado em Erick no River Plate 2×2 Palmeiras

Já houvera dito a amigos: o chileno Julio Bascuñan é um árbitro fraco. Foi suspenso no Chile após decidir com um pênalti fantasma a partida entre Colo Colo 2×1 Huachipato em Outubro. Em Novembro, pelas Eliminatórias da Copa, após apitar Peru 1×0 Paraguai, foi xingado de todos os nomes por amarrar o jogo.

Enfim: aparentando estar acima do peso, na partida entre River Plate (URU) x Palmeiras (SEP), manteve a média, ou seja, apitou todas as faltas e supostas faltinhas. Encostou, era falta. Entretanto, não marcou o pênalti de R. Conceição em Erick.

Concordo que o atacante palmeirense, ex-Goiás, se notabilizou no ano passado em cavar pênaltis no Brasileirão. Porém, na noite de 3a, ele vai driblar o zagueiro e aparentemente vai simular, pois durante o drible ameaça cair. Só que, antes disso, o adversário deixa a perna, há o contato e o desequilíbrio, e só aí ele recolhe a perna. Isso é pênalti.

E por quê o juizão não marcou?

Por experiência, digo: ele “anteviu uma simulação”, e aí foi o erro. Não sei se já conhecia a fama do jogador, mas o “jogo de corpo” de quem vai cavar pode ter ludibriado o fraco árbitro. O certo é que antes de concretizar a tentativa de simulação, há o contato real do zagueiro Conceição que o derruba.

Assim, procedem as reclamações palmeirenses.

bomba.jpg

– A Farsa da Chefia dos Árbitros da Conmebol

Dias atrás, aplaudimos a iniciativa do novo presidente da Confederação Sulamericana de Futebol em escolher Wilson Luís Seneme com chefe dos árbitros. TVs, Rádios e Jornais repercutiram a boa iniciativa.

Só que não é bem assim…

De fonte fidedigna, soube que Carlos Alarcón, o nefasto cartola que por muito tempo reinou na Comissão de Árbitros da Conmebol, continua no poder. Alejandro Dominguez, o novo presidente da entidade (da mesma linhagem e amigo dos ex-presidentes presos), que supostamente queria mudar a cara da Confederação, não consegue tirá-lo do poder, mesmo com o anúncio de Seneme.

Após alguns telefonemas e bate-papos com amigos, de todos que pudessem dar alguma informação real sobre a situação, é perceptível por mim que Alarcón, por saber de muita coisa do submundo da Conmebol, “não quer largar o osso”. E é justamente essa a sua força: a de uma chantagem sobre Alejandro Dominguez!

As escalas dessas rodadas iniciais da Libertadores, com muitos árbitros novos, teria sim o dedo de Seneme, que ainda não tem carta branca. Mas para a próxima rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, Alarcón é quem escolherá os árbitros.

Faça a analogia do início do 1o mandato da presidente Dilma: eleita governante, ficou à sombra de Lula. Já nesse caso é um pouco mais contundente: Alarcón é o presidente informal, mas que reina de fato.

Sobre o caso Amarilla e tantos outros, sabemos que ele estava envolvido. O que mais fez de tão grave para ter essa força sobre tantos poderosos? Até onde usou de árbitros a serviço de picaretas? Quais são suas reais cartadas?

Enfim: se eu duvidava da lisura de Alejandro Dominguez por ser cria de Nicolas Leoz, não duvido mais. Tenho certeza de que é mais um do bando.

Me pesa ver a arbitragem sendo usada por picaretas. Para passarmos o futebol a limpo de VERDADE, precisamos oxigenar todos os cargos. Que reine a renovação (que teima em não acontecer).

bomba.jpg

– Viva a Classe Média

Amigos, compartilho interessante crônica enviada pelo jornalista Reinaldo Oliveira (há mais de 1 ano), a respeito da Classe Média, hábitos e política.

VIVA A CLASSE MÉDIA BRASILEIRA

Pe. Alfredo J. Gonçalves, CS

João Ubaldo Ribeiro escreveu a obra “Viva o Povo Brasileiro”. Aliás, um trabalho de mestre: releitura fictícia da história do Brasil a partir da cultura negra. Neste momento de euforia por parte das autoridades governamentais e da publicidade, poderíamos parafrasear o escritor com a saudação de “Viva a classe média brasileira!”. Segundo os dados, já ultrapassa a casa dos 100 milhões de cidadãos! Sorrateiramente, porém, levanta-se uma pergunta incômoda e inquieta: qual o critério para medir a passagem da pobreza à classe média? Os beneficiados das políticas compensatórias, por exemplo, podem ser chamados de nova classe média? Classe média sujeita à ajuda permanente do Estado ou classe média capaz de caminhar com as próprias pernas? A pergunta pode ser feita de outra forma: onde está a tão alardeada classe média?

Grande parte desta, ao que parece, continua morando nas periferias das grandes e médias cidades, até mesmo em favelas e cortiços. Tem esgoto a céu aberto e nem sempre conta com água encanada; desloca-se como “sardinha em lata” no transporte coletivo, ou perde horas diárias no trânsito caótico. Vive sob o signo do medo e da violência, sem a proteção do Estado e muitas vezes conforme os ventos incertos do crime organizado. Dificilmente consegue matricular os filhos em escolas particulares e tem de contentar-se com o ensino público de qualidade nem sempre confiável… A isso chamamos de classe média! Mas essa nova fatia da população brasileira pode consumir! Aí está um dado que as autoridades e o mercado podem comemorar com grande euforia. Viva, pois, o consumo da classe média brasileira. Agora ela pode comprar carro, TV de não sei quantas polegadas, móveis, eletrodomésticos, e assim por diante. No entanto, aqui se erguem novamente uma série de dúvidas. Se o critério para vencer a fronteira entre uma classe e outra permanece o consumo individual e familiar, onde estão os investimentos do Estado em termos de infraestrutura?

A única política pública que vem se destacando por parte dos governos federal, estadual e municipal parece ser o incentivo ao consumo, através de um marketing apelativo, estridente e por vezes agressivo, para não dizer irresponsável. Disso resultam sinais preocupantes de uso e abuso de cartões de crédito, crescimento dos percentuais de inadimplência, devolução de produtos impagáveis, nome sujo na praça… Enfim, dívidas sobre dívidas! No fundo, uma robusta classe média requer um padrão de investimento público igualmente robusto. Condições de vida e trabalho sadias e duradouras: malha viária e ferroviária para o transporte público urbano e à distância; ensino fundamental de qualidade e gratuito, com perseverança dos alunos; sistema de saúde sem os acidentes quase diários de falta de atendimento, filas, demora, e erro médico; segurança sem os efeitos colaterais da truculência, tortura e extermínio de jovens e adolescentes; reforma agrária e política agrária no campo, com apoio ao pequeno produtor e à agricultura familiar; rede integrada de portos e aeroportos…

Não é isto o que se vê na sociedade brasileira. Há muito que fazer em termos de políticas públicas efetivas, voltadas para essa mesma classe média, que ainda amarga uma situação endêmica de carência e precariedade. Receber ajuda do Estado para o consumo é algo que evidentemente amplia os direitos do cidadão. Mas como fazê-lo tornar-se protagonista de sua própria trajetória de existência? Convém não esquecer que o pão da dignidade humana vem do suor do rosto, ao passo que “o pão da esmola vem regado pelas lágrimas da vergonha”, como costuma dizer, ainda em décadas passadas, o jornalista Mauro de Santayana. O consumo, em princípio não é bom nem mau. Todo cidadão tem suas necessidades e o direito aos bens do progresso. Mas, se e quando desacompanhado de uma infraestrutura de formação (em nível pessoal) e um horizonte de oportunidades (em nível social), o mesmo consumo pode tornar-se freneticamente febril, impulsivo, doentio. O estímulo às compras pressupõe uma base sólida de serviços públicos. Para isso servem os impostos cujo montante, no Brasil, nada deixa a desejar. O que deixa a desejar é o uso correto de tamanha carga tributária. O termo carga, neste caso, nada tem de metafórico e exige um retorno por parte dos governos.

imgres.jpg