– Drogas e Futebol: como punir adequadamente?

Nesta semana vimos o anúncio de que Gonzalo Carneiro, jogador do São Paulo FC, foi pego no exame anti-dopping. Diz-se que foi por Cocaína, mas aí existem algumas informações aguardando a confirmação.

Sou contra todo e qualquer tipo de droga, e o Esporte deve sempre baní-las como exemplo e sinônimo de que a prática esportiva é algo para se praticar de maneira saudável e, concomitantemente, buscando a saúde.

Mas aqui quero atentar para as punições: Cocaína, Maconha e outros narcóticos “sociais”, ou ditos de “recreação” (detesto esse termo), não melhoram o rendimento do atleta. A Maconha deixa o cara mais lento; a Cocaína deixa “doidão” por um tempo e depois faz o cara sumir em campo. Seria injusto uma mesma punição para quem toma anabolizantes e outras drogas que aumentem o rendimento durante a partida, que aí sim é um benefício pessoal para quem faz (benefício momentâneo, pois os efeitos nocivos se vêem a longo prazo). Portanto, o ideal seria punições diferentes conforme a natureza do dopping.

Se faz necessário observar: as drogas são um mal cada vez maior na sociedade. Viciam, matam, acabam com a vida e a família. Entretanto, a entrada da pessoa nesse mundo tão sombrio o faz por motivos mais diversos: “farra” entre amigos, mera curiosidade e, também, para alguma fuga (no caso, como alegado por Carneiro, a depressão). E esse último ponto é sensível: a depressão (também como a dependência) é uma doença! Deve ser tratada e ter muita atenção.

Por fim: algumas pessoas questionam se o clube não deveria ser punido. Normalmente, o dopping é pessoal, movido pelo próprio jogador. O clube não perde ponto nem é suspenso, mas sim o atleta. Se existem vários atletas da mesma equipe, aí é outra situação. Claro, tudo isso é discutível: imagine um clube que ganha o jogo por 1×0 e o autor do gol é flagrado pelo dopping? O perdedor, logicamente, vai chiar.

Enfim: quem nunca experimentou drogas, SEJA QUAL FOR A MOTIVAÇÃO, nunca o faça!

Resultado de imagem para Gonzalo carneiro

 

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem para Atlético Mogi x Paulista FC

Gostei bastante da escala para o próximo jogo do Galo em Mogi das Cruzes: é dessa forma que se faz a correta renovação da arbitragem!

Abaixo a escala e as explicações:

Árbitro: Matheus Delgado Candançan
Árbitro Assistente 1: Alex Alexandrino
Árbitro Assistente 2: Fabrício da Silva Costa
Quarto Árbitro: Luiz Carlos Ramos Júnior

Matheus está entrando apenas em seu 3o ano como árbitro da Federação Paulista, portanto, muito jovem. Me recordo muito de Demétrius Pinto Candançan (provavelmente seu pai ou tio), um árbitro da minha geração e que era muito bom; porém, devido a uma sequência de contusões, teve a carreira atrapalhada. Se herdou a vocação da arbitragem, isso é uma vantagem.

Para dar suporte a ele, dois bandeiras experientes. E como quarto-árbitro, um juiz veteraníssimo que já esteve na série A1 por alguns anos.

Insisto: é essa a escala ideal que se deve fazer nas divisões de baixo: nada de “árbitro velho de casa” sendo escalado (que não chegará mais à elite e que fica vagando uma escala ou outra), mas dar oportunidade aos jovens, sempre com pessoal qualificado do lado, a fim de lhe dar segurança.

Desejo boa sorte à arbitragem e grande jogo para as equipes!

Acompanhe pela Difusora AM 840, sábado, às 15h, com a narração de Rafael Mainini. A jornada começa às 14h, com o comandante do Time Forte do Esporte, Adilson Freddo!

Resultado de imagem para

Ops: apesar da arte, o mando é do Atlético e o jogo em Mogi.

– Os surrupiadores do dinheiro da Venezuela

Há coisas difíceis de se explicar, quando falamos de respeito, honestidade e sensibilidade humana. O compadecimento por parte de líderes políticos pode ser um bom exemplo.

Digo isso pois leio que um esquema de corrupção que desviou muito dinheiro da Venezuela para a Europa e EUA foi descoberto. E pasmem: quem surrupiou o sofrido, faminto e empobrecido povo venezuelano foi… quem os comanda!

É por isso que a cúpula política de lá não quer largar o osso e Nicolás Maduro ainda resiste, usando de demagogia e ludibriando o povo.

Leia em: https://jamilchade.blogosfera.uol.com.br/2019/04/23/investigadores-dos-eua-gravaram-cupula-chavista-por-mais-de-dois-anos/

INVESTIGADORES DOS EUA GRAVARAM CÚPULA CHAVISTA POR MAIS DE 2 ANOS

Uma centena de gravações revelou como a elite em Caracas lavava dinheiro em Miami e usando bancos suíços, enquanto o caos reina na Venezuela

Por Jamil Chade

GENEBRA – Investigadores americanos gravaram mais de cem conversas de representantes chavistas, banqueiros e parentes de políticos venezuelanos por mais de dois anos, obtendo provas sobre como o dinheiro da estatal PDVSA era usado para comprar imóveis de luxo na Flórida (EUA).

As gravações ainda apontam como bancos na Suíça e notas frias eram usadas para lavar milhões de dólares, enquanto a Venezuela entrava em um caos sem precedentes.

Documentos obtidos pelo blog revelam como agentes especiais americanos trabalharam desde 2016 com uma fonte que aceitou colaborar com a Justiça dos EUA. Naquele ano, um indivíduo que não teve sua identidade revelada se apresentou às autoridades em Miami indicando que ele havia recebido 78 milhões de euros, proveniente da PDVSA.

Denominada apenas como “Fonte Confidencial”, a pessoa estaria envolvida em crimes de lavagem de dinheiro e se apresentou para “devolver o dinheiro e cooperar”. Uma operação secreta, então, teria sido iniciada pelas autoridades em Miami, de forma totalmente sigilosa. Ela ganhou o nome de Operation Money Flight (algo como Operação viagem do dinheiro) e foi conduzida pela Força-Tarefa sobre Crime Organizado e Drogas.

“A Fonte Confidencial aceitou usar um aparelho de escuta e a Operation Money Flight foi iniciada com o foco em tentar lavar parte dos 78 milhões de euros, os fundos PDVSA”, indicou o documento.

A estratégia era a de manter a fonte dentro do esquema e tentar entender qual era a função de cada um dos personagens da trama milionária, assim como descobrir quem exatamente estaria envolvido.

“Dois anos e mais de cem gravações depois, a Operation Money Flight revelou uma conspiração internacional para lavar os fundos da PDVSA em Miami e por organizações internacionais de grande escala”, indicaram os americanos. “Mais especificamente, as investigações revelaram o uso de imóveis em Miami e esquemas sofisticados de falsos investimentos para lavar centenas de milhões de dólares.”

De acordo com o documento da Justiça americana de julho de 2018, pelo menos cinco pessoas ligadas ao regime em Caracas foram gravadas em conversas com a fonte secreta. Uma delas seria Abraham Edgardo Ortega, ex-diretor de finanças da PDVSA. Outra era Carmelo Urdaneta, ex-conselheiro legal no Ministério do Petróleo.

Também foi pego na escuta Francisco Convit Guruceaga, indiciado por lavagem de dinheiro. Convit é um empresário venezuelano e sócio do governo em uma empresa mista, a Petrozamora.

Três políticos venezuelanos cujos nomes não foram revelados por ainda estarem sob investigação também são mencionados.

De acordo com o documento, existe uma “fraude massiva e corrupção permeando o governo venezuelano”. “As estimativas da fraude apontam para até US$ 20 bilhões por ano”, afirma. “Como na Venezuela em geral, a fraude e a corrupção são comuns na PDVSA.”

Segundo o documento, a crise social, política e econômica da Venezuela criou “rios de dinheiro criminoso” para a Flórida, que se transformou em um “centro de lavagem de dinheiro internacional e um destino para criminosos estrangeiros e cleptocratas”.

Banqueiro – Mas um elemento central foi a gravação das conversas da fonte secreta com o banqueiro Matthias Krull. “Em uma ligação gravada no dia 30 de junho de 2018, a Fonte Confidencial, Krull e o irmão de um representante venezuelano discutiram formas para lavar o pagamento”, apontou o documento. “Diferentes opções foram discutidas”, completou.

Krull seria alvo de outras gravações e, um mês depois, foi preso. O banqueiro fechou um acordo de delação premiada com os americanos, confessou o crime e deixou claro que os enteados do presidente da Venezuela estavam entre os seus clientes.

Com 44 anos, Krull trabalhava para o banco suíço Julius Baer. De nacionalidade alemã e residente do Panamá, ele havia deixado a instituição em julho. Já no ano passado, o banco indicou que estava conduzindo investigações internas baseada em informações disponíveis no acordo de delação de um ex-funcionário. O banco também garantiu que estava cooperando com as autoridades.

O blog foi informado pelas autoridades suíças que, no final de 2018, um informe completo do banco foi entregue à agência reguladora dos bancos na Suíça.

Mas os americanos concluiriam que existe uma suspeita de que a própria família de Nicolás Maduro e a elite chavista ganharam de forma criminosa milhões de dólares com um esquema de lavagem de dinheiro que usava o mercado negro do câmbio venezuelano e a PDVSA para acumular uma verdadeira fortuna no exterior.

Apenas os enteados do presidente e funcionários de alto escalão da PDVSA são suspeitos de fazer parte de um esquema de corrupção que atingiu US$ 1,2 bilhão, usando um banco suíço.

Esquema – O esquema funcionava graças à existência de duas taxas de câmbios na Venezuela entre o bolívar e o dólar. Uma das taxas, porém, apenas podia ser operada pelo governo.

“Em 2014, por exemplo, um indivíduo poderia trocar US$ 10 milhões por 600 milhões de bolívares na taxa econômica real”, explicou um documento de agosto de 2018 e que indiciava o ex-banqueiro. “Então, se aquele indivíduo tivesse acesso às taxas fixas do governo, poderia converter aqueles mesmos 600 milhões de bolívares em US$ 100 milhões”, apontaram os americanos. “Essencialmente, em duas transações, aquele pessoa poderia comprar US$ 100 milhões por US$ 10 milhões”, explicaram.

O problema é que, para ter acesso ao câmbio oficial, a pessoa precisava passar por um representante do governo que, para fazer a operação, cobrava uma propina. “A diferença entre a taxa fixa e a taxa da economia real cria uma oportunidade para fraude e abusos, em que funcionários venezuelanos realizam a troca de moeda em troca de propinas”, disse o documento.

De acordo com a promotoria americana, uma grande parte do esquema de câmbio ocorria “dentro da estatal venezuelana Petróleos de Venezuela, S.A.(PDVSA)”. “A PDVSA é uma fonte primária de recursos e de moeda estrangeira (em especial dólares e euros) e serve de fonte para a moeda estrangeira usada para financiar um esquemas de enriquecimento corruptos de câmbio”, completou.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Resultado de imagem para Nicolás Maduro