– As mudanças das Regras do Futebol: 10 ideias, 7 mudanças e outras 3 “pra depois”

Eu me preocupo demais com as mudanças (a velocidade em que ocorrem e a intensidade impactante) das Regras do Futebol. Elas sempre foram mudando ao longo dos tempos, mas não com tanta frequência quanto agora.

Um lance qualquer avaliado há 5 anos poderá estar completamente desatualizado devido a quantidade de modificações ocorridas tão recentemente. E pasmem: o futebol, tão simples de se praticar, começa a ter um conjunto de observações, exceções e outras nuances que jogadores, jornalistas, torcedores e se bobear, até árbitros amadores desconhecem.

Quer um exemplo? Pergunte a um jogador se “a bola tocar no adversário tira o impedimento”? Há 4 anos era uma pegadinha, muitos achavam que tirava (e gerava reclamações pelos ignorantes). Nunca tirou, e jogadores tinham dúvidas. Mas a Regra mudou tempos atrás: se um jogador de defesa for disputá-la e a bola somente resvalar nele, pela intenção da disputa o toque involuntário tirou o impedimento do atacante. Mas se o mesmo toque acontecer com o jogador não manifestando a intenção da disputa de bola, embora tocando o impedimento deve ser mantido.

Dá para o torcedor comum entender?

Enfim: no último sábado dia 02, a International Football Association Board (IFAB), a verdadeira dona das regras do jogo de futebol, durante a 133a reunião da entidade, discutiu 10 itens, aprovando 7 mudanças, rejeitando 2 e aceitando o teste de outra. vamos lá:

APROVADAS A PARTIR DE 01.06.2019 (E JÁ INCLUSAS PARA BRASILEIRÃO E COPA AMÉRICA):

  1. Bolas que batam acidentalmente na mão serão diferenciadas entre as que espirram no defensor e no atacante. Entenda como funciona hoje: se um chute de um atacante bater sem intenção no braço do zagueiro que está tentando evitar o gol (bateu sem querer), você não pode marcar o pênalti, pois não foi intencional o uso da mão nem movimento antinatural. E se uma bola for chutada e o atacante que tenta fazer o gol tocar sem querer com a mão na bola, o lance tem que ser validado. Se entrar no gol, é gol legal de mão (não teve intenção de colocar a mão na bola e nem fez um movimento antinatural, mas ela bateu sem querer e entrou). A mudança será: para o zagueiro, continua valendo que não se pode sancionar o lance, pois  foi um acidente no qual ele não tem culpa. Entretanto, nas mesmas condições só que em ataque, DEVERÁ INVALIDAR O LANCE, independente de intenção ou não do atacante, movimento antinatural dos braços ou não. Bateu e resultou um gol, pare o jogo.
  2. Comissões Técnicas receberão Cartões Amarelos e Vermelhos (igualmente como se aplicam aos jogadores).
  3. A permissão oficial de que o goleiro possa estar somente com 1 pé sobre a linha do gol na cobrança de pênalti (acabando com a história de olhar se ele está atrás, para frente, se está mal posicionado, ou com os 2 pés sobre a linha). Na hora do chute do cobrador, o goleiro terá que estar com um dos pés sobre a linha, e não mais dois.
  4. Obrigatoriedade do jogador que será substituído sair pela linha mais próxima do campo de jogo, com a possibilidade de punição com cartão amarelo (e se já tiver, o segundo amarelo e vermelho consequentemente) por retardar a partida. Aqui, o exemplo claro é de um jogador que está na área penal, e ao invés de sair pela linha de fundo, sai pela linha lateral até o banco de reservas. 
  5. A permissão de que a bola entre em jogo logo que se cobre o tiro de meta ou um tiro livre a favor da defesa dentro da área, sem precisar que saia da grande área (hoje, só se pode tocar a bola – sendo atacante ou defensor – depois que ela sai da grande área; se não sair e ser tocada, a bola não estará em jogo e o tiro de meta cobrado novamente). Agora, a partir do instante em que a bola for tocada pelo cobrador do tiro de meta ou tiro livre, os jogadores já podem disputá-la.
  6. O árbitro e os bandeiras deixam de ser neutros, mas se tornam como “elementos estranhos”. O “famoso Gol do Aragão no Palmeiras x Santos” não vale mais. Ou seja: se a bola bater num árbitro, o jogo seguia normalmente. Agora, se bater, deve-se marcar ‘Bola Ao Chão’.
  7. A proibição de jogadores de ataque permanecerem na barreira da defesa, distando 1 metro da mesma. Muitas vezes, jogadores do time que atacam se misturavam na barreira ou ficavam à frente dela (e isso não era proibido, era até mesmo algo treinado, para facilitar o cobrador). A partir de Primeiro de Junho, os atletas da defesa devem continuar a pertencer 9,15 da bola, mas os jogadores do ataque devem estar distantes 1 metro da barreira, se ela for formada.

REJEITADAS:

8. A ideia em se discutir a mudança de sequência de cobranças de tiro penal em decisões de pênaltis: ao invés das equipes se revezarem uma vez cada (ABABABABAB), ou seja, 5 tiros alternados pelas equipes A e B, se cobraria 1 por 2 (ABBAABBAAB). Dessa forma, uma equipe cobra primeiro, e depois o adversário cobra 2 vezes, e assim revezando até 5 tiros cada.

9. A ideia de, terminada empatada uma disputa de pênaltis, ao invés de se revezarem 1 chute para cada equipe, elas teriam direito a 2 chutes (como os tie-brakes de tênis).

EM TESTE:

10. O fim dos rebotes de pênaltis durante o jogo normal! Se um cobrador acertar o gol, recomeça normalmente o jogo. Mas se ele chutar para fora, bater na trave, ou o goleiro espalmar, recomeçará a partida com TIRO DE META. Os testes serão em torneios de menor expressão.

E aí, gostaram das ideias? Deixe seu comentário:

Resultado de imagem para Bola de futebol

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.