– Visão de Árbitro sobre número de faltas em Messi e em Neymar

Uma discussão que se alonga há tempos, e que confesso, se tornou cansativa, é: Neymar é caçado em campo ou não?

Quando surge o debate sobre esse tema, não há como não lembrar de Messi: o atual número 1 do mundo é costumeiramente recordado para se comparar, polemizar e até mesmo rivalizar com o jogador santista, justamente pela fama que o argentino tem em “não cair em campo”, permanecendo em pé e disputando as jogadas sem priorizar as faltas. Para quem não teve a oportunidade de assistir, vale a pena esse vídeo do YouTube: Lionel Messi – Never Dives: http://www.youtube.com/watch?v=I0gS5CshUDE

Porém, alguns números podem trazer, se analisados de maneira absoluta e não-relativa, uma falsa impressão de que Neymar é perseguido duramente em campo, enquanto Messi não é. Esses números se referem a faltas recebidas. Vamos conhecê-los?

Segundo os dados do ex-árbitro FIFA e atualmente comentarista do Sportv Leonardo Gaciba, em Outubro/2012 (quase final do Brasileirão 2012 e do 1o turno da Liga Espanhola 2012/2013), Neymar sofrera 7,2 faltas por jogo, contra 2,2 de Messi.

De maneira simplista, você pode dizer que Neymar apanha mais de 3 vezes do que Messi. Mas há um dado curioso: o português Cristiano Ronaldo recebeu no mesmo período 2,4 faltas por jogo, quase a mesma média do argentino rival (dados em: http://is.gd/AmXQCt). Neymar sofre muitas faltas, ou os jogadores do Campeonato Espanhol recebem poucas?

Ainda ingenuamente, você poderia alegar que tais números comprovam que Neymar é perseguido. Mas antes de aprofundarmos o debate, mais números curiosos: até Ananias, jogador da Portuguesa, recebeu mais faltas que Lionel Messi! O atleta, segundo o Uol/Folha de SP/ DataFolha (dados em: http://is.gd/sBCHQR) recebeu 3,3 faltas por jogo durante o último Campeonato Brasileiro, sendo o 10o do ranking de atletas que sofreram infrações naquele ano.

Para ajudar a ter uma melhor interpretação dos números, vale outro indicador: o de médias de faltas por torneio. Em 2012, o Campeonato Brasileiro teve 36,8 faltas / jogo (contra 36,2 em 2011). Wilton Pereira Sampaio, eleito o melhor árbitro do campeonato pela CBF (embora não tenha meu voto), marcou quase 44 faltas /jogo. Na Espanha, a média é 28. Na Inglaterra e na Argentina, 21 (dados de http://is.gd/TwfkOT)! No Paulistão, em jogos do Santos (até a rodada 6, segundo as súmulas da FPF), é de 31,5.

É necessário comentar: o que podemos dizer do número de faltas por aqui, se uma partida tem 90 minutos? Uma falta a quase 2 ½ minutos corridos! E se contabilizarmos tempo efetivo de jogo (bola rolando), a coisa piora.

As características dos dois atletas – Neymar e Messi – bem como as dos campeonatos – brasileiro e espanhol – podem nos dizer muita coisa. E é aqui que começamos uma interpretação relativista dos números observados até agora, que são frios e, portanto, absolutos. Com olhos de árbitro de futebol, sem dúvida é preferível o estilo de jogo de Messi do que o de Neymar, pela facilidade em arbitrar as partidas desses dois atletas comparados. Para a magia do futebol e do seu meio envolvido, prefere-se o inverso, pois não se polemiza pós-jogos do argentino do Barcelona, ao contrário dos pós-jogos do brasileiro do Santos.

Enfim: Neymar é perseguido ou não?

Para responder, leve em conta algumas coisas:

1) O número de faltas em Messi é baixo, pois normalmente ele abdica da falta e prefere levar a vantagem mantendo a posse de bola (quando é possível). Neymar prefere a bola parada (muitos clubes que possuem bons batedores de falta entendem que a vantagem é ter uma falta, ao invés da posse de bola). Assim, as faltas não marcadas pelas vantagens que Messi se beneficia não são contabilizadas, trazendo o índice dele para baixo.

2) Em muitos lances, Neymar procura cavar faltas (legalmente – forçando seus marcadores a tentarem que roubem a bola, e ilegalmente – simulando faltas). Os dribles numerosos naturalmente forçam a falta. Messi não tem essa característica. Portanto, nesse quesito temos um aumento do índice do santista.

3) Neymar não tem tantas estrelas ao seu lado para jogar, como Messi, que pode dividir responsabilidade com Xavi, Niesta & Cia. Então, por ser mais participativo durante as partidas, Neymar é mais visado. Objetivamente: Neymar prende mais a bola do que Messi, por falta de maiores opções de companheiros de alto nível técnico.

4) Há 4 anos, Neymar figura na relação dos 4 atletas que mais apanham no Campeonato Brasileiro, mas está ao lado de jogadores que costumam ser mais individualistas e que costumam procurar o contato físico do adversário (em alguns casos, esses atletas são taxados de provocativos). Veja a relação (do UOL: http://is.gd/sBCHQR)

a)2012– (Faltas por jogo)

Neymar (Santos) 6,6

Valdívia (Palmeiras) 4,6

Kleber Gladiador (Grêmio) 4,3

Emerson Sheik (Corinthians) 4,3

b)2011– (Faltas por jogo)

Neymar (Santos) 6,9

Kleber Gladiador (Palmeiras) 5

Emerson Sheik (Corinthians) 4,1

Wellington Nem (Figueirense) 4

Valdívia (Palmeiras) 3,7

c)2010– (Faltas por jogo)

Kleber Gladiador (Palmeiras) 5,5

Neymar (Santos) 4,6

Maicosuel (Botafogo) 3,7

Joilson (Grêmio) 3,7

d)2009– (Faltas por jogo)

Ganso (Santos) 9

Rodriguinho (Fluminense) 7

Caio (Botafogo) 7

Neymar (Santos) 6,5

5) Diante dos dados acima, uma outra consideração deve ser feita: alguns atletas não são bem quistos pelos adversários, e tendem a receber mais faltas. Seja pelo estilo debochado, por simulação, por bronca alheia ou até por inveja. Outros atletas, ao contrário, costumam ser mais respeitados e tendem a receber menos faltas, seja pela admiração do adversário, carisma e até mesmo pelo medo de lesionar um possível ídolo.

Cá entre nós: Kleber Gladiador, Emerson Sheik, Valdívia, entre outros, se enquadram no primeiro quesito. Já Raí, Ronaldo Nazário, Marcos e Rivaldo, constituem um elenco respeitado entre os próprios boleiros.

Corrobora com esse item uma declaração de José Mourinho, treinador do Real Madrid, ao final da temporada de 2010/2011 na Espanha. Na oportunidade, o português se queixava de que Cristiano Ronaldo sofria o dobro de faltas do que Messi e criou uma polêmica (extraído de: http://is.gd/QXAtnB), dizendo que:

Há jogadores a quem os adversários têm medo de meter o pé. Ronaldo não tem o privilégio desses outros jogadores (…) Tem 1,85 metros, é um animal de força e tem bom corpo para que lhe acertem. Por isso… zás e zás, pensam os adversários. E continuam a dar-lhe e a dar-lhe”.

Detalhe: a média de faltas recebidas naquele momento era de: Cristiano Ronaldo 2,4 contra Messi 1,3 (somando Taça do Rei e a Liga Espanhola).

6) As considerações dos 5 tópicos acima se somam a um problema perceptível: o rodízio de faltas praticado contra Neymar. Não que essa estratégia (difícil de ser punida corretamente pelos árbitros) seja a responsável pelo alto número de faltas (já justificada nas observações anteriores), mas ela é preocupante. A fama criada pelo santista de simulador de faltas e/ou “cai-cai” (verdadeira no início de carreira, mas claramente menor hoje) é um empecilho para que os árbitros consigam discernir as faltas reais das simuladas. Dessa forma, muitas vezes algumas faltas que aconteceram não são marcadas, e vice-versa.

7) Nível dos jogos: quanto melhor a qualidade dos adversários, menor o número de faltas. Real Madrid X Barcelona, por exemplo, disputado dias atrás, mostra respeito entre os atletas. Há espaço para os craques, marcação por zona e menor número de faltas (independe se em Xavi, Messi, Cristiano Ronaldo). Na Copa do Mundo de 2010, Inglaterra X Alemanha jogaram e só cometeram 13 faltas. Há duas semanas, contra o Santos, o Bragantino (sozinho) cometeu 22 infrações.

Pela lógica, quanto mais espaço, melhor desempenho. Vide a última Copa América: o rendimento de Lionel Messi na Seleção Argentina não foi o mesmo que no Barcelona (importante: não foi possível a obtenção dos dados das partidas da Copa América, nem da Libertadores, pois a Conmebol não disponibiliza publicamente as súmulas, sendo difícil obter o número de faltas sofridas pelos atletas nessas competições).

Assim, fica novamente a pergunta final, com minha particular apreciação: Neymar é perseguido ou não?

Para mim: Não, por todas as considerações acima. Os números frios com alto número de faltas sobre Neymar e baixo sobre Messi, de maneira absoluta, impressionam e são impactantes. Mas uma análise com as nuances relativas mostram que as características dos atletas explicam a naturalidade do índice de faltas, que não é excepcional e nem exclusivo deles, já que os estilos de jogo, dos torneios disputados e adversários costumeiros proporcionam esse resultado.

A curiosidade (com resposta incerta) é: e se hipotética (mas utopicamente) Neymar jogasse no lugar de Messi no Barcelona e Messi no lugar de Neymar no Santos, como seria?

Deixe seu comentário:

imgres.jpg

(Durante as Olimpíadas de Londres, o jornal londrino The Guardian pediu que seus leitores enviassem sugestões de fotos que ilustrassem como viam Neymar. Essa foi a vencedora.)

imgres.jpg

(foto: extraída do site do Barcelona – divulgação)