– Sobre Escrever…

Impossível discordar da imagem abaixo:

Imagem

– Análise Pré-Jogo da Arbitragem de Fortaleza 6×0 Red Bull Bragantino.

O Leão da Pici atropelou o Leão Massa Bruta. Que loucura! Num jogo em que virou o primeiro tempo 4×0, tivemos vários cartões amarelos por reclamação (todos corretos), dois pênaltis marcados (com o árbitro bem posicionado em ambos) e nenhuma polêmica quanto à arbitragem – EXCETO a não expulsão de Jadsom pelo 2º amarelo aos 87m. Foi bem Ramon Abatti Abel (apesar desse momento de acomodação citado), sendo criterioso (com atuação melhor do que nas últimas rodadas, fazendo jus ao seu 1º semestre).

Destaque negativo para a bandeira 2, Brígida Cirilo Ferreira, que anulou equivocadamente o 5º gol cearense, corrigido pelo VAR.

Uma brincadeira que surgiu durante o jogo: em Fortaleza, pela primeira vez vimos um Red Bull “sabor Chocolate”. E amargo! Aguente… E o inusitado é: na Argentina, a empresa lançou certa vez um chocolate.

O projeto Red Bull é sério, honesto, foi bem sucedido até o ano passado, mas… saiu da curva nesse final de Brasileirão. Que volte aos trilhos. E ressalto: o trabalho de marketing 

– E se você tivesse uma Memória que não esquecesse nada?

Imagine uma “Supermemória”, uma espécie de “Amnésia ao contrário”?

Algo incrível, não?

Pois existem pessoas com essa memória fantástica, onde você lembra de mínimos detalhes de coisas normalmente esquecíveis. Porém, não são mais do que 20 “escolhidos”.

Abaixo, extraído de: Isto É, ed 2238,pg 27

O HOMEM DA SUPERMEMÓRIA

por Antonio Carlos Prado e Laura Daudén

A OMS acredita que não mais de 20 pessoas em todo o planeta sejam portadoras de hipertimésia – espécie de amnésia ao contrário que leva a pessoa a lembrar com exatidão e nos mínimos detalhes as situações mais rotineiras vivenciadas no dia a dia de duas décadas atrás. Um desses portadores é o britânico Aurelien Hayman. A causa de sua supermemória: na esmagadora maioria das pessoas, é o lobo frontal direito do cérebro que armazena memórias de longo prazo. No caso de Hayman, também o lobo frontal esquerdo e o lobo occipital cumprem essa função.

imgres.jpg

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Coritiba x Corinthians: o que é isso, Timão?

Bruno Mendes cometeu pênalti. Indiscutível, ele tenta roubar a bola atropelando por trás o adversário. Lance para Amarelo. Pós-gol, “cavou” a expulsão por reclamação.

Cássio, desnecessário, tomou também o amarelo. Reclamou sem precisar…

Vitor Pereira foi à cabine do VAR reclamar com o árbitro. Tomou Amarelo. Pós-Gol, aplaudiu o árbitro e continuo reclamando, resultando na expulsão.

Ninguém quer jogar a última rodada?

Coritiba x Corinthians: veja onde assistir, escalações, desfalques e  arbitragem | brasileirão série a | ge

Imagem: G1.com

– A chuva vem chegando…

E parece que o tempo virou. Olhe aí as nuvens escuras assustando o nosso entardecer…

Que venha chuva mansa!

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#sunset #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #clouds

– Os novos árbitros da FIFA para 2023.

Paulo Cesar Zanovelli da Silva (MG) e Ramon Abbatti Abel (SC), ambos com um pouco mais de 30 anos, são os novos árbitros brasileiros do quadro da FIFA, substituindo Luiz Flávio de Oliveira (SP) e Rodolpho Toski Marques (SC).

Aqui, vários fatores: a CBF precisa de nomes jovens para “pelo menos duas Copas do Mundo”, por isso o mineiro de 32 e o catarinense de 33 foram chamados. Também precisa de um árbitro de MG para o quadro internacional, dentro do tabuleiro político da CBF (já que não tem ninguém de Minas Gerais na relação da FIFA). No caso de Abatti, trocou-se apenas um “compatriota que não vingou” por outro.

Luiz Flávio não era aproveitado em jogos internacionais pela Conmebol e FIFA. Toski não se sustentou. Justas saídas.

Zanovelli tem um enorme potencial, mas ainda se mostra “bem verde”. Imaginei que ele fosse para FIFA em 2024. Nós comentamos vários jogos dele (aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/10/18/os-4-topicos-de-red-bull-bragantino-0x2-santos-fc/ e também em: https://professorrafaelporcari.com/2022/08/14/analise-da-arbitragem-de-sao-paulo-3×0-red-bull-bragantino/).

Abatti fez ótimos jogos nesse primeiro semestre, mas começou a sentir a pressão nas últimas partidas. De atuações “bem ligado” a jogos “bem ruins”, abordamos em: https://professorrafaelporcari.com/2022/08/21/e-no-ultimo-lance-de-palmeiras-1×1-flamengo/, aqui: https://professorrafaelporcari.com/2022/09/12/o-lance-de-leo-pereira-e-tadeu-no-gol-de-empate-de-goias-1×1-flamengo-legal-ou-nao/ , também em https://professorrafaelporcari.com/2022/10/09/analise-da-arbitragem-de-coritiba-2×1-red-bull-bragantino

Dos jovens árbitros atuais, ambos são uma boa opção para o futuro. Mas precisam ser bem trabalhados…

Em tempo: Zanovelli apitará Fluminense x Goiás e Abatti estará no Fortaleza x Red Bull Bragantino (ambos bem felizes). Luiz Flávio, certamente triste, vai apitar Avaí x Ceará (todos hoje).

11 anos que pendurei o apito! | PERGUNTE AO ÁRBITRO

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

 

– A abelha e a flor, a mosca e o lixo.

Cada pessoa tem sua percepção própria: sensações, percepções e vontades particulares.

Somando esses fatores com a cultura e a educação de cada indivíduo, temos o cenário singular de cada cidadão. E por mais estranho ou diferente que as escolhas de cada um possam ser, há de se respeitá-las!

Para explicar essa situação, vale a comparação da abelha 🐝  com a mosca 🪰, abaixo: 

Imagem extraída de: https://www.paixaoeamor.com/mensagem/por-mais-que-a-abelha-explique.html

– 5 dicas rápidas para colocar sua ideia em prática.

É muito difícil fazer uma boa ideia sair do papel?

Nem tanto. Compartilho, extraído de: https://revistapegn.globo.com/Banco-de-ideias/noticia/2021/06/5-passos-para-colocar-sua-ideia-empreendedora-em-pratica.html

IDEIAS PARA GANHAR DINHEIRO: SAIBA COMO COLOCAR AS SUAS EM PRÁTICA

Identificar a demanda que seu negócio irá solucionar e estudar a concorrência são alguns deles

Não existem ideias ruins, apenas falta de planejamento e organização. Para transformar ideias empreendedoras em realidade, é necessário fazer sacrifícios, estar disposto a aprender desafios e traçar um plano de execução assertivo. Mas o resultado é um profundo impacto positivo na sua vida pessoal e profissional.

Pensando nisso, a empreendedora Pamela Valdés elaborou uma lista com cinco passos para tirar a sua ideia de negócio do papel, publicada na Entrepreneur. Valdés, CEO da plataforma de audiolivros por assinatura Beek.io, selecionou os passos com base na sua experiência. Confira a seguir.

1. Identifique a necessidade não atendida que o seu negócio irá solucionar

O primeiro passo para dar vida a uma ideia de empreendimento é identificar qual a necessidade do mercado que ela atende. Para isso, é necessário pesquisar quais as principais queixas dos consumidores do nicho e organizar o seu negócio para que ele consiga supri-las.

2. Estude o mercado

Antes de lançar o seu negócio é preciso definir qual é o seu público alvo e quais são as estratégias necessárias para conquistá-lo. Além disso, é essencial analisar a concorrência, investigando suas forças e fraquezas. Com essas informações, será mais fácil tomar decisões e reconhecer onde precisa melhorar.

3. Defina o processo de produção do seu negócio

Descrever com detalhes como será o processo de produção, de acordo com a sua ideia empreendedora. Depois, identifique as ferramentas necessárias para tornar os processos mais eficientes e agilizar o desenvolvimento da sua ideia.

4. Faça uma análise financeira

Antes de dar vida ao seu empreendimento faça uma projeção de todos os seus custos. Analise se há necessidade de recursos externos, e qual a quantia necessária. Depois decida se é melhor recorrer às suas economias, pedir um empréstimos ou ir atrás de investidores.

5. Não deixe que o medo de fracassar te impeça de lançar seu negócio

Após ter concluído os primeiros passos, é hora de se lançar no mercado. Depois, concentre-se em formar um time talentoso, lembrando que a empresa vai crescer a partir da habilidade de seus colaboradores. Não se esqueça de levar em consideração as ideias e opiniões da equipe, levando a um círculo virtuoso que fará a empresa se expandir.

É possível transformar ideias empreendedoras em realidade (Foto: AbsolutVision/Unsplash)

– O gol anulado em São Paulo 0x1 Internacional.

O gol anulado de Igor Gomes em São Paulo 0x1 Internacional: seria validado normalmente se não tivesse ocorrido uma falta fora do lance. Repare que Nestor empurra Moledo, enquanto Calleri está correndo.

“Faltinha boba”, que não impactou em nada na jogada do gol. Mas é falta…

Imagine a bronca de quem marca um gol e tem o seu tento anulado por tal bobeada do companheiro…

Imagem: print de tela

– Clouds.

Nuvens invadindo o céu infinito. Será que teremos chuva ainda hoje?

Se vier, que venha mansa…

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#clouds #sky #landscapes #paisagem #entardecer

– Cantando, caminhando e santificando.

Ditos de alguém que passou por um pouco de tudo na vida:
“Como costuma cantar o caminhante: canta mas segue adiante; alivia o trabalho cantando. Abandona a preguiça. Tu, se progrides, caminhas. Mas progride no bem, progride na fé, sem desvios, progride na vida santa. Canta e caminha”.
Santo Agostinho

bomba.jpg

Extraído de: https://www.santeiro.com.br/santinho-santo-agostinho.html

– A paisagem bonita!

A beleza do Lago do Taboão, na manhã tão inspiradora.

Poucas nuvens no céu! Que maravilha, amigos!

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– Cuca e a gestão de carreira.

Que péssimo Campeonato Brasileiro fez o Atlético Mineiro, não?

Com o dinheiro que gastou, passou longe das suas metas. Mas me chama a atenção o seguinte: Cuca e sua gestão de carreira.

Primeiro: tentou sair “por cima” com o título do ano passado. Acho que não deveria ter pedido demissão, mas foi uma opção. E acabou voltando no meio da temporadaprejudicando sua imagem pela campanha ruim!

Segundo: outrora cotado para a Seleção Brasileira, alguém ainda o cogita como sucessor de Tite?

Há coisas incompreensíveis no futebol…

'Não penso em seleção brasileira. O Atlético é minha seleção'

Foto: Pedro Souza / CAM, extraído do portal R7.

– Inspirando!

Manhã bonita que nos convida a ter paz e força para a labuta!

Com esse cenário, só podemos desejar um dia favorável.

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– A Nova Obsessão Verde

Compartilho com os amigos um interessante artigo da Revista Exame, onde se discute a preocupação das empresas em serem ecologicamente corretas, reduzindo os custos ambientais e as emissões de carbono, além do USO DE ÁGUA.

Nele, se faz um estudo da quantidade de água utilizada entre a produção e o consumidor final. Um exemplo: para uma lata de Coca-Cola de 300 ml, utiliza-se até 60 litros de água (o cálculo considera desde a produção agrícola do adoçante usado na bebida – cana ou beterraba – até o consumo direto da fábrica).

Extraído de: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0947/gestao/nova-obsessao-verde-482549.html

A NOVA OBSESSÃO VERDE

Depois de calcular as emissões de carbono, agora as empresas correm para rastrear o uso de água em seus produtos desde a matéria-prima até o consumidor final

POR SERENA CALEJON

Nos últimos anos, a onda verde transformou uma expressão quase incompreensível em algo corriqueiro dentro de muitas empresas – a contagem de emissões de carbono. É comum hoje encontrar exemplos de cálculos meticulosos de gases de efeito estufa jogados na atmosfera até mesmo em atividades cotidianas, como viagens aéreas de executivos. Na busca para reduzir o próprio impacto ambiental, porém, já não basta diminuir (ou mesmo neutralizar) essas emissões. A nova obsessão das empresas é rastrear o consumo de água envolvido na produção de um bem. Como era de esperar em se tratando desse mercado, a tendência vem acompanhada de um conceito um tanto obscuro: água virtual. A nova bandeira dessa corrida sustentável foi levantada para valer em abril pela Raisio, fabricante de cereais finlandesa, com faturamento de 500 milhões de euros em 2008. A Raisio não apenas mediu o uso de água para a produção da linha Elovena – dos campos de aveia ao supermercado – como também se tornou a primeira companhia no mundo a estampar em sua embalagem o número de sua “pegada” (jargão que no mundinho verde significa o impacto ambiental de uma empresa). Segundo a Raisio, para fabricar 100 gramas de aveia em flocos são consumidos, ao longo de toda a cadeia de produção, 101 litros de água. “Boa parte dos consumidores ainda não entende o conceito”, disse a EXAME Pasi Lähdetie, vice-presidente de comércio de grãos da Raisio. “No futuro, porém, será algo tão compreendido como o carbono.”

O movimento feito pela Raisio começa a ser trilhado também por outras grandes companhias em todo o mundo. A americana Levi Strauss calculou que a fabricação de cada jeans do tradicional modelo 501 consome quase 2 000 litros de água. A Coca-Cola estimou que a fabricação de uma lata de 300 mililitros do refrigerante exija até 60 litros de água (quase 200 vezes o volume de uma latinha). A rede de cafeterias Starbucks anunciou que concluirá neste ano o primeiro rastreamento de consumo de água por toda a empresa – das lojas e escritórios até seus fornecedores de café. Todas seguem o conceito criado em 2002 pelo holandês Arjen Hoekstra, professor de gerenciamento de água da Universidade de Twente, na Holanda. Do ponto de vista ambiental, trata-se de um tema tão premente quanto o aquecimento global – tanto para empresas quanto para governos. Segundo o mais recente relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep, na sigla em inglês), em pouco mais de 15 anos dois terços da população mundial deverão enfrentar escassez de água. “Não estamos usando esse recurso de maneira sustentável”, afirma Hoekstra. “E rastrear a cadeia é o primeiro passo para tornar esse consumo mais racional.”

A primeira dificuldade da empreitada é que, ao contrário das emissões de carbono, não há modelos prontos disponíveis para ser seguidos. Em dezembro, uma rede mundial de ONGs, cientistas e cerca de dez empresas criou a Water Footprint Network para discutir pela primeira vez uma metodologia única para a avaliação da água virtual. As companhias que já começaram a estimar a quantidade do recurso utilizado nas cadeias de produção, portanto, criaram os próprios métodos dentro de casa a partir do ponto zero. No caso da Raisio, o processo levou cerca de três meses e exigiu uma equipe de seis funcionários de áreas distintas (entre fábrica e relacionamento com fornecedores), além de um consultor externo, que já havia ajudado a empresa na determinação da pegada de carbono. Trata-se de uma tarefa complexa, sobretudo porque o levantamento considera informações que estão fora da empresa. Parte do trabalho incluiu visitas a produtores atrás de informações, como o tipo de fertilizante usado na preparação do solo. Por enquanto, a única medida prática tomada pela companhia finlandesa foi colocar a informação na embalagem dos produtos. “O próximo passo é reduzir nosso consumo”, afirma Lähdetie.

Eis aí uma etapa tão ou mais complexa que o cálculo do rastro ambiental. Os estudos da Levi Strauss, por exemplo, mostraram que apenas 6% do consumo de água estava associado aos processos industriais da empresa. A maior parte do recurso é consumida pela agricultura do algodão (49%) e pelo pós-consumo (45%) nas lavagens das roupas. “Percebemos que, para levar adiante o compromisso com a sustentabilidade, era preciso agir no ponto extremo da cadeia, sobretudo com agricultores, e não apenas no processo industrial, onde estávamos focados até então”, afirma Colleen Kohlsaat, gerente de sustentabilidade da Levi Strauss. “O desafio é que temos uma capacidade menor de influenciar esses extremos do que temos de agir em nossas próprias operações.” Na prática, a constatação levou a empresa a investir em parcerias com ONGs como a Better Cotton Initiative, que atua na educação de agricultores do setor algodoeiro, para adotar técnicas com menos impacto ambiental. A Coca-Cola tomou a mesma decisão ao incentivar métodos literalmente mais enxutos de produção de beterraba e cana-de-açúcar, usados como matéria-prima na composição dos refrigerantes.

Diferentemente do que ocorre com as emissões de carbono, que podem ser compensadas com a compra e a venda de créditos, num mercado já estruturado, o sistema de compensação da pegada de água ainda é nebuloso. Por isso, muitas empresas estão criando as próprias regras. Uma delas é a Pepsico. A companhia iniciou um projeto em lavouras de arroz da Índia, no qual substitui a tradicional irrigação por alagamento por uma técnica capaz de reduzir 30% do uso de água (o arroz é usado na fabricação de alguns salgadinhos). Segundo a empresa, se estendesse a área dedicada ao novo sistema de plantio dos atuais 400 hectares para 2 000 hectares, a economia gerada seria capaz de compensar toda a água usada pelas três fábricas da Pepsico na Índia. “Uma mudança pequena pode ter um impacto enorme”, diz Dan Bena, diretor de desenvolvimento sustentável da Pepsico. Os especialistas, no entanto, são mais céticos. “No caso da água, não há como compensar os danos”, afirma o professor Hoekstra. “A não ser que você reponha água na mesma qualidade, quantidade e exatamente no mesmo local, não existe como neutralizar seu impacto.”

Em alguns pontos do planeta, a falta de água já é um problema concreto para muitas empresas. Há dois anos, a fabricante de cerveja sul-africana SABMiller identificou que 30 de suas fábricas estavam em regiões que corriam risco iminente de falta de água. Uma das operações mais arriscadas era a da Tanzânia, onde o uso excessivo das reservas subterrâneas por indústrias locais estava reduzindo a quantidade e piorando a qualidade das fontes de água potável. A saída foi iniciar um programa de reutilização do recurso na unidade. Em novembro, a cervejaria anunciou a meta de cortar 25% de seu consumo de água em todas as suas 139 fábricas até 2015. A medida representará uma economia de 20 bilhões de litros de água por ano – e pode determinar a própria perpetuação de seu negócio.

Torneira De Torneira De Ecologia Com água | Ecologia, Vetores ...

Imagem extraída da Web, autoria desconhecida.

– Golden Morning!

Uma quarta-feira que clareia tão bela (e de intensa inspiração)! Há de ser um bom dia para todos nós (caprichei neste clique das 06h00, aqui em Bragança Paulista).

🇺🇸 A golden dawn in the infinite sky of a far corner of Brazil. The pure and immaculate nature with the beautiful sun.

🇧🇷 Um amanhecer dourado no céu infinito de um recanto longíquo do Brasil. A natureza pura e imaculada com o lindo sol.

📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#amanhecer #morning #sol #sun #sky #céu #natureza #horizonte #fotografia #paisagem #landscapes #inspiração #mobgrafia #XôStress #nuvens #clouds

– Corra que faz bem!

Emais um treino finalizado hoje, controlando os batimentos cardíacos.

Correr faz muito bem, traz equilíbrio para o corpo, para a alma e para a mente! E meus outros motivospara correr eu explicito aqui:https://professorrafaelporcari.com/2020/06/13/bom-dia-sabado-explicando-uma-historia-sobre-animo-e-mobgrafia-em-cores-e-cliques/

– Bom dia, 4ª feira (4 de 4).

🌅 5h – Desperte, Bragança Paulista, bem clara.

Que a quarta-feira possa valer a pena.

(E há de valer – creiamos nisso).

🍃🙌🏻 📸 #FOTOGRAFIAéNOSSOhobby
#clouds #nuvens #sky #céu #photo #nature #morning #alvorada #natureza #horizonte #fotografia #pictureoftheday #paisagem #inspiração #amanhecer #mobgraphy #mobgrafia