– Carreira ou Família: Quando as Mulheres têm que Decidir!

No mundo da Administração de Empresas, muitas vezes os profissionais se vêm obrigados a tomar decisões que afetam a vida pessoal num grau muito significativo. Àqueles que já passaram pela experiência de um difícil conflito entre carreira X família X anseios, sabem como é martirizante e sacrificante tal momento.

Sendo assim, compartilho um artigo interessante sobre as mulheres na hora de decidir o futuro no trabalho! A Revista Época (Ed 09/03 pg 56-59), traz uma pertinente reportagem de Suzana Villaverde sobre esse complicado instante da vida profissional delas.

Abaixo:

PRESIDENTE? NÃO, OBRIGADA

As mulheres preferem abrir mão dos cargos de dedicação integral para cuidar melhor da vida pessoal e da família

É tarde de terça-feira, e Christina Munte, de 43 anos, aproveita para passear com as filhas Juliana, de 9 anos, e Lara, de 5, em um clube da Zona Sul de São Paulo. Almoçam juntas e em seguida lá vai ela, para o alto da arquibancada, assistir ao jogo de tênis da mais velha. Depois, é hora de acompanhar as acrobacias da caçula na aula de ginástica olímpica. O programa é repetido todas as terças-feiras. Embora pareça fazer parte da rotina típica de uma dona de casa, essas cenas têm como protagonista uma profissional muito bem-sucedida, diretora da Atlantica International, uma rede internacional de hotéis. Exceto pelo dia tranquilo que passa com as meninas, no resto da semana Christina se desdobra em reuniões, feiras e viagens internacionais. A vida é corrida, mas ela garante que o ritmo já foi muito pior.

O mercado hoteleiro estava em ebulição nove anos atrás, quando Christina teve seu primeiro bebê. Nessa ocasião, ela trabalhava nos fins de semana, chegava em casa tarde e ficava muito frustrada. “Por cansaço e pela vontade de curtir minha filha”, diz ela. Em 2005, Christina engravidou novamente e sentiu que estava diante de um dilema. “Tinha pavor de abrir mão de uma carreira que me dava imenso prazer, mas precisava aproveitar minha família”, afirma. A solução veio durante uma conversa franca com seu supervisor, ao final da qual ele fez uma proposta tentadora: reduzir em 20% a carga horária semanal, assim como o salário de Christina. “Foi a solução perfeita, pois não precisei abrir mão de nada”, diz.

Profissionais como Christina constituem um grupo em expansão. Elas querem chegar ao topo da pirâmide corporativa, mas, ao contrário das pioneiras, que começaram a percorrer esse caminho na década de 1970 – e tiveram de deixar de lado marido, filhos e até a vaidade para concorrer em pé de igualdade com os homens –, não admitem abdicar de sonhos pessoais ou perder as alegrias oferecidas pela vida privada. Na prática, abrem mão dos postos de dedicação integral para exercer também o papel de mulher, mãe e esposa. A constatação desse fenômeno tem levado à conclusão polêmica de que a desigualdade no topo do mercado de trabalho é incorrigível – e nem sequer deveria ser vista como um problema. Uma pesquisa realizada no ano passado pelo Sophia Mind, um instituto de pesquisa voltado para as mulheres, perguntou a 340 mulheres brasileiras entre 25 e 50 anos, com nível superior completo, se elas desejavam ser presidentes de empresa. Apenas 37% disseram que sim.

“Apesar das queixas das feministas, a verdade é que homens e mulheres têm diferentes aspirações de carreira”, afirma a conceituada socióloga britânica Catherine Hakim, pesquisadora da London School of Economics. “Homens e mulheres têm diferentes objetivos na vida, e as autoridades não deveriam esperar que eles tivessem resultados idênticos na carreira profissional.” No Brasil, segundo uma pesquisa coordenada pelo Instituto Ethos, as mulheres representam 43,6% s da população economicamente ativa, mas estão em apenas 13,7% dos cargos de liderança.

Desacelerar ou recusar cargos invejáveis pode ser o desejo de centenas de trabalhadoras, mas existe espaço para expressar essa demanda? No Brasil, é comum encontrar mães que voltam ao trabalho antes do término da licença-maternidade ou passam anos sem conseguir conciliar suas férias com as das crianças. “Muitas acham um absurdo usufruir esses direitos básicos quando conquistam uma carreira de sucesso”, diz a consultora de Recursos Humanos Carmelina Nicke. Para ela, gerentes e diretoras ainda temem se mostrar mais vulneráveis que os homens no escritório e preferem se submeter a um cotidiano extenuante. Mas essa seria, segunda a consultora, uma realidade com os dias contados. “A tendência é que nas próximas décadas as companhias ofereçam de antemão uma jornada flexível para segurar a profissional competente”, diz Carmelina. Uma pesquisa divulgada na semana passada pela consultoria Accenture mostrou que 41% das mulheres gostariam de ter “formatos flexíveis de trabalho”. Uma possível explicação: um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicado em 2010 revelou que as mulheres gastam 24 horas semanais em atividades domésticas, enquanto os homens fazem somente 9,7 horas de trabalho doméstico.

Para contornar essas dificuldades, a paranaense Ana Carolina Haracemiv, de 35 anos, montou uma “miniempresa” em casa. “Tenho duas empregadas que moram comigo, motorista e até jardineiro”, afirma. Somente assim ela consegue acompanhar a lição das crianças e curtir o marido, sem perder o foco da empresa em que trabalha, a Dow Brasil. “Se você tem de fazer tudo, não consegue pensar em nada direito”, diz. Orgulhosa do esquema que criou, a engenheira não se arrependeu ao recusar uma proposta de ouro: um cargo de liderança na sede da empresa, nos Estados Unidos. “Meu marido é médico, seria complicado para ele. Seria fantástico para minha carreira, mas não era interessante para todos.” É claro que recusar a promoção deixou Ana Carolina apreensiva, mas ela acabou se surpreendendo. Seis meses depois, foi promovida. Disse adeus ao cargo de gerente de marketing para se tornar diretora comercial da América Latina. “A responsabilidade aumentou, mas o impacto na minha família foi mínimo”, diz ela. “Só deixei de lado a ginástica, mas, sinceramente, nunca gostei muito de malhar.”

bomba.jpg

Anúncios

– Como fechar a conta no Fluminense? Ganso sem dinheiro e greve?

Dias atrás, falamos sobre a declaração de Levir Culpi concordando em não contar com Diego Tardelli no Atlético Mineiro, mesmo sendo treinador e gostando do atleta, em apoio à diretoria que não o contratou devido a alta pedida salarial. Declarou, inclusive, da responsabilidade em pagar prioritariamente as contas atrasadas do que trazer um alto salário para o elenco.

(Vide a afirmação de Levir em: https://professorrafaelporcari.com/2019/02/14/palmas-para-o-levir/)

Dito isso, veja o que aconteceu no Rio de Janeiro (que deveria se espelhar na decisão do seu co-irmão de Minas Gerais):  eis que os jogadores do Fluminense não treinaram em um dos dias de trabalho nessa semana em protesto aos salários atrasados. Mas o Tricolor contratou Ganso, que sabidamente tem um custo altíssimo na folha salarial.

Fica a pergunta: onde está a responsabilidade da cartolagem? Urgentemente precisamos de Fair Play financeiro nos clubes de futebol no Brasil. Só gastar o que pode, essa é a receita!

Resultado de imagem para f=ganso no flu

– A Aventura da CVS para vender remédio no Brasil não deu certo!

O mercado farmacêutico brasileiro movimenta cerva de 20 bilhões de dólares, e é dominado pela Raia/Drogasil e a Pacheco/Drogaria São Paulo.

Eis que há pouco tempo, a gigante americana CVS (que sozinha movimenta US$ 200 bi, ou seja, 10 vezes o nosso mercado) adquiriu a rede Onofre para buscar a liderança. E o resultado… pífio!

Depois dessa péssima investida, a Onofre está a venda para tentar se reerguer. Alguém quer comprá-la?

Extraído de: https://economia.estadao.com.br/noticias/negocios,gigante-cvs-tenta-vender-a-onofre-e-articula-saida-do-mercado-brasileiro,70002730004

GIGANTE CVS TENTA VENDER A ONOFRE E ARTICULA SAÍDA DO MERCADO BRASILEIRO

Grupo americano, que desembolsou mais de R$ 700 milhões pela rede, viu a operação virar uma grande fonte de problemas: além de resultados aquém do esperado e da forte concorrência, aquisição foi alvo de briga discutida em tribunal arbitral

Seis anos após entrar no Brasil com a compra da rede Onofre, a gigante americana CVS avalia deixar o País, apurou o Estado. A maior rede de varejo farmacêutico dos Estados Unidos, que fatura quase US$ 200 bilhões por ano, iniciou conversas com bancos de investimentos para tentar vender a Onofre depois de falhar na estratégia de dar escala ao negócio para enfrentar gigantes como a Raia Drogasil e a DPSP (união das drogarias Pacheco e São Paulo).

Fontes ouvidas pelo Estado afirmaram que a CVS estaria disposta a vender a rede por um valor inferior ao que pagou para entrar no Brasil. Bancos começaram a oferecer a rede para as principais companhias do País e para fundos de investimentos. A gigante americana entrou no País em 2013, ao pagar pouco mais de R$ 700 milhões para a família Arede, que fundou em 1934 a Pharmacia Onofre, rebatizada Drogaria Onofre em 1957.

Enquanto a CVS tem 10 mil lojas e faturou US$ 194,8 bilhões nos Estados Unidos, por aqui sua presença é tímida. De 2013 para cá, a companhia não conseguiu avançar a posição de mercado da Onofre – a cadeia, na verdade, perdeu espaço. A rede, em 2012, ocupava a 8.ª posição do setor, segundo a Associação Brasileira de Farmácias e Drogarias (Abrafarma). Passou para o 17.º lugar em 2016 e desapareceu da lista dos 20 maiores a partir de 2017. A Onofre tem hoje 51 lojas, contra 44 de seis anos atrás – apenas três fora de São Paulo. A líder Raia Drogasil tem cerca de 1,8 mil unidades.

Além de não conseguir a escala esperada, o grupo americano trava uma disputa com a família fundadora da Onofre – a briga foi levada à arbitragem em 2016. Após fechar o negócio, a CVS questionou os antigos donos por ter se deparado com passivos trabalhistas e fiscais não listados à época das negociações. Com faturamento de cerca de R$ 700 milhões, conforme dados de 2017, a Onofre anunciou no ano passado que iria priorizar investimentos para expansão das vendas pela internet.

Há três anos, diante da dificuldade em fazer a Onofre crescer de forma orgânica, o grupo tentou fazer uma grande aquisição para virar o jogo: fez uma proposta pela DPSP, mas as negociações não avançaram. A família Arede também tentou retomar o controle do grupo, sem sucesso, segundo fontes.

Especialistas ouvidos pela reportagem afirmaram que, com seu atual porte, os negócios da CVS no Brasil não fazem sentido para os americanos. “O mercado ficou muito surpreso com a entrada do grupo CVS no Brasil. O mercado de varejo farmacêutico no Brasil movimenta cerca de US$ 20 bilhões, enquanto a CVS fatura quase US$ 200 bilhões sozinha”, diz Sérgio Mena Barreto, presidente da Abrafarma.

Consolidação. O processo de consolidação do varejo farmacêutico no Brasil começou pouco antes da chegada da CVS no Brasil. Em 2011, foram anunciadas duas importantes transações que criaram as duas líderes do setor: Raia Drogasil e Drogaria Pacheco-São Paulo (DPSP).

A cearense Pague Menos atraiu o fundo General Atlantic ao negócio – o aporte ajudou a promover a expansão da rede para a região Sudeste, consolidando a companhia como terceira força do setor. O grupo Ultra comprou a paraense Extrafarma, que havia sido cortejada pela BR Pharma, em outubro de 2013. Agora, a companhia está ampliando a presença da marca pelo País, abrindo lojas dentro da rede de postos Ipiranga.

O segmento, no entanto, não viveu só de êxitos. A BR Pharma, que pertencia ao banco BTG Pactual, tentou criar uma gigante ao adquirir companhias regionais. No entanto, o grupo teve dificuldades em várias operações e falhou na tentativa de integrar os diferentes negócios que adquiriu. Vendida pelo BTG por preço simbólico após bilionário prejuízo, a BR Pharma hoje está em recuperação judicial e é administrada pelo empresário Paulo Remy.

Procuradas pela reportagem, a CVS e a Onofre disseram que não comentam rumores de mercado.

Resultado de imagem para cvs onofre

– A Conmebol e suas mazelas que nos desanimam trazendo incredulidade.

Como acreditar na Conmebol como gestora do futebol sul-americano, com tantos problemas registrados no passado (como a final “vendida e revelada” publicamente quando o Estudiantes-ARG ganhou na mão grande o título de 1964 da Libertadores, impedindo a sequência de 3 conquistas do Santos-BRA) e também no tempo presente (vide a atuação pavorosa de Carlos Amarilla no Pacaembu, eliminando o Corinthians-BRA – que estava em litígio com a entidade – frente ao Boca Juniors-ARG)? Sem contar os últimos presidentes presos por corrupção no FIFAgate….

Agora, divulgou-se que 21 equipes (sendo 8 brasileiras) fizeram inscrições de atletas para a Copa Sulamericana e Libertadores de maneira irregular / fora do prazo / com pendências e outras coisas. O Tribunal da Conmebol julgará e punirá quem for culpado.

Ué, mas a entidade que ACEITOU a inscrição não deveria ser co-responsável com quem fez? Ou a bagunça do futebol da América do Sul é tão grande que tanta gente despreza a documentação necessária e faz os procedimentos de qualquer jeito?

No ano passado, o Santos foi punido na Libertadores por conta de Carlos Sanches. Nesse ano, o Barcelona de Guayaquil também recebeu a mesma sanção da perda de pontos. Pela lógica, TODOS os outros clubes deverão também ser punidos com o mesmo critério. Ou a Conmebol terá pesos e medidas diferentes, dependendo dos clubes?

Acho que a única coisa que mudou lá no Paraguai, a sede da entidade, foi sua logo... os vícios e maracutaias continuam os mesmos.

Resultado de imagem para Conmebol

– Quando 100 milhões tomando sol não assustam mais!

Paulo Vieira de Souza, o famigerado “Paulo Preto” do esquema do DERSA, que funcionava supostamente ao PSDB nos mesmos moldes de Geddel Vieira Lima ao MDB ou de tantos outros casos envolvendo gente do PT, segundo a Polícia Federal, tinha um bunker com dinheiro guardado.

Agora, leio em matéria da Rádio Bandeirantes, que Paulo chegava a colocar os mais de R$ 100 mi (sim, cem milhões de reais em espécie, cash, dinheiro vivo) para “tomar sol” a fim de evitar bolor!

Onde vamos parar? Será que a corrupção se tornou algo normal da vida das pessoas? Não se escandaliza mais com nada? Um caso desse era para prender imediatamente todos os pares envolvidos nessa trapaça.

Resultado de imagem para dinheiro lavado

 

– A coragem de Francisco

Dias atrás o Papa confirmou e lamentou que freiras foram envolvidas como escravas sexuais em mosteiros, e que o Vaticano tomaria sérias medidas para acabar com os casos tristes de abuso sexual envolvendo a Santa Igreja.

Pois bem: a “limpa” começou, e o primeiro padre excomungado por abusar de freiras é um brasileiro, que foi remanejado de Goiás para a Diocese de Ciudad del Leste, no Paraguai, enquanto era investigado.

Abaixo, extraído de: https://istoe.com.br/papa-expulsa-padre-brasileiro-acusado-de-abusar-de-ex-freiras/

PAPA EXCOMUNGA PADRE BRASILEIRO ACUSADO DE ABUSOS

O papa Francisco excomungou nesta quarta-feira (20) o padre goiano Jean Rogers Rodrigo de Sousa, conhecido como José Maria, por ser suspeito de cometer abuso sexual contra ex-freiras e ex-noviças. A informação foi revelada pelo jornal “Folha de S.Paulo” nesta quinta-feira (21).

Com a decisão, o religioso deixará de ser padre 19 anos depois de ter sido ordenado sacerdote. Ele é acusado de estuprar e molestar pelo menos 11 mulheres ligadas à organização que fundou, Fraternidade Arca de Maria. Atualmente ele não tem mais ligação com a instituição. A medida é a punição mais grave que a Igreja Católica pode impor a um membro do clero e encerra uma investigação canônica contra Sousa, que havia sido transferido para o Paraguai.

Em comunicado, o monsenhor Guillermo Steckling, responsável pela Diocese de Ciudad del Este, afirma que o sacerdote “foi dispensado de suas obrigações clericais” pelo Pontífice. Sousa já havia sido suspenso de cerimônias e proibido de usar seu hábito até o fim da investigação. Em setembro passado, em entrevista à “Folha de S. Paulo”, ele negou as acusações e afirmou ser alvo de calúnia. A decisão foi tomada em um momento em que Jorge Bergoglio debate no Vaticano os casos de abusos sexuais cometidos por membros do clero que têm abalado a Igreja Católica nos últimos meses.

Crédito: Reprodução/YouTube

– 4 Cores das Flores Molhadas no Amanhecer de Garoa tão belo da 5a feira!

Bom dia! Até quando há chuva, o amanhecer é muito bonito. Veja o sol tentando romper as nuvens logo as 06h da manhã, abaixo:

A garoa da madrugada deixou as flores muito bonitas. Olhe só as pétalas de cor lilás gotejadas:

Se gosta de cores mais vibrantes, eis o vermelho-molhado dessas maravilhas. Compartilho:

Enfim, a minha fotografia preferida: Às 07h, o clique do botão de rosa dourado-róseo, com o céu azul surgindo ao fundo. Traz uma inspiração bacana, né?

Com a beleza visual do retrato do jardim, desejo ótimo 5a feira para todos!

#FOTOGRAFIAéNOSSOhobby