– Os 3 Lances Capitais para São Paulo 1×1 Palmeiras

Selecionei alguns lances do Choque-Rei deste domingo. Vamos discuti-los?

LANCE 1) 12m – Uma bola é lançada ao atacante são-paulino Rogério. O goleiro Fernando Prass corre para se antecipar, sai da área e toca na bola. A bola ainda cai nos pés do atacante que erra o chute. Aqui, algumas considerações:

– lance muito rápido. Em um primeiro momento, pensei que Prass havia tocado com a mão na bola em cima da linha (portanto, lance legal, pois não importa se o restante do corpo está fora da área). Entretanto, uma imagem da Sportv flagrou o toque de mão fora da grande área. Sendo assim, duas interpretações do árbitro:

  1. Prass atrapalhou a jogada usando as mãos fora da área, impedindo o domínio de um atleta numa situação clara e manifesta de gol. Portanto, falta e cartão vermelho (essa é a minha interpretação também). Erro do árbitro e do bandeira.
  2. Prass tenta atrapalhar a jogada, o árbitro dá a vantagem e o atacante do São Paulo a desperdiça por deficiência técnica. Como ele não evitou um gol (já que o gol foi perdido pelo atacante por “ruindade” dele próprio não sabendo aproveitar uma suposta vantagem), não se deve falar em cartão vermelho. Portanto, tiro de meta e cartão amarelo (não sou partidário dessa interpretação).

LANCE 2) 23m – Rogério faz um gol em posição de impedimento. Marcelo Van Gassen, o bandeira, acertou.

LANCE 3) 47m – Mateus Reis puxou Gabriel de Jesus. Imediatamente o árbitro apitou a falta e “matou” a vantagem palmeirense com Rafael Marques (o chute do atacante ao gol já acontece com o jogo parado). Isso se chama “erro de leitura de jogo e precipitação”. Errou o árbitro.

E você, gostou da arbitragem? Deixe seu comentário:

bomba.jpg

– 1 ano de Migração dos Blogs

Hoje faz 1 ano que estou utilizando a base do WordPress para meus blogs, após o “Terra Blog” encerrar o serviço. Agradeço aos amigos pelos acessos! Nesse exato momento, o “Blog do Professor Rafael Porcari – Discutindo Contemporaneidades” possui 52.923 visitas nos últimos 365 dias. O “Pergunte Ao Árbitro” possui 19.775. O blog do Bom Dia / Diário de São Paulo outras dezenas de milhares.

Foram 10.604 publicações (incluindo as do Terra Blog) no primeiro blog e 707 no outro. Isso me obriga a melhorar ainda mais!

Obrigado a todos os internautas.

bomba.jpg

– Por um mundo mais respeitoso! A ridicularização da Charlie Hebdo com a tragédia do garotinho morto.

Lembram quando a Revista Charlie Hebdo foi atacada por terroristas islâmicos na França, onde cartunistas foram fuzilados a “queima-roupa” por desenhos ofensivos à Maomé?

O mundo condenou os atentados e defendeu o direito de expressão.

Eu também defendo a liberdade de expressão, condeno a violência mas pondero: deveria-se respeitar a fé alheia. Humor negro deve ser bem avaliado para não machucar nem ofender.

Agora, a publicação de mal gosto escancarou uma gozação com cartoons do pobre e indefeso menininho refugiado que morreu fugindo da Síria, à beira de uma praia, afogado.

Leio, agora (e só agora), que o mundo acha que tal tipo de humor deve ter limites. A charge indevida do garotinho sírio comoveu aqueles que defendiam as caricaturas sejam elas quais fossem.

Acho insensível e continuo dizendo: essa Charlie Hebdo desrespeita a humanidade, ofende as crenças e se acha auto-suficiente.

Veja que ridículo:
bomba.jpg

Outras capas ofensivas: um Muçulmano Gay e a Santíssima Trindade Ninfomaníaca!

Constrangedor…
bomba.jpg
bomba.jpg

– Lances que Mereciam Cartão Vermelho ou não?

Na rodada do último final de semana do futebol mundo afora, 3 lances chamaram a atenção pela violência. Avalie se os atletas deveriam ser expulsos ou não:

1) Carlos Tevez (Boca Juniors) x Ezequiel Ham (Argentinos Jr). Carlitos deu uma entrada violentíssima no adversário, que fraturou a tíbia!

Veja em: http://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/futebol-argentino/noticia/2015/09/tevez-lamenta-fratura-em-adversario-irei-encontra-lo-e-pedir-perdao.html

2) O português e jovem promessa André Silva, atacante do Porto B, sofreu uma fratura exposta! A imagem é forte, está em: http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/brasil-mundial-fc/post/revelacao-portuguesa-sofre-fratura-feia-apos-sofrer-entrada-criminosa.html

3)Felipe Melo deu uma cotovelada no seu adversário pelo campeonato italiano. Coisa corriqueira? Em: http://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/futebol-italiano/noticia/2015/09/tecnico-rival-reclama-de-cotovelada-e-felipe-melo-se-defende-jogue-tenis.html

O excesso de jogo brusco grave, a “pilhagem” e tantas outras coisas ruins estão matando o prazer em apitar e assistir futebol.

bomba.jpg

– O Embate entre “nós” e “eles”

Richard Branson, dono da área Virgin, é reconhecido mundialmente pela astúcia, ousadia e grande capacidade como administrador. Também escreve uma coluna mundial chamada “Direto do Topo”, reproduzida no Brasil pela Exame.

Aqui ele retrata um problema vivido certamente por nós: assumir vitórias e tentar fugir das derrotas. Fazendo uma brincadeira com os pronomes “nós” e “eles”, vemos como a impessoalidade traz problemas na Administração de Empresas:

Extraído de: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0971/secoes/perigoso-embate-eles-572747.html

O PERIGOSO EMBATE ENTRE “NÓS” E “ELES”

Toda empresa que abusa da impessoalidade tem problemas. Se o funcionário não se sente identificado com a companhia, ele não usará jamais o verbo na primeira pessoa do plural

De todas as espertezas gramaticais, nenhuma me irrita mais do que o uso conveniente de construções impessoais. Por exemplo, você pergunta a um vendedor se ele tem um produto qualquer e ele diz: “Desculpe, ficou decidido que a loja não trabalharia mais com essa marca”. No aeroporto, um funcionário da companhia aérea lhe diz: “Fomos informados de que o voo terá uma hora de atraso”. Essa impessoalidade misteriosa é sempre a culpada por todos os problemas. Quando a notícia é ruim, ela costuma ser dada de forma impessoal, ou apenas de maneira genérica com o sujeito “eles”. Ao passo que a notícia boa costuma vir na primeira pessoa do singular. (Como eu gostaria que minha professora lesse isso. Ela achava que eu não prestava atenção nas aulas!) Se a loja tem o produto desejado, o vendedor dirá: “Tenho, sim.” Quando o voo está no horário, o funcionário da empresa diz: “Tenho o prazer de comunicar que o voo 123 sairá no horário programado”.

Essa tendência merece atenção. Toda empresa que abusa da impessoalidade tem problemas. Se o funcionário não se sente identificado com a companhia, em situações críticas ele não usará jamais o verbo na primeira pessoa do singular – e muito menos do plural. Isso é sinal de que não está havendo comunicação entre os diferentes escalões. Em companhias desse tipo é comum que existam problemas generalizados – do desenvolvimento de produtos à prestação de serviços ao cliente. Pode parecer o maior clichê do mundo, mas o maior tesouro de qualquer empresa são seus empregados. Quando se deixa de observar esse princípio básico, o que se tem é esse antagonismo que contrapõe “nós” a “eles” – um embate velado entre as ações e os interesses da massa de funcionários e os principais executivos.

Basta ouvir as queixas mais comuns da equipe de vendas: “Eles (os chefes) nunca pedem nossa opinião para nada”. Ou ainda: “Se nos tivessem perguntado, teríamos dito que não adianta propor soluções abstratas para os problemas concretos que temos”. E o que dizem os executivos? “Parece que eles (os funcionários) não entendem. Será que não percebem que nossas propostas arrojadas vão ao encontro de uma clientela moderna?” Esse antagonismo, que coloca funcionários e executivos em lados opostos, jamais formará um “nós”. Se os empregados se sentem como se estivessem do lado de fora da empresa, de quem é a culpa? Talvez a administração não esteja investindo tanto quanto deveria para que eles se sintam devidamente valorizados. É fácil fazer esse diagnóstico. Basta perguntar a esses funcionários, por exemplo, onde eles conseguem informações sobre os novos produtos da empresa em que trabalham ou onde ficam sabendo das notícias que podem afetá-los. Se a resposta for “nos jornais” ou “no concorrente”, pode ter a certeza de que a empresa para eles é algo muito distante.

Essa queda de braço entre “nós” e “eles” é comum em qualquer grande corporação, portanto os executivos podem estar certos de que vão ter de lidar com isso a vida toda. Às vezes, encontro esse tipo de coisa nas empresas da Virgin. Quando uma pessoa qualquer me diz: “Desculpe, senhor Branson, mas me disseram que não faríamos mais isso”, respondo assim: “Disseram? Desculpe, pensei que você trabalhasse aqui”. Um pouco pesado, talvez, mas não há quem não entenda!

O problema fica pior ainda por causa de nossa dependência excessiva das tecnologias impessoais de comunicação. Um dos maiores desafios de qualquer executivo hoje é fazer com que as pessoas conversem de verdade umas com as outras. Reuniões presenciais e o velho brainstorming são fundamentais para qualquer empresa. Mandar um e-mail com um anexo de PowerPoint pode dar resultado em alguns casos, mas não na maior parte deles. É preciso adotar um estilo mais fluido de comunicação interna entre a administração e os empregados.

Na Virgin Atlantic, quando estamos bolando uma nova cabine para nossos aviões, chamamos o pessoal da administração, de projetos e de marketing para que acompanhem desde o início tudo o que será feito. Um representante do grupo que utilizará a cabine (isto é, um membro da tripulação) fará parte desse grupo, já que ele, em última análise, será responsável pelo sucesso ou pelo fracasso do novo local de trabalho. Se esse profissional não for convocado, corre-se o risco de ouvir o seguinte comentário da tripulação na primeira vez que entrar nessa cabine que custou milhões de dólares: “Hum, que beleza, mas onde fica a cafeteira?” Quando todos participam do desenvolvimento do produto, o projeto não só sai melhor como também potencializa o sentimento de orgulho próprio dos trabalhos em equipe. Todos saem ganhando, inclusive os clientes e os acionistas.

bomba.jpg

– E viva São Vicente e seus Vicentinos!

Hoje é dia de São Vicente de Paulo, amoroso religioso que se preocupava com a caridade aos necessitados. Seus devotos praticam a mesma doação de serviço em busca da ajuda ao próximo. Parabéns aos Vicentinos!

Conheça sua história, extraído de: CancaoNova.com

SÃO VICENTE DE PAULO

“Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e espírito e amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mat 22,37.39).

Se não foi o lema da vida deste santo, viveu como se fosse. O santo de hoje, São Vicente de Paulo, nasceu na Aquitânia (França) em 1581. No seu tempo a França era uma potência, porém convivia com as crianças abandonadas, prostitutas, pobreza e ruínas causadas pelas revoluções e guerras.

Grande sacerdote, gerado numa família pobre e religiosa, ele não ficou de braços cruzados mas se deixou mover pelo espírito de amor. Como padre, trabalhou numa paróquia onde conviveu com as misérias materiais e morais; esta experiência lhe abriu para as obras da fé. Numa viagem foi preso e, com grande humildade, viveu na escravidão até converter seu patrão e conseguiu depois de dois anos sua liberdade.

A partir disso, São Vicente de Paulo iniciou a reforma do clero, obras assistenciais, luta contra o jansenismo que esfriava a fé do povo e estragava com seu rigorismo irracional. Fundou também a “Congregação da Missão” (lazaristas) e unido a Santa Luísa de Marillac, edificou as “Filhas da Caridade” (irmãs vicentinas).

Sabia muito bem tirar dos ricos para dar aos pobres, sem usar as forças dos braços, mas a força do coração. Morreu quase octogenário, a 27 de setembro de 1660.

São Vicente de Paulo, rogai por nós!
bomba.jpg

– Série “Máfia do Apito” – ESPN BRASIL

Na semana em que o Brasil relembrou os 10 anos da Máfia do Apito, o grave escândalo protagonizado por Edilson Pereira de Carvalho e Paulo José Danelon, a ESPN Brasil produziu uma série de 3 capítulos. Tive a oportunidade de participar do 1o e do 2o episódio.

Você se impressionará ao ver como os árbitros estão hoje, a frase de Danelon de que foi “95% Santo” e a “Aula de Arbitragem” de Edilson, que vive da aposentadoria da mãe.

Abaixo, compartilho:

Ep 1: http://espn.uol.com.br/video/544909_10-anos-da-mafia-do-apito-conheca-a-origem-do-esquema-por-que-arbitro-fifa-se-envolveu-e-como-tudo-foi-descoberto

Ep 2: http://espn.uol.com.br/video/545187_10-anos-da-mafia-do-apito-da-prisao-ao-recurso-que-ainda-aguarda-julgamento-veja-como-estao-os-envolvidos-no-escandalo

Ep 3: http://espn.uol.com.br/video/545549_10-anos-da-mafia-do-apito-banido-do-futebol-edilson-volta-a-apitar-um-jogo-e-reclama-de-levir-em-palestra

Compartilho meu testemunhal no blog, texto em: http://pergunteaoarbitro.wordpress.com/2015/09/23/10-anos-da-mafia-do-apito-e-os-bastidores-que-vivi/

Abaixo, a sequência de capítulos direto do Site: