– Palmeiras 1 x 2 São Paulo e Cruzeiro 3 x 0 Santos: erros que quase mudam o resultado final?

O Palmeiras foi beneficiado com um pênalti inexistente ao seu favor e mesmo assim perdeu do São Paulo. Já o Santos foi prejudicado com a validação do primeiro gol em impedimento a favor do Cruzeiro e acabou derrotado com um placar mais expressivo.

Se tais erros não tivessem acontecidos, os resultados finais de vitória de São Paulo e Cruzeiro seriam outros ou não? Ou seja: o São Paulo ganharia o clássico contra o Palmeiras de maneira mais tranquila e o Cruzeiro teria mais dificuldade em bater o Santos?

Difícil responder. Mas os erros existiram e vamos pontuar as explicações dos lances:

A) Pênalti por uso indevido das mãos na bola por Edson Silva.

Erro primário do árbitro carioca Péricles Bassols Cortez. Na várzea, se resume à regra de “colocar a mão na bola” como: Bola na mão (a bola bateu sem querer na mão) ou Mão na bola (colocou a mão de propósito)?

O torcedor responderá ao assistir pela TV como “bola na mão”. Claro que dentro do campo, influenciado pelo calor da partida, com cansaço, nervosismo, pressão por decidir instantaneamente, o árbitro pode errar. Mas o árbitro tem que estar condicionado para o acerto e o lance era fácil.

Felipe Menezes chuta a bola, que bate no braço de Edson Silva. Lembre-se que a infração de usar a mão na bola só pode ser marcada por intenção do infrator (aqui, não existe a conversa de marcar porimprudência ou força excessiva, que são as outras duas das três condições para assinalar uma falta – exceto em lances de mão).

Se você ainda tiver dúvida do erro, vale ler a Regra do Jogo:

“Uma das faltas punidas com tiro livre direto é: tocar a bola com as mãos intencionalmente (exceto o goleiro dentro de sua área penal).

Tocar a bola com a mão implica na ação deliberada de um jogador fazer contato na bola com as mãos ou com os braços. O árbitro deverá considerar as seguintes circunstâncias:

– O movimento da mão em direção a bola (e não da bola em direção a mão, ou seja, “o jogador tenta tocá-la visivelmente?”);

– A distância entre o adversário e a bola (bola que chega de forma inesperada – “dá tempo do braço desaparecer para que se evite o contato?”);

– A posição da mão não pressupõe necessariamente uma infração (é irrelevante se os braços estão colados ou não no corpo, abertos ou fechados);

– Tocar a bola com um objeto segurado com a mão (roupa, caneleira etc.) constitui uma infração;

– Atingir a bola com um objeto arremessado (chuteira, caneleira etc.) constitui uma infração.”

E a partir do ano passado, há a recomendação de que exista a avaliação se em determinados lances não houve movimento antinatural dos braços no momento do toque (uma intencionalidade disfarçada de falsa imprudência), ou seja, um desejo de que a bola possa bater em seus braços, pulando espalhafatosamente.

Agora que o leitor já sabe de tudo isso, responda: você marcaria pênalti de Edson Silva por intencionalmente agarrar a bola?

Porém, outro erro nesse lance do tiro penal: a cobrança foi irregular, pois há invasão de área!

Se o batedor bate o pênalti e alguém do adversário se adianta (ou o goleiro sai da sua posição ou os jogadores de linha invadem a área), caso o tiro penal não tenha se convertido em gol, volta-se a cobrança. Se a bola entrar, não se volta a cobrar para não beneficiar o infrator. Entretanto, se é companheiro do batedor que invade a área, caso a bola tenha entrado, repete-se a cobrança pela invasão. Repare na imagem que há um jogador palmeirense bem adiantado, além do goleiro Rogério Ceni. E aqui, a Regra é clara: deveria se repetir a cobrança!

Como se vê, o juizão se enrolou até para manter a ordem no jogo…

10368226_829456957094968_7265863687932136219_n.jpg

B) Primeiro Gol do Cruzeiro com Impedimento por Interferir contra um Adversário

Aos 24m, Everton Ribeiro cobra uma falta para a área santista. Marcelo Moreno raspa de cabeça e a bola vai para Ricardo Goulart, que tenta tocá-la mas não consegue. A bola acaba entrando no gol.

Ricardo Goulart está em posição de impedimento. E estar nessa posição não é infração, desde que não participe ativamente da jogada. É isso que chamamos de impedimento passivo.

Reveja o lance e avalie: um jogador estará passando de impedimento passivo para ativo (e aí sim é infração) se:

– Toca na bola, interferindo na jogada;

– Interfere contra um adversário, atrapalhando-o (não precisa nem tocar na bola);

– Tira vantagem da sua posição (espera um rebote sozinho; exceto se a bola é desviada e ele não estivesse esperando uma sobra de bola, de acordo com as novas orientações da Regra 11).

Dessa forma percebe-se que claramente Ricardo Goulart atrapalhou seu adversário, que era o goleiro Aranha. Repare que ele vai na bola, tenta chutá-la e não consegue, participando ativamente no jogo. Alguns podem argumentar que o goleiro falhou, mas deve-se perguntar: ele esperava a bola morrendo mansamente para a sua defesa após o cabeceio de Moreno ou aguardava um chute de Goulart?

Errou o árbitro gaúcho Leandro Pedro Vuaden e seu assistente por entenderem que o lance foi de impedimento passivo.

O mais curioso é que um grande amigo santista sempre reclamou de que o então árbitro Paulo César de Oliveira dava azar em jogos do Peixe (e o bom PC não conseguia ter química com o Santos mesmo, coisas do futebol). Ao ver quem era o comentarista da TV Globo no jogo… PC! E o pior é que ele errou no comentário, pois validou o gol!

10557338_829456847094979_7384874806850572708_n.jpg

E você, o que achou da rodada do Brasileirão neste final de semana? Deixe seu comentário: