– Igreja Católica e o Fechamento de Templos nos EUA

Não está fácil para ninguém: nesses tempos em que as pessoas se tornam cada vez mais materialistas e vaidosas, onde preenchem seus dados como “tenho um lado independente de religião”, ou “espiritualidade própria”, a Diocese Católica de Nova York senta na carne a diminuição de fiéis e fechará 40 igrejas.

A questão é quase a mesma que a do Brasil: está diminuindo o número de fiéis declarados ou se está contabilizando apenas os praticantes?

Isso é importante: há muitos “católicos de carteirinha”, que declaram uma religião ao IBGE mas que não a praticam verdadeiramente. Desses, talvez, a Igreja só os vê quando buscam algum sacramento. Por isso que quem vive a fé, deve praticá-la exemplarmente.

Abaixo, extraído da Folha de São Paulo, caderno Mundo A12, por Thaís Bilenky

DIOCESE DE NOVA YORK FECHA 40 IGREJAS A 2 MESES DE VISITA DO PAPA

A menos de dois meses da chegada do papa Francisco aos EUA, a Igreja Católica em Nova York fez um enxugamento inédito ao fechar, na última sexta-feira (31), quase 40 paróquias, deixando fiéis e até padres inconformados.

Ao menos sete frequentadores de diferentes igrejas enviaram apelos ao Vaticano na tentativa de reverter a medida do cardeal Timothy Dolan.

A decisão foi tomada devido à queda no número de fiéis nas missas e também pela escassez de padres. Além da extinção, diversas igrejas foram fundidas.

Em carta aberta, o cardeal Dolan disse que “não se pode mais esperar que o nosso povo vá aparecer, que as pessoas que foram batizadas e criadas como católicas vão morrer católicas. Não podemos mais gastar energia e recursos mantendo estruturas que não estão funcionando”.

Segundo o centro de estatística católica da universidade Georgetown, em 1965 havia quase 59 mil padres nos EUA. No ano passado, eram só 38 mil. A população católica praticante representava um quarto da população; agora, é um quinto.

Francisco chegará aos EUA em 22 de setembro e viajará a Nova York dois dias depois. Na cidade, fará um discurso na Assembleia-Geral da ONU e uma missa no ginásio Madison Square Garden.

MÁ PUBLICIDADE

O fechamento das igrejas havia sido anunciado já no fim do ano passado. Mas esperar até as vésperas da visita do papa para a celebração da missa final causará embaraço aos líderes católicos em Nova York, afirmou o padre Patrick McCahill, 72.

“Não é boa publicidade à diocese de Nova York. O papa quer que a gente sirva às pessoas pobres e aqui fecham as igrejas para as pessoas pobres. Não faz sentido”, disse.

O padre é responsável pela paróquia Santa Isabel, dedicada a surdos. Ele celebra as missas na linguagem dos sinais, e há programas específicos voltados à comunidade que deverão ser transferidos a outra igreja próxima.

Os fiéis não gostaram. Na última missa, houve choro e lamento. “Nós nos sentimos traídos. Eles não tinham o direito de fechar. Não vinha muita gente, umas 50 no máximo. E daí? Quem se importa com quantas pessoas frequentam a missa? A gente frequenta”, disse um fiel, que não quis ser identificado.

Kal Chaney, 58, membro atuante da comunidade, é autor de um dos recursos enviados ao Vaticano. Ele argumenta que a igreja está em bom estado de conservação e possui reservas financeiras.

Chaney suspeita que a valorização imobiliária no bairro onde fica a igreja –o Upper East Side– devido à construção de uma estação de metrô pode ter motivado o fechamento. O Vaticano deve responder ao apelo de Chaney até setembro. Mas o padre McCahill acredita que a visita papal acelere o processo.

“Minha esperança é que a atitude de Francisco de cuidar de pessoas vulneráveis tenha penetrado na burocracia da igreja e que não vejam motivo para fechar.”
bomba.jpg

– Panelaço, Legitimidade do Voto, Demagogia e Democracia: uma reflexão sobre a Política e a Presidência!

Ontem, durante o horário eleitoral gratuito do PT, grande parcela da população das zonas urbanas promoveram um panelaço em protesto ao partido.

Isso é da democracia.

Entretanto, Dilma foi eleita com a maior parte dos votos (claro, não a maioria deles) do país. Ela é legitimamente a Presidente (não presidenta) da República.

Isso é democracia.

Entretanto, em meio ao mar de corrupção que envolve o PT, ao péssimo momento da Economia, foi uma decepção ver que não houve nenhum mea culpa do Governo, tampouco uma efusiva declaração de que se corrigirá o que está errado.

Foi arrogante mostrar o Lula dizendo que “o pior momento deste governo é melhor do que o melhor momento do governo anterior”.

Isso é demagogia, e meu ouvido não é penico.

Musiquinhas emotivas, sorrisos falsos e tentativa de engodo. Somente aparências de um excelente marqueteiro.

Isso também é demagogia.

Se Dilma renunciar, sofrer um impeachment, ou algo lhe tirar do poder dentro das leis do país, de fato, será democracia.

Mas entra o Temer!

Isso é, desculpe o trocadilho, temeridade.

Sejamos justos: Joaquim Levy tem a marca de Ministro do Aécio Neves. As medidas seriam semelhantes caso existisse a derrota do PT – com uma diferença: sem o “peso nas costas” dos escândalos de tal proporção como vemos.

No fundo, os partidos políticos são todos iguais. E insisto em algo que me dói: não vejo um nome que transmita HONESTIDADE que seja símbolo da mudança do Brasil.

bomba.jpg

– Pato e a cláusula invalidada na Europa!

De novo a pendenga sobre Alexandre Pato não poder jogar contra o Corinthians, defendendo o São Paulo.

Por questão contratual, o atacante não jogará por ser atleta do Timão e estar emprestado ao Tricolor. Insisto com o tema: na Liga dos Campeões da Europa, o goleiro do Atlético de Madrid, Courtois, que era do Chelsea e estava emprestado ao time espanhol, passou pela mesma situação quando ambas as equipes se enfrentaram. Na ocasião, a UEFA liberou o jogador e invalidou a cláusula, criando uma jurisprudência por lá (sobre isso, aqui, em texto do ano passado: http://is.gd/bAImTW)

Fica a questão: o presidente Carlos Miguel Aidar, renomado advogado, teria coragem de usar a semelhança do caso, liberar Osório para escalar Pato e juridicamente se aguentar, ou é melhor manter a política da boa vizinhança?

bomba.jpg

– Cadeia ou Roupa do Rival para Torcedor Briguento?

Aconteceu na Alemanha e é uma decisão sensacional: em agosto de 2014, 2 torcedores do 1860 München, o “time pequeno de Munique”, agrediram em uma estação de metrô um torcedor do Bayern, o “time grande” da cidade”, que estava vestindo camisa e boné da equipe.

Pois bem: identificados pelas câmeras, a juíza Karin Jung, em instância final, decretou a sentença – 15 meses de cadeia ou comprar produtos do rival!

E o que decidiram?

Foram à loja do Bayern, compraram camisas, bonés e cachecol…

A destinação posterior dos artigos?

Ninguém sabe. Mas tiveram que dar lucro ao adversário.

E aí, o que acha dessa punição? Deixe seu comentário:

bomba.jpg