– Prenderam o Racista do caso “Maju” (Globo). E o do caso Joyce Ribeiro (SBT)?

Com a ajuda do Facebook, foi detido o internauta que atacou a jornalista Maria Júlia Coutinho com ofensas racistas na Internet na última semana. É um jovem de 15 anos, morador em Carapicuíba. 

Tomara que o “meninão” seja reeducado e perceba a tolice que fez, aprendendo a viver em sociedade e que só existe uma raça: a raça humana!

Espero, ainda, que outros casos sejam exemplarmente resolvidos, como a da também jornalista Joyce Ribeiro, do SBT, tão ofendida quanto Maju, ainda não solucionado. Veja, extraído de Carta Capital.com.br, de novembro/2014:

JORNALISTA JOYCE RIBEIRO, DO SBT, É VÍTIMA DE RACISMO NA INTERNET

Ofensas publicadas na página do Facebook do Jornalismo do SBT levaram a jornalista Joyce Ribeiro, 36, a registrar na delegacia o crime de injúria racial que sofreu pela rede. A denúncia é direcionada a um usuário que usa o nome “Simone Hidalgo” e que publicou o seguinte texto no último dia 21: “Esta negra chata, vesga, gaguejando, na bancada do jornal é deprimente, fora Joice Sebastiana crioula, volta para o tronco“.

A seguir, sobre a prisão do 1o caso citado:

(Extraído de: Uol Tecnologia)

POLÍCIA IDENTIFICA ADOLESCENTE QUE POSTOU COMENTÁRIOS OFENSIVOS CONTRA MAJU

A Polícia Civil identificou um adolescente de 15 anos suspeito de ter postado comentários ofensivos e preconceituosos no Facebook contra a apresentadora da TV Globo Maria Júlia Coutinho, mais conhecida como Maju. O menor, que mora em Carapicuíba, na Grande São Paulo, foi localizado nesta segunda-feira (6) e levado à delegacia para ser ouvido.

A jornalista foi vítima de comentários racistas nas redes sociais na noite da última quinta-feira (2), após a inclusão de uma foto dela na página oficial do Jornal Nacional. “Só conseguiu emprego no ‘Jornal Nacional’ por causa das cotas. Preta imunda”, dizia um dos comentários. “Não tenho TV colorida para ficar olhando essa preta não”, escreveu outro internauta.

A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância do DHPP (Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa) instaurou inquérito policial para investigar o crime de prática de discriminação ou preconceito de raça. Mesmo após a identificação do menor, A polícia prossegue nas investigações para identificar outros envolvidos.

Para chegar aos suspeitos, os policiais rastrearam as imagens com as mensagens ofensivas e fizeram buscas nas redes sociais para identificar as páginas dos envolvidos. Também foram solicitados dados cadastrais e números de IPs ao Facebook.

A pena para quem comete esse tipo de crime é de dois a cinco anos, além de multa. No caso do adolescente, ele responde por ato infracional, podendo, a critério da Justiça da Infância e da Juventude, responder a alguma medida socioeducativa.
bomba.jpg

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.